Prefeitura de Anápolis - GO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS

ESTADO DE GOIÁS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 01/2007

Notícia:   Prefeitura de Anápolis - GO oferece 578 chances de emprego

A PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS torna público que realizará, por meio da IADE Concurso Público Ltda, Concurso Público de Provas e Títulos para provimento de vagas de diversos cargos que integram o quadro de servidores municipais da Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia, a serem contratados sob o Regime Jurídico Estatutário. O presente concurso reger-se-á pelas normas contidas neste edital e legislação pertinente em vigor.

1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1.1 O Prefeito Municipal nomeou Comissão para fiscalização e acompanhamento deste Concurso Público.

1.2 Este Concurso Público terá validade de 2 (dois) anos, a contar da data da publicação de sua homologação, podendo ser prorrogado por igual período.

1.3 Os cargos/função, formação acadêmica, carga horária e vencimentos iniciais são os constantes do Anexo I, parte integrante deste Edital.

1.4 As descrições dos cargos com suas respectivas atividades a serem desenvolvidas são as constantes nas Diretrizes da SEMECT.

1.5 A legislação e as alterações em dispositivos legais e normativos, com entrada em vigor após a data de publicação deste Edital, não serão objeto de avaliação nas provas deste Concurso Público.

2 DAS VAGAS

2.1 O número de vagas disponíveis por cargo é o estabelecido a seguir:

CARGO

VAGAS

AMPLA CONCORRÊNCIA

CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA

TEZ NEGRA

TOTAL

Auxiliar de Serviços Gerais

115

9

54

178

Auxiliar de Administração

32

3

15

50

Instrutor de Libras

6

1

3

10

Professor PIII - Geografia

13

01

06

20

Professor PIII - História

13

01

06

20

Professor PIII - Pedagogo

130

10

60

200

Servente de Merendeira

32

3

15

50

Tradutor e Intérprete de Libras - Língua Brasileira de Sinais

32

3

15

50

2.2 Ao número de vagas estabelecido, poderão ser acrescidas aquelas que forem oferecidas dentro do prazo de validade do concurso.

2.3 Se novas vagas forem oferecidas durante o prazo de validade do concurso, 5% (cinco por cento) dessas serão destinadas a candidatos com deficiência e 30% (trinta por cento) a candidatos de tez negra.

2.4 Na falta de candidatos aprovados para as vagas reservadas aos Candidatos com deficiência e de tez negra, essas serão preenchidas pelos demais candidatos aprovados, observando-se a ordem de classificação.

2.5 Serão nomeados, para as vagas existentes e para outras que vierem a surgir, os candidatos aprovados de acordo com a ordem de classificação para o cargo no qual tiverem feito sua inscrição e habilitados conforme as disposições normativas indicadas neste Edital.

3 DOS REQUISITOS PARA INVESTIDURA NO CARGO

3.1 Ter sido aprovado e classificado no concurso, na forma estabelecida neste Edital.

3.2 Ser brasileiro nato ou naturalizado e no caso de nacionalidade portuguesa, estar amparado pelo Estatuto de Igualdade entre brasileiros e portugueses, com reconhecimento do gozo dos direitos políticos, na forma do art. 13 do Decreto Federal nº 70.436, de 18 de abril de 1972.

3.3 Estar em dia com as obrigações eleitorais.

3.4 Estar em dia com as obrigações militares, para os candidatos do sexo masculino.

3.5 Ter 18 anos completos até a data da posse.

3.6 Ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do cargo, a ser aferida em perícia médica, realizada por unidade pericial competente, nos termos da legislação vigente.

3.7 Possuir e comprovar a formação acadêmica para o cargo pretendido à época da posse.

3.8 Apresentar os documentos exigidos para a posse, conforme item 11.3 deste Edital.

4 DOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA

4.1 O candidato que se julgar amparado no artigo 4º do Decreto Federal nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999, alterado pelo Decreto Federal n° 5.296, de 2 de dezembro de 2004, poderá concorrer à vaga oferecida aos candidatos com deficiência indicada no item 2.1 do edital, fazendo a sua opção no Requerimento de Inscrição.

4.2 O candidato com deficiência participará do concurso em igualdade de condições com os demais candidatos, no que se refere ao conteúdo, à avaliação, ao horário, ao local de aplicação das provas e à nota mínima exigida para todos os demais candidatos.

4.3 O candidato que se inscrever para as vagas destinadas a candidatos com deficiência que precisar de condição especial para realização da prova deverá declarar no Requerimento de Inscrição que condições necessita.

4.4 A não solicitação de tratamento diferenciado implicará em sua não concessão e o candidato realizará a prova nas mesmas condições dos demais candidatos, não lhe cabendo nenhum questionamento no dia da prova ou posteriormente.

4.5 Quando convocados, os candidatos com deficiência serão submetidos à perícia médica disponibilizada pela Prefeitura Municipal de Anápolis, que terá decisão terminativa sobre a qualificação do candidato como deficiente físico e sobre o grau de aptidão física para o exercício do cargo.

4.6 O não atendimento ao item 4.1 como também a conclusão da perícia médica pela inexistência da deficiência, implicará na exclusão dos mesmos da listagem do resultado específico para candidatos com deficiência.

5 DOS CANDIDATOS DE TEZ NEGRA

5.1 O candidato que se considerar pertencente à raça/etnia negra prevista no inciso II do art. 3° do Decreto Federal 13.961, de 14 de novembro de 2002, deverá declarar sua condição no requerimento de inscrição e poderá concorrer à vaga oferecida aos candidatos de tez negra, indicada no item 2.1 do edital, fazendo a sua opção no Requerimento de Inscrição.

5.2 Os candidatos que se declararam de cor negra deverão apresentar, no ato da posse, fotocópia da certidão de nascimento acompanhada do original, comprovando tal condição ou declaração de próprio punho quando a certidão não constar esta condição.

6 DAS INSCRIÇÕES

6.1 Das Disposições Gerais

6.1.1 A inscrição do candidato implicará o conhecimento e a aceitação tácita das normas e condições estabelecidas neste Edital, em relação às quais não poderá alegar desconhecimento.

6.1.2 Declaração falsa ou inexata dos dados constantes no requerimento de inscrição determinará o cancelamento da inscrição, e conseqüente anulação de todos os atos dela decorrentes, em qualquer época, sem prejuízo das sanções penais cabíveis.

6.1.3 É de exclusiva responsabilidade do candidato à exatidão dos dados cadastrais informados no ato da inscrição.

6.1.4 Não serão aceitas inscrições efetuadas por fax, por via postal ou por correio eletrônico.

6.1.5 Não haverá, sob qualquer pretexto, inscrição provisória ou condicional.

6.1.6 O candidato somente poderá inscrever-se para um único Cargo, considerando que as provas serão realizadas no mesmo dia e horário.

6.1.7 Depois de concretizada a inscrição, em hipótese alguma haverá troca de cargo.

6.1.8 É vedada a efetivação de mais de uma inscrição em nome do mesmo candidato. Caso se verifique dupla inscrição, será considerada apenas a mais recente.

6.2 Da Inscrição via Internet

6.2.1 O candidato deverá realizar sua inscrição, via internet, utilizando-se do sítio eletrônico www.iadenet.com.br, no período compreendido entre 10 horas do dia 05/11/07 e 16 horas do dia 23/11/07, horário de Brasília.

6.2.2 Após a confirmação da inscrição, que ocorrerá ao término da operação referida no item 6.2.1, o candidato deverá imprimir o boleto bancário para efetuar o pagamento da taxa de inscrição.

6.2.3 É responsabilidade, única e exclusiva do candidato, certificar-se de que todos os dados constantes no boleto bancário estão corretos, antes de efetuar o pagamento da taxa de inscrição.

6.2.4 A inscrição do candidato somente será concretizada após a confirmação do pagamento da taxa de inscrição.

6.2.5 Não serão considerados os pedidos de inscrição não concretizados por motivos de ordem técnica quanto ao funcionamento de computadores, falhas de comunicação, congestionamento de linhas, bem como outros fatores que impossibilitem a transferência dos dados.

6.3 Taxa De Inscrição

6.3.1 Os valores das taxas de inscrição serão: R$ 20,00 (vinte reais) para os cargos de Auxiliar de Serviços Gerais e Servente de Merendeira, R$ 40,00 (quarenta reais) para os cargos de Auxiliar de Administração, Instrutor de Libras, Tradutor e Intérprete de Libras-Língua Brasileira de Sinais e R$ 70,00 (setenta reais) para o cargo de Professor PIII, todos acrescidos de R$ 1,50 (um real e cinqüenta centavos), referente à taxa de expediente bancário.

6.3.2 O pagamento deverá ser efetuado exclusivamente nas Casas Lotéricas da Caixa Econômica Federal no Estado de Goiás, no mesmo período da inscrição.

6.3.3 O valor da taxa de inscrição e a respectiva tarifa de expediente bancário não serão restituídos aos candidatos em hipótese alguma.

6.3.4 Não serão aceitos pagamentos efetuados com cheque.

6.3.5 Não será concedida isenção da taxa de inscrição.

6.3.6 A segunda via do boleto bancário somente poderá ser emitida durante o mesmo período da inscrição, nos termos do item 6.2.1 deste edital.

6.3.7 Não será válida a inscrição cujo pagamento seja realizado em desobediência com o estipulado neste edital.

7 COMPROVANTE DEFINITIVO DE INSCRIÇÃO

7.1 O local de aplicação da prova será comunicado ao candidato por meio do Comprovante Definitivo de Inscrição - CDI, que será disponibilizado na internet, no sítio eletrônico www.iadenet.com.br, para consulta pelo próprio candidato, a partir do dia 10/12/2007.

7.2 Eventuais erros de digitação ocorridos nos dados cadastrais do candidato, deverão ser registrados no campo "Acerto Cadastral" do Comprovante Definitivo de Inscrição e entregue ao Fiscal de Sala, durante a realização da Prova Objetiva.

8 DAS PROVAS

8.1 DA PROVA OBJETIVA DE MÚLTIPLA ESCOLHA

8.1.1 A Prova Objetiva de múltipla escolha será eliminatória e classificatória, terá 4(quatro) opções por questão e obedecerá às características especificadas no Anexo I deste Edital.

