Prefeitura de Araras - SP

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAS

ESTADO DE SÃO PAULO

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº. 06/2013

Notícia:   Prefeitura de Araras - SP abre seleção para Docentes

O Município de Araras, Estado de São Paulo, através do Sr. Prefeito, Dr. Nelson Dimas Brambilla, no exercício de suas atribuições legais e conforme Lei Municipal nº 3.759, de 03 de janeiro de 2005 (Estatuto e plano de cargos e remuneração do magistério público municipal de Araras), faz saber que será realizado através da empresa OREGON ASSESSORIA E CONSULTORIA LTDA., PROCESSO SELETIVO, objetivando a formação de cadastro de reserva para admissão de professores em caráter temporário para atuarem nas unidades educacionais deste município.

O Processo Seletivo terá acompanhamento e fiscalização da comissão designada para atender o presente Edital, através da Portaria SMA nº 1225 de 25 de outubro de 2013.

Estabelece ainda as presentes instruções especiais que regularão todo o processo de seleção ora instaurado.

1 - Das Funções Públicas

1.1 - As funções, vencimentos, carga horária e requisitos do presente Processo Seletivo, são os seguintes:

Função

Carga Horária semanal

Vencimentos Mensais - R$

Requisitos

Professor de Educação Infantil - Auxiliar

30 horas

1.129,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, Curso Normal em Nível Médio, e/ou Curso Normal Superior, e/ou Licenciatura Plena em Pedagogia com Habilitação em Educação Infantil e/ou Pós-graduação em Educação Infantil.

Professor de Educação Básica I - Auxiliar

30 horas

1.129,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, Curso Normal em Nível Médio, e/ou Curso Normal Superior, e/ou Licenciatura Plena em Pedagogia com Habilitação de Magistério nas séries iniciais.

Professor de Educação Básica II - Auxiliar

24 horas

927,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, e/ou formação superior em área correspondente e complementação nos termos de Legislação vigente.

Professor de Educação Especial Auxiliar

30 horas

1.129,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, com habilitação específica e/ou pós-graduação em Educação.

Professor de Educação Infantil

30 horas

1.607,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, Curso Normal em Nível Médio, e/ou Curso Normal Superior, e/ou Licenciatura Plena em Pedagogia com Habilitação em Educação Infantil e/ou Pós-graduação em Educação Infantil.

Professor de Educação Básica I

30 horas

1.607,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, Curso Normal em Nível Médio, e/ou Curso Normal Superior, e/ou Licenciatura Plena em Pedagogia com Habilitação de Magistério nas séries iniciais.

Professor de Educação Especial

30 horas

1.607,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, com habilitação específica e/ou pós-graduação em Educação.

Professor de Educação Básica II - Português

24 horas

1.321,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, e/ou formação superior em área correspondente e complementação nos termos de Legislação vigente.

Professor de Educação Básica II - Inglês

24 horas

1.321,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, e/ou formação superior em área correspondente e complementação nos termos de Legislação vigente.

Professor de Educação Básica II - Matemática

24 horas

1.321,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, e/ou formação superior em área correspondente e complementação nos termos de Legislação vigente.

Professor de Educação Básica II - Ciências

24 horas

1.321,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, e/ou formação superior em área correspondente e complementação nos termos de Legislação vigente.

Professor de Educação Básica II - História

24 horas

1.321,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, e/ou formação superior em área correspondente e complementação nos termos de Legislação vigente.

Professor de Educação Básica II - Geografia

24 horas

1.321,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, e/ou formação superior em área correspondente e complementação nos termos de Legislação vigente.

Professor de Educação Básica II - Arte

24 horas

1.321,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, e/ou formação superior em área correspondente e complementação nos termos de Legislação vigente.

Professor de Educação Básica II - Educação Física

24 horas

1.321,00

Curso Superior com Licenciatura de Graduação Plena, e/ou formação superior em área correspondente e complementação nos termos de Legislação vigente e Registro no C.R.E.F.

1.2 - O Município fará as admissões de professores em caráter temporário, para suprir a falta de docente, decorrente de vacância de cargo, afastamentos diversos e licenças.

1.3 - Os vencimentos mensais, serão proporcionais à jornada semanal de trabalho, nas hipóteses de admissão para jornada inferior.

1.4 - As atribuições para as funções públicas objeto deste processo seletivo são aquelas estabelecidas no anexo IV da Lei Municipal nº 3.759, de 03 de janeiro de 2005.

2 - Das Inscrições

2.1 - As inscrições realizar-se-ão gratuitamente de 2 a 13 de novembro de 2013, iniciando-se às 00h do dia 02/11 e encerrando-se, impreterivelmente, no dia 13/11, às 23h59, exclusivamente através da internet no endereço eletrônico www.oregonconcursos.com.br, no link correlato ao Processo Seletivo.

2.1.1 - Antes de efetuar a inscrição o candidato deverá ler e conhecer o Edital e certificar-se que preenche todos os requisitos exigidos para o ingresso na função.

2.2 - O candidato será o único responsável pelas informações prestadas no formulário de inscrição, as quais implicarão no conhecimento e a expressa aceitação das normas e condições estabelecidas neste Edital, e nas instruções específicas contidas nos comunicados e em outros editais pertencentes ao presente Processo Seletivo que porventura venham a ser publicados, em relação às quais não poderá alegar desconhecimento de qualquer natureza.

2.3 - Para inscrever-se o candidato deverá:

2.3.1 - Acessar o endereço eletrônico www.oregonconcursos.com.br durante o período de inscrição.

2.3.2 - Localizar o "link" correspondente ao Processo Seletivo.

2.3.3 - Ler o edital completo e preencher a ficha de inscrição.

2.3.4 - Após o término do período destinado para as inscrições a ficha de inscrição não estará mais disponibilizada.

2.3.5 - O Município de Araras/SP e a Oregon Assessoria e Consultoria Ltda., não se responsabilizarão por eventuais falhas que possam advir das inscrições, sendo de responsabilidade exclusiva do candidato realizar e acompanhar a efetivação da sua inscrição.

2.4 - O candidato que vier a ser habilitado no Processo Seletivo de que trata este Edital, poderá ser admitido em caráter temporário, se atendidas, à época, todas as exigências deste edital.

2.4.1 - O candidato que fizer qualquer declaração falsa, inexata ou, ainda, que não possa satisfazer todas as condições estabelecidas neste edital, terá sua inscrição cancelada, e, em consequência, anulados todos os atos dela decorrentes, mesmo que aprovado nas provas e que o fato, seja constatado posteriormente.

2.5 - O deferimento das inscrições dependerá do correto preenchimento pelo candidato do documento de inscrição, devendo o candidato indicar forma de contato para dirimir eventuais dúvidas.

2.6 - Os pedidos de inscrição dos candidatos serão analisados pela empresa Oregon Assessoria e Consultoria Ltda., que deverá manifestar-se, quando do indeferimento da inscrição, no prazo de até 02 (dois) dias após o término das mesmas, não havendo tal manifestação a inscrição será considerada deferida.

2.7 - A relação dos candidatos com inscrições deferidas será divulgada através de listagem pela Oregon Assessoria e Consultoria Ltda. a partir do dia 15 de novembro de 2013 e em caráter informativo no endereço eletrônico: www.oregonconcursos.com.br.

2.8 - O fato de o candidato ter a inscrição deferida não o exime de exclusão do Processo Seletivo e aplicação de penalidades legais cabíveis, conforme o caso, se for detectada falsidade, má fé, erro ou equívoco nas declarações prestadas por ocasião de sua inscrição.

2.9 Qualquer condição especial para participação no Processo Seletivo deverá ser requerida dentro do prazo estabelecido no item 2.1, período de inscrição, sendo que não se responsabilizará a Comissão de acompanhamento e fiscalização do Processo Seletivo Municipal e a empresa Oregon Assessoria e Consultoria Ltda., por casos excepcionais que não tenham sido comunicados no devido prazo.

2.10 - A Comissão de acompanhamento e fiscalização do Processo Seletivo e a empresa Oregon Assessoria e Consultoria Ltda. não se responsabilizarão por eventuais coincidências de datas e horários de provas e quaisquer outras atividades ou eventos.

2.11 - Requisitos mínimos exigidos para admissão:

2.11.1 - Atender às escolaridades e exigências do item 1.1;

2.11.2 - Ser brasileiro e se estrangeiro atender aos requisitos legais previstos no art. 12 da Constituição Federal;

2.11.3 - Ter 18 (dezoito) anos completos ;

2.11.4 - Preencher os requisitos para exercer a função pública a que concorre;

2.11.5 - Estar quite com as obrigações militares, quando for o caso;

2.11.6 - Estar em gozo de seus direitos civis, políticos e eleitorais;

2.11.7 - Possuir aptidão física e mental compatível com o exercício da função pública, comprovada em inspeção médica oficial;

2.11.8 - Não ter perdido cargo ou função, nem ter sido demitido de cargo público ou dispensado por justa causa de emprego da administração pública, federal, estadual ou municipal, em virtude de sanção determinada por regular processo administrativo disciplinar ou sentença transitada em julgado;

2.11.9 - Não ter antecedentes criminais, que impeçam a admissão;

2.11.10 - No ato da admissão, serão observados os critérios de acumulação de cargos, empregos ou funções públicas.

