Prefeitura de São Borja - RS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO BORJA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

EDITAL Nº 001/2011 - CONCURSO PÚBLICO

Notícia:   São Borja - RS publica 1ª retificação do edital 001/2011

A Prefeitura Municipal de São Borja, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais, faz saber que realizará Concurso Público para preenchimento dos cargos de Advogado, Agente Administrativo Auxiliar, Agente Operacional de Saúde, Arquiteto Urbanista, Assistente Social, Contador, Cozinheiro, Eletricista, Enfermeiro, Engenheiro Civil, Especialista em Educação - Orientação Educacional, Especialista em Educação -Supervisão Escolar, Farmacêutico Bioquímico, Fiscal de Obras e Postura, Fiscal Sanitário, Médico Veterinário, Monitor, Motorista, Operador de Máquinas Rodoviárias, Professor- Arte, Professor - Ciências, Professor - Educação Especial, Professor - Educação Física, Professor-Espanhol, Professor-Geografia, Professor-História, Professor-Inglês, Professor-Matemática, Professor -Português, Psicólogo, Técnico em Contabilidade e Técnico em Enfermagem do quadro de cargos de provimento efetivo da Administração Direta do Poder Executivo de São Borja e do quadro de carreira do Magistério Público Municipal.

I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1.1. O Concurso Público será regido por este Edital, seus Anexos, eventuais retificações e/ou aditamentos, e será realizado sob a responsabilidade da empresa MSCONCURSOS.

1.1.1. É de responsabilidade exclusiva do candidato acompanhar todas as publicações referentes a este concurso.

1.1.2. A relação de cargos, vagas, requisitos, carga horária e vencimentos, objetos do Concurso Público, constam do item II (dois) deste Edital.

1.1.3. O candidato concorrerá à vaga para o cargo no qual se inscrever, conforme item II(dois) deste edital.

1.1.4. A aprovação no Concurso Público não ensejará a obrigatoriedade de nomeação para o serviço público, que se dará apenas em decorrência das necessidades da administração e da existência de vagas no período de vigência do concurso.

1.1.5. A nomeação dos candidatos habilitados obedecerá à ordem de classificação, devendo ser iniciada pela lista de pontuação geral, seguida da lista de candidatos portadores de deficiência, observando-se, a partir de então, sucessiva alternância entre elas, até o exaurimento das vagas reservadas. Em caso de surgimento de novas vagas no decorrer do prazo de validade do Concurso Público, aplicar-se-á a mesma regra e proporcionalidade prevista no item 1.2.deste edital.

1.1.6. Os candidatos aprovados serão nomeados sob o Regime Jurídico Estatutário.

1.2. DAS VAGAS DESTINADAS AOS CANDIDATOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

1.2.1. Em obediência ao disposto ao § 2° do Artigo 5° da Lei nº 8.112/1990, do artigo 6º da Lei n° 2.916 de 31 de outubro de 2001 e na forma do Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999, serão destinadas aos portadores de deficiência 10% (dez por cento) do total das vagas dos cargos que vagarem ou que vierem a ser criados durante o prazo de validade do Concurso, cujas atribuições, recomendações e aptidões específicas sejam compatíveis com a deficiência de que são portadores.

1.2.1.1. O primeiro candidato portador de deficiência classificado no Concurso Público será nomeado para ocupar a décima vaga aberta do respectivo cargo ao qual concorre, enquanto os demais serão nomeados a cada intervalo de dez cargos providos.

1.2.2. Na hipótese do não aproveitamento das vagas destinadas aos portadores de deficiência, por reprovação ou por não atender aos requisitos estabelecidos neste Edital, elas serão preenchidas pelos demais candidatos, respeitada rigorosamente a classificação.

1.2.3. Após a investidura do candidato, a deficiência não poderá ser arguida para justificar a concessão de aposentadoria ou de adaptação em outro cargo, salvo as hipóteses excepcionais de agravamento imprevisível da deficiência que impossibilitem a permanência do servidor em atividade.

1.2.4. Para efeito deste concurso, consideram-se deficiências, que assegurem o direito de concorrer às vagas reservadas, somente as conceituadas na medicina especializada, de acordo com os padrões internacionalmente reconhecidos.

1.2.5. O candidato portador de deficiência deverá declarar, no ato da inscrição, no campo próprio, o tipo da deficiência de que é portador, o código correspondente da Classificação Internacional de Doença - CID e a necessidade de condições especiais para se submeter às provas.

1.2.5.1. O candidato que não atender ao solicitado no item anterior não será considerado portador de deficiência, não poderá impetrar recurso em favor de sua situação, bem como não terá sua prova especial preparada, seja qual for o motivo alegado.

1.2.6. O candidato deficiente visual (amblíope) que necessitar de prova ampliada ou que depender de instrumentos específicos para leitura das provas deverá informar a especialidade e/ou tamanho da letra (fonte) no ato da inscrição, no campo próprio.

1.2.7. O deficiente visual cego total deverá indicar sua condição, informando no requerimento de inscrição a necessidade de realizar a prova em braile ou com auxílio de ledor.

1.2.7.1. As provas ampliadas ou em braile, quando solicitadas, serão disponibilizadas sem custo ao candidato.

1.2.8. O candidato portador de deficiência deverá informar a(s) condição(ões) especial(ais) de que necessita, caso não seja(m) nenhuma das acima mencionadas, facultado à Empresa Organizadora do Concurso o deferimento ou indeferimento do pedido.

1.2.9.As condições especiais solicitadas pelo candidato para o dia da prova serão analisadas e atendidas, segundo critérios de viabilidade e razoabilidade, sendo este comunicado em caso de não atendimento a sua solicitação.

1.2.10. Outras especialidades, quando autorizadas previamente pela Empresa Organizadora do Concurso, deverão ser providenciadas por iniciativa e à expensas do candidato.

1.2.11. O candidato com dificuldade de locomoção deverá indicar sua condição, informando no requerimento de inscrição se utiliza cadeira de rodas ou se necessita de local de fácil acesso.

1.2.12.O candidato portador de deficiência participará do concurso em igualdade de condições com os demais candidatos, no que se refere ao conteúdo das provas, à avaliação, aos critérios de aprovação, aos horários e locais de realização das provas, bem como à pontuação mínima exigida.

1.2.13. Ao candidato com deficiência que necessitar de tempo adicional, conforme previsto no § 2° do artigo 40, do Decreto Federal n ° 3.298/99, será concedido 25% de tempo adicional.

II-DOS CARGOS, DAS VAGAS, DOS REQUISITOS, DA CARGA HORÁRIA, DO VENCIMENTO MENSAL E DAS ATRIBUIÇÕES 2.1. QUADRO

Cargos

Número de Vagas

Requisitos

Carga Horária Semanal

Vencimento Mensal

Total

Portadores de Deficiência

Advogado

1

-

Curso Superior Ciências Jurídicas e Sociais, com registro na OAB

30 horas

R$ 1.761,99

Agente Administrativo Auxiliar

14

1

Ensino Médio

30 horas

R$ 530,08

Agente Operacional De Saúde

5

-

Ensino Médio

40 horas

R$ 530,08

Arquiteto Urbanista

1

-

Curso Superior de Arquitetura (Habilitação legal)

30 horas

R$ 1.761,99

Assistente Social

1

-

Curso Superior da Área (com Habilitação legal)

40 horas

R$ 1.761,99

Contador

1

-

Curso Superior de Ciências Contábeis, em situação regular no órgão regulador da profissão, com habilitação legal de Contador;

30 horas

R$ 1.761,99

Cozinheiro

3

-

Ensino Fundamental

40 horas

R$ 485,94

Eletricista

2

-

Ensino Fundamental

40 horas

R$ 499,64

Enfermeiro

2

-

Ensino Superior, habilitação legal para o exercício da profissão

40 horas

R$ 1.761,99

Engenheiro Civil

1

-

Curso Superior de Engenharia Civil (Habilitação legal)

30 horas

R$ 1.761,99

Especialista em Educação -Orientação Educacional

15

1

Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente à licenciatura plena (Habilitação Legal)

20 horas

R$ 372,60

Especialista em Educação -Supervisão Escolar

25

2

Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente à licenciatura plena

20 horas

R$ 372,60

Farmacêutico Bioquímico1 -Curso Superior da área (com habilitação legal)20 horasR$ 1.370,44
Fiscal de Obras e Posturas4-Ensino Médio30 horasR$ 723,56
Fiscal Sanitário3-Ensino Médio40 horasR$ 723,56
Médico Veterinário1-Curso Superior com habilitação legal, para o exercício da profissão de Médico Veterinário30 horasR$ 1.761,99
Monitor5-Ensino Médio40 horasR$ 514,59
Motorista8-Ensino Fundamental e Carteira Nacional de habilitação D ou E40 horasR$ 556,62
Operador de Máquinas Rodoviárias4-Ensino Fundamental e Carteira Nacional de habilitação D ou E40 horasR$ 556,62
Professor -Arte4-Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Professor -Ciências121Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Professor -Educação Especial5-Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Professor -Educação Física2-Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Professor -Espanhol6-Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Professor -Geografia8-Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Professor -História9-Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Professor -Inglês6-Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Professor -Matemática161Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Professor -Português151Habilitação específica obtida em curso superior, ao nível de graduação correspondente a licenciatura plena.20 horasR$ 372,60
Psicólogo3-Curso Superior em Psicologia (Habilitação legal)20 horasR$ 1.370,44
Técnico em Contabilidade2-Habilitação legal para o exercício da profissão de Técnico em Contabilidade, devidamente registrado no Conselho Correspondente30 horasR$ 1.250,59
Técnico em Enfermagem2-Ensino Médio Completo, curso de especialização e registro no Conselho Regional de Enfermagem40 horasR$ 723,56

2.2. As atribuições dos cargos constam do Anexo I deste Edital.

III - DO PRAZO, DO LOCAL, DOS REQUISITOS, DOS DOCUMENTOS E DOS PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÃO

3.1As inscrições deverão ser realizadas exclusivamente por meio da internet ,através do endereço eletrônico www.msconcursos.com.br, no período de 27/07/2011 a 10/08/2011,e pagas na rede bancária ou em qualquer agência dos correios.

3.1.1. As inscrições poderão ser efetuadas somente até as 23h59min (vinte e três horas e cinquenta e nove minutos), horário de Brasília, do dia10/08/2011.

3.1.2. A inscrição poderá ser paga somente até o dia útil posterior à data de encerramento das inscrições.

3.2. A inscrição do candidato implicará no conhecimento e aceitação irrestrita das normas e condições estabelecidas neste Edital e em seus Anexos, em relação às quais não poderá o candidato alegar desconhecimento.

3.3. O candidato será responsável por qualquer erro ou omissão das informações prestadas na ficha de inscrição.

3.4. Para realizar a Inscrição, o candidato deverá acessar o endereço eletrônico www.msconcursos.com.br no período de inscrições e cumprir com os seguintes requisitos:

a) Ler atentamente o edital;

b) Preencher o requerimento eletrônico de inscrição, que, além de outras informações, exigirá o número do CPF, o número do RG, com respectiva indicação do Órgão expedidor;

c)Conferir os dados digitados no requerimento eletrônico de inscrição e confirmá-los;

d) Imprimir boleto bancário para pagamento;

e) Efetuar o pagamento do boleto gerado com cadastro até a data de vencimento, nas agências da rede bancária, em qualquer agência dos correios ou via internet.

3.5. O candidato só poderá fazer prova para um cargo. 3.6. Valor das Inscrições:

Nível

Cargo

Valor

Nível Fundamental

Cozinheiro, Eletricista, Motorista, Operador de Máquinas Rodoviárias

R$ 30,00

Nível Médio / Médio Técnico

Agente Administrativo Auxiliar, Agente Operacional da Saúde, Fiscal de Obras e Posturas, Fiscal Sanitário, Monitor, Técnico em Contabilidade, Técnico em Enfermagem

R$ 50,00

Nível Superior

Advogado, Arquiteto Urbanista, Assistente Social, Contador, Enfermeiro, Engenheiro Civil, Especialista em Educação - Orientação Educacional, Especialista em Educação - Supervisão Escolar, Farmacêutico Bioquímico, Médico Veterinário, Professor - Artes, Professor - Ciências, Professor - Educação Especial, Professor - Educação Física, Professor - Espanhol, Professor - Geografia, Professor - História, Professor - Inglês, Professor -Matemática, Professor -Português, Psicólogo.

R$ 80,00

3.7.Não será aceito comprovante de depósito, ou qualquer outra forma de pagamento diferente da estabelecida neste Edital.

3.8. Não será devolvida em hipótese alguma a importância recolhida pelo candidato referente à taxa de inscrição, ressalvado nos casos de não realização, suspensão ou cancelamento deste Concurso.

3.8.1. Na hipótese de ocorrer um dos casos acima mencionados, a devolução ocorrerá num prazo não superior a 60 (sessenta) dias.

3.9. A inscrição do candidato somente será deferida após a Empresa MSCONCURSOS receber a confirmação, pela instituição bancária, do respectivo pagamento.

3.9.1. O MUNICÍPIO DE SÃO BORJA - RS e a Empresa MSCONCURSOS não se responsabilizam por solicitação de inscrição via internet não recebida por problemas de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, bem como outros fatores que impossibilitem a transferência de dados e/ou a efetivação do pagamento da taxa de inscrição.

3.10. Não será aceita inscrição por fac-símile (fax), via postal, condicional ou fora do período estabelecido.

3.11. Será cancelada a inscrição se for verificado, a qualquer tempo, o não atendimento a quaisquer dos requisitos aqui fixados.

3.12. As informações prestadas na ficha de inscrição são de inteira responsabilidade do candidato, podendo ser excluído do Concurso Público aquele que preenchê-la com dados incorretos, bem como aquele que prestar informações inverídicas, ainda que o fato seja constatado posteriormente.

3.13. Após a confirmação do pagamento da inscrição pela instituição bancária, não será aceito pedido de alteração dos dados indicados na ficha de inscrição.

3.14. Da Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição

3.14.1. Não haverá isenção total ou parcial do valor da taxa de inscrição, exceto para os candidatos amparados pela Lei n° 3.561/06, que isenta o cidadão desempregado do pagamento de inscrição em concurso público no Município de São Borja - RS.

3.14.2. Os candidatos interessados em obter isenção do valor da inscrição deverão inscrever-se, preencher o campo destinado à isenção e dirigir-se ao posto de atendimento, localizado na Prefeitura Municipal (Rua Aparicio Mariense, n° 2751, Centro, São Borja - RS).

3.14.3. Para obterem a isenção, os candidatos deverão comprovar que estão desempregados, por meio da apresentação da documentação abaixo:

a) Solicitação de Isenção de Pagamento da Inscrição, preenchida e assinada, em duas vias, conforme formulário disposto no site www.msconcursos.com.br (Anexo IV);

b) Carteira de trabalho (CTPS) ou documento similar: original e cópia da primeira página (frente e verso) com os dados de identificação e cópia da página com a data de saída do emprego e da página subsequente em branco.

3.14.3. 1. A Carteira de Trabalho (CTPS) deverá estar devidamente atualizada, quando tratar-se de profissional da iniciativa privada.

3.14.3.2. O prazo para solicitar a isenção do pagamento da taxa de inscrição será de 5 (cinco) úteis contados a partir da data de abertura das inscrições do Concurso Público.

3.14.4. A relação dos pedidos de isenção deferidos será divulgada no endereço eletrônico www.msconcursos.com.br.

3.14.4.1. Os candidatos com isenção deferida terão sua inscrição automaticamente efetivada.

3.14.4.2. O candidato que tiver o pedido de isenção indeferido deverá efetuar o pagamento do boleto dentro do prazo estipulado para regularizar sua inscrição, sendo de sua total responsabilidade obter esta informação sobre eventual indeferimento da taxa de isenção no prazo supra descrito, para todos os efeitos legais.

3.14.5. A não apresentação de qualquer documento estabelecido para comprovar a condição de que trata o item 3.14. ou a apresentação dos documentos fora dos padrões e formas solicitadas implicará o imediato indeferimento do pedido de isenção.

3.14.6. As informações prestadas no formulário de solicitação de isenção, nos documentos e declarações serão de inteira responsabilidade do candidato, podendo este responder, a qualquer momento, civil e/ou criminalmente, caso comprovada fraude, podendo ainda acarretar sua eliminação do concurso público.

IV- DA ETAPA DO CONCURSO PÚBLICO

4.1.O concurso público será constituído das seguintes etapas:

a) Prova Objetiva + Prova Prática para os cargos de Eletricista, Motorista e Operador de Máquinas Rodoviárias.

b) Prova Objetiva + Prova de Títulos para os cargos de nível Superior.

c) Prova Objetiva para os demais cargos.

4.2. DAS PROVAS

4.2. 1. DA PROVA OBJETIVA DE MÚLTIPLA ESCOLHA

4.2.1.1. A Prova Objetiva de múltipla escolha, de caráter eliminatório e classificatório, conterá questões das áreas de conhecimento, conforme estabelecido no quadro de provas.

4.2.1.2. As questões da Prova Objetiva de múltipla escolha conterão 4 (quatro) alternativas (A, B, C e D), das quais haverá uma única resposta correta.

4.2.1.3. Os conteúdos das provas constam do Anexo II deste Edital.

4.2.1.4. À Prova Objetiva será atribuído valor máximo de 100 (cem) pontos.

4.2.1.5. À Prova Objetiva será atribuído o seguinte resultado:

a) APROVADO: o candidato alcançou o mínimo de 50% (cinquenta por cento) da pontuação total da Prova Objetiva.

b) REPROVADO: o candidato não alcançou o mínimo de 50% (cinquenta por cento) da pontuação total da Prova Objetiva, acarretando em sua eliminação do Concurso Público.

c) AUSENTE: o candidato não compareceu para realizar a Prova Objetiva, acarretando em sua eliminação do Concurso Público.

4.2.1.6. A pontuação relativa à(s) questão(ões) eventualmente anulada(s) será(ão) atribuída(s)a todos os candidatos do respectivo cargo daquela questão presentes à prova.

4.2.1.7. QUADRO DE PROVAS

CARGO

TIPO DE PROVA / ÁREA DE CONHECIMENTO

Nº DE QUESTÕES

VALOR DE CADA QUESTÃO

Nível Fundamental

Cozinheiro

Eletricista

Motorista

Operador de Máquinas Rodoviárias

Língua Portuguesa

Matemática

Legislação

Conhecimentos Gerais

10

08

07

05

3, 5

3,0

3,0

4,0

Nível Médio

Agente Administrativo Auxiliar

Agente Operacional da Saúde

Fiscal de Obras e Posturas

Fiscal Sanitário

Monitor

Língua Portuguesa

Matemática

Legislação

Noções de Informática

Conhecimentos Gerais

10

10

10

05

05

2,5

2, 5

2,5

2,5

2,5

Nível Médio Técnico

Técnico em Contabilidade

Técnico em Enfermagem

Língua Portuguesa

Matemática

Legislação

Noções de Informática

Conhecimentos Específicos

06

05

05

04

20

3, 0

2,0

2,0

0,3

2,5

Nível Superior

Advogado

Arquiteto Urbanista

Assistente Social

Contador

Enfermeiro

Engenheiro Civil

Especialista em Educação-Orientação Educacional

Especialista em Educação-Supervisão Escolar

Farmacêutico Bioquímico

Médico Veterinário

Professor-Arte

Professor-Ciências

Professor-Educação Especial

Professor-Educação Física

Professor-Espanhol

Professor-Geografia

Professor-História

Professor-Inglês

Professor-Matemática

Professor-Português

Psicólogo

Língua Portuguesa

Legislação

Noções de Informática

Conhecimentos Específicos

10

05

05

20

2,5

2,5

2,5

2,5

4.2.2. DA PROVA PRÁTICA

4.2.2.1. A Prova Prática, de caráter eliminatório, será aplicada somente aos candidatos aprovados na Prova Objetiva para os cargos de Eletricista, Motorista e Operador de Máquinas Rodoviárias, mediante convocação em Edital específico, a ser publicado nos sites www.msconcursos.com.br e www.saoborja.rs.gov.br.

4.2.2.1.2. Não haverá segunda chamada ou repetição das provas seja qual for o motivo alegado.

4.2.2.2. A Prova Prática será avaliada na escala de 0 (zero) a 100 (cem) pontos.

4.2.2.3. À Prova Prática será atribuído o seguinte resultado:

a) APTO: o candidato alcançou o mínimo de 50% (cinquenta por cento) da pontuação total da Prova Prática.

b) INAPTO: o candidato não alcançou o mínimo de 50% (cinquenta por cento) da pontuação total da Prova Prática, acarretando em sua eliminação do Concurso Público.

c) AUSENTE: o candidato não compareceu para realizar a Prova Prática, acarretando em sua eliminação do Concurso Público.

4.2.2.3.1. Por seu caráter eliminatório, a Prova Prática não influenciará na classificação dos candidatos.

4.2.2.4. A aplicação poderá ser feita por turmas, sendo os candidatos chamados em intervalos a serem definidos por ocasião da realização da prova.

4.2.2.5. A Prova Prática buscará aferir a capacidade de adequação funcional e situacional do candidato às exigências e ao desempenho eficiente das atividades do cargo.

4.2.2.6. Critérios de avaliação para a Prova Prática:

4.2.2.6.1.Atividades práticas referentes às atribuições do respectivo cargo, conforme item II.

4.2.2.7. As demais informações a respeito da Prova Prática constarão no edital de convocação específico para essa etapa.

4.2.3. DA PROVA DE TÍTULOS

4.2.3.1. A Prova de Títulos, de caráter classificatório, será aplicada somente aos candidatos aprovados na Prova Objetiva para os cargos de Nível Superior, por profissional devidamente qualificado, mediante convocação em Edital específico a ser publicado no site www.msconcursos.com.br.

4.2.3.2. Só será aceito título original ou cópia autenticada em cartório.

4.2.3.3. A apresentação dos títulos deverá ser feita diretamente pelo candidato ou através de procurador legalmente habilitado, por procuração pública ou particular com firma do candidato reconhecida em cartório, elaborada especificamente para esse fim.

