Prefeitura de Imbituba (Concurso Público) - SC

PREFEITURA MUNICIPAL DE IMBITUBA

ESTADO DE SANTA CATARINA

CONCURSO PÚBLICO

EDITAL Nº 01/2007

Notícia:   Salários até R$ 3.630,00 em Imbituba - SC

De ordem do Excelentíssimo Senhor Prefeito Municipal de Imbituba, a Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público da Prefeitura Municipal de Imbituba, Santa Catarina, no uso de suas atribuições, conferidas no Decreto PMI 106, de 02 de agosto de 2007, torna público as instruções especiais destinadas à realização do Concurso Público para o preenchimento dos empregos públicos existentes na Prefeitura Municipal de Imbituba, conforme o Edital a seguir:

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1.1. Os empregos públicos objeto do Concurso Público, os valores dos respectivos salários, o número de vagas e a jornada de trabalho são os constantes do Anexo I deste Edital.

1.1.1. A Prefeitura Municipal de Imbituba - SC reserva-se o direito de admitir o número total ou parcial dos candidatos aprovados em relação às vagas quantificadas no Anexo I deste Edital.

1.2. As condições de habilitação, a descrição sintética dos empregos públicos, a definição de conteúdos programáticos, o certame e as demais informações próprias de cada emprego público constarão de instruções específicas, expressas nos Anexos I, II, III e IV do presente Edital.

1.3. No ato da inscrição o candidato deverá registrar, no espaço destinado na ficha de inscrição, a denominação do emprego público almejado e a especialidade à qual se candidatará, com o respectivo código.

1.4. Para efeito do que dispõe o inciso VIII do art. 37 da Constituição da República, bem como o art. 1º, § 2º, da Lei nº 2.899, de 17 de maio de 2006, serão reservados aos candidatos com deficiência, no mínimo, 5% (cinco por cento) do total de vagas oferecidas no concurso.

1.5. Caso a aplicação do percentual de que trata o item 1.4 resulte em número fracionado igual ou superior a 0,5 (cinco décimos), o arredondamento deverá ser para o número inteiro imediatamente superior, com distribuição proporcional às vagas ofertadas.

1.6. Os candidatos aprovados no Concurso Público poderão ser designados para as vagas existentes em qualquer unidade de serviço, de acordo com as necessidades da Prefeitura Municipal de Imbituba.

2. REQUISITOS BÁSICOS PARA INVESTIDURA NO EMPREGO PÚBLICO

2.1. Ter nacionalidade brasileira, admitidos estrangeiros na forma da lei.

2.2. Contar com, no mínimo, 18 (dezoito) anos completos até a data da contratação. 2.3. Estar no gozo dos direitos políticos.

2.4. Estar em dia com as obrigações eleitorais.

2.5. Estar em dia com as obrigações militares, para os candidatos do sexo masculino.

2.6. Possuir o nível de escolaridade exigido para o exercício do emprego público, de acordo com o estabelecido no Anexo I do presente Edital, na data da contratação.

2.7. Ter aptidão física e mental para o exercício das atribuições do emprego público.

2.8. Apresentar declaração firmada pelo interessado na qual conste não haver sofrido condenação definitiva por crime doloso ou contravenção, nem penalidade disciplinar de demissão a bem do serviço público no exercício de função pública qualquer, e ainda declaração do respectivo Conselho de Classe, quando for o caso, de não possuir nenhum impedimento para o exercício da atividade profissional.

2.9. Apresentar, quando se tratar de profissão regulamentada, no ato da posse, o competente registro de inscrição no respectivo órgão fiscalizador.

2.10. Declaração de não possuir acúmulo de cargo ou emprego público, exceto aqueles previstos na Lei.

3. VAGAS DESTINADAS AOS CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA

3.1. É considerada pessoa portadora de deficiência a que se enquadra nas categorias descritas no art. 4º do Decreto Federal no 3.298, de 20 de dezembro de 1999.

3.2. Ao candidato abrangido pelo Decreto Federal no 3.298, de 20 de dezembro de 1999, é assegurado o direito de inscrever-se na condição de portador de deficiência, desde que declare essa condição no ato da inscrição e a deficiência de que é portador não seja incompatível com as atribuições do emprego público ao qual concorre.

3.3. O candidato portador de deficiência deverá declarar tal condição em local apropriado, na ficha de inscrição.

3.4. Conforme disposto no Decreto Federal no 3.298, de 20 de dezembro de 1999, em seu art. 39, o candidato deverá apresentar no ato de inscrição laudo médico atestando a espécie e o grau ou nível da deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doença - CID, bem como a provável causa da deficiência.

3.5. O candidato que tenha declarado sua deficiência será encaminhado, antes da homologação da inscrição, em data a ser previamente divulgada, a uma junta oficial para avaliação da compatibilidade da deficiência com o emprego público a que concorre, sendo lícito à Administração programar a realização de quaisquer outros procedimentos prévios, se a junta de especialistas assim o requerer, para a elaboração de seu laudo.

3.6. A junta oficial será composta conforme disposto no Decreto Federal no 3.298, de 20 de dezembro de 1999.

3.7. Compete à junta oficial, além da emissão do laudo, declarar, conforme a deficiência do candidato, se este deve ou não usufruir do benefício previsto no item 1.4, concorrendo somente à totalidade das vagas.

3.8. A avaliação em questão será realizada sem ônus para o candidato, garantido recurso em caso de decisão denegatória, na forma estabelecida no item 7 deste Edital.

3.9. Os portadores de deficiência somente poderão disputar empregos públicos cujas atividades sejam compatíveis com a deficiência de que são portadores.

3.10. Caso a deficiência do candidato seja avaliada pela junta oficial como incompatível com o emprego público para o qual se inscreveu, o candidato poderá inscrever-se, em reserva de vaga ou não, para outro emprego público compatível com sua deficiência. Caso não haja essa possibilidade, o candidato receberá de volta o valor pago a título de inscrição.

3.11. A não-observância do disposto nos itens anteriores acarretará a perda do direito ao pleito das vagas reservadas aos candidatos em tais condições.

3.12. Os portadores de deficiência participarão do Concurso em igualdade de condições com os demais candidatos.

3.13. O candidato portador de deficiência que necessitar de tratamento diferenciado no dia das provas do Concurso deverá especificá-lo na ficha de inscrição, indicando as condições diferenciadas de que necessita para a realização das provas, como, por exemplo, prova em braile ou com letra ampliada.

3.14. A não-solicitação de recursos especiais, tempestivamente, conforme disposto no subitem 3.13, implica a sua não-concessão no dia da realização das provas.

3.15. A realização das provas por estes candidatos, em condições especiais, ficará condicionada à possibilidade de fazê-las de forma que não importe quebra de sigilo ou não enseje seu favorecimento.

3.16. O candidato que, no ato de inscrição, se declarar portador de deficiência, se aprovado no Concurso, além de figurar na lista geral de classificação, terá seu nome publicado em relação à parte, observada a respectiva ordem de classificação.

3.17. As vagas que vierem a surgir durante o prazo de validade do concurso, que não forem providas nos termos do item 3 deste edital, por falta de candidatos com deficiência aprovados, serão preenchidas pelos demais candidatos, observada a ordem geral de classificação.

4. INSCRIÇÃO NO CONCURSO

4.1. Período: de 11 de setembro de 2007 a 28 de setembro de 2007, pela Internet, através do site (www.ibam-concursos.org.br) ou presencialmente no local definido neste Edital.

4.1.1. Valores de inscrição

EMPREGO / ESCOLARIDADE

VALOR

Empregos de Nível Superior

R$ 90,00

Empregos de Nível Médio

R$ 50,00

Empregos de Nível Fundamental Completo

R$ 30,00

Empregos de Nível Fundamental Incompleto (4ª série completa)

R$ 30,00

4.1.2. O depósito deverá ser feito em espécie, não sendo aceitos pagamentos de inscrição com cheques.

4.2. Os candidatos deverão seguir os seguintes procedimentos para inscrição: a) Para os candidatos que optarem pela inscrição presencial.

Horário: de 9h às 17h.

Local: Prédio da antiga ICC

Rua Manoel Florentino Machado, 568

Centro - IMBITUBA - SC

4.3. Os pedidos de inscrição obedecerão aos seguintes procedimentos:

a) Recolher, através de depósito bancário, nas agências do Banco Bradesco a quantia especificada no item 4.1.1.

- Banco Bradesco S/A -IBAM - Concursos, conta corrente nº 4364-8 agência: 3369-3.

b) Dirigir-se ao posto de atendimento definido no item 4.2, portando o comprovante de depósito bancário.

c) Efetuar o preenchimento, sem emendas ou rasuras e de forma legível, da ficha de inscrição, na qual o candidato se compromete a apresentar, em época própria, os documentos comprobatórios dos requisitos exigidos para a investidura no emprego previstos no item 2 deste Edital.

d) Apresentar documento de identidade sempre oficial, original e com fotografia, que será devolvido aos candidatos após as devidas anotações na ficha correspondente. Serão considerados documentos de identidade: Cédula Oficial de Identidade (RG); Carteira expedida por Órgão ou Conselho de Classe (CREA, CRA e outros); Carteira de Trabalho e Previdência Social; Certificado de Reservista; Carteira de Motorista com foto e Passaporte.

4.4. Cumpridas as exigências do subitem 4.3, o candidato receberá o seu cartão de confirmação de inscrição através de envio postal.

4.5. O candidato, no ato do recebimento do cartão de confirmação de inscrição, se responsabilizará pela conferência de todos os dados, verificando sua exatidão e solicitando correção, se for o caso, não cabendo aos organizadores qualquer responsabilidade por eventuais erros.

4.6. O candidato que não receber o cartão de confirmação de inscrição até 05 (cinco) dias úteis anteriores à data da prova deverá verificar através do site do IBAM (www.ibam-concursos.org.br) na Área Documentação do Concurso as informações sobre a data da prova, horário e local de realização da mesma ou através do telefone (47) 3041 -6262.

4.6.1. A comunicação pessoal dirigida ao candidato, ainda que extraviada ou por qualquer motivo não recebida, não desobriga o candidato do dever de acompanhar a divulgação das informações sobre a realização da prova.

4.7. Os candidatos impossibilitados de preencher a ficha de inscrição serão auxiliados por pessoa devidamente designada para esse fim, que lerá todos os dados constantes da referida ficha, antes de o candidato formalizar seu pedido de inscrição.

4.8. Será admitida a inscrição por intermédio de procurador, desde que seja apresentado instrumento público ou particular, que lhe confira os poderes específicos necessários, acompanhado de cópia legível do documento de identidade do candidato.

4.9. No caso de instrumento particular não há necessidade de reconhecimento de firma.

4.10. O candidato inscrito por procuração assume total responsabilidade pelas informações prestadas por seu procurador, arcando com as conseqüências de erros no preenchimento do formulário de inscrição e na efetivação da inscrição.

4.11. Não haverá inscrição condicional ou extemporânea nem inscrição por correspondência.

4.12. O candidato será responsável por qualquer erro ou omissão no preenchimento da ficha de inscrição, não sendo permitido pedido de retificação após o encerramento do prazo das inscrições, exceto na situação prevista no item 4.5.

4.13. O valor pago a título de inscrição não será devolvido, salvo na hipótese prevista no subitem 3.10 deste Edital.

b) Para os candidatos que optarem pela inscrição via Internet.

4.14. O candidato deverá acessar o site (www.ibam-concursos.org.br) onde terá acesso ao Edital e seus Anexos, à ficha de inscrição e aos procedimentos necessários à efetivação da inscrição, que estará disponível no período entre 0 (zero) hora do dia 11 de setembro de 2007 e 20:00 (vinte) horas do dia 28 de setembro de 2007.

4.15. O pagamento da inscrição pela Internet deverá ser feito, obrigatoriamente, por meio do Boleto Bancário específico, impresso pelo próprio candidato no momento da inscrição.

4.16. As inscrições efetuadas via Internet somente serão aceitas após o banco confirmar o efetivo pagamento do valor da inscrição. O candidato poderá verificar a aceitação de sua inscrição no endereço eletrônico (www.ibam-concursos.org.br) através da opção Área do Candidato.

4.17. O pagamento do Boleto Bancário deverá ser feito em espécie ou através de Internet Banking, não sendo aceito pagamento em cheque ou mediante agendamentos eletrônicos.

4.18. O pagamento deverá ser efetivado, impreterivelmente, até o último dia previsto para o encerramento das inscrições, até o horário definido no item 4.14, caso contrário não será considerado.

4.19. O candidato é responsável por confirmar se os dados da inscrição pela Internet foram recebidos e se o valor da inscrição foi pago. Se até 3 (três) dias úteis antes da data de realização da prova não estiver confirmada a inscrição, o candidato deverá entrar em contato com o IBAM - Instituto Brasileiro de Administração Municipal, organizador do concurso, no telefone (47) 3041-6262, a fim de verificar a razão da pendência.

4.20. Os candidatos portadores de deficiência que se inscreverem pela Internet deverão enviar, através de Sedex ou AR, o documento mencionado no item 3.4, durante o período de inscrição, para o seguinte endereço:

Prefeitura Municipal de Imbituba
Secretaria Municipal de Administração
Avenida Dr. João Rimsa nº 601 - Centro
Imbituba/SC - Cep.: 88780-000
A/C.: Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público

Ou ainda, entregar os documentos pessoalmente, em envelope fechado, no endereço citado no item 4.2 no período de 11 de setembro à 28 de setembro, contra recibo de entrega.

4.21. É vedada a inscrição condicional e/ou extemporânea, bem como por fax, correio eletrônico ou via postal.

4.22. Não será aceito pedido de isenção do valor da inscrição, seja qual for o motivo alegado.

5. CONCURSO PÚBLICO

5.1. Provas Escritas

5.1.1. As provas escritas objetivas serão eliminatórias, e se constituirão de questões objetivas de múltipla escolha, conforme descrito nos Anexos II e III deste Edital.

5.1.2. Cada prova escrita valerá 100 (cem) pontos.

5.1.3. Nas provas escritas objetivas eliminatórias, serão considerados habilitados os candidatos que obtiverem nota igual ou superior ao limite mínimo estabelecido no Anexo II deste Edital.

5.1.4. O conteúdo das questões variará de acordo com o grau de escolaridade exigido para o preenchimento do emprego público ao qual o candidato concorrer.

5.1.5. Em nenhuma hipótese haverá segunda chamada destas provas.

5.2. Realização das Provas

5.2.1. As provas escritas serão realizadas no dia 11 de novembro de 2007, para todos os empregos públicos, no período matutino, e terão a duração de 03 (três) horas.

5.2.2. O local da realização das provas, além de ser divulgado no site do IBAM (www.ibam-concursos.org.br), constará do cartão de confirmação de inscrição a ser enviado pelo correio - via postal -ou via Internet, conforme o caso, e no Mural de Atos da Prefeitura Municipal de Imbituba.

5.2.3. As provas serão realizadas na cidade de Imbituba - SC, nos locais especificados pela organização do concurso.

5.2.4. Só será permitido o ingresso dos candidatos nos locais de prova até o horário estabelecido no cartão de identificação/confirmação de inscrição.

5.2.5. O candidato que chegar após o horário estabelecido no cartão de identificação/confirmação de inscrição não poderá ingressar no local de prova, ficando, automaticamente, excluído do certame.

5.2.6. Para evitar atrasos, recomenda-se que os candidatos compareçam aos locais de provas pelo menos 30 (trinta) minutos antes do horário previsto para o fechamento dos portões.

5.2.7. O candidato deverá comparecer aos locais de prova munido do cartão de confirmação de inscrição e de documento original de identidade, sempre oficial e com fotografia, e de 2 (duas) canetas esferográficas de tinta azul ou preta.

5.2.8. Serão considerados documentos de identidade: Cédula Oficial de Identidade (RG); Carteira expedida por Órgão ou Conselho de Classe (CREA, CRA e outros); Carteira de Trabalho e Previdência Social; Certificado de Reservista; Carteira de Motorista com foto e Passaporte.

5.2.9. O candidato não poderá levar para o local de realização da prova qualquer aparelho eletrônico. O porte e/ou uso de bip, telefone celular, walkman, receptor/transmissor, gravador, agenda eletrônica, note book, calculadora, palm-top, relógio digital com receptor, entre outros, incorrerá na exclusão do candidato do concurso, podendo a organização do certame vetar o ingresso do candidato com outros aparelhos, além dos acima citados.

5.2.10. Nos locais de prova poderá haver rastreamento eletrônico de sinais.

5.2.11. Caso o candidato não possa apresentar nenhum dos documentos de identidade relacionados no subitem 5.2.8, no dia de realização da prova, por motivo de perda, furto ou roubo de todos eles, deverá ser apresentado documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial, expedido há, no máximo, 30 (trinta) dias.

5.2.12. Os candidatos só poderão sair do local de realização da prova após 1 (uma) hora do início da mesma, podendo levar o caderno de provas.

5.2.13. Os 03 (três) últimos candidatos a terminar as provas só poderão deixar o local juntos.

5.2.14. A Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público poderá, justificadamente, alterar as normas previstas no item 5 e seus desdobramentos, desde que com a finalidade de preservar o bom andamento do Concurso.

5.2.15. Constatando-se, durante a realização da prova, qualquer erro ou equívoco relacionado às questões, os organizadores tomarão a providência cabível, podendo inclusive determinar a anulação da questão ou questões afetadas.

5.2.16. Caberá à entidade organizadora do certame, juntamente com a Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público, decidir sobre ocorrências verificadas durante a realização das provas.

5.3. Títulos

5.3.1. Serão atribuídos pontos aos títulos a serem apresentados pelos candidatos aos empregos de Professor, que serão adicionados ao total obtido nas demais provas, sendo considerado um título por categoria.

5.3.1.1. a contagem dos pontos referida no item anterior obedecerá aos critérios a seguir:

· Pós-graduação lato sensu: reconhecido pelo MEC - Ministério da Educação, desde que não seja requisito para provimento e guarde relação direta com as atribuições do emprego para o qual o candidato prestará prova, com o mínimo de 360 (trezentos e sessenta) horas/aula, mediante apresentação de cópia autenticada em cartório de certificado de conclusão devidamente registrado: 01 (um) ponto.

· Mestrado: reconhecido pelo MEC - Ministério da Educação, desde que guarde relação direta com as atribuições do emprego para o qual o candidato prestará prova, mediante apresentação de cópia autenticada em cartório de certificado de conclusão e título de Mestre devidamente registrado: 02 (dois) pontos.

· Doutorado: reconhecido pelo MEC - Ministério da Educação, desde que guarde relação direta com as atribuições do emprego para o qual o candidato prestará prova, mediante apresentação de cópia autenticada em cartório de certificado de conclusão e título de Doutor devidamente registrado: 02 (dois) pontos.

5.3.2. Só serão avaliados e pontuados os títulos dos candidatos aos empregos de Professor aprovados nas provas objetivas.

5.3.3. Não haverá desclassificação do candidato pela não apresentação de títulos.

5.3.4. Apresentação de títulos:

5.3.4.1. Para fins de cumprimento dos prazos legais para homologação, os títulos deverão ser enviados para análise, exclusivamente no período de inscrições, para o IBAM Santa Catarina, situado na Rua Pandiá Calógeras nº 272 - sala 513, Jardim Blumenau, Blumenau, Santa Catarina, Cep 89010-350, através de Sedex ou AR.

5.3.4.2. Os títulos deverão ser apresentados em envelope fechado, contendo na sua parte externa o número de inscrição, nome do candidato, o emprego/função para o qual concorre e a descrição dos títulos contidos no envelope.

6. CONTAGEM DE PONTOS

6.1. A contagem de pontos obedecerá aos critérios a seguir:

a) Para os candidatos aos empregos de Professor, o total geral de pontos do candidato será obtido pela soma dos pontos a ele atribuídos em cada uma das provas objetivas, sendo adicionada a esse total a nota obtida com títulos.

b) Para os demais empregos, o total geral de pontos do candidato será obtido pela soma dos pontos a ele atribuídos em cada uma das provas objetivas.

7. RECURSOS E REVISÕES

7.1. Aos candidatos serão assegurados recursos em todas as etapas do Concurso.

7.2. O candidato que se sentir prejudicado em qualquer das etapas do Concurso, poderá interpor recurso, mediante requerimento individual, desde que:

a) seja dirigido ao Presidente da Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público da Prefeitura Municipal de Imbituba e entregue para registro no protocolo geral da Prefeitura Municipal, situada na Av. Dr. João Rimsa, nº 601 - Centro, no horário de 13:00h às 19:00h no prazo máximo de 02 (dois) dias úteis, contados após o ato que motivou a reclamação;

b) constem obrigatoriamente do recurso nome completo do candidato, número da inscrição, emprego público ao qual se candidatou, fundamentação clara e ampla dos motivos, e, no caso de recursos contra questões ou gabaritos, a bibliografia pesquisada. O referido recurso deverá ser devidamente firmado pelo candidato em todas as folhas. c) seja apresentado datilografado ou digitado, devendo ser uma folha para cada questão recorrida, no caso de recursos contra questões, conforme modelo constante do Anexo IV deste Edital.

7.3. Será indeferido, liminarmente, o requerimento que não estiver fundamentado ou for apresentado fora do prazo estabelecido na letra a do item 7.2.

7.4. Os recursos interpostos serão decididos em até 10 (dez) dias úteis pela entidade organizadora do certame, contados, em qualquer caso, da data de seu protocolo.

7.5. Não serão aceitos recursos interpostos por telegrama, via postal, Internet ou outro meio que não seja o especificado neste Edital.

7.6. Se do exame de recursos resultar anulação de questão ou item de questão, a pontuação correspondente será atribuída a todos os candidatos, independentemente de terem recorrido.

7.7. No caso de o gabarito da prova ser fornecido incorretamente por falha de digitação, publicação ou outra, a questão não será anulada, procedendo-se à sua correção e publicação.

7.8. Será dada publicidade às decisões dos recursos.

8. RESULTADO FINAL E CLASSIFICAÇÃO

8.1. Considerar-se-á aprovado o candidato que, submetido às provas, conforme descrito no item 5 do presente Edital, satisfizer todas as condições lá estabelecidas.

8.2. Em caso de igualdade de pontos na classificação, serão adotados, sucessivamente, os seguintes critérios para o desempate dos candidatos:

a) para os empregos de Nível Superior e Nível Médio:

1º) maior no de pontos na prova de Conhecimentos Técnico-profissionais;

2º) maior no de pontos na prova de Legislação;

3º) maior no de pontos na prova de Português.

4º) maior idade.

b) para os empregos de Professor:

1º) maior no de pontos na prova de Conhecimentos Técnico-profissionais;

2º) maior no de pontos na prova de Aspectos Legais da Política Educacional;

3º) maior no de pontos na prova de Português.

4º) maior idade.

c) para os empregos de Nível Fundamental Completo:

1º) maior no de pontos na prova de Conhecimentos Técnico-profissionais;

2º) maior no de pontos na prova de Informática e Cultura Local;

3º) maior no de pontos na prova de Português.

4º) maior idade.

d) para os empregos de Nível Fundamental Incompleto (4ª série completa):

1º) maior no de pontos na prova de Conhecimentos Técnico-profissionais;

2º) maior no de pontos na prova de Matemática;

3º) maior no de pontos na prova de Português.

4º) maior idade.

8.2.1. Quando a igualdade de pontos na classificação envolver, pelo menos, 01 (um) candidato com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, o desempate far-se-á considerando como primeiro critério o mais idoso.

8.3. Apurada a classificação, esta será publicada como resultado final do Concurso, em ordem decrescente das notas, em duas listas, contendo, a primeira, a pontuação de todos os candidatos aprovados, inclusive a dos portadores de deficiência, e, a segunda, somente a pontuação destes últimos.

8.4. Os candidatos aprovados passarão a constituir um cadastro de reserva pelo período de validade do Concurso, cabendo-lhes a responsabilidade de manter atualizado seu endereço para fins de convocação, sob pena de serem considerados desistentes.

8.5. Os gabaritos serão divulgados no 2º dia útil, após a aplicação das provas, nos sites (www.ibam-concursos.org.br) e (www.imbituba.sc.gov.br ) e posteriormente nos meios de comunicação, conforme dispuser a legislação municipal em vigor.

9. DO RESULTADO E DA HOMOLOGAÇÃO

9.1. O resultado preliminar do concurso contendo o desempenho de todos os candidatos inscritos, em ordem alfabética, será publicado em jornal diário de circulação no Município de Imbituba, nos sites (www.ibam-concursos.org.br), através da opção Área do Candidato, e (www.imbituba.sc.gov.br), bem como estarão disponíveis no Mural de Atos da sede da Prefeitura Municipal de Imbituba, situada na Avenida Dr. João Rimsa, nº 601 - Centro.

9.2. Será também publicada, nos endereços acima, uma relação com todos os candidatos classificados e outra contendo apenas os candidatos portadores de deficiência, ambas por emprego público e em ordem de classificação.

9.3. O resultado final do concurso, após decididos todos os recursos interpostos, será homologado pelo Prefeito Municipal e publicado em jornal de circulação diária no Município de Imbituba, nos sites (www.ibam-concursos.org.br), através da opção Área do Candidato, e (www.imbituba.sc.gov.br), bem como estará disponível no Mural de Atos da sede da Prefeitura Municipal de Imbituba, situada na Avenida Dr. João Rimsa, nº 601 - Centro, em duas listas para cada emprego público, contendo, a primeira, a classificação de todos os candidatos inscritos, inclusive os portadores de deficiência, e a segunda somente a classificação desses últimos, ambas em ordem decrescente da nota final obtida.

10. DO PROVIMENTO DOS EMPREGOS PÚBLICOS

10.1. O candidato classificado dentro do número de vagas de cada emprego público oferecido no presente Concurso Público, será investido no emprego público correspondente, no Padrão "A" da respectiva Categoria Funcional, conforme Anexo IV, de que trata o § 1º, do art. 5º da Lei nº 1.144, de 29 de abril de 1991 ou na Referência "1" da respectiva Categoria Funcional, conforme Anexo VII, de que trata o "caput" do art. 16 da Lei Complementar nº 1.984, 16 de dezembro de 1999, observadas as atualizações decorridas.