2.11.11 - Não registrar crime contra a Administração Pública.

2.12 - Os candidatos aprovados, por ocasião de sua convocação, serão submetidos a exame pré-admissional de caráter eliminatório por profissionais designados pelo Município de Araras/SP.

2.13 - Cada candidato poderá inscrever-se para mais de uma função pública no Processo Seletivo, devendo, porém optar por apenas um se houver coincidência de data e horário de realização de provas, sendo automaticamente eliminado do outro que tenha desistido.

3 - Dos Candidatos Portadores de Deficiência

3.1 - É assegurado à pessoa com deficiência o direito de se inscrever no certame, em igualdade de condições com os demais candidatos, para provimento de função cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que é portadora.

3.2 - O candidato com deficiência participará do processo seletivo em igualdade de condições com os demais candidatos, inclusive no que se referem a conteúdo das provas, critérios de avaliação, horário e local de aplicação das provas e pontuação mínima exigida para a aprovação.

3.3 - Por tratar-se de processo seletivo para formação de cadastro de reserva, não haverá reserva de vagas para os candidatos portadores de deficiências.

3.4 - Aqueles que portarem deficiência compatível com as funções, objeto deste processo seletivo e desejarem prestá-lo nesta condição deverão manifestar-se na inscrição, apresentando atestado médico, contendo o código da Classificação Internacional de Doença - CID, descrevendo o tipo da deficiência e preencher o Anexo I deste edital, encaminhando- o para a empresa Oregon Assessoria e Consultoria Ltda., situado na Rua Comandante Marcondes Salgado, nº 2006, Jardim Sumaré, CEP:14025-160, na cidade de Ribeirão Preto - SP, até o último dia de encerramento das inscrições.

3.5 - Os deficientes visuais (cegos) que se julgarem amparados pelas disposições legais, somente prestarão as provas mediante leitura através do sistema Braille, e, suas respostas deverão ser transcritas também em Braille. Os referidos candidatos deverão levar, para esse fim, no dia da aplicação das provas, reglete e punção.

3.5.1 - O candidato cego ou amblíope deverá solicitar, por escrito, (conforme modelo - Anexo I), à empresa Oregon Assessoria e Consultoria Ltda., situado na Rua Comandante Marcondes Salgado, nº 2006, Jardim Sumaré, CEP:14025-160, na cidade de Ribeirão Preto - SP, até o último dia de encerramento das inscrições, a confecção de prova em Braille ou ampliada, juntando, nos casos de ambliopia, atestado médico comprobatório dessa situação, nos termos do item 3.4.

3.5.2 - Os deficientes visuais que não solicitarem a prova especial no prazo citado no subitem anterior não terão direito a prova especialmente preparada seja qual for o motivo alegado.

3.6 - O candidato portador de deficiência deverá encaminhar laudo médico com especificação da deficiência requerendo e especificando as condições especiais para a realização das provas, para a empresa Oregon Assessoria e Consultoria Ltda. , situado na Rua Comandante Marcondes Salgado, nº 2006, Jardim Sumaré, CEP:14025-160, na cidade de Ribeirão Preto - SP.

4 - Das Provas

4.1 - O Processo Seletivo constará de provas objetivas e provas de títulos.

4.1.1 - As provas objetivas versarão sobre conhecimentos de português, matemática, pedagógicos, legislação e conhecimentos específicos da área, visando aferir as noções básicas relacionadas com a formação específica relativa à função pública.

4.1.2 - As provas de títulos visam aferir o aperfeiçoamento acadêmico relacionado diretamente com as atividades da função pública.

4.2 - Cada função terá uma modalidade específica de prova, ou combinação, conforme tabela a seguir:

FUNÇÃO PÚBLICA

PROVAS

Professor de Educação Infantil - Auxiliar

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica I - Auxiliar

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica II - Auxiliar

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Especial Auxiliar

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Infantil

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica I

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Especial

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica II - Português

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica II - Inglês

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica II - Matemática

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica II - Ciências

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica II - História

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica II - Geografia

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica II - Arte

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

Professor de Educação Básica II - Educação Física

10 questões de conhecimentos português;
10 questões de conhecimentos matemática;
05 questões de conhecimentos específicos pedagógicos;
05 questões de conhecimentos de legislação;
10 questões de conhecimentos específicos da área de atuação; e Entrega de títulos.

5 - Do Programa de Prova

5.1 O programa de prova a ser aplicada no Processo Seletivo é o constante do Anexo II, estará à disposição dos candidatos no local de inscrição e no endereço eletrônico www.oregonconcursos.com.br.

6 - Da Prestação das Provas Objetivas e entrega de Títulos

6.1 - As provas objetivas e a entrega de títulos serão realizadas provavelmente no dia 24 de novembro de 2013. A data, local e horários da realização da prova objetiva e a entrega de títulos serão publicados posteriormente no jornal que publica os atos oficiais do Município de Araras/SP e no site www.oregonconcursos.com.br, por meio de edital de convocação.

6.2 - O ingresso no local da realização das provas será permitido apenas aos candidatos que apresentarem a ficha de inscrição e documento hábil de identificação que contenha foto.

6.2.1 - São considerados documentos de identidade os originais de: Carteiras e/ou Células de Identidade expedidas pelas Secretarias de Segurança Pública, Forças Armadas, pelo Ministério das Relações Exteriores e pela Polícia Militar; Cédula de Identidade para estrangeiros; Cédulas de Identidade fornecidas por Órgãos ou Conselho de Classes que por Lei Federal, valem como documento de identidade como, por exemplo, as Carteiras do CREA, CRA, CRB, CRM, etc.; Carteira de Trabalho e Previdência Social, bem como Carteira Nacional de Habilitação (com fotografia nos termos da Lei nº 9.503/97).

6.3 - Durante a execução das provas, não será permitida consulta de nenhuma espécie, nem a utilização de máquinas calculadoras, bem como, não será admitida comunicação entre os candidatos.

6.4 - Não será permitida a permanência de pessoas estranhas no local determinado para a realização da prova.

6.5 - O candidato deverá comparecer ao local da realização das provas, no dia e horários designados, com antecedência mínima de 30 (trinta) minutos, munidos de seus documentos e caneta esferográfica azul ou preta. O não comparecimento ao local e no horário indicados será considerado como desistência.

6.6 - Em caso de necessidade de amamentação durante a realização da prova objetiva, e tão somente neste caso, a candidata lactante deverá levar um acompanhante, que ficará em local reservado e será responsável pela guarda da criança.

6.6.1 - No momento da amamentação, a candidata deverá ser acompanhada por uma fiscal.

6.6.2 - Não haverá compensação do tempo de amamentação no período de duração da prova.

6.7 - Exceto a situação prevista no item 6.6 deste Capitulo, neste Edital, não será permitida a permanência de qualquer acompanhante nas dependências do local de realização de qualquer prova, podendo ocasionar inclusive a não participação do(a) candidato(a) no Processo Seletivo.

6.8 - A duração da prova será de 3h00 (três horas).

6.9 - É de responsabilidade exclusiva do candidato a identificação correta de seu local de prova e o comparecimento no horário determinado.

6.10 - Por justo motivo, a critério da Comissão de acompanhamento e fiscalização do Processo Seletivo Municipal, a realização de 1 (uma) ou mais provas do presente Processo Seletivo poderá ser adiada ou anulada, sem a necessidade de prévio aviso, devendo, no entanto, ser comunicado aos candidatos por novo Edital a ser publicado no jornal que publica os atos oficiais do Município de Araras/SP ou por comunicação direta as novas datas em que realizar-se-ão as provas.

6.11 - Eventualmente, se, por qualquer motivo, o nome do candidato não constar das Listas de Presença, mas que tenha em seu poder o respectivo comprovante de inscrição efetuada nos moldes previstos neste Edital, o mesmo poderá participar deste Processo Seletivo, devendo para tanto, preencher formulário específico, no dia da realização das provas objetivas.

6.12 - A inclusão de que trata o item anterior será realizada de forma condicional, sujeita à posterior verificação da referida regularidade.

6.13 - Constatada a irregularidade da inscrição, a inclusão do candidato será automaticamente cancelada, sem direito à reclamação, independentemente de qualquer formalidade, considerados nulos todos os atos dela decorrentes.

6.14 - Na impossibilidade de apresentação de um dos documentos de identidade elencados anteriormente, por motivo de perda, roubo ou furto, deverá ser apresentado boletim de ocorrência registrado em órgão policial, com data de expedição de, no máximo 30 (trinta) dias.