4.2.3.3.1. A procuração de que trata o item anterior ficará retida com a Empresa MSCONCURSOS.

4.2.3.3.2. Os títulos serão contados na presença do candidato, ou de seu procurador, e devolvidos após assinatura do formulário próprio para registro da pontuação.

4.2.3.4. Só serão considerados os títulos relacionados no quadro abaixo:

TÍTULO

CARGA HORÁRIA MÍNIMA POR TÍTULO

PONTUAÇÃO POR TÍTULO

PONTUAÇÃO MÁXIMA

Doutorado na área para a qual se inscreveu

-

5,0

5,0

Mestrado na área para a qual se inscreveu

-

4,0

4,0

Pós-Graduação na área para a qual se inscreveu

360

3,0

3,0

Graduação, quando não for pré-requisito para o cargo para o qual se inscreveu.

-

2,0

2,0

PONTUAÇÃO MÁXIMA TOTAL

14,0

4.2.3.5. Os títulos deverão ser comprovados por meio de diploma, certificado, atestado ou declaração, expedidos e assinados pelo órgão ou entidade competente.

4.2.3.6. Sendo constatada a irregularidade do(s) título(s), mesmo após o ato de entrega, a Banca Examinadora se reserva no direito de não computar os pontos a ele(s) atribuído(s).

4.2.3.7. Após a entrega do(s) título(s), eventualmente poderá ser solicitado ao candidato cópia destes para fins de comprovação, o(s) qual(is) deverá(ão) ser enviado(s) via sedex ou via e-mail (digitalizados/escaneados).

4.2.3.8. As demais informações a respeito da Prova de Títulos constarão no edital de convocação específico para essa etapa.

4.3. DA REALIZAÇÃO DAS PROVAS

4.3.1. A data prevista para a realização da Prova Objetiva é o dia 11/09/2011, no Município de São Borja - RS, com duração máxima de 3 (três) horas, incluso o tempo para preenchimento do cartão-resposta.

4.3. 1. 1. Essa data poderá ser alterada por necessidade da administração. Havendo alteração da data prevista, será publicada com antecedência nova data para realização das provas.

4.3. 1.2. Caso o número de candidatos inscritos exceda a oferta de lugares existentes nos estabelecimentos de ensino disponíveis na cidade de São Borja -RS, a Empresa Organizadora do Concurso se reserva o direito de alocá-los em cidades próximas para aplicação das provas, eximindo-se de qualquer responsabilidade quanto ao transporte, alimentação e alojamento desses candidatos.

4.3.2. O local e horário de realização das provas serão divulgados oportunamente nos endereços eletrônicos www.msconcursos.com.br e www.saoborja.rs.gov.br.

4.3.2.1. Só será permitida a realização da prova em data, local e horário estabelecidos.

4.3.3. Não haverá, por qualquer motivo, prorrogação do tempo previsto para aplicação das provas em razão do afastamento do candidato da sala de provas, mesmo quando no caso previsto no item 4.3.15., ressalvado o previsto no item 1.2.13.

4.3.4. O candidato deverá comparecer ao local determinado para realização das provas munido de documento original de identificação com foto, caneta esferográfica de tinta preta ou azul, lápis, borracha e comprovante de inscrição (boleto bancário).

4.3.4. 1. Recomenda-se que o candidato compareça ao local 30 (trinta) minutos antes da hora marcada.

4.3.4.2. Só será permitida a realização das provas ao candidato que apresentar ao fiscal de sala o original de um dos seguintes documentos de identificação: Cédula de Identidade (RG), ou Carteira de Órgão ou Conselho de Classe ou Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) ou Certificado Militar ou Carteira Nacional de Habilitação ou Passaporte, dentro do prazo de validade.

4.3.4.3. Somente será permitida a realização das provas pelo candidato que apresentar um dos documentos discriminados no item anterior, desde que o documento permita, com clareza, a sua identificação.

4.3.4.4.Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar no dia de realização das provas documento de identidade original, por motivo de perda, roubo ou furto, deverá entregar uma cópia do documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial, expedido em, no máximo, trinta dias, ocasião em que será submetido à identificação especial, compreendendo coleta de dados, de assinaturas e de impressão digital.

4.3.4.5. Como nenhum documento ficará retido, não serão aceitos protocolos, cópias dos documentos citados, ainda que autenticadas, ou quaisquer outros documentos diferentes dos anteriormente definidos, inclusive carteira funcional de ordem pública ou privada.

4.3.5. Não será permitido o ingresso de candidato no local do concurso após o horário estabelecido, não sendo admitido candidato retardatário, sob pretexto algum, após o fechamento dos portões.

4.3.6. Não haverá segunda chamada para realização das provas ou avaliações sob nenhuma hipótese.

4.3.7. Não será permitido ao candidato realizar a prova portando armas ou aparelhos eletrônicos (bip, telefone celular, qualquer tipo de relógio, walkman , agenda eletrônica, notebook, palmtop, receptor, gravador, ponto eletrônico, etc.), boné e chaves.

4.3.7. 1. Caso o candidato porte algum dos aparelhos eletrônicos acima mencionados, deverá desligá-los e acomodá-lo(s) abaixo de sua cadeira, sob sua guarda e responsabilidade.

4.3.7.2. Durante todo o tempo em que permanecer no local onde está ocorrendo o concurso, o candidato deverá manter o celular desligado, sendo permitido ligá-lo somente após ultrapassar o portão de saída do prédio.

4.3.7.3. A Empresa MSCONCURSOS não se responsabilizará por perdas ou extravios de objetos e/ou equipamentos eletrônicos ocorridos durante a realização da prova, nem por danos a eles causados.

4.3.7.4. O descumprimento do descrito nos itens 4.3.7., 4.3.7.1. e 4.3.7.2. acima poderá implicar na eliminação do candidato, constituindo tentativa de fraude.

4.3.8. Será ainda excluído deste concurso público o candidato que incorrer nas seguintes situações:

a) Fizer uso de consulta bibliográfica de qualquer espécie;

b) Utilizar equipamento eletrônico de qualquer tipo;

c) Ausentar-se da sala de prova sem o acompanhamento de um fiscal;

d) For surpreendido em comunicação com outros candidatos;

e) Fizer uso do celular, ou mantiver o aparelho ligado durante o tempo que permanecer no local de prova;

f) Utilizar meios ilícitos para a execução da prova;

g) Não acatar as determinações do edital do concurso;

h) Perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos;

i) Desacatar o(s) fiscal(is) e/ou membro(s) da equipe de coordenação;

j) Fumar no local onde está ocorrendo o concurso, conforme artigo 2º da Lei nº9.294/96;

k) Não ASSINAR seu cartão-resposta.

4.3.9. Será atribuída pontuação zero à questão que, no cartão-resposta:

a) Não apresentar alternativa assinalada;

b) Apresentar alternativa(s) rasurada(s);

c)Tiver mais de uma alternativa assinalada;

d) Estiver assinalada diferente do proposto.

4.3.10.É de exclusiva responsabilidade do candidato ASSINAR e preencher devidamente o cartão-resposta.

4.3.10.1. O candidato deverá ater-se às instruções contidas no edital, no caderno de questões e no cartão-resposta.

4.3.10.2. Não haverá substituição do cartão-resposta por erro do candidato.

4.3.11. Ao concluir a Prova Objetiva, ou findo o tempo estabelecido para a sua realização, o candidato deverá entregar ao fiscal de sala o cartão-resposta ASSINADO.

4.3.12. Período de Sigilo -Por motivos de segurança, o candidato poderá se retirar do local de realização das provas somente 1(uma) hora após o seu início.

4.3.12.1 O candidato poderá levar o caderno de provas somente após 1(uma) hora e 30(trinta) minutos doinícioda realização da prova.

4.3.12.2. Os 3 (três) últimos candidatos da sala poderão sair somente juntos e após o fechamento do envelope contendo os cartões-resposta dos candidatos presentes e ausentes, devendo atestar que o envelope foi devidamente lacrado.

4.3.13. Depois da assinatura da folha de frequência até a entrega do cartão-resposta ao fiscal, o candidato não poderá ausentar-se da sala de provas sem o acompanhamento de um fiscal.

4.3.14. A retificação de erros referentes a dados pessoais deverá ser solicitada através do e-mail: retificacao.saoborja@msconcursos.com.br, em até 2 dias úteis após a publicação da Classificação Preliminar do Concurso Público.

4.3.14.1.O candidato que não solicitar a correção nos termos deste item deverá arcar, exclusivamente, com as consequências advindas de sua omissão.

4.3.15. A candidata lactante, que necessitar amamentar durante a realização da prova, será acompanhada de fiscal da Empresa MSCONCURSOS, não havendo compensação desse período no tempo de duração das provas.

V - DA PONTUAÇÃO FINAL E DA CLASSIFICAÇÃO

5.1. A classificação observará a ordem numérica decrescente, individualmente alcançada no somatório dos pontos obtidos nas provas objetivas e de títulos, quando for o caso, e atribuindo-se o primeiro lugar ao candidato que obtiver a maior soma, e assim sucessivamente.

5.2. A classificação dos aprovados, por ordem decrescente da pontuação final, será publicada no site www.msconcursos.com.br e www. saoborja.rs.gov.br.

VI - DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE

6.1.Em caso de empate terá preferência o candidato:

6.1.1. Para os cargos de Nível Fundamental e Nível Médio:

a) Com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, nos termos da Lei nº 10.741/2003, entre si e frente aos demais, sendo que será dada preferência ao de idade mais elevada;

b) Que obtiver maior número de acertos na área de Língua Portuguesa;

c) Que obtiver maior número de acertos na área de Matemática;

d) Que tiver mais idade.

6.1.2. Para os cargos de Nível Médio Técnico e Nível Superior:

a) Com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, nos termos da Lei nº 10.741/2003, entre si e frente aos demais, sendo que será dada preferência ao de idade mais elevada;

b) Que obtiver maior número de acertos na área de Conhecimentos Específicos;

c) Que obtiver maior número de acertos na área de Língua Portuguesa;

d) Que tiver mais idade.

6.2.Persistindo o empate será realizado sorteio público.

VII - DOS RECURSOS

7.1. O prazo para interposição de recurso será de 2 (dois) dias úteis contados a partir da data seguinte à da publicação do fato que lhe deu origem.

7.2. Admitir-se-á um único recurso por candidato e de forma individualizada, ou seja, um recurso para cada evento que lhe deu origem.

7.2.1. Só será aceito recurso contra os seguintes atos,a saber:

a) Omissão do nome do candidato;

b)Indeferimento ou anulação de inscrições;

c) Questões da prova;

d) Gabarito preliminar; e)Pontuações atribuídas à prova;

f) Resultado preliminar; g)Classificação preliminar.

7.3. O recurso deverá ser apresentado no formulário próprio (Anexo III deste edital) disponível no site www.msconcursos.com.br.

7.3.1. Cada questão deverá ser apresentada em um formulário.

7.4. O recurso deverá estar digitado, não sendo aceito recurso interposto por fac-símile (fax), telex, telegrama ou outro meio não especificado neste Edital.

7.4. 1. Será indeferido o recurso que não estiver digitado.

7.5. O recurso deverá ser enviado pela internet , através de e-mail, no endereço eletrônico recursos.saoborja@msconcursos.com.br.

7.5.1. No caso do formulário de recurso digitado, ou mesmo na apresentação de texto e doutrina em que se fundamenta seu recurso, o candidato deverá providenciar a devida digitalização das laudas, através de scanner ou equipamento similar, de modo que permaneça legível e mantenha a devida integridade, atentando-se ao modo de envio e tempestividade (prazo).

7.6. Não serão conhecidos os recursos interpostos fora do prazo previsto ou que não atendam ao estipulado no Anexo III deste Edital.

7.6. 1. O candidato que desejar obter a resposta do seu recurso poderá enviar a solicitação pelo e-mail recursos.saoborja@msconcursos.com.br, no prazo de 2 (dois) dias úteis após a publicação do evento que deu origem.

7.6.2. A resposta será encaminhada unicamente para o endereço eletrônico constante na ficha de inscrição do candidato.

7.7. Poderá haver alteração na classificação após análise dos recursos interpostos.

VIII - DOS REQUISITOS BÁSICOS PARA A INVESTIDURA NO CARGO

8.1.São requisitos básicos para investidura no cargo público:

8.1.1. Aprovação neste concurso público;

8.1.2. Nacionalidade brasileira;

8.1.3. O gozo dos direitos políticos;

8.1.4. A quitação das obrigações eleitorais e, se do sexo masculino, também com as obrigações militares;

8.1.5. Possuir o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo, comprovando estar em dia com o órgão regulamentador da profissão, quando for o caso;

8.1.6. Idade mínima de 18 (dezoito) anos completos na data da posse;

8.1.7. Ser aprovado em exame médico pré-admissional;

8.1.8. Apresentar laudo médico atestando a espécie e º grau ou nível da deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doença -CID, bem como a provável causa da deficiência, conforme declarado no ato da inscrição;

8.1.9. O candidato que, no decorrer do processo desistir da ocupação da vaga, será automaticamente eliminado deste Concurso Público, salvo os casos que o candidato aprovado solicitar para que fique na última colocação.

IX- DA CONVOCAÇÃO DOS APROVADOS

9.1. Os candidatos serão convocados por ordem crescente da classificação.

9.2. A convocação para nomeação será feita através de edital, observando a classificação final e homologada pelo Prefeito.

9.3. Não haverá, em hipótese alguma, segunda convocação, por qualquer que seja o motivo.

X- DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

10.1.O prazo de validade deste Concurso Público é de 2 (dois) anos, contados da data de sua homologação, podendo ser prorrogado uma única vez e por igual período, a critério exclusivo do Poder Executivo do Município de São Borja -RS.

10.2. Os itens deste Edital poderão sofrer eventuais atualizações ou retificações, enquanto não consumada a providência ou evento que lhes disser respeito, circunstância que será mencionada em Edital próprio.

10.3. O Poder Executivo do Município de São Borja -RSe a Empresa MSCONCURSOS não se responsabilizam por eventuais prejuízos ao candidato, inclusive quanto à eventual nomeação, decorrentes de:

a) Endereço não atualizado;

b)Endereço de difícil acesso;

c) Correspondência devolvida pela Empresa de Correios e Telégrafos por razões diversas de fornecimento e/ou endereço errado do candidato;

d) Correspondência recebida por terceiros.

10.4. Durante o prazo de validade do Concurso Público, o candidato aprovado deverá manter seu endereço atualizado, devendo, em caso de alteração, comunicar oficialmente ao Município de São Borja -RS.

10.5. Durante o prazo de validade do Concurso Público, será respeitada a ordem de classificação obtida pelos candidatos para nomeação nas vagas existentes ou que porventura vierem a existir, de acordo com suas necessidades e disponibilidade financeira, não havendo obrigatoriedade de nomeação de todos os candidatos.

10.6. Decorridos 120 (cento e vinte) dias da homologação e não caracterizando qualquer óbice, é facultada a destruição do cartão-resposta e demais registros escritos, mantendo-se, porém, pelo prazo de validade do Concurso Público, os registros eletrônicos.

10.7. A legislação com vigência após a data de publicação deste Edital, bem como as alterações em dispositivos constitucionais, legais e normativos a elas posteriores não serão objeto de avaliação nas provas do Concurso Público.

10.8. Os casos não previstos serão resolvidos pela Empresa Organizadora do Concurso, à luz da legislação vigente. 10.9. Os Anexos I, II,III e IV são partes integrantes deste edital.

São Borja -RS,22dejulhode2011.

Mariovane Gottfried Weis Prefeito Municipal

ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

Advogado: Prestar assessoramento jurídico ao Município, representando-o sempre que para tal lhe for outorgado mandato expresso pelo Prefeito; estudar, redigir e minutar termos de compromisso e responsabilidade, contratos de concessão, locação e comodato, convênios, projetos de lei, decretos e portarias; orientar juridicamente a realização de processos administrativos; emitir pareceres quando solicitados, devidamente fundamentados em doutrinas, leis e jurisprudência; examinar previamente contratos e convênios em que o Poder Executivo Municipal seja parte; estudar, interpretar e propor alterações na legislação do município; examinar quanto a legalidade e constitucionalidade dos projetos de lei oriundos da Câmara Municipal de Vereadores, elaborando minutas de veto quando necessário; efetuar, mediante mandato, a cobrança da dívida ativa; ingressar em juízo defendendo os interesses do Poder Executivo Municipal, quando determinado pelo Prefeito; assessorar os serviços da Consultoria Jurídico; controlar processos e execuções; observar prazos; elaborar e manter banco de dados da área de sua competência; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Agente Administrativo Auxiliar: Redigir, datilografar e digitar expedientes administrativos, tais como: memorandos, ofícios, informações, relatórios, certidões e outros; secretariar reuniões e lavrar atas; efetuar registros e cálculos relativos às áreas tributárias, patrimoniais, financeiras, de pessoal e outras; auxiliar na elaboração de folhas de pagamento de pessoal; elaborar e manter atualizados fichários e arquivos manuais; consultar e atualizar arquivos magnéticos de dados cadastrais através de terminais eletrônicos; operar com máquinas, calculadora, leitora de microfilmes, registradora e de contabilidade; auxiliar na escrituração de livros contábeis; elaborar documentos referentes a assentamentos funcionais; realizar os serviços de protocolo, separação, distribuição e arquivamento de expedientes; obter informações e fornecê-las aos interessados; realizar coleta de preços de materiais que possam ser adquiridos sem concorrência; efetuar o recebimento, conferência, armazenagem e conservação de materiais e outros suprimentos; participar em comissões de sindicância e processos administrativos; auxiliar em todas as tarefas inerentes ao cargo de Agente Administrativo, executar e/ou auxiliar em todas as atividades administrativas inerentes a administração pública; atendimento ao público; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Agente Operacional de Saúde: abrir e fechar portas e janelas das repartições, no início e no término do expediente; atender e efetuar ligações telefônicas; receber, orientar e encaminhar o público; operar o sistema de informações básicas de gerenciamento da unidade ambulatorial; abrir prontuários, após verificação da prova de residência do usuário no município; conceder um cartão de identificação ao usuário; orientar o usuário do sistema da necessidade de que a partir daquele momento, o mesmo deverá trazer consigo o número do prontuário registrado no cartão sempre que tiver que fazer a utilização do sistema; revalidar os cartões, sempre que necessário; analisar documentos relativos a prova de residência; distribuir consultas e encaminhar para exames médicos; preencher a ficha de produtividade do profissional ou prestador de serviço; prestar informações ao público sobre a localização de pessoas ou dependências da Secretaria de Saúde; agendar consultas e reconsultas; analisar as requisições dos médicos e emitir guias de autorização de exames e terapias, encaminhando os usuários ao serviço de diagnóstico e terapia; receber, protocolar e entregar, após a avaliação do médico revisor, os laudos para encaminhamento de tratamentos fora de domicílio; supervisionar os serviços de limpeza e conservação das instalações do prédio; manter vigilância permanente nos locais de acesso ao público, durante o expediente das repartições; hastear e arriar o Pavilhão Nacional; executar outras tarefas semelhantes, Redigir, datilografar e digitar expedientes administrativos, tais como: memorandos, ofícios, informações, relatórios, certidões e outros; secretariar reuniões e lavrar atas; elaborar e manter atualizados fichários e arquivos manuais; consultar e atualizar arquivos magnéticos de dados cadastrais através de terminais eletrônicos; operar com máquinas; separação, distribuição e arquivamento de expedientes; obter informações e fornecê-las aos interessados; realizar coleta de preços de materiais que possam ser adquiridos sem concorrência; efetuar o recebimento, conferência, armazenagem e conservação de materiais e outros suprimentos; participar em comissões de sindicância e processos administrativos; auxiliar em todas as tarefas administrativas da Secretária Municipal de Saúde; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Arquiteto Urbanista: Projetar, dirigir e fiscalizar a construção e conservação de prédios, logradouros, áreas paisagísticas e afins; realizar perícias, avaliações, laudos e arbitramentos; estudar, projetar, dirigir e executar obras de sua área de atuação; responsabilizar-se por equipes auxiliares necessárias à execução das atividades próprias do cargo; executar tarefas afins, elaborar e manter banco de dados da área de sua competência; inclusive as editadas no respectivo regulamento da profissão, outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Assistente Social: realizar ou orientar estudos e pesquisas no campo do serviço social; preparar programas de trabalho referentes ao serviço social; realizar e interpretar pesquisas sociais; orientar e executar trabalhos nos casos de reabilitação profissional; encaminhar clientes a dispensários e hospitais, acompanhando o tratamento e a recuperação dos mesmos, assistindo aos familiares; planejar e promover inquérito sobre a situação social de escolares e suas famílias; fazer triagem dos casos apresentados para estudo, prestando orientação com vistas à solução adequada do problema; estudar os antecedentes da família; orientar a seleção sócio-econômica para a concessão de bolsas de estudo e outros auxílios do município; selecionar candidatos a amparo pelos serviços de assistência à velhice, à infância abandonada, aos cegos, etc; fazer levantamentos sócio-econômicos com vistas ao planejamento habitacional, nas comunidades; pesquisar problemas relacionados com o trabalho; supervisionar e manter registros dos casos investigados; prestar serviços em creches, centros de cuidados diurnos de oportunidades e sociais; prestar assessoramento a entidades assistenciais; participar no desenvolvimento de pesquisas médico-sociais e interpretar, junto ao médico, a situação social do doente e de sua família; responsabilizar-se por equipes auxiliares necessárias à execução de atividades próprias do cargo; executar tarefas afins, inclusive as editadas no respectivo regulamento da profissão, elaborar e manter banco de dados da área de sua competência, outras atividades correlatas e/ou que lhe forem designadas.