11. DISPOSIÇÕES GERAIS

11.1. A classificação dos candidatos aprovados será feita em ordem decrescente dos pontos obtidos.

11.2. A homologação do Concurso será feita por ato do Prefeito Municipal de Imbituba, mediante a apresentação das listagens finais dos resultados do certame.

11.3. O Concurso terá validade de 2 (dois) anos, a contar da data da publicação de sua homologação, podendo ser prorrogado, uma vez, por igual período, por ato do Prefeito Municipal de Imbituba.

11.4. Os candidatos aprovados e classificados no Concurso, inclusive os portadores de deficiência, serão convocados para o exame médico realizado pela Comissão Municipal de Médicos Peritos e para a comprovação dos requisitos exigidos nos itens 2.1 a 2.9 do presente Edital, através dos meios de comunicação conforme dispuser a legislação municipal em vigor.

11.4.1. Os exames médicos são eliminatórios, sendo excluídos do Concurso os candidatos que não apresentarem aptidão física e/ou mental para o exercício do emprego público para o qual se inscreveram.

11.5. Os candidatos que não atenderem aos requisitos exigidos neste Edital serão automaticamente eliminados do Concurso em qualquer de suas fases.

11.6. Será excluído do certame, por ato da Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público, o candidato que:

a) faltar a qualquer uma das fases do Concurso;

b) portar-se de maneira inadequada nos locais de realização das provas, de modo a prejudicar o andamento normal do Concurso;

c) for surpreendido, durante a realização das provas, em comunicação com outro candidato;

d) for apanhado em flagrante tentativa de burla, fraude ou falsificação na realização da prova, sem prejuízo do indiciamento cabível;

e) prestar, em qualquer documento, declaração falsa ou inexata;

f) deixar de apresentar qualquer documento comprobatório dos requisitos exigidos neste Edital.

11.7. O presente Concurso objetiva o preenchimento de empregos, sob a égide da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, na forma da Lei nº 1.091, de 27 de junho de 1990.

11.8. A inscrição do candidato implicará o conhecimento do presente Edital, bem como o compromisso tácito de aceitar as condições do Concurso, tais como se acham estabelecidas.

11.9. Não poderão inscrever-se pessoas que possuam qualquer vínculo com o IBAM, instituição organizadora deste Concurso, bem como seus ascendentes, descendentes ou colaterais.

11.10. A aprovação em concurso público não gera direito à contratação, a qual se dará, a exclusivo critério da Prefeitura Municipal de Imbituba, dentro do prazo de validade do Concurso em conformidade ao número de vagas constantes do Anexo I deste Edital, respeitada a ordem de classificação.

11.11. É de inteira responsabilidade do candidato, acompanhar pelos jornais ou qualquer outro meio de divulgação definido pela Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público a publicação de todos os atos e editais relativos ao Concurso, inclusive alterações que por ventura ocorram durante o certame.

11.12. O candidato deverá manter atualizado seu endereço, junto ao IBAM, enquanto estiver participando do Concurso, e junto ao Departamento de Recursos Humanos da Prefeitura Municipal de Imbituba, após a homologação do resultado do Concurso, sendo de inteira responsabilidade do candidato os prejuízos decorrentes da não-atualização desta informação.

11.13. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Especial de Concurso Público e Processo Seletivo Público, competente também para julgar, em decisão irrecorrível, quaisquer que sejam os recursos interpostos pelos candidatos.

11.14. São partes integrantes deste Edital os Anexos I, II, III e IV que o acompanham.

11.15. O presente Edital estará disponibilizado no Mural de Atos da Prefeitura Municipal de Imbituba, bem como no site do IBAM, (www.ibam-concursos.org.br) e no site da Prefeitura Municipal de Imbituba (www.imbituba.sc.gov.br).

12. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

12.1. Não serão fornecidas por telefone ou por e-mail informações quanto à data, locais e horários de realização das provas.

12.2. A inscrição do candidato implicará o conhecimento e a tácita aceitação das condições estabelecidas neste Edital, bem como em eventuais aditamentos e instruções específicas para a realização do concurso público, acerca das quais não poderá alegar desconhecimento.

Prefeitura Municipal de Imbituba, 04 de setembro de 2007.

Antônio Linhares Maurício Mazzoca Pires
Presidente Secretário

Adriana de Souza Miguel
Membro

George Willian dos Santos
Membro

Valdete de Souza Pires
Membro

C
Ó
D
I
G
O

EMPREGO

REQUISITOS (ESCOLARIDADE / FORMAÇÃO)

TOTAL DE VAGAS

Vagas, em relação ao total de cada emprego, reservadas aos portadores de necessidades especiais - Lei Municipal n° 2.899/06

JORNADA DE TRABALHO (HORAS SEMANAIS)

SALÁRIO - BASE

NÍVEL SUPERIOR

001

ADMINISTRADO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Administração e registro no respectivo órgão de classe.

02

-

40h

1.036,16

002

ADVOGADO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Direito e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

40h

1.036,16

003

ANALISTA DE INFORMÁTICA

Diploma de conclusão de Curso Superior em Ciências da Computação ou Sistemas de Informação ou Analista de Sistemas.

02

-

40h

1.036,16

004

ARQUITETO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Arquitetura e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

40h

1.036,16

005

ARQUIVISTA

Diploma de conclusão de Curso Superior em Arquivologia e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

40h

1.036,16

006

ASSISTENTE SOCIAL

Diploma de conclusão de Curso Superior em Serviço Social e registro no respectivo órgão de classe.

03

-

40h

1.036,16

007

AUDITOR FISCAL

Diploma de conclusão de Curso Superior em Administração, Direito, Economia ou Ciências Contábeis e registro no respectivo órgão de classe.

04

-

40h

1.036,16

008

BIBLIOTECÁRIO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Biblioteconomia e registro no respectivo órgão de classe.

02

-

40h

1.036,16

009

CONTADO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Ciências Contábeis e registro no respectivo órgão de classe.

03

-

40h

1.036,16

010

ENFERMEIRO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Enfermagem e registro no respectivo órgão de classe.

02

-

20h

518,08

011

ENGENHEIRO AGRIMENSOR

Diploma de conclusão de Curso Superior em Engenharia de Agrimensura e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

40h

1.036,16

012

ENGENHEIRO CIVI

Diploma de conclusão de Curso Superior em Engenharia Civil e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

40h

1.036,16

013

FARMACÊUTICO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Farmácia e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

20h

518,08

014

FONOAUDIÓLOGO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Fonoaudiologia e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

20h

518,08

015

MÉDICO CARDIOLOGISTA

Diploma de conclusão de Curso Superior em Medicina com Especialização em Cardiologia e registro no CRM.

01

-

20h

518,08

016

MÉDICO GINECOLOGISTA

Diploma de conclusão de Curso Superior em Medicina e Especialização em Ginecologia e registro no CRM.

01

-

20h

518,08

017

MÉDICO OFTALMOLOGISTA

Diploma de conclusão de Curso Superior em Medicina e Especialização em Oftalmologia e registro no CRM.

01

-

20h

518,08

018

MÉDICO ORTOPEDISTA / TRAUMATOLOGISTA

Diploma de conclusão de Curso Superior em Medicina e Especialização em Ortopedia e Traumatologia e registro no CRM.

01

-

20h

518,08

019

MÉDICO VETERINÁRIO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Medicina Veterinária e registro no CRM.

01

-

20h

518,08

020

PSICÓLOGO

Diploma de conclusão de Curso Superior em Psicologia e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

40h

1.036,16

MAGISTÉRIO

021

PROFESSOR (II) - ARTES

Diploma de conclusão de Curso Superior com Licenciatura Plena em Artes.

02

-

40h

707,04

022

PROFESSOR (II) - CIÊNCIAS

Diploma de conclusão de Curso Superior com Licenciatura Plena em Ciências.

01

-

20h

353,38

023

PROFESSOR (II) - EDUCAÇÃO FÍSICA

Diploma de conclusão de Curso Superior com Licenciatura Plena em Educação Física.

05

01

40h

707,04

024

PROFESSOR (II) - GEOGRAFIA

Diploma de conclusão de Curso Superior com Licenciatura Plena em Geografia.

02

-

40h

707,04

025

PROFESSOR (II) - INGLÊS

Diploma de conclusão de Curso Superior com Licenciatura Plena em Letras.

01

-

40h

707,04

026

PROFESSOR (II) - MATEMÁTICA

Diploma de conclusão de Curso Superior com Licenciatura Plena em Matemática.

01

-

20h

353,38

NÍVEL MÉDIO

027

AGENTE ADMINISTRATIVO

Diploma de conclusão do Ensino Médio.

14

01

40h

530,29

028

FISCAL AMBIENTA

Diploma de conclusão do Ensino Médio.

01

-

40h

530,29

029

FISCAL DE OBRAS E POSTURAS

Diploma de conclusão do Ensino Médio completo.

02

-

40h

530,29

030

FISCAL DE TRANSPORTE

Diploma de conclusão do Ensino Médio.

02

-

40h

530,29

031

TÉCNICO AGRÍCOLA

Diploma de conclusão de Curso Técnico de Nível Médio específico para a área de atuação e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

40h

648,12

032

TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Diploma de conclusão de Curso Técnico de Nível Médio específico para a área de atuação e registro no respectivo órgão de classe.

02

-

40h

648,12

033

TÉCNICO EM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

Diploma de conclusão de Curso Técnico de Nível Médio específico para a área de atuação e registro no respectivo órgão de classe.

01

-

40h

648,12

034

TÉCNICO EM SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

Diploma de conclusão de Curso Técnico de Nível Médio específico para a área de atuação e registro profissional no MET.

01

-

40h

648,12

NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO

035

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

Diploma de conclusão do Ensino Fundamental.

07

01

40h

412,45

NÍVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO (4ª série completa)

036

AUXILIAR DE SERVIÇOS

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa).

10

01

40h

206,22

03

BALSEIRO

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa) e habilitação Arraes Amador.

03

-

40h

252,24

038

CARPINTEIRO

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa).

02

-

40h

252,24

039

ELETRICISTA

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa).

01

-

40h

252,24

040

ENCANADOR

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa).

01

-

40h

252,24

041

MOTORISTA

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa) e Carteira Nacional de Habilitação "D" ou superior.

15

01

40h

252,24

NÍVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO (4ª série completa)

042

OPERADOR DE MÁQUINAS

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa) e Carteira Nacional de Habilitação "D" ou superior.

03

-

40h

252,24

043

PEDREIRO

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa).

02

-

40h

252,24

044

PINTOR

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa).

02

-

40h

252,24

045

SERVENTE/MERENDEIRA

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa).

20

02

40h

206,22

046

ZELADOR

Certificado de conclusão das séries iniciais do Ensino Fundamental (4a série completa).

02

-

40h

252,54

* a menor remuneração da Prefeitura é igual ao salário-mínimo, mediante complementação variável.

** a todos os valores acima são acrescentados R$ 100,00 a título de Abono.

*** outras vantagens financeiras variam de acordo com a legislação local e com os empregos.

ANEXO I - CONTINUAÇÃO

DESCRIÇÃO SINTÉTICA DOS EMPREGOS

EMPREGO

DESCRIÇÃO SINTÉTICA

Administrador

Desenvolver trabalhos aplicando os princípios e teorias da administração às áreas de recursos humanos, finanças, suprimentos, sistemas e métodos e outros, a fim de formular soluções e diretrizes para assegurar a consecução de objetivos.

Advogado

Realizar atividades de apoio administrativo e assessoramento técnico-jurídico aos órgãos da Administração Pública no âmbito do Poder Executivo.

Analista de Informática

Pesquisar, planejar e executar tarefas relacionadas ao campo da Informática.

Arquiteto

Planejar, pesquisar, coordenar, avaliar e executar trabalhos relativos a arquitetura e urbanismo.

Arquivista

Planejar, organizar, dirigir e executar atividades inerentes aos centros de documentação e arquivos das diversas unidades da Administração.

Assistente Social

Planejar, coordenar, avaliar e/ou executar programas e projetos na área do serviço social.

Auditor Fiscal

Realizar atividades de tributação, fiscalização e arrecadação de competência Municipal.

Bibliotecário

Planejar, organizar, dirigir e executar atividades bibliotecônomas, desenvolvimento de sistemas de catalogação, classificação e conservação de bibliotecas, centros de documentação, armazenamento e recuperação de documentos.

Contador

Executar atividades contábeis diversas como lançamento de dados, conferência e arquivo de documentos, levantamento de posições patrimoniais, financeiras e registro de empenhos.

Enfermeiro

Realizar atividades de enfermagem relacionadas com a prevenção e recuperação da saúde individual e coletiva.

Engenheiro Agrimensor

Elaborar e supervisionar projetos referentes a atividades em topografia, geodésica e batimetria.

Engenheiro Civil

Executar estudo, planejamento, projetos e especificações técnicas relacionados ao campo da engenharia civil.

Farmacêutico

Executar atividade que envolva manipulação, controle, registro, requisição e análise de medicamentos, drogas e matéria prima de uso farmacêutico.

Fonoaudiólogo

Identificar problemas ou deficiências ligadas à comunicação oral, empregando técnicas próprias de avaliação e fazendo o treinamento fonético, auditivo, de dicção, impostação de voz e outros para possibilitar o aperfeiçoamento e/ou reabilitação da fala.

Médico

Prestar assistência médica no âmbito municipal, nas diversas áreas de saúde, visando preservar ou recuperar a saúde pública.

Médico Veterinário

Planejar e executar programas de vigilância sanitária e ambiental, com o intuito de controlar e evitar os riscos de agravos à saúde, integrando suas atividades às da vigilância epidemiológica; planejar e executar programas de defesa sanitária, proteção, aprimoramento e desenvolvimento de atividades de criação de animais, realizando estudos, pesquisas, exercendo fiscalização e empregando outros métodos, para assegurar a sanidade dos animais, a produção racional e econômica de alimentos.

Psicólogo

Coordenar, orientar e executar tarefas especializadas referentes ao estudo do comportamento humano e a dinâmica da personalidade com vistas à orientação psico-pedagógica, ocupacional, clínica e ao ajustamento individual.

Professor II

Reger classes nos anos finais do Ensino Fundamental, em sua área de habilitação específica.

Agente Administrativo

Desenvolver atividades de caráter administrativo.

Fiscal Ambiental

Executar trabalhos de fiscalização no campo de saneamento e melhoria do meio ambiente.

Fiscal de Obras e Posturas

Executar tarefas de fiscalização relativas a atividades urbanas, relativas a obras e posturas, visando organizar o exercício dos direitos individuais e coletivos, para o bem estar geral.

Fiscal de Transportes

Fiscalizar os serviços de transportes de passageiros, verificando o cumprimento de horários, a tarifa de passagens e as condições em que trafegam os veículos, para descobrir possíveis irregularidades e possibilitar o melhoramento dos serviços.

Técnico Agrícola

Executar tarefas de caráter técnico, relativas a programação, assistência técnica e controle de trabalho agropecuários.

Técnico em Enfermagem

Desenvolver serviços técnicos referentes a enfermagem em geral.

Técnico em Laboratório de Análises Clínicas

Executar serviços técnicos de laboratório, sob a supervisão e orientação do Bioquímico, realizando exames citológicos, de urina, sangue e outros, auxiliando nos diagnósticos clínicos.

Técnico em Segurança e Medicina do Trabalho

Orientar e coordenar as atividades de segurança do trabalho, estabelecendo normas e dispositivos de segurança, investigando riscos e causas de acidentes de trabalho, para garantir a integridade do pessoal e dos bens do Município.

Assistente Administrativo

Executar atividades de apoio ao desenvolvimento de trabalhos de natureza técnica e administrativa.

Auxiliar de Serviços

Realizar serviços de natureza operacional, especialmente, em conservação e limpeza de vias públicas.

Balseiro

Efetuar tarefas de condução, atracação, desatracação, carga, descarga e manutenção de pequenas embarcações, orientando-se pelas normas e práticas de navegação, para transportar pessoas e cargas.

Carpinteiro

Realizar serviços gerais de instalação, reforma e manutenção de carpintaria.

Eletricista

Realizar serviços de instalação, reforma e manutenção de redes, sistemas e componentes elétricos.

Encanador

Executar serviços gerais de instalações hidrosanitárias.

Motorista

Dirigir e/ou conduzir veículos rodoviários observando as instruções gerais de segurança de tráfego rodoviário.

Operador de Máquinas

Operar tratores agrícolas, trator de esteira, moto-niveladora, retro-escavadeira, pá-carregadeira e/ou mecânica, rolo compactador, entre outros.

Pedreiro

Executar serviços de construção civil em geral.

Pintor

Realizar serviços de pintura em superfícies diversas.

Servente/Merendeira

Preparar e distribuir refeições para atender aos programas alimentares executados pela Prefeitura Municipal, bem como executar serviços de limpeza e arrumação da sua área de trabalho.

Zelador

Executar funções de zeladoria em escolas municipais, creches e em outros próprios municipais, promovendo a limpeza e conservação dos mesmos e assegurando o cumprimento de regulamentos preestabelecidos, visando o asseio, segurança e bem-estar de seus usuários.

ANEXO II

DEMONSTRATIVO DAS PROVAS OBJETIVAS

Escolaridade: Nível Superior

Emprego

Disciplina

Número de Questões

Valor de cada Questão

Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina

Administrador, Advogado, Analista de Informática, Arquiteto, Arquivista, Auditor Fiscal, Bibliotecário, Contador, Engenheiro Civil, Engenheiro Agrimensor.

Conhecimentos Técnico-profissionais

20

05

50

Legislação Municipal e Constituição da República Federativa do Brasi

10

10

50

Português

10

10

50

Informática e Cultura Local

10

10

50

Escolaridade: Nível Superior

Emprego

Disciplina

Número de Questões

Valor de cada Questão

Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina

Assistente Social, Enfermeiro, Farmacêutico, Fonoaudiólogo, Médico Cardiologista, Médico Ginecologista, Médico Oftalmologista, Médico Ortopedista, Médico Veterinário, Psicólogo.

Conhecimentos Técnico-profissionais

20

05

50

Legislação do SUS, Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto do Idoso e Constituição da República

10

10

50

Português

10

10

50

Informática e Cultura Local

10

10

50

Escolaridade: Nível Superior

Emprego

Disciplina

Número de Questões

Valor de cada Questão

Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina

Professor (II) (Artes, Ciências, Educação Física, Geografia, Inglês e Matemática)

Conhecimentos Técnico-profissionais

20

05

50

Aspectos Legais da Política Educacional

10

10

50

Português

10

10

50

Informática e Cultura Local

10

10

50

Escolaridade: Nível Médio

Emprego

Disciplina

Número de Questões

Valor de cada Questão

Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina

Agente Administrativo, Fiscal Ambiental, Fiscal de Transportes, Fiscal de Obras e Posturas, Técnico Agrícola, Técnico de Medicina e Segurança do Trabalho

Conhecimentos Técnico-profissionais

20

05

50

Legislação Municipal e Constituição da República Federativa do Brasi

10

10

50

Português

10

10

50

Informática e Cultura Local

10

10

50

Escolaridade: Nível Médio

Emprego

Disciplina

Número de Questões

Valor de cada Questão

Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina

Técnico de Enfermagem, Técnico de Laboratório em Análises Clínicas

Conhecimentos Técnico-profissionais

20

05

50

Legislação do SUS, Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto do Idoso e Constituição da República Federativa do Brasil

10

10

50

Português

10

10

50

Informática e Cultura Local

10

10

50

Escolaridade: Nível Fundamental Completo

Emprego

Disciplina

Número de Questões

Valor de cada Questão

Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina

Assistente Administrativo

Conhecimentos Técnico-profissionais

10

10

50

Português

10

10

50

Informática e Cultura Local

10

10

50

Escolaridade: Nível Fundamental Incompleto (4ª série completa)

Emprego

Disciplina

Número de Questões

Valor de cada Questão

Mínimo de Pontos Exigido em cada Disciplina

Auxiliar de Serviços, Balseiro, Carpinteiro, Eletricista, Encanador, Pedreiro, Pintor, Motorista, Operador de Máquinas, Merendeira,

Zelado

Conhecimentos Técnico-profissionais

10

10

50

Português

10

10

50

Matemática

10

10

50

ANEXO III

- NÍVEL SUPERIOR

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS COM NÚCLEO COMUM

Português para todos os empregos de Nível Superior

1.Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não-literário; narrativo, descritivo e argumentativo); organização interna. 2.Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos; emprego de tempos e modos dos verbos em português. 3.Morfologia: reconhecimento, emprego e sentido das classes gramaticais; processos de formação de palavras; mecanismos de flexão dos nomes e verbos. 4.Sintaxe: frase, oração e período; termos da oração; processos de coordenação e subordinação; concordância nominal e verbal; transitividade e regência de nomes e verbos; padrões gerais de colocação pronominal no português; mecanismos de coesão textual. 5.Estilística: figuras de linguagem. 6.Ortografia. 7.Pontuação.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

CUNHA, Celso & CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

GARCIA, Othon Moacir. Comunicação e prosa moderna. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

RIBEIRO, Manoel P. Gramática aplicada da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Metáfora Ed., 2000.

SAVIOLI, Francisco Platão & FIORIN, José Luiz. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1997.

Informática para todos os empregos de Nível Superior

Windows: Conceito de pastas, diretórios, arquivos e atalhos, área de trabalho, área de transferência, manipulação de arquivos e pastas, uso dos menus, programas e aplicativos, painel de controles, exclusão e recuperação de arquivos ou pastas.

Word: Estrutura básica dos documentos, criação, exclusão e recuperação de documentos, edição e formatação de textos, cabeçalhos, parágrafos, fontes, configuração de páginas, colunas, marcadores simbólicos e numéricos, tabelas, impressão, ortografia e gramática, controle de quebras, numeração de páginas, legendas, índices, inserção de objetos, campos predefinidos, caixas de texto, mala direta.

Excel: Estrutura básica das planilhas, formatação de dados, estilos pré-definidos, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão, inserção de objetos, campos predefinidos, validação, classificação, sub-totais, obtenção de dados externos.

Internet: Conceitos de URL, links, sites, impressão de páginas, downloads, segurança na internet, anti-vírus, vírus.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, Marcus Garcia de. Fundamentos de informática. 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Brasport Livros e Multimídia Ltda, 2002. 240 p.

BIANCHI, Luiz; BIZZOTTO, Carlos Eduardo N.. Curso prático de informática básica: rápido e eficiente. Blumenau: Acadêmica, 2000. 292 p.

CAPRON, H. L.; JOHNSON, J. A.. Introdução à informática. 8. ed. São Paulo: Prentice-Hall, 2004. 350 p.

CINTO, Antonio Fernando; GÓES, Wilson Moraes. Excel avançado. São Paulo: Novatec, 2006. 254 p.

DINWIDDIE, Robert. Como fazer planilhas. São Paulo: Publifolha, 2001. 72 p.

FARIAS, Wlad. Internetando sem medo: o manual prático da boa navegação. São Paulo: Market Books, 2000. 197 p.

INFORMATIONWEEK BRASIL. São Paulo: IT Mídia S.A., -. Quinzenal.

INFO EXAME. São Paulo: Abril, -. Mensal.

MANZANO, André Luiz; MANZANO, Maria Isabel N.G.. Estudo dirigido de informatica básica. 4.ed. São Paulo: Érica, 2002 178 p.

MANZANO, José Augusto N. G.. Estudo dirigido de: Microsoft Office Excel 2003 avançado . São Paulo: Érica, 2004. 246 p.

MCFEDRIES, Paul. Fórmulas e funções com microsoft excel. São Paulo: Moderna, 2005. 606 p.

MINASI, Mark,. Dominando o Microsoft Windows 2000 Server. São Paulo: Makron Books, c2001. 1275p.

NORTON, Peter. Introdução à informática. São Paulo: Makron Books, 2004. 619 p.

PAULA FILHO, Wilson de Pádua.. Engenharia de software: fundamentos, métodos e padrões. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC.

SANTOS JÚNIOR, Mozart Jesus Fialho dos. Dicionário de informática. 2. ed. Goiânia: Terra, 2002. 190 p.

SAWAYA, Márcia Regina. Dicionário de informática & internet: inglês/português. 3. ed. São Paulo: Nobel, c1999. 543 p

SCHAFF, Adam; MACHADO, Carlos Eduardo Jordão; OBOJES, Luiz Arturo. A sociedade da informática: as conseqüências sociais da segunda revolução industrial. 4. ed., 1. reimpr, 1995. São Paulo: Brasiliense, 1995. 157

SILVA, Mário Gomes da. Informática-Excel XP, Access XP, PowerPoint XP. São Paulo: Érica, 2000. 300p.

SILVA, Mário Gomes da. Informática: terminologia básica - windows 98 - word 2000. 6. ed. São Paulo: Érica, 2002. 320 p.

SILVA, Mário Gomes da. Informática: terminologia básica - windows XP - word XP - Excel XP. 7. ed. São Paulo: Érica, 2006. 294 p.

VASCONCELOS, Laércio. Hardware total: tudo sobre hardware, montagem, manutenção, expansões e arquitetura de PCs. São Paulo: Makron Books, 2002. 1505 p.

VELLOSO, Fernando de Castro. Informática : conceitos básicos . Rio de Janeiro: Campus, 2003.

VENANCIO, Claudio Ferreira. Desenvolvimento de algoritmos: uma nova abordagem. São Paulo: Érica, 1998. 131 p.

Cultura Local para todos os empregos de Nível Superior

1. Aspectos históricos, sociais, políticos e econômicos do município de Imbituba.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

LAURENTINO, Adriane Garcia, et alli. De Imbé à Imbituba, Edição da Secretaria Municipal de Educação de Imbituba, 1996

MARTINS, Almir. Romanceiro Açoriano, Imbituba: Lex Graf, 1995.

MARTINS, Manoel de Oliveira. Imbituba, Edição do Autor, s/data (à disposição na Biblioteca Pública de Imbituba).

NEU, Márcia Fernandes Rosa. Porto de Imbituba - de armação baleeira a porto carbonífero, Ed. Unisul, Tubarão, 2003.

Página na Internet da Câmara Municipal de Imbituba : www.cmi.sc.gov.br.

Página na Internet da Prefeitura Municipal de Imbituba : www.imbituba.sc.gov.br

Legislação Municipal e Constituição da República Federativa do Brasil para os empregos de Administrador, Advogado, Analista de Informática, Arquiteto, Arquivista, Auditor Fiscal da Receita Municipal, Bibliotecário, Contador, Engenheiro Agrimensor, Engenheiro Civil.