6.15 - O candidato que se enquadrar na condição estabelecida no item anterior, ou ainda aquele cuja identificação por meio de documento apresente dúvidas, será submetido à identificação digital, coleta de dados e assinaturas em formulário específico, para posterior verificação.

6.16 - O candidato deverá assinalar suas respostas no caderno de questões e transcrevê-la no Cartão de Respostas, que é o único documento válido para a correção eletrônica, que lhe será entregue no início da prova.

6.16.1 - Somente serão permitidos assinalamentos no Cartão de Respostas feitos pelo próprio candidato, vedada qualquer colaboração ou participação de terceiros, salvo em caso de candidato que tenha solicitado condição especial para esse fim. Nesse caso, se necessário, o candidato será acompanhado por um fiscal.

6.16.2 - Na correção do Cartão de Respostas do candidato não serão computadas questões não assinaladas, questões que contenham mais de uma resposta ou questões rasuradas.

6.16.3 - Sob nenhuma hipótese haverá a substituição do Cartão de Respostas, sendo de responsabilidade exclusiva do candidato os prejuízos advindos de marcações feitas incorretamente, emendas ou rasura, ainda que legível.

6.17 - No decorrer da prova, se o candidato observar qualquer anormalidade gráfica, deverá manifestar-se junto ao Fiscal de Sala que, consultada a Comissão, encaminhará solução imediata ou anotará na folha de ocorrências para posterior análise da banca examinadora.

6.18 - Os pontos correspondentes às questões porventura anuladas serão atribuídos a todos os candidatos, independentemente da formulação dos recursos.

6.19 - Sempre que o candidato observar qualquer anormalidade deverá manifestar-se, sob pena de não poder apresentar, posteriormente, eventual recurso.

6.20 - Ao terminar a prova, o candidato deverá entregar ao Fiscal o caderno de questões e o cartão de respostas, bem como, todo e qualquer material cedido para a execução das provas, podendo, no entanto, copiar as respostas no formulário próprio que está na frente do caderno de questões, que poderá ser destacado, para conferência posterior.

6.21 - Os três últimos candidatos deverão permanecer juntos na sala, sendo somente liberados quando o último deles tiver concluído a prova.

6.21.1 - O candidato deve se retirar do recinto ao término da prova a fim de evitar aglomerações e/ou tumultos.

6.22 - Não haverá segunda chamada ou repetição de prova, importando a ausência ou atraso do candidato na sua eliminação, seja qual for o motivo alegado.

6.23 - O não comparecimento para a prestação da prova objetiva excluirá automaticamente o candidato do Processo Seletivo.

6.24 - Não haverá, por qualquer motivo, prorrogação do tempo previsto para a aplicação das provas em virtude de afastamento do candidato da sala de prova.

6.25 - As provas objetivas e entrega de títulos, provavelmente serão realizadas no dia 24 de novembro de 2013 nos horários abaixo discriminados, podendo esta data ser alterada mediante Edital de Convocação para Realização de Provas Objetivas e Entrega de Títulos:

a) às 8:30 horas para as funções de: Professor de Educação Infantil, Professor de Educação Básica I - Auxiliar, Professor de Educação Especial, Professor de Educação Básica II - Português, Professor de Educação Básica II - Matemática, Professor de Educação Básica II - Geografia e Professor de Educação Básica II - Arte.

b) às 13:00 horas para as funções de: Professor de Educação Infantil - Auxiliar, Professor de Educação Básica I, Professor de Educação Especial - Auxiliar, Professor de Educação Básica II - Inglês, Professor de Educação Básica II - Ciências, Professor de Educação Básica II - História, Professor de Educação Básica II - Educação Física e Professor de Educação Básica II - Auxiliar.

6.26 - A abertura do portão no período da manhã, será às 8h00 e no período da tarde, será às 12h30 (horário de Brasília).

6.27 - Para garantir a lisura e a idoneidade do processo seletivo - o que é de interesse público e, em especial, dos próprios candidatos - bem como sua autenticidade, será solicitado dos candidatos, quando da aplicação da prova, que registrem sua assinatura em campo específico.

6.28 - Não será computada questão com emenda ou rasura, ainda que legível, nem questão não respondida ou que contenha mais de uma resposta, mesmo que uma delas esteja correta. Não sendo admitida nenhuma marca fora do campo reservado às respostas ou à assinatura, sob pena de acarretar prejuízo ao desempenho do candidato.

6.29 - O caderno de questões será disponibilizado no endereço eletrônico www.oregonconcursos.com.br no primeiro dia útil subsequente a aplicação da prova e ficará à disposição dos candidatos durante o período de recurso contra o gabarito preliminar.

7 - Do Julgamento das Provas

7.1 - As provas objetivas serão corrigidas por meio de processamento eletrônico, através de leitora óptica.

7.2 - As provas objetivas constarão de 40 questões de múltipla escolha, com quatro alternativas, valendo 2,5 (dois pontos e meio) por questão, totalizando 100 (cem) pontos.

7.2.1 As provas objetivas serão avaliadas na escala de 0 (zero) a 100 (cem) pontos, onde cada questão correta terá o valor de 2,5 (dois pontos e meio), sendo considerado habilitado o candidato que obtiver nota igual ou superior a 30 (trinta) pontos.

7.3 Caso alguma questão venha a ser anulada, a mesma será considerada correta para todos os candidatos.

7.4 O candidato que na prova objetiva obtiver nota inferior a 30 (trinta) pontos estará eliminado do Processo Seletivo.

7.5 - Os gabaritos das provas objetivas serão publicados em data a ser informada aos candidatos no momento da realização das provas objetivas. A divulgação ocorrerá no site www.oregonconcursos.com.br.

8 - Do Resultado da Prova Objetiva

8.1 - A prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, será avaliada na escala de 0 (zero) a 100 (cem) pontos, considerando-se habilitado o candidato que obtiver nota igual ou superior a 30 (trinta) pontos, devendo ser excluído do Processo Seletivo 06/2013 os que não se habilitarem.

8.2 - As notas da prova objetiva serão obtidas pela fórmula:

NPO = (Na x 100)/ Tq

onde:

NPO = Nota da prova objetiva
Na = Número de acertos
Tq = Total de questões da prova

9 - Dos Títulos

9.1 - Somente serão considerados os títulos apresentados pelos candidatos habilitados na prova objetiva.

9.2 - Os títulos deverão ser entregues pelo próprio candidato ao fiscal, no dia designado para a aplicação da prova objetiva, em envelope com a devida identificação do candidato, nome completo do candidato e a relação de títulos entregues, conforme modelo constante no Anexo III deste edital, que será preenchida em duas vias, destas, sendo uma delas devolvida ao candidato.

9.3 - Essa fase possui somente caráter classificatório, sendo que o candidato aprovado que deixar de entregar seus títulos, apenas não terá somado os pontos correspondentes a essa fase, mas o mesmo não ficará eliminado do Processo Seletivo.

9.4 - Os títulos deverão ser autenticados ou se for cópia simples deverá ser apresentado o título original, sendo que o responsável pelo recebimento dos mesmos deverá conferir cada cópia apresentada com o título original para autenticação.

9.5 - Serão considerados para a Prova de Títulos os certificados e/ou diplomas de Pós-Graduação (Especialização, Mestrado e/ou Doutorado), devidamente recomendados e/ou reconhecidos pelos órgãos competentes, dentro da área de educação.

9.6 - Os títulos serão pontuados da seguinte forma:

Especialização Lato Sensu com carga horária mínima de 360 horas, que tenha relação direta com a área de Educação.

2,0 (dois) pontos

Diploma de Mestre em reconhecimento CAPES.

área

educacional,

com

8,0 (oito) pontos

Diploma de Doutor na reconhecimento CAPES.

área

educacional,

com

10,0 (dez) pontos

9.7 - Todos os títulos acima especificados deverão conter timbre e identificação do órgão expedidor, carimbo e assinatura do responsável e data.

9.8 - Os certificados de extensão universitária, pós-graduação, nível de especialização (lato sensu) e similares, com duração de carga horária mínima de 360 horas, deverão estar de acordo com a Resolução nº 1 de 8 de junho de 2007 (Resolução CNE/CES 1/2007). Diário Oficial da União, Brasília, 8 de junho de 2007, Seção 1, pág. 9.

(**)

Alterada pela Resolução CNE/CES nº 5, de 25 de setembro de 2008, que estabelece normas para o credenciamento especial de Instituições não Educacionais para oferta de cursos de especialização.

9.9 - Os certificados mencionados no subitem anterior terão um acréscimo de pontos na análise de avaliação de títulos, até o máximo de 02 (dois), equivalente a um total de 4,00 (quatro) pontos sobre a nota obtida na prova objetiva.

9.9.1 - Serão computados os títulos de Mestre e de Doutor para pontuação, o título de maior valor exclui o de menor, vedada a atribuição cumulativa de pontos dessa natureza.