8.1.2 A Prova Objetiva terá um valor máximo de 100 (cem) pontos e constará de 40 questões, sendo que cada questão será valorizada em 2,5 pontos.

8.1.3 As disciplinas que comporão a Prova Objetiva e o número de questões por disciplina, são os discriminados no Anexo I deste Edital.

8.1.4 Serão considerados aprovados na Prova Objetiva, os candidatos que obtiverem, no mínimo, 50% (cinqüenta por cento) do total de pontos atribuídos ao conjunto de disciplinas, não podendo zerar nenhuma disciplina.

8.1.5 Os conteúdos programáticos e as Indicações Bibliográficas para a Prova Objetiva são os constantes do Anexo II deste Edital.

8.2 DA PROVA DE REDAÇÃO

8.2.1 A Prova de Redação, de caráter classificatório, será exclusiva para o cargo de Professor PIII e será valorizada de 0 a 100 pontos.

8.2.2 A prova será dissertativa, contendo no mínimo 20 (vinte) e no máximo 25 (vinte e cinco) linhas, em letra legível, a respeito do tema a ser fornecido no ato da prova e deverá ser feita com caneta esferográfica azul ou preta.

8.2.3 Somente serão corrigidas as Redações dos candidatos aprovados na Prova Objetiva para até 05 (cinco) vezes o número de vagas constantes do item 2.1 deste Edital.

8.2.4 Se houver empate no total de candidatos estabelecidos no item anterior, serão utilizados os critérios de desempate previstos no item 9.4 deste edital.

8.2.5 Caso o número de candidatos com Deficiência e de Tez negra habilitados e classificados nas provas objetivas não corresponda ao quantitativo estabelecido no item 8.2.3, a diferença entre este quantitativo e o realmente existente não será revertida aos candidatos de ampla concorrência para efeito de correção da Prova de Redação.

8.2.6 Os candidatos não classificados para efeito de correção da Prova de Redação, na forma do disposto no subitem 8.2.3, serão automaticamente considerados reprovados, para todos os efeitos.

8.2.7 Será adotado processo que impeça a identificação do candidato por parte da banca examinadora, garantindo, assim, o sigilo do julgamento.

8.2.8 Serão eliminados do concurso público, os candidatos que se identificarem fora do campo específico nessa Prova.

8.2.9 A avaliação abrangerá:

a) Adequação Conceitual: Adequação do título ao texto, presença da idéia central; pertinência e relevância das idéias secundárias; encadeamento adequado das idéias e uso dos articuladores; propriedade, variedade do vocabulário e adequação do registro.

b) Adequação Formal: Estética e legibilidade; morfossintaxe: ortografia e pontuação.

8.3 DA REALIZAÇÃO DAS PROVA OBJETIVA E DE REDAÇÃO

8.3.1 A Prova Objetiva e de redação, quando for o caso, será aplicada em locais a serem informados por meio do Comprovante Definitivo de Inscrição - CDI, nos termos do item 7.1 do edital, na.cidade de Anápolis - GO, no dia 16/12/2007, no horário de 14:00 às 17:00 horas, horário de Brasília

8.3.2 O candidato deverá apresentar-se no local de realização das provas 30 (trinta) minutos antes do horário marcado para seu início, trazendo somente caneta azul ou preta, Comprovante Definitivo de Inscrição e documento, original e legível, de identidade de valor legal, preferencialmente o apresentado no ato da inscrição.

8.3.3 O ingresso no local de provas só será permitido dentro do horário estabelecido e ao candidato que apresentar um documento original de identidade, de valor legal, que contenha no mínimo retrato, filiação, data de nascimento e assinatura. Não será aceita cópia do documento de identidade.

8.3.4 No caso de perda do documento de identidade, o candidato deverá fazer uma declaração junto ao Cartório com reconhecimento de firma e no caso de roubo, apresentar certidão que ateste o registro da ocorrência em órgão policial. Em ambos os casos, expedida há, no máximo, 30 (trinta) dias da data da realização da prova e, ainda, ser submetido à identificação especial, compreendendo a coleta de assinatura e impressão digital em formulário próprio.

8.3.5 Não haverá segunda chamada para as provas, ficando o candidato ausente, por qualquer motivo, eliminado do certame.

8.3.6 Será excluído do concurso o candidato que faltar a prova ou que, durante a sua realização, for colhido em flagrante comunicação com outro candidato, ou com pessoas estranhas, oralmente ou por escrito, ou ainda, que portar notas, livros, impressos, calculadoras, bem como qualquer dispositivo eletrônico transmissor ou receptor, inclusive telefone celular.

8.3.7 É vedado o ingresso de candidato portando arma no local de realização de prova.

8.3.8 Será, também, eliminado do concurso o candidato que incorrer nas seguintes situações:

a) deixar o local de realização da prova sem a devida autorização;

b) tratar com falta de urbanidade examinadores, auxiliares, fiscais ou autoridades presentes;

c) proceder de forma a tumultuar a realização da prova;

d) estabelecer comunicação com outros candidatos ou com pessoas estranhas, por qualquer meio;

e) usar de meios ilícitos para obter vantagem para si ou para outros;

f) deixar de atender às orientações expedidas pelo Fiscal de Sala.

8.3.9 Na correção da folha de resposta será atribuída nota zero à questão com mais de uma opção assinalada ou rasurada ou sem opção assinalada.

8.3.10 Em nenhuma hipótese haverá substituição da Folha de Respostas ou da Folha Definitiva da Prova de Redação, quando for o caso, por erro do candidato.

8.3.11 Ao terminar a prova, o candidato entregará obrigatoriamente ao Fiscal de Sala sua Folha de Respostas assinada e a Folha Definitiva da Prova de Redação, quando for o caso.

8.3.12 O candidato somente poderá deixar o local de exame, portando o caderno de provas, 90 (noventa) minutos após o início da prova.

8.3.13 Na hipótese de candidata lactante, será facultada a possibilidade de amamentar o filho durante a realização da prova, desde que leve um acompanhante, o qual será responsável pela criança e permanecerá em sala reservada para essa finalidade.

8.3.14 Em hipótese nenhuma será realizada qualquer prova fora dos locais e horários estabelecidos.

8.4 DA PROVA DE TÍTULOS

8.4.1 A prova de títulos, de caráter classificatório, será exclusiva para o cargo de Professor PIII.

8.4.2 Somente participarão dessa prova os candidatos que tenham sido aprovados na Prova Objetiva e de Redação (itens 8.1.4 e 8.2.3).

8.4.3 Os títulos considerados, suas pontuações e o limite máximo de pontos estão discriminados a seguir:

ORDEM

ESPECIFICAÇÃO DO TÍTULO

PONTOS POR TÍTULO

1

Título de Mestre na área de atuação.

10

2

Certificado de Conclusão de Curso de Especialização - Latu Sensu, mínimo de 360 horas, na área de atuação.

5

TOTAL

15

8.4.4 Será pontuado um único título por categoria.

8.4.5 Os títulos serão analisados e avaliados, conforme pontuação discriminada na tabela do item 8.4.3. e a soma da pontuação obtida não poderá ultrapassar o limite de 15 (quinze) pontos.

8.4.6 Os títulos a serem avaliados deverão ser enviados, em cópias autenticadas, para IADE Concurso Público, somente via SEDEX, à Rua Conceição do Pará, 612 - Bairro Santa Inês - Belo Horizonte - MG - CEP. 31.080-020, com indicação na parte da frente do envelope - PROVA DE TÍTULOS - CONCURSO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS, nos dias 18 e 19/02/2008.

8.4.7 Para que os títulos sejam analisados a data da postagem deverá obedecer ao prazo estabelecido no item 8.4.6. deste Edital.

8.4.8 Para a comprovação de conclusão de curso de pós-graduação em nível de mestrado será aceito apenas o diploma, devidamente registrado, expedido por instituição reconhecida pelo Ministério da Educação - MEC, acompanhado do histórico escolar.

8.4.9 Para a comprovação de conclusão do Curso de Especialização, será aceito diploma ou certificado/certidão de conclusão do curso acompanhado do histórico escolar, expedido por Instituição reconhecida pelo Ministério da Educação - MEC e de acordo com as normas do Conselho Nacional de Educação e conter o carimbo e a identificação da Instituição e do responsável pela expedição do documento e emitido em papel timbrado da Instituição.

8.4.10 Os documentos relacionados a cursos realizados no exterior, somente serão aceitos quando vertidos para língua portuguesa por tradutor juramentado e devidamente revalidados por Universidades oficiais credenciadas pelo Ministério da Educação - MEC.

8.4.11 Não serão aferidos quaisquer títulos não estabelecidos no item 8.4.3 e/ou enviados fora do prazo.

8.4.12 Quaisquer títulos que não preencherem devidamente as exigências de comprovação, contidas neste Edital, não serão considerados.

8.5 DA PROVA DE CONDICIONAMENTO FÍSICO

8.5.1 A Prova de Condicionamento Físico constará de testes específicos e terá caráter eliminatório

8.5.2 Somente participarão desta prova os candidatos aos cargos de Auxiliar de Serviços Gerais e Servente de Merendeira que tenham sido aprovados e classificados na Prova Objetiva para até 03 vezes o número de vagas constantes do item 2.1 deste Edital.

8.5.3 Se houver empate no total de candidatos estabelecidos no item anterior, serão utilizados os critérios de desempate previstos no item 9.4 deste edital.

8.5.4 Caso o número de candidatos com deficiência e de tez negra aprovados e classificados nas Provas Objetivas não corresponda ao quantitativo estabelecido no item 8.5.2, a diferença entre este quantitativo e o realmente existente não será revertida aos candidatos de ampla concorrência.

8.5.5 A prova de Condicionamento Físico será realizada nos dias 09 e 10/02/2008, na Unievangélica à Av. Universitária, Km 3,5, Cidade Universitária, Anápolis-GO e a escala com os nomes dos candidatos e horários de realização dessa prova será divulgada no sítio eletrônico www.iadenet.com.br a partir do dia 30/01/2008.