1.O Município e a Federação. O conceito de interesse local. A organização do Município. 2. A Administração Pública na Constituição Federal. 3. A Lei Orgânica Municipal. Conteúdo, competência e limitações. 4.O Poder Executivo. A responsabilidade do Poder Executivo. 5.Os servidores públicos: normas constitucionais e legais.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Constituição Federal de 1988, com emendas (arts. 37 a 41).

________ . Lei 8429 de 1992.

IMBITUBA. Lei Orgânica do Município, atualizada.

________ . Regime Disciplinar, Lei 3.086 de 2007.

DI PIETRO, M. S. Z. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2001.

IMBITUBA. Lei Complementar nº 3.086, de 18 de abril de 2007 (Regime Disciplinar dos Servidores).

Legislação do SUS, Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto do Idoso e Constituição da República Federativa do Brasil para os empregos de Assistente Social, Enfermeiro, Farmacêutico, Fonoaudiólogo, Médico Cardiologista, Médico Ginecologista, Médico Oftalmologista, Médico Ortopedista/Traumatologista, Médico Veterinário, Psicólogo.

1 .Sistema Único de Saúde - SUS: Princípios, diretrizes, leis e regulamentação. Universalização, Eqüidade, Integralidade, Hierarquização, Participação e Controle Social, Responsabilidade sanitária das instâncias gestoras do SUS. Pacto pela Saúde em 2006 - Consolidação do Sistema Único de Saúde, publicado na Portaria/GM nº 399, de 22 de fevereiro de 2006; 2.Diretrizes para a gestão do SUS: Descentralização; Regionalização; Municipalização; Financiamento; Planejamento; Programação Pactuada e Integrada; Regulação; Controle, Avaliação e Auditoria; Responsabilidade sanitária das Instâncias Gestoras do SUS..

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, L. O. M. SUS passo a passo: normas, gestão e financiamento. São Paulo: Hucitec; Sobral: Uva, 2001.

BRASIL. Lei 8.080, de 19/09/1990. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/html/pt/legislacao/leis.html.

______. Lei 8.142, de 28/12/1990. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/html/pt/legislacao/leis.html.

______. Gestão Municipal de Saúde: textos básicos. Rio de Janeiro: Brasil. Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: http:bvsms.saude.gov.br/bvs/publicações/gestão_municipal_de_saude.pdf

______. Portaria no. 399/GM de 22 de fevereiro de 2006. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-399.htm

BRASIL, O SUS de A a Z , 2006. Disponível em: http://www.saude.gov.br/susdeaz.

CARVALHO, G. I.; SANTOS. L. Comentários à lei Orgânica da Saúde (Leis 8.080/90 e 8.142/90): Sistema Único de Saúde. 3ª. ed. Campinas - SP : Unicamp, 2001.

2. Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto do Idoso e Constituição da República Federativa do Brasil.

1 .Estatuto da Criança e do Adolescente. Direitos fundamentais. 2. Estatuto do Idoso. Direito à saúde. 3. A Administração Pública na Constituição Federal.

IMBITUBA. Lei Complementar nº 3.086, de 18 de abril de 2007 (Regime Disciplinar dos Servidores).

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Capítulo I).

_______ . Lei nº 8.842, de 4 de janeiro de 1994.

_______ . Decreto nº 1.948, de 3 de julho de 1996.

_______ . Lei nº 10.741, de 01 de outubro 2003.

_______ . Constituição Federal de 1988, com emendas (arts. 37 a 41).

Aspectos Legais da Política Educacional para os empregos de Professor II de Artes, Professor II de Ciências, Professor II de Educação Física, Professor II de Geografia, Professor II de Inglês e Professor II de Matemática.

1..A Legislação Educacional - Lei 9394/96. 2.Organização da Educação Básica: níveis de ensino, órgãos e competências. 3.Parâmetros Curriculares Nacionais. 4.Sistemas Educacionais na LDB. 5.A Legislação atual e as abordagens de cidadania.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

Constituição da República Federativa do Brasil - Artigos 205 a 214. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei 9.394/69. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm

Ampliação do Ensino Fundamental - Lei 11.274/2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm#art3

Diretrizes Curriculares do Ensino Fundamental - Resolução CEB Nº 2/1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb02_98.pdf

IMBITUBA. Lei Complementar nº 3.086, de 18 de abril de 2007 (Regime Disciplinar dos Servidores)

_________ . Lei nº 1.876, de 21 de dezembro de 1998 (Sistema Municipal de Educação).

- NÍVEL SUPERIOR

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS OBJETIVAS DE CONHECIMENTOS TÉCNICO PROFISSIONAIS

ADMINISTRADOR

1. Gestão Estratégica: BI-Busines Intelligence, MI-management Intelligence, rentabilidade x lucratividade, cálculo de preço baseado na rentabilidade, maior rentabilidade com margens menores, produtividade econômica, margem x giro, a evolução da tecnologia de gestão. 2. Administração da Produção: Medida de produtividade, administração da produtividade, capacidade produtiva no serviço, estratégias de capacidade produtiva no serviço, função, imput e output. 3. Administração de Marketing:O que é marketing, análise de mercado, composto de marketing, matriz BCG e B2B ( Busines to Busines). 4. Administração de materiais: Objetivo do estoque, funções do estoque, políticas de estoque e evolução do estoque. 5. Gestão de Pessoas: O que é gestão de pessoas, os processos de gestão de pessoas, a moderna gestão de pessoas, ética e responsabilidade social, responsabilidade social das organizações e balanço social. 6. Gestão da Qualidade: Perspectiva histórica da qualidade, a filosofia japonesa da qualidade, os conceitos da qualidade e os precursores da qualidade. 7. Sistema de Informação: O que é sistema da informação, componentes de um sistema de informação, conceito de sistema, inteligência competitiva e aplicação do sistema de informações. 8. Administração Geral: Conceito de administração, função do administrador, teoria X, teoria Y, teoria de Maslow, organograma e departamentalização. 9. Gestão do Conhecimento: Dados, informação, espiral do conhecimento, conhecimento tácito, conhecimento explícito, criação do conhecimento, conversão do conhecimento tácito em explícito. 10.Governo e Administração Pública. Novos paradigmas da Administração Pública: Função gerencial. Gestão estratégica.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ALVAREZ, Maria Esmeralda Ballestero, Administração da produtividade e qualidade: abordagens do processo administrativo, São Paulo, Atlas, 2001, 484 páginas.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos, SPINK, Peter (org.) Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. 7ª ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. 2006.

CHIAVENATO, Idalberto, Gestão de pessoas: e o novo papel dos recursos humanos nas organizações, Rio de Janeiro, Elsevier, 2004, 515 páginas.

___________ . Idalberto, Recursos humanos: o capital humano das organizações, 8ª ed., 3ª reimp., São Paulo, Atlas,2006, 529 páginas.

DALFOVO, Oscar ( organizador),Sistema de informação: Estudos de caso: o uso da informação pelos administradores e executivos que obtém vantagem competitiva, Blumenau, Acadêmica, 2004, 293 páginas.

DIAS, Marco Aurélio P., Administração de materiais: princípios, conceitos e gestão, 5ª ed., 2ª reimpr., São Paulo, Atlas, 2006, 336 páginas.

KAHRBEK, Detlev, Tamborlin, Norberto, Inovando e realizando com inteligência de gestão: 2 e 2 = 22. São Paulo, Scortecci, 2007, 204 páginas.

KWASNICKA, Eunice Laçava, Introdução à administração, 6ª ed., 3ª reimp., São Paulo, Atlas, 2006, 337 páginas.

JOHNSTON, Robert, Grahan, Clark, Administração de operações de serviço, tradução: Ailton Bonfim Brandão, São Paulo, Atlas 2002, 561 páginas.

LAS CASAS, Alexandre Luzzi, Administração de marketing: conceitos, aplicação à realidade brasileira, São Paulo, Atlas, 2006, 528 páginas.

MARTINS, Petrônio Garcia, Laugeni, Fernando P., Administração da produção, 2ª ed. rev. aum. e atual, São Paulo, Saraiva, 2005, 562 páginas.

NONAKA, Ikujiro, Takeuchi, Hirotaka, Criação do Conhecimento na empresa, tradução: Ana Beatriz Rodrigues e Priscilla Martins Celeste, Rios de Janeiro, Elsevier, 1997, 358 páginas.

O'BREIEN, James A., Sistema de informações gerenciais na era da internet, tradução: Célio Knipel Moreira e Cid Knipel Moreira, 2ª ed., São Paulo, Saraiva, 2006, 431 páginas.

SLACK, Nigel, Chambers, Stuart, Johnston, Robert, Administração da produção, tradução Maria Teresa Corrêa de Oliveira, Fábio Alher, 2ª ed., São Paulo, Atlas, 2002, 747 páginas.

ADVOGADO

I.Direito Constitucional.

1 .Princípios Constitucionais; 2. O princípio federativo; 3. O princípio da separação dos poderes; 4.Direitos e Garantias Fundamentais; 5. Autonomia e soberania; 6. Repartição de competências; 7. O município e a federação;8. A organização do Município; 9. Princípios aplicáveis à administração pública; 10. Autonomia municipal: limitações constitucionais; 11. O poder legislativo e sua competência; 12. A Câmara Municipal; 13. As proibições e incompatibilidades aplicáveis aos vereadores; 14. O processo legislativo; 15. O poder executivo; 16. A responsabilidade do poder executivo; 17. Os servidores públicos: normas constitucionais; 18. A ordem econômica e a ordem social. Intervenção do Estado no domínio econômico; 19. Prestação de serviços públicos e as normas constitucionais.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BARROSO, Luís Barroso.Constituição da República Federativa do Brasil Anotada. 4ª Ed., São Paulo: Saraiva, 2003.

BASTOS, Celso Ribeiro.Curso de Direito Constitucional. 19ª Ed., São Paulo: Saraiva, 1998.

FERRARI, Regina Maria Macedo Nery. Controle da Constitucionalidade das Leis Municipais. 3ª Ed., São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2003.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Do Processo Legislativo. 4ª Ed., São Paulo: Saraiva, 2001.

MORAES, Alexandre de.Direito Constitucional. 13ª Ed., São Paulo: Atlas, 2003.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 10ª Ed., São Paulo: Malheiros, 1995.

TEMER, Michel. Elementos de Direito Constitucional. 18ª Ed., São Paulo: Malheiros Ed., 2002.

II. Direito Administrativo.

1 .Princípios Constitucionais do direito administrativo brasileiro; 2.Agentes políticos. A Constituição e os servidores públicos. Regime jurídico. Provimento de cargos/empregos. Estabilidade. Aposentadoria. Direitos e vantagens;3.Atos administrativos.Conceito. Requisitos. Pressupostos dos atos. Classificação.Vinculação e discricionariedade.Revogação e anulação; 4. Poderes administrativos. Poder de polícia. Conceito. Essência. Fundamentos. Discricionariedade. Limitações do poder de polícia. O poder de polícia municipal; 5. Desapropriação. Conceito. Fundamentos. Requisitos. Competência legislativa. Objeto da desapropriação. Desapropriação por utilidade pública, por necessidade pública e por interesse social. Desapropriação por zona. Desapropriação indireta. Emissão de posse. Retrocessão. Indenização; 6. Licitação. Conceito. Princípios. Dispensa e inexigibilidade. Modalidades. Fases da licitação. Edital. Habilitação. Classificação. Adjudicação. Anulação e revogação. Recursos administrativos; 7. Contratos administrativos. Conceito. Características. Cláusulas essenciais. Alteração de contrato. Extinção do contrato. Teoria da imprevisão. Equilíbrio econômico-financeiro. Sanções administrativas. Recursos; 8. Serviços públicos. Concessão, permissão e autorização. Privatização e terceirização. Parcerias; 9. Bens públicos. Conceito. Afetação e desafetação. Regime jurídico dos bens públicos. Formas de aquisição e alienação dos bens públicos; 10. Controle da administração. Controle interno. Controle externo. Controle legislativo, judicial e popular. Lei de responsabilidade fiscal.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

AGUIAR, Joaquim Castro. Competência e Autonomia dos Municípios na Nova Constituição. Rio de Janeiro: Forense, 1995.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de Direito Administrativo. 14ª Ed., São Paulo: Malheiros Editores, 2002.

JUSTEN FILHO, Marçal. Comentários à lei de licitações e contratos administrativos. 8ª Ed., São Paulo: Dialética, 2001.

MASCARENHAS, Paulo.Improbilidade Administrativa e Crime de Responsabilidade de Prefeito. São Paulo: Editora de Direito, 1999.

MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. 6ª Ed., São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2002.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 28ª Ed., São Paulo: Malheiros Editores, 2003.

PEREIRA JUNIOR, Jessé Torres. Comentários à Lei das Licitações e Contratações da Administração Pública. 4ª Ed., Rio de Janeiro: Renovar. s/d

RIGOLIN, Ivan Barbosa e BOTTINO, Marco Tullio. Manual Prático das Licitações. 5ª Ed., São Paulo:Saraiva, 2005.

VILLELA SOUTO, Marcos Juruena.Desestatização - Privatização, concessões e terceirização. 3ª Ed., Rio de Janeiro: Lúmen Juris. 2000

ZANELLA DI PIETRO, Maria Sylvia. Direito Administrativo. 17ª Ed., São Paulo: Editora Atlas, 2004.

________ Parcerias na Administração Pública - concessão, permissão, franquia, terceirização e outras formas. 4ª Ed., São Paulo: Editora Atlas, 2002.

III. Direito Tributário.

1. Sistema tributário constitucional. Princípios. Limitações ao poder de tributar. Imunidade. Repartição das receitas tributárias; 2. Espécies de tributos. Impostos, taxas e contribuições. Características. Fato gerador, base de cálculo, sujeito ativo e sujeito passivo. Alíquotas; 3. Crédito Tributário. Constituição. O lançamento e suas modalidades. Obrigações principal e acessórias. Direito e dever dos contribuintes. Suspensão, extinção e exclusão do crédito tributário. Garantias e privilégios. Ação fiscalizadora. Processo administrativo tributário. Dívida ativa. Renúncia fiscal; 4. Tributos municipais. Impostos, taxas e contribuições. Características. Sistema tributário municipal. Extrafiscalidade. Função social da propriedade. Progressividade dos impostos.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

AGUIAR, Joaquim de Castro.Regime Jurídico das taxas municipais.Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora, 1982.

BALEEIRO, Aliomar. Direito Tributário Brasileiro. 11ª Ed., Rio de Janeiro: Forense, 2002.

BALEEIRO, Aliomar. Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2001.

BRAZ, Direito Municipal na Constituição. 4ª Ed., São Paulo: Editora de Direito, 2001.

COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Comentários à Constituição de 1988 - Sistema Tributário.2ª Ed., 1990.

Lei 5.172 de 25 de outubro de 1966 com as alterações da Lei Complementar nº 118 de 09 de fevereiro de 2005.

Lei Orgânica do Município de Imbituba - SC.

MARTINS, Ives Gandra.Sistema Tributário na Constituição de 1988. 5ª Ed., São Paulo: Saraiva, 1998.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Municipal Brasileiro. 6ª Ed., São Paulo: Malheiros Editores, 1993.

NOGUEIRA, Ruy Barbosa.Curso de Direito Tributário.15ª Ed., São Paulo: Editora Saraiva, 1999.

ANALISTA DE INFORMÁTICA

1)Hardware: Identificação de componentes de hardware (discos, memórias, barramentos, placas) e periféricos. Estações de Trabalho. Manutenção: Computadores, Impressoras, Monitores.2)Sistemas Operacionais: Windows XP, Windows 2000, Linus Debian; Instalação, configuração e customização de pacotes de escritório (Ms-Office, Open Office). Instalação, configuração e customização de Browser's (internet explorer, netscap, mozilla e firefox); Instalação, configuração e customização de clientes de e-mail.3)Redes: Arquitetura de rede computadores, modelo de referência OSI. TCP/IP protocolos e serviços Internet. Conceitos de Serviços (DHCP, WINS, DNS). Ambientes operacionais Windows e Linux. Comunicação de dados (camadas físicas, enlace e rede). Conceitos de back up e restore (completo, incremental e diferencial). Equipamentos para formação de redes (switches, routers, hubs, e similares). Procedimentos de criação, configuração e uso de filas de impressão (servidores de impressão). Fundamentos de redes locais (cabeamento, comunicação, placas de redes, modem, hub, switches, roteadores). Gerência de redes. Segurança de redes. Protocolos de roteamento dinâmico. Redes Wireless. Voip - Voz sobre IP e Telefonia IP. Tecnologias para comunicação de dados: Frame-Relay.4)Segurança: Administração de contas de usuários. Segurança de informações. Criptografia.5)Desenvolvimento, Análise, Projeto e Gerência de Sistemas: Conceitos. Características. Ciclo de Vida de Sistemas. Atividades de análise. Fases de projeto. Estudo de Viabilidade Técnica de Projetos. Ferramentas. Análise Estruturada de Sistemas. Modelagem. Diagramas. Fluxo de Dados, processos, entidades, depósito de dados. Regras de consistência. Diagrama de Contexto. Diagrama de Fluxo de Dados (DFD). Diagrama de Entidades e Relacionamentos (DER).6)Bancos de Dados: Conceitos básicos. Características. Modelo Relacional, dicionarização, restrições e normalizações. Formas Normais: 1a., 2a. e 3a. FN. Ferramentas. Abordagem Relacional. SQL. Interface de Conectividade. Web. Acesso. Segurança. Análise, Modelagem, Projeto e Implementação. Conceitos. Características. Utilização. Banco de Dados Orientados a Objeto. Objetos. Classes. Variáveis de instância. Métodos. Mensagens. Encapsulamento. Herança. Banco de Dados em Aplicações Cliente/Servidor. Administração de Banco de Dados.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BEZERRA, Eduardo. Princípios de análise e projeto de sistemas com UML. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. 369 p.

CAPELLI, Alexandre. Montagem, configuração e manutenção de computadores, 1. São Paulo: Saber, 2004. 143 p.

FILIPPETTI, Marco A.. CISCO CCNA 3.0 (Exame 640-607): guia completo de estudo. Florianópolis: Visual Books, 2002. 384 p.

FURUKAWA. Acessórios e equipamentos para rede. São Paulo: Furukawa, [200?]. 44 p..

GIL, Antonio de Loureiro. Segurança empresarial e patrimonial: segurança dos negócios, plano de contingências, segurança e informática. São Paulo: Atlas, 1995. 168 p.

LARMAN, Craig.. Utilizando UML e padrões: uma introdução à análise e ao projeto orientados a objetos e ao processo unificado. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004. 607 p.

MORGAN, Brian; DENNIS, Craig. Cisco CCNP remote access: guia de certificação do exame. Rio de Janeiro: Alta Books, 2002. 392p.

OLIVEIRA, Roberto Íris Parreira de. Conhecendo redes com windows 2003 server e linux. Cuiabá: KCM, 2006. 116 p.

OLIVEIRA, Rômulo Silva de; CARISSIMI, Alexandre da Silva.; TOSCANI, Simão Sirineo.. Sistemas operacionais. 2. ed. Porto Alegre: Instituto de Informática da UFRGS: Sagra Luzzatto, 2001. 247 p.

ORRICO JÚNIOR, Hugo. Pirataria de software. São Paulo: MM Editora, 2004. 230 p.

PAQUET, Catherine. Construindo redes Cisco de acesso remoto. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2003. 590p.

SEBESTA, Robert W.. Conceitos de linguagens de programação. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003. 638 p. ISBN 8536301716

SILVA, Luís Antonio Pinto da; CHIOZZOTTO, Mauro. TCP/IP: tecnologia e implementação. São Paulo: Érica, 1999. 250 p.

SOCIEDADE BRASILEIRA PARA INTERCONEXÃO DE SISTEMAS ABERTOS; CARVALHO, Tereza Cristina Melo de Brito. Arquitetura de redes de computadores: OSI e TCP/IP. Co-edição. Rio de Janeiro: Makron Books, 1994.

SOUSA, Lindeberg Barros de. Redes de computadores: dados, voz e imagem. 3.ed. Rio de Janeiro: Érica, 2000. 496 p.

VASCONCELOS, Laércio. Como montar e configurar sua rede de PCs: rápido e fácil. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2003. 300 p.

VASCONCELOS, Laércio; VASCONCELOS, Marcelo. Manual prático de redes. Rio de Janeiro: Laércio Vasconcelos Computação Ltda, 2006. 496 p.

VASCONCELOS, Laércio. Manutenção de micros na prática. Rio de Janeiro: Laércio Vasconcelos Computação Ltda, 2006. 919

ZACKER, Craig; DOYLE, Paul. Redes de computadores: configuração, manutenção e expansão. São Paulo: Makron Books, c2000. 1056 p.

ARQUITETO

1.Conhecimentos sobre teoria da arquitetura e do urbanismo - História da Arquitetura, do Urbanismo no mundo e nas cidades no Brasil; História e Teoria da Preservação e da Restauração; Desenvolvimento urbano e preservação: instrumentos de controle urbanístico.2. Projetos de reforma, revitalização e restauração de edifícios. Projetos e conceitos de Restauração; Diagnóstico do estado de conservação; Proposta: metodologia, justificativa conceitual, especificações técnicas. Fiscalização e análise de projetos; Obras de restauração, conservação e adaptação de edifícios e de conjuntos urbanos tombados, preservados ou tutelados; Identificação de bens imóveis ou sítios urbanos visando sua preservação enquanto patrimônio cultural. Técnicas e Sistemas Construtivos Tradicionais.3. Levantamentos - Noções de topografia. Levantamento arquitetônico e urbanístico.

Dados geoclimáticos, ambientais, socioeconômicos. Legislação arquitetônica e urbanística.4. Projeto de Arquitetura - Fases e etapas de desenvolvimento do projeto. Análise e escolha do sítio. Controle ambiental das edificações (térmico, acústico e luminoso). Especificações de materiais e acabamentos. Instalações elétricas e hidráulicas. Acessibilidade para portadores de deficiência. 5. Projeto urbanístico e paisagístico - Desenho urbano, morfologia urbana e uso do solo. Redes de infra-estrutura urbana, sistema viário, espaços livres, fluxos de pedestres e veículos. Loteamentos, remembramento e desmembramento de terrenos. Geoprocessamento aplicado ao urbanismo. Arborização urbana, equipamentos e mobiliários urbanos. Acessibilidade para portadores de deficiência.6. Atividades e serviços adicionais - Estudos de viabilidade técnica, econômica, financeira e legal. Estimativas de custos. Orçamentos. Laudos e pareceres técnicos. 7. Representação gráfica: normas técnicas de representação gráfica para arquitetura e urbanismo e representação digital AutoCAD 2d e 3d.8.Tecnologia das construções - Fundações, estruturas e impermeabilização.9. Legislação: Constituição Brasileira - Capítulo sobre o uso do solo urbano, função social da propriedade e patrimônio (art. 20, 23, 24, 30, 182, 183, 215, 216); decreto-lei n.º 25/37; Lei Federal n° 6.766 e suas modificações; Lei Federal n° 10.257/2001 - Estatuto da Cidade; Lei Federal n° 9.605/98 (artigos 62, 63, 64 e 65) - de Crimes Ambientais; Normas Técnicas Brasileiras referentes à arquitetura;Normas e legislação sobre acessibilidade; Normas e legislação sobre segurança no trabalho; Cartas Patrimoniais referentes ao patrimônio arquitetônico, urbanístico e paisagístico.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ABNT. Acessibilidade a edificações, espaço, mobiliário espaços e equipamentos urbanos. NBR 9050/2004.

ABNT. Elaboração de projetos de edificações - arquitetura. NBR 13531/1995.

BENÉVOLO, Leonardo. Historia da cidade. 3. ed. São Paulo : Perspectiva, 2001.

______ . História da Arquitetura Moderna. 3. ed. São Paulo : Perspectiva,1998.

BRAGA, Márcia (Org.). Conservação e restauro: madeira, pintura sobre madeira, douramento, estuque, cerâmica, azulejo, mosaico. Rio de Janeiro, Ed. Rio, 2003.

BRANDI, Cesari. Teoria da restauração. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2004.

CARDÃO, Celso. Técnica da construção. Vol. I e II. Belo Horizonte: Edições Engenharia e Arquitetura, 1983.

CORBELLLA, Oscar. Em busca de uma arquitetura sustentável para os trópicos - conforto ambiental. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo, Ed. UNESP, 2001.

CREDER, Hélio. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro e São Paulo: Livros Técnicos e Científicos Editora S/A, 2000.

DEL RIO, Vicente. Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento. São Paulo: Editora Pini Ltda., 1999.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F.O.R. Eficiência Energética na Arquitetura. São Paulo: PW, 1997. 192p.

MACINTYRE, Archibald J. Instalações Hidráulicas. Rio de Janeiro : Editora Guanabara S/A, 2. ed.

MASCARÓ, Juan Luis. O custo das decisões arquitetônicas. 4ª ed. Porto Alegre. Mais Quatro Editora, 2006.

MASCARÓ, Juan, YOSHINAGA, Mário. Infra-estrutura Urbana. 2ª ed. Porto Alegre. Mais Quatro Editora, 2005.

MASCARÓ, Juan, MASCARÓ, Lucia. Vegetação Urbana. 2ª ed. Porto Alegre. Mais Quatro Editora, 2005.

MATSU MOTO, Élia Yathie. AutoCAD 2006: Guia Prático 2D & 3D. 1ª ed. São Paulo: Érica, 2005.

PANERAI, Philippe. Análise Urbana. LEITÃO, Francisco (trad.). Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2006.

REIS Filho, Nestor Goulart. Quadro da Arquitetura no Brasil. São Paulo: Editora Perspectiva, 7. ed. 1995.

ROMERO, Marta B. Princípios Bioclimáticos do Desenho Urbano. São Paulo: Editora Projeto, 1988.