9.10 - Os certificados expedidos em língua estrangeira deverão vir acompanhados pela correspondente tradução efetuada por tradutor juramentado ou pela revalidação dada pelo órgão competente.

9.11 - A pontuação aferida na prova de títulos será acrescida à nota final do candidato obtida na prova objetiva de conhecimentos específicos e computada para efeito de classificação.

9.12 - Os títulos entregues que não atenderem as especificações contidas neste edital não serão considerados para a referida avaliação de títulos.

9.13 - Em hipótese alguma será aceito entrega dos documentos fora do prazo estabelecido.

10 - Da Classificação Final

10.1 - Os candidatos habilitados serão classificados em ordem decrescente da nota obtida nas provas objetivas e a soma dos títulos.

10.2 - As notas de classificação do resultado final será obtida pela fórmula:

RF = NPO + PT

onde:

RF = Resultado Final
NP0 = Nota da Prova Objetiva
PT = Pontuação de Títulos

10.3 - A lista de classificação final será publicada no jornal que publica os atos oficiais do Município de Araras/SP, para conhecimento dos candidatos e será divulgada na internet a título informativo, no endereço eletrônico: www.oregonconcursos.com.br.

10.4 - No caso de igualdade de nota final, terá preferência sucessivamente, o candidato que:

- tiver maior idade;

- obtiver maior nota na prova objetiva - específica, quando for o caso;

- obtiver maior nota na prova objetiva - português.

- tiver maior número de filhos menores de 14 anos.

10.5 - O fato do candidato ser aprovado neste Processo Seletivo não assegura direito de admissão, pois o objetivo deste é unicamente formar cadastro de reserva para admissão temporária para suprir as ausências de professores em seus impedimentos.

10.6 - A admissão, oriunda deste Edital de Processo Seletivo não confere direitos nem expectativa de direito à efetivação no serviço público municipal.

11 - Dos recursos

11.1 - Será admitido recurso quanto ao indeferimento de inscrição. Tal recurso deverá ser interposto até o primeiro dia útil subsequente à data de divulgação da listagem contendo as inscrições deferidas e indeferidas.

11.2 - Será admitido recurso quanto à formulação das questões e à opção considerada como certa na prova objetiva. Tal recurso deverá ser interposto até o segundo dia útil subsequente à data de divulgação do gabarito preliminar das provas.

11.3 - Será admitido recurso quanto ao resultado das provas objetivas, práticas, de títulos e classificação preliminar. Tal recurso deverá ser interposto até o segundo dia útil subsequente às datas de divulgações oficiais dos resultados.

11.4 - Não serão aceitos recursos sem fundamentação, que desrespeitem a Banca Elaboradora, que não guardem relação com a matéria em debate ou meramente protelatórios.

11.5 - Admitir-se-á um único recurso para cada candidato para cada evento, sendo desconsiderado recurso de igual teor.

11.6 - Para recorrer, o candidato deverá utilizar o endereço eletrônico www.oregonconcursos.com.br, acessar a área do candidato e seguir as instruções ali contidas no link "Recursos".

11.7 - Os candidatos deverão enviar os recursos mencionados neste Capítulo, com argumentação lógica e consistente.

11.8 - O correto preenchimento do formulário é de total responsabilidade do candidato.

11.9 - Os recursos apresentados serão julgados em até 10 (dez) dias úteis, a contar da data de encerramento do prazo de recebimento, e o resultado divulgado no endereço eletrônico www.oregonconcursos.com.br.

11.10 - Não serão aceitos recursos interpostos por fac-símile (fax), e-mail, telegrama ou outro meio não especificado neste edital.

11.11 - Os recursos interpostos em desacordo com as especificações contidas neste Capítulo não serão avaliados.

11.12 - O provimento de recurso interposto dentro das especificações poderá, eventualmente, alterar a classificação inicial obtida pelo candidato para uma classificação superior ou inferior, ou ainda poderá ocorrer a desclassificação do candidato que não obtiver pontuação mínima exigida para aprovação.

12 - Da Homologação

12.1 - O resultado final deste Processo Seletivo, após decididos os recursos interpostos, será homologado por despacho do Prefeito do Município e publicado no jornal publica os atos oficiais do Município de Araras/SP.

13 - Da Convocação

13.1 - As convocações para a função pública dos candidatos aprovados serão realizadas por meio de Editais da Secretaria Municipal de Educação de Araras/SP.

13.2 - A cada atribuição a escala de classificação deverá ser seguida na ordem crescente de aprovação. Na hipótese de desistência ou declinação, será consultado o próximo candidato classificado, presente à atribuição e, assim, sucessivamente.

13.3 - O candidato que interromper o vínculo com o Município, não mais poderá concorrer durante o ano letivo.

13.4 - Nos casos em que o professor titular da classe ou aulas estiver sendo substituído, retornar às atividades e, novamente, vir a entrar em licença, num período inferior a 15 (quinze) dias, ficará a critério da administração, readmitir o mesmo professor temporário, independentemente da escala classificatória geral, a fim de preservar o processo pedagógico.

13.5 - O candidato convocado deverá submeter-se, obrigatoriamente, à avaliação médica oficial que será de caráter eliminatório.

13.6 - Quando da convocação, o candidato deverá entregar os documentos comprobatórios exigidos pela Coordenadoria de Recursos Humanos do Município de Araras/SP, conforme previsto no item 2.11 deste Edital bem como demais documentos que entender convenientes. A não entrega dos documentos, no prazo e na forma prevista, impedirá a formalização da admissão.

13.7 - O candidato depois de assumir a função, deverá cumprir todas as atividades do Calendário Escolar e assumir a Proposta Pedagógica.

13.8 - Os professores que vierem a ser admitidos em caráter temporário, na forma deste edital, serão segurados obrigatórios do Regime Geral de Previdência Social.

14 - Das Disposições Gerais

14.1 - Os vencimentos dos admitidos com base neste Processo Seletivo, são as constantes do item 1.1, deste Edital, salvo nos casos de jornada inferior, onde o valor será proporcional.

14.2 - O candidato que vier a ser habilitado no Processo Seletivo de que trata este Edital poderá ser admitido para a função pública se atendidas, à época, todas as exigências.

14.3 - O candidato que fizer qualquer declaração falsa, inexata ou, ainda, que não possa satisfazer todas as condições estabelecidas neste edital, terá sua inscrição cancelada e, em consequência, anulados todos os atos dela decorrentes, mesmo que aprovado nas provas e que o fato seja constatado posteriormente.

14.4 - O Município de Araras/SP e a empresa Oregon Assessoria E Consultoria Ltda., não se responsabilizarão por eventuais coincidências de locais, datas e horários de provas e quaisquer outras atividades ou eventos.

14.5 - O Edital de classificação final será publicado no jornal que publica os atos oficiais do Município de Araras/S.P. e divulgado, em caráter informativo, no endereço eletrônico: www.oregonconcursos.com.br.

15 - Das Disposições Finais

15.1 - A aprovação no Processo Seletivo assegurará apenas a expectativa de direito à admissão, ficando a concretização desse ato condicionada à observância das disposições legais pertinentes, do exclusivo interesse e conveniência da Administração e do prazo de validade do Processo Seletivo.

15.2 - Não será fornecido ao candidato qualquer documento comprobatório de classificação no Processo Seletivo, valendo para esse fim, a homologação publicada na imprensa escrita de Araras/SP.

15.3 - Os Editais de convocação para as provas objetivas e entrega de títulos, classificação final, retificações e a homologação do Processo Seletivo serão publicados no jornal que publica os atos oficiais do município de Araras-S.P. e disponibilizados em caráter informativo no endereço eletrônico: www.oregonconcursos.com.br

15.4 - O candidato é totalmente responsável pelo acompanhamento das publicações na forma do item anterior, não havendo responsabilidade do município de Araras, quanto as informações divulgadas por outros meios que não aqueles mencionados no item anterior.

15.5 - O candidato classificado obriga-se a manter atualizado seu endereço perante o Município de Araras/SP.

15.6 - O Município de Araras/SP e a empresa contratada não aprova a comercialização de apostilas preparatórias para o presente Processo Seletivo, bem como não fornecerá e nem recomendará nenhuma apostila deste gênero, não se responsabilizando pelo conteúdo de qualquer uma delas.

15.7 - Este Processo Seletivo terá validade 01 (um) ano, não podendo ser prorrogado.

15.8 - Decorridos 180 (cento e oitenta) dias da data da homologação e não caracterizando qualquer óbice, é facultada a incineração das provas e demais registros escritos, mantendo-se, porém, pelo prazo de validade do Processo Seletivo, os registros eletrônicos.

15.9 - Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão de acompanhamento e fiscalização do Processo Seletivo.

15.10 - Caberá ao Prefeito do Município de Araras/SP a homologação do Processo Seletivo.

15.11 - Integram este edital os seguintes anexos:

- Anexo I - Requerimento de Portador de Necessidade Especial;

- Anexo II - Programa de Provas;

- Anexo III - Requerimento de Entrega de Títulos; e

- Anexo IV - Modelo de Recurso.