Contador: Supervisionar a execução da escrituração sintética e analítica de atos ou fatos administrativos, contas correntes diversas, boletins de receitas e despesas, escrituração eletrônica, mecânica ou manual de livros contábeis, levantar balancetes patrimoniais e financeiros, conferir balancetes auxiliares e "slips" de arrecadação; extrair contas de devedores do município; examinar processos de prestação de contas; conferir guias de juros de apólices da dívida pública; operar com máquinas de contabilidades em geral e sistemas informatizados; examinar empenhes, verificando a classificação e a existência de saldo nas dotações; informar processos relativos à despesas; interpretar legislação referente à contabilidade pública; efetuar cálculos de reavaliação do ativo e de depreciação de bens móveis e imóveis; elaborar provisões; organizar relatórios relativos às atividades, transcrevendo dados estatísticos, emitir pareceres, executar tarefas afins, inclusive as editadas no respectivo regulamento da profissão; assinar como responsável todas as demonstrações contábeis, financeiras e orçamentárias, desenvolver atividades de planejamento, organização e controle de orçamento, finanças e patrimônio, levantar e controlar custos, realizar e supervisionar prestações de contas, realizar perícias e laudos técnicos referente sua área, realizar auditorias e vistorias, controlar o orçamento, as finanças e o patrimônio municipal, elaborar, coordenar e supervisionar a elaboração e execução dos Planos Plurianuais de Investimentos, Lei de Diretrizes Orçamentárias, Leis Orçamentárias Anuais; realizar as programações financeira; elabora os relatórios de Gestão Fiscal e de Execução Orçamentária, e todos os demais relatórios previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal, e nas demais normas de contabilidade pública; fiscalizar e acompanhar as metas fiscais da administração, elaborar e manter banco de dados da área de sua competência; executar as demais atividades na área de competência da administração pública, outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Cozinheiro: Responsabilizar-se pelos trabalhos da cozinha, zelando pela higiene e qualidade dos alimentos; preparar dietas e refeições de acordo com cardápios; preparar lanches, sobremesas, café, suco, chá e outros; encarregar-se de todos os tipos de cozimento em larga escala, tais como: vegetais, cereais, legumes e carnes de variadas espécies; eventualmente fazer pães, biscoitos, sorvetes e artigos de pastelaria em geral; servir os alimentos nos horários determinados; encarregar-se da guarda e conservação dos alimentos; fazer o pedido e controle de suprimentos de material necessário à cozinha e à preparação dos alimentos; operar diversos tipos de fogão, aparelhos e demais equipamentos de cozinha; distribuir, fiscalizar e orientar os trabalhos dos auxiliares; lavar louças e utensílios de cozinha; supervisionar os serviços de limpeza, zelando pela conservação e higiene dos equipamentos e instrumentos de cozinha; realizar outras atividades de limpeza e organização; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Eletricista: Instalar, inspecionar e reparar instalações elétricas, interna e externa, luminárias e demais equipamentos de iluminação pública, cabos de transmissão, inclusive os de alta tensão; consertar aparelhos elétricos em geral; operar com equipamentos de som, planejar, instalar e retirar alto-falantes e microfones; proceder a conservação de aparelhagem eletrônica realizando pequenos consertos; reparar e regular relógios elétricos, inclusive de controle de ponto; fazer enrolamentos de bobinas; desmontar, ajustar, limpar e montar geradores, motores elétricos, etc; reparar buzinas, interruptores, relês, reguladores de tensão, instrumentos de painel e acumuladores; executar a rebobinagem de motores; executar e conservar redes de iluminação dos próprios municipais e de sinalização; providenciar o suprimento de materiais e peças necessárias à execução dos serviços; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Enfermeiro: planejar, organizar, coordenar, comandar, controlar e avaliar serviços de enfermagem; prestar serviços de enfermagem em hospitais, unidades sanitárias, ambulatórios e seções públicas; prestar cuidados de enfermagem a pacientes especializados; ministrar medicamentos prescritos, bem como cumprir outras determinações médicas; velar pelo bem-estar físico e psíquico dos pacientes; preparar o campo operatório e esterilizar o material; orientar o isolamento de pacientes; supervisionar os serviços de higienização dos pacientes; orientar, coordenar e supervisionar as tarefas relacionadas com a prescrição alimentar; planejar, executar, supervisionar e avaliar a assistência integral de enfermagem a clientes de alto e médio risco, enfatizando o cuidado e participando de sua alta da instituição de saúde; acompanhar o desenvolvimento dos programas de treinamento e de recursos humanos para a área de enfermagem; ministrar treinamento na área de enfermagem; aplicar terapia dentro da área de sua competência, sob controle médico; prestar os primeiros socorros; aprazar exames de laboratório, de Raio X e outros; aplicar terapia especializada sob controle médico; promover e participar de estudos para estabelecimento de normas e padrões dos serviços de enfermagem; participar de programas de educação sanitária e de programas de saúde pública em geral; auxiliar nos serviços de atendimentos materno-infantil; participar de programas de imunização; realizar visitas domiciliares para prestar esclarecimentos sobre o trabalho a ser desenvolvido por equipes auxiliares; realizar consulta de enfermagem a sadios e portadores de doenças prolongadas; prover e controlar o estoque de medicamentos; manter contatos com responsáveis por unidade médica e enfermarias para promover a integração do serviço de enfermagem com os de assistência médica; participar de inquéritos epidemiológicos; participar de programas de atendimento a comunidades atingidas por situação de emergência ou calamidade pública; realizar e interpretar testes imuno-diagnósticos e auxiliares de diagnósticos; requisitar exames de rotina para pacientes em controle de saúde, com vista a aplicação de medidas preventivas; colher material para exames laboratoriais; prestar assessoramento a autoridades em assuntos de sua competência; emitir pareceres em matéria de sua especialidade; realizar estudos, supervisionar e avaliar programas de campanhas de educação sanitária; colaborar na coleta de dados estatísticos, fornecendo subsídios e referências técnicas para programação qualitativa e quantitativa da assistência ambulatorial, hospitalar, de apoio diagnóstico e terapêutico, no que se refere aos programas prioritários de saúde; prestar assessoria e cooperação técnica ao Departamento de Assistência à saúde; coordenar e supervisionar a execução das políticas da vigilância epidemiológica, em função dos programas e projetos definidos no Plano Municipal de Saúde; planejar, organizar, coordenar, comandar, controlar e avaliar trabalhos a serem desenvolvidos por equipes auxiliares; executar outras tarefas semelhantes, ou que lhes forem atribuídas.

Engenheiro Civil: Projetar, dirigir e fiscalizar a construção e conservação de estradas de rodagem, vias públicas e de obras de captação, abastecimento de água, drenagem, irrigação e saneamento urbano e rural; executar ou supervisionar trabalhos ortográficos, estudar projetos, dirigir e fiscalizar serviços de urbanização em geral; realizar perícias, avaliações, laudos e arbitramentos; estudar, projetar, dirigir e executar obras necessárias à instalações de forças motriz, mecânicas, eletromecânicas, de usinas e respectivas redes de distribuição; examinar projetos e proceder vistoria de construção; executar, em conformidade com órgãos competentes, serviços relativos à iluminação pública; exercer atribuições relativas à engenharia de trânsito e técnica de materiais; efetuar cálculos de estruturas de concreto armado, aço e madeira; expedir notificações de autos de infração referentes a irregularidades por infringência a normas e posturas municipais constatadas na sua área de atuação; responsabilizar-se por equipes auxiliares necessárias à execução das atividades próprias do cargo; executar tarefas afins, inclusive as editadas no respectivo regulamento da profissão; elaborar e manter banco de dados da área de sua competência; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Farmacêutico Bioquímico: Executar a manipulação farmacêutica e o aviamento de receitas médicas; controlar a requisição e guarda de medicamentos, drogas e matérias-primas, a preparação e esterilização de vidros e utensílios de uso nas farmácias; registrar entorpecentes e psicotrópicos requisitados, receitados, fornecidos ou utilizados no aviamento das fórmulas manipuladas; controlar receitas e serviços de rotulagem, realizando periodicamente o balanço de entorpecentes e de barbitúricos; organizar e atualizar fichários de produtos farmacêuticos, químicos e biológicos, mantendo registro permanente do estoque de drogas; verificar os fermentos, antibióticos e outros produtos de conservação limitada, a fim de constatar se estão dentro dos respectivos prazos de validade; proceder a ensaios físicos e físico-químicos necessários ao controle de quaisquer substâncias ou produtos; participar de estudos e pesquisas microbiológicas e imunológicas químicas, físico-químicas e físicas, relativas a quaisquer substâncias ou produtos que interessem à saúde pública; colaborar na realização de estudos e pesquisas farmacodinâmicas e de estudos toxicológicos; participar de pesquisas farmacológicas clínicas sobre novas substâncias ou associações de substâncias, quando interessarem à saúde humana; preparar padrões de toxinas a antitoxinas e quaisquer outras substâncias ou produtos, cuja atividade seja controlável por processo imunológico e microbiológico; manter coleções de culturas microbianas-padrão; orientar a fabricação de soros; analisar os efeitos de substâncias adicionadas aos alimentos; realizar estudos e pesquisas sobre efeitos dos medicamentos; detectar e identificar substâncias tóxicas; realizar inspeções relacionadas com a manipulação farmacêutica e aviamento do receituário médico; fazer requisições de medicamentos, drogas e materiais necessários à farmácia; emitir pareceres sobre assuntos de sua competência; orientar, coordenar e supervisionar trabalhos a serem desenvolvidos por auxiliares; fazer análises e pesquisas rotineiras de laboratório; preparar espécimes para exames e ensaios químicos bacteriológicos; fazer testes bacteriológicos e estudos de natureza rotineira para identificação, numeração e descrição de bactérias ou condições patológicas; orientar ou realizar coleta de material para exame; realizar exames microscópicos; preparar soluções e reativos; executar trabalhos de hematologia e hematimetria; fazer análises ou exames simples de urina, escarro, secreções e exsudação das amígdalas e outros materiais; preparar vacinas antógenas e de antígenos; fazer exames de água, leite e outros produtos alimentícios; realizar análises de caráter físico e bioquímico de bebidas, produtos industriais e produtos de origem vegetal e animal; receber, identificar e preparar vísceras ou qualquer outro material destinado à análise toxicológica; preparar provas para diagnósticos de doenças; executar exames histopatológicos e bacterioscópicos; realizar diagnósticos para microscopia e bacterioscopia; realizar reações sorológicas, imunológicas por cultura e bioquímica; realizar o escrutínio ou triagem de preparados citológicos, sob orientação e responsabilidade de especialista da área; colaborar na preparação técnica de esfregaços citológicos, incluindo coloração e montagem dos mesmos; preparar lâminas microscópicas e meios de cultivo microbiológicos; operar com instrumentos de laboratório; orientar ou realizar a limpeza esterilização de instrumentos de vidros e demais utensílios de laboratório; preencher fichas dos pacientes, fazer anotações nas fichas e demais documentos exigidos; elaborar e manter banco de dados da área de sua competência; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Fiscal de Obras e Posturas: Fiscalizar; efetuar notificações e quando necessário, lavrar autos de infração; intimar contribuintes ou responsáveis, elaborar relatórios e boletins estatísticos prestando também informações em processos relacionados com a sua área de competência; executar sindicâncias para a verificação de possíveis alegações de contribuintes quando for o caso; auxiliar nos estudos para o aperfeiçoamento em atualização dos procedimentos fiscais; fiscalizar as obras em execução no município; verificar se as construções estão de acordo com as plantas aprovadas pela Prefeitura, fiscalizando, inclusive, os serviços de reformas e demolições de prédios; exercer repressão às construções clandestinas; fiscalizar serviços de instalações, ampliações e reformas nas redes de água e esgoto prediais; providenciar no embargo de obras iniciadas sem aprovação ou em desconformidade com a planta aprovada; notificar os proprietários para que construam muros e calçadas; informar processos relacionados com as respectivas atividades; realizar vistoria final para concessão de "Habite-se"; apresentar relatório de atividades desempenhadas; fiscalizar o cumprimento da Lei de Posturas do município; verificar e comunicar irregularidades relacionadas à propaganda, rede de iluminação pública, calçamentos e logradouros públicos, obstrução de esgotos, depósitos de lixo, queda de árvores, etc; fiscalizar o transporte coletivo urbano, tarifas de passagens, condições de higiene e regularidade no cumprimento do horário; exercer controle em postos de embarque de táxis; fiscalização de loteamentos e normas de prevenção contra incêndio, atuar e fiscalizar o cumprimento da legislação ambiental, executar outras tarefas afins ou que lhe forem atribuídas e de acordo com a legislação.

Fiscal Sanitário: executar serviços de profilaxia e política sanitária sistemática; inspecionar estabelecimento onde sejam fabricados ou manuseados alimentos, para verificar as condições sanitárias de seus interiores, limpeza do equipamento, refrigeração adequada para alimentos perecíveis e suprimento de água para lavagem de utensílios, gabinetes sanitários e condições de asseio e saúde dos manipulem os alimentos; inspecionar estabelecimentos de ensino, verificando suas instalações, alimentos fornecidos aos alunos, condições de ventilação e gabinetes sanitários; investigar queixas que envolvam situações contrárias a saúde pública; sugerir medidas para melhorar as condições sanitárias consideradas insatisfatórias; comunicar a quem de direito, os casos de infração a que constatar; identificar problemas e apresentar soluções a autoridades competentes; realizar tarefas de educação e saúde; realizar tarefas administrativas ligadas ao programa de Saneamento Comunitário; participar na organização de comunidades e realizar tarefas de saneamento junto a unidades sanitárias e prefeitura; cooperar com funcionários da Prefeitura Municipal em assuntos relativos à saúde pública; participar do desenvolvimento de programas sanitários; fazer inspeções rotineiras nos açougues e matadores; fiscalizar matanças, verificando as condições sanitárias de seus interiores, limpeza e refrigeração convenientes aos produtos e derivados; zelar pela obediência do regulamento sanitário; reprimir matanças clandestinas, adotando medidas que se fizerem necessárias; aprender carnes e derivados que estejam a venda sem a necessária inspeção; vistoriar os estabelecimentos de venda de produtos e de derivados; orientar, coordenar e supervisionar os trabalhos a serem desenvolvidos pelos auxiliares de saneamento; executar outras tarefas semelhantes ou que lhes forem atribuídas.

Médico Veterinário: Coordenar, supervisionar e realizar toda e qualquer atividade sanitária no município; realizar fiscalização sanitária das carnes e vísceras de animais de abate em matadouros e abatedouros do município; efetuar a inspeção nos matadouros, abatedouros e salas de abate de animais; realizar a inspeção em feiras livres e mercados que vendam produtos perecíveis naturais ou industrializados, para consumo humano; elaborar e manter banco de dados da área de sua competência, desempenhar atividades que visem fomentar a produção animal; defesa sanitária animal; realizar atividades de manejo zootécnico; todas as atividades atinentes a profissão veterinária, bem com outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Monitor: Supervisionar o ingresso e saída de pessoas nos ambientes de educação, ginásios, abrigo, casa de passagens, e outros ambientes de proteção à criança e ao adolescente, idosos e pessoas em situação de vulnerabilidade; auxiliando-os e orientando-os; cuidar portões, pátios, prédios e outros ambientes; fazer cumprir a disciplina; supervisionar banheiros; auxiliar na alimentação e higienização de dos abrigados quando necessário; desenvolver atividades de cunho cultura e recreativas; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Motorista: Conduzir veículos automotores destinados ao transporte de passageiros e cargas; recolher o veículo à garagem ou local destinado quando concluída a jornada do dia, comunicando qualquer defeito porventura existente; manter os veículos em perfeitas condições de funcionamento; fazer reparos de emergência; zelar pela conservação do veículo que lhe for entregue; encarregar-se do transporte e entrega de correspondência ou de carga que lhe for confiada; Promover o abastecimento de combustíveis, água e óleo; verificar o funcionamento do sistema elétrico, lâmpadas, faróis, sinaleiras, buzinas e indicadores de direção; providenciar a lubrificação quando indicada; verificar º grau de densidade e nível da água da bateria, bem como a calibração dos pneus; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Operador de Máquinas Rodoviárias: Operar veículos motorizados especiais, tais como: guinchos, guindastes, máquinas de limpeza de rede de esgoto, retroescavadeiras, carro plataforma, máquinas rodoviárias, agrícolas, tratores e outros; abrir valetas e cortar taludes; proceder escavações, transporte de terra, compactação, aterro e trabalhos semelhantes; auxiliar no conserto de máquinas; lavrar e discar terras, obedecendo as curvas de níveis; executar terraplenagem e nivelamento de ruas e estradas; cuidar da limpeza e conservação das máquinas, zelando pelo seu bom funcionamento; ajustar as correias transportadoras à pilha pulmão do conjunto de britagem; conduzir veículos automotores em geral, respeitado sua habilitação legal conforme normas de trânsito, outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Psicólogo: realizar psicodiagnósticos para fins de ingresso, readaptação e avaliação das condições pessoais do servidor; proceder a análise de funções sob ponto de vista psicológico; proceder o estudo e avaliação dos mecanismos de comportamentos humanos para possibilitar a orientação, a seleção e o treinamento atitudinal no campo profissional e o diagnóstico e terapia clínicos; fazer psicoterapia breve, ludoterapia individual e grupai, com acompanhamento clínico; fazer exames de seleção em crianças, para fins de ingresso em instituições assistenciais, bem como para contemplação em bolsas de estudo; prestar atendimento breve a pacientes em crise e a seus familiares, bem como a alcoólicos e toxicómanos; atender crianças excepcionais, com problemas de deficiência mental e sensorial, ou portadoras de desajustes familiares ou escolares, encaminhando-as para escolas ou classes especiais; formular hipóteses de trabalho para orientar as explorações psicológicas, médicas e educacionais; realizar pesquisas psicopedagógicas, confeccionando e selecionando o material psicopedagógico e psicológico necessário ao estudo dos casos; realizar perícias e elaborar pareceres; prestar atendimento a gestantes, as mães e crianças até a idade escolar e a grupos de adolescentes em instituições comunitárias do município; manter atualizado o prontuário de cada caso estudado; responsabilizar-se por equipes auxiliares necessárias à execução das atividades próprias do cargo; executar tarefas afins, inclusive as editadas no respectivo regulamento da profissão; elaborar e manter banco de dados da área de sua competência; outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Técnico em Contabilidade: Executar a escrituração sintética e analítica de atos ou fatos administrativos; escriturar contas correntes diversas; organizar boletins de receita e despesas; elaborar "slips" de caixa; escriturar manualmente, mecanicamente ou eletronicamente livros contábeis; levantar balancetes orçamentários, patrimoniais e financeiros; conferir balancetes auxiliares e "slips" de arrecadação; extrair contas de devedores do município; examinar processos de prestação de contas; conferir guias de recolhimento de tributos e contribuições previdenciárias, apólices da dívida pública; operar com máquinas de contabilidade em geral; examinar empenhos, verificando a classificação e a existência de saldo nas dotações; informar processos relativos à despesa; interpretar legislação referente à contabilidade pública; efetuar cálculos de reavaliação do ativo e de depreciação de bens, móveis e imóveis; organizar relatórios relativos às atividades, transcrevendo dados estatísticos e emitindo parecer; executar tarefas afins, inclusive as editadas no respectivo regulamento da profissão, elaborar e manter banco de dados da área de sua competência, outras atividades correlatas e/ou que lhe forem atribuídas.

Técnico em Enfermagem: participar da Equipe de Enfermagem; assistir ao Enfermeiro: no planejamento, programação, orientação e supervisão das atividades de assistência de enfermagem; na prestação de cuidados de enfermagem em pacientes em estado grave; na prevenção e controle das doenças transmissíveis em geral e em programas de vigilância epidemiológica; na prevenção e controle sistemático da infecção hospitalar; na prevenção e controle sistemático de danos físicos que possam ser causados a pacientes durante a assistência de saúde; na participação nos programas e nas atividades de assistência integral a saúde individual e de grupos específicos, particularmente daqueles prioritários e de alto risco; na participação nos programas de higiene e segurança do trabalho e de prevenção de acidentes e doenças profissionais e do trabalho, auxiliar no atendimento a pacientes nas unidades hospitalares e de saúde pública, sob supervisão; orientar e revisar o auto-cuidado do cliente, em relação à alimentação e higiene pessoal; executar a higienização ou preparação dos clientes para exames ou atos cirúrgicos; cumprir as prescrições relativas aos clientes; zelar pela limpeza, conservação e assepsia do material e do instrumental; executar e providenciar a esterilização de salas e do instrumental adequado às intervenções programadas; observar e registrar sinais e sintomas e informar a chefia imediata, assim como o comportamento do cliente em relação a ingestão e excreção; manter atualizado o prontuário dos pacientes; verificar temperatura, pulso e respiração, e registrar os resultados no prontuário; ministrar medicamentos, aplicar imunizantes e fazer curativos; aplicar injeções; administrar soluções parenterais previstas; alimentar, mediante sonda gástrica; ministrar oxigênio por sonda nasal, com prescrição; participar dos cuidados de clientes monitorizados, sob supervisão; realizar sondagem vesical, enema e outras técnicas similares, sob supervisão; orientar clientes a nível de ambulatório ou de internação a respeito das prescrições de rotina; fazer orientação sanitária a indivíduos, em unidades de saúde; colaborar com os enfermeiros no treinamento do pessoal auxiliar; colaborar com os enfermeiros nas atividades de promoção e proteção específica da saúde; executar outras tarefas semelhantes ou que lhes forem atribuídas.