8.5.6 Não serão aceitos, em hipótese alguma, pedidos de realização dos testes fora dos locais, datas e horários estabelecidos.

8.5.7 Quaisquer casos de alterações orgânicas permanentes ou temporárias, tais como deficiências físicas, estados menstruais, indisposições, cãibras, contusões, gravidez ou outros que impossibilite, diminua ou limite a capacidade física e/ou orgânica do candidato para se submeter aos testes específicos não serão aceitos para fins de tratamento diferenciado por parte da comissão examinadora.

8.5.8 A Prova de Condicionamento Físico, para fins de seleção de candidatos para este Concurso Público, configura-se como um procedimento que recorre a métodos, técnicas e instrumentos de avaliação, capazes de identificar aspectos ligados ao condicionamento físico do candidato e visam estabelecer um prognóstico da qualidade do desempenho das atividades relativas ao cargo.

8.5.9 Para submeter-se à Prova de Condicionamento Físico, o candidato deverá apresentar atestado médico original específico para a finalidade do concurso, em que conste seu nome completo e nº do seu documento de identidade, datado de no máximo 15 (quinze) dias antes da prova, em que conste o número do registro do médico responsável, inscrito no Conselho Regional de Medicina - CRM, que ateste ter o candidato às condições de saúde necessárias para a realização das provas.

8.5.10 A obtenção do atestado médico solicitado no item 8.5.9 será às expensas do candidato e este será retido pela comissão examinadora.

8.5.11 A não apresentação do atestado médico, nos termos definidos no item 8.5.9, impedirá que o candidato participe da Prova de Condicionamento Físico por testes específicos.

8.5.12 Para esta Prova o candidato deverá apresentar-se:

a) trajado adequadamente (traje de prática esportiva condizente com os testes a serem aplicados, por exemplo, tênis, short ou bermuda, camiseta).

b) munido de documento oficial de identificação, original e o atestado médico previsto no item 8.5.9 deste Edital.

8.5.13 Para a realização dos testes de condicionamento físico não será permitido o uso de qualquer substância química capaz de alterar o desempenho natural do candidato, ficando a critério da comissão examinadora a escolha aleatória de candidato(s) para sujeição a exames laboratoriais.

8.5.14 Será eliminado da Prova de Condicionamento Físico e do concurso público, o(s) candidato(s) que se negar a fornecer material solicitado para exame, bem como aquele cujo resultado do exame for positivo para substância química referida no item 8.5.13.

8.5.15 Os testes físicos serão realizados sob orientação, coordenação e supervisão de comissão examinadora instituída para este fim, presidida por profissional de Educação Física, habilitado e regularmente inscrito em órgão de classe.

8.5.16 A Prova de Condicionamento Físico, constará dos seguintes testes e respectivos desempenhos, conforme tabela abaixo:

FORÇA MUSCULAR DOS MEMBROS SUPERIORES (BRAÇOS).

FORÇA MUSCULAR DE ABDÔMEN (repetições em 01 (um) minuto)

RESISTÊNCIA AERÓBICA

Corrida de 12 minutos

MASCULINO

Barra Fixa: Índice de Desempenho mínimo de 3 (três) repetições

MASCULINO

Índice de Desempenho Mínimo de 30 (trinta) repetições

MASCULINO

Índice de Desempenho Mínimo de 1800(mil e oitocentos) metros

FEMININO

Flexão de Braços: Índice de Desempenho mínimo de 10 (dez) repetições

FEMININO

Índice de Desempenho Mínimo de 25 (vinte e cinco) repetições

FEMININO

Índice de Desempenho Mínimo de 1600 (mil e seiscentos) metros

8.5.17 As especificações dos testes que compõem a Prova de Condicionamento Físico e os critérios para sua realização são os constantes do Anexo III deste Edital.

8.5.18 O candidato que não atingir o índice mínimo de desempenho, conforme tabela do item 8.5.16, será considerado inapto nesta Etapa e estará automaticamente eliminado do concurso.

8.5.19 O candidato que, por quaisquer motivos, não concluir os testes da Prova de Condicionamento Físico, estará eliminado do concurso.

8.5.20 A banca examinadora emitirá, por meio de ata, o parecer de apto ou inapto para o candidato.

8.5.21 Não haverá segunda chamada para a Prova de Condicionamento Físico por testes específicos, ficando o candidato ausente, por qualquer motivo, eliminado do concurso.

8.5.22 Os testes previstos para esta etapa do concurso, serão executados pelo candidato na ordem definida pela comissão examinadora.

8.5.23 Durante a realização da Prova de Condicionamento Físico, será permitido ao candidato executar somente uma tentativa para cada um dos testes definidos no item 8.5.16 deste Edital.

8.5.24 Ocorrências ou dúvidas surgidas no decorrer da realização da Prova de Condicionamento Físico serão dirimidas pelo Presidente da Comissão Examinadora.

8.6 DA PROVA PRÁTICA

8.6.1 A Prova Prática, de caráter eliminatório e classificatório, será exclusiva para os cargos de Instrutor de Libras e Tradutor e Intérprete de Libras - Língua Brasileira de Sinais e será valorizada de 0 a 100 pontos.

8.6.2 Somente participarão dessa prova os candidatos aprovados na Prova Objetiva para até 05 (cinco) vezes o número de vagas constantes do item 2.1 deste Edital.

8.6.3 Se houver empate no total de candidatos estabelecidos no item anterior, serão utilizados os critérios de desempate previstos no item 9.4 deste edital.

8.6.4 Caso o número de candidatos com deficiência e de tez negra habilitados e classificados nas provas objetivas não corresponda ao quantitativo estabelecido no item 8.6.2, a diferença entre este quantitativo e o realmente existente não será revertida aos candidatos de ampla concorrência para efeito de correção da Prova Prática.

8.6.5 A prova prática será realizada nos dias 09 e 10/02/2008, na Unievangélica à Av. Universitária, Km 3,5, Cidade Universitária, Anápolis-GO e a escala com os nomes dos candidatos e horários de realização dessa prova será divulgada no sítio eletrônico www.iadenet.com.br a partir do dia 30/01/2008.

8.6.6 Os candidatos não classificados para efeito de participação nesta prova, na forma do disposto no subitem 8.6.2, serão automaticamente considerados reprovados, para todos os efeitos.

8.6.7 A avaliação constará de:

8.6.7.1 Para o cargo de Instrutor Libras

O candidato deverá ministrar uma aula no período de 15 a 20min sobre um determinado tema e esta aula será filmada com o fim de avaliação. Nesta aula serão avaliados:

- Adequação ao tema proposto;

- Uso adequado do tempo de aula;

- Criatividade;

- Conhecimento e utilização da estrutura gramatical da língua, tais como: parâmetros fonológicos, uso de classificadores, expressões não-manuais, verbos com e sem concordância (ver bibliografia constante no Anexo II deste Edital, principalmente Quadros e Karnopp, 2004).

8.6.7.2 Para o cargo de Tradutor e Intérprete de Libras - Língua Brasileira de Sinais

O candidato deverá traduzir um texto do português para Libras e outro da Libras para o português, sobre um determinado tema.

O tempo destinado para a execução da tradução "português-Libras", será de 20 minutos.

Para executar a tradução "Libras-português", será apresentado ao candidato um texto em um vídeo por duas vezes, sendo que a primeira vez será para ele se familiarizar com o texto e na segunda vez, ele deverá fazer uma tradução simultânea.

O candidato será filmado nas duas modalidades de tradução (Libras-português e Português-Libras), com o objetivo de avaliação.

Nesta prova serão avaliados:

- Correção - a tradução em ambas modalidades corresponde corretamente ao texto original;

- Adequação - o estilo utilizado na tradução corresponde ao estilo do texto original;

- Conhecimento e utilização da estrutura gramatical da língua, tais como: uso correto dos parâmetros fonológicos, uso de classificadores, uso de expressões não-manuais e de verbos com e sem concordância (ver bibliografia constante no Anexo II deste Edital, principalmente Quadros e Karnopp, 2004);

- Uso de vestimenta adequada ao exercício da função.

9 DO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO

9.1 Somente será considerado aprovado e classificado neste concurso, o candidato que atender às seguintes condições:

a) Candidatos ao cargo de Auxiliar de Administração e Professor PIII: Ter sido aprovado na Prova Objetiva.

b) Candidatos ao Cargo de Auxiliar de Serviços Gerais e Servente de Merendeira: Ter sido aprovado nas Provas Objetiva e de Condicionamento Físico.

c) Candidatos ao Cargo de Instrutor de Libras e Tradutor Intérprete de Libras - Língua Brasileira de Sinais: Ter sido aprovado nas Provas Objetiva e Prática.

9.2 O Resultado Final deste concurso será aferido:

a) Para os cargos de Auxiliar de Administração, Auxiliar de Serviços Gerais e Servente de Merendeira: Pelo somatório dos pontos obtidos na Prova Objetiva.

b) Para os cargos de Instrutor de Libras e Tradutor Intérprete de Libras - Língua Brasileira de Sinais: Pelo somatório dos pontos obtidos nas Provas Objetiva e Prática.

c) Para o cargo de Professor PIII: Pelo somatório dos pontos obtidos nas provas Objetiva, de Redação e de Títulos.

9.3 A divulgação do Resultado Final será feita em três listas:

a) A primeira com a classificação de todos os candidatos.

b) A segunda com a classificação somente dos candidatos que se declararam candidatos com deficiência.

c) A terceira com a classificação somente dos candidatos que se declararam de tez negra.

9.4 Apurado o total de pontos, na hipótese de empate, terá preferência para efeito de classificação, após a observância do disposto no Parágrafo único do art. 27 da Lei Federal nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 - Estatuto do Idoso, sucessivamente o candidato que:

a) obtiver maior número de pontos na prova Específica;

b) obtiver maior número de pontos na prova de Português;

c) tiver maior idade.