Araras/SP, 01 de novembro de 2013.

Dr. Nelson Dimas Brambilla
Prefeito do Município de Araras

ANEXO II - PROGRAMA DE PROVAS

As bibliografias sugeridas, para todos os cargos, poderão ser utilizadas pelas bancas realizadoras das questões, mas este referencial não retira o direito da banca de se embasar em atualizações, outros títulos e publicações não citadas nesta bibliografia.

ESTE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS TEM APENAS O CARÁTER ORIENTADOR.

CONHECIMENTOS PORTUGUÊS, MATEMÁTICA, PEDAGÓGICOS E LEGISLAÇÃO (COMUNS A TODOS OS CARGOS)

PORTUGUÊS: Técnicas de Redação, Interpretação de Texto e Gramática. As questões de Língua Portuguesa têm por objetivo verificar a capacidade de leitura, compreensão e interpretação de texto, bem como, a habilidade de usar a linguagem como meio para produzir, expressar e comunicar idéias em diferentes situações - Tipos de Comunicação: Descrição - Narração - Dissertação - Tipos de Discurso - Qualidades de defeitos de um texto - Coesão Textual. ESTILÍSTICA - Figuras e Vícios de Linguagem. Vocabulário técnico inerente à área. Fonologia; Ortografia; Emprego das classes de palavras: substantivo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, conjunção (classificação e sentido que imprime às relações entre as orações). Colocação pronominal. Concordância verbal e nominal. Regência verbal e nominal. Análise sintática: termos da oração. Emprego da Crase. A prova será elaborada com base na Ortográfica vigente, considerando que as novas regras do acordo ortográfico, serão obrigatórias no Brasil, em caráter definitivo, a partir de Janeiro de 2013.

MATEMÁTICA: Conjuntos Numéricos: naturais, inteiros, racionais, irracionais e reais; Intervalos; Expressões algébricas; Potenciação; Radiciação; Equação e inequação do 1º grau; Fatoração; Regra de Três simples e composta; Porcentagem; Juros simples e compostos; Descontos; Noções de estatística: médias, distribuição de frequências e gráficos; Equação do 2º grau; Funções do 1º e do 2º graus: conceito, gráfico, propriedades e raízes; Geometria: plana e espacial; Relações e funções; Sistema decimal de medidas: unidade de comprimento e superfície; Área das Figuras Planas.

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO:

Fundamentação, finalidades e conceituação do ensino fundamental de conformidade com a LDB - Lei Federal nº. 9.394/96 e PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais. Fundamentos: processo de avaliação educacional; processo do trabalho coletivo; processo de escolarização; sucessos e fracassos; evasão e repetência: causas, consequências e alternativas; processo de inclusão no ensino fundamental; questões políticas educacionais brasileiras; gestão educacional.

CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS:

Currículo e cidadania: saberes para o desenvolvimento de competências cognitivas, afetivas, sociais e culturais. Escola inclusiva como espaço de acolhimento, de aprendizagem e de socialização. A relação professor-aluno: construção de valores éticos e desenvolvimento de atitudes cooperativas, solidárias e responsáveis. O papel do professor na integração escola-família. O ensino centrado em conhecimentos contextualizados e ancorados na legislação. O reforço e a recuperação: parte integrante do processo de ensino e de aprendizagem. Pedagogias diferenciadas: progressão continuada, correção de fluxo, avaliação por competência, flexibilização do currículo e da trajetória escolar. O trabalho coletivo como fator de aperfeiçoamento da prática docente. A construção coletiva da proposta pedagógica da escola: expressão das demandas sociais, das características multiculturais e das expectativas dos alunos e dos pais. A formação continuada como condição de construção permanente das competências. Prática reflexiva e construção de competências para ensinar. Conhecimentos prévios e seu papel na aprendizagem dos conteúdos escolares.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

ALMEIDA, Malu. Políticas Educacionais e práticas pedagógicas. Editora Alínea, 2010. BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Adaptações Curriculares - estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília. MEC/SEF/SEESP. 1999. BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília. Junho de 2005. BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino Fundamental de 9 anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos de idade. Brasília. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, 2007. FERREIRO, E. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez: Autores Associados. 1988. SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 5ª Edição. Rio de Janeiro: WVA 2003. PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed. 2000. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia - Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Ed. Paz Terra, 1987. GIMENO J.S. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre, 2000. HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2001. WEISZ, Telma, O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo. Editora Ática - 2000. ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2003. COLL, César e outros. O construtivismo na sala de aula. 6ª edição. São Paulo: Editora Ática, 1999. LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1990. LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação de Aprendizagem escolar. São Paulo: Editora Cortez, 2002. MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar - O que é? Por que? Como Fazer? Ed. Moderna, 2003. PERRAUDEAU, Michel. Aprendizagem: como acompanhar os alunos na aquisição dos saberes. Editora Artmed, 2009. RIOS, Teresinha Azeredo. Compreender e ensinar: por uma docência de melhor qualidade. São Paulo, Cortez, 2001. SANMATI, Neus. Avaliar para aprender. Editora Artmed, 2009. TRINDADE R., COSME A. Escola, Educação e Aprendizagem. Editora Wak, 2010. VYGOTSKI, L.S. Formação social da mente. Editora: Martins, 2007.

LEGISLAÇÃO:

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB - 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estatuto da Criança e do Adolescente - Lei 8.069/90, de 13 de julho de 1990. Lei Federal nº. 11.274, de 06/02/2006 - Altera a redação dos artigos 29, 30, 32 e 87 da Lei 9.394/96, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir de 6 (seis) anos de idade. Lei Federal nº. 11.645, de 10/03/2008 - Altera a Lei 9.394/96, modificada pela Lei 10.639/03, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena". BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Básica. Ensino de nove anos - Orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: MEC/SEB, 2007. Parecer CNE/CEB n.º 04/98. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Parecer CNE/CEB n.º 11/2000. Diretrizes Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Parecer CNE/CEB n.º 17/2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INTANFIL e PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL - AUXILIAR

O eixo pedagógico central que norteará as questões deste processo seletivo, será conforme indicam as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental (Brasil: Ministério da Educação) e Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (Brasília: MEC/SEF, 1988) e tem como base os seguintes princípios:

Princípios éticos da autonomia, da responsabilidade, a solidariedade e o respeito ao bem comum; Princípios políticos dos direitos e deveres da cidadania, do exercício da criticidade e do respeito à ordem democrática;Princípios estéticos da sensibilidade, criatividade e diversidade de manifestações artísticas e culturais; A Educação Infantil de acordo com o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil, volume 1: Introdução; volume 2: Formação pessoal e social; volume 3: Conhecimento de mundo. http://portal.mec.gov.br/publicacoes; A Educação Básica das séries iniciais de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, volume 1 ao 10. http://portal.mec.gov.br/publicacoes; Construção coletiva da proposta pedagógica da escola; O papel do professor na integração escola-família; A relação professor-aluno.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

ABBUD, I. John Dewey e a Educação Infantil. Editora Cortez, 2011. ABRANCHES, Mônica. Colegiado escolar: espaço de participação da comunidade. São Paulo: Cortez, 2003, cap. 1, 2, 3, 4 e conclusão. ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2003. ANGOTTI, M. Educação Infantil - para que, para quem e por que. Editora Alínea, 3 edição, 2010. ANGOTTI, M. Educação Infantil - da condição de direito a condição de qualidade no atendimento. Editora Alínea, 2009. BRANDÃO, C. F. PASCHOAL, J.D. Ensino Fundamental de nove anos. Editora Avercamp, 2009. CARVALHO, Mercedes. Ensino Fundamental - práticas docentes nas séries iniciais. Editora Vozes, 2006. ESTEBAN, M.T.HOFFMANN, J. SILVA, J.F. Práticas Avaliativas e Aprendizagens Significativas, Editora Mediação, 2008. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1997. FERREIRO, Emília. Cultura Escrita e educação. ED. Artmed, 1999. FERREIRO, Emília. Alfabetização em processo. São Paulo Editora Cortez, 1984. FERREIRA, Márcia. Ação psicopedagógicas na sala de aula. Uma questão de inclusão. Paulus ed. 2001. FONSECA, Vitor. Introdução às dificuldades de aprendizagem. Ed. Artes Médicas, 1995. HOFFAMANN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2004. KHISHIMOTO T. M. O jogo, brinquedo, brincadeira e educação. São Paulo, 1996. LEITE FILHO, A.G. Historia da Educação Infantil. DP ET ALII editora, 1 edição, 2011. LOBO, A.S., VEJA, E.H.T. Educação Motora Infantil. Editora EDUCS, 2 edição, 2010. MEDEL, C.R.M.A. Educação Infantil - da construção do ambiente as práticas pedagógicas. Editora Vozes, 1 edição, 2011. LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2011. NOVAIS, G.S. CICILLINI, G. AP. Formação Docente e Práticas Pedagógicas: olhares que se entrelaçam. Editora: Junqueira & Marin, 2010. OSTTTO, L.E. Educação Infantil - saberes e fazeres da formação. Editora Papirus, 1 edição, 2008. PAUSAS, A. U. Aprendizagem da leitura e da escrita a partir de uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2004. PERRENOUD, Philippe. A pedagogia na escola das diferenças: fragmentos de uma sociologia do fracasso. Porto Alegre: Artmed, 2000. SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. São Paulo, Contexto, 2003. SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Porto Alegra, Artes Médicas. TEBEROSKY, Ana. Aprendendo a Escrever. Perspectivas psicológicas e implicações educacionais. Ed. Ática, 1999. TOLCHINSKY, L. Processos de Aprendizagem e Formação Docente em condições de extrema diversidade. Editora: Artmed, 2004. TOLCHINSKY, Liliana. Aprendizagem da linguagem escrita - processos evolutivos e implicações didáticas. São Paulo, Ática, 1995. VASCONCELLOS, C. dos S. Avaliação da aprendizagem: práticas de mudança. Editora: Libertad, 2008. ZABALZA, Miguel A. Qualidade na Educação Infantil - Porto Alegre: Artmed. 1998. ZORTEA, A.M. Inclusão na Educação Infantil - as crianças nos (des)encontros com seus pares. Redes Editora, 2011. Referencial Curricular Nacional de Educação Infantil, Volume: I, II e III; Brasília: MEC/SEF/DPE/COEDI/1998.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I e PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I AUXILIAR