SILVA, Arlindo, RIBEIRO, Carlos Tavares, DIAS, João, SOUSA, Luís, PERTENCE, Antônio E. M., KOURY, Ricardo N. N (trad.). Desenho Técnico Moderno. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

ARQUIVISTA

Teoria das três idades - Ciclo Vital dos Documentos: conceituação, princípios, evolução. Caracterização de arquivos correntes, intermediários e permanentes. Terminologia Arquivística. Arquivos Públicos e Privados. Arranjo e Descrição - Princípio da proveniência. Conceitos de arranjo e organização de acervos. Resumo e indexação: tipologia. Linguagem natural versus linguagem documentária. Análise do texto. Extração de palavras chaves: recuperação e hierarquização do conteúdo semântico do documento. Instrumentos de recuperação. Gestão de Documentos - Conceitos, importância e evolução. Classificação e tipologia documental. Noções de Conservação - Acondicionamento. Controle de temperatura e umidade. Conservação, restauração e conservação preventiva. Sistemas de Informação - Conceitos, evolução. Produtores, provedores e usuários de redes e sistemas de informação. Automação: avaliação de software gerenciador de serviços de unidades de informação. Formatos de intercâmbio e suas estruturas. Catálogos em linha. Formatos de intercâmbio Encoded Archival Description (EAD). Tecnologia da Informação e da Comunicação - Conceito de redes de comunicação de dados. Redes locais: características e diferenças. Tipos de equipamentos. Internet. Gerenciamento do fluxo da informação em ambiente web. Bancos e bases de dados. Gestão de unidades de informação - Planejamento, organização e administração de recursos materiais, financeiros, informacionais e humanos. Marketing de serviços e produtos. Normalização - Conceitos e funções. Norma Geral Internacional de Descrição Arquivística. (ISAD-G) Norma Internacional de Registro de Autoridade Arquivística para Entidades Coletivas, Pessoas e Famílias. (ISAAR-CPF). Política de Arquivo - Legislação. Perfil do Profissional. Conselho Nacional de Arquivos. Processos reprográficos - Conceitos, evolução, equipamentos, legislação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARQUIVO NACIONAL. Gestão de documentos: conceitos e procedimentos básicos. Rio de Janeiro: 1995. (Publicações técnicas, 47).

BELLOTTO, Heloisa L. Arquivos Permanentes: Tratamento Documental. S. Paulo: T.A. Queiroz Ed., 1991

Dicionário Brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro. Arquivo Nacional. 2005. p.232

DUARTE, Zeni. Preservação de documentos: métodos e prática de salvaguarda. 2ª ed. Salvador. EDUFBA. 2003.p.136

HEREDIA HERRERA, Antonia. Archivistica general: teoria y práctica. 6ª ed. Sevilla.Diputación Provincial de Sevilla. 1993. p.513

JARDIM, José Maria. O conceito e a prática da gestão de documentos. Acervo: Revista do Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, v.2, n.2, jul-dez.1987, p.35-42

LOPES, Luís Carlos. A informação e os arquivos: teorias e práticas. Niterói: EDUFF; São Carlos: EDUSCar, 1996. p.142

LOPES, Luís Carlos. A gestão da informação: as organizações, os arquivos e a informática aplicada. Rio de Janeiro: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1997

LOPES, Luís Carlos. A imagem e a sombra da arquivística. Rio deJaneiro: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.p.1 10

MACHADO, Helena Corrêa, CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Como implantar arquivos públicos municipais. 2 ed. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial do Estado, 1999. (Como fazer, 3)

MUSTARDO, Peter, KENNEDY, Nora. Preservação de fotografias: métodos básicos para salvaguardar coleções. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1997. (Projeto Conservação preventiva em bibliotecas e arquivos).

OGDEN, Sherelyn. Caderno técnico - armazenagem e manuseio. Rio de Janeiro: Projeto conservação preventiva em bibliotecas e arquivos, Arquivo Nacional, 1997.

OGDEN, Sherelyn. Caderno técnico- procedimentos de conservação. Rio de Janeiro: Projeto conservação preventiva em bibliotecas e arquivos, Arquivo Nacional, 1997.

OLIVEIRA, Daíse Apparecida, BERNARDES, Ieda Pimenta. "Política para os arquivos municipais no Brasil e a contribuição do Fórum Nacional de Dirigentes de Arquivos Municipais". Anais do VI, VII e VIII Encontro Catarinense de Arquivos. Florianópolis: Secretaria de Estado da Administração/Diretoria de Administração Patrimonial e Documentação/Gerência do Arquivo Público do Estado e Associação de Amigos do Arquivo Público do Estado de Santa Catarina, 2000. p. 137-148.

PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. 3 ed. Rio de Janeiro: FGV, 1997. 228 p.

ROUSSEAU,J.Y.,COUTURE,C. Os Fundamentos da Disciplina Arquivística. Publicações Dom Quixote: Lisboa, 1998.

SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. Tradução de Nilza Teixeira Soares. 3 ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004. 388 p.

SILVA, Armando Malheiro da; et.all. Arquivística: teoria e prática de uma ciência da informação. 2ª ed. Lisboa, Afrontamento. 2002. p.254

SOUZA NETO, João Marques de. O microfilme. 2ª ed. São Paulo. CENADEM. 1979. p.79

Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ - Legislação Arquivística Brasileira - Download http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=48

ASSISTENTE SOCIAL

1. Estado e Políticas Sociais no Brasil: desenvolvimento histórico e tendências atuais.2. A questão social no contexto da globalização e da reestruturação produtiva. 3.Seguridade Social: saúde, previdência e assistência social. 4.Legislação social: direitos sociais e conjuntura brasileira.5.O Serviço Social no Brasil: trajetória histórica, debate contemporâneo, desafios ético-políticos e demandas à profissão. 6.Elaboração e avaliação de projetos de intervenção em Serviço Social.7.Processos de trabalho e Serviço Social: a categoria trabalho; os elementos constitutivos do processo de trabalho.8. Família e violência.9. Redes sociais e atuação do assistente social.10.Pesquisa em Serviço Social.1 1 .Ética profissional do assistente social e regulamentação da profissão.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ALENCAR, Mônica Maria Torres de. Transformações econômicas e sociais no Brasil dos anos 1990 e seu impacto no âmbito da família. In: SALES, Mione Apolinário. LEAL, Maria Cristina. MATOS, Maurílio Castro de (org.). Política social, família e juventude: uma questão de direitos. São Paulo, Cortez, 2004.

AMARO, Sarita. Visita domiciliar: guia para uma abordagem complexa. Porto Alegre, AGE, 2003.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 4 ed. São Paulo, Boitempo, 2001.

BONETTI, Dilséa Adeodata et al. Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. São Paulo, Brasília, Cortez /CFESS, 1996.

BOSCHETTI FERREIRA, Ivanete Salete. As políticas brasileiras de seguridade social: assistência social. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social. Módulo 3. Brasília, CEAD/UNB, 2000.

BRASIL. Lei nº 8.662, de 7 de junho de 1993. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências. In: Coletânea de Leis. Florianópolis, CRESS 12ª Região, gestão 1996-1999.

________ . Lei n.º 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Lei Orgânica da Assistência Social: legislação complementar. Ministério do Desenvolvimento Social e do Combate à Fome. Conselho Nacional de Assistência Social. Secretaria Nacional de Assistência Social et al. Brasília, MDS, 2004.

________ . Resolução nº 145, de 15 de outubro de 2004. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Disponível em http://www.mds.gov.br

________ . Resolução nº 130, de 15 de julho de 2005. Norma Operacional Básica - NOB-SUAS. Brasília, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Disponível em http://www.mds.gov.br

________ . Norma Operacional Básica de Recursos Humanos - NOB-RH/SUAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Conselho Nacional de Assistência Social. Disponível em http://www.mds.gov.br

BRAVO, Maria Inês Souza. Desafios atuais do controle social no Sistema único de Saúde (SUS). Serviço Social e Sociedade, Ano XXVII, nº 88, p. 75-100, novembro 2006.

_________ . As políticas brasileiras de seguridade social: saúde. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social. Módulo 3. Brasília, CEAD/UNB, 2000.

CABRAL, Maria do Socorro Reis. As políticas brasileiras de seguridade social: previdência social. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social. Módulo 3. Brasília, CEAD/UNB, 2000.

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL E POLÍTICA SOCIAL. Recomendações para elaboração do projeto de intervenção. In: _______ . Módulo 5. Brasília, CEAD/UNB, 2001.

CARNEIRO, Carla Bronzo Ladeira. Concepções sobre pobreza e alguns desafios para a intervenção social. Serviço Social e Sociedade, Ano XXVI, nº 84, p. 66-90, novembro 2005.

COSTA, Maria Dalva Horácio da. O trabalho nos serviços de saúde e a inserção dos(as) assistentes sociais. Serviço Social e Sociedade, Ano XXI, nº 62, p. 35-72, março 2000.

CFESS. Código de ética profissional do assistente social. Resolução CFESS nº 290/94 e 293/94 de 13 de março de 1993. In: Coletânea de Leis. Florianópolis, CRESS 12ª Região, gestão 1996-1999.

FALEIROS, Vicente de Paula. Estratégias em Serviço Social. São Paulo, Cortez, 1997.

GUEIROS, Dalva Azevedo. Família e proteção social: questões atuais e limites da solidariedade familiar. Serviço Social e Sociedade, Ano XXIII, nº 71, p. 102-121, setembro 2002.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo, Cortez, 1998.

_______ . Trabalho e indivíduo social. São Paulo, Cortez, 2001.

_______ . CARVALHO, Raul de. Relações sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. São Paulo, Cortez/Celats, 1983.

MARSIGLIA, Regina Maria Giffone. O projeto de pesquisa em Serviço Social. In: Capacitação em Serviço Social e Política Social. Módulo 5. Brasília, CEAD/UNB, 2001.

MARTINS, Aline de Carvalho. Conselhos de direitos: democracia e participação popular. In: SALES, Mione Apolinário. MATOS, Maurílio Castro de. LEAL, Maria Cristina (org.). Política social, família e juventude: uma questão de direitos. São Paulo, Cortez, 2004.

MENICUCCI, Telma Maria Gonçalves. Política de saúde no Brasil: entraves para universalização e igualdade da assistência no contexto de um sistema dual. Serviço Social e Sociedade, Ano XXVII, nº 87, p. 58-75, setembro 2006.

MIOTO, Regina Célia Tamaso. Perícia social: proposta de um percurso operativo. Serviço Social e Sociedade, Ano XXII, nº 67, p. 145-158, setembro 2001.

________ . Novas propostas e velhos princípios: a assistência às famílias no contexto de programas de orientação e apoio sociofamiliar. In: SALES, Mione Apolinário. LEAL, Maria Cristina. MATOS, Maurílio Castro de (org.). Política social, família e juventude: uma questão de direitos. São Paulo, Cortez, 2004.

_______ . Trabalho com famílias: um desafio para os assistentes sociais. Revista Virtual Textos e Contextos, Ano III, nº 3, dezembro 2004. Disponível em www.pucrs.br/textos/

_______ . O trabalho com redes como procedimento de intervenção profissional: o desafio da requalificação dos serviços. Revista Katálysis, Ano V, n° 1, p. 51-58, jan./jun. 2002.

MOTA, Ana Elizabete et al. (org.) Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo, Cortez, ABEPSS, Ministério da Saúde, OPAS, OMS, 2006.

NETTO, José Paulo. O movimento de reconceituação - 40 anos depois. Serviço Social e Sociedade, Ano XXVI, nº 84, p. 05-20, novembro 2005.

OLIVEIRA, Mara. Acessando direitos sociais: redes municipais de políticas sociais − espaço de articulação entre as políticas sociais públicas. Revista Virtual Textos e Contextos, Ano III, nº 3, dezembro 2004. Disponível em www.pucrs.br/textos/

PEREIRA, Potyara Amazoneida Pereira. Mudanças estruturais, política social e papel da família: crítica ao pluralismo de bem-estar. In: SALES, Mione Apolinário. LEAL, Maria Cristina. MATOS, Maurílio Castro de (org.). Política social, família e juventude: uma questão de direitos. São Paulo, Cortez, 2004.

_______ . A utilidade da pesquisa para o Serviço Social. Serviço Social e Saúde, Ano IV, n° 4, p. 17-28, maio 2005.

RAICHELIS, Raquel. Articulação entre os conselhos de políticas públicas: uma pauta a ser enfrentada pela sociedade civil. Serviço Social e Sociedade, Ano XXVII, nº 85, p. 109-116, março 2006.

SOARES, Maria Victoria Benevides. Cidadania e direitos humanos. In: CARVALHO, José Sérgio (org.) Educação, cidadania e direitos humanos. Petrópolis, RJ, Vozes, 2004.

SOUZA, Marli Palma. Famílias em situação de violência: mediando conflitos. In: VERONESE, Josiane Rose Petry. SOUZA, Marli Palma. MIOTO, Regina Célia Tamaso. Infância e Adolescência, o conflito com a Lei: algumas discussões. Florianópolis, Fundação Boiteux, 2001.

TÜRCK, Maria da Graça Maurer Gomes. Rede interna e rede social: o desafio permanente na teia das relações sociais. 2. ed. Porto Alegre, Tomo Editorial, 2002.

YAZBEK, Maria Carmelita. A assistência social na prática profissional: história e perspectivas. Serviço Social e Sociedade, Ano XXVII, nº 85, p. 123-132, março 2006.

AUDITOR FISCAL DA RECEITA MUNICIPAL

1. Espécies de tributos. Características. Fato gerador, base de cálculo, sujeito ativo e sujeito passivo. Alíquotas. 2. Crédito tributário. O lançamento e suas modalidades. Obrigações principal e acessórias. Suspensão, extinção e exclusão do crédito tributário. Garantias e privilégios. Ação fiscalizatória. Processo administrativo tributário. Dívida ativa. Renúncia fiscal. 3. Tributos municipais. Características. Sistema tributário municipal. Extrafiscalidade. Função social da propriedade. Progressividade dos impostos. A legislação tributária municipal. 4. Direito Administrativo. Servidor Público. Ato administrativo. Processo Administrativo. Poder de Polícia. 5. Orçamento.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BALEEIRO, Aliomar. Direito tributário brasileiro (atualizado por Misabel Abreu Machado Derzi). Rio de Janeiro: Forense.

BRASIL. Lei 5.172, de 25/10/66 (Código Tributário Nacional) e legislação complementar.

______ . Lei 101 de 2000. (Lei de Responsabilidade Fiscal) .

______ . Lei 4.320 de 1964. (Lei do Orçamento).

______ . Lei 8.429 de 1992. (Improbidade Administrativa).

DI PIETRO, M. S. Z. Direito Administrativo. São Paulo, Atlas, 2001.

IMBITUBA. Lei Complementar nº 3.019 de 2006. (Código Tributário do Município) e legislação complementar.

BIBLIOTECÁRIO

1. Planejamento e Organização de bibliotecas. 2. seleçao e aquisição de material. 3. catalogação e classificação de material. 4. redes e sistemas de informação. 5. profissionais de informação. 6. serviço de referência e informação. 7. sociedade da informação. 8. Informática na biblioteca.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, M.C.B. de. Planejamento bibliográfico e serviços de informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 2000.

ANDRADE, D.; VERGUEIRO, W. Aquisição de materiais de informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 1996.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação, referências. Elaboração. Rio de Janeiro, 2002, 24 p.

______ . NBR 14724: informação e documentação, trabalhos acadêmicos. Apresentação. Rio de Janeiro, 2005, 9

BARBALHO, C.R.S.; BERAQUET, V.S.M. Planejamento estratégico para unidades de informação. São Paulo: Polis: Associação Paulista de Bibliotecários, 1995.

CAMPELLO, B.S.; CAMPOS, C.M. Fontes de informação especializada: características e utilização. Belo Horizonte: Ed. Da UFMG, 1993.

______ ; CALDEIA, P. da T.Introdução às fontes de informação. Belo Horizonte: Autêntica, 2005

______ ; MAGALHÃES, M.H. de A. Introdução ao controle bibliográfico. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 1997.

CÓDIGO de catalogação anglo-americano. Preparado sob a direção do Joint Steering Committee for Revision of AACR. 2. ed. Rev. 2002. Tradução para a língua portuguesa sob a responsabilidade da FEBAB. São Paulo: FEBAB: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.

CUNHA, M.B. da. Para saber mais: fontes de informação em ciência e tecnologia. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 2001.

DODEBEI, V.L.D. Tesauro: linguagem de representação da memória documentária. Niterói: Intertexto; Rio de Janeiro: Interciência, 2002.

GROGAN, D. A prática do serviço de referência. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 2001.

______ . Indexação e resumos: teoria e prática. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 1994.

MACHADO, A.M.N. Informação e controle bibliográfico: um olhar sobre a cibernética.São Paulo: Editora UNESP, 2003.

_____ : MENDONÇA, M.A.R. Bibliotecas como organizações. Rio de Janeiro: Interciência: Niterói: Intertexto,2000.

MENDES, M.T.R. Cabeçalhos para entidades coletivas. Rio de Janeiro: Interciência; Niterói: Intertexto, 2002.

NAVES, M.M.L.; KURAMOTO, H. (Orgs.) Organização da informação: princípios e tendências. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 2006.

PIEDADE, M.A.R. Introdução à teoria de classificação. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 1983.

PRADO, H. de A. Organização e administração de bibliotecas. 2. ed. rev. São Paulo: T.A.Queiroz, 2003.

VERGUEIRO, W. Seleção de materiais de informação: princípios e técnicas. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 1995.

CONTADOR

1. Contabilidade Geral: objetivo e finalidade. Estrutura conceitual básica da contabilidade. Princípios fundamentais da contabilidade. Depreciação. Amortização. Apuração de resultados. Demonstrações contábeis. Estrutura e conceitos de contabilidade de custo. Regulamento de Imposto de Renda - Decreto Lei nº 1.041/94.

2. Contabilidade Pública: conceito, campo de aplicação. A função da contabilidade na Administração Pública. Sistemas da contabilidade pública: objetivo e classificação.

Sistemas: orçamentário, financeiro, patrimonial e de compensação. Demonstrações contábeis de entidades governamentais (Lei nº 4.320/64).

Balanços: orçamentário, financeiro, patrimonial e demonstração das variações patrimoniais. Relatório resumido da execução orçamentária e relatório de gestão fiscal: regulamentação e composição segundo a Lei Complementar nº 101/2000. Exercício financeiro: definição. Regime contábil: classificação. Regime de caixa e de competência. Regime contábil brasileiro: reconhecimento das receitas e despesas públicas. Exercício financeiro das entidades governamentais. Aplicação dos princípios fundamentais de contabilidade na área pública. Receita Pública: conceito. Controle da execução da receita orçamentária: contabilização dos estágios de realização da receita orçamentária. Receita extra-orçamentária: definição, casos de receita extraorçamentária e contabilização. Dívida Ativa: conceito, classificação, apuração, inscrição e cobrança. Contabilização.

Despesa Pública: conceito. Controle da execução da despesa orçamentária: contabilização dos estágios de realização da despesa orçamentária. Despesa extra-orçamentária: definição, casos de despesa extra-orçamentária e contabilização.

Dívida Pública: conceito e classificação. Dívida Flutuante: consignações, retenções, restos a pagar, serviços da dívida a pagar e débitos de tesouraria. Definições e contabilizações. Dívida Fundada: operações de crédito: definição, classificação, regulamentação e contabilização. Formas de gestão dos recursos financeiros. Gestão por caixa único: definição. Princípio de unidade de tesouraria. Gestão por fundos especiais regulamentados: conceito, regulamentação e contabilização. Adiantamentos: conceito e contabilização.

Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI): conceito, objetivos, principais documentos.

3. Planejamento Governamental: Conceito de Planejamento. Plano de Governo: conceito, estrutura atual do sistema orçamentário brasileiro. Base legal do planejamento governamental. Sistema Orçamentário Brasileiro. Plano Plurianual: conceito, objetivo e conteúdo. Lei de Diretrizes Orçamentárias: conceito, objetivo e conteúdo. Metas Fiscais e Riscos Fiscais. Lei de Orçamento Anual: conceito de Orçamento Público. Princípios orçamentários. Aspectos político, jurídico, econômico e financeiro do Orçamento. Conteúdo do Orçamento-programa: quadros que o integram e acompanham, conforme a Lei nº 4.320/64 e a Lei Complementar nº 101/2000. Classificações Orçamentárias. Classificação da receita por categorias econômicas. A classificação da receita de acordo com a Portaria nº 163/2001. Classificação da despesa. Classificação institucional. Classificação funcional-programática. Classificação econômica. A classificação da despesa conforme a Lei nº 4.320/64, a Portaria nº 42/99 e a Portaria nº 163/2001.

Processo Orçamentário. Elaboração da proposta orçamentária: conteúdo, forma e competência. Discussão, votação e aprovação: encaminhamento da proposta ao Poder Legislativo. Emendas, vetos e rejeição à proposta orçamentária. Aprovação da Lei de Orçamento. Execução orçamentária da receita: programação financeira, lançamento, arrecadação e recolhimento. Conceitos. Execução orçamentária da despesa: programação financeira, licitação, empenho, liquidação e pagamento.

4. Direito Administrativo: Estado: conceito, elementos e poderes. Organização do Estado. Finalidade do Estado. Município: conceituação do Município brasileiro. A competência do Município. Entidades políticas e administrativas. Entidades estatais, autárquicas, fundacionais e paraestatais. Câmara Municipal: função legislativa, função de controle e função de fiscalização. Contrato administrativo: conceito, tipos e cláusulas essenciais.

Regime Jurídico da Licitação: conceito, finalidade e modalidades de licitação. Serviços e obras públicas: conceito e formas de execução.

Servidores públicos: conceito. Agentes públicos. Cargo, emprego e função. Regime jurídico do servidor. Normas constitucionais pertinentes à remuneração ou vencimento. Regime de subsídios. Normas comuns à remuneração e aos subsídios.

Bens públicos: conceito e classificação dos bens públicos. Alienação dos bens públicos. Controle Governamental: conceito de controle. Tipos e formas de controle. Controle interno, externo e integrado. Fiscalização dos atos da Administração pelo Poder Legislativo. Atribuições dos Tribunais de Contas.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ANGÉLlCO, João. Contabilidade pública. 8. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos. Contabilidade pública: da teoria à prática. São Paulo: Saraiva, 2004.

BRASIL. Constituição Federal de 1988.

______ . Lei Complementar no 101, de 04 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). "Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências".

______ . Manual de Elaboração do Anexo de Metas Fiscais e do Relatório Resumido da Execução Orçamentária - 6a edição - Portaria n° 633, de 30.08.2006, da STN. "Aprova a 6ª edição do Manual de Elaboração do Anexo de Metas Fiscais e do Relatório Resumido da Execução Orçamentária"

______. Manual de Elaboração do Anexo de Riscos Fiscais e do Relatório de Gestão Fiscal - 6ª edição - Portaria n° 632, de 30.08.2006, da STN. "Aprova a 6ª edição do Manual de Elaboração do Anexo de Riscos Fiscais e do Relatório de Gestão Fiscal".

______. Lei Federal n 8.666, de 21 de junho de 1993, e alterações. "Estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras, serviços (inclusive de publicidade), compras, alienações e locações no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios".

______ . Portaria no 42 de 14 de abril de 1999, e alterações. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão "Atualiza a discriminação da despesa por funções de que tratam o inciso I do § 1° do art. 2° e § 2° do art. 8°, ambos da Lei n° 4.320, de 17 de março de 1964, estabelece os conceitos de função, subfunção, programa, projeto, atividade, operações especiais, e dá outras providências."

______ . Portaria Interministerial no 163, de 4 de maio de 2001. Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda e Secretaria de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. "Dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, e dá outras providências".

______ . Manual de Procedimentos da Receitas Públicas - 4º Edição - Portaria Conjunta n° 2, de 08.02.2007, e alterações. Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda e a Secretaria de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

FIPECAFI. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações, 6º ed. São Paulo: Atlas, 2003.

GIACOMONI, James. Orçamento público. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

KOHAMA, Heilio. Contabilidade pública: teoria e prática. 7. ed. São Paulo. Atlas, 2000.

KOHAMA, Heilio. Contabilidade pública: teoria e prática; contém aplicação prática dos principais dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal. 9.ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LIMA, Diana Vaz; CASTRO, Róbison Gonsalves de. Contabilidade pública: integrando União, Estados e Municípios. 2. ed. São PauloÇ Atlas, 2006.

MACHADO Jr., José Teixeira; REIS, Heraldo da Costa. A lei 4.320/64 comentada. 30 ed. rev. atual. Rio de Janeiro: IBAM, 2000/2001. (*)

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 26. ed. São Paulo: Malheiros, 2001.

REIS, Heraldo da Costa. Princípios fundamentais de contabilidade (resolução nº 750/93 do Conselho Federal de Contabilidade) e a lei 4.320/64. Rio de Janeiro: IBAM, 1995.

SILVA, Lino Martins da. Contabilidade governamental: um enfoque administrativo. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

SLOMSKI, Valmor. Manual de contabilidade pública: um enfoque na contabilidade municipal; de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2003.

ENFERMEIRO

1 .Fundamentos de enfermagem. Conhecimentos técnico-científicos para execução de procedimentos de enfermagem; registro de enfermagem; consulta de enfermagem; ética de enfermagem e legislação do exercício profissional; administração dos serviços de enfermagem: previsão, provisão, organização e armazenamento de recursos materiais, dimensionamento e desenvolvimento de recursos humanos, liderança e supervisão, auditoria e avaliação de desempenho em enfermagem; metodologia da assistência de enfermagem. 2.Saúde pública. Política nacional de saúde, epidemiologia, história natural das doenças e níveis de prevenção; indicadores de saúde, sistema de vigilância epidemiológica; atenção primária em saúde, saneamento e programa nacional de imunização; programas especiais de saúde voltados à assistência da criança, do adolescente, da mulher, do adulto, do idoso, do trabalhador e da família; atividades de educação em saúde. 3.Enfermagem médico-cirúrgica. Ações de enfermagem às pessoas com distúrbios psiquiátricos, em situações de urgência e emergência, distúrbios clínicos e cirúrgicos; prevenção e controle de infecção hospitalar; ações de enfermagem na realização de curativos; intervenções de enfermagem no preparo, esterilização e acondicionamento de materiais hospitalares. 4.Enfermagem materno-infantil. Cuidados de enfermagem à mulher durante o ciclo gravídico-puerperal e às portadoras de patologias específicas da gravidez e ginecológicas; cuidados de enfermagem ao recém-nascido, à criança e ao adolescente no ciclo de desenvolvimento normal e aos portadores de patologias específicas.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, Claudia Elizabeth e cols. Manual para realização de curativos. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 2002.