Especialista em Educação -Orientação Educacional,Especialista em Educação -Supervisão Escolar,Professor -Arte,Professor - Ciências, Professor - Educação Especial, Professor - Educação Física, Professor - Espanhol, Professor - Geografia, Professor - História, Professor - Inglês, Professor - Matemática, Professor - Português: O membro do Magistério deve estar ciente de relevância social de suas atribuições, mantendo conduta moral e funcional condizente à Dignidade profissional, em razão de que deverá: Conhecer e respeitar a Lei; Preservar os princípios, ideais e fins da educação brasileira; Esforçar-se em prol da educação integral do aluno, adotando processos que acompanham o pregresso científico da educação e sugerindo medidas que concorram para o aperfeiçoamento dos serviços adicionais; Desincumbir-se das atribuições, funções e encargos específicos do Magistério, estabelecidos em legislação e em regulamentos próprios; Participar das atividades de educação que lhe forem atribuídas por forças de suas funções; Freqüentar cursos promovidos pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura, destinados a sua formação, atualização ou especialização; Manter espírito de cooperação e solidariedade com a comunidade escolar e a localidade; Acatar os superiores hierárquicos e tratar com urbanidade os colegas e os usuários dos serviços educacionais; Zelar pela defesa dos direitos profissionais e pela reputação da classe; Guardar sigilo profissional; Fornecer elementos para a permanente atualização de seus assentamentos junto aos órgãos da Administração; Comparecer ao serviço, com assiduidade e pontualidade, nas horas de trabalho ordinário e extraordinário, quando convocado; Cumprir as determinações superiores, representando, imediatamente e por escrito, quando forem manifestadamente ilegais; Apresentar-se ao serviço em boas condições de asseio e convenientemente trajado;Representar aos superiores sobre irregularidade de que tenha conhecimento;Zelar pela economia e conservação do material que lhe for confiado.

ANEXO II - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

NÍVEL FUNDAMENTAL

Cozinheiro

Eletricista

Motorista

Operador de Máquinas Rodoviárias

Língua Portuguesa - Compreensão e interpretação de texto. Vocabulário. Ortografia (escrita correta das palavras). Fonema e letra: dígrafo, encontros vocálicos, encontros consonantais e divisão silábica. Substantivo: próprio, comum, simples, composto, concreto, abstrato, coletivo, gênero (masculino e feminino), número (singular e plural) e grau (aumentativo e diminutivo). Artigo. Adjetivo: simples e composto, flexão de gênero e número, adjetivos pátrios. Numeral: cardinal, ordinal, multiplicativo, fracionário. Pronomes pessoais, possessivos, demonstrativos, de tratamento. Verbos: conjugação, vozes verbais, tempo e modo. Advérbio. Conjunção. Preposição. Acentuação gráfica. Pontuação. Reescrita de frases. Concordância nominal e verbal. Sintaxe: sujeito, predicado, orações coordenadas. Significação das palavras: sinônimos e antônimos.

Sugestão Bibliográfica - BECHARA, E. Gramática escolar da língua portuguesa. São Paulo: Lucerna, 1999. BUENO, S. Minidicionário da língua portuguesa. São Paulo: FTD, 2007. CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa . São Paulo: Nacional, 2005. FERREIRA, M. Aprender e praticar gramática . São Paulo: FTD, 2003. FERREIRA, A. B. H. (Aurélio). Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. PASCHOALIN, M. A. e SPADOTO, N. T. Gramática: teoria e exercícios. São Paulo: FTD, 2008. TERRA. E. Minigramática . São Paulo: Scipione, 2008.

Matemática - Sistema de numeração romano. Números naturais: operações e propriedades. Números inteiros: operações e propriedades. Mínimo múltiplo comum e máximo divisor comum. Números racionais, representação fracionária e decimal: operações e propriedades. Números irracionais e reais: operações e propriedades. Potência com expoente inteiro e fracionário no conjunto dos números reais: propriedades. 1º operações e Equações de grau e sistemas: resolução e problemas. Equações de 2º grau e sistemas: resolução e problemas. Razão e proporção. Regra de três simples e composta. Porcentagem. Juros simples. Medidas de comprimento, superfície, volume, capacidade, massa e tempo. Sistema monetário brasileiro (dinheiro). Áreas e perímetros de figuras planas. Teorema de Tales. Teorema de Pitágoras. Relações métricas no triângulo retângulo e trigonometria no triângulo retângulo. Circunferência: definição, propriedades, posições relativas entre reta e circunferência e circunferência e circunferência, arcos e ângulos em uma circunferência, comprimento de uma circunferência, relações métricas em uma circunferência, polígonos inscritos e circunscritos, área do círculo. Polinômios: operações e propriedades. Produtos Notáveis e Fatoração: operações e propriedades. Média aritmética simples e ponderada. Estatística Básica: análise de tabelas e gráficos. Resolução de situações-problema.

Sugestão Bibliográfica - BONJORNO, J. R. e BONJORNO, R. Matemática, pode contar comigo: 1ª, 2ª, 3ª e 4ª séries. São Paulo: FTD, 2008. FRANÇA, E., BORDEAUX, A. L., RUBINSTEIN, C., OGLIARI, E., MIGUEL, V. Matemática, para gostar e aprender: 1ª, 2ª, 3ª e 4ª séries. São Paulo: Editora do Brasil, 1998. MIANI, M. Matemática: 1ª, 2ª, 3ª e 4ª séries. São Paulo: Editora do Brasil, 2003. DANTE, L. R. Tudo é Matemática: 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. São Paulo: Ática, 2009. IEZZI, G., DOLCE, O, MACHADO, A. Matemática e realidade. : 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. São Paulo: Atual, 2000. IMENES, L. M. e LELLIS, M. Matemática para todos. 5ª a 8ª séries. Editora Scipione: São Paulo, 2002. GIOVANNI, J. R., PARENTE, E. Aprendendo Matemática: 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. São Paulo: FTD, 2002.

Legislação - Constituição Federal/88 - artigos 37, 38, 39 e 40. Lei Orgânica Municipal- LOM. Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos do Município de São Borja. Plano de Carreira dos Servidores Públicos da Administração Direta do Poder Executivo do Município de São Borja.

Sugestão Bibliográfica - Constituição Federal/88. Lei Orgânica do Município de São Borja/RS. Lei Complementar nº 005/95.Lei Nº 3.800/2007.

Conhecimentos Gerais -Conhecimentos sobre omunicípio de São Borja/RS. Sugestão Bibliográfica -www.saoborja.rs.gov.br.

NÍVEL MÉDIO e NÍVEL MÉDIO TÉCNICO

Agente Administrativo Auxiliar

Agente Operacional da Saúde

Fiscal de Obras e Posturas

Fiscal Sanitário

Monitor

Técnico em Contabilidade

Técnico em Enfermagem(Comum a todos os cargos)

Língua Portuguesa -Compreensão e interpretação de texto. Tipologia e gêneros textuais. Vocabulário. Coesão e coerência. Ortografia. Fonema e letra: posição da sílaba tônica, encontros consonantais, encontros vocálicos e divisão silábica. Processos de formação das palavras. Classes gramaticais: substantivo, adjetivo, artigo, verbo, numeral, pronome, conjunção, preposição, advérbio, interjeição. Sintaxe: frase; oração; período; termos essenciais, integrantes e acessórios da oração; coordenação e subordinação. Emprego do sinal indicativo de crase. Acentuação gráfica. Pontuação. Significação das palavras: sinônimos, antônimos, parônimos e homônimos. Reescrita de frases. Concordância nominal e verbal. Regência nominal e verbal.

Sugestão Bibliográfica - BECHARA, E. Gramática escolar da língua portuguesa. São Paulo: Lucerna, 1999. CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. São Paulo: Nacional, 2005. FERREIRA, M. Aprender e praticar gramática. São Paulo: FTD, 2003. FERREIRA, A. B. H. (Aurélio). Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 2006. FIORIN, J. L. SAVIOLI, F. P. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 2008. LIMA, A. O. Manual de redação oficial. São Paulo: Campus, 2008. MENDES, G. F.; FORSTER JÚNIOR; N. J. (revisão de Celso Pedro Luft). Manual de redação da presidência da república. 2.ed. Brasília: Presidência da República, 2002. TERRA. E. Minigramática. São Paulo: Scipione, 2008.

Matemática - Conjuntos numéricos: operações e propriedades. Equações e inequações de 1º grau e sistemas: resolução e problemas. Equações e inequações de 2º grau e sistemas: resolução e problemas. Funções: afim, quadrática, modular, exponencial e logarítmica. Razão e proporção. Regra de três simples e composta. Porcentagem. Juros simples e composto. Medidas de comprimento, superfície, volume, capacidade, massa e tempo. Áreas e perímetros de figuras planas. Volume e área de sólidos geométricos. Semelhança e Congruência de triângulos. Teorema de Tales. Teorema de Pitágoras. Relações métricas no triângulo retângulo. Trigonometria: trigonometria no triângulo retângulo, Lei dos Senos e dos Cossenos, funções circulares, identidades trigonométricas, transformações, funções trigonométricas, equações e inequações trigonométricas. Matrizes, determinantes e sistemas lineares. Polinômios: função polinomial, equações polinomiais, operações e propriedades. Estatística: Média aritmética simples e ponderada, moda, mediana, tabelas de frequência, medidas de dispersão e análise de tabelas e gráficos. Probabilidade. Análise Combinatória. Sequências e Progressões. Geometria Analítica. Números Complexos: operações e propriedades. Resolução de situações-problema.

Sugestão Bibliográfica - DANTE, L. R. Tudo é Matemática: 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. São Paulo: Ática, 2009. IEZZI, G., DOLCE, O, MACHADO, A. Matemática e realidade. : 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. São Paulo: Atual, 2000. IMENES, L. M. e LELLIS, M. Matemática para todos. 5ª a 8ª séries. Editora Scipione: São Paulo, 2002. GIOVANNI, J. R., PARENTE, E. Aprendendo Matemática: 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. São Paulo: FTD, 2002. IEZZI, G., DOLCE, O. DEGENSZAJN, D., PÉRIGO, R. Matemática: Volume único. São Paulo: Atual, 2002. SILVA, C. X., FILHO, B.B., Matemática Aula por Aula: 1 a, 2a e 3a séries. São Paulo: FTD, 2005. SMOLE, K. S., DINIZ, M. I. Matemática: Volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Editora Saraiva, 2003. DANTE, L.R. Matemática. Volume único. São Paulo: Ática, 2005. GIOVANNI, J. R. BONJORNO, J. R., JUNIOR, J. R. G. Matemática Completa: Volume único. São Paulo: FTD, 2005. IEZZI, G. et al. Fundamentos de matemática elementar. Volumes 1 a 11, São Paulo: Atual, 2000. LIMA, E. L.; CARVALHO, P. C. P.; WAGNER, E.; MORGADO, A. C. O. A matemática do ensino médio. Coleção do Professor de Matemática. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática. Volumes 1, 2 e 3, 2006.

Legislação - Constituição Federal/88 - artigos 37, 38, 39 e 40. Lei Orgânica Municipal- LOM. Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos do Município de São Borja. Plano de Carreira dos Servidores Públicos da Administração Direta do Poder Executivo do Município de São Borja.

Sugestão Bibliográfica - Constituição Federal/88. Lei Orgânica do Município de São Borja/RS. Lei Complementar nº 005/95.Lei Nº 3.800/2007.

Noções de Informática -Microsoft Word 2007 e/ou versões superiores: edição e formatação de textos, cabeçalhos e rodapés, parágrafos, fontes, impressão, ortografia e gramática, mala direta, alterações e comentários, gráficos e organogramas, marcadores, hiperlinks. Microsoft Excel 2007 e/ou versões superiores: pastas de trabalho, conceitos de células, linhas, colunas, fórmulas, função, XML, importação de dados, gráficos e organogramas, macros, Hiperlinks, Faixa de opções e impressão. Windows 7: pastas, diretórios e subdiretórios, arquivos e atalhos, área de trabalho, área de transferência. Menu iniciar, barra de tarefas, SNAP, Personalização, Compartilhamento, Impressoras e Dispositivos, segurança. Internet: Definição, Navegação na internet, domínios, tipos de serviços, redes sociais, impressão de páginas. Correio eletrônico: envio de mensagens (anexação de arquivos, cópias), contatos, tarefas, anotações, lixo eletrônico, spam.

Sugestão Bibliográfica - LAQUEY, Tracy e Ryer, Jeanne C. Ryer. O Manual da Internet. Rio de Janeiro: CAMPUS, 1994. Manuais de Produtos OFFICE/MICROSOFT. Cyclades Brasil, Guia Internet de conectividade, SENAC, 2000. CICERO, Caiçara Junior, Informática, Internet e Aplicativos, Curitiba: IPBEX, 2008.

Comum aos cargos de:

Agente Administrativo Auxiliar

Agente Operacional da Saúde

Fiscal de Obras e Posturas

Fiscal Sanitário

Monitor

Conhecimentos Gerais - Conhecimentos sobre o município de São Borja/RS e sobre o estado do Rio Grande do Sul. Atualidades sobre o município de São Borja/RS, o Estado do Rio Grande do Sul e o Brasil.

Sugestão Bibliográfica -www.saoborja.rs.gov.br.www.saoborja.rs.gov.br. Publicações nas diversas mídias.

Técnico Em ContabilidadeConhecimentos Específicos - Noções sobre Administração Pública: Orçamento público: princípios orçamentários. Processo de planejamento-orçamento: plano plurianual, lei de diretrizes orçamentárias e lei orçamentária anual. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988: da fiscalização contábil, financeira e orçamentária (art. 70 ao 75), das finanças públicas (art. 163 ao 169). Lei de Responsabilidade Fiscal: Lei Complementar nº 101/00. Licitações: conceituação, modalidades, dispensa e inexigibilidade, de acordo com Lei nº. 8.666/93 e 10.520/02 e suas alterações. Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Conceito e campo de atuação. Princípios Fundamentais de Contabilidade. Controle e variações do patrimônio público. Contabilização de atos e fatos contábeis. Receitas e despesas públicas: execução orçamentária e financeira. Ingressos e dispêndios extraorçamentários. Estrutura e análise dos balanços e demonstrações contábeis. Suprimento de fundos. Despesas de exercícios anteriores. Restos a pagar. Dívida ativa. Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao setor público (NBC T 16). Normas e manuais editados pela Secretaria do Tesouro Nacional - STN e Secretaria de Orçamento Federal - SOF, referentes a: procedimentos contábeis orçamentários, procedimentos contábeis patrimoniais, procedimentos contábeis específicos, plano de contas aplicado ao setor público e demonstrações contábeis aplicadas ao setor público. Lei 4.320/64 e alterações posteriores. Ética Profissional: Código de ética profissional do contabilista, Resolução CFC nº. 803/96 e suas alterações. As prerrogativas profissionais, especialmente a Resolução CFC nº. 560/93 e suas alterações.

Sugestão Bibliográfica - MOTA, Francisco Glauber Lima. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. 1ª Ed., Brasília: 2009. AZEVEDO, Ricardo Rocha. SOUZA, José Antônio. VEIGA, Cátia Maria Fraguas. Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público: NBCASP. 2ª Ed., Curitiba, PR: Tecnodata Educacional, 2010. KOHAMA, Heilio. Contabilidade Pública -Teoria e Prática, 11ª. Ed., São Paulo: Atlas, 2010. CASTRO, Róbison Gonçalves. LIMA, Diana Vaz. Contabilidade Pública. Integrando União, Estados e Municípios. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2007. GIACOMONI, James. Orçamento Público. 13ª Ed. São Paulo: Atlas. 2005. PISCITELLI, Roberto Bocaccio; TIMBÓ, Maria Zulene Farias; ROSA, Maria Berenice. Contabilidade Pública: Uma Abordagem da Administração Financeira Pública. 11ª. Ed., São Paulo: Atlas, 2010. SILVA, Lino Martins; Contabilidade Governamental - Um Enfoque Administrativo da Nova Contabilidade Publica. 8ª. Ed., São Paulo: Atlas, 2009. PEREIRA, José Matias. Finanças Públicas: A Política Orçamentária no Brasil. 5ª Ed., São Paulo: Atlas, 2010.

Observação: As legislações podem ser obtidas nos seguintes endereços: www.tesouro.fazenda.gov.br/legislacao/leg_contabilidade.asp

www.tesouro.fazenda.gov.br/contabilidade_governamental/manuais.asp

www.cfc.org.br/sisweb/sre/Default.aspx

www4.planalto.gov.br/legislacao

Técnico em EnfermagemConhecimentos Específicos - Conhecimento básico de Suporte Básico de Vida (SBV) e Suporte Básico de Vida e em Cardiologia. Cinemática do Trauma. Atendimento às Urgências e Emergências Clínicas e Traumáticas. Atendimento Pré-Hospitalar. Política Nacional de Atenção às Urgências -2006. Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência.

Sugestão Bibliográfica - Portaria nº 2048/GM/02. CARVALHO, M.G. Atendimento pré-hospitalar para enfermagem: suporte básico e avançado de vida. 2007. MENAZZI, M.A. Primeiros Socorros: apontamentos para a área de saúde e ciência biológica. 2010. SANTOS, N.C.M. Urgência e emergência para a enfermagem.2009. Manuais e portarias do site:www.saude.gov.br.

NÍVEL SUPERIOR
Comum a todos os cargos de Nível SuperiorLíngua Portuguesa - Compreensão e interpretação de texto. Tipologia e gêneros textuais.

Intertextualidade. Ortografia. Acentuação gráfica. Divisão silábica. Classe de palavras: substantivo, adjetivo, artigo, numeral, verbo, preposição, conjunção, interjeição, pronome e advérbio. Emprego do sinal indicativo de crase. Sintaxe: frase; oração; período; termos essenciais, integrantes e acessórios da oração; coordenação e subordinação. Pontuação. Concordância nominal e verbal. Regência nominal e verbal. Semântica: sinonímia, antonímia, homonímia, conotação e denotação. Figuras de pensamento e de linguagem. Coesão e coerência. Reescrita de frases. Coexistência das regras ortográficas atuais (em vigor desde janeiro de 2009) com as antigas.

Sugestão Bibliográfica - BECHARA, E. Gramática escolar da língua portuguesa. São Paulo: Lucerna, 1999. CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. São Paulo: Nacional, 2005. CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do Português contemporâneo. 5.ed. São Paulo: Lexikon, 2008. FERREIRA, A. B. H. (Aurélio). Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 2006. FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 2008. LIMA, A. O. Manual de redação oficial. São Paulo: Campus, 2008 MENDES, G. F. ; FORSTER JÚNIOR; N. J. (revisão de Celso Pedro Luft). Manual da presidência da república. 2.ed. Brasília: Presidência da República, 2002. TERRA. E. Minigramática. São Paulo: Scipione, 2008.

Noções de Informática -Microsoft Word 2007 e/ou versões superiores: edição e formatação de textos, cabeçalhos e rodapés, parágrafos, fontes, impressão, ortografia e gramática, mala direta, alterações e comentários, gráficos e organogramas, marcadores, hiperlinks. Microsoft Excel 2007 e/ou versões superiores: pastas de trabalho, conceitos de células, linhas, colunas, fórmulas, função, XML, importação de dados, gráficos e organogramas, macros, Hiperlinks, Faixa de opções e impressão. Windows 7: pastas, diretórios e subdiretórios, arquivos e atalhos, área de trabalho, área de transferência. Menu iniciar, barra de tarefas, SNAP, Personalização, Compartilhamento, Impressoras e Dispositivos, segurança. Internet: Definição, Navegação na internet, domínios, tipos de serviços, redes sociais, impressão de páginas. Correio eletrônico: envio de mensagens (anexação de arquivos, cópias), contatos, tarefas, anotações, lixo eletrônico, spam.

Sugestão Bibliográfica - LAQUEY, Tracy e Ryer, Jeanne C. Ryer. O Manual da Internet. Rio de Janeiro: CAMPUS, 1994. Manuais de Produtos OFFICE/MICROSOFT. Cyclades Brasil, Guia Internet de conectividade, SENAC, 2000. CICERO, Caiçara Junior, Informática, Internet e Aplicativos, Curitiba: IPBEX, 2008.

Comum aos cargos de:

Advogado

Arquiteto Urbanista

Assistente Social

Contador Enfermeiro Engenheiro Civil

Farmacêutico Bioquímico

Médico Veterinário

Psicólogo

Legislação - Constituição Federal/88 - artigos 37, 38, 39 e 40. Lei Orgânica Municipal- LOM. Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos do Município de São Borja. Plano de Carreira dos Servidores Públicos da Administração Direta do Poder Executivo do Município de São Borja.

Sugestão Bibliográfica - Constituição Federal/88. Lei Orgânica do Município de São Borja/RS. Lei Complementar nº 005/95.Lei Nº 3.800/2007.

Comum a todos os cargos de: Professor e Especialista em Educação (Orientação

Educacional, Supervisão Escolar)

Legislação - Constituição Federal/88 - artigos 37, 38, 39 e 40. Lei Orgânica Municipal- LOM. Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos do Município de São Borja. Plano de Carreira do Magistério Municipal.

Sugestão Bibliográfica - Constituição Federal/88. Lei Orgânica do Município de São Borja/RS. Lei Complementar nº 005/95.Lei nº 1.749/90.

Comum a todos os cargos de: Professor e Especialista em Educação (Orientação Educacional, Supervisão Escolar)Conhecimentos Específicos - A educação e suas relações com os campos sócio-econômico-políticos e culturais. As grandes questões da Escola Pública atual. Tendências pedagógicas contemporâneas. Avaliação. Indisciplina na Escola.