10 DOS RECURSOS

10.1 Caberá interposição de recurso, em instância única, fundamentado perante a Banca Examinadora de cada Cargo, no prazo de 2 (dois) dias úteis, contados do primeiro dia subseqüente à data de divulgação do objeto do recurso, nas seguintes hipóteses:

a) contra o gabarito ou questão da Prova Objetiva;

b) contra o Resultado da Prova Objetiva;

c) contra o Resultado da Prova de Redação;

d) contra o Resultado da Prova de Títulos;

e) contra o Resultado da Prova Prática.

f) contra o Resultado da Prova de Condicionamento Físico.

10.2 Admitir-se-á um único recurso para cada candidato, não sendo aceitos recursos coletivos.

10.3 Na hipótese de anulação de questão, por força de provimento de algum recurso, os pontos relativos a essa questão serão atribuídos a todos os candidatos, independentemente da formulação de recurso.

10.4 Se, por força de decisão favorável a impugnações, houver modificação do gabarito divulgado antes dos recursos, as provas serão corrigidas de acordo com o gabarito definitivo, não se admitindo recurso dessa modificação decorrente das impugnações.

10.5 O recurso deverá ser enviado a IADE com a observância do seguinte :

a) digitado, em duas vias;

b) dentro do prazo estipulado no item 10.1;

c) com indicação da questão ou gabarito, ou da nota atribuída que se quer contestar;

d) com argumentação lógica, consistente e baseada exclusivamente na bibliografia indicada no Edital, para recurso contra questão de prova ou gabarito;

e) com capa em que conste o nome, o número de inscrição, o cargo para o qual concorre, o endereço completo, inclusive e-mail e a assinatura do candidato;

f) conforme modelo constante do Anexo IV deste Edital.

10.6 O candidato deverá enviar o recurso, individualmente, para IADE Concurso Público, somente via SEDEX, à Rua Conceição do Pará, 612 - Bairro Santa Inês - Belo Horizonte - MG - CEP. 31.080-020, com indicação na parte da frente do envelope - RECURSO - CONCURSO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS. Para a validade do recurso, a data da postagem deverá obedecer ao prazo estabelecido no item 10.1. deste Edital.

10.7 Não serão considerados os recursos interpostos quando:

a) em desacordo com este Edital;

b) fora do prazo estabelecido.

10.8 O prazo para interposição de recurso é preclusivo e comum a todos os candidatos.

10.9 A Banca Examinadora constitui última instância para recurso, sendo soberana em suas decisões, razão pela qual não caberão recursos adicionais.

10.10 A decisão do recurso será dada a conhecer, coletivamente, quanto aos pedidos que forem deferidos, deferidos parcialmente e indeferidos.

10.11 A IADE encaminhará conclusão fundamentada sobre o recurso, emitida pela Banca Examinadora, para o endereço eletrônico do candidato.

10.12 A IADE não se responsabiliza por endereço eletrônico não informado ou informado com dados errôneos pelo candidato.

11 DA CONVOCAÇÃO

11.1 A convocação será publicada em Jornal de grande circulação, Diário Oficial do Estado e Placar Geral da Prefeitura Municipal de Anápolis, localizado no Centro Administrativo.

11.2 O candidato aprovado será responsável pelo acompanhamento da publicação referida no item 11.1, sob risco de perder prazo para tomar posse.

11.3 O candidato convocado para posse deverá apresentar os seguintes documentos:

a) Fotocópia autenticada da Cédula de Identidade;

b) Fotocópia autenticada do título de eleitor, bem como os comprovantes de que está em dias com as obrigações eleitorais;

c) Fotocópia autenticada e original do Certificado de Reservista ou Dispensa de Incorporação ou Certidão expedida pelo Órgão Militar competente (para o sexo masculino);

d) Original da Certidão Negativa dos Distribuidores Criminais nos lugares de residência do candidato (a) nos últimos 05 (cinco) anos - válida por 180 (cento e oitenta) dias;

e) Original do Atestado de Saúde Ocupacional sobre sua aptidão para o desempenho do cargo, assinado pela junta médica da Prefeitura Municipal de Anápolis;

f) Certificado de conclusão do curso na respectiva área exigida, conforme previsto no Anexo I deste Edital;

g) Fotocópia autenticada de Declaração dos bens e Valores que constituem seu patrimônio, referente ao ano anterior de sua posse;

h) Declaração de compatibilidade de horários de Cargos Públicos acumuláveis na forma do disposto no art. 37, XVI, a, b, e c da Constituição Federal - válida por 60 (sessenta) dias;

i) Declaração assinada pelo concursado de que não foi demitido por justa causa em órgão publico;

j) Fotocópia autenticada do Cadastro de Pessoas Físicas - CPF;

k) Uma foto 3 x 4;

l) Comprovante de endereço atual;

m) Fotocópia autenticada da Certidão de Nascimento dos filhos menores de 14 (quatorze anos), cartão de vacinação até 6 anos de idade e acima de 6 anos comprovação de matrícula e freqüência regular;

n) Fotocópia autenticada da Certidão de Nascimento ou Casamento;

o) Inscrição do PIS PASEP;

p) Nº da Agência e Conta Bancária do Banco do Brasil.

11.4 A convocação dos candidatos aprovados será a medida da necessidade da Secretaria Municipal de Educação Ciência e Tecnologia, sendo que será criado um cadastro de reserva com aqueles que estiverem aguardando convocação.

11.5 Todos os candidatos aprovados no concurso da Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia deverão prestar serviços nesta Secretaria, não podendo ser disponibilizado para outros órgãos do município.

12 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

12.1 A aprovação no concurso não cria o direito à nomeação, mas esta quando se fizer, respeitará sempre a ordem de classificação dos candidatos aprovados.

12.2 Só poderão ser empossados os candidatos aprovados, após a avaliação médica efetuada pela Perícia Médica da Prefeitura Municipal de Anápolis, que forem considerados com aptidão física e mental para o exercício do cargo.

12.3 Os candidatos ao cargo de Professor PIII, quando convocados, serão empossados nos cargos com carga horária de trabalho de acordo com as necessidades da prefeitura.

12.4. Independentemente de aprovação neste concurso público, não será admitido candidato ex-servidor que tenha sido demitido por processo administrativo na Prefeitura Municipal de Anápolis ou em qualquer outro Órgão da Administração Municipal, Estadual ou Federal.

12.5 Estará impedido de tomar posse o candidato que deixar de comprovar o requisito para investidura no cargo, estabelecido no item 3 deste edital.

12.6 Será anulado o ato de nomeação do candidato que deixar de apresentar qualquer um dos documentos especificados no item 11.3, exceto o mencionado na alínea "o", exigidos para a posse, sem prejuízos das sanções penais cabíveis.

12.7. A nomeação dos candidatos com deficiências e de tez negra aprovados e classificados no concurso observará, em cada cargo, a proporcionalidade e a alternância com os candidatos de ampla concorrência.

12.8 Outras informações referentes ao concurso serão fornecidas pela IADE Concurso Público Ltda através do telefone 0XX(31)3481-2222 ou iade@iadenet.com.br

12.9 Todas as publicações referentes ao concurso serão feitas no Diário Oficial do Estado, Placar Geral da Prefeitura Municipal de Anápolis e no sítio eletrônico www.iadenet.com.br

12.10 A Prefeitura Municipal de Anápolis e a IADE não se responsabilizam por quaisquer textos, apostilas, cursos e outros, referentes a este concurso.

12.11. A inscrição implicará conhecimento, pelo candidato, das presentes instruções, bem como de todas as normas deste Edital.

12.12 Os casos omissos ou duvidosos serão resolvidos pela Comissão de Concurso da Prefeitura Municipal de Anápolis.

12.13 Incorporar-se-ão a este Edital, para todos os efeitos, quaisquer editais complementares, retificações, avisos e convocações, relativos a este concurso, que vierem a ser publicado pela Prefeitura Municipal de Anápolis.

12.14 Caberá ao Prefeito do Município de Anápolis a homologação do Resultado Final do Concurso.

Anápolis, 26 de outubro de 2007.

PEDRO FERNANDO SAHIUM
Prefeito Municipal

CARGO

FORMAÇÃO ACADÊMICA

CARGA HORÁRIA

SALÁRIO INICIAL

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO

DISCIPLINAS

N° DE QUESTÕES

PROFESSOR PIII - Professor Pedagogo

Licenciatura Plena completa em Pedagogia ou Normal Superior com Habilitação para lecionar do 1º ao 5º ano e na Educação Infantil

30 ou 40 horas semanais

20h: R$ 430,82;

30h: 644,17

40h: 861,63

Mais vantagens atinentes ao cargo e ao local de trabalho (gratificação de alfabetizador, adicional noturno e gratificação de zona rural).

Exercer atividades docentes na Educação Infantil e no Ensino Fundamental

Português

10

Hist. de Anápolis

05

Teoria e Prática da Educação

10

Específica

15

Redação

-

PROFESSOR PIII - Professor de História

Licenciatura Plena completa em História

20/30 ou 40 horas semanais

Exercer atividades docentes no Ensino Fundamental nos anos finais.

Português

10

Hist. de Anápolis

05

Teoria e Prática da Educação

10

PROFESSOR PIII - Professor de Geografia

Licenciatura Plena completa em Geografia

20/30 ou 40 horas semanais

Específica

15

Redação

-

AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS

Ensino Fundamental completo ou incompleto

30 horas semanais

R$ 380,00

Zelar pela limpeza, higiene, conservação, manutenção do prédio escolar e de suas instalações, equipamentos e materiais.

Português

15

Matemática

10

Conhec. Gerais

10

Hist. de Anápolis

05

SERVENTE DE MERENDEIRA

Ensino Fundamental completo ou incompleto

30 horas semanais

R$ 380,00

Preparar a merenda escolar de acordo com o cardápio distribuí-la no horário estabelecido pela escola: cuidar da limpeza geral da cozinha e manter a limpeza e conservação dos vasilhames da merenda e dos respectivos equipamentos para o seu preparo.