BARROS Maria Celeste (et all) Enfermagem cirúrgica, RJ: Ed.Senac Nacional, 1996

BOLICH Diana at al, Segurança e controle de infecção-Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2000

BRASIL, Ministério da Saúde. Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar. Orientações gerais para central de esterilização. Brasília, 2001.

BRASIL, Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Manual de controle das doenças sexualmente transmissíveis DST 3. ed. Brasília, 1999.

BRASIL, Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Rede de Frio. Brasília, 2001.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Programa Qualidade do Sangue: sangue e hemoderivados. Brasília, 2000.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Amamentação e uso de drogas. Brasília, 2000.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão arterial e ao diabetes mellitus. Manual de hipertensão arterial e diabetes mellitus Brasília, 2002.

BRASIL, Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de normas de vacinação. 3. ed. Brasília: 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília: 2005.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Manual técnico para o controle da tuberculose: cadernos de atenção básica. 6. ed. Ver e atual. Brasília, 2002.

CABRAL Ivone (et all) Enfermagem no cuidado materno e neonatal:RJ. ed. Guanabara. 2005.

CUTULO L. Manual de terapêutica assistência a famiia. Fpolis, ACM, 2006.

GUYTON,M.D, Fisiologia Humana. Ed. R.J Ed. Guanabara.1988.

HUTTEL, R. Enfermagem Médico-Cirúrgica.R.J; Ed Guanabara 2 Ed.2004

KNOBEL Elias, Condutas no paciente grave.3 Ed. SP,\: Ed.Atheneu ,2006

KURCGANT, Paulina (coor). Administração em enfermagem. São Paulo: EPU, 1991.

NASI L. (et al) Rotina em pronto socorro.2 Ed. Porto Alegre. Artmed,2005.

PINHEIRO R. (et all)Os sentidos da integrlidade na atenção e no cuidada a saúde 3 ed. RJ UERJ,IMS:ABRASCO 2001.

REIBNITZ (et all) Serie Auxiliar de Enfermagem,Florianópolis: NFR/SPB.1997. Vol.4

SANTOS, Raimundo Rodrigues et al. Manual de socorro de emergência. São Paulo: Atheneu, 1999.

SMELTZER, Suzanne C., BARE, Brenda G. Brunner & Suddarth. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica Vol 1 e 2. 10a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

WAINTZBERG Dan L. Nutrição enteral e parenteral na pratica clinica 3 Ed. Atheneu. São Paulo.2006.

ENGENHEIRO AGRIMENSOR

1. Geodésia. Levantamento geodésico. Sistemas UTM, RTm e LTM. Tipos de poligonais geodésicas. Métodos de levantamento geodésico. Leituras produzidas e utilizadas no levantamento geodésico. Interpretação de relatórios geodésicos e seus termos técnicos. Norma para implantação e ampliação da RRCM.2.Topografia. Levantamento topográfico. Poligonais topográficas enquadradas, fechadas e abertas. Nivelamento geométrico. Classificação de equipamentos e levantamentos de acordo com a Norma. Locações urbanas.Elaboração e avaliação de projetos de parcelamento do solo. Legislação dominical, ambiental e técnica pertinente ao parcelamento, uso e ocupação do solo. Legislação sobre as terras de marinha e acrescidos de marinha. Equipamentos, técnicas e interpretação de dados de batimetria.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

1) LOCH, Carlos. CORDINI, Jucilei. Topografia Comtemporânea - Planimetria. 2 ed. Editora da UFSC. Florianópolis, 2000.

2) COMASTRI, José Anobal. TULER, José Cláudio. TOPOGRAFIA - Altimetria. 3 ed. Editora da UFV. Viçosa, 1999.

3) COMASTRI, José Aníbal. JÚNIOR, Joel Gripp. TOPOGRAFIA APLICADA: Medição, Divisão e Demarcação. Editora da UFV, Viçosa, 1998.

4) MONICO, João Francisco Galera. Posicionamento pelo Sistema NAVSTAR-GPS. Editora da UNESP, São Paulo, 2000.

5) Portaria no. 049/97, da FATMA, disponível em http://www.fatma.sc.gov.br/download/sinfat/consema_7938.doc

6) Instrução Normativa da FATMA/SC: IN 05 - Licenciamento Ambiental para Parcelamento do Solo Urbano (loteamento e condomínio de terrenos), disponível em http://www.fatma.sc.gov.br/biblioteca_ambiental/in.htm

7) Instrução Normativa da FATMA/SC: IN 39 - Licenciamento Ambiental para Parcelamento do Solo até 2.000 metros das Terras de Marinha, disponível em http://www.fatma.sc.gov.br/biblioteca_ambiental/in.htm

8) Resolução do CONSEMA no. 001/2006, disponível em http://www.fundema.sc.gov.br/upload/arquivos/resolucao_consema_001_06.pdf

9) Decreto S/N, de 14 de Setembro de 2000 - Cria a APA da Baleia Franca, disponível em

http://br.geocities.com/apadabaleiafranca/leis.html

http://www.imbituba.sc.gov.br/Leis/lista_ordinaria.php?ord=1466&set=7

10) Decreto no. 7.842, de 13 de Setembro de 1941, disponível em www.cdiport.com.br/texto/anexos/decreto.pdf.

11) Decreto Lei no. 9.760, de 5 de Setembro de 1946, disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del9760.htm

12) IN 02 MP/SPU, de 12 de Março de 2001, disponível em http://www.spu.planejamento.gov.br/conteudo/legislacao/instrucao_normativa/in_02_12_03_01.HTM

13) Decreto no. 4.105, de 22 de fevereiro de 1868, cronologia histórica disponível em http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=5855&p=3

14) Decreto no. 24.643 (Artigos 11, 14 e 15), de 10 de julho de 1934 - Código das Águas, disponível em http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Decreto/D24643.htm

15) Decreto Lei no. 9.760 (Artigos 1, 4 e 9), de 05 de Setembro de 1946

16) ON-GEADE-003 (itens: 1, 3.10, 3.15, 3.24, 3.25, 3.2 a 3.5, 4.1 a 4.3, 4.9, 4.14 a 4.17, e 4.21), Orientação Normativa, MP/SPU, 04/06/2001, disponível em www.spu.planejamento.gov.br/arquivos_down/spu/orientacao_normativa/ON_geade_003.PDF

17) Lei Complementar no. 2623/2005 (Parte 01, Título 1, capítulos 1 a 4), de 19 de Março de 2005 - Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento Sustentável de Imbituba, disponível em http://www.imbituba.sc.gov.br/Leis/complementar.php?set=7

18) Lei nº 846 (Capítulo IX), de 02 de Janeiro de 1986, Institui o Código de Posturas do Município de Imbituba, disponível em http://www.imbituba.sc.gov.br/Leis/postura.php?set=7

19) Lei Estadual no. 6063/82, de 24 de Maio de 1982 - parcelamento do solo, disponível em http://200.192.66.20/ALESC/PesquisaDocumentos.asp

20) Provimento da Corregedoria/SC no. 75/98, disponível em http://tjsc5.tj.sc.gov.br/consultas/jurisprudencia/jsp/provimentoscirculares_avancada.jsp

21) Lei Federal no. 6766/79, disponível em

http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/LEIS/L6766orig.htm

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/Cobrac_2000/264/264.htm

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/Cobrac_2000/118/118.htm

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/cobrac98/060/060.HTM

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/cobrac98/075/075.HTM

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/cobrac98/076/076.HTM

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/cobrac98/089/089.htm

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/cobrac_2002/017/017.htm

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/Cobrac_2002/027/027.htm

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/cobrac_2002/042/042.htm

http://www.lactec.org.br/OInstituto/downloads/Biblioteca/2001/009_2001.pdf

http://geodesia.ufsc.br/Geodesia-online/arquivo/cobrac_2006/197.pdf

http://www.cartografia.org.br/xxi_cbc/216-H05.pdf

http://www.tdx.cbuc.es/TESIS_UB/AVAILABLE/TDX-0422105-133010//1.INTRODU%C7AO.pdf

http://calvados.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/geociencias/article/viewFile/4217/3412

http://staff.on.br/pibic/Resumos-JIC-2005.pdf

http://www.semam.fortaleza.ce.gov.br/arquivos_pdf/batimetria_relatorio.pdf

http://snirh.inag.pt/snirh/download/relatorios/relatoriohidrografia_mondego.pdf

NBR 13133: Execução de levantamento topográfico (Procedimento)

NBR 14166: Rede de Referência Cadastral Municipal (Procedimento)

NBR 14645-1: Levantamento Planialtimétrico e cadastral de imóvel urbano com área de até 25.000 m2, para fins de estudos, projetos e edificação

NBR 14645-2: Levantamento planimétrico para registro público para retificação de imóvel urbano (Procedimento)

NBR 14645-3: Locação topográfica e controle dimensional da obra (Procedimento)

NBR 14653-2: Avaliação de bens - Parte 02: Imóveis urbanos

ENGENHEIRO CIVIL

1.Etapas Preliminares e Obras de Infra-Estrutura: Aspectos legais, Estudo do terreno, Sondagens, Topografia, Demarcação da obra, Fundações diretas, Fundações indiretas. 2.Obras de Supra-Estrutura: Formas, Armaduras, Tecnologia do concreto, Concreto, Alvenaria. 3.Instalações Prediais. 3.1 .Instalações hidráulicas: - Instalações prediais de água fria. a) Sistemas de alimentação predial e distribuição de água fria. b) Dimensionamento do sistema de alimentação. c) Dimensionamento da estação elevatória. d) Dimensionamento do sistema de distribuição de água fria. 3.2.Instalações prediais de esgoto sanitário. a) Partes constituintes e funcionamento das instalações prediais de esgoto sanitários. b) Dimensionamento das canalizações de esgoto e ventilação. 3.3.Instalações prediais de esgotos pluviais. a) Dimensionamento das instalações prediais de esgotos pluviais. 3.4.Instalações hidráulico-prediais contra incêndio. a) Sistemas de proteção contra incêndio por extintores manuais. 4.Instalações Elétricas. a) Alimentação predial. PC. b) Quadros corta circuitos. c) Tubulações, condutores, dimensionamento. d) Pontos de utilização / Pág. 15 dimensionamento. 5.Instalações de Gás. a) Medidores. PI. b) Reguladores de pressão. c) Tubulação - dimensionamento. d) Pontos de utilização. e) Aquecimento / exaustão. 6.Instalações de Telefone. a) Quadros de distribuição. b) Tubulação interna e rede interna. c) Cabeamento. 7.Rede Lógica. a) Quadros de distribuição. b) Tubulação interna e rede interna. c) Cabeamento. 8.Esquadrias: a) Madeira. b) Metálica. c) PVC. 9.Serviços de Acabamento: a) Revestimento. b) Pavimentação. 10.Coberturas e Tratamento: a) Impermeabilização. b) Telhados - Madeiramento e telhas. 11.Louças e Metais. 12.Equipamentos Eletromecânicos. 13.Vidros: a) Lisos. b) Temperados. 14.Pavimentação: a) Projetos de vias urbanas. b) Obras de arte. c) Pavimentação. d) Ensaios tecnológicos. 15.Arquitetura e Urbanismo.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

Evolução Urbana do Brasil 1500/1 720 - Ref.: 1274 Ed. PINI.

Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento - Ref.: 1162 Ed. PINI.

Manual de Contratação dos Serviços de Arquitetura e Urbanismo - Ref.: 1273 Ed. PINI.

ALVES, José Dafino. Materiais de construção, São Paulo, Ed. Nobel, 1974, 2 vol.

AZEVEDO, H.A. O Edifício até sua cobertura, Ed. Edgar Blucher, 1993.

BARATA, Fernando Emmanuel. Propriedades mecânicas dos solos, Ed. LTC, 1984.

BAUD, G. Manual de pequenas construções, Ed. Hemus, 1978.

BORGES, A.C. Prática das pequenas construções, vol. 1, Ed. Edgar Blucher, 1987.

CARDÃO, C. Técnica da construção, Ed. LTC, 1983, 6.ª Ed., Belo Horizonte.

CAPUTO, H.P. Mecânica dos Solos, Ed. LTC, 1978.

CREDER, Hélio. Instalações hidráulicas e sanitárias, Ed. LTC, 1978.

CREDER, Hélio. Instalações elétricas, Ed. LTC, 1984.

MACINTYRE, A.J. Manual das instalações hidráulicas e sanitárias, Ed. Guanabara, 1990.

NETTO, Antônio Vieira. Como gerenciar construções, Ed. PINI, 1988.

POLLILO, Adolpho. Dimensionamento de concreto armado vol. 1, Ed. Científica, 1976.

POLLILO, Adolpho. Dimensionamento de concreto armado vol. 2, Ed. Científica, 1977.

PRETRUCCI, Eládio G. R. Materiais de construção, Porto Alegre, Ed. Globo, 19750.

RIPPER, Ernesto. Tarefas do Engenheiro na obra, Ed. PINI, 1986.

STABILLE, Miguel. Composição de custos, Ed. Boletim de custos, 1993.

SUSSEKIND, José Carlos. Curso de análise estrutural, Ed. Globo, 1980.

Manual de pavimentação - DNER.

Normas da ABNT.

Informações básicas sobre materiais asfálticos - IBP, 2.ª Ed., 1978.

FARMACÊUTICO

1. Farmacologia: Farmacocinética e Farmacodinâmica; Mecanismo de ação dos fármacos empregados no tratamento da Hipertensão, Diabetes, Inflamação e Infecção bacteriana. Interações Farmacológicas.

2. Farmacotécnica: Aspectos Biofarmacêuticos das formas farmacêuticas, Soluções, Xaropes, Suspensões, Emulsões, Formas farmacêuticas nasais, Formas farmacêuticas oftálmicas, Formas farmacêuticas auriculares, Pomadas, Cremes, Pastas, Géis, Produtos Transdérmicos, Pós, Grânulos, Cápsulas, Comprimidos, Comprimidos revestidos, Injetáveis, Supositórios, Óvulos e Aerossóis.

3. Assistência Farmacêutica: Seleção e Padronização de Medicamentos e Correlatos; Programação; Aquisição; Armazenamento e Estocagem; Controle de Estoque de Medicamentos; Princípios de Farmacoepidemiologia e Farmacovigilância; Assistência Farmacêutica no SUS; Dispensação Ambulatorial e Atenção Farmacêutica.4. Legislação Sanitária e Profissional Pertinente a Farmácia: Código de ética, o Exercício Profissional, Política Nacional de Medicamentos; Política Nacional de Assistência Farmacêutica, Relação Nacional de Medicamentos Essenciais e Medicamentos Genéricos; Medicamentos Controlados, Boas Práticas na Manipulação de Medicamentos e Boas Práticas em Farmácias e Drogarias.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

-ACURCIO, Francisco de Assis. Medicamentos e assistência farmacêutica. Belo Horizonte: Coopmed, c2003. 124 p.

-ANSEL, Howard C; POPOVICH, Nicholas G; ALLEN, Loyd V. Farmacotécnica: formas farmacêuticas E sistemas de liberação de fármacos. 6. ed. São Paulo: Premier, 2000. xii, 568p, il. Tradução de: Pharmaceutical dosage forms and drug delivery systems.

ANTUNES JÚNIOR, Daniel. Farmácia de manipulação: noções básicas. São Paulo: Tecnopress, 2002. 140p.

-BRASIL. Ministério da Saúde. Planejar é preciso: uma proposta de método para aplicação à assistência farmacêutica. Brasília, D.F: Ed. do Ministério da Saúde, 2006. 73 p.

- ______. Ministério da Saúde. Secretaria da Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Assistência Farmacêutica na atenção básica: instruções técnicas para sua organização. Brasília, D.F: 2º. Ed. Do Ministério da Saúde, 2006. 93 p.

- ______ CFF, Resolução nº. 417, de 29 de setembro de 2004. Regulamenta o código de ética da profissão Farmacêutica.

- ______ CNS, Resolução RDC nº 338, de 06 de Maio de 2004 Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica.

- ______ Lei 9787 de 10 de fevereiro de 1999 estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências.

-______ Portaria 3. 916 de 30 de Outubro de 1998; Regulamenta a Política Nacional de Medicamentos.

- _____ Portaria nº 344 de 12 de maio de 1998 Aprova o Regulamento técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial.

- ___________________ Resolução RDC nº. 328, de 22 de Julho de 1999, Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias.

- _________________ Resolução RDC 214, de 07 de fevereiro de 2007 Aprova o Regulamento Técnico sobre Boas Práticas de Manipulação de Medicamentos em Farmácias.

BRODY, Theodore M. (Ed.). Farmacologia humana. São Paulo: Elsevier, 2006. 724 p.

CIPOLLE, Robert J; STRAND, Linda M; MORLEY, Peter C. O exercício do cuidado farmacêutico. Brasília, D.F: Conselho Federal de Farmácia, 2006. 378 p.

FERREIRA, Anderson de Oliveira. Guia prático da farmácia magistral. 2.ed. Juiz de Fora: Ortofarma, 2002. 845

FUCHS, Flávio Danni; WANNMACHER, Lenita; FERREIRA, Maria Beatriz Cardoso. Farmacologia clínica: fundamentos da terapêutica racional. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, c2004. 1074

- GOMES, Maria Jose Vasconcelos de Magalhães; REIS, Adriano Max Moreira. Ciências farmacêuticas: uma abordagem em farmácia hospitalar. São Paulo: Atheneu, 2000. 558p.

- KATZUNG, B. Farmacologia Básica e Clinica, 8a. edição, Editora Guanabara Koogan. 2005.

MAIA NETO, J.F. (Org.) Farmácia Hospitalar e suas interfaces com a saúde. 1º ed. São Paulo, 2005.

MARIN, Nelly. Assistência farmacêutica: para gerentes municipais. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, 2003. 334 p.

MORAS, Giancarlo; HESS, Ryane Loredana. Farmácia: implantação e diferenciação. Florianópolis: Jornal da Noite, 1999. 132p .

RANG. H. P.; Dale, M. M.; Ritter, J. M.; Moore, P. K. Farmacologia. 5a. edição Editora Elsevier 2004.

FONOAUDIÓLOGO

Ética e Legislação Profissional. Noções de Biossegurança. Aquisição e Desenvolvimento da Linguagem oral e escrita. Linguagem e Psiquismo. Alterações Específicas do Desenvolvimento da Linguagem oral: diagnóstico e intervenção. Avaliação e Tratamento dos Distúrbios da Comunicação. Atuação fonoaudiológica nas alterações de fala. Distúrbios Fonológicos: diagnóstico e intervenção. Atuação fonoaudiológica nos quadros afásicos. Linguagem nos processos de envelhecimento. Linguagem Escrita: Desenvolvimento da linguagem escrita. Etapas de aquisição da linguagem escrita. Distúrbios de aprendizagem e Dislexia. Patologia do Sistema Nervoso Central: Patologia do SNC e suas implicações na comunicação: Encefalopatias não progressivas. Encefalopatia Crônica Infantil Fixa (Paralisia Cerebral), Disartrias, Dispraxias, Apraxias, Dislexia. Deficiência Mental. Distúrbios Psiquiátricos. Sistema Fonatório/O Processo Vocal Básico. Avaliação de Voz Clínica. Tratamento em Voz Clínica. Voz e Disfonia nos Ciclos de Vida: da Infância à Senescência. Promoção de Saúde, Qualidade de Vida e Voz. Características vocais e terapia de voz para indivíduos com surdez. Atuação fonoaudiológica nas funções orofaciais. Atuação fonoaudiológica nas disfunções da articulação temporomandibular. Atuação Fonoaudiológica na Fissura Labiopalatina. Aleitamento materno. Distúrbios de deglutição. Atuação fonoaudiológica em disfagia orofaríngea neurogênica. Atuação fonoaudiológica: ação em disfagia orofaríngea mecânica. Audiologia: Desenvolvimento da audição. Avaliação audiológica completa. Triagem auditiva neonatal e acompanhamento do desenvolvimento da audição. Processamento Auditivo Central.

A Saúde como direito do cidadão e dever do Estado; Lei Orgânica da Saúde; Organização dos serviços de saúde no Brasil: Sistema Único de Saúde: Princípios, diretrizes, leis e regulamentação. Responsabilidade sanitária das instâncias gestoras do SUS; Planejamento e programação local de saúde; Regulação, Controle, Avaliação e Auditoria.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ALTMANN, E. B. C. (org.) Fissuras Lábio-Palatinas. 4ª ed. Carapicuíba: Pró-Fono; 2005.

ANDRADE, S. M.; SOARES, D. A.; CORDONI, L. Bases da Saúde Coletiva. Londrina: UEL, 2001.

ANDRADE, C. R. F.; MARCONDES, E. Fonoaudiologia em pediatria. São Paulo: Sarvier, 2003

BEFI, D. Fonoaudiologia em Atenção Primária à Saúde. Lovise, São Paulo, 1997.

BIANCHINI, E. M. G. (Org). Articulação Temporomandibular - Implicações, limitações e possibilidades terapêuticas. Carapicuíba: Pró-Fono; 2000.

BOONE, D. A voz e a terapia vocal. Porto Alegre, Artes Médicas, 1994.

BRASIL. Ministério da Saúde Congresso Nacional. Lei 8.080. Gráfica do Congresso Nacional. Brasília, 1990.

______ Congresso Nacional. Lei 8.142. Gráfica do Congresso Nacional. Brasília, 1990.

______ Constituição da República do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1988. Organização do texto, notas remissivas e índices por: Juarez de Oliveira. Saraiva, São Paulo, 1988 (Série Legislação Brasileira). Artigos 196 a 200

______. O SUS de A a Z , 2006. Disponível em: http://www.saude.gov.br/susdeaz.

______. Ministério da Saúde, Diretrizes Operacionais Pactos pela vida, em defesa do SUS e de gestão. Série Pactos pela Saúde, vol 1, 2006. Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/dab/documentos/pactos/documentos/pactos_vol1.pdf

CÓDIGO DE ÉTICA DE FONOAUDIOLOGIA. Disponível em: www.fonoaudiologia.org.br/etica/codetica_port.htm. Acesso em: 25 fev., 2005.

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA. Manual de Biossegurança. Medidas de Controle de Infecção para Fonoaudiólogos. Brasília, 2006. Disponível em: http://www.fonoaudiologia.org.br/DOC/manual%20de%20biossegurança%20março%202007indd.pdf

DE VITTO, M. F. L. Fonoaudiologia: no sentido da linguagem. São Paulo: Cortez, 1997.

FILHO-MACEDO E. D. M., GOMES G. F., FURKIM A. M. Manual de Cuidados do Paciente com Disfagia. São Paulo: Lovise; 2000.

FERREIRA, L. P.; SILVA, M. A. de A. (Orgs.) Saúde vocal: práticas fonoaudiológicas. São Paulo: Roca, 2002.

FERREIRA, L. P; BEFI-LOPES, D.M.; LIMONGI, S. C.O. (org.) Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Editora Roca, 2004. Capítulos: 4, 6, 10, 11, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 31, 40, 41, 42, 47, 61, 62, 63, 64, 65, 66, 67, 71, 72, 73, 75, 76, 77, 78, 79.

FREIRE, R. M. A linguagem como processo terapêutico: sócio-construtivismo, interações eficazes. São Paulo: Plexus, 1997

FREEMAN M, FAWCUS M. Distúrbios da voz e seu tratamento em falantes surdos e deficientes auditivos, Santos, 3ºed. 2004.

FROTA, S. Fundamentos em fonoaudiologia: audiologia 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

GOLDFELD, M. Fundamentos em Fonoaudiologia - Linguagem. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

GOMES, C. F. Aleitamento Materno. Pro Fono, 2005.

ISSLER, S. Articulação e linguagem - Fonologia na avaliação e diagnóstico fonoaudiológico. Rio de Janeiro: Revinter, 2006.

JACKUBOVICZ, R. Avaliação em Voz Fala e Linguagem, Revinter, 2004

LAGROTA, M. & CÉSAR, C. P. H. A. R. A Fonoaudiologia nas Instituições. Lovise, São Paulo, 1997.

MARCHESAN, I. Q. Aspectos Clínicos da Motricidade Oral. Série Fundamentos em Fonoaudiologia, Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1998.

MURDOCH, B. E. Desenvolvimento da fala e Distúrbios da linguagem - uma abordagem neuroanatômica e neurofisiológica. Rio de Janeiro: Revinter, 1997.

ORTIZ, K.Z. Distúrbios neurológicos adquiridos - fala e deglutição. São Paulo: Manole, 2006.

PINHO, S. M. R. Fundamentos em fonoaudiologia - Tratando os distúrbios da voz. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.

RUSSO, I. e MOMENSOHN-SANTOS, T. A prática da audiologia clínica. São Paulo: Cortez, 2005.

SCHOCHAT, E. (org.) Processamento auditivo - Série Atualidades em Fonoaudiologia, vol. II, São Paulo: Lovise, 1996.

VIEIRA, R. M. (org) Fonoaudiologia e Saúde Pública. Pró-Fono, Carapicuíba, 1995.

ZORZI, J.L. Aprendizagem e Distúrbios da Linguagem. São Paulo: Art-med, 2003.

MÉDICO CARDIOLOGISTA

1 .Cardiologia preventiva. 2.Insuficiência coronariana aguda e crônica. 3.Hipertensão arterial. 4.Insuficiência cardíaca. 5.Lesões orovalvulares. 6.Arritmias cardíacas. 7.Miocardiopatias e periocardiopatias. 8. Endocardite Infecciosa. 9 Dislipidemias

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BRAUNWALD, Eugene; ZIPES, Douglas; LIBBY, Peter. Tratado de Medicina Cardiovascular. 7ª. ed., Rio de Janeiro: 2006

PORTO, Celso C.; PORTO, Arnaldo L.; et al; Doenças do Coração. Prevenção e Tratamento; 2ª. ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2005

V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. 2006. Disponível em www.sbh.org.br

IV Diretrizes Brasileira sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq Brás Cardiol 2007; 88. I Diretriz de Perioperatório. Arq. Bras. Cardiol. 2007; 88(5) : e139-e178.