Sugestão Bibliográfica - ZIMERMAN, Davi. Bion da teoria à prática, 2ª ed. Porto Alegre, Artes Médicas, 2004. SACRISTIÁN, J. Gimeno. ALVES, Nilda. Imagens das escolas: sobre redes de conhecimentos e currículos escolares. Educar, Curitiba, n. 17, Editora da UFPR, 2001.LEAL, Moisés Basílio, SILVA, Valdir Gomes da, CARDOSO,Wladimir. Escola pública e sociedade: projeto de pesquisa. São Paulo, 2007. 2 p. LIBÂNEO, José C. Pedagogia e pedagogos para quê? 8ª ed. São Paulo: Cortez Editora, 2005. YOUNG, Michael F.D. O currículo do futuro. Da "Nova sociologia da educação"a uma teoria crítica do aprendizado. Campinas: Papirus, 2000. LOPES, Alice C.; MACEDO, Elisabeth (Orgs.). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2003. MASSSCHELEIN, J. "O aluno e a infância: a propósito do pedagógico". In: Educação & Sociedade, Campinas, vol. 24, n. 82, p. 281-288, abril 2003. HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação, Porto Alegre, ArtMed, 1998. Francisco Imbernón (Org.), A EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI: Os desafios do futuro imediato, Porto Alegre, ArtMed, 2000. PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens - entre duas lógicas. Porto Alegre; Artmed, 1999. SACRISTÁN, J. G. e Pérez Gómez, A.I. Compreendere transformar o ensino . 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 1998. SAMPAIO, Maria M. F. Um gosto amargo de escola: relações entre currículo, ensino e fracasso escolar. São Paulo: EDUC/FAPESP, 1998. LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da prendizagem Escolar: estudos e proposições. São Paulo: Ed. Cortez, 2008. Professor bonzinho = aluno difícil. Disciplina e indisciplina em sala de aula. Fascículo 10; Na Sala de Aula. Vozes. 2002. Novas Maneiras de Ensinar. Novas Formas de Aprender. ArtMed. 2002. DEMO, Pedro. Conhecimento e aprendizagem na nova mídia. Brasília: Plano, 2001. p. 11-32. DEMO, Pedro. A educação do futuro e o futuro da educação. Campinas: Autores Associados, 2005.

AdvogadoConhecimentos Específicos - O Sistema Jurídico Administrativo. Princípios Basilares do Direito Administrativo. Administração Pública. Organização da Administração. Serviços Públicos. Poderes Administrativos. Atos Administrativos. Ato administrativo. Licitações. Contrato administrativo. Gestão patrimonial. Administração Pública: Disposições Gerais (arts. 37 e 38 da Constituição da República). Noções Gerais sobre a Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro. Das Pessoas. Dos Bens. Negócio Jurídico. Defeitos do Negócio Jurídico. Da Invalidade do Negócio Jurídico. Da Prescrição. Teoria Geral Das Obrigações. Das Modalidades Das Obrigações. Da Transmissão Das Obrigações. Do Adimplemento E Extinção Das Obrigações. Do pagamento. Do Inadimplemento das obrigações. Dos Contratos em geral. Dos Atos Unilaterais. Das Várias Espécies De Contrato. Da Doação. Da Locação De Coisas. Da Locação De Imóveis. Do Empréstimo. Do Depósito. Do Mandato. Do Transporte. Do Seguro. Da Fiança. Da Responsabilidade Civil. Da Posse. Dos Direitos Reais. Da Propriedade. Da Superfície. Dos Direitos Reais sobre Coisas Alheias. Dos Direitos Reais De Garantia. Direitos Do Autor. Do Direito de Família. Do direito pessoal. Do Direito Patrimonial. Da União estável. Da Tutela. Da curatela. Do Direito das Sucessões. Da Sucessão em Geral. Da Sucessão Legítima. Da sucessão testamentária. Do Inventário e Partilha. Constitucionalismo. Poder Constituinte. Direitos e Garantias Fundamentais. Tutela Constitucional Das Liberdades. Direitos Sociais. Organização Político Administrativo. Jurisdição Constitucional. Divisão Espacial do Poder. Organização dos Poderes. Defesa do Estado. Do Sistema Tributário Nacional. Da Ordem Econômica e Financeira. Ordem Social. Noções Fundamentais. Processo e Ação. Sujeitos do Processo. Da Intervenção de Terceiros. Do Ministério Público. Da Competência. Do Juiz. Dos Auxiliares da Justiça. Dos Atos Processuais. Do Processo e do Procedimento. Do Procedimento Ordinário. Do processo de execução. Do processo cautelar:

Sugestão Bibliográfica - ALEXANDRINO, Marcelo Diireto Administrativo, São Paulo, Impetus, 2006. MEIRELHES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro, São Paulo, Malheiros, 2000. MARINELA, Fernanda, Direito Administrativo. Salvador: Podivm, 2006. BANDEIRA DE MELLO, CELSO ANTÔNIO. Curso de Direito Administrativo. São Paulo, Malheiros, 2005. BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Administrativo. São Paulo: Celso Bastos, 2002. DI PIETRO, Maria Sylvia Zanela. Direito Administrativo. São Paulo, Atlas, 2006. DIOGENES, Gasparini. Direito Administrativo. São Paulo, Saraiva,2002. GASPARINI, Diogines. Direito Administrativo. São Paulo, Saraiva, 2005. MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. São Paulo, RT, 2001. SUNDFELD, Carlos Ari. Licitações e Contratos Administrativos. São Paulo, Malheiros, 1994. DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil. 27ª edição. São Paulo. Saraiva. 2010. RODRIGUES, Silvio. Direito Civil. 27ª ed. São Paulo. Saraiva, 2006. GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito das Sucessões. São Paulo: Saraiva, 2007. ARAUJO, Luiz Alberto David. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2007. MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 2007. SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2005. TEMER, Michel. Elementos de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2003. BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Celso Bastos Editora, 2002. BONAVIDES, Paulo. Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 1997. CRETELLA JÚNIOR, José. Elementos de Direito Constitucional. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1998. FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2002. FERREIRA, Pinto. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2002. PIOVESAN, Flavia. Controle Judicial das omissões legislativas. 2ª Edição. São Paulo, RT, 2003. GONÇALVES, Marcus Vinicius Rios. Novo Curso de Direito Processual Civil. São Paulo: Saraiva, 2007. THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de direito processual civil. Rio de Janeiro: Forense, 2007. WAMBIER, Luiz Rodrigues; ALMEIDA, Flávio Renato Correia de; TALAMINI, Eduardo. Curso avançado de processo civil. São Paulo: RT, 2006. DESTEFANNI, Marcos. Curso de Processo Civil. vol.1, São Paulo: Saraiva, 2006. FILHO, Vicente Greco. Direito Processual Civil Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2007. FILHO, Misael Montenegro. Curso de Direito Processual Civil. vol.2. 4ed, São Paulo: Atlas, 2007. GOMES, Fábio Luiz; Silva, Ovídio Baptista da. Teoria Geral do Processo Civil. 4ed, São Paulo:RT, 2006. JUNIOR, Nelson Nery . Princípios do Processo Civil na Constituição Federal. 8ed. São Paulo: RT, 2004. NERY, Rosa Maria de Andrade. Código de Processo Civil Comentado. 9ed, São Paulo: RT, 2006. LOPOES, João Batista. Curso de Direito Processual Civil. vol.I e II, São Paulo: Atlas, 2006. SANTOS, Ernane Fidélis dos. Manual de Direito Processual Civil. vol.1. 11.ed, São Paulo: Saraiva, 2006. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras Linhas de Direito Processual Civil. v.1. 23. ed., São Paulo: Saraiva, 2006. SILVA, Ovídio Baptista da. Curso de Processo Civil. vol.1, São Paulo: RT, 2005.

Arquiteto Urbanista

Conhecimentos Específicos - Métodos e técnicas de desenho e projeto. Informática aplicada à arquitetura. Controle ambiental das edificações (térmico, acústico e luminoso). Projetos complementares: especificação de materiais e serviços e dimensionamento básico. Instalações elétricas e hidrossanitárias. Elevadores. Ventilação/exaustão. Ar-condicionado. Telefonia. Prevenção contra incêndio. Controle e fiscalização de obras. Orçamento e composição de custos. Levantamento de quantitativos. Planejamento e controle físico-financeiro. Acompanhamento de obras. Construção e organização do canteiro de obras. Coberturas e impermeabilização. Legislação e perícia. Normas técnicas. Legislação profissional. Legislação ambiental e urbanística estadual e federal. Projeto de urbanismo. Métodos e técnicas de desenho e projeto urbano. Noções de sistema cartográfico e de geoprocessamento. Dimensionamento e programação dos equipamentos públicos e comunitários. Sistema viário (hierarquização, dimensionamento e geometria). Sistemas de infraestrutura de parcelamentos urbanos: energia, pavimentação e saneamento ambiental (drenagem, abastecimento. Lei de Uso do solo). Gestão urbana e instrumentos de gestão (planos diretores, análise de impactos ambientais urbanos). Licenciamento ambiental. Sustentabilidade urbana (Agenda Hábitat e Agenda 21). Conhecimento de AutoCAD. Estatuto da Cidade - diretrizes gerais da política urbana - Lei 10.257/2001. Acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências a edificações, espaço, mobiliário e equipamentos urbanos - NBR-9050. Lei Federal 6.766/1979. Metodologia de projeto de arquitetura e de desenho urbano. Conforto humano nas edificações. Industrialização e racionalização das construções. Linguagem e representação do projeto arquitetônico. Licitações e contratos da administração pública (Lei 8.666/1993).Materiais de construção civil. Aglomerantes - gesso, cal, cimento Portland. Agregados Argamassa. Concreto: dosagem. tecnologia do concreto. Aço. Madeira. Materiais cerâmicos. Vidros. Tintas e vernizes. Introdução à análise ergonômica. Metodologia de Análise ergonômicas. Análise ergonômica de demanda e da tarefa. Os comportamentos do homem no trabalho. Análise ergonômica da atividade: modelos, métodos e técnicas. Métodos de tratamento de dados em ergonomia. Diagnóstico e recomendações ergonômicas.

Sugestão Bibliográfica - NEUFERT - A Arte de Projetar em Arquitetura 13ª edição, 1998. LIMMER, Carl Vicente. Planejamento, Orçamento e Controle de Projetos e Obras. 1997. DE MARCO, Conrado Silva. Elementos de Acústica Arquitetônica -- Nobel - ano 1982. DEL RIO, Vicente. Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento -- PINI Editora - São Paulo - ano 1990. MASCARÓ, Juan Luis: Manual de Loteamentos e Urbanização (ano 1994); Desenho Urbano e Custos de Urbanização (ano 1987) Sagra DCLuzzato Editores - Porto Alegre. Plano Diretor. Lei Municipal de Obras, de Zoneamento, Uso, Ocupação e Parcelamento do Solo. MASCARO, Juan Luis. "Loteamentos Urbanos", 2ª ed., Porto Alegre: J Mascaro, 2005. MASCARO, Lucia. "Vegetação Urbana", 2ª ed. Porto Alegre: Mascaro, 2005. YOSHINAGA, Mário. "Infra-estrutura Urbana". Porto Alegre: Mascaro, 2005. ABNT. Representação de projetos de arquitetura. NBR 6492. ABNT. Acessibilidade de pessoas portadoras de deficiência a edificações, espaço, mobiliário e equipamentos urbanos. NBR 9050/1994. ABNT. Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Largura de linhas. NBR 8403/84. ABNT. Folha de desenho - leiaute e dimensões. NBR 10068/87. ABNT. Conteúdo da Folha de desenho técnico. NBR 10582/88.

Assistente Social

Conhecimentos Específicos - Serviço social na empresa e na saúde. Instrumentais técnicos do serviço social. Fundamentos históricos metodológicos de serviço social. A prática institucionalizada do assistente social nas organizações públicas. Assuntos correlatos à respectiva área, atividades cotidianas do Serviço Social. Correntes Teórico-Metodológicas no Serviço Social. Instrumentos de planejamento social (plano, programa e projeto). Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS). Metodologia e Ideologia do Serviço Social. Política Social e Serviço Social. Política Social: perfil histórico das políticas sociais no Brasil. Relação teoria-prática no Serviço Social. Serviço Social e Instituição a questão da participação. Serviço Social e interdisciplinaridade. Serviço Social junto à Comunidade. Serviço Social junto à Família. Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. Serviço Social na escola. Código de Ética Profissional.

Sugestão Bibliográfica - ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: boi tempo, 2006. BARROCO, Maria Lúcia Silva. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2006. BEHRING, Elaine e BOSCHETI, Ivonete. Política social: fundamentos e história. São Paulo: Cortez, 2007. BONETTI, Dilsea Aldeodata. Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. 9ª ed. São Paulo: Cortez, 2008. GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do Serviço Social. 3ªed. São Paulo: Cortez, 2002. IAMAMOTO, Marilda Vilela. Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: cortez, 2008. IAMAMOTO, Marilda Vilela. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2008. Lei 8.742/1993. Lei Orgânica da Assistência Social. MOTA, Ana Elisabete. O feitiço da ajuda: as determinações do serviço social na empresa. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ContadorConhecimentos Específicos - Noções sobre Administração Pública: Serviço público: conceito. Organização da administração pública brasileira. Orçamento público e processo orçamentário. Gestão na administração pública. Processo de planejamento-orçamento: plano plurianual, lei de diretrizes orçamentárias e lei orçamentária anual. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988: da fiscalização contábil, financeira e orçamentária (art. 70 ao 75), das finanças públicas (art. 163 ao 169). Controle externo e interno na administração pública. Tomada e prestação de contas. Lei de Responsabilidade Fiscal: Lei Complementar nº 101, de 05/05/00. Lei nº. 8.666/93 e 10.520/02 e suas alterações (das licitações e contratos públicos). Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Conceito e campo de atuação. Princípios Fundamentais de Contabilidade. Controle e variações do patrimônio público. Contabilização de atos e fatos contábeis. Receitas e despesas públicas: execução orçamentária e financeira. Ingressos e dispêndios extraorçamentários. Estrutura e análise dos balanços e demonstrações contábeis. Suprimento de fundos. Despesas de exercícios anteriores. Restos a pagar. Dívida ativa. Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao setor público (NBC T 16). Normas e manuais editados pela Secretaria do Tesouro Nacional - STN e Secretaria de Orçamento Federal - SOF, referentes a: procedimentos contábeis orçamentários, procedimentos contábeis patrimoniais, procedimentos contábeis específicos, plano de contas aplicado ao setor público, demonstrações contábeis aplicadas ao setor público e demonstrativo de estatística de finanças públicas. Lei 4.320, de 17/03/1964 e alterações posteriores. Ética Profissional: Código de ética profissional do contabilista, Resolução CFC nº. 803/96 e suas alterações. As prerrogativas profissionais, especialmente a Resolução CFC nº. 560/93 e suas alterações.

Sugestão Bibliográfica -MOTA, Francisco Glauber Lima. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. 1ª Ed., Brasília: 2009. AZEVEDO, Ricardo Rocha. SOUZA, José Antônio. VEIGA, Cátia Maria Fraguas. Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público: NBCASP. 2ª Ed., Curitiba, PR: Tecnodata Educacional, 2010. KOHAMA, Heilio. Contabilidade Pública -Teoria e Prática, 11ª. Ed., São Paulo: Atlas, 2010. CASTRO, Róbison Gonçalves. LIMA, Diana Vaz. Contabilidade Pública. Integrando União, Estados e Municípios. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2007. GIACOMONI, James. Orçamento Público. 13ª Ed. São Paulo: Atlas. 2005. PISCITELLI, Roberto Bocaccio; TIMBÓ, Maria Zulene Farias; ROSA, Maria Berenice. Contabilidade Pública: Uma Abordagem da Administração Financeira Pública. 11ª. Ed., São Paulo: Atlas, 2010. SILVA, Lino Martins; Contabilidade Governamental - Um Enfoque Administrativo da Nova Contabilidade Publica. 8ª. Ed., São Paulo: Atlas, 2009. PEREIRA, José Matias. Finanças Públicas: A Política Orçamentária no Brasil. 5ª Ed., São Paulo: Atlas, 2010.

Observação: As legislações podem ser obtidas nos seguintes endereços: www.tesouro.fazenda.gov.br/legislacao/leg contabilidade.asp , www.tesouro.fazenda.gov.br/contabilidade governamental/manuais.asp , www.cfc.org.br/sisweb/sre/Default.aspx , www4.planalto.gov.br/legislacao

EnfermeiroConhecimentos Específicos - Anatomia e Fisiologia. Semiologia. SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem. Semiotécnica: higiene e conforto do paciente; cálculo e administração de medicação e soluções; Nutrição enteral e parenteral; Sondagens: gástrica, enteral e vesical; Transfusões de sangue e hemoderivados; Avaliação de feridas; Curativos e coberturas; Estomaterapia; Lavagem gástrica; Enema; Balanço hídrico; Oxigenoterapia e inaloterapia. Enfermagem Médico-Cirúrgica: definição, etiologia e cuidados de enfermagem das doenças infecciosas, respiratórias, cardiovasculares, neurológicos e crônicas degenerativas. Doenças transmissíveis e sexualmente transmissíveis: formas de prevenção, isolamento e cuidados de enfermagem. Vacinação: normas do Ministério da Saúde. Unidade de Centro Cirúrgico e Central de Material Esterilizado e de Recuperação Pós-anestésica: cuidados de enfermagem no pré, trans e pós-operatório de cirurgias, desinfecção e esterilização de materiais, métodos de controle de infecção hospitalar. Enfermagem na Assistência Integral à Saúde da Mulher: câncer ginecológico, câncer de mama, planejamento familiar. Enfermagem Materno-Infantil: Assistência de enfermagem no Pré-natal, parto, puerpério; assistência de enfermagem ao recém-nascido normal e patológico. Enfermagem Pediátrica: Diarréia e Terapia de reidratação oral, infecções respiratórias agudas, crescimento e desenvolvimento, atendimento à criança sadia e hospitalizada, doenças comuns na infância, vacinação, cuidados especiais com medicamentos e sua administração. Enfermagem na Assistência Integral à Saúde do Adulto e do Idoso: Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e diabetes melius (DM). Enfermagem nos programas Nacionais de Controle da Tuberculose e Hanseníase. Programa Nacional de Imunização. Administração Aplicada à Enfermagem: o hospital, serviços hospitalares, rotinas hospitalares, passagem de plantão, escalas de atividades, relatório de enfermagem, sistema de comunicação com os serviços, admissão, alta, transferência e óbito de pacientes, recursos humanos, físicos e materiais para a prestação da assistência de enfermagem. Legislação profissional de enfermagem. Resoluções do COFEN - Lei do Exercício Profissional. Código de Ética Profissional. Lei 8.080/90. Lei 8.142/90. Enfermagem em Pacientes Críticos: primeiro atendimento em pronto socorro em pacientes traumáticos e clínicos, atendimento em parada cardiorrespiratória, cirúrgicos ou politraumatizados. Principais medicações usadas em emergência. Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiatria: relacionamento interpessoal e terapêutico, principais doenças psiquiátricas e tratamento, drogas usadas em psiquiatria. Sistema Único de Saúde. Saúde da família: vigilância epidemiológica, doenças emergentes e reemergentes em saúde pública e controle de zoonoses. Enfermagem em Saúde Ocupacional.

Sugestão Bibliográfica -NANDA -North American Nursing Association. Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: definições e classificações 2009-2011. Porto Alegre: Artmed, 2010. BARROS, Alba Lucia Botura Leite de et al. Anamnese e exame físico: avaliação diagnóstica de enfermagem no adulto. Porto Alegre: Artmed, 2003.CARPENITO, Lynda Jual. Manual de diagnóstico em enfermagem. Porto Alegre: Artmed, 2008. SMELTZER, Suzanne C. Brunner e Suddarth: Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. GOLDENZWAIG, Nelma R. S. C. AME: Administração de Medicamentos na Enfermagem. Rio de Janeiro: EPUB, 2004. GUYTON, A. C. Fisiologia humana e mecanismos das doenças. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. TORTORA, G. J. Corpo Humano: fundamentos de anatomia e fisiologia. Porto Alegre: Artmed, 2006.

Engenheiro Civil Conhecimentos Específicos - Legislação profissional - Noções de direito e cidadania. Aspectos jurídicos para a formação do engenheiro. Organização do sistema CONFEA/CREAs e suas leis. Deveres e direitos dos profissionais. Código de ética profissional. Mercado de trabalho. Noções de avaliação e perícias. Materiais de construção civil - aglomerantes, agregados, pastas e argamassas, concretos hidráulicos, materiais metálicos, cerâmicos e betuminosos, pedras naturais, madeiras, tintas, vernizes e vidros. Técnicas de construção civil -elementos referentes a edificação, movimento de terra, máquinas, equipamentos, canteiro de obras, técnicas de fundações, tecnologia dos elementos de vedação, tipos de coberturas, estruturação do edifício, revestimentos, pisos, pinturas, racionalização e tecnologia das construções, memorial descritivo, orçamentos, cronograma físico-financeiro, higiene e segurança do trabalho. Instalações prediais -instalações prediais de água fria e quente, instalações de esgotos e de águas pluviais, tratamentos individuais de esgotos domésticos, instalações elétricas, instalações de gás, instalações contra-incêndio. Projetos de engenharia civil - conceituação de arquitetura e de espaço edificado, tipologia e função do edifício, edificações uni e plurifamiliares, comerciais e industriais. Projetos estruturais - caracterização estrutural de um edifício, plantas de formas e ferragens, cargas, esforços internos, concreto armado, materiais componentes, dimensionamento de pilares, vigas e lajes, desenvolvimento do projeto estrutural. Estruturas de madeira e estruturas metálicas. Fundações - propagação e distribuição de pressões no solo, fundações diretas, fundações profundas, reconhecimento do subsolo, sondagens e escolha do tipo de fundações. Topografia - planimetria, altimetria, planialtimetria-cadastral, desenvolvimento de projetos de loteamento. Transportes - estudo do trânsito, contagens volumétricas, pesquisa de origem e destino, planejamento de transportes, estimativa de trânsito futuro, volume de projeto, dimensionamento e coordenação de semáforos, sinalização de segurança em vias, estudos de acidentes, projeto geométrico rodovias e vias urbanas, terraplanagem, cálculo de volumes e distâncias de transportes, pavimentação, funcionamento dos sistemas de pavimentação flexível, articulados e rígidos, dimensionamento do pavimento. Urbanismo - funções urbanas, estruturas e morfologia urbana, utilização dos espaços urbanos, planejamento e gerenciamento de obras urbanas, infra-estrutura, equipamentos e serviços urbanos, legislação urbana, plano diretor, plano municipal de desenvolvimento estatuto da cidade. Informática -conhecimento específico de AutoCad, Excel, Word e outros programas necessários para organizar e disponibilizar arquivos digitais dos projetos.