Português

15

Matemática

10

Conhec. Gerais

10

Hist. de Anápolis

05

AUXILIAR DE ADMINISTRAÇÃO

Ensino Médio completo

30 horas semanais

R$ 380,00

Realizar as atividades da Secretaria, responsabilizando-se pela execução em tempo hábil, realizar a escrituração escolar e organizar o arquivo da Unidade Escolar, atender ao público geral, prestando informações e orientando e transmitindo avisos e recados, realizar serviços gerais de digitação,inclusive os de natureza didático-pedagógica, preencher fichas e formulários que integram o prontuário dos alunos e professores da Unidade Escolar.

Português

10

Matemática

10

Informática

15

Hist. de Anápolis

05

INSTRUTOR DE LIBRAS

Ensino Médio completo.

*Ter certificado obtido por meio de exame de proficiência em Libras, promovido pelo Ministério da Educação.

40 horas semanais

R$ 800,00

Exercer atividades para o ensino de Libras nos anos iniciais e finais do Ensino Fundamental, Educação Infantil e Cursos de Formação.

Português

10

Matemática

10

Hist. de Anápolis

05

Específica

15

TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LIBRAS - LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

Ensino Médio completo.

*Ter certificado de Libras de Instituição de Ensino Superior ou de Instituição credenciada pela Secretaria de Educação com carga horária mínima de 160 horas.

40 horas semanais

R$ 800,00

Exercer atividades de interpretação de Libras - Língua Portuguesa nos anos iniciais e finais do Ensino Fundamental e Educação Infantil.

Português

10

Matemática

10

Hist. de Anápolis

05

Específica

15

ANEXO II

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E INDICAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS

NÍVEL DE ESCOLARIDADE: ENSINO FUNDAMENTAL COMPLETO OU INCOMPLETO

LÍNGUA PORTUGUESA

Cargos: Auxiliar de Serviços Gerais e Servente de Merendeira

Interpretação de Texto. Ortografia; pontuação; o nome e seu emprego; o pronome e seu emprego; emprego de tempos e modos verbais; regência nominal e verbal (formas simples); concordância nominal e verbal (formas simples); estrutura do período e da oração: aspectos sintáticos e semânticos; elementos da organização textual a serviço da coesão e da coerência; variação lingüística: as diversas modalidades do uso da língua.

MATEMÁTICA

Cargos: Auxiliar de Serviços Gerais e Servente de Merendeira

Números Naturais: ordenação; operações de adição, subtração, multiplicação e divisão; expressão numérica; fatoração em produtos de números primos; múltiplos e divisores; máximo divisor comum e mínimo múltiplo comum; problemas. Números decimais e fracionários: ordenação; operações de adição, subtração, multiplicação e divisão; expressão numérica; problemas. Regra de três simples; Porcentagem e juros simples; Sistema legal de unidades de medidas: sistema métrico decimal: unidades de comprimento, área, volume e massa; unidades usuais de tempo. Sistema monetário brasileiro; Geometria: quadriláteros: perímetro e área; paralelepípedo reto-retângulo: áreas e volume.

CONHECIMENTOS GERAIS

Cargos: Auxiliar de Serviços Gerais e Servente de Merendeira

A prova de Conhecimentos Gerais, para os cargos de nível fundamental (incompleto), versará sobre os seguintes assuntos: Geopolítica: divisão política da região centro-oeste; o Distrito Federal; o governo do ex-presidente Juscelino e a construção de Brasília; os poderes executivo e legislativo municipais. Sociedade e Cultura: Manifestações Populares típicas da região centro-oeste (festas, músicas, e danças populares); herança cultural dos índios na culinária da região centro-oeste; pratos mais populares do estado de Goiás. Proteção ao meio ambiente: IBAMA, Leis de Crimes Ambientais, reservas ambientais. Saúde e nutrição: água, carboidratos, fibras alimentares, gorduras, minerais, proteínas e vitaminas. EJA (Educação de Jovens e Adultos). Atualidade: Fatos recentes amplamente divulgados pela mídia como os Jogos Panamericanos (local de realização e medalhas de ouro alcançadas pelo Brasil), as Sete Novas Maravilhas do Mundo, a Copa do Mundo de 2006 (local de realização e país campeão)

Referências bibliográficas:

Almanaque Abril: 2007 - p.78; 164-165; 212-213; 22; 238; 249; 258; 264-265; 334-335; 418-419; 653-654.

HISTÓRIA DE ANÁPOLIS

Cargos: Auxiliar de Serviços Gerais e Servente de Merendeira

Dados históricos:

- Localização, limites, população e clima da cidade de Anápolis. - Origem. - Fundação da cidade. - A primeira Igreja da cidade. - Instalação da luz elétrica, telégrafo e ferrovia.

Atualidade:

- Economia: agroindústria, indústria farmacêutica e multinacionais. - Sociedade: indicadores sociais e produções artísticas. - Turismo: A base aérea e o SIVAM, pontos turísticos da cidade de Anápolis.

Referências Bibliográficas:

- Sites da história de Anápolis: <www.anapolis.go.gov.br>, <www.wikipedia.org>, <www.cidadebrasileira.brasilescola.com>, <www.ahistoriadeanapolis.com.br>

NÍVEL DE ESCOLARIDADE: ENSINO MÉDIO

LÍNGUA PORTUGUESA

Cargos: Auxiliar de Administração, Instrutor de Libras e Tradutor e Intérprete de Libras - Língua Brasileira de Sinais

1. Interpretação de texto. 2. Elementos da organização textual. 3. Elos sintáticos. 4. Denotação e conotação. 5. A metáfora e a metonímia. 6. Funções da linguagem. 7. Variação lingüística: as diversas modalidades do uso da língua. 8. O nome e seu emprego. 9. O pronome e seu emprego. 10. Emprego de tempos e modos verbais. 11. Regência nominal e verbal. 12. Concordância nominal e verbal. 13. Estrutura do período e da oração: aspectos sintáticos e semânticos. 14. Ortografia. 15. Pontuação.

Referências Bibliográficas:

CUNHA, Celso, CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

ROCHA LIMA. Gramática normativa da língua portuguesa. 31 ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1992.

SACCONI, Luiz Antônio. Nossa gramática contemporânea. São Paulo: Escala Educacional, 2004.

SAVIOLI, S.; FIORIN J. J. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996.

MATEMÁTICA

Cargos: Auxiliar de Administração, Instrutor de Libras e Tradutor e Intérprete de Libras - Língua Brasileira de Sinais

Conjuntos: conceitos; operações; problemas. Conjuntos numéricos fundamentais: naturais; relativos; racionais; irracionais; reais; propriedades; ordenação; operações; problemas; sistemas de numeração; divisibilidade; fatoração; múltiplos e divisores; máximo divisor comum e mínimo múltiplo comum; números fracionários; números decimais; potências e raízes; expressão aritmética. Conceito de medida e sistemas de medidas: unidades de medidas: comprimento: superfície; volume; capacidade e massa; unidades usuais de tempo; medidas não decimais; problemas. Matemática comercial: razões e proporções; regra de três simples e composta; grandezas direta e inversamente proporcionais; porcentagem e juros simples (capital-juros-taxa-tempo); divisão em partes proporcionais; problemas. Cálculo algébrico: operações com expressões algébricas; identidades algébricas notáveis; fatorização; cálculo de potência e radicais; expoentes negativos e fracionários; polinômios: operações com polinômios; resolução de equações do 1º grau; estudo do trinômio do 2º grau; relação entre os coeficientes e as
raízes; desigualdades do 1º grau; resolução de sistemas simples de equações e inequações do 1º grau; problemas. Geometria: elementos primitivos; semi-retas; semiplanos; segmentos e ângulos; retas perpendiculares e retas paralelas; triângulos; quadriláteros; circunferência e disco; perímetro; relações métricas no triângulo retângulo; aplicações do teorema de pitágoras; áreas de triângulos; paralelogramos; trapézios e círculos; comprimento da circunferência; sólidos geométricos: conceito; elementos; classificação; áreas e volumes. Análise Combinatória: princípio fundamental da contagem, permutações, combinações e arranjos.

Referências Bibliográficas:

GIOVANNI, José Ruy. BONJORNO, José Roberto. Matemática. Ed. FTD. IEZZI, Gerson... [et al] - MACHADO, Antônio dos Santos. Matemática na Escola do 2º grau. Atual editora.

Matemática, volume único, Ed. Atual. 1999. São Paulo.

SOUZA, Maria Helena Soares de. Spinelli, Walter. Matemática. Ed. Scipione.

HISTÓRIA DE ANÁPOLIS

Cargos: Auxiliar de Administração, Instrutor de Libras e Tradutor e Intérprete de Libras - Língua Brasileira de Sinais

- Origem e emancipação da cidade. - Importância histórica. - Municípios desmembrados. - Economia do município. - Políticas públicas aplicadas ao município. - Dados geográficos: relevo, clima, hidrografia, distritos. - Indicadores sociais. - Turismo e lazer. - Aspectos culturais: educação, saúde, criações culturais e produções artísticas.

Referências Bibliográficas:

Sites da história de Anápolis: <www.anapolis.go.gov.br>, <www.wikipedia.org>, <www.cidadebrasileira.brasilescola.com>, <www.ahistoriadeanapolis.com.br>.

(Indicações bibliográficas a título de orientação de estudo, além de informação por meio de jornais, revistas, noticiários e meios de comunicação em geral.)

INFORMÁTICA

Cargo: Auxiliar de Administração

Internet: entendendo a Internet; Correio Eletrônico; World Wide Web; File Transfer Protocol; Listas de discussão. Word: cabeçalhos e rodapés; Estilos; Modelos; Autocorreção e Autotexto; Menus e barras de ferramentas; Tabelas; Imagens no documento; Dicionário e corretor ortográfico; Sumário. Excel: conceitos básicos; Digitação e formatação de dados na planilha; Criação de formulas e expressões matemáticas; Impressão de planilhas; Funções: soma, média, mínimo, máximo, soma se, se, procv; Formatação condicional; Classificação de dados; Gráficos; Hiperlinks. Windows: conhecendo a área de trabalho; Barra de título; Barra de Menu/Criando uma pasta; Outros elementos da janela; Usando o menu Start; Windows Explorer; Usando os programas do Win2000. Introdução à Informática: O teclado, o monitor de vídeo, o mouse, impressoras, outros dispositivos de entrada

Referências Bibliográficas:

DAMSKI, José Carlos e VALENTE, André. INTERNET - Guia do usuário brasileiro. Makron Books, São Paulo: 1996.