MÉDICO GINECOLOGISTA

Ginecologia 1. Anatomia, embriologia e fisiologia do aparelho genital. 2.Anamnese e exame ginecológico. Exames complemetares em Ginecologia. 3. Malformações genitais. Estados intersexuais. 4.Ginecologia infantopuberal. Doenças sexualmente transmissíveis. 5.Vulvovaginites. Doença inflamatória pélvica. 6. Dismenorréia. Síndrome pré-menstrual. 7. Hemorragia uterina disfuncional.Amenorréias. 8. Distopias genitais.Distúrbios urogenitais. 9.Incontinência urinária. 10.Infertilidade conjugal.Endometriose. 11 .Métodos contraceptivos. 12.Climatério descompensado. 13.Patologias benignas do colo e do corpo uterino. 14.Miomatose uterina.Doenças da vulva. 15.Síndrome dos ovários policísticos. 16.Câncer do colo do útero. 1 7.Tumores malignos e benignos dos ovários. 18. Lesões benignas e malignas das mamas. 1 9.Abdômen agudo em ginecologia. 20.Cirurgias ginecológicas e suas complicações. Obstetrícia. 1 .Fisiologia e endocrinologia do ciclo gravídico-puerperal. 2.Assistência pré-natal e propedêutica da gestação. 3.Estudo das doenças intercorrentes do ciclo gravídico. 4.Gestação de alto risco.Medicina fetal. 5.Deslocamento prematurode placenta. 6. Inserção viviosa placentária. 7.Abortamento. Prematuridade.Gravidez pós-termo. 8. Doenças hipertensivas do ciclo gravídico-puerperal. 9.Rotura prematura de membranas. 10.Crescimento intra-uterino restrito. 11 .Diabete melito e gestação. 12.Infecções pré-natais. 13.Prenhez ectópica.Gemelaridade. 14.Parto e puérpio: estudo e assistência. 15.Sofrimento fetal agudo. 16.Doença hemolítica perinatal. 1 7.Doença trofoblástica gestacional. 18.Hemorragias da gestação e do puérpio.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

FREITAS, F.Rotinas em Ginecologia.. Porto Alegre, 2001

FREITAS, F.Rotinas em Obstetrícia. Porto Alegre

HALBE, HW.

OLIVEIRA, HC;LENGRUBER,I. OLIVEIRA, HC;LENGRUBER,I.

REZENDE,J. Obstetrícia Fundamental,Rio de Janeiro, 2002.

SMITH, ROGER P.Ginecologia e Obstetrícia de Netter. Porto Alegre ,2004

Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP/ Escola Paulista de Medicina, 2003

MÉDICO OFTALMOLOGISTA

Anatomia do Globo Ocular e Anexos Fisiologia da Visão. - Fisiopatologia da Córnea.

Fisiopatologia da Conjuntiva e Esclera. Fisiopatologia do Vítreo, Retina e Nervo Óptico. Fisiopatologia do Trato Uveal, Uveítes. Fisiopatologia do Cristalino, Catarata. Pressão Intra-Ocular e Glaucoma. Desenvolvimento da Visão-Binocular-Estrabismo/Oftalmo Pediatria. Ametropias,Óptica Física. Alterações Oculares Associadas a Doenças. Sistêmicas, Drogas Usadas em Oftalmologia. Urgências em Oftalmologia.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

DUANE'S, Clinical Ophthalmology, William Tasman, MD and Edward A. Jaeger, MD, Editors Jefferson Medical College of Thomas Jefferson University and Wills Eye Hospital, Philadelphia, PA

KANSKI J. J. ,Clinical Ophthalmology, 5ª Edição, Windsor, UK, 2003, 734 pgs, Butterworth - Heinemann

SCARPI,Condutas Terapêuticas em Oftalmologia,1ª Edição, São Paulo SP, 1999, 143 pgs, Editora Roca Ltda

MÉDICO ORTOPEDISTA / TRAUMATOLOGISTA

Fisiologia e mineralização do osso. Histologia, histopatologia e embriologia do aparelho locomotor. Anatomia, biomecânica, semiologia e propedêutica do aparelho locomotor. Doenças osteometabólicas. Infecção osteoarticular. Anomalias congênitas do membro superior, membro inferior e da coluna vertebral; Displasias. Artrites inflamatórias, Gota e sinovites. Tendinites e tenosinovites. Bursites. Osteocondrites. Osteonecrose. Miosites. Espondilites. Entesopatias. Artrose e patologias degenerativas do aparelho locomotor. Síndromes compressivas neurológicas. Paralisia obstétrica. Paralisia cerebral. Tumor ósseo maligno. Tumor ósseo benigno. Pseudotumores. Doença de Paget. Síndromes compartimentais. Artrogripose. Síndromes que envolvem o aparelho locomotor. Necrose avascular. Patologias da fise. Deformidades de eixo dos membros inferior e superior. Desvios da coluna vertebral. Lombalgia e lombociatalagia. Hérnia discal. Espondilólise. Espondilolistese. Estenose de canal vertebral. Discrepância de comprimento dos membros. Deformidades adquiridas do pé. Metatarsalgia. Marcha normal. Distúrbios da marcha. Amputações. Artroscopia. Artroplastia. Enxertia óssea e cutânea. Cintilografia óssea. Radiologia ortopédica. Tomografia computadorizada do esqueleto. Ressonância magnética osteoarticular. Lesões traumáticas dos nervos periféricos. Lesões ortopédicas relacionadas ao diabetes. Pé diabético. Consolidação das fraturas. Cicatrização tendinosa e ligamentar. Biomecânica das fraturas. Classificação das fraturas. Fraturas expostas. Atendimento ao politraumatizado. Fraturas patológicas.Fratura por estresse. Complicações das fraturas e das luxações. Tromboembolismo. Infecção pós-traumática. Fixação interna das fraturas. Fixação externa. Métodos de tratamento de fraturas e luxações. Técnica AO. Princípios de osteossíntese. Planejamento pré-operatório. Fraturas e luxações pelve e do membro inferior. Fraturas e luxações da cintura escapular e do membro superior. Fraturas e luxações da coluna vertebral. Lesões meniscais. Lesões ligamentares. Lesões tendinosas. Instabilidade articular. Luxação recidivante. Fraturas na criança. Descolamento epifisário. Trauma fisário. Fratura em galho verde. Fratura subperióstica. Deformidade plástica. Fratura obstétrica. Síndrome da criança espancada.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

AAOS: Atualização em Conhecimentos Ortopédicos. Trauma. Ed. Atheneu.

BARROS FILHO & LECH : Exame Físico em Ortopedia, Ed. Sarvier, 1ª Ed. 2001

BERGER & WEISS. Hand Surgery. Ed. Lippincott, 1 st Ed

CIRURGIA ORTOPÉDICA DE CAMPBELL. - Ed. Manole, 2005.

CLINICAL ORTHOPAEDICS & RELATED RESEARCH. Últimos 3 anos.

EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA. Site SBOT: www.sbot.org.br

HERBERT SIZÍNIO. Ortopedia e traumatologia: princípios e prática. Artmed.

HOPPENFELD. Vias de Acesso em Cirurgia Ortopédica. 2ª Ed. Ed Manole.

HOPPENFELD. Propedêutica Ortopédica.

JOURNAL OF BONE AND JOINTS SURGERY. Últimos 3 anos.

JOURNAL OF ORTHOPAEDIC TRAUMA. Últimos 3 anos.

JOURNAL OF PEDIATRIC ORTHOPAEDICS. Últimos 3 anos.

ORTOPEDIA DO ADULTO. Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, Revinter

ORTOPEDIA PEDIÁTRICA. Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, Revinter

ORTOPEDIA PEDIÁTRICA DE LOVELL & WINTER. 5° Ed. - Ed. Manole, 2005

PARDINI & G.SOUZA. Clínica Ortopédica. Ed. Medsi. Março de 2000 em diante

PARDINI. Traumatismos da Mão. Ed Medsi, 2000.

REVISTA BRASILEIRA DE ORTOPEDIA. Últimos 5 anos

ROCKWOOD. Fractures in Adults. Ed. Lippincott, 6 th Ed. 2006

ROCKWOOD. Fractures in Children. Ed. Lippincott, 6 th Ed..; 2006

RUEDI & MURPHY. Princípios AO do Tratamento das Fraturas. Ed. ArtMed. 2002

SOBOTTA. Atlas de Anatomia Humana. Ed Guanabara Koogan, 1990

TACHDJIAN'S PEDIATRIC ORTHOPAEDICS. 3rd Ed. W. B. Saunders Company, 2002

TRAUMATOLOGIA ORTOPÉDICA. Soc. Bras. de Ortopedia e Traumatologia, Revinter

WEINSTEIN & BUCKWALTER. Ortopedia de Turek. 5ª Ed. Ed. Manole, 2000

MÉDICO VETERINÁRIO

1. Abate Humanitário de Animais de Produção. 2. Produção Animal: Manejo da vaca leiteira. Manejo nutricional de ruminantes. 3. Reprodução Animal: Ciclo estral dos animais domésticos. Sincronização de cios em bovinos. Inseminação artificial. 4. Clínica Veterinária: Mastite. Brucelose. Tuberculose. Doenças parasitárias dos animais domésticos. Doenças causadas por deficiências nutricionais. 5 Parasitologia Veterinária: Protozoários (coccidioses dos ruminantes, aves e suínos; toxoplasmose dos animais domésticos; babesioses dos animais domésticos). Principais helmintos parasitas de ruminantes. Artrópodes (carrapatos, miiases e sarna). Diagnóstico parasitológico, técnicas de colheita, conservação e envio de material biológico destinado ao diagnóstico de parasitas. 6. Farmacologia Veterinária: Antinflamatórios esteroidais e não esteroidais. Agentes antimicrobianos. Agentes antinematódeos e anticestódeos. Agentes antiprotozoários. Agentes empregados no controle de ectoparasitas.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ANDRIGUETTO, J.M.L et. al. Nutrição Animal. 4.ed. São Paulo: Nobel, 1989. 2v.

BLOOD, D.C.; RADOSTITS, O.M. Clínica Veterinária. 7.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991.

BOOTH, N.H.; McDONALD, L.E. Farmacologia e Terapêutica em Veterinária. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1992.

FORTES, E. Parasitologia Veterinária. 2.ed. Porto Alegre: Sulina, 1993.

GEORGI, J.R.; GEORGI, M.E. Parasitologia Veterinária. 4.ed., São Paulo: Manole, 1988.

HAFEZ, E.S.E; HAFEZ, B. Reprodução Animal. 7.ed. São Paulo: Manole, 2004.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA e ABASTECIMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 3, DE 17 DE JANEIRO DE 2000. Regulamento técnico de métodos de insensibilização para o abate humanitário de animais de açougue.

SPINOSA, H.S.; GORNIAK, S.L.; BERNARDI, M.M. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.

PSICÓLOGO

1 .Atuação profissional do psicólogo nas organizações de trabalho. 2.Transformações no Mundo do Trabalho e novos modelos de atuação na Psicologia Organizacional e do Trabalho 3.A pesquisa científica como base para a atuação profissional. 4.Comportamento individual,grupal e equipes de trabalho. 5. Poder e liderança nas Organizações. 6.Novos modelos de gestão na era do Conhecimento. 7.Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho. 8.Clima e Cultura organizacional. 9. Desafios futuros para a Psicologia Organizacional e do Trabalho. 10. Código de Ética Profissional do Psicólogo e Legislação.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BASTOS, A. V. B. Psicologia no contexto das organizações: tendências inovadoras no espaço de atuação do psicólogo. In: Conselho Federal de Psicologia. Psicólogo Brasileiro: construção de novos espaços. Campinas: Átomo, 1992. p. 51-86.

BERGER, P. L. e LUCKMANN, T. A. construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1985.

BRANDÃO, H. P. e GUIMARÃES, T. de A. . Gestão de Competência e Gestão de Desempenho. In: Wood Jr. Thomas (Coord.) Gestão Empresarial: o fator humano. São Paulo: Atlas, 2002.

BOTOMÉ, S. P. Processos comportamentais básicos em metodologia de pesquisa: da delimitação do problema à coleta de dados. Chronos, Caixas do Sul, v. 30, n. 1, p. 43-69, 1997.

CHIVENATO, I. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

CODO, W.; ALMEIDA, M. C. C. G. de L.E.R: diagnóstico, tratamento e prevenção: uma abordagem interdisciplinar. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. 355p, il, 21 cm.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Código de Ética Profissional dos Psicólogos, Resolução No. 10/05, 2005.

_______ . Legislação In. www.pol.org.br

DUTRA, J. S. Gestão de Pessoas: Modelo, processos, tendências e perspectivas. 1. ed. - 5. reimpr. - São Paulo: Atlas, 2006.

DOWBOR, L. Desafios do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2004. 221 p. (Horizontes da globalização).

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: formação, tipologia e impactos. São Paulo: Makron Books, 1991.

GEERTZ, C. A. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GIL, A. C. Gestão de Pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2001.

LANER, A. dos S,; CRUZ JÚNIOR, J. B. da. Repensando as organizações: da formação à participação. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004. 533 p, il.

PAZ, M. das G. T. da; MARTINS, M. do C. F. e NEIVA, E. R.. O Poder nas Organizações. In: Zanelli, J. C., Andrade J. E. B. e BASTOS, A. V. B. (Orgs.). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

ROBBINS, S. P. Comportamento Organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

SCHAAN, M. H. Avaliação sistemática de treinamento: guia prático. São Paulo: LTr, 2001. 158 p, il.

SCHEIN, E. H. Psicologia Organizacional. Rio de Janeiro: Prentice Hall do Brasil, 1982.

SCHERMERHORN, J. R; HUNT, J. G; OSBORN, R. N. Fundamentos de comportamento organizacional. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 1999. x, 328p, il. Tradução de: Basic organizational behavior.

SPECTOR, P. E. Psicologia nas organizações. Tradutor: Solange Aparecida Visconte; revisor técnico Maria Jose Tonelli. São Paulo: Saraiva, 2002.

VERGARA, S. C. Gestão de Pessoas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

ZANELLI, J. C. , BORGES-ANDRADE, Jairo E. e BASTOS, Antonio V. B. (Orgs.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

VERGARA, Sylvia Constant. Gestão de pessoas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000. 171p, il.

PROFESSOR II - ARTES

1. História da Arte: conceitos estéticos, movimento artísticos, artistas e suas obras. História da Arte Brasileira: conceitos estéticos, movimento artísticos, artistas e suas obras.Leitura de Imagem: propostas de interpretação da obra de arte. 2.Elementos da Linguagem Visual: fundamentos e composição visual. Folclore Brasileiro: conceitos e manifestações folclóricas. 3.Arte-educação: propostas metodológicas. Histórico da arte-educação no Brasil. Representação gráfica (desenho) do educando desde a educação infantil ao ensino médio.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

DONDIS, Donis A. Sintaxe da Linguagem Visual. São Paulo: Martins Fontes, 2002. 3 ed. 236

FUSARI, Maria F. de Rezende e; FERRAZ, Maria Heloísa C. de T. Arte na Educação Escolar. São Paulo: Cortez, 1993. 1 ed. 152 p.

GARCEZ, Lucília. Explicando a Arte Brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004. 2 ed. 166 p.

GOMBRICH, E.H. A História da Arte. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988. 4 ed. 506 p.

GUIMARÃES, J. Gerardo M. Repensando o Folclore. São Paulo: Manole, 2002. 1 ed, 199 p.

LOWENFELD, Victor; BRITTAIN, W. Lambert. Desenvolvimento da Capacidade Criadora. São Paulo: Mestre Lou, 1977. 1 ed. 440 p.

MARTINS, Miriam Celeste. PICOSQUE, Gisa. GUERRA, M. Terezinha Telles. Didática do Ensino da Arte: a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, 1998. 1 ed. 200 p.

OSTROWER, Fayga. Universos da Arte. Rio de Janeiro: Campus, 2004. 360 p.

PROFESSOR II - CIÊNCIAS

1. O Universo e o Sistema Solar - corpos celestes que os constituem: a comparação entre os planetas do Sistema Solar - os planetas e suas características; o movimento de rotação - o estudo dos dias e das noites; a Lua - características, movimentos e fases; o movimento de translação e a inclinação do eixo imaginário da Terra - sua relação com as estações do ano; os eclipses do Sol e da Lua e as zonas climáticas como conseqüência da forma esférica da Terra e de como os raios solares atingem o planeta, propiciando distribuição da luz e do calor de forma diferenciada - conseqüências das zonas climáticas para a vida no planeta. 2.Introdução aos conceitos de matéria e energia - a relação destes conceitos com a vida: propriedades dos materiais; a organização da matéria - construindo modelos, introdução à linguagem química; a relação entre matéria e energia; as transformações da matéria e os diferentes tipos de materiais presentes na água, no ar e no solo. 3.A Água: a formação dos oceanos na Terra primitiva; o papel da água na formação do relevo; água e vida; as características físico-químicas da água: propriedades da água, seus estados físicos e o ciclo da água; a importância da água na história da humanidade; as bacias hidrográficas - definição, formação, importância sócio-ambiental das bacias hidrográficas - a trajetória da água e a interferência humana, as alterações dos cursos dos rios, represamento, assoreamento, turvação, contaminação, poluição e desequilíbrios ambientais e o tratamento da água e suas conseqüências para a saúde. 4. O Ar: a formação da atmosfera: composição da atmosfera primitiva e suas transformações até os dias atuais; as propriedades do ar e sua relação com a vida; a composição da atmosfera - camadas; a formação dos ventos e sua importância para a compreensão da erosão; o papel da atmosfera no desenvolvimento e manutenção da vida no planeta; os problemas de poluição do ar, efeito estufa e degradação da camada de ozônio - suas conseqüências para os seres vivos e a qualidade do ar e seus efeitos na saúde. 5. O Solo: a origem e formação da crosta terrestre; os diferentes tipos de solo - sua formação e principais características; os minerais, minérios e combustíveis; os métodos de conservação do solo utilizados pelo homem: irrigação, drenagem, correção de pH, adubação, aração etc; o papel do homem na degradação e na conservação do solo; as agressões ao solo e suas conseqüências para o ambiente: desmatamento, queimada, erosão, desertificação, contaminação, poluição etc; introdução ao conceito de gravidade; o sistema de medidas - do universo macroscópico ao universo microscópico; relações entre o tempo cósmico e o tempo biológico; relações da diversidade ambiental com as zonas climáticas e com a biodiversidade; estudo de ecossistemas brasileiros; materiais sintéticos: fabricação, usos e problemas relacionados a decomposição - plásticos, tecidos, borrachas, supercondutores; empuxo e vasos comunicantes; as cores do céu - as ondas luminosas e as cores; estudo de algumas mudanças metereológicas e fontes alternativas de energia: energia solar, eólica, das mares, etc. 6. Origem da Vida: as diferentes explicações sobre a existência da vida e do ser humano; a origem da vida, a organização dos materiais, os elementos químicos dispersos na atmosfera inicial; o desenvolvimento da vida e a expansão pelos ecossistemas aquáticos e a conquista do ambiente terrestre; introdução às teorias evolutivas e a importância dos fósseis: marcos do processo evolutivo. Estudo da seleção natural através de evidências adaptativas e das relações entre o sucesso reprodutivo de uma espécie e sua adaptação ao ambiente. 7. Biodiversidade: sistemática e classificação: uma tentativa de ordenar a diversidade; características dos seres vivos; classificação em reinos e principais categorias taxionômicas; a diversidade biológica: Evolução, organização, adaptações; características gerais dos principais grupos nos diversos reinos (Monera, Protista; Fungi, Vegetal e Animal); características dos vírus e conseqüências para a saúde; importância ecológica; importância econômica e o impacto da ação humana e manejos sustentados; seres vivos e saúde. 8. Ecologia: o Sol - fonte externa constante de energia, essencial para a vida no planeta; fotossíntese: assimilação da energia radiante e transformação em energia química - base para a cadeia alimentar; respiração: estratégia de obtenção de energia para os processos celulares; a importância dos decompositores para o luxo de matéria nos ecossistemas; cadeias e teias alimentares e outras relações biológicas; os ecossistemas como sistemas abertos, compostos por elementos bióticos e abióticos que interagem através de um ciclo de materiais e de um luxo de energia; os fatores que interferem no equilíbrio das populações: abióticos (salinidade, temperatura, quantidade de oxigênio, tipos e quantidades de nutrientes, grau de acidez, índice pluviométrico etc.) e bióticos (parasitismo, predatismo, competição etc.); os desequilíbrios ambientais causados pela interferência humana: chuva ácida, efeito estufa, destruição da camada de ozônio e desertificação; evolução dos sistemas de classificação e sua relação com o contexto histórico, social e cultural; história evolutiva: os diversos períodos, suas características ambientais e seres vivos; ciclo astronômico, sazonalidade e sua influência sobre a vida do homem; controle biológico; plantas medicinais, biopirataria e patentes; organismos geneticamente modificados: transgênicos - importância econômica; impacto ambiental; riscos para a saúde; transformações ambientais, seres em risco de extinção e projetos de conservação. 9.Origem da Espécie: o surgimento e a história evolutiva da espécie humana; a espécie humana na pré-história e mudanças sociais e culturais que levaram ao surgimento do homem moderno e a adaptação da espécie humana ao ambiente. 10. Organização do Corpo: organização celular e da célula ao organismo; a Manutenção da Espécie: a reprodução como característica principal para a vida, manutenção e evolução das espécies; os processos assexuais e sexuais: comparação das estratégias de reprodução de outros seres vivos e da espécie humana (a existência de células especializadas para a reprodução os gametas, fecundação interna ou externa ao corpo, as várias formas para o desenvolvimento do embrião); fases da vida; adolescência - um período de grandes transformações psicológicas e físicas; os órgãos reprodutores, a fecundação, a gravidez e o parto; sexualidade, vida e saúde; doenças sexualmente transmissíveis; planejamento familiar, métodos anticoncepcionais; as bases da hereditariedade: os genes e as características; o Homem - As Funções de Nutrição e de Relação: alimento - garantia de energia para o funcionamento do organismo; a importância da água e das substâncias nutritivas: seu papel na manutenção da vida; digestão: processos de quebra dos alimentos e de absorção: digestão mecânica e química e o papel dos diversos órgãos e estruturas; respiração: liberação de energia para o organismo; o papel dos diversos órgãos e estruturas; respiração e produção de energia; a qualidade do ar e a saúde; circulação e sangue: o estudo do sangue: constituição, coagulação, grupos sanguíneos e saúde; o papel do coração e a circulação sanguínea; o papel do sistema circulatório e sua relação com os demais sistemas e o sistema linfático; excreção: a eliminação dos produtos do metabolismo; o papel dos diversos órgãos e estruturas; o papel do suor e o equilíbrio químico do corpo; o sistema nervoso: o funcionamento dos neurônios e das fibras nervosas; o papel dos diversos órgãos e estruturas e reflexos: ato reflexo, reflexo e arco reflexo; o sistema sensorial: os órgãos dos sentidos e seu papel na vida do homem e o caminho da visão, da audição, do olfato, do tato e do paladar devem ser estudados enfatizando a relação entre os fenômenos químicos, físicos e biológicos; o sistema endócrino: o papel dos diversos órgãos e estruturas; o Sistema de Defesa: as células responsáveis pela defesa natural do organismo; o desenvolvimento das vacinas, soros e de medicamentos - defesas artificiais; as Relações entre Ossos e Músculos; o sistema ósseo - estrutura óssea e articulações; o sistema muscular - fisiologia muscular e ação mecânica dos músculos; alterações nos músculos e ossos; origem e evolução dos sistemas - anatomia e fisiologia comparadas; anorexia e bulimia: distúrbios físico-emocionais; complementos alimentares: necessidades e problemas decorrentes de seu uso sem orientação; aditivos químicos - corantes, conservantes e aromatizantes; desnutrição e obesidade; decifrando e controlando os genes; a hipertensão arterial e os problemas renais; a doação de sangue e de órgãos; o uso de drogas lícitas e ilícitas - seus efeitos no organismo, problemas sociais implicados no consumo e comercialização; os problemas da visão e as lentes côncavas e convexas; a prática de exercícios físicos para manutenção da saúde integral; diabetes; hipo e hipertireoidismo; clonagem e evolução dos papéis sociais do homem e da mulher na comunidade e sociedade. 11. O Estudo dos Materiais - Uma visão geral da matéria: organização; propriedades gerais e específicas; propriedades físicas, químicas e biológicas; os estados físicos da matéria e mudanças de estado da matéria e fatores que as influenciam (temperatura, pressão, etc.); A diversidade de elementos químicos e a necessidade de classificação: evolução dos modelos atômicos: os nomes e os símbolos dos elementos; a organização da tabela periódica; a ligação química e os ciclos biogeoquímicos e a vida na Terra. 12. As Substâncias da Natureza - Principais conceitos a serem estudados: as misturas e as combinações: os processos de separação das misturas da natureza, nas fábricas, nos laboratórios, nas residências e no interior dos seres vivos; a química do cotidiano: substâncias sintéticas - na agricultura, nos alimentos, nos remédios, nos produtos de limpeza e nos produtos de higiene; a química e a poluição e os combustíveis fósseis: as transformações químicas para a produção de energia. 13. Energia: conceito e propriedades - Força: noções intuitivas de força e velocidade; força e movimento: forças alteram a velocidade dos corpos e força como interação: o princípio da ação e reação; Energia Mecânica: o trabalho como uma forma de transformação da energia; a potência como a capacidade de realizar trabalho; as máquinas realizam trabalho: alavancas, cunhas, roldanas e máquinas complexas e Energia potencial e energia cinética; Som - ruído, emissão e propagação através de um meio material, percepção auditiva; medidas de intensidade; infra-som, ultra-som; eco, sonar, poluição sonora; Luz - propagação da luz; fontes de luz; reflexão; a luz e a visão; espelhos, lentes e prismas; refração; luz e cor - composição da luz; eclipses, arco-íris etc.; Calor - trocas de energia entre sistemas, estados da matéria, mudanças de estado, conceitos de temperatura e pressão; Noções de Eletricidade - desequilíbrio entre carga positiva e carga negativa; A Energia do Sol se Transforma: o Sol como fonte primária de energia que se transforma em outras formas de energia: luminosa, química, térmica, elétrica e mecânica; a fotossíntese e respiração: transformações energéticas essenciais para a manutenção da vida no planeta; fluxo de energia nos seres vivos e pirâmide de energia; os grupos das bases, dos óxidos, dos ácidos e dos sais; o papel dos combustíveis na sociedade; as alterações ambientais; a formação dos combustíveis fósseis e sua relação com a extinção das espécies; campo gravitacional; o uso e a produção de pigmentos - do homem pré-histórico aos dias de hoje; as ilusões de ótica; eletricidade e Magnetismo: Eletrostática; corrente elétrica; circuito elétrico, condutores e isolantes; pilhas; o impulso nervoso; eletroímã; A Terra como um ímã natural; a Ciência e a Revolução Industrial; o protocolo Kioto e a poluição. 14. Ciência e Tecnologia: as concepções de ciência e seus métodos; ciência como construção humana; o papel da ciência; a materialização do conhecimento científico; Ciência, Tecnologia e Sociedade.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ACEVEDO, J. A. _; VÁZQUEZ, A. A.; MANASSERO, M. A. El movimiento Ciencia-Tecnología-Sociedad y la enseñanza de las Ciencias. Disponível em <http://www.campus-oei.org/salactsi/acevedo1 3. htmANGOTTI, J. A. P.; AUTH, M. A. Ciência e Tecnologia: implicações sociais e o papel da educação. Ciência & Educação. Bauru, v.7, n.1, p. 15-27, 2001. Disponível em <http://www.fc.unesp.br/pos/revista/pdf/revista7vol1/art2rev7vol1.pdf

AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Conceitos de biologia. 3 v. São Paulo: Moderna, 2001.