Sugestão Bibliográfica - MATSUMOTO, É. Y. AutoCAD 2006: Guia prático, 2D & 3D - 2ª ed. São Paulo: Érica, 2007. 374 p. MOLITERNO, A. Caderno de projetos de telhados em estruturas de madeira, São Paulo: E. Blücher, 1981-1986. 419 p. Código De Ética Profissional. Lei nº8078, 11/09/1990. BOTELHO, M. H. C. Concreto armado, eu te amo, para arquitetos, São Paulo: E. Blücher, 2006. 224 p. PINTO, C. S. Curso básico de mecânica dos solos: com exercícios resolvidos, em 16 aulas, 3ª ed. São Paulo: Oficina de textos, 2006. 355 p. SUSSEKIND, J. C. Curso de analise estrutural 8ª ed. Porto Alegre: Globo, 1984. BORGES, A. N. Curso prático de cálculo em concreto armado: projetos de edifícios Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 2004. 261 p. ALONSO, U. R. Dimensionamento de fundações profundas, São Paulo: Ed. Blücher, 1994-2003. 167 p. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, 3ª ed. São Paulo: CETESB/ASCETESB, 1986. 452 p. CANHOLI, A. P. Drenagem urbana e controle de enchentes, São Paulo: Oficina de Textos, 2005. 302 p. SOARES, L. R. Engenharia de trafego, Rio de Janeiro: Almeida Neves, 1975. 269 p. SENCO, W. Estradas de rodagem, São Paulo: Grêmio Politécnico, USP, 1980. 331 p. MORAES, M. C. Estruturas de fundações. 3ª ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1981. 264 p. PFEIL, W. Estruturas de madeira: dimensionamento segundo as normas brasileiras NB11 e os modernos critérios das normas alemã e americanas, Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1980. 256 p. SANTOS, A. F. Estruturas metálicas: projeto e detalhes para fabricação, São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1978-1981. 270 p. VELLOSO, D. A.; LOPES, F. R. Fundações, 2ª ed. Rio de Janeiro: COPPE-UFRJ, 1997. HACHICH, W. Fundações: teoria e prática - 2ª ed. São Paulo: Pini, 1998-2008. 751 p. CREDER, H. 15. Instalações elétricas -ed. Rio de Janeiro: LTC Ed., 2007. 428 p. NISKIER, J.; MACINTYRE, A. J. Instalações elétricas. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC Ed., 2008-2009. 455 p. MACINTYRE, A. J. Instalações hidráulicas -3ª ed. Rio de Janeiro: LTC Ed., c1996. 739 p. CREDER, H. Instalações hidráulicas e sanitárias 5ª ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1991. 465 p. VIANNA, M. R. Instalações hidráulicas prediais, 3ª ed. Belo Horizonte: Imprimatur Artes, 2004. 339 p. AZEVEDO NETTO, J. M.; BOTELHO, M. H. C. Manual de saneamento de cidades e edificações, São Paulo: Pini, 1991. 229 p. ALVES, J. D. Materiais de construção, 5ª ed. São Paulo: Nobel, 1980. BAUER, L. A. Falcão. Materiais de construção, 5ª ed. Rio de Janeiro: LTC Ed., 1995. 435 p. PETRUCCI, E. G. R. Materiais de construção, 4ª ed. Porto Alegre: Globo, 1979. 935 p. VERCOZA, E. J. Materiais de construção, 2ª ed. Porto Alegre: Sagra, 1984. SILVA, M. R. Materiais de construção, São Paulo: Pini, 1985. 266 p. CAPUTO, H. P. Mecânica dos solos e suas aplicações: volume 2 - 6ª ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: LTC Ed., 2008. 498 p. MASSAD, F. Obras de terra curso básico de geotecnia, São Paulo: Oficina de textos, 2003. 170 p. CANOVAS, M. F. Patologia e terapia do concreto armado, São Paulo: Pini, 1988. 522 p. SOUZA, V. C. M.; RIPPER, T. Patologia, recuperação e reforço de estruturas de concreto, São Paulo: Pini, 1998. 255 p. GEHBAUER, F.; EGGENSPERGER, M. Planejamento e gestão de obras: um resultado prático da cooperação técnica, Curitiba: CEFET-PR, 2002. 528 p. LE CORBUSIER. Planejamento urbano, 3ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2000-2008. 200 p. MOTA, S. Planejamento urbano e preservação ambiental, Fortaleza, CE: UFC, 1981. 241 p. NEVILLE, A. M. Propriedades do concreto, 2ª ed. São Paulo: Pini, 1997. 828 p. BARROS, R.l T. V. Saneamento -ed. Belo Horizonte: UFMG. Escola de Engenharia, 1996. 221 p. GOMES, H. P. Sistemas de abastecimento de água: dimensionamento econômico e operação de redes e elevatórias, 2ª ed. rev. e ampl. João Pessoa: Ed. Universitária/UFPB, 2004. 242 p. FUSCO, P. B. Técnica de armar as estruturas de concreto, São Paulo: Pini, 1995. 382 p. Tensão CINTRA, J. C. A; AOKI, N.; ALBIERO, J. H. admissível em fundações diretas, São Carlos, SP: RiMa, 2003. 134 p. MCCORMAC, J. Topografia, 5ª ed. Rio de Janeiro: LTC Ed., 2007. 391 p. BORGES, A. C. Topografia aplicada à engenharia civil, 2ª ed. São Paulo: Ed.. Blücher, 2010.

Especialista em Educação­ Orientação Educacional

Conhecimentos Específicos - Fundamentos da Educação. História da educação brasileira. Filosofia da Educação. Políticas educacionais brasileiras contemporâneas. Concepções de aprendizagem. Concepções de avaliação. Gestão Pedagógica. Projeto Político-Pedagógico. Indisciplina na Escola. Concepções de currículo. Concepção de ensino. Filosofia da Educação. Planejamento. O Papel do Orientador Educacional. Orientação Escolar: Teoria e Prática.

Sugestão Bibliográfica - LIMA, Júlio César França; NEVES, Lúcia Maria Wanderley (Orgs.). Fundamentos da educação escolardo Brasilcontemporâneo. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2006, 320p. DEMO, Pedro. Sociologia da educação. Brasília: Plano, 2004. PERRENOUD, Philippe. Avaliação. Da Excelência a Regulação dasAprendizagens, Entre duas lógicas. Ed. Artmed. 1999. Maria Elisabeth Pereira Kraemer, A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer, www.gestiopolis.com/Canales4/rrhh/aprendizagem.htm.GARCIA, R. L. A avaliação e suas implicações no fracasso/sucesso. In: Esteban, Maria Teresa (org.) Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. Rio de Janeiro: DP & A, 2001. CABRAL NETO, Antônio et al. (Org.). Pontos e contrapontos da política educacional: uma leitura contextualizada de iniciativas governamentais. Brasília, DF: Líber Livro Editora, 2007. BAFFI, Maria Adelia Teixeira. Projeto Pedagógico: um estudo introdutório. Pedagogia em Foco, Petrópolis, 2002. ______. Do cotidiano escolar: ensaio sobre a ética e seus avessos. 2. ed. São Paulo: Summus, 2000. MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003. ______. Novas maneiras de ensinar, novas maneiras de aprender. Porto Alegre: Artmed, 2002b. CASTRO, A. D.; CARVALHO, A. M. (Org.). Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2000. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3ª Ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000. SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2ª Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. ANTUNES, C. Professor bonzinho= aluno difícil: a questão da indisciplina em sala de aula. Petrópoles, RJ: Vozes, 2002a. ______. Indisciplina: o contraponto das escolas democráticas. 4ª ed. São Paulo: Moderna, 2003. GOTIZENS, C. A disciplina escolar: prevenção e intervenções nos problemas de comportamento 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2003. _____. (In)Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola. 15.ed. São Paulo: Libertad, 2004.B. A indisciplina no cotidiano escolar. http://www.fja.edu.br/candomba/2006­v2n1/pdfs/MarinildesNunes2006v2n1.pdf. LIBÂNEO, J. C; PIMENTA, S. G. "Formação dos profissionais de educação: visão crítica e perspectivas de mudança". IN: PIMENTA, S. G. (Org.) Pedagogia e pedagogos: caminhos e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2002. Liliana Soares Ferreira. GESTÃO DO PEDAGÓGICO: DE QUAL PEDAGÓGICO SE FALA? http://www.curriculosemfronteiras.org/vol8iss2articles/ferreira.pdf. Supervisão e Orientação Educacional / Perspectiva de Integração na escola. SP Cortez, 2003. ______. (Org.) A prática dos orientadores educacionais. São Paulo: Cortez, 2003. LÜCK, Heloísa. Ação integrada: Administração, Supervisão e Orientação Educacional. Petrópolis, RJ: Vozes, 1982. ______. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis. Vozes, 2006. ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil. Petrópolis­ J: Vozes, 2003. SAVIANI, D. Escola e Democracia. Campinas: Autores Associados, 2005. VASCONCELLOS, Celso dos S. Coordenação do Trabalho Pedagógico: do Projeto Político Pedagógico ao cotidiano da sala de aula. São Paulo: Libertad, 2002. GARRIDO, Selma Pimenta. Pedagogia e Pedagogos: caminhos e perspectivas. São Paulo: Ed. Cortez, 2006. LÜCK, Heloísa. Pedagogia Interdisciplinar: fundamentos teórico­ metodológicos. Petrópolis, Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 2007. LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Ed. Cortez, 2005, 21ª reimpressão. LÜCK, Heloisa. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis: Vozes, 2006. Série: Cadernos de Gestão. A avaliação da Aprendizagem Escolar. Fascículo 11. Na Sala de Aula. Vozes. 2002. GHIRALDELLI Jr, Paulo. Filosofia da Educação. São Paulo: Ática, 2006. MORETTO, Vasco Pedro. Planejamento: planejando a educação para o desenvolvimento de competência. Petrópolis: Vozes, 2007. MANTOAN, Maria Tereza Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003. 95p. GRINSPUN, Mirian P.S.Z. A Orientação Educacional Conflitos de Paradigmas e alternativas para escola. SP Cortez. 2006. GIACAGLINI, Lia Renata Angelim; PENTEADO, Wilma Millan Alves. Orientação Educacional na prática, 6ª edição revista e ampliada, Editora: Cengage Learning, Ano 2010.

Especialista em Educação­ Supervisão Escolar Conhecimentos Específicos ­ Fundamentos da Educação. História da educação brasileira. Filosofia da Educação. Políticas educacionais brasileiras contemporâneas. Concepções de aprendizagem. Concepções de avaliação. Gestão Pedagógica. Projeto Político­Pedagógico. Indisciplina na Escola. Concepções de currículo. Concepção de ensino. Filosofia da Educação. Planejamento. O Papel do Supervisor Escolar. Princípios da Supervisão.

Sugestão Bibliográfica ­ LIMA, Júlio César França; NEVES, Lúcia Maria Wanderley (Orgs.). Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2006, 320p. DEMO, Pedro. Sociologia da educação. Brasília: Plano, 2004. PERRENOUD, Philippe. Avaliação. Da Excelência a Regulação das Aprendizagens, Entre duas lógicas. Ed. Artmed. 1999. Maria Elisabeth Pereira Kraemer, A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer, http://www.gestiopolis.com/Canales4/rrhh/aprendizagem.htm. GARCIA, R. L. A avaliação e suas implicações no fracasso/sucesso. In: Esteban, Maria Teresa (org.) Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. Rio de Janeiro: DP & A, 2001. CABRAL NETO, Antônio et al. (Org.). Pontos e contrapontos da política educacional: uma leitura contextualizada de iniciativas governamentais. Brasília, DF: Líber Livro Editora, 2007. BAFFI, Maria Adelia Teixeira. Projeto Pedagógico: um estudo introdutório. Pedagogia em Foco, Petrópolis, 2002. ______. Do cotidiano escolar: ensaio sobre a ética e seus avessos. 2. ed. São Paulo: Summus, 2000. MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003. ______. Novas maneiras de ensinar, novas maneiras de aprender. Porto Alegre: Artmed, 2002b. CASTRO, A. D.; CARVALHO, A. M. (Org.). Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2000. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3ª Ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000. SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2ª Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. ANTUNES, C. Professor bonzinho= aluno difícil: a questão da indisciplina em sala de aula. Petrópoles, RJ: Vozes, 2002a. ______. Indisciplina: o contraponto das escolas democráticas. 4ª ed. São Paulo: Moderna, 2003. GOTIZENS, C. A disciplina escolar: prevenção e intervenções nos problemas de comportamento 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2003. _____. (In)Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola. 15.ed. São Paulo: Libertad, 2004.B. A indisciplina no cotidiano escolar. http://www.fja.edu.br/candomba/2006­v2n1/pdfs/MarinildesNunes2006v2n1.pdf. LIBÂNEO, J. C; PIMENTA, S. G. "Formação dos profissionais de educação: visão crítica e perspectivas de mudança". IN: PIMENTA, S. G. (Org.) Pedagogia e pedagogos: caminhos e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2002. Liliana Soares Ferreira. GESTÃO DO PEDAGÓGICO: DE QUAL PEDAGÓGICO SE FALA? http://www.curriculosemfronteiras.org/vol8iss2articles/ferreira.pdf. Supervisão e Orientação Educacional / Perspectiva de Integração na escola. SP Cortez, 2003. ______. (Org.) A prática dos orientadores educacionais. São Paulo: Cortez, 2003. LÜCK, Heloísa. Ação integrada: Administração, Supervisão e Orientação Educacional. Petrópolis, RJ: Vozes, 1982. ______. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis. Vozes, 2006. ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil. Petrópolis-RJ: Vozes, 2003. SAVIANI, D. Escola e Democracia. Campinas: Autores Associados, 2005. VASCONCELLOS, Celso dos S. Coordenação do Trabalho Pedagógico: do Projeto Político Pedagógico ao cotidiano da sala de aula. São Paulo: Libertad, 2002. GARRIDO, Selma Pimenta. Pedagogia e Pedagogos: caminhos e perspectivas. São Paulo: Ed. Cortez, 2006. LÜCK, Heloísa. Pedagogia Interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos. Petrópolis, Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 2007. LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Ed. Cortez, 2005, 21ª reimpressão. LÜCK, Heloisa. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis: Vozes, 2006. Série: Cadernos de Gestão. A avaliação da Aprendizagem Escolar. Fascículo 11. Na Sala de Aula. Vozes. 2002. GHIRALDELLI Jr, Paulo. Filosofia da Educação. São Paulo: Ática, 2006. MORETTO, Vasco Pedro. Planejamento: planejando a educação para o desenvolvimento de competência. Petrópolis: Vozes, 2007. MANTOAN, Maria Tereza Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003. 95p. RANGEL, Mary & all. Supervisão Pedagógica - Princípios e Práticas. Campinas, São Paulo: Ed. Papirus, 2007. FERREIRA, Naura Syria Carapeto. Supervisão Educacional para uma Escola de Qualidade, Edição 4ª, Editora Cortez Editora, Ano 2003. MEDINA, Antonia da Silva. Supervisão Escolar - Da Ação Exercida À Ação Repensada, Edição 2ª, Editora AGE, Ano 2002.

Farmacêutico BioquímicoConhecimentos Específicos - Microbiologia básica e aplicada: fundamentos de isolamento e pesquisa de microrganismos; ensaios microbiológicos de alimentos, água, amostras ambientais, sanitizantes, medicamentos e correlatos; avaliação de microrganismos indicadores e patogênicos, emergentes e re-emergentes; preparação e controle de qualidade de meios de cultura e reagentes; técnicas de amostragem e preparo de amostras para ensaios microbiológicos. Bioquímica Clínica: Realização e interpretação de exames bioquímicos e moleculares que avaliem: Diabetes melitus; Dislipidemias; Função hepática; Função renal e Uroanálise; fundamentos sobre metabolismo de carboidratos, lipídeos, proteínas, aminoácidos, substâncias nitrogenadas não protéicas e eletrólitos. Hematologia: hematopoiese; hemograma completo e seus parâmetros; investigação laboratorial e molecular de doenças hematológicas; coagulação e tipagem sanguínea; principais anemias; hemoglobinopatias; leucemias. Hemostasia: TAP, TTPA, fibrinogênio e dosagem de fatores de coagulação. Imunologia geral: sistema e resposta imune; estrutura, função e produção de anticorpos; mecanismo de defesa imune; diagnóstico laboratorial de doenças infecciosas. Parasitologia: métodos de análise e suas implicações em doenças parasitológicas humanas relacionadas; diagnóstico laboratorial de doenças parasitológicas humanas. Legislação Farmacêutica e ética profissional. Coleta, preservação, transporte e processamento das principais amostras biológicas em laboratório de análises clínica. Controle de qualidade e biossegurança em laboratórios de rotina de análises clínicas.

Sugestão Bibliográfica - TRABULSI, Luiz Rachid. Microbiologia. 4ª ed. São Paulo: Atheneu, 2005. KONEMAN, Elmer W.; WINN, Washington C. Diagnóstico microbiológico: texto e atlas colorido. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. JAWETZ, Ernest; BROOKS, George F. Jawetz, Melnick e Aldelberg: microbiologia médica. 24ª ed. Rio de Janeiro: McGraw Hil do Brasil, 2009. MOTTA, Valter T. Bioquímica clínica para o laboratório: princípios e interpretações. 4ª ed. Porto Alegre: Médica Missau, São Paulo: Robe, 2003. LORENZI, Therezinha. Manual de hematologia: propedêutica e clínica. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. ABBAS, Abul K.; LICHTMAN, Andrew H. Imunologia celular e molecular. 5ª ed. Rio de Janeiro: 2005. FERREIRA, Antonio Walter; ÁVILA, Sandra do Lago Moraes de. Diagnóstico laboratorial: avaliaçao de métodos de diagnóstico das principais doenças infecciosas e auto- munes. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. NEVES, David Pereira. Parasitologia humana. 11. ed. São Paulo: Atheneu, 2005-2007. REY, Luís. Bases da parasitologia médica. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. LIMA, A. Oliveira. Métodos de laboratório aplicados à clínica: técnica e interpretação. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. MILLER, Otto. Laboratório para o clínico. 8ª ed. São Paulo: Atheneu, 1999. MOURA, Roberto A. de Almeida; PUICHIO, Adhemar; ROSSI. Tecnicas de laboratorio. 3ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2002. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 302, DE 13 DE OUTUBRO DE 2005; RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004; RESOLUÇÃO Nº 296 DE 25 DE JULHO DE 1996; RESOLUÇÃO Nº 417 DE 29 DE SETEMBRO DE 2004.

Médico VeterinárioConhecimentos Específicos - Reprodução Animal. Inspeção Sanitária. Principais doenças infecciosas transmissíveis ao homem. Principais doenças parasitárias transmissíveis ao homem. Toxi-infecções alimentares. Beneficiamento do leite de consumo. Controle Químico e microbiológico de leite e produtos lácticos. Aspectos higiênicos e sanitários do pescado. Patologia Animal. Etiologia. Diagnóstico. Tratamento, controle e erradicação relativos ás doenças: Febre Affosa, Raiva, Anaplasmose, Brucelose, Peste Suma, Carências Vitamínico-minerais, Principais Ectoparasitoses de bovinos e suínos, principais doenças das aves. Bovinocultura de corte e bovinocultura de leite: Formação e manejo de pastagem e forrageiras.

Sugestão Bibliográfica - BOWMAN, Dwight D. GEORGIS, Parasitologia Veterinária. Ed. 9º, Editora:Elsevier, 2010. CORRÊA, W.M.; CORRÊA, C.N.M. Enfermidades infecciosas dos mamíferos domésticos. Ed. Médica e Científica Ltda. Rio de Janeiro, 1993. HAFEZ,E.S.E.,HAFEZ, B.Reprodução animal. 7. ed. Tamboré: Manole, 2004. 513p. RONALDO LOPES OLIVEIRA , MARCOS AURÉLIO A. F. BARBOSA (ORGS.). Bovinocultura de Corte: Desafios e Tecnologias. 1ª edição, Editora: UFBA, 2007.

Professor - Arte

Conhecimentos Específicos - História da Arte: Brasil e no mundo aspectos gerais da pré-história aos dias atuais. Metodologia do ensino da Arte elementos da linguagem visual, teoria da cor, leitura e releitura de obras. Arte e educação: pensamento e linguagem/ênfase para teoria de Vygotsky. Arte e interdisciplinaridade: fundamentos e aplicação na pratica docente. A influencia da África na Arte do Brasil.

Sugestão Bibliográfica - VYGOTSKI, Lev Semenovictch. Pensamento e Linguagem, ed. Martins Fontes, São Paulo, 1993. VYGOTSKI, Lev Semenovictch. A Formação Social da Mente,ed. Martins Fontes, São Paulo, 1991. ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual, ed. Pioneira, São Paulo, 1991. FUSSARI, Maria F. de Rezende. Arte na Educação Escolar, ed. Cortez, São Paulo, 2001. DUARTE, Jr. João Francisco. Fundamentos Estéticos da Educação, ed. Cortez, São Paulo, 2001. PACHECO, Elza Dias. Comunicação Educação e Arte na Cultura Infanto-Juvenil, ed. Loyola, São Paulo, 1991. MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti Ensino e abordagens do processo. ed. Cortez, São Paulo, 1991. BRASIL, Ministério da Educação Parâmetros Curriculares Nacionais/Arte, ed. Brasília DP&A. 2000 vol.6. FAZENDA, Ivani. Práticas Interdisciplinares na escola, ed. Cortez, São Paulo, 1993. IÓRIO, Suely Aparecida. Arte Educação e Projetos. ed. Arvore do Saber, São Paulo, 2004. PROENÇA, Graça. História da Arte, ed. Ática, São Paulo, 2005. REVERBEL, Olga Jogos Teatrais na Escola. ed. Scipione, São Paulo, 1989. SILVA, René Marc da Costa. Cultura Popular e Educação -Salto para o Futuro, MEC, Centro Universitário de Brasília, Uniceub, 2008.