DAVIS, Peter. Aprenda em 21 dias Microsoft Windows 2000 Server. Campus, Rio de Janeiro: 2000.

Microsoft Excel 2000. Curso básico e rápido. Axcel Books do Brasil, Rio de Janeiro: 1999.

NORTON, Peter. Introdução à Informática. Makron Books, São Paulo: 1997.

WORD2000. Passo a Passo Lite - Makron Books, São Paulo: 1999.

ESPECÍFICAS

CARGO: INSTRUTOR DE LIBRAS

Histórico das línguas de sinais. Cultura e identidades surdas. Universais lingüísticos e as línguas de sinais. Linguagem e cognição. Estrutura gramatical da Libras (fonologia, sintaxe, morfologia - incluindo uso de classificadores, semântica-pragmática). Didática

Referências Bibliográficas:

BERNARDINO, Elidéa Lúcia. Absurdo ou Lógica? Os surdos e sua produção Lingüística. Belo Horizonte, Profetizando Vida, 2000.

FELIPE, Tânia e MONTEIRO, Myrna. LIBRAS em Contexto. Curso Básico. Programa Nacional de Apoio a Educação Surda; Secretaria Educação Especial. Brasília, DF. 2001.

FERREIRA-BRITO, Lucinda. Integração Social e Educação de Surdos. RJ, Babel, 1993.

____________. Por uma gramática de línguas de sinais. RJ, Tempo Brasileiro, 1995.

Hoffmeister, Robert J. Famílias, crianças surdas, o mundo dos surdos e os profissionais da audiologia. In: SKLIAR, Carlos (org.) Atualidade da Educação Bilingüe para Surdos: Interfaces entre a Pedagogia e a Lingüística. Porto Alegre, RS: Editora Mediação. 1999, pp. 113-130.

QUADROS, Ronice Muller de. A estrutura da frase da língua brasileira de sinais. In. Anais do II Congresso Nacional da ABRALIN, 1999, Florianópolis: UFSC, 2000.

____________. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre, RS: Artes médicas. 1997

QUADROS, Ronice & KARNOPP, Lodenir B. Língua de sinais brasileira: Estudos lingüísticos. Porto Alegre: Artmed Editora, 2004.

REVISTA ESPAÇO: Informativo Técnico Científico do INES. Edição comemorativa 140 anos. Rio de Janeiro: Solange Rocha, 1997. Editora Littera, 32 p. (Disponível no site www.ines.org.br).

SACKS, Oliver. Vendo Vozes: Uma Jornada pelo mundo dos surdos. RJ. Imago, 1990.

Salles, H., Faulstich, E., Carvalho, O., & Ramos, A. Ensino de língua portuguesa para surdos - caminhos para a prática pedagógica. (vols 1 & 2) Brasilia, DF: MEC. 2002.

Skliar, Carlos (Org.) Educação & Exclusão. Porto Alegre, RS: Editora Mediação. 1997, 153 p.

____________. Um Olhar sobre o nosso olhar a acerca da surdez e das diferenças. In: SKLIAR, Carlos (org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre. Mediação, 1998.

CARGO: TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LIBRAS - LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

Histórico das línguas de sinais. Cultura e identidades surdas. Universais lingüísticos e as línguas de sinais. Linguagem e cognição. Estrutura gramatical da Libras (fonologia, sintaxe, morfologia - incluindo uso de classificadores, semântica-pragmática). Tradução e interpretação em Língua de Sinais Brasileira e língua portuguesa.

Referências Bibliográficas:

ARRIENS, Marco Antonio. Tradução Libras-português: uma questão relacional. In: Anais do Congresso Surdez: Família, linguagem, educação. Rio de Janeiro, RJ: INES, 27 a 29 de setembro de 2006. pp. 48-83.

BERNARDINO, Elidéa Lúcia. Absurdo ou Lógica? Os surdos e sua produção Lingüística. Belo Horizonte, Profetizando Vida, 2000.

___________. O papel do intérprete na Educação de Surdos. In: Anais do I Seminário sobre Linguagem, Leitura e Escrita de surdos. BH.FAE/UFMG. CEALE. 1998.

FELIPE, Tânia e MONTEIRO, Myrna. LIBRAS em Contexto. Curso Básico. Programa Nacional de Apoio a Educação Surda; Secretaria Educação Especial. Brasília, DF. 2001.

FERREIRA-BRITO, Lucinda. Integração Social e Educação de Surdos. RJ, Babel, 1993.

____________. Por uma gramática de línguas de sinais. RJ, Tempo Brasileiro, 1995.

Hoffmeister, Robert J. Famílias, crianças surdas, o mundo dos surdos e os profissionais da audiologia. In: SKLIAR, Carlos (org.) Atualidade da Educação Bilingüe para Surdos: Interfaces entre a Pedagogia e a Lingüística. Porto Alegre, RS: Editora Mediação. 1999, pp. 113-130.

QUADROS, Ronice Muller de. A estrutura da frase da língua brasileira de sinais. In. Anais do II Congresso Nacional da ABRALIN, 1999, Florianópolis: UFSC, 2000.

____________. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre, RS: Artes médicas. 1997.

____________. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Programa Nacional de apoio à Educação de Surdos. Brasília, DF: MEC. 2002.

QUADROS, Ronice & KARNOPP, Lodenir B. Língua de sinais brasileira: Estudos lingüísticos. Porto Alegre: Artmed Editora, 2004.

REVISTA ESPAÇO: Informativo Técnico Científico do INES. Edição comemorativa 140 anos. Rio de Janeiro: Solange Rocha, 1997. Editora Littera, 32 p. (Disponível no site www.ines.org.br).

SACKS, Oliver. Vendo Vozes: Uma Jornada pelo mundo dos surdos. RJ. Imago, 1990.

Salles, H., Faulstich, E., Carvalho, O., & Ramos, A. Ensino de língua portuguesa para surdos - caminhos para a prática pedagógica. (vols 1 & 2) Brasília, DF: MEC. 2002.

Skliar, Carlos (Org.) Educação & Exclusão. Porto Alegre, RS: Editora Mediação. 1997, 153 p.

____________. Um Olhar sobre o nosso olhar a acerca da surdez e das diferenças. In: SKLIAR, Carlos (org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre. Mediação, 1998.

NÍVEL DE ESCOLARIDADE: ENSINO SUPERIOR

LÍNGUA PORTUGUESA

Cargos: Professor PIII - Geografia, História e Pedagogo

1. Interpretação de texto. 2. Elementos da organização textual. 3. Elos sintáticos. 4. Denotação e conotação. 5. A metáfora e a metonímia. 6. Funções da linguagem. 7. Variação lingüística: as diversas modalidades do uso da língua. 8. O nome e seu emprego. 9. O pronome e seu emprego. 10. Emprego de tempos e modos verbais. 11. Regência nominal e verbal. 12. Concordância nominal e verbal. 13. Estrutura do período e da oração: aspectos sintáticos e semânticos. 14. Ortografia. 15. Pontuação.

Referências Bibliográficas:

CUNHA, Celso, CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

ROCHA LIMA. Gramática normativa da língua portuguesa. 31 ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1992.

SACCONI, Luiz Antônio. Nossa gramática contemporânea. São Paulo: Escala Educacional, 2004.

SAVIOLI, S.; FIORIN J. J. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996.

HISTÓRIA DE ANÁPOLIS

Cargos: Professor PIII - Geografia, História e Pedagogo

- Origem e emancipação da cidade. - Importância histórica. - Municípios desmembrados. - Economia do município. - Políticas públicas aplicadas ao município. - Dados geográficos: relevo, clima, hidrografia, distritos. - Indicadores sociais. - Turismo e lazer. - Aspectos culturais: educação, saúde, criações culturais e produções artísticas.

Referências Bibliográficas:

Sites da história de Anápolis: <www.anapolis.go.gov.br>, <www.wikipedia.org>, <www.cidadebrasileira.brasilescola.com>, <www.ahistoriadeanapolis.com.br>.

(Indicações bibliográficas a título de orientação de estudo, além de informação por meio de jornais, revistas, noticiários e meios de comunicação em geral.)

TEORIA E PRÁTICA DA EDUCAÇÃO

Cargos: Professor PIII - Geografia, História e Pedagogo

Conhecimentos político-pedagógicos: funções social e política da escola. Trabalho docente perspectiva crítica e perspectiva neoliberal; relação educação e trabalho. Gestão democrática e organização do trabalho escolar; colegiados escolares; projetos político-pedagógicos. A Educação Básica no Brasil: acesso, permanência, inclusão e fracasso escolar; a organização da Educação Básica: LDB no 9394/96; diretrizes curriculares para o Ensino Fundamental. Educação e direitos sociais. Conhecimentos da técnica de ensino: processos, conteúdos e avaliação do ensino e da aprendizagem. Conhecimento da escola: organização do tempo e do espaço; projetos de trabalho e interdisciplinaridade; cotidiano escolar: relações de poder na escola, currículo e cultura, relações de gênero e de raça. Professores e alunos enquanto sujeito sócio-culturais. História da profissão docente.

Referências Bibliográficas:

DAYRELL. Juarez Tarcísio. Múltiplos olhares sobre a educação e a cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.

DIMENSTEIN. Gilberto. O cidadão de papel. São Paulo: Ática, 2003.

FAZENDA, Ivani (org). Práticas interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRIGOTTO, Gaudêncio (org.) Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis: Vozes, 1998.

HYPOLITO.Alvaro. Trabalho docente, classe social e relações de gênero. Campinas, Papirus, 1997

PINSKY, Jaime.As doze faces do preconceito. São Paulo: Editora Contexto

VEIGA, Ilma Passos. (org) Técnicas de ensino: por que não? São Paulo: Papirus,1991

VASCONCELOS, Celso S. Coordenação do Trabalho Pedagógico - do Projeto Político-Pedagógico ao cotidiano da sala de aula. São Paulo: Editora Liberta, 2002.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artemed, 1998.