CANTO, Eduardo L. Ciências naturais: aprendendo com o cotidiano. 4 v. São Paulo: Moderna, 1999. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia - Coleção 2º Grau. Ática: São Paulo, 2003.

http://www.cfh.ufsc.br/~wfil/convite.pdf - http://br.geocities.com/mcrost02/ - http://www.cefetgo.br/pensar/pages/convite/index.htm

DELIZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José André; PERNANBUCO, Martha Maria. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. Cortez: São Paulo, 2002.

FEYNMAN, Richard P. Física em seis lições. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.

JOVER, J. N. R. ¿Para qué CTS?. La ciencia y la tecnología como procesos sociales. Lo que la educación científica no debería olvidar. Disponível em: <http://www.campus-oei.org/salactsi/nunez/02.htm

________ . Rigor, Objetividad y Responsabilidad Social: la Ciencia en el encuentro entre Ética y epistemologia. La ciencia y la tecnología como procesos sociales. Lo que la educación científica no debería olvidar. Disponível em: >http:// www.campus-oei.org/salactsi/nunez/05.htm> Acesso em 9 dez. 2004.

LINHARES, Sérgio; GEWANDSZNADJER, Fernando. Biologia hoje. 3 v. São Paulo: Ática, 2002.

PERUZZO, Tito Miragaia; CANTO, Eduardo Leite de. Química na abordagem do cotidiano. 3 v. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1998.

TORRES, Carlos Magno A. et al. Física: ciência e tecnologia. São Paulo: Moderna, 2001.

PROFESSOR II - EDUCAÇÃO FÍSICA

1. Fundamentos Educacionais. Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN´s.

2. Concepção de área - Cultura Corporal. Objetivos da área. História da Educação Física no Brasil - tendências pedagógicas. Organização didático-pedagógica do conhecimento. Avaliação em Educação Física - concepção e critérios Conteúdos - Eixos de Trabalho. Jogo - Jogos de Interpretação, Jogos Tradicionais, Jogos Cooperativos, Jogos Pré-desportivos. Esporte - Atletismo, Futebol, Futsal, Voleibol, Basquetebol, Handebol. Ginástica - Ginástica Geral; Ginástica Olímpica ou Artística; Ginástica Rítmica Desportiva. Dança - Danças Folclóricas Nacionais e Internacionais; Danças Populares, Danças de Salão; Danças de Rua; Danças Eruditas (clássica, moderna, contemporâneas, jazz...); Danças criativas/expressivas (criação - temática). Luta - Capoeira.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BRACHT, Valter. A constituição das teorias pedagógicas da Educação Física. In. Cadernos Cedes, anoXIX, no.48. Campinas: 1999.

CASTELLANI FILHO, Lino. Educação Física Escolar: temos o que ensinar? In. Política Educacional e Educação Física. Campinas: Autores Associados, 1998.

FREIRE, João Bastista. Educação Física de Corpo Inteiro: teoria e prática da educação física. São Paulo: Scipione, 1989.

GADOTTI, Moacir. Concepção Dilética de Avaliação. In: DEMO, Pedro. Avaliação Qualitativa : polêmicas do nosso tempo. 4. ed. Campinas : Autores Associados, 1994. p. 9-13.

GHIRALDELLI JÚNIOR, Paulo. Educação Física Progressista: a pedagogia critico-social dos conteúdos e a Educação Física brasileira. São Paulo: Loyola, 1988.

KUNZ, Eleonor. (org.). Didática da Educação Física. 3ª edição. Ijuí - RS:Unijuí,2003.

LIBÂNEO, José Carlos; PIMENTA, S.G. (coords.) Metodologia do Ensino de Educação Eísica. São Paulo: Cortez, 1992.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação Educacional Escolar : para além do autoritarismo. In: _____. Avaliação da Aprendizagem Escolar. São Paulo: Cortez, 1995. Cap. 2. p. 27 - 47.

MEDINA, J.P.S. A Educação Física Cuida do Corpo.... e "Mente". 5ª edição. Campinas: Papirus, 1986.

REGRAS OFICIAIS de Atletismo, Basquetebol, Futsal, Handebol e Voleibol. Rio de Janeiro: Sprint, 2006 - 2007.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1998.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos Parâmetros Curriculares. Brasília: MEC/SEF, 1998.

SOARES, Carmen Lúcia. et all. Metodologia do Ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

TAFFAREL, Celli N.Z. Criatividade nas aulas de Educação Física. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1985.

PROFESSOR II - GEOGRAFIA

O espaço geográfico: Noções de espaço geográfico, lugar, paisagens, território.A representação da Terra: Noções de cartografia, escala, projeções cartográficas, tipos de mapas, importâncias dos mapas, meios de orientação, a bússola e seu funcionamento, sistema de posicionamento global, representação do relevo.A formação do espaço natural: A evolução geológica da Terra, a deriva dos continentes, a estrutura interna da Terra, dobramentos, placas tectônicas, movimentos tectônicos, vulcanismo, abalos sísmicos, a estrutura externa da Terra, a crosta terrestre, rochas e minerais, os escudos cristalinos, bacias sedimentares, os processos erosivos, a exploração dos recursos naturais, atmosfera, composição, camadas, tempo, clima, elementos e fatores do clima, as precipitações atmosféricas, as mudanças climáticas, os ecossistemas florestais. O espaço brasileiro: A formação do território brasileiro, a expansão das fronteiras, a posição geográfica e limites, os fusos horários brasileiros, a estrutura geológica, as classificações do relevo, os domínios morfoclimáticos, os biomas, o clima e seus fatores, as classificações climáticas brasileiras. A população brasileira: A diversidade étnica, as migrações internacionais, as migrações internas, a emigração, o crescimento demográfico, a distribuição espacial da população brasileira e suas conseqüências, a urbanização, os problemas urbanos. A economia brasileira: A agropecuária e seus produtos, a estrutura fundiária, os conflitos no campo, o processo histórico da industrialização, a distribuição espacial da indústria, os transportes e seus problemas. O cenário mundial: A bipolarização, a multipolarização, a globalização, o histórico da evolução industrial, os países subdesenvolvidos industrializados e seus problemas socioeconômicos, a indústria nos países desenvolvidos, a geopolítica mundial, a guerra fria, os conflitos atuais, a formação dos blocos econômicos, a circulação das riquezas, os problemas ambientais, a escassez da água, as fontes de energia convencionais, as fontes alternativas de energia, os problemas ambientais brasileiros, a poluição das águas, a poluição atmosférica, o desmatamento e suas conseqüências.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

COELHO,Marco de Amorin e Lígia Terra - Geografia Geral - O Espaço Natural e Socioeconômico.São Paulo, Moderna,2002.431 pg.

-LAZZARI,Ivan e James Onnig -Geografia Geral e do Brasil.São Paulo, FTD,2003.592 pg.

-LÚCIA Marina e Tércio-Fronteiras da Globalização - Geografia Geral e do Brasil.São Paulo,Ática,2004.528pg.

-MOREIRA,Igor - O Espaço Geográfico - Geografia Geral e do Brasil.São Paulo,Ática,2002.104pg.

-SENE,Eustáquio de,João Carlos Moreira - Geografia Geral e do Brasil,São Paulo,Scipione,2000.528pg.

-SIMIELLI,Maria Elena - Geo Atlas. São Paulo,Ática,2006. 168pg.

-VEZZENTNI,J.Willian - Geografia - Série Brasil.São Paulo,Ática,2003.544pg.

-VEZZENTINI,J.Willian - Sociedade e Espaço - Geografia Geral e do Brasil.São Paulo,Ática,2005.104pg.

-SILVEIRA,Ieda -A Geografia da Gente .São Paulo,Ática,2003. Volume 1.280 pg.

-SILVEIRA,Ieda -A Geografia da Gente .São Paulo,Ática,2003. Volume 2.368 pg.

-SILVEIRA,Ieda -A Geografia da Gente .São Paulo,Ática,2003. Volume 3.343 pg.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

-BENAYON ,Adriano - Globalização Versus Desenvolvimento.São Paulo, Editora Escrituras,2005.336

-BENKO,Georges - Economia, Espaço e Globalização na Aurora do Século XXI.São Paulo,2000. 266pg.

-CASTRO,Giovanni e Antonio Carlos - Ensino de Geografia:Práticas e Textualização no Cotidiano.Porto Alegre, Editora Mediação,2000. 1 76pg.

-GUERRA, Antonio Teixeira - Coletânea de Textos Geográficos. Rio de Janeiro,Editora Bertrand, 1 994.439pg.

-MAGNOLI,Demétrio - O Mundo Contemporâneo - Relações Internacionais 1945/2000. São Paulo,Editora Moderna, 1996.224pg.

-MORAES,Antonio Carlos Robert - A Gênese da Geografia Moderna.São Paulo,Hucitec,2002. 205pg.

-MORAES,Antonio Carlos Robert - Meio Ambiente e Ciências Humanas.São Paulo,Hucitec,1994. 100

-SANTOS,Milton e Maria Adélia- Fim do Século e Globalização.São Paulo,Hucitec,2000.342 pg.

PROFESSOR II - INGLÊS

1. Compreensão e interpretação textual: compreender/interpretar idéias/informações em textos de vários gêneros, com temática variada; inferir o sentido de palavras/expressões com base no contexto lingüístico e no conhecimento prévio sobre o tema de um texto; apreender o sentido global de um texto; identificar o tema principal de um texto; localizar informações pontuais e explícitas em textos; identificar recursos lingüísticos que promovem a coesão e a coerência das idéias em um texto: elementos de co-referência (palavras que se referem a uma mesma realidade lingüística, garantindo a manutenção e a progressão das idéias em um texto: sinônimos, pronomes, expressões definidas); formular hipóteses sobre a função de um texto a partir de elementos prélingüísticos e de recursos gráficos; antecipar o tema de um texto, a partir do título, subtítulo, ilustração; informações apresentadas em quadros, gráficos e tabelas; fotografias, imagens, desenhos. 2. Aspectos da morfossintaxe: formação de palavras (sufixação e prefixação); o sintagma nominal (classes de substantivos, adjetivos, locuções adjetivas, pronomes, determinativos); o sintagma verbal (classes de verbos, sistemas de tempo, aspecto e modo, concordância verbal, aspecto perfectivo e modalidade, voz ativa e voz passiva); o sintagma adverbial (advérbios e adjuntos adverbiais); o sintagma preposicional (preposições simples e complexas, verbos frasais e preposicionais); coordenação e subordinação (conjunções e conectivos); estratégias de coerência e coesão textuais (anáfora e catáfora). 3. Metodologia do ensino da língua inglesa: Diferentes metodologias para o ensino de língua inglesa: metodologias pré-comunicativas; metodologias humanísticas; metodologias comunicativas (competência comunicativa).

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ALEXANDER, L.G. Right Word Wrong Word. London: Longman, 1995.

BROWN, D. H. Principles of Language Learning and Teaching. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall Regents, 1994.

CELCE-MURCIA, M. & LARSEN-FREEMAN, D. The Grammar Book. Boston: Heinle & Heinle, 1999.

COLLINS COBUILD ENGLISH GRAMMAR. London: Harper Collins, 1991.

DAVIES et al. Task Reading. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

HARMER, J. The Practice of English Language Teaching. London: Longman, 1986.

LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and Principles in Language Teaching. Oxford: Oxford University Press, 1986/2000.

LITTLEWOOD, W. Communicative Language Teaching. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.

McCARTHY, M. Issues in Applied Linguistics. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

NUTTALL, C. Teaching Reading Skils in a Foreign Language. Oxford: Heinemann ELT, 1996.

QUIRK, R. & GREENBAUM, S. A Student's Grammar of the English Language. London: Longman, 1990.

RICHARDS, J. & ROGERS, C. Approaches and Methods in Language Teaching. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SPRATT, M. English for the Teacher. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

SWAN, M. Pra ctical English Usage. Oxford: Oxford University Press, 1995.

UR, P. A Course in Language Teaching. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

VINCE, M. Advanced Language Practice. Oxford: Macmillan Heinemann ELT, 1994.

PROFESSOR II - MATEMÁTICA

1.Noções de Lógica. Noção intuitiva de conjunto. Operações com conjuntos. 2.Conjuntos Numéricos: Números naturais, inteiros, racionais e reais: propriedades, operações, valor absoluto, números primos, múltiplos e divisores. MDC e MMC, proporcionalidade, regra de três e porcentagem. Juros simples e compostos. Sistemas de Medida. Sistemas de numeração. 3.Cálculo Algébrico: Produtos notáveis e fatoração. Equações fracionárias e literais. 4.Funções: gráficos e operações. Função Inversa. Estudo das seguintes funções reais: Função Afim, Função Quadrática, Função Exponencial e Logarítmica. 5.Equações e inequações de 1º e 2º graus. Equações e inequações exponenciais e logarítmicas. Sistemas de equações e inequações de 1º e 2º graus. 6.Seqüências. Progressões aritméticas e geométricas. Números complexos: formas trigonométrica e algébrica, representação e operações. 7.Polinômios: Definição. Operações. Dispositivo de Briot-Ruffini. 8.Equações polinomiais: Definição. Teorema Fundamental da Álgebra, Teorema da Decomposição, Multiplicidade de uma raiz. Raízes Complexas. Raízes racionais. Relações de Girard. 9.Análise combinatória: Princípio Fundamental da Contagem, Arranjos, Combinações e Permutações. 10.Binômio de Newton. 11.Probabilidade: Probabilidade da união de dois eventos, probabilidade de dois eventos sucessivos ou simultâneos e probabilidade condicional. 12. Matrizes: Operações. Inversa de uma matriz. Determinantes de matrizes de ordem n. 13.Sistemas de equações lineares: Resolução e discussão. 14.Geometria plana: Teorema de Tales. Semelhança de triângulos e polígonos. Relações métricas em triângulos, polígonos regulares e círculos. Perímetros e áreas de figuras planas. 15.Geometria espacial: Poliedros, prismas, pirâmides, cilindros, cones e esferas: áreas e volumes. Sólidos semelhantes. Troncos. Inscrição e circunscrição de sólidos. Superfícies e sólidos de revolução. 16.Trigonometria: Razões trigonométricas no triângulo retângulo. Lei dos Co-senos, Lei dos Senos. Arcos e ângulos. Funções trigonométricas. Relações entre as funções trigonométricas. Arco soma, arco duplo. Equações. 17.Operações com vetores do R2 e R3. 18.Reta e circunferência no R2: Equações cartesianas, representação gráfica e identificação dos elementos. 19.Reta, plano e esfera no R3: Equações e identificação dos elementos. 20.Noções de limites. Limite de funções polinomiais, racionais e exponenciais. Limites fundamentais.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

PAIVA, Manoel Rodrigues. Matemática. Volumes 1, 2 e 3. Editora Moderna.

CAVALCANTE, Luiz G e outros. Para saber Matemática. 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. Editora Saraiva.

MACHADO, Antônio. Matemática - Temas e Metas. Volumes de 1 a 6. Atual editora.

LIMA, Elon Lages e outros. A Matemática do Ensino Médio. Volumes 1, 2 e 3. Sociedade Brasileira de Matemática.

GIOVANNI, José Ruy e BONJORNO, José Roberto. Matemática - Uma nova abordagem. Volumes 1, 2 e 3. Editora FTD.

FERNANDES, Valter dos Santos e outros. Matemática para o Ensino Médio. Curso Completo. Editora IBEP.

DANTE, Luiz Roberto. Tudo é Matemática. 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. Editora Ática.

- NÍVEL MÉDIO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS COM NÚCLEO COMUM

Português para todos os empregos de Nível Médio

1.O texto: compreensão e interpretação. 2. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos nos textos; sinônimos e antônimos. 3. Morfologia: processos de formação de palavras; classes gramaticais; flexões dos nomes e verbos. 4. Sintaxe: termos essenciais da oração; construção e sentido dos períodos compostos (orações coordenadas e subordinadas); concordância nominal e verbal; regência nominal e verbal. 5. Ortografia. 6. Pontuação.

SUGESTOES BIBLIOGRÁFICAS

CIPRO NETO, Pasquale; INFANTE, Ulisses. Gramática da língua portuguesa. São Paulo: Scipione, 2003

NICOLA, José de. Gramática da palavra, da frase, do texto. São Paulo: Scipione, 2004

FERREIRA, Mauro. Aprender e praticar gramática. Ed. Renovada. São Paulo: FTD, 2003

CEREJA, Willian Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português: Linguagens. São Paulo: Atual, 2003

Cultura Local para todos os empregos de Nível Médio

1. Aspectos históricos, sociais, políticos e econômicos do município de Imbituba

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

LAURENTINO, Adriane Garcia, et alli. De Imbé à Imbituba, Edição da Secretaria Municipal de Educação de Imbituba, 1996

MARTINS, Almir. Romanceiro Açoriano, Imbituba: Lex Graf, 1995.

MARTINS, Manoel de Oliveira. Imbituba, Edição do Autor, s/data (ã disposição na Biblioteca Pública de Imbituba)..

NEU, Márcia Fernades Rosa. Porto de Imbituba - de armação baleeira a porto carbonífero, Ed. Unisul, Tubarão, 2003.

www.cmi.sc.gov.br. www.imbituba.sc.gov.br

Informática para todos os empregos de Nível Médio.

1 .Windows: Conceito de pastas, diretórios, arquivos e atalhos, área de trabalho, área de transferência, manipulação de arquivos e pastas, uso dos menus, programas e aplicativos, painel de controles, exclusão e recuperação de arquivos ou pastas.2.Word: Estrutura básica dos documentos, criação, exclusão e recuperação de documentos, edição e formatação de textos, cabeçalhos, parágrafos, fontes, configuração de páginas, colunas, marcadores simbólicos e numéricos, tabelas, impressão, ortografia e gramática, controle de quebras, numeração de páginas, legendas, índices, inserção de objetos, campos predefinidos, caixas de texto, mala direta.3.Excel: Estrutura básica das planilhas, formatação de dados, estilos pré-definidos, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão, inserção de objetos, campos predefinidos, validação, classificação, sub-totais, obtenção de dados externos.4.Internet: Conceitos de URL, links, sites, impressão de páginas, downloads, segurança na internet, anti-vírus, vírus.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, Marcus Garcia de. Fundamentos de informática. 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Brasport Livros e Multimídia Ltda, 2002. 240 p.

BIANCHI, Luiz; BIZZOTTO, Carlos Eduardo N.. Curso prático de informática básica: rápido e eficiente. Blumenau: Acadêmica, 2000. 292 p.

CAPRON, H. L.; JOHNSON, J. A.. Introdução à informática. 8. ed. São Paulo: Prentice-Hall, 2004. 350 p.

CINTO, Antonio Fernando; GÓES, Wilson Moraes. Excel avançado. São Paulo: Novatec, 2006. 254 p.

DINWIDDIE, Robert. Como fazer planilhas. São Paulo: Publifolha, 2001. 72 p.

FARIAS, Wlad. Internetando sem medo: o manual prático da boa navegação. São Paulo: Market Books, 2000. 197 p.

INFORMATIONWEEK BRASIL. São Paulo: IT Mídia S.A., -. Quinzenal.

INFO EXAME. São Paulo: Abril, -. Mensal.

MANZANO, André Luiz; MANZANO, Maria Isabel N.G.. Estudo dirigido de informatica básica. 4.ed. São Paulo: Érica, 2002 178 p.

MANZANO, José Augusto N. G.. Estudo dirigido de: Microsoft Office Excel 2003 avançado . São Paulo: Érica, 2004. 246 p.

MCFEDRIES, Paul. Fórmulas e funções com microsoft excel. São Paulo: Moderna, 2005. 606 p.

MINASI, Mark,. Dominando o Microsoft Windows 2000 Server. São Paulo: Makron Books, c2001. 1275p.

NORTON, Peter. Introdução à informática. São Paulo: Makron Books, 2004. 619 p.

PAULA FILHO, Wilson de Pádua.. Engenharia de software: fundamentos, métodos e padrões. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC.

SANTOS JÚNIOR, Mozart Jesus Fialho dos. Dicionário de informática. 2. ed. Goiânia: Terra, 2002. 190 p.

SAWAYA, Márcia Regina. Dicionário de informática & internet: inglês/português. 3. ed. São Paulo: Nobel, c1999. 543 p

SCHAFF, Adam; MACHADO, Carlos Eduardo Jordão; OBOJES, Luiz Arturo. A sociedade da informática: as conseqüências sociais da segunda revolução industrial. 4. ed., 1. reimpr, 1995. São Paulo: Brasiliense, 1995. 157 p.

SILVA, Mário Gomes da. Informática-Excel XP, Access XP, PowerPoint XP. São Paulo: Érica, 2000. 300p.

SILVA, Mário Gomes da. Informática: terminologia básica - windows 98 - word 2000. 6. ed. São Paulo: Érica, 2002. 320 p.

SILVA, Mário Gomes da. Informática: terminologia básica - windows XP - word XP - Excel XP. 7. ed. São Paulo: Érica, 2006. 294 p.

VASCONCELOS, Laércio. Hardware total: tudo sobre hardware, montagem, manutenção, expansões e arquitetura de PCs. São Paulo: Makron Books, 2002. 1505 p.

VELLOSO, Fernando de Castro. Informática : conceitos básicos . Rio de Janeiro: Campus, 2003.

VENANCIO, Claudio Ferreira. Desenvolvimento de algoritmos: uma nova abordagem. São Paulo: Érica, 1998. 131 p.

Legislação Municipal e Constituição da República Federativa do Brasil para os empregos de Agente Administrativo, Fiscal Ambiental, Fiscal de Transportes, Fiscal de Obras e Posturas, Técnico Agrícola, Técnico em Medicina e Segurança do Trabalho.

1.O Município e a Federação. O conceito de interesse local. A organização do Município. 2. A Administração Pública na Constituição Federal. 3. A Lei Orgânica Municipal. Conteúdo, competência e limitações. 4.O Poder Executivo. A responsabilidade do Poder Executivo. 5.Os servidores e empregados públicos: normas constitucionais e legais.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Constituição Federal de 1988, com emendas (arts. 37 a 41).

______. Lei 8429 de 1992.

______ . Regime Disciplinar, Lei 3.086 de 2007.

DI PIETRO, M. S. Z. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2001.

Legislação do SUS, Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto do Idoso e Constituição da República Federativa do Brasil para os empregos de Técnico em Enfermagem, Técnico de Laboratório em Análises Clínicas.

1.Sistema Único de Saúde - SUS: Princípios, diretrizes, leis e regulamentação. Universalização, Eqüidade, Integralidade, Hierarquização, Participação e Controle Social, Responsabilidade sanitária das instâncias gestoras do SUS. Pacto pela Saúde em 2006 - Consolidação do Sistema Único de Saúde, publicado na Portaria/GM nº 399, de 22 de fevereiro de 2006; 2.Diretrizes para a gestão do SUS: Descentralização; Regionalização; Municipalização; Financiamento; Planejamento; Programação Pactuada e Integrada; Regulação; Controle, Avaliação e Auditoria; Responsabilidade sanitária das Instâncias Gestoras do SUS..

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, L. O. M. SUS passo a passo: normas, gestão e financiamento. São Paulo: Hucitec; Sobral: Uva, 2001.

BRASIL. Lei 8.080, de 19/09/1990. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/html/pt/legislacao/leis.html.

______. Lei 8.142, de 28/12/1990. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/html/pt/legislacao/leis.html.

______. Gestão Municipal de Saúde: textos básicos. Rio de Janeiro: Brasil. Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: http:bvsms.saude.gov.br/bvs/publicações/gestão_municipal_de_saude.pdf

______. Portaria no. 399/GM de 22 de fevereiro de 2006. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-399.htm

BRASIL, O SUS de A a Z , 2006. Disponível em: http://www.saude.gov.br/susdeaz.

CARVALHO, G. I.; SANTOS. L. Comentários à lei Orgânica da Saúde (Leis 8.080/90 e 8.142/90): Sistema Único de Saúde. 3ª. ed. Campinas - SP : Unicamp, 2001.

Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto do Idoso e Constituição da República Federativa do Brasil.

1 .Estatuto da Criança e do Adolescente. Direitos fundamentais. 2.Estatuto do Idoso. Direito à saúde. 3.A Administração Pública na Constituição Federal.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Capítulo I).

______ . Lei nº 8.842, de 4 de janeiro de 1994.

______ . Decreto nº 1.948, de 3 de julho de 1996.

______ . Lei nº 10.741, de 01 de outubro de 2003.

______ . Constituição Federal de 1988, com emendas (arts. 37 a 41).

- NÍVEL MÉDIO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS OBJETIVAS

AGENTE ADMINISTRATIVO

1. Administração Pública Municipal: Conceitos básicos sobre Prefeitura e Câmara: poderes, funções principais, membros, características gerais.2. Estrutura organizacional do Poder Executivo Municipal: organização interna e relação entre os setores, características e atribuições dos órgãos municipais.3. Administração e ambiente de trabalho: organização do local de trabalho, clientes internos e externos, follow up, organização de reuniões e eventos. Relacionamento interpessoal. Gerenciamento do tempo. Atendimento ao público. Tecnologias de comunicação. Comunicação por telefone. Ética no exercício profissional.