Professor - Ciências

Conhecimentos Específicos - Ensino de Ciências. Conservação e Recuperação de Áreas de Preservação Permanente. Preservação, degradação e recuperação ambiental. Política Nacional de Educação Ambiental. Agenda 21. Atmosfera, hidrosfera e litosfera: características físicas e ambientais, interferência humana e suas conseqüências (Efeito estufa. Alterações Ambientais Globais). Solo e resíduos sólidos. Poluição atmosférica, das águas, do solo, visual, sonora. Biodiversidade. Seres vivos: características gerais, sistemática, classificação biológica e nomenclatura. Noções de evolução. Ecologia. Relação entre os seres vivos e o ambiente: o homem e a sua ação sobre o ambiente. Princípios básicos que regem as funções vitais dos seres vivos. Relação entre estruturas e funções dos sistemas e suas adaptações ao meio. Ciclos biogeoquímicos. Animais e plantas. Vírus, bactérias, fungos, algas e protozoários; importância ambiental e importância para os seres vivos. Doenças tropicais. Noções de genética. Fisiologia e anatomia do corpo humano. O homem enquanto ser social: Aspectos afetivos, cognitivos, psicológicos, culturais, ecológicos. Sexualidade: Educação sexual e seu desenvolvimento para a produção da vida. Fatores determinantes dos avanços científicos e tecnológicos. Utilização racional dos recursos naturais. Diversidade dos materiais extraídos da natureza, transformados e produzidos pelo homem. Astronomia. Propriedades da matéria: estados físicos, massa, volume, peso, densidade, empuxo. Relação da diversidade dos materiais na composição do ambiente. Energia. Misturas e separações, átomos e características. Elementos químicos e a tabela periódica. Fundamentos teóricos da Química: conceitos. Leis. Relações. Princípios básicos. Interações e transformações químicas. Fundamentos teóricos da Física: conceitos. Leis. Relações. Princípios básicos.

Sugestão Bibliográfica - AMABIS, J. M., MARTHO, G. R. Fundamentos da Biologia Moderna. Vol único, 4ª Ed., São Paulo: Moderna. Agenda 21. - Brasília - Senado Federal,Subsecretaria de Edições Técnicas. Edições especiais, 598 p. 2000. Atmosfera desmatamento, poluição e camada de ozônio. - Brasília -Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, Coleção Ambiental Vol VI, 191 p. 2007. BURSZTYN, M. (org). Ciência ética e sustentabilidade: desafios ao novo século. São Paulo: Cortez, 2001. BOUER, J. Sexo & Cia: as dúvidas mais comuns (e as mais estranhas) que rolam na adolescência. 2 ed. São Paulo: Publifolha, 2002. BRASIL, Lei nº 9795, de 27 de abril de 1999 que institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Disponível em: www.mma.gov.br/port/sdi/ea/> Acesso em 20 jan. 2002 ou http://pga.pgr.mpf.gov.br/boletins/arquivos-de-boletins-2009/politica-nacional-de-educacao-ambiental/.> Acesso em 16 dez 2010. Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais /Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 138 p.1998. CARVALHO, Isabel C. M., Educação Ambiental: A formação do sujeito ecológico. Cap. 1, 3 e 5-3ª ed. São Paulo: Cortez, 2008. CARVALHO Anna Maria Pessoa de (org.) -Ensino de Ciências: Unindo a Pesquisa e a Prática -SP Pioneira Thomson Learning, 2004. CÉSAR, da S. J., SEZAR, S, BEDAQUE, P. S.S. Ciências: entendendo a natureza, 9º ano. 23 ed. São Paulo: Saraiva, 2009. CLEVELAND, P.H. JR., ROBERTS, L.S. & LARSON. Princípios Integrados de Zoologia. 11.ed. Rio de Janeiro: Guanabara -Koogan, 2004 DELIZOICOV, D; ANGOTTI, J.A e PERNAMBUCO, M.M. Ensino de Ciências: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Cortez, 2002. Educação e Consciência Ambientais. - Brasília - Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas Coleção Ambiental Vol. IX - 90 p. 2010. FAVARETTO, J. A. MERCADANTE, C. Biologia. vol. único, São Paulo: Moderna, 2003. FRIAÇA A. C. S.; DALPINO, E.; SODRÉ JR.; L. JATENCO-PEREIRA, V. (orgs.) Astronomia: uma visão geral do universo. São Paulo: EDUSP, 2000. GRIFFITHS, A. J. F.; (et al.). Introdução a Genética. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara - Koogan, 2009. Capítulos 1 a 17, p. 1 a 544, Capítulo 19, p. 587 a 616. KRASILCHIK, Myriam. O Professor e o currículo das ciências. São Paulo: EDUSP, 1987. KORMONDY, E. J. e BROWN, D.E. Ecologia Humana. São Paulo: Atheneu Editora, 2002. LAGO, S., ADOLFO, A., ROZETTA, M. Biologia para o ensino médio: curso completo. 1 ed. São Paulo: IBEP, 2006. LOPES, SÔNIA; Mendonça. V. L. Bio: volume 1.São Paulo: Saraiva, 2006. LOPES, SÔNIA; Mendonça. V. L. Bio: volume 2.São Paulo: Saraiva, 2006. LOPES, SÔNIA; Mendonça. V. L. Bio: volume 3.São Paulo: Saraiva, 2006. NICOLAU Gilberto e SOARES, Paulo Antônio de Toledo. Física básica. vol. único, 2ªed. São Paulo: Atual, 2004. Protocolo de Quioto e Legislação Correlata. - Brasília - Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, Coleção Ambiental Vol III, 88 p.; 2004. RUSSEL, J. B. Química geral. São Paulo: McGraw-Hil do Brasil, 1981. SATO, M. Educação Ambiental. São Carlos, Rima, 2002. STERN, I. Ciências no século XXI: 9º ano. São Paulo: Atual, 2009. STERN, I. Ciências no século XXI: 8º ano. São Paulo: Atual, 2009. STERN, I. Ciências no século XXI: 7º ano. São Paulo: Atual, 2009. STERN, I. Ciências no século XXI: 6º ano. São Paulo: Atual, 2009. TORTORA, G. J. Corpo Humano: Fundamentos de Anatomia e Fisiologia. 6.ed. Porto Alegre: ARTMED, 2006. USBERCO, J. e SALVADOR E. Química, vol 1. Química geral, 14 ed. reform - São Paulo: Saraiva, 2009.

Professor - Educação EspecialConhecimentos Específicos - Constituição Federal/88_ art. 205, 206, 208. LDB, cap. V, art. 58, 59, 60. Escola Inclusiva. AEE para o aluno deficiência intelectual. AEE para o aluno com deficiência visual. AEE para aluno com surdez. AEE para alunos com altas habilidades/ superdotação. AEE para aluno com deficiência física. AEE para alunos com transtornos globais de desenvolvimento. Acessibilidade. Libras. Atendimento educacional especializado. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica.

Sugestão Bibliográfica - CF/88. Lei 9394/96. Lei 10.098/2000. Lei 10.436/02. Decreto 6571/08. Resolução 02/0. Resolução 04/09. Edilene Aparecida. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: a escola comum inclusiva / Edilene Aparecida Ropoli .[et.al.]. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010. v. 1. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar). GOMES, Adriana Leite Lima Verde.A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual / Adriana Leite Lima Verde Gomes, Jean-Robert Poulin, Rita Veira de Figueiredo. - Brasília : Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010. DOMINGUES, Celma dos Anjos. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: os alunos com deficiência visual: baixa visão e cegueira / Celma dos Anjos Domingues ... [et.al.]. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial; [Fortaleza]: Universidade Federal do Ceará, 2010. v. 3. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar). ALVEZ, Carla Barbosa. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: Abordagem bilíngue na escolarização de pessoas com surdez / Carla Barbosa Alvez, Josimário de aula Ferreira, Mirlene Macedo Damázio. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010. v. 4. (Coleção A educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar). GIACOMINI, Lília. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escola: orientação e mobilidade, adequação postural e acessibilidade espacial / Lilia Giacomini, Mara Lúcia Sartoretto, Rita de Cássia Reckziegel Bersch. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010. v. 7. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar). BELISÁRIO FILHO, José Ferreira. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: transtornos globais do desenvolvimento / José Ferreira Belisário Filho, Patrícia Cunha. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010.v. 9. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar). DELPRETTO, Bárbara Martins de Lima. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão escolar: altas habilidades/superdotação. Bárbara Martins de Lima Delpretto, Francinete Alves Giffoni, Sinara Polom Zardo. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010. v. 10. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar, http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12625&Itemid=860. http://portal. mec.gov.br/index.php ?option=com content&view=article&id= 12716&Itemid=863. www.planalto.gov.br/ccivil 03/Leis/L 10098. htm.

Professor - Educação FísicaConhecimentos Específicos - Concepção de Educação Física. Dança como linguagem que permite exteriorizar sentimentos e emoções, expressão da própria vida. Educação Física Escolar e qualidade de vida, frente à realidade social econômica política e cultural, nos seus diferentes significados. Educação, Trabalho, Saúde e Lazer. Educação Física e Cidadania. Educação Física e Educação, Educação Física e Esporte. Educação Física e Motricidade Humana. Educação Física e Saúde. Educação Física e Sociedade. Educação Física Escolar na perspectiva interdisciplinar. Esporte como fenômeno sócio-cultural. Finalidades da Educação Física Escolar na Educação Infantil e no Ensino Fundamental. Ginástica como forma de exercitação corporal. Jogo como produção social no processo ensino aprendizagem. Recreação e jogos. Iniciação ao desporto e a dança. Atividades lúdicas. Atividade física como agente promotor de saúde. Atividade física durante o crescimento e o desenvolvimento. Efeitos do estresse ambiental sobre a performance humana.

Sugestão Bibliográfica - ARANTES, Ana Cristina. CRUZ, Elizabete. Et al. História e memória da "Educação Física" na Educação Infantil. Rev. Paul. Educação Física, São Paulo, 2001. BERLEZÉ, Adriana. VIEIRA, Lenamar Fiorese. KREBS,Ruy Jordana. Motivos que levam crianças à prática de atividades motoras na escola. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v.13, n.1, 2002. BEZERRA, Sandra Pacheco. FILHO, Raul Alves Ferreira. FELICIANO,Jeane Gomes. A importância da aplicação de conteúdos da ginástica artística nas aulas de educação física no ensino fundamental de 1° a 4° série. Revista Machenzie de Educação Física e Esporte,v.5, n. especial, 2006. BRACHT, Valter. A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cadernos cedes, ano XIX, Agosto 99. BRAMANTE, A.C.Perspectivas para o lazer e a qualidade de vida nas sociedades contemporâneas. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde,v.10,n.01,2005. BUENO, Thais Franco. Ginástica de grande área: Uma realidade possível no contexto escolar. Campinas- 2004. DALLABONA, Sandra Regina. MENDES, Sueli Maria Schmitt.O lúdico na educação infantil: Jogar, Brincar, uma forma de educar. Revista de divulgação técnico científica do ICPG, v.1, n.4, jan/mar. 2004. DIAS, Maria Sara de Lima. As questões da educação social frente ao paradigma da educação x trabalho. Revista das faculdades Santa Cruz, v.7, n.1, jan/jun,2009. EHRENBERG, Mônica Caldas. GALLARDO, Jorge Sérgio Pérez. Dança: conhecimento a ser tratado nas aulas de educação física escolar. Motriz, Rio Claro, v.11, n.2, Mai/Ago. 2005. FILGUEIRAS, Isabel Porto. OLIVEIRA,Greice Kely de. PAIANA, Ronê. RODRIGUES, Luiz Henrique. Concepções e preferências sobre as aulas de educação física escolar: Uma análise da perspectiva discente. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v.6, n.3, 2007. FILHO, Hugo Tourinho. TOURINHO, Lilian Simone Pereira Ribeiro. Crianças, adolescentes e atividade física: Aspetos Maturacionais e funcionais. Rev. Paul. Educação Física, São Paulo, Jan/Jun. 1998, 20 ed. GASPARI, Telma Cristiane. A dança aplicada às tendências da educação física escolar. Motriz, v. 8, n.3, set/dez- 2002. GONÇALVES, Viviane Oliveira. Concepções e tendências pedagógicas da educação física: contribuições e limites.Revista eletrônica de educação do curso de pedagogia do campus avançado de Jatai da universidade federal de Goiás, v.1, n.2, jan/jun- 2005. GONÇALVES, Helcio. ARRUDA, Miguel de. GORLA, José Ireneu. CARVALHO, Cláudio. Importância da educação física escolar para a saúde e qualidade de vida. GUEDES, Claudia Maria. RUBIO, Katia. Estudos socioculturais da Educação Física na Escola de Educação Física e Esporte: o que foi, o que tem sido e o que deverá ser. Rev. Paul Educação Física, São Paulo, v.18, Ago. 2004. KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo, Cortez. 2000. KISHIMOTO, Tizuko Morchida. A LDB e as instituições de educação infantil: Desafios e perspectivas. Rev. Paul. Educação Física, São Paulo, supl.4, 2001. KNIJNIK, Jorge Dorfman. A questão do jogo: uma contribuição na discussão de conteúdos e objetivos na educação física escolar. Revista Brasileira de Ciência e amaovimento, v.9 (1), 2001. LAVOURA, Tiago Nicola. MACHADO, Afonso Antonio. Saberes docentes acerca do jogo no contexto escolar. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v.6, n.1, 2007. MARCELLINO, N.C. Lazer e Educação. 6 edição, Campinas, Papirus 2000. MILANEZI, Jorgeta Zoagheib. Atividade física para a saúde no ensino médio e no tempo livre: estudo quase experimental em Bauru, SP. Campinas, 2001. MOLINARI, Angela Marla da Paz. SENS, Solange Marl. A educação física e sua relação com a psicomotricidade. Rev. PEC, Curitiba, v.3, n.1, jul. 2002, jul.2003. MOYLES, Janete R. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. Porto Alegre. Artmed. 2002. NAHAS, Markus Vinícius. Atividade Física, Saúde e Qualidade de vida: conceitos e sugestôes para um estilo de vida ativo. Rev e atual, Londrina, 4 ed, Midiograf, 2006. NETTO, Francisco Luiz de Marchi. BANKOFF, Antonia Dalla Pria. A promoção da saúde pela via da atividade física e do esporte. Vita et Sanitas , Trindade/ GO, v.1,n.01, 2007. OLIVEIRA, Cristina Borges de. Mídia, cultura corporal e inclusão: conteúdos da educação física escolar. Revista Digital - Buenos Aires, Out. 2004. PEDROSA, Mariane dos Reis. TAVARES, Helenice Maria. Expressão Corporal e Educação: Elos de Conhecimento.Revista da Católica, Uberlândia, v.1, n.2, 2009. PERES, Aline Thamazeli. RIBEIRO, Deiva Mara Delfini Batista. JUNIOR, Joaquim Martins. A dança escolar de 1° a 4° série na visão dos professores de educação física das escolas estaduais de maringá. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v.12, n.1, 2007. PERES, Giani. As implicações da educação física no âmbito escolar. Rev.online bibl.Campinas - SP, v.2, n.2, Fev. 2001. ROCHA, Daniela. RODRIGUES, Graciele Massoli. A dança na escola. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v.6,n.3, 2007. RODRIGUES, Graciele Massoli. A avaliação na Educação Física Escolar: caminhos e contextos. Rev. Mackenzie de Educação Física e Esporte. Ano 2, n.2, 2003. SANTOS, Rubens Siqueira dos. MATOS, Tânia Cristina Santos. A relação entre tendência e prática pedagógica dos professores de educação física de 3° e 4° ciclos do ensino fundamental. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte- 2004. SILVA, Junior Vagner Pereira da. TOLOCKA, Rute Estanislava. MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer Infantil: Direitos legais, transformações sociais e implicações ao crescimento e habilidades motoras básicas. Licere, Belo Horizonte, v.9, n.1, 2006. SILVA, Rodrigo Sinnott. et al. A atividade física e qualidade devido ciência, saúde coletiva. v.15, n.1, 2010. VAGO, Tarcísio Mauro. Ínicio e fim do século XX: Maneiras de fazer educação física na escola. Cadernos cedes, ano XIX Agosto 99. VALDANHA, Netto Americo. Abordagens pedagógicas em educação física: corpo como objetivos e abordagens cultural como conteúdo. SILVEIRA, Juliano. A educação física escolar nas escolas públicas e os seus conteúdos: Uma análise sobre a postura dos educadores acerca de seu campo de trabalho. Disponível em: www.confef.org.br/arquivos/artigos. Revista Digital - Buenos Aires - Ano 11 - n.95 - Abril de 2006. Sisponível em: www.efdeportes.com.

Professor ­ Espanhol

Conhecimentos Específicos ­ Acentuación. Adverbio. Artículo. Colocación pronominal. Complemento Directo e Indirecto. Comprensión e Interpretación de texto. Conjunción. Demostrativo. El español y sus variedades. Expresiones idiomáticas. Falsos amigos. Fonética y Fonología. Nombre. Numerales. Ortografía. Posesivo. Preposición. Verbo: conjugación, tiempos y modos. Vocabulario. Adquisición/Aprendizaje de segundas lenguas y lengua extranjera. Los métodos de Enseñanza y Aprendizaje. Análisis contrastivo. Análisis de errores. Interlengua.

Sugestão Bibliográfica - ARNOLD, Jane. La dimensión afectiva en el aprendizaje de idiomas. Cambridge University Press, 1994. BARBIERI DURÃO, A. B. Análisis de errores e interlengua de brasileños aprendices de español y de españoles aprendices de portugués. Londrina: Uel, 1999. ___. La interlengua. Madrid: Arco Libros, 2007. BARTUREN, María. Estudio del sistema vocálico del español como lengua extranjera. Madrid: Sgel, 2002. CASADO, M. L. Proverbios españoles. Madrid: Sgel, 1999. CORTÉS, M. Guía de usos y costumbres de España. Madrid: Edelsa, 1999. FERNÁNDEZ BECHARA, Suely. MOURE, Walter. El acento. La acentuación gráfica en español. São Paulo: Santilana, 2003. ___ . Diccionario ¡Ojo con los falsos amigos! São Paulo: Santilana, 2003. FERNÁNDEZ, D. Rafael. Prácticas de fonética española para hablantes de portugués. Madrid: Arco Libros. 1999. FERNÁNDEZ, E. Gretel. Expresiones idiomáticas valores y uso. São Paulo: Editora Ática, 2004.FERNÁNDEZ, S. Interlengua y Análisis de Errores en el aprendizaje del Español como Lengua Extranjera. Madrid: Edelsa, 1997. GUERRA, Carmen Gil. Nexos actividades de cultura y civilización españolas. Madrid: Sgel, 1999. HERMOSO, Alfredo. Conjugar es fácil: En español de España y de América. Madrid: Edelsa, 1996. LARSEN-FREEMAN, D. Teorías sobre la adquisición de Segundas Lenguas. Madrid: Gredos. 1994. LITLEWOOD, William. La enseñanza comunicativa de idiomas. Cambridge University Press, 1994. MASIP, Vicente. Gramática Española para Brasileños. Barcelona: Difusión, 1999. MATTE BON, Francisco. Gramática Comunicativa de Español. Madrid: Edelsa, 2.000. MORENO, Concha. TUTS, Martina. Las preposiciones: Valor y Función. Madrid: Sgel, 1998. PICHARDO, F. CERVERO, M.J. Aprender y enseñar vocabulario. Madrid: Edelsa, 2004. QUILIS, Antonio. Principios de fonología y fonética españolas. Madrid: Arco Libros, 1997. RICHARDS, J. RODGERS, T. Enfoques y métodos en la enseñanza de idiomas. Madrid: Cambridge University Press, 1998. RICHARDS, J. C; LOCKHART, Charles. Estrategia de reflexión sobre la enseñanza de idiomas. Cambridge University Press, 1998. SECO, Manuel. Diccionario de Dudas y Dificultades. Madrid: Espasa, 1998. VAQUERO DE RAMÍREZ, M.El español de AméricaI. Pronunciación. Madrid: Arco Libros, 1997. VAQUERO DE RAMÍREZ, M.El español de América II. Morfosintaxis y Léxico . Madrid: Arco Libros, 1997. VÁZQUEZ, Graciela. ¿Errores? ¡Sin falta! Madrid: Edelsa. 1999. UNIVERSIDAD ALCALÁ DE HENARES. Señas. Diccionario para la Enseñanza de la Leng ua Española para Brasileños . São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Professor ­ Geografia Conhecimentos Específicos - A atmosfera e a dinâmica climática. A dimensão simbólica do espaço geográfico. Cultura e representações espaciais. A dinâmica populacional. A formação dos estados nacionais modernos. A formação geográfica das Sociedades Contemporâneas. A Geografia da Natureza. A Geografia no Tempo: o alargamento das fronteiras de apropriação do planeta pelas sociedades humanas ao longo da história. A hidrosfera, a água e sua importância. A industrialização e seus impactos na organização do espaço contemporâneo. A litosfera, composição e dinâmica. A modernização da agricultura e suas consequências. A urbanização e as transformações na relação cidade-campo. África. América Latina. Características gerais das atividades primárias, secundárias e terciárias e suas expressões no espaço geográfico. Conceito de Geografia. Ditadura militar brasileira. Divisões regionais do território brasileiro, histórico e situação atual. Grandes blocos econômicos (MERCOSUL, NAFTA, União Europeia, etc.). Os espaços da Produção, da Circulação e do Consumo no mundo e no Brasil. O Pantanal. Regionalização do Espaço Brasileiro. Rússia e Europa Oriental.