Reflexões sobre alfabetização; Concepções de linguagem e escrita; Origem da escrita e sua apropriação pela criança; As relações entre ensino e aprendizagem na sala de aula; A metodologia nas áreas do conhecimento; A língua escrita numa perspectiva construtivista; A leitura infantil; A criança enquanto ser em transformação; A criança, a família e a escola; Acolhimento das diferentes culturas, valores e crenças; Estabelecimento de canais de comunicação; Inclusão da família no trabalho educativo; O construtivismo nas diversas áreas do conhecimento.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: 1ª. a 4ª. Séries do Ensino Fundamental - volumes: do 1 ao 10.2. Brasília; MEC, 1997 BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - volumes 1, 2 e 3. Brasília; MEC, 1998. BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil - volumes 1 e 2. Brasília; MEC, 2006. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos: orientações para o trabalho com a linguagem escrita em turmas de crianças de seis anos de idade. Belo Horizonte: UFMG/FAE/CEALE, 2009. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Departamento de Educação Infantil e Ensino Fundamental. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: FNDE, Estação Gráfica, 2006.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL e PROFESSOR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - AUXILIAR

Educação especial: conceito em evolução; Educação especial: tendências atuais; Inclusão e escola inclusiva; A educação de pessoas com necessidades educacionais especiais: legislação, recomendações, referenciais e currículo; Desafios para a educação especial frente aos novos paradigmas; A Sociedade, a escola e a família da criança com necessidades educacionais especiais.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: adaptações curriculares - estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília: MEC/SEF/SEESP, 1999. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Secretaria de Educação Especial. Referencial Curricular nacional para a Educação Infantil. Brasília, MEC/SEF/SEESP, 2001. BRASILIA, MEC, SEESP. Saberes e prática da inclusão: recomendações para a construção de escolas inclusivas; Brasília, MEC, SEESP, 2005. BRASILIA, Saberes e prática da inclusão: dificuldades de comunicação e sinalização: surdez; educação infantil. Brasília: MEC, SEESP, 2005. BRASILIA. Saberes e prática da inclusão: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP, 2005. MAZZOTTA, Marcos José da Silveira. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Editora Cortez, 1996. STAINBACK, Susan e William Stainback. Inclusão: um guia para educadores; trad. Magda França Lopes. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999. CARVALHO, Rosita E. Removendo barreiras para a aprendizagem. Porto Alegre: Editora Mediação, 2000. CAPOVILLA, G. S. e CAPOVILLA, F. C. Alfabetização: método fônico. São Paulo: Memnom, 2002. BUENO, J.G.S. A produção social da identidade do anormal. In: Freitas, M.C. (org). História da Infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2001. p. 163-186 JANNUZZI, G. A política e os espaços para a criança excepcional. In Freitas, M.C. (org). História da Infância no brasil. São Paulo: Cortez, 2001.p.187 - 228 AMARAL, L.A. Sobre crocodilos e avestruzes: falando de diferenças físicas, preconceitos e sua superação. In AQUINO, Júlio Groppa. Diferenças e Preconceitos. São Paulo: Summus, 1998. p. 11-30. REGO, T. C. R. Educação, cultura e desenvolvimento: o que pensam os professores sobre as diferenças individuais. In AQUINO, Júlio Groppa. Diferenças e Preconceitos. São Paulo: Summus, 1998. p. 49-71 BRUNO, Marilda M.G. Deficiência Visual. São Paulo, Laramara, 1997. SUPERDOTADOS, Associação Brasileira de. Altas habilidades superdotação e talento: manual de orientação para pais e professores. Porto Alegre: ABSD, RS, 2000. PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA II - PORTUGUÊS Aprendizagem da Língua Portuguesa: Aprendizagem da Gramática Normativa; Estrutura, uso e funções da língua materna. Linguagem e texto: Uso, funções e análise; Língua oral e língua escrita; Variações linguísticas; Norma padrão; Tipologia textual. Gênero Textual Intertextualidade; Coesão e coerência textuais; Norma linguística e o texto; Leitura e produção de textos. Literatura: História literária; Teoria da literatura; A literatura infantil e juvenil na escola.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF. Volume Língua Portuguesa, 1998. CHIAPPINI, Lígia, CITELLI, Adilson (coord). Aprender e ensinar com textos não escolares. São Paulo: Cortez, 1997. CHIAPPINI, Lígia, NAGAMINE, Helena, MICHELETTI, Guaraciaba (coord). Aprender e Ensinar com Textos Didáticos e Paradidáticos. São Paulo: Cortez, 1997. GERALDI, J. W. e CITELLI, P. Aprendendo a escrever com textos dos alunos. São Paulo: Cortez, 1997. GNERRE, M. Escrita linguagem e poder. São Paulo: Martins Fontes, 1983. ILARI, Rodolfo; GERALDI, J. W. Semântica. São Paulo: Ática, 1985. KAUFMAN, A. M.; RODRIGUEZ, M. H. Escola, leitura e produção de textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. KHÉDE, Sônia Salomão (org). Literatura infanto-juvenil: um gênero polêmico. Petrópolis: Vozes, 1983. KLEIMAN, A. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes, 1993. ______ . Oficina de leitura: teoria e prática. Campinas: Pontes, 2000. KOCH, Ingedore G. Vilaça; TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. São Paulo: Contexto, 1990. KOCH, Ingedore G. Vilaça. A coesão textual. São Paulo: Contexto, 1997. MOISÉS, Massaud. Literatura brasileira: das origens aos nossos dias. São Paulo: Cultrix, 1995. EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 1990. COUTINHO, A. A literatura no Brasil. São Paulo: Global, 1997. BOSI. Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: CULTRIX, 1983. ROCHA LIMA, Carlos Henrique. Gramática Normativa da Língua Portuguesa, 26ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1985. CUNHA, C. e CINTRA L. Nova Gramática do Português. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. FIORIN, J. L. e SAVIOLI, F. P. Para entender o texto - Leitura e redação. 16ª ed. São Paulo: Ática, 2003. BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 5. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010. COLOMER, Teresa; CAMPS, Anna. Ensinar a ler, ensinar a compreender. Porto Alegre: Artmed, 2002. KOCH, Ingedore G. Villaça. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 2008. MARCUSCHI, Luiz Antônio: da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2007.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA II - INGLÊS

English Language and Communicative Skills; Phonology, Syntax and Morphology; Language as discourse Comprehension Skills: Reading Literature English and American Literature: Historical Background Remarkable writers in English and American Literature Theory and Teaching Practice Foreign Language Teaching Methods in the 20th Century The Communicative Approach Setting and Restricting Objectives Integrating the four Skills - cultural Dimension of Foreign Language Teaching Materials evaluation Language Assessment

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1997.120p. CELANI, M. A. A. Ensino de Segunda Língua: redescobrindo as origens. São Paulo: EDUC, 1997. CELCE-MURCIA, M. e LARSEN-FREEMAN, D. The grammar book: an ESLIEFL Teacher´s course. Heinle e Heinle, 1983. CELCE-MURCIA, M. e McINTOSH, L. Teaching English as a second or foreign Language. Newbury House Publishers: Heinle e Heinle, 1983. GENESEE, F.; UPSHUR, F. Classroom: based Evaluation in Second Language Education. Cambridge University Press, 1996 GOWER, R. Past into Present: an anthology of British and American literature. Longman, 1990. GRANT, L. Weel said. Heinle e Heinle, 1993. GRELLET, F. Developing Reading Skills. Cambridge University Press, 1981. HIGH, P. An Outline of American Literature. Longman, 1987. MCCARTHY, M.; CARTER, R. Language as Discourse: Perspectives for Language Teachers, 1994. NUNAN, D. Designing Tasks for the Communicative Classroom. Cambridge: University Press, 1989. OXFORD, R. Language learning strategies: what every teacher should know. Newbury House, 1990. RICHARD-AMATO, P. Making it happen. Longman, 1996. RICHARDS, J.C. Approaches and Methods in Language Teaching: a description and analysis. Cambridge University Press, 1986. STEVICH, E. W. Working with teaching methods: what´s at stake? Heinle e Heinle, 1998. UNDERHILL, A. Sound Foundations. Heinemann, 1994. UR, P. A course in language teaching: practice and theory. Cambridge University Press, 1996. WIDDOWSON, H. G. Teaching Language as Communication. Oxford University Press, 1978. WIDDOWSON, H. G. O ensino de línguas para a comunicação. São Paulo: Editora Papirus. 1991.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA II - MATEMÁTICA

Conjunto dos números reais.