BRASIL. Lei nº 8069, de 13/07/1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente.

BRASIL. Lei nº 9394, de 20/12/1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. Resolução CEB 02, de 7/04/1998. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental.

ESPECÍFICAS

CARGO: PROFESSOR PIII - GEOGRAFIA

1 - Teoria da Geografia: os paradigmas constituintes da ciência geográfica as categorias estruturantes da análise geográfica (espaço, paisagem, região, lugar, território). 2 - Ensino de Geografia: geografia e construção do conhecimento geografia escolar e geografia acadêmica. 3 - Representação do espaço geográfico: leitura e representação cartográfica. 4 - Relação Sociedade-Natureza Meio ambiente e sociedade (Elementos do quadro natural versus recursos naturais, sua dinâmica e sua apropriação nas escalas local, regional e global). Organização do espaço urbano-industrial. Organização do espaço rural. Dinâmica da população. 5 - Organização do espaço mundial a globalização e a organização do espaço as questões político-culturais do mundo contemporâneo a América Latina no contexto mundial. 6 - Organização do espaço brasileiro a organização do espaço urbano-industrial a organização do espaço rural o Estado e a organização do território a regionalização do Brasil.

Referências bibliográficas:

ALMEIDA, Rosângela Doin de. O espaço geográfico: ensino e representação. 8ª ed. São Paulo: Contexto, 2000

BECKER, Berta K., CRISTOFOLETTI, Antônio., DAVIDOVICH, Fany R. e GEIGER, Pedro P. (orgs.). Geografia e meio ambiente no Brasil. São Paulo/Rio e Janeiro: Hucitec, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental - introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998 a.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental - temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998 b.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental - geografia. Brasília: MEC/SEF, 1998 c. CARLOS, Ana Fani Alessandri (org.). A geografia na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1999.CARLOS, Ana Fani Alessandri (org.). Novos Caminhos da Geografia. São Paulo: Contexto, 1999.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. A cidade. 7ª ed. São Paulo: Contexto, 2003.

CASTRO, Iná E. de. Et. al. (org.) Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeioro: Bertrand Brasil, 1995. CONTI, José Bueno. Clima e meio ambiente. São Paulo: Atual. 1998.

COSTA, Rogério H. da e GONÇALVES, Carlos Walter Porto. A nova desordem mundial. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

COSTA, Wanderley Messias da. O estado e as políticas territoriais no Brasil. 4. ed. São Paulo Contexto 1995.

DAMIANI, Luísa. População e geografia. 4ª ed.São Paulo: Contexto, 1998. DREW, David. Processos interativos Homem-meio ambiente. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, 1998.

GOMES, Paulo César da Costa. Geografia e modernidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

HISSA, Cássio Eduardo Viana. A mobilidade das fronteiras: inserções da geografia na crise da modernidade. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002. (Coleção Humanitas).

IBGE. Atlas geográfico escolar. 2. ed. Rio de Janeiro : 2004.

JOLY, Fernand. A cartografia. Campinas, S.P.: Papirus, 1990. MORAES, Antonio Carlos R. Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Hucitec, 1981.

PONTUSCHKA, Nídia N. (org).Geografia em Pespectiva. São Paulo: Contexto, 2002. ROSA, Antonio Vitor. Agricultura e meio ambiente. São Paulo: Atual, 1998.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. 4. ed. São Paulo: HUCITEC, 1997. SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2001.

TEIXEIRA, Wilson e outros (orgs).Decifrando a terra. São Paulo : Oficina de Textos, 2000.

CARGOS: PROFESSOR PIII - HISTÓRIA

História: Construindo o pensamento histórico: reflexões sobre os papéis de professor e do historiador; História e prática pedagógica. Mundo moderno: grandes navegações e alargamento do mundo; a lógica de dominação dos impérios coloniais, capitalismo mercantil e escravidão; a colonização portuguesa no Novo Mundo- do litoral ao interior. Cultura e política na construção do estado nacional brasileiro (1822-1930): embates políticos e culturais no processo de construção e afirmação do Estado Nacional; reflexões étnico-culturais. Revolução Industrial: avanços tecnológicos; novas formas de trabalho; trabalho e produção na sociedade brasileira entre o império e o fim da 1ª república; o Brasil no quadro do capitalismo ocidental no início do século XX: nacionalismo, imperialismo e neo-colonialismo; o século XX: da 1ª Guerra aos desdobramentos internacionais da Revolução Russa. Mundo Contemporâneo: república brasileira, modernidade, democracia e ditadura: movimentos de ruptura da ordem estabelecida (1930 à atualidade); conflitos no mundo contemporâneo: 2ª Guerra, bipolaridade ideológica e a "nova ordem mundial"- Regimes autoritários na América Latina; descolonização da África e da Ásia: nacionalismo, autonomia e anti-imperialismo.

O mundo em processo de globalização: abertura do mercado brasileiro para o capital estrangeiro- do nacional-desenvolvimentismo à implementação de políticas neoliberais- desenvolvimento tecnológico e mudanças no mundo do trabalho.

Referências bibliográficas:

ADDOR, Carlos Augusto. A Greve de 1903: primórdios do movimento operário no Rio de Janeiro. Hist. Cienc. Saúde-Manguinhos [online]. 2007, vol.14 no. 2 [citado 2007-09-16], pp.635-639. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S0104-59702007000200017&Ing=pt&nrm=iso.ISSN 0104-5970.

ARBEX JR, José. Guerra Fria:Terror de Estado, política e cultura. São Paulo: Moderna, 3ªed.

BARROS, Edgard Luiz de. A Guerra Fria. São Paulo: Atual, 1991.

BICALHO, Maria Fernanda. O que significava ser cidadão nos tempos coloniais. In Abreu, Marta; Soihet Rachel (org.) Ensino de História, temáticas e metodologias. Rio de Janeiro, Faperj/Casa da Palavra, 2003, p.142.

Disponível em: www.assis.unesp.br/neam/anais2006/texto16.pdf

BITTENCOURT, Circe (org).O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2002.

BRENER, Jayme. O Mundo Pós-Guerra Fria. São Paulo: Scipione, 2ªed. 1996.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 1999.

HOSBAWM, Eric J. Era dos Extremos: o Breve século XX: 1914- 1991. São Paulo, Companhia das Letras, 2ªed., 2001.

LOPEZ, Luiz Roberto. Uma História do Brasil-República. São Paulo: Contexto, 1997.

MAESTRI, Mário. Uma História do Brasil-Colônia. São Paulo: Contexto, 1997.

MAGNOLI, Demétrio [et al.] Visões do Mundo 1. São Paulo: Moderna, 1998.

_____________ O Mundo Contemporâneo. São Paulo: Atual, 2004.

PCN - História (MEC:1998)

SARAIVA, José Flávio S. Formação da África Contemporânea. São Paulo: Atual, 4ªed.,1991.

SINGER, Paul. Globalização e desemprego: diagnóstico e alternativas. São Paulo: Contexto, 1999.

VICENTINO, Cláudio. História Geral. São Paulo: Scipione, 2007.

VICENTINO, Cláudio e Gianpaolo Dorigo. História do Brasil: Scipione, 2007.

Site de diversos contextos históricos: www.professordehistória.com/(indique o assunto)

Indicações Bibliográficas a título de orientação de estudo, além da informação por meio de jornais, revistas, noticiários e meios de comunicação em geral.

CARGOS: PROFESSOR PIII - PEDAGOGO

Legislação educacional; Parâmetros curriculares nacionais para o ensino fundamental; A educação enquanto direito de todos; Educação e Inclusão. O aluno e o professor enquanto sujeitos sócio-culturais; Alfabetização e letramento no ensino fundamental; A prática educativa nas séries iniciais do ensino fundamental; Planejamento educacional; O papel do professor na contemporaneidade; O pensamento de Piaget e Vygotski; Teorias de Aprendizagem e desenvolvimento. O brinquedo na escola. Cotidiano escolar. Relações de gênero e raça.

Referências Bibliográficas:

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, MEC/SEF, 1997 (Todos os volumes).

BROUGERE, GILLES. Brinquedo e cultura. São Paulo:Cortez,1995

CECCON, Claudius e outros. A vida na escola e a escola da vida. Petropolis: Vozes, 1982

COUTINHO, Maria Tereza & MOREIRA, Mércia. Psicologia da Educação. Belo Horizonte: Editora Lê, 2000.

DAYRELL, Juarez (org) Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.

DAVIS, Cláudia e OLIVEIRA, Zilma. Psicologia na Educação. São Paulo: Cortez, 1994.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia - saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

Estatuto da Criança de do Adolescente - Lei no. 8069 de 13/07/1990.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei no. 9394 de 20/12/1996.

PINSKY, Jaime.As doze faces do preconceito. São Paulo: Editora Contexto

RAPPAPORT, Clara e outros. Psicologia do desenvolvimento. Volume 1 - Teorias do desenvolvimento- conceitos fundamentais. São Paulo: EPU, 1981.

SASSAKI, Romeu. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. RJ : WVA, 1997

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. BH: Autêntica, 1998.

SMOLKA, Ana Luiza B. A criança na fase inicial da escrita: alfabetização como um processo discursivo. Campinas: Cortez, 1989.

KRAMER, Sonia. Alfabetização, Leitura e Escrita - formação de professores em curso. São Paulo: Ática, 2001.

ZABALA, Antoni. A prática educativa - como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ANEXO III

ESPECIFICAÇÕES DOS TESTES FÍSICOS

1 Força Muscular de Membros Superiores (braços)

1.1 Objetivo: medir de forma indireta a força muscular dos membros superiores do candidato.

1.2 Prova masculina: Flexão na barra:

1.2.1 Posição inicial: o candidato, sob a barra, deverá empunhá-la com a pegada em pronação (palmas das mãos para frente), com o polegar envolvendo-a; as mãos deverão permanecer com um afastamento entre si correspondente à largura dos ombros e o corpo deverá estar estático; braços totalmente estendidos; corpo suspenso, sem que os pés estejam apoiados no solo ou nas traves de sustentação da barra.