Sugestão Bibliográfica - AB'SABER, Aziz. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê, 2007. DURAND, Marie-Françoise (et. ali), Atlas da Mundialização: compreender o espaço mundial contemporâneo; tradução de Carlos Roberto Sanchez Milani. Saraiva: SP, 2009. ELIAS, Denise. Globalização e Agricultura. São Paulo: Edusp, 2003. HAESBAERT, Rogério; PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A nova des-ordem mundial. São Paulo: Unesp, 2006. HUERTAS, Daniel Monteiro. Da fachada atlântica à imensidão amazônica: fronteira agrícola e integração territorial. Fapesp/Annablume/Banco da Amazônia: São Paulo, 2009. MAGNOLI, Demétrio. Relações Internacionais: teoria e história. SP: Saraiva, 2004. SALGADO-LABOURIAU, Maria Léa. História ecológica da Terra. São Paulo: Edgard Blücher, 1996. SANTOS, Milton. Por uma outra Globalização. Rio de Janeiro: Record, 2004. SOUZA, Marcelo Lopes. O ABC do Desenvolvimento Urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. THÉRY, Hervé; MELLO, Neli Aparecida. Atlas do Brasil. Disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: EDUSP, 2008. SANTOS, Davidson Magalhães. Globalização do Capital e os Estados Nacionais. São Paulo, Anita Garibaldi, 2006. REIS, Nestor Goulart. Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes, 2006. RODRIGUES, Vera Lúcia Graziano da Silva. Urbanização e ruralidade: os condomínios e os conselhos de desenvolvimento municipal. Brasília: MDA, 2009. FURTADO, Celso. A economia latino-americana: formação histórica e problemas contemporâneos. São Paulo, Companhia das Letras, 2007.

DOMINGUES, José Maurício. A América Latina e a modernidade contemporânea: uma interpretação sociológica. Belo Horizonte : Ed. UFMG, 2009. SOARES, Alcides Ribeiro. A Ditadura e seu legado: subsídios à crítica acerca da ditadura militar de 1964-1985. São Paulo: Clíper, 2004. GASPARI, Elio. A ditadura encurralada, São Paulo, Companhia das Letras, 2004. Ab'Saber, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo, Ateliê, 2010. Sueli Matiko Sano, Semíramis Pedrosa de Almeida, José Felipe Ribeiro, Editores técnicos. - Cerrado: ecologia e flora. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. MMA, Secretaria de Biodiversidade e Florestas. - Cerrado e Pantanal :áreas e ações prioritárias para conservação da biodiversidade. Brasília: Ministério doMeio Ambiente, 2007. Ab'Sáber, Aziz Nacib. Brasil: paisagens de exceção: o litoral e o pantanal mato-grossense: patrimônios básicos. Cotia: Ateliê, 2007. Passos, Messias Modesto dos. BR-163, de estrada dos colonos a corredor de exportação. Maringá, Massoni, 2007. TRAGTENBERG, Maurício. A Revolução Russa. São Paulo: Ed. da UNESP, 2007.

Professor - HistóriaConhecimentos Específicos -- Grécia e Roma Antiga. As Civilizações do Antigo Oriente: Hebreus, Fenícios e Persas. As Civilizações Mesopotâmicas: Sumérios, Acádios, Assírios, Amorritas e Caldeus. Escravismo na Antiguidade. O feudalismo. A Expansão Marítimo-comercial. Colonização européia na América. Brasil e o Sistema Colonial. O escravismo no Brasil. O Fim do Antigo Sistema Colonial na América espanhola e portuguesa. As revoluções americanas e francesa. A Revolução Industrial. O Imperialismo e o neocolonialismo. A Primeira Guerra Mundial. A crise de 1929. As Revoluções Socialistas na URSS, África e América Latina. Nazismo e Fascismo. A Segunda Guerra Mundial. O populismo na América Latina. A Guerra Fria. A descolonização da Ásia e da África. A globalização e o neoliberalismo. BRASIL: Períodos Pré-Colonizador, Colonial, Imperial, República Velha, A Era Vargas, República Democrática (1946 a 1964), O Regime Militar (1964 a 1985) e a Redemocratização (A República de 1985 aos dias atuais). Os regimes militares na América Latina. Os Blocos e/ou Acordos Econômicos no Mundo. Atualidades: Econômicas, Sociais, Políticas, Culturais e Religiosas.

Sugestão Bibliográfica - COTRIM, G. História Global- Brasil e Geral. São Paulo, Editora Saraiva, 2005. VICENTINO, C.; DORIGO, G. História - Geral e do Brasil. São Paulo, Editora Scipione 2001. KOSHIBA, L.; PEREIRA, D.M.F. História do Brasilno contexto da história ocidental. Atual Editora.

Professor - InglêsConhecimentos Específicos - Verb Forms (affirmative/interrogative/negative): The present simple; the present continuous; the past simple; the past continuous; the present perfect; the present perfect continuous; the past perfect; the future; the near future; the future continuous. Modals and auxiliary verbs. Phrasal Verbs. Used to/get used to/be used to. If clauses and other conditionals. The Infinitive and the "-ing" form. Reported Speech. Articles: indefinite and definite articles . Nouns: singular and plural; countable and uncountable nouns. Quantifiers: much, many, a lot, little, few etc. Pronouns: subjective and objective pronouns; demonstratives; reflexive and emphatic pronouns: indefinite pronouns; possessive pronouns. Adjectives: the use and position of adjectives; comparatives and superlatives; adjectives ending in "-ed" and "-ing"; possessive adjectives. Adverbs: of manner, of frequency, time and place; adverbs of degree; "too" and "enough". Prepositions and Preposition Phrases. Prepositions/Link words. Relative clauses: with "who, which, that"; "where, whose, what"; defining and non-defining relative clauses; clauses with "-ing" or a past participle; "with" in identifying phases. Word order.Vocabulary, antonyms, synonyms, false cognates, meanings, idioms, collocations, ambiguity. Pronunciation: vowel sounds, consonant sounds, "-ed sounds", plural sounds. READING COMPREHENSION. PCN'S. Second Language Acquisition: some taxonomies, some hypotheses, and some models. Teaching Methodologies/Approaches and Techniques. The Listening-Speaking Skills. The Reading Process: techniques and strategies. Writing Phonetics and Phonology.

Sugestão Bibliográfica - BOLTON, David. GOODEY, Noel. English Grammar in Steps. Richmond Publishing, 1 st ed. FUCHS, Marjorie. WESTHEIMER, Miriam. BONNER, Margaret. Focus on Grammar. Volume B. Longman Series. New York: Addison-Wesley Publislhing Company, Inc , 1994. GREENBAUM, Sidney. English Grammar. New York: Oxford University Press, 1996. HUDDLESTON, Rodney. PULLUM, Geoffrey K. The Cambridge Grammar of the English Language. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. PEREIRA, Carlos Augusto Pereira. Inglês para Concursos Gramaticais em Textos. Rio de Janeiro: Editora Campus/Elsevier, 2009. PRESCHER, Elisabeth. PASQUALIN, Ernesto. AMOS, Eduardo. Inglês Graded English. Editora Moderna. 2ª Ed. ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes. O professor de Língua Estrangeira em Formação. Campinas, SP: Pontes, 1999. _____. Dimensões Comunicativas no ensino de línguas. Campinas, SP: pontes, 1993. BROWN, Douglas H. Teaching by principles - an interactive approach to language pedagogy. New Jersey: Prentice Hall Regents, 1994. BROWN, Douglas H. Principles of Language Learning and Teaching. New Jersey: Prentice Hall Regents, 1994. DOFF, Adrian. Teach English - a training course for teachers. Cambridge: Cambridge University Press, fourth printing, 1990. ELLIS, Rod. Second Language Acquisition. Oxford: Oxford University Press, 1997. FINOCCHIARO, Mary. English as a Second/Foreign Language- from Theory to Practice. New York: Regents Publishing Company, Inc.FUCHS, Marjorie. WESTHEIMER., Miriam. Focus on Grammar. New York: Addison-Wesley Publishing Company, 1994. KRASHEN, S.D. Principles and Practice in Second Language Acquisition. New York: Prentice Hal International, 1987. LARSEN-FREEMAN, Diane. Techniques and Principles in Language Teaching. Oxford: Oxford University Press, 2nd edition, 2010. LANTOLF, J.P. Introducing sociocultural theory and second language learning. Oxford: Oxford University Press, 2000. Leffa Wilson J; Pereira, Aracy E. (orgs) . O ensino da leitura e produção textual: Alternativas de renovação.Pelotas: Educat, 1999. LIGHTBOWN, Patsy M., SPADA, Nina. Oxford: Oxford University Press, eighth impression 1998. MIZUKAMI, Maria da Graça Nicolletti. Ensino: As abordagens do Processo. São Paulo: EPU, 1986. PAIVA.V.L.M.O. Ensino de vocabulário. In: DUTRA, D.P & MELLO, H. A gramática e o vocabulário no ensino de inglês: novas perspectivas. Belo Horizonte: Faculdade de Letras/UFMG, 2004. (Estudos Lingüísticos; 7). PARROT, Martin. Tasks for Language Teachers- a resource book for training and development. Cambridge: Cambridge University Press, 1993 . RICHARDS, Jack C. Beyond Training. ambridge: Cambridge University Press, 1998. RICHARDS, Jack; PLAT, John; WEBER, Heidi. Longman Dictionary of Applied Linguistics. England:Longman,1989. ROACH, Peter. English Phonetics and Phonology - a practical Course. Cambridge: Cambridge University Press, 4th edition, 2009. SOLÉ, Isabel. Estratégias de Leitura. Porto Alegre: Artmed, 6ª Ed., 1998. WATKINS, Michael. PORTER, TIMOTHY. Gramática da Língua Inglesa. São Paulo: Editora Ática, 2002. WRIGHT, Andrew. BETTERIDGE, David, BUCKBY, Michael. Games for Language Learning. Cambridge: Cambridge University Press, third edition, 2006.

Professor - MatemáticaConhecimentos Específicos -Teoria dos conjuntos. Conjuntos numéricos: naturais, inteiros, racionais, reais e complexos: operações e propriedades. Produtos notáveis e fatoração. Relações. Funções de 1º e 2º grau, exponenciais, logarítmicas e trigonométricas. Equação do 1º grau. Equação do 2°grau. Fatoração de polinômios. Equações polinomiais e transcendentais (exponenciais, logarítmicas e trigonométricas). Exponencial e logaritmos. Medidas de comprimento, superfície, volume, capacidade, massa e tempo. Trigonometria. Geometria plana e espacial. Análise combinatória. Probabilidade. Estatística. Sequências e progressões. Matrizes, Determinantes e Sistemas lineares. Grandezas diretamente proporcionais, inversamente proporcionais e regra de três simples e composta. Juros simples e Compostos. Operações com polinômios. Referencial cartesiano e construção de gráficos. História da Matemática.

Sugestão Bibliográfica -DANTE, Luiz Roberto. Matemática -Contexto e Aplicações. Volume único. 2ª ed, São Paulo: Ática.2003. PAIVA, Manoel. Matemática: Volume Único. 1ª ed, São Paulo: Moderna., 2005. IEZZI, Gelson; DOLCE, Osvaldo e outros. Matemática - Vol. Único - 4ªed. São Paulo: Atual. 2002.

Professor - PortuguêsConhecimentos Específicos - Aprendizagem da língua materna: estrutura, uso e funções. Ensino e aprendizagem da gramática normativa. Linguagem: uso, unções, análise. Língua falada e escrita. Variações lingüísticas. Norma padrão. O texto: tipologia textual. Intertextualidade. Coesão e coerência textuais. O texto e a prática de análise lingüística. Leitura e produção de textos. Literatura brasileira. Fonologia. Estrutura e formação das palavras. Morfologia e Morfossintaxe. Sintaxe. Semântica. Acentuação gráfica. Crase. Concordância Nominal e Verbal. Regência Nominal e Verbal. Pontuação. Tipologia textual. Gênero textual. Interpretação e compreensão de texto. Ortografia. Coexistência das regras ortográficas atuais -em vigor desde janeiro de 2009-com as antigas. Funções da Linguagem.

Sugestão Bibliográfica - BAGNO MARCOS, Língua de Eulália, São Paulo, Contexto, 2000. BAGNO MARCOS, Dramática da língua portuguesa. BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000. BATISTA, Antônio Augusto G, Aula de Português, Martins Fontes, SP,2001. BASSO, Renato; ILARI, Rodolfo. O português da gente: a língua que estudamos, a língua que falamos. São Paulo: Contexto, 2006. BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. São Paulo: Nova Fronteira. BEZERRA, Maria Auxiliadora; DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel. Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. Carone, F. de B. Morfossintaxe, 7ª ed. São Paulo: Ática, 1998. DOLZ, J.; SCHENEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. CUNHA, C e CINTRA I. Nova gramática do português. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 2001. FÁVERO, Leonor Lopes, ANDRADE, Maria Lúcia da C. V. de O e AQUINO, Zilda Gaspar O de. Oralidade e escrita: perspectivas para o ensino de Língua Materna. (3 ª ed.) São Paulo: Cortez, 2002. GERALDI, J. Wanderley (Org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2004. ILARI, Rodolfo (1992). A Lingü ística e o ensino da Língua Portuguesa. São Paulo: Martins Fontes(4a.ed.). ILARI, Rodolfo (2001) Introdução à Semântica. Brincando com agramática. São Paulo: Contexto. Kaufman, A.M. e Rodrigues, M.E. Escola. Leitura e produção de textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. KLEIMAN, Ângela B. Oficina de Leitura Teoria & Prática. Campinas: Pontes, 1993. KOCH, Ingedore Grunfeld Vilaça, Desvendando os segredos do texto, São Paulo, Cortez. KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Coesão Textual, São Paulo, Contexto, 1990. Koch, I. L. Travaglia, Luis Carlos. Texto e coerência. São Paulo: Cortez, 1989. Moises, Massaud. Literatura brasileira: das origens aos nossos dias. São Paulo: Cultrix, 1995. MANGUEL, A. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. MARCUSCHI, Luiz Antônio: Da Fala para a Escrita - atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2005. MARCUSCHI, Luiz Antonio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In Dionísio, A.P. et al. Gêneros textuais e ensino. MARINHO, MARILDES, A Língua Portuguesa nos currículos de final do século, in Barreto, Elba de Sá (org.) Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. Campinas, SP, Autores Associados - Fundação Carlos Chagas, 2000, página 43 a 90. MONTEIRO, J. L. Morfologia portuguesa . 3. ed., Campinas, SP: Pontes, 1991. MORAIS, Artur Gomes de Morais, Ortografia: ensinar e aprender, Atica, São Paulo, 2002. PLATÃO, Francisco; FIORIN, José Luiz. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996. POSSENTI, SÍRIO. POR que (não) ensinar gramática na escola, ALB, Mercado de letras, CAMPINAS, 1996. Rocha Lima, Carlos Henrique. Gramática Normativa da Língua Portuguesa, 26ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio. SOARES, Magda Becker. Letramento, AUTÊNTICA, SP, 1998. Soares, M.B. Linguagem e escrita: uma perspectiva social, 15ª ed. São Paulo: Ática, 1997. TRAVAGLIA, Luiz Carlos,. Gramática e interação: uma proposta para o ensino e gramática no. 1º e 2º graus. TRAVAGLIA, Luiz Carlos,. & outros. Metodologia e prática de ensino da língua portuguesa . Porto Alegre, Rs: Mercado Aberto, 1984. BRASIL. Secretaria De Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998. Proposta Curricular para Educação de Jovens e Adultos 2º Segmento do Ensino Fundamental 5ª A 8ª Série MEC 2002/LÍNGUA PORTUGUESA.

PsicólogoConhecimentos Específicos - História e evolução da Psicologia. Processos psíquicos essenciais: consciência, sensação, percepção, atenção, memória, emoção, aprendizagem. Pensamento e linguagem. A personalidade em seus fundamentos básicos, estruturas e teorias. Desenvolvimento: pressupostos teóricos e ciclos vitais. Aprendizagem: cognitivismo, comportamentalismo, psicanálise, humanismo e o processo histórico social. A Psicologia Social e conceitos básicos: Técnicas projetivas e psicométricas na Avaliação Psicológica, a ética da avaliação, os testes de inteligência, aptidões cognitivas e personalidade. A Psicologia e a Saúde: o papel do psicólogo na equipe multidisciplinar; concepções de saúde e doença. Saúde Mental no individuo, na família e no trabalho, as psicopatologias. As diferentes abordagens psicoterápicas, temas, técnicas e aplicações. Código de Ética Profissional

Sugestão Bibliográfica - BANOV, Marcia Regina. Psicologia no gerenciamento de pessoas. São Paulo: Atlas, 2009. BERGAMINI, Cecília Whitaker: Psicopatologia do comportamento organizacional: organizações desorganizadas, mas produtivas. São Paulo: Cencage Learning, 2008. BIAGGIO, Ângela M. Brasil. Psicologia do desenvolvimento. Petrópolis: Vozes, 2008. BOCK, Ana Mercês Bahia et al. Psicologias - Uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva 2001. CAMPOS, Dinah Martins de Souza - Psicologia da aprendizagem- Vozes. SP- 2005. CATANIA, A. C. Aprendizagem: Comportamento, Linguagem e Cognição. São Paulo: Artes Médicas, 1999. COLL, César; PALACIOS, Jesús; MARCHESI, Alvaro. Desenvolvimento psicológico e educação. Porto Alegre: Artmed, 2004. FIORINI, H.J. Teoria e Técnicas Psicoterápicas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995. GUIMARÃES, L. A. M e GRUBITS S. (org). Saúde mental e trabalho. Vol.1. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. LANCETTI, Antonio Saúde Mental e Saúde da Família. Coleção Saúde & Loucura, n. 7. De Editora Hucitec, São Paulo, 2001. LANE, Silvia T. M.; CODO, Wanderley. (orgs). Psicologia Social: o homem em movimento. 9ª ed. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1991. MICHENER, H. Andrew, Psicologia Social. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. PAPALIA, Diane E.; OLDS, Sally Wendkos; FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2000. 684 p. PASQUALI, Luiz (Org.). Instrumentação Psicológica: Fundamentos e Prática. Porto Alegre: Editora Artmed, 2010. RODRIGUES, A. Psicologia social. 4ª ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2000. RODRIGUES, O. M. P. R.; et al. Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem: Investigações e Análises. São Carlos: Rima, 2004. ROMARO, Rita Aparecida. Ética na Psicologia. Petrópolis: Vozes, 2009. Técnicas de Exame Psicológico - Luiz Pasquali organizador. São Paulo: Casa do Psicólogo /Conselho Federal de Psicologia, 2001. WEITEN, WAYNE Introdução à psicologia: temas e variações. São Paulo: Cengge Learning, 2010. Código de Ética do Psicólogo.

BIBLIOGRAFIA
Além das bibliografias sugeridas, a Banca Examinadora poderá utilizar outras bibliografias atualizadas sobre os conteúdos especificados.

ANEXO III - FORMULÁRIO DE RECURSOS

FORMULÁRIO PARA RECURSO - FOLHA DE ROSTO

À Comissão do Concurso Público

USO INTERNO
Protocolo nº
[___________________]

Venho, por meio deste, interpor recurso contra ____________________, aplicada em ___/___/_______, de acordo com a(s) razão (ões) constante (s) na (s) folha (s) seguintes (s).

Número da inscrição: _____________________________________________________________________

Candidato (a): __________________________________________________________________________

CPF: _______________________________________ RG: ______________________________________

Cargo/Emprego: _________________________________________________________________________

Endereço: ______________________________________________________________________________

Telefone: ( ) ____________________________________________________________________________

E-mail: ________________________________________________________________________________

Local e data: ____________________________________________________________________________

Observações:

1) Todos os campos de identificação constantes da folha de rosto deverão ser preenchidos.

2) Especificar o fato motivador do recurso de forma sucinta e clara, em campo próprio, sem nenhum sinal identificador (nome, nº de inscrição, etc.).

3) Admitir-se-á um único recurso por candidato e de forma individualizada, ou seja, um recurso para cada evento que lhe der origem.

4) Cada recurso deverá ser apresentado em um formulário.

5) O recurso deverá estar digitado, não sendo aceito recurso interposto por fac-símile (fax), telegrama ou outro meio não especificado neste Edital.

6) Será indeferido o recurso que não estiver digitado, estiver identificado em outro lugar que não específico ou que seja igual ao recurso de outro candidato.

7) O recurso deverá ser enviado pela internet, através de e-mail, no endereço eletrônico recursos.saoborja@msconcursos.com.br.

8) O candidato que tiver seu recurso indeferido e desejar obter a resposta, poderá enviar a solicitação para recursos.saoborja@msconcursos.com.br. A resposta será encaminhada unicamente para o endereço eletrônico constante na ficha de inscrição do candidato.

FORMULÁRIO PARA RECURSO - RAZÕES DE RECURSO

Fundamentação e/ou embasamento legal, com as devidas razões do recurso:

ANEXO IV - FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO

Venho por meio deste, requerer isenção total da taxa de inscrição do Concurso Público, em conformidade com a Lei Municipal nº 3.561, de 10 de janeiro de 2006.

USO INTERNO
Protocolo nº
[___________________]

Declaro estar enquadrado (a) no que estabelecem as referidas leis, sob a pena de ser excluído (a) do Concurso Público.

Número da inscrição: ____________________________________________________________________

Candidato (a): _________________________________________________________________________

Cargo: _______________________________________________________________________________

CPF: ________________________________ RG: ____________________________________________

Endereço: ____________________________________________________________________________

Telefone: ( )___________________________________________________________________________

E-mail: _______________________________________________________________________________

Local e data: __________________________________________________________________________

Assinatura do candidato: _________________________________________________________________

Observação: Este documento deverá ser preenchido de forma legível, em duas vias, e apresentado no Posto de Atendimento, conforme item 3.14. do Edital de Abertura do Concurso Público, para possível deferimento.

Para uso exclusivo da Comissão do Concurso Público

Documentação entregue:

( ) Solicitação de Isenção de Pagamento da Inscrição, em duas vias, preenchida e assinada, conforme modelo disposto no site www.msconcursos.com.br (Anexo IV);

( ) Carteira do Trabalho (CTPS) ou documento similar: original e cópia da primeira página com os dados de identificação e cópia da página com a data de saída do emprego e da página subsequente em branco.

Indeferido ( ) Deferido ( )

São Borja - RS, ___/____/2011.

Assinatura: _________________________________

135248

Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231