Variação de grandezas. Função polinominal do 1º grau. Função polinominal do 2º grau. Função modular. Função Exponencial. Função logarítmica. Funções trigonométricas. Sistemas lineares. Matrizes. Determinantes. Estudo dos sistemas lineares. Polinômios. Equações polinominais. Números Complexos. Poliedros. Corpos Redondos. Planos. Paralelismo. Perpendicularismo. Projeções. Distâncias. Ângulos. Triângulos. Polígonos. Circunferência. Construções geométricas elementares. Isometrias (reflexões em retas, translações, e rotações) e homotetias. Congruência e semelhança. Sistema de coordenadas cartesianas. Coordenadas polares. Distâncias entre dois pontos. Ponto médio de um segmento. Alinhamento de três pontos. Coeficiente angular de uma reta. Equações da reta (geral, segmentaria, reduzida). Posições relativas entre retas. Distância de ponto à reta. Pontos notáveis do triângulo. Equação da circunferência. Noções básicas de estatística. Organização da informação. Medidas de tendência central e de dispersão. Distribuição normal. Análise combinatória. Binômio de Newton. Eventos mutuamente exclusivos, complementares e independentes. Probabilidade condicional. Noções básicas de Matemática Financeira. Progressões Aritméticas e Geométricas. O ensino da Matemática no Ensino Fundamental. As atuais propostas curriculares de matemática para o ensino Fundamental. Objetivos do ensino de Matemática e critérios de seleção de conteúdos. Uso da sala-ambiente e de recursos no processo de ensino-aprendizagem de matemática: (livros, calculadora, vídeo, computador, jornal, revistas, jogos, outros materiais). Alguns caminhos para "fazer Matemática" na sala de aula. O recurso à resolução de problemas. O recurso à história da Matemática.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental: matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.148p. BUSSAB, Wilson e MORETIN, Pedro. Estatística Básica. Editora Saraiva, 2002. D´ AMBRÓSIO, U. Da Realidade à ação: reflexões sobre Educação Matemática. UNICAMP, Campinas, 1986. DANTE, L.R. Didática da resolução de problemas. São Paulo: Ática, 1989. DAVIS, P.J. e HERSH, R. O sonho de Descartes. Trad. Mário C. Moura. Livraria Francisco Alves, Rio de Janeiro, 1988. IEZZI, Gelson e outros. Coleção Fundamentos de Matemática Elementar. São Paulo: Atual, 1997. Volumes 1, 5, 9 e 10. LEDERGERBER-RUOFF, E.B. Isometria e ornamentos no Plano Euclidiano. São Paulo: Atual Editora, 1982. PARRA, Cecília. A didática da matemática Reflexões Psicopedagogicas; Editora: ARTMED, 2001. SMOLE, Kátia Stocco - Jogos de matemática - 6º ao 9º ano - Editora: Artmed, 1ª edição - 2006. WAGNER, R.Eduardo. Construções geométricas. IMPA/VITAE, 1993. BOYER, Carl B. História da matemática. 3. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2010. DEVLIN, Keith. O gene da matemática: o talento para lidar com números e a evolução do pensamento matemático. Rio de Janeiro: Record, 2004. EVES, Howard. Introdução à história da Matemática. Campinas: UNICAMP, 2004.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA - CIÊNCIAS

Teorias científicas sobre a origem e evolução da vida na Terra. Caracterização do planeta Terra e do sistema solar. Caracterização dos elementos que compõem os ecossistemas. Ecossistemas brasileiros. Água e meio ambiente. Fontes de energia no ambiente. Desequilíbrios ambientais. Transformações físicas e químicas da matéria. Organização funcional dos seres vivos. Interação dos seres vivos entre si e com o meio ambiente. Relações entre seres humanos e meio ambiente. Desenvolvimento humano no período pós-natal. Condições para o desenvolvimento e preservação da saúde na alimentação, higiene ambiental e higiene corporal. Reprodução humana. Doenças sexualmente transmissíveis. Qualidade de vida no mundo atual. Saúde do Brasileiro. O ensino de ciências no Ensino Fundamental: - Desenvolvimento histórico e social das ciências e suas implicações para o ensino. - Relações entre ciência, tecnologia, sociedade e educação. - Metodologia do Ensino de ciências. - Critérios para seleção dos conteúdos de ensino. - Planejamento de atividades de ensino. - Critérios para análise e seleção de livros didáticos e outros recursos. - Procedimentos didáticos adequados.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental: ciências naturais. Brasília: MEC/SEF, 1997.138p. ALBERTS, Bruce. Fundamentos de Biologia Celular. Artmed. 1999. BUCHER, R. Drogas e drogadição no Brasil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. CARVALHO, Anna Maria Pessoa; GIL-PÉREZ, Daniel. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1995. CURTIS, Helena. Biologia. Tradução Heni Sauaia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1977. DALLARI, Sueli. G. A saúde do Brasileiro. São Paulo Ed. Moderna. 1987. FERRI, M. G.; MOTOYAMA, S. História das ciências no Brasil. São Paulo: EPU/EDUSP/CNPQ. 1980. FRACALANZA, H., AMARAL, I, GOUVEIA, M. O ensino de Ciências no 1º grau. São Paulo: Atual, 1997. HENNIG, G. J. Metodologia do ensino de ciências. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1994. LEINZ, Vitor, AMARAL, Sérgio E. Geologia Geral. São Paulo: Ed. Nacional, 1995. MATSUURA, Oscar T. Atlas do Universo. São Paulo, Scipione, 1996. NEIMAN, Zysman. Era verde: ecossistemas brasileiros ameaçados. São Paulo: Atual 1989. OLIVEIRA, Daisy L. (org). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre. Mediação, 1997. PENTEADO, Heloísa D. Penteado. Meio ambiente e formação de professores. São Paulo: Cortez, 1994. RAVEN, Peter H. Biologia Vegetal. 6ª edição. Guanabara Koogan. 2001. RICKLEFS, Robert E. A Economia da Natureza. 5ª edição. Guanabara Koogan. 2003. RONAN, Colin A. História ilustrada da ciência. Tradução Jorge Rnéas Fortes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1987. v 3, 4. WEISSMANN, H. (org.). A didática das Ciências Naturais: contribuições e reflexões. Porto Alegre: Artmed, 1998.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA II - HISTÓRIA

Análise das questões étnicas e raciais no mundo atual, considerando as diversidades étnicas culturais do mundo contemporâneo. Reflexões sobre os atuais desafios das sociedades humanas com relação à natureza, à posse e à produção da terra, os movimentos sociais urbanos e os do campo, as relações com o poder entre o homem comum e o homem público. Apreciar conhecimentos sobre as atuais tendências do Ensino Aprendizagem da História. - Análise das questões étnicas e raciais no mundo atual, considerando as diversidades étnicas culturais do mundo contemporâneo. - Reflexões sobre os atuais desafios das sociedades humanas com relação à natureza, à posse e à produção da terra, os movimentos sociais urbanos e os do campo, as relações com o poder entre o homem comum e o homem público. - Apreciar conhecimentos sobre as atuais tendências do Ensino Aprendizagem da História. História da África - O Retrato físico do continente - A variedades de povos - Sociedades Africanas e as formas de organização - Comércio de escravos e a escravidão - Os africanos e seus descendentes no Brasil: O escravismo colonial: As relações africanas entre si e com os crioulos, a relação com os senhores, as resistência com a escravidão. Novas identidades: Os laços entre parentes e companheiros de trabalho, as religiões africanas no Brasil e o catolicismo negro. O negro na sociedade brasileira contemporâneo O fim da escravidão e do contato com a África A mestiçagem Manifestações culturais afro-brasileiras O caminho em direção a igualdade A África depois do tráfico de escravos O fim do tráfico de escravos A ocupação colonial Imperialismo: A partilha da África O século XX para os africanos