1.2.2 Após a ordem de iniciar, o candidato deverá executar uma flexão dos braços, na barra, até que o queixo ultrapasse completamente a barra (estando a cabeça na posição natural, sem hiperextensão do pescoço) e, imediatamente, descer o tronco até que os cotovelos fiquem completamente estendidos (respeitando as limitações articulares individuais), quando será completada uma repetição. O ritmo das flexões de braços na barra é opção do candidato, sem limite de tempo; não poderá haver qualquer tipo de impulso, nem balanço das pernas para auxiliar o movimento; o corpo do executante não poderá, em nenhum momento, tocar o solo nem os suportes da barra.

1.3 Prova feminina (flexão de braços):

1.3.1 Posição inicial: apoio de frente sobre o solo, utilizando os braços; para a tomada da posição inicial, a candidata deverá se deitar em terreno plano, liso, apoiando o tronco e as mãos no solo, ficando as mãos ao lado do tronco com os dedos apontados para a frente e os polegares tangenciando os ombros, permitindo, assim, que as mãos fiquem com um afastamento igual a largura dos ombros; após adotar a abertura padronizada dos braços, deverá erguer o tronco até que os braços fiquem estendidos, mantendo os pés

unidos e apoiados sobre o solo.

1.3.2 Execução: a candidata deverá abaixar o tronco e as pernas ao mesmo tempo, flexionando os braços paralelamente ao corpo até que o cotovelo ultrapasse a linha das costas ou o corpo encoste no solo, estendendo, então, novamente, os braços, erguendo, simultaneamente, o tronco e as pernas até que os braços fiquem totalmente estendidos, quando será completada uma repetição; deverá executar o número máximo de flexões de braços sucessivas, sem interrupção do movimento; o ritmo das flexões de braços, sem paradas, será opção da candidata e não há limite de tempo.

1.3.3 Pode-se realizar este exercício apoiando o joelho no solo, visando a diminuir a força a ser executada.

2 Força Muscular de Abdômen: Flexão Abdominal (para ambos os sexos)

2.1 Objetivo: Medir de maneira indireta a força da musculatura abdominal do candidato.

2.2 Posição Inicial: o candidato deverá tomar a posição deitado em decúbito dorsal, joelhos flexionados, pés apoiados no solo, calcanhares próximos aos glúteos, braços cruzados sobre o peito, de forma que as mãos encostem no ombro oposto (mão esquerda no ombro direito e vice-versa); o avaliador deverá se colocar ao lado do avaliado, posicionando os dedos de sua mão espalmada, perpendicularmente, sob o tronco do mesmo a uma distância de quatro dedos de sua axila, tangenciando o limite inferior da escápula (omoplata); esta posição deverá ser mantida durante toda a realização do exercício.

2.3 Execução: o candidato deverá realizar a flexão abdominal até que as escápulas percam o contato com a mão do avaliador e retornar à posição inicial, quando será completada uma repetição; cada candidato deverá executar o número máximo de flexões abdominais sucessivas, sem interrupção do movimento, no tempo máximo de 01 (um) minuto; o ritmo das flexões abdominais, sem paradas, será opção do candidato. O candidato não poderá obter impulso com os braços afastando-os do tronco nem retirar os quadris do solo, durante a execução do exercício;

3 Resistência Aeróbica - Corrida de 12 minutos (para ambos os sexos)

3.1 Objetivo: Medir de maneira indireta a resistência aeróbica do candidato.

3.2 Execução: partindo da posição inicial de pé, o candidato deverá correr ou andar no tempo máximo de 12 (doze) minutos, podendo ou não haver interrupções ou modificações do ritmo de corrida. A prova será realizada em piso duro (asfalto ou similar) e plano.

3.3 Não é permitido ao candidato ser acompanhado e/ou ajudado, por quem quer que seja, em qualquer momento da prova.

ANEXO IV

CAPA PARA O RECURSO CONTRA A PROVA OBJETIVA

RECURSO CONTRA A(S) QUESTÃO(ÕES): __________________________________________________

1. IDENTIFICAÇÃO

Nome: _________________________________________________________________________________

Cargo:_________________________________________________________________________________

Endereço:______________________________________________________ Telefone: _________________

Cidade:____________________________________________________ CEP: ________________________

Endereço Eletrônico: ______________________________________________________________________

Número de inscrição: ______________________________________________________________________

_________________________________,_____ de ________________de _______
Localidade dia mês ano

_________________________________________
Assinatura do Candidato

2. SOLICITAÇÃO DE RECURSO CONTRA A PROVA OBJETIVA

À Banca Examinadora

Como candidato ao cargo de ____________________________________________________

solicito revisão

( ) do gabarito da questão n°_______

( ) da questão n°______

3. FUNDAMENTAÇÃO DO RECURSO
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________.

INSTRUÇÕES:

O candidato deverá:

· Digitar o recurso, em duas vias, de acordo com as especificações estabelecidas na alínea "a" do item 10.5 deste Edital.

· Usar um formulário de Solicitação de Recurso para cada questão de prova em que solicitar revisão.

· A fundamentação deve ter argumentação lógica e ser baseada na bibliografia indicada neste Edital.

ATENÇÃO! A inobservância de qualquer uma das instruções acima e das constantes no item 10 do edital, resultará no indeferimento do recurso.

ANEXO IV

CAPA PARA O RECURSO CONTRA A PROVA DE REDAÇÃO

1. IDENTIFICAÇÃO

Nome: __________________________________________________________________________________

Cargo:__________________________________________________________________________________

Endereço:_________________________________________________ Telefone: _______________________

Cidade:______________________________________________________ CEP: ______________________

Endereço Eletrônico: _______________________________________________________________________

Número de inscrição: _______________________________________________________________________

_____________________________________________,_____ de ________________de _______
Localidade dia mês ano

____________________________________________
Assinatura do Candidato

2. SOLICITAÇÃO DE RECURSO CONTRA A PROVA DE REDAÇÃO

À Banca Examinadora

Como candidato ao cargo de _______________________________________________________, solicito revisão do total de pontos a mim atribuídos, na Prova de Redação.

3. FUNDAMENTAÇÃO DO RECURSO
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________.

INSTRUÇÕES:

O candidato deverá:

· Digitar o recurso, em duas vias, de acordo com as especificações estabelecidas na alínea "a" do item 10.5 deste Edital.

ATENÇÃO! A inobservância de qualquer uma das instruções acima e das constantes no item 10 do edital, resultará no indeferimento do recurso.

ANEXO IV

CAPA PARA O RECURSO CONTRA A PROVA DE TÍTULOS

1. IDENTIFICAÇÃO

Nome: __________________________________________________________________________________

Cargo:___________________________________________________________________________________

Endereço:____________________________________________________ Telefone: _____________________

Cidade:____________________________________________________ CEP: _________________________

Endereço Eletrônico: ________________________________________________________________________

Número de inscrição: ________________________________________________________________________

________________________________,_____ de ________________de _______
Localidade dia mês ano

__________________________________
Assinatura do Candidato

2. SOLICITAÇÃO DE RECURSO CONTRA A PROVA DE TÍTULOS

À Banca Examinadora

Como candidato ao cargo de _______________________________________________________, solicito revisão do total de pontos a mim atribuídos, na Prova de Títulos.

3. FUNDAMENTAÇÃO DO RECURSO
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________.

INSTRUÇÕES:

O candidato deverá:

· Digitar o recurso, em duas vias, de acordo com as especificações estabelecidas na alínea "a" do item 10.5 deste Edital.

ATENÇÃO! A inobservância de qualquer uma das instruções acima e das constantes no item 10 do edital, resultará no indeferimento do recurso.

ANEXO IV

CAPA PARA O RECURSO CONTRA A PROVA DE CONDICIONAMENTO FÍSICO

1. IDENTIFICAÇÃO

Nome: __________________________________________________________________________________

Cargo:__________________________________________________________________________________

Endereço:_______________________________________________________ Telefone: _________________

Cidade:_____________________________________________________ CEP: ________________________

Endereço Eletrônico: _______________________________________________________________________

Número de inscrição: _______________________________________________________________________

_____________________________,_____ de ________________de _______
Localidade dia mês ano

_______________________________________
Assinatura do Candidato

2. SOLICITAÇÃO DE RECURSO CONTRA A PROVA DE CONDICIONAMENTO FÍSICO

À Banca Examinadora

Como candidato ao cargo de _______________________________________________________, solicito revisão dos índices de desempenho a mim atribuídos.

3. FUNDAMENTAÇÃO DO RECURSO
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________.

INSTRUÇÕES:

O candidato deverá:

· Digitar o recurso, em duas vias, de acordo com as especificações estabelecidas na alínea "a" do item 10.5 deste Edital.

ATENÇÃO! A inobservância de qualquer uma das instruções acima e das constantes no item 10 do edital, resultará no indeferimento do recurso.

ANEXO IV

CAPA PARA O RECURSO CONTRA A PROVA PRÁTICA

1. IDENTIFICAÇÃO

Nome: __________________________________________________________________________________

Cargo:__________________________________________________________________________________

Endereço:____________________________________________________ Telefone: ____________________

Cidade:___________________________________________________ CEP: __________________________

Endereço Eletrônico: _______________________________________________________________________

Número de inscrição: _______________________________________________________________________

__________________________,_____ de ________________de _______
Localidade dia mês ano

____________________________________
Assinatura do Candidato

2. SOLICITAÇÃO DE RECURSO CONTRA A PROVA DE PRÁTICA

À Banca Examinadora

Como candidato ao cargo de _______________________________________________________, solicito revisão do total de pontos a mim atribuídos, na Prova Prática.

3. FUNDAMENTAÇÃO DO RECURSO
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________.

INSTRUÇÕES:

O candidato deverá:

· Digitar o recurso, em duas vias, de acordo com as especificações estabelecidas na alínea "a" do item 10.5 deste Edital.

ATENÇÃO! A inobservância de qualquer uma das instruções acima e das constantes no item 10 do edital, resultará no indeferimento do recurso.

90234

Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231