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

BITTENCOURT, Circe (org) - O saber histórico na sala de aula. São Paulo. Contexto, 1997 BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental - Parâmetros Curriculares Nacionais. Secretaria de Educação. Fundamental. Brasília - MEC - SEF, l997, volume 5. FREYRE, Gilberto - Casa Grande e Senzala, Editora Record, 1992. HOBSBAWM, Eric - A Era dos Extremos - O breve século XX (1914 a 1991). Trad. Marcos Santarrita, 2 ed.São Paulo: Companhia das Letras 1995.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA II - GEOGRAFIA

Produção, dinâmica e organização do espaço geográfico. A interação espaço-temporal de elementos e fenômenos naturais. As relações sociedade e natureza: paisagens, territórios, regiões e lugares. A geografia das redes: a circulação, o comércio e o transporte. A sustentabilidade e a apropriação dos recursos naturais, culturais e tecnológicos. População, dinâmica e condições de vida. Recursos naturais, meio ambiente e sociedade. Produção, dinâmica e organização do espaço geográfico em escala mundial. Produção, dinâmica e organização do espaço geográfico brasileiro. Representação do espaço geográfico.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

AB' Saber, Aziz. Os domínios da natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial 2003. ALMEIDA, Rosangela Doin. Do desenho ao mapa: iniciação cartográfica na escola. São Paulo: Contexto, 2001. ANDRADE, Manuel C. Caminhos e descaminhos da Geografia. Campinas: Papirus, 1989. BRASIL, Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais - terceiro e quarto ciclo do Ensino Fundamental de Geografia - Brasília MEC/SEF 1997. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Novos Caminhos da Geografia. São Paulo - Contexto-1999. ---- Geografia na Sala de Aula. São Paulo - Contexto 1999. CAVALCANTI, Lana. Geografia Escolar e proc. De ensino numa perspectiva sócio­construtivista, Ciência geográfica, Bauru, S. P. Volume II, nº 16, 2000. FURLAN, Sueli Ângelo; NUCCI, João Carlos. A conservação das florestas tropicais. São Paulo - Atual 1999. JUNQUEIRA, Silas Martins. Trocando Idéias: Geografia- Ensino fundamental, Scipione, 2004. ROSS, Jurandyr L.Sanches Geografia do Brasil - Edusp, 19 SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção, São Paulo - Edusp, 2002. ---- Novos rumos da geografia brasileira. São Paulo - Hucitec, 1982. SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Matrizes de referência para a avaliação Saresp: documento básico/Secretaria daEducação; coordenação geral, Maria Inês Fini. - São Paulo: SEE, 2009.174 p. v. 1. VESENTINI, José Wiliam. Novas geopolíticas. São Paulo, Contexto, 2000. ---- Ensino de Geografia no século XXI. São Paulo, Papirus - 2005.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA II - ARTE

Teorias e concepções da arte: pensamento antigo e pós-moderno. As dimensões da arte e suas principais articulares. Elementos básicos das composições artísticas (coreográficas, teatrais, musicais, visuais, audiovisuais) e suas gramáticas articuladoras. Das origens da dança, do teatro, da música e das artes visuais à contemporaneidade. Características, produções e produtores dos principais períodos, escolas, movimentos e tendências no Brasil e no Mundo. O ensino de educação artística no ensino fundamental. O conhecimento arte no currículo escolar: razões e finalidades. A metodologia do ensino de arte. O desenvolvimento expressivo nas diferentes áreas artísticas e suas relações com o desenvolvimento biológico, afetivo, cognitivo e sociocultural do ser humano. As diferentes linguagens artísticas e a educação.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

ARGAN, Giulio C. Arte Moderna: do Iluminismo aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Cia das letras, 1993. ATACK Sally M. Atividades artísticas para deficientes. Ed. Papirus, 1995. BARBOSA, Ana Mãe Tavares Bastos. Inquietações e mudanças no Ens. Arte, São Paulo Cortez, 2007. BERTHOLD, Margot. História Mundial do teatro, São Paulo, Ed. Perspectiva, 2000. BOURCIER, Paul. História da dança no ocidente. / Paul Bourcier; tradução Marina Appenzeller. - 2ª edição - São Paulo: Martins Fontes, 2001 BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental: Arte. Brasília: MEC/SEF, 1997.116p. COLABRESE, Omar. A linguagem da arte. Rio de Janeiro: globo, 2002. COLL César e TEBEROSKY, Ana. Aprendendo Arte Conteúdos essenciais para o ensino Fundamental. ED. Ática, 2000. FARO, Antônio José. Pequena história da dança. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1998. FERRAZ, Maria Heloísa; FUSARI, Maria F. Metodologia do ensino de arte. São Paulo: Cortez, 1993. HERNANDES, Fernando. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. São Paulo: Ed. Artmed, 2000. IAVELBERG, Rosa. Para gostar de aprender arte: sala de aula e a formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003. JEANDOT, Nicole. Explorando o universo da música. São Paulo: Scipione, 1990. PILLAR, Analice D. A educação do olhar no ensino das artes. Ed. Mediação, 1999. SCHAFFER, R. Murray. O ouvido pensante. São Paulo: UNESP, 1991. SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. São Paulo: Perspectiva, 1992. VISCONTI, Márcia e BIAGIONI, Maria Zei. Guia para educação e prática musical nas escolas. Ed. Realização 2002 ZANINI, Walter (org). História Geral da Arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walter Moreira Salles, 1993.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA II - EDUCAÇÃO FÍSICA

A História e a contextualização sócio-política da Educação Física; Esporte na Escola (teoria e prática conscientizadora); A cultura popular, o lazer e a Educação Física escolar na escola de ensino fundamental; Características sócio-afetivas, motoras e cognitivas; Jogos Cooperativos; Procedimentos metodológicos e avaliatórios; Seleção de conteúdos; Tendências Pedagógicas da Educação Física Escolar: Aprendizagem e desenvolvimento motor; Esportes: Conceitos relacionados à Iniciação Esportiva Universal; Jogos, lutas e brincadeiras; Atualidades. Modalidades Esportivas: Basquetebol, Futebol de Campo, Futebol de Salão, Handebol, Tênis de Mesa e Voleibol: Conhecimentos Específicos da Área: Histórico das Modalidades, Regras, Regulamentos, Competições, Sistemas Ofensivos, Sistemas Defensivos.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental: educação física. Brasília. MEC/SEF, 1997. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental: educação física. Brasília. MEC/SEF, 1997. ARRIBAS, T. l. a Educação Física de 3 a 8 anos. Artes Médicas, 2002 BRACHT, Valter. A criança que pratica esporte respeita as regras do jogo... capitalista. In: Oliveira (Org.). Fundamentos Pedagógicos: educação física. Rio de Janeiro: Livro técnico, 1987. BETTI, Mauro. Educação física e sociedade. São Paulo: Movimento, 1991. BROTTO, Fábio Otuzi. Jogos Cooperativos: se o importante é competir, o fundamental é cooperar. São Paulo, Cepeusp, 1995. CASTELLANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil: A história que não se conta. 4 ed. Campinas. Papirus, 1991. COLETIVO DE AUTORES: Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992. DAÓLIO, Jocimar. Da Cultura do Corpo. Campinas: Papirus, 1995. FERREIRA, Vanja. Educação Física - Recreação, Jogos e Desportos - Editora Sprint, Ano 2003. FREIRE, João Batista. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. São Paulo: Scipione, 1989. HUIZINGA, Yohan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 5.ed. São Paulo: Perspectiva / EDUSP, 2001. LE BOULCH, Jean. A educação pelo movimento: a psicocinética na idade escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983. MARCELINO, Nelson Carvalho. Lazer e Educação. Campinas: Papirus, 1990. MEDINA, J.P.S. O brasileiro e o seu corpo: educação e política do corpo. Campinas: Papirus, 1990. PAES, R. R. A pedagogia do esporte e os jogos coletivos in: Rose Junior, D. Esporte Atividade Física na Infância e na Adolescência. Uma abordagem multidisciplinar. Artes Médicas, 2009 POIT, Davi Rodrigues. Organização de Eventos Esportivos - Phorte Editora REGRAS OFICIAIS: Voleibol, Basquetebol, Futebol, Handebol e Futsal. Editora Sprint. Edição atualizada. ROSSETTO JR, Adriano José; COSTA, Caio Martins e D'ANGELO Fábio Luiz. Práticas Pedagógicas Reflexivas em Esporte Educacional: unidade didática como instrumento de ensino - Phorte Editora, Ano 2008. SOARES, C.L. et al. Metodologia de ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1994. STIGGER, M. P. Educação Física Esporte e diversidade. Campinas, Autores Associados, 2005 TANI, Go (et. al). Educação Física Escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. São Paulo: EPU/EDUSP. 1998. VARGAS, Angelo L.S.. Educação Física E O Corpo - A Busca Da Identidade - Editora Sprint.

176600

Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231