Qualidades pessoais e técnicas relativas à função. Organograma e fluxograma. Pessoas físicas e jurídicas. Liderança. Administração de conflitos. Protocolo e arquivo de documentos. Teorias e técnicas administrativas. 4. Comunicação oficial: atributos básicos. Definição e finalidade dos seguintes atos de comunicação: ofício, memorando, mensagem, edital, ata, carta, declaração, despacho, ordem de serviço, parecer, portaria,
resolução, relatório, requerimento.

Sugestões bibliográficas

AZEVEDO, Ivanize; DA COSTA, Sylvia I. Secretária: um guia prático. 4ª. ed. São Paulo: SENAC, 2004. 188 p.

BARROS NETO, João Pinheiro de. Teorias da administração: curso compacto: manual prático para estudante & gerentes profissionais. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002. 150 p.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1988. Título III - Capítulo IV: Dos Municípios. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm Acesso em: 17 ago. 2007.

BRASIL. Presidência da República. Manual de redação da Presidência da República. Seção Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/index.htm Acesso em: 18 ago. 2007.

CÂMARA DE VEREADORES DE IMBITUBA. Sitio oficial da Câmara de Vereadores de Imbituba. Disponível em www.cmi.sc.gov.br Acesso em 20 ago. 2007

MEDEIROS, João Bosco. Correspondência: técnicas de comunicação criativa.17ª. ed. São Paulo: Atlas, 2004. 384 p.

MEDEIROS, João Bosco; HERNANDES, Sonia. Manual da secretária: técnicas de trabalho. 8ª. ed. São Paulo: Atlas, 2003. 345 p.

PREFEITURA MUNICIPAL DE IMBITUBA. Sitio oficial do município de Imbituba. Disponível em www.imbituba.sc.gov.br Acesso em 22 ago. 2007

RESTON, Jamil. O município para candidatos: Prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. 5. ed. São Paulo: Ibam, 2005. 55 p. Disponível em: http://www.ibam.org.br/publique/media/Munici_condidat.pdf Acesso em: 17 ago. 2007.

RODRIGUEZ, Manuela M. Manual de modelos de cartas comerciais. 8ª. ed. - São Paulo: Atlas, 2003. 194 p.

FISCAL AMBIENTAL

Noções de higiene e de segurança individual, coletiva e de instalações. Noções de primeiros socorros. Noções básicas de Licenciamento Ambiental, Meio Ambiente e Saúde, aspectos microbiológicos e epidemiológicos, impactos ambientais das atividades humanas, solo, ar, água. Estudo de impacto ambiental, conservação ambiental, disposição do lixo e outros dejetos, separação, reciclagem, destino e prevenção. Transporte de cargas perigosas. Os recursos florestais. A Política Nacional de Educação Ambiental (LF 9795/99). Disposição do lixo, controle de artrópodes, controle de roedores. Resoluções do CONAMA e do CONSEMA - Conselho Estadual do Meio Ambiente de SC. Infrações ambientais e penalidades. Meio ambiente na Constituição Federal e Estadual.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

LEIS FEDERAIS:

Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965.

Institui o Código Florestal.

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981 - DOU 02/09/1981 e Decreto N° 99274, de 6 de junho de 1990.

Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus Fins e Mecanismos de Formulação e Aplicação, e dá outras providências.

* Vide alterações dispostas na Lei Federal nº 10.165, de 27 de dezembro de 2000, que institui a taxa de Controle e Fiscalização Ambiental - TCFA.

Lei nº 9.605, de 13 de fevereiro de 1998.

Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e outras providências.

Lei nº 9.985, de 18 de junho de 2000.

Regulamenta o Art.225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades Conservação da Natureza e dá outras providências.

Lei Federal 10.257, de 10 de julho de 2001

Estatuto das Cidades. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências.

Lei nº 9.433 de 1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos.

Lei de Educação Ambiental: Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999.

DECRETOS FEDERAIS:

DECRETO nº 3.179, de 21 de setembro de 1999.

Dispõe sobre a especificação das sanções aplicáveis às condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências.

RESOLUÇÕES FEDERAIS:

Resolução CONAMA nº 237, de 19 de dezembro de 1997.

Regulamenta aspectos do licenciamento ambiental estabelecidos na Política Nacional do Meio Ambiente.

Resolução CONAMA nº 303, de 20 de março de 2002.

Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

Resolução CONAMA nº 308, de 21 de março de 2002.

Licenciamento Ambiental de sistemas de disposição final dos resíduos sólidos urbanos gerados em municípios de pequeno porte.

Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005.

Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Resolução nº 369, de 28 de março de 2006.

Dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente - APP.

Resolução CONAMA nº 001 de 1986 - Critérios básicos e diretrizes gerais para o Relatório de Impacto Ambiental - RIMA.

Resolução CONAMA n° 307 de 2002 - Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil.

FISCAL DE TRANSPORTES

Normas gerais de circulação e conduta de trânsito. Noções de Infrações de trânsito. Programas de segurança e educação de Trânsito. Pesquisas de tráfego e de Transporte Coletivo. Transporte individual de passageiros (táxi). Planejamento e operação de Transporte Coletivo. Integração de Transporte coletivo. Componentes e funcionamento de terminais de Transporte Coletivo. Pontos de paradas de ônibus de Transporte Individual e Coletivo. Controle de acesso e bilhetagem eletrônica dos ônibus.

Custos e tarifas de Transporte Individual e Coletivo. Acessibilidade a pessoas portadoras de necessidades especiais no Transporte Coletivo. Informação e atendimento ao idoso e demais usuários no Transporte Individual e Coletivo. Noções de conduta de operadores e motoristas de Transporte Individual e Coletivo.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

- Associação Brasileira de Transporte Público. Mobilidade & Cidadania. São Paulo: ANTP, 2003. 250p.

- Coletânea de Legislação de Trânsito e Resoluções do CONTRANC até 15 de maio de 2000. Tubarão - SC: Gráfica e Editora Copiart, 2000. 372p.

- FERRAZ, Antônio Clóvis ¨Coca¨Pinto e TORRES, Isaac Guilhermo Espinosa. Transporte Público Urbano. São Paulo: RiMa, 2004. 428 p.

- IMBITUBA. Lei nº 1.650, de 21 de agosto de 1995 (Plano Municipal de Transporte Urbano)

_______ . Lei nº 1.649, de 29 de fevereiro de 1996 (Serviço de Táxi)

- PORTÃO, Sérgio de Bona. Código de Trânsito Brasilerio - Lei 9.503, de 23 de Setembro de 1997.

- VASCONCELOS, Eduardo Alcantara. Transporte escolar : facilitando o acesso a escola. Ande, Sao Paulo, n. 13, p. 49-54, 1988..

- VASCONCELLOS, Eduardo Alcantara. Transporte urbano, espaço e equidade : analise das políticas publicas. 2.ed. Sao Paulo : FAPESP, 1998. 174p.

FISCAL DE OBRAS E POSTURAS

1.Autonomia e competência do Município. 2.Poder de polícia do Município: meios de atuação da fiscalização. 3.Atos administrativos relacionados ao poder de polícia: atributos, elementos, discricionariedade, vinculação; autorização e licença. 4.Direito de construir: fundamento, proteção à segurança e ao sossego, controle da construção, o papel do Município; licenciamento de obras, consulta prévia, aprovação de projeto, emissão de alvará, emissão de habite-se. 5.Código de Obras de Imbituba. 6.Código de Posturas de Imbituba. 7.Plano Diretor de Imbituba. 8.Código Tributário: Taxas de Poder de Polícia. 9.Lei Orgânica Municipal. 10.Fiscalização: vistorias, irregularidades, intimação, notificação, auto de infração, sanções, recurso, interdição, cassação de licença, apreensão de bens.

Lei Municipal Complementar n.º 2.623/2005, de 19 de março de 2005 - Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento Sustentável de Imbituba.

Lei Municipal n.º 846/1986, de 02 de janeiro de 1986 - Institui o Código de Posturas do Município de Imbituba.

Lei Municipal n.º 377/1974, de 16 de dezembro de 1974 - Institui o Código de Obras do Município de Imbituba.

COSTA, José Marcelo F.: Licenças Urbanísticas. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2004.

DI PIETRO, Maria S. Z.: Direito administrativo. 14.ed. São Paulo: Atlas, 2002. Capítulos 5 e 7.

MEIRELLES, Hely L.: Direito Municipal Brasileiro. 8.ed. São Paulo: Malheiros editores, 1996. Capítulo

VIII - Poder de polícia do Município.

TÉCNICO AGRÍCOLA

1.Administração e Economia Rural: Conceitos, macro e microeconomia, complexo rural, o papel do administrador. Economia Agrícola catarinense. Políticas de desenvolvimento e seus reflexos no mercado agrícola. Políticas setoriais para a agricultura (país, estado e município); Tarefas administrativas: produção, finanças, recursos humanos, comercialização e marketing; Contabilidade rural: Controle de atividades, medidas de rendimento econômico. Processo administrativo: planejamento, organização, direção e controle. Gerenciamento pela Qualidade. Legislação agrícola. Política de Crédito Agrícola: Sistemática de funcionamento do crédito rural. 2. Olericultura. Introdução e história da Olericultura: Conceito de olericultura, conceito de hortaliças, característica das hortaliças, classificação das hortaliças, conceito e tipos de horta e suas características. Importância da classificação botânica. Valor nutricional das hortaliças. Escolha do local para a instalação das hortaliças. Fatores climáticos na produção de hortaliças com suas características. Tipos de propagação. Tipos de adubações: Química, orgânica, verde, foliar e fertirrigação. Principais tratos culturais com suas características: Irrigação, capina, amontoa, raleio, tutoramento, desbrota e desbaste. Classificação de pragas e doenças (controle fitossanitário). Olericultura especial - famílias: Asteracea, Quenopodiácea, Solanácea, Fabacea, Apiacea, Brassicacea. 3. Suinocultura. Manejo de leitões. Programas de reposição de machos e matrizes. Principais ingredientes da nutrição de suínos. Inseminação artificial. Sanidade. Manejo de machos e fêmeas. Manejo de leitões. 4. Avicultura de corte e postura. Fatores a serem considerados para a localização das instalação. Cama de aviário: Materiais utilizados, características e qualidade dos materiais, procedimentos para reutilização. Prepara do pinteiro: Montagem de circulo de proteção, instalação e disposição dos equipamentos utilizados na fase inicial da criação, procedimentos e controle para o recebimento de pintos de um dia. Manejo de temperatura. Manejo de arraçoamento. Manejo de água. Manejo de cama. Manejo de luz em frangos de corte. Manejo de luz em poedeiras. Manejo de cortina. Manejo no período de calor. Manejo de apanha e transporte das aves. Destino das aves mortas. Manejo de controle de peso corporal e uniformidade em poedeiras. Manejo de muda de penas forçada. Manejo de debicagem. Manejo de descarte de poedeiras não produtivas. Manejo de criação de poedeiras em gaiolas. Efeitos do fotoperíodo sobre frangas e sobre poedeiras. Sistema de aquecimento. Sistema de fornecimento de água: Bebedouros tipo nipel, bebedouros pendulares, bebedouros tipo copo de pressão. Sistema de fornecimento de ração: Comedouros tubulares e comedouros tipo helicoidal. Índices zootécnicos: Conversão alimentar, peso médio, eficiência alimentar, mortalidade, viabilidade, ganho médio diário, fator de produção. 5. Arroz irrigado. Importância da cultura. Sistema de plantio pré-germinado. Preparo do solo. Cultivares. Tratos culturais: Adubações, manejo d'água, aspectos fitossanitários. Colheita. 6. Bananicultura. Importância da cultura. Propagação. Cultivares. Tratos culturais: adubações, rebaixamento do pseudocaule, seleção de família, poda do coração, ensacamento, poda de pencas. Colheita e manejo pós-colheita. 7. Piscicultura. A qualidade da água. Os ambientes de cultivo. O meio em que vivem os peixes. Alimentação dos peixes. 8. Topografia. Conceitos gerais. Objeto da topografia. Grandezas lineares e angulares. Escala. Unidades de medida agrárias. Erros em topografia. Transposição de obstáculos. Planimetria: Métodos de levantamento, desenho, cálculo da área, elaboração de plantas. Altimetria: Métodos de levantamento, nivelamento, perfil, desenho, cálculo da área, elaboração de plantas. Planialtimetria: Curvas de nível, curvas em desnível, interpretação e utilização de plantas, métodos de levantamento, desenho, cálculo da área, elaboração de plantas. 9. Bovinocultura de leite. Legislação que caracteriza a classificação, transporte e qualidade do leite. Escolha de Matrizes Leiteiras. Raças leiteiras. Anatomia e fisiologia da reprodução. Anatomia e fisiologia da glândula mamária. Ordenha higiênica. Manejo de bezerras. Manejo de novilhas. Manejo de vacas em lactação. Manejo de vacas secas. 10. Mecanização Agrícola. Preparo do solo com trator agrícola: Aração, gradagem e subsolagem. Semeadura com semeadoras-adubadoras tracionadas por trator agrícola. Pulverização com pulverizadores de barras tracionados por trator agrícola. 11. Silvicultura. Sementes florestais: Germinação, produção, grau de melhoramento genético, colheita, secagem, extração, beneficiamento, armazenamento, quebra de dormência. Viveiros florestais: Conceito, tipos, localização, planejamento, substrato, semeadura, padrões de produção de mudas, repicagem, raleio, adubação, pragas, doenças, administração. Implantação de florestas: Espécies florestais recomendadas para as regiões de Santa Catarina, preparo do terreno, espaçamento, plantio, tratos culturais, poda, recuperação de áreas degradadas.

AGUIAR, Ivor Bergemann de; PIÑA-RODRIGUES, Fátima; FIGLIOLIA, Márcia Balistiero. Sementes Florestais Tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. 350p.

ALVES, Elio José. Banana para exportação : aspectos técnicos da produção. 2. ed. / rev., atual. Brasilia: Embrapa-SPI, 1997. 106p

ANTUNES, Luciano Medici; ENGEL, Arno. Agroqualidade: qualidade total na agropecuaria. Guaiba: Agropecuaria, 1997. 72p.

________ , Luciano Medici; RIES, Leandro Reneu. Gerência Agropecuária. 2. ed. rev. e atual. Guaiba: Agropecuaria, 2001. 268p.

________ , Luciano Medici; ENGEL, Arno. Manual de Administração Rural: custos de produção. 3. ed. rev. e ampl. Guaiba, RS: Agropecuaria, 1999. 196p.

ARANA, Luis VINATEA. Fundamentos de Aqüicultura. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de santa Catarina,2004.

BORGES, Alberto de Campos. Exercícios de topografia. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Edgard Blücher, 1997. 192p.

BRASIL. Instrução Normativa nº 51 de 18 de setembro de 2002. Regulamentos técnicos de produção, identidade, qualidade, coleta e transporte de leite. Diário Oficial da União, Brasília, 18 setembro 2002.

CALLADO, Antônio A. Cunha (Org); et al. Agronegócio. São Paulo: Atlas, 2005. 142p.

CARNEIRO, José Geraldo Araujo. Produção e Controle de Qualidade de Mudas Florestais. Curitiba: UFPR/FUPEF, 1995. 451p.

CODAGNONI, Juares M.; et al. Curso Profissionalizante de Administração Rural. Florianópolis: Epagri, 2003. 59p.

COTTA, Tadeu. Galinha: Produção de ovos. Viçosa: Aprenda Fácil, 2002.

DA FONSECA, L.F.L. & DOS SANTOS, M.V. Qualidade do leite e controle de mastite. São Paulo: Lemos editorial, 2000. 175 p.

EPAGRI- Sistema de produção de arroz irrigado em SC(pré-germinado). 2005. 87p.

EPAGRI- Cultivares de arroz irrigado da Epagri: Descrição e caracterização. 2007. 76p.

ESPARTEL, Lelis. Curso de topografia. 5. ed. Porto Alegre: Globo, 1977. 655p.

FILGUEIRA, Fernando Antonio Reis. ABC da olericultura: guia da pequena horta. São Paulo: Agronomica Ceres, 1987. 164p.

FILGUEIRA, Fernando Antonio Reis. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Viçosa: Ed. UFV, 2000. 402p.

FONSECA, F. Aloízio. Fisiologia da Lactação. Viçosa: U.F.V.. 1985. 137 p

FONTES, Paulo Cezar Rezende. Olericultura : teoria e prática. Viçosa: Ed. UFV, 2005. 486p.

GADANHA Jr, et al. Máquinas e implementos agrícolas do Brasil. São Paulo: IBICT, 1991. 468p.

GALETI, P. A. Mecanização agrícola: preparo do solo. Campinas: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, Campinas, 1981. 220p.

GARCIA, Gilberto Jose; PIEDADE, Gertrudes Celene Rocha. Topografia: aplicada às ciências agrárias. 5. ed. São Paulo: Nobel, 1989. 256p.

GODOY, Reinaldo. Topografia básica. Piracicaba: FEALQ, c1 988. 34

GODINHO, Jose Ferraz. Suinocultura: tecnologia e viabilidade econômica. 3.ed. São Paulo: Nobel, 1987. 323p.

GODINHO, Jose Ferraz. Suinocultura: tecnologia moderada, formação e manejo de pastagens. [2. ed., rev. e ampl., atual.]. São Paulo: Nobel, 1995. 263p.

KRUG, Ernesto E. B. Manual de produção leiteira. Porto Alegre: CCGL, 1992. 730 p.

LICHTEMBERG, Luiz Alberto. XI Curso de bananicultura. Itajaí: EPAGRI, 1999. 174p.

LUCCI, Carlos de S. Bovinos leiteiros jovens. São Paulo: Nobel/Edusp, 1989. 371 p.

MACHADO, A. L. T., et al. Máquinas para preparo do solo, semeadura, adubação e tratamentos culturais. Pelotas: Universitária/UFPel, 1996. 229p.

MARTINS, Sebastião Venâncio. Recuperação de Matas Ciliares. Viçosa: Aprenda Fácil, 2001 .143p.

MAZZUCO, Helenice, et al. Manejo e produção de poedeiras comerciais. Concórdia: Embrapa - CNPSA, 1997. 67p.

MIES F., Antônio. Reprodução dos animais e inseminação artificial. Porto Alegre: Sulina, 1982. 783 p.

MORAES DA, S. G. Os cuidados com o trator. Viçosa: Aprenda Fácil, 2001. 312p.

SOUZA, Jacimar Luis de; RESENDE, Patrícia. Manual de horticultura orgânica. Viçosa: Aprenda Fácil, 2003. 560p.

PINHEIRO, Marcos Roberto (Org). Manejo de frangos. Campinas: APINCO, [1994].

Revista Cultivar Máquinas. Edição nº 53, Ano V, Junho 06. Pelotas.

Revista Cultivar Máquinas. Edição nº 561, Ano VII, Março 2007. Pelotas.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento. I Seminário Catarinense sobre Produção de Mudas Florestais. Balneário Camboriú, EPAGRI, 2005. 172p.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento. Manual de Uso, Manejo e Conservação do Solo e da Água. Florianópolis, EPAGRI, 1994. 384p.

SANTIAGO, Anthero da Costa. Guia do técnico agropecuário: topografia e desenho. Campinas, SP: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, 1982. 110p.

SOUSA, E. C. Pereira Moreira de. Piscicultura Fundamental. São Paulo: Companhia Agrícola Imobiliária e Colonizadores, 1985.

SOBESTIANSKY, Jurij. Suinocultura Intensiva: produção, manejo e saúde do rebanho. Brasilia: EMBRAPA, SPI, 1998. 388p.

SOBESTIANSKY, Jurij. Patologia e Clínica Suína. [Concórdia]: Ed. dos Autores, 1993. (Lajeado: Gráfica Cometa) 350p.

SOUZA, Jose Octavio de. Agrimensura. 3. ed. São Paulo: Nobel, 1983.

VENTOLA, Adriana; et al (Elab.). Administrando. Brasilia: SENAR, 2004. 56p.

VICECONTI, Paulo E. V.; NEVES, Silvério das. Introdução à Economia. São Paulo: Frase Editora, 2003.

Sítio www.icepa.com.br

Sítio www.bcb.gov.br

Sítio www.bancobrasil.com.br

Sítio www.agricultura.sc.gov.br

TÉCNICO DE LABORATÓRIO EM ANÁLISES CLÍNICAS

Hematologia clínica: Acondicionamento do sangue, distensão e colorações sanguíneas. Preparo do Hemograma (eritrograma, leucograma, plaquetograma), Tipagem sanguínea e Fator Rh, Provas de coagulação. Coombs direto e indireto. Contagem de reticulócitos VHS (velocidade de hemossedimentação) Teste de falcização. Bioquímica clínica: Anticoagulantes . Preparo e separação de soro e plasma. Preparo e determinaçã: glicose, creatinina, uréia, ácido úrico, bilirrubina totais e frações, transaminases, colesterol total e frações, triglicerídeos. Preparo e realização da Curva glicêmica e hemoglobina glicada. Microbiologia Clínica: Colorações em Microbiologia. Bacterioscopia e baciloscopia . Meios de cultura. Cultura para germes comuns. Urocultura. Coprocultura. Cultura para BAAR. Citologia clínica: Técnicas laboratoriais do Espermograma. Exame do Líquido cefalorraquidiano. Imunologia clínica: Inativação do soro, VDRL, Reações de aglutinação em partículas de látex. Determinação do beta-hcg. ELISA. Uroanálise: Coleta e preparo de amostras urinárias. Tiras reativas em uroanálise. Sedimento urinário. Técnicas laboratoriais em uroanálise. Parasitologia clínica: Métodos do exame parasitológico de fezes para ovos, cistos e larvas. Método do MIF. Micologia clínica: Coleta e técnica do Exame direto e cultura para fungos.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

A. Oliveira Lima; J. Benjamim Soares; J. B. Greco; João Galizzi;J Romeu Cançado. Metodos de laboratorio aplicados a clinica: Técnica e interpretação -6.ed. - Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 1985. - 699p.

BAIN, Barbara J. Células sanguíneas: consulta rápida. Porto Alegre : ARTMED, 1998. 1 18p, il. (Biomédica). Tradução de: A beginner´s guide to blood cells.

HENRY, John Bernard. Diagnósticos clínicos e conduta terapêutica por exames laboratoriais. -16 .ed. - São Paulo : Manole, 1989. - 2v. :il.

NOGUEIRA, Durval Mazzei et al.Métodos de bioquímica clínica : técnica e interpretação. São Paulo : Pancast, 1990. 468p.

RAPAPORT, Samuel I. Hematologia: introducao. 2. ed. Sao Paulo : Roca, c1990. 450p, il. Traducao de: Introduction to hematology.

STRASINGER, Susan King. Uroanálise e fluídos biológicos. 3.ed. São Paulo : Ed. Premier, 2000. 233p.

VALLADA, Edgard Pinto; ROSEIRO, Antonio Maria. Manual de exames de urina. 4.ed. Sao Paulo : Atheneu, c1993. 245p.

VERRASTRO, Therezinha; LORENZI, Therezinha Ferreira; WENDEL NETO, Silvano. Hematologia hemoterapia: fundamentos de morfologia, fisiologia, patologia e clínica. São Paulo : Atheneu, 1996. 303p.

WALLACH, Jacques B. Interpretation of diagnostic tests. 7.ed. Philadelphia, PA : Lippincott Williams and Wilkins, 2000. xiii, 1026 p.

TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Atenção Básica a Saúde: O papel do Técnico em Enfermagem na Atenção Básica a Saúde; Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB como instrumento de trabalho; O Técnico em Enfermagem inserido nos Programas Ministeriais de Saúde: PACS (Programa de Agentes comunitários de Saúde), Programa Nacional de Imunização; (esquema básico e rede de frio), Tuberculose, Hipertensão, Diabetes, DST/AIDS, Atenção a Saúde da Mulher, Atenção a Saúde da Criança e do recém nascido (RN); Atenção a Saúde do Adolescente, Adulto e Idoso. Humanização e ética na atenção a Saúde. Saúde Mental na Atenção Básica; Educação Permanente como estratégia na reorganização dos Serviços de Saúde. Biossegurança: normas de biossegurança; Métodos e procedimentos de esterilização e desinfecção; Serviço de Controle de Infecções Hospitalares (SCIH). Procedimentos de enfermagem: técnicas básicas de enfermagem - sinais vitais, medidas antropométricas, preparo e administração de medicações e fluidoterapia, oxigenioterapia, tratamento de feridas e técnica de curativos. Vigilância a Saúde: (Vigilância Sanitária, Epidemiológica e Ambiental); Doenças de Notificação Compulsória; Indicadores Básicos de Saúde; Sistemas Nacionais de Informação (SINAN, SISVAN, SINASC, SIAB). Código de Ética e Lei do Exercício Profissional: legislação e ética para o exercício do profissional de enfermagem.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica - Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 192 p. il. - (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n. 19).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. HIV/Aids, hepatites e outras DST / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 196 p. il. - (Cadernos de Atenção Básica, n. 18) (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília : Ministério da Saúde, 2006. 64 p. il. - (Cadernos de Atenção Básica, n. 16) (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus: hipertensão arterial e diabetes mellitus / Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. - Brasília: Ministério da Saúde, 2001. 102 p.: il. - (Série C. Projetos, Programas e Relatórios; n. 59).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Sistema de informação da atenção básica: SIAB: indicadores 2005 / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de promoção da saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. - Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Obesidade / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 108 p. il. - (Cadernos de Atenção Básica, n. 12) (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Manual de Normas de Vacinação. 3.ed. BrasÌlia: Ministério da Saúde: Fundação Nacional de Saúde; 2001 72p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde integral de adolescentes e jovens: orientações para a organização de serviços de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. - Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2005. 44p.: il. - (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde mental: 1990-2004 / Ministério da Saúde, Secretaria- Executiva, Secretaria de Atenção à Saúde. - 5. ed. ampl. - Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. - 6. ed. - Brasília : Ministério da Saúde, 2005. 816 p.

- (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRUNNER, SUDDART - Tratado de Enfermagem Médico- Cirúrgica, Guanabara, Koogan, 1994.

COREN-SC. Legislação sobre o exercício de enfermagem e código de ética dos profissionais de enfermagem. Disponível em: <http://www.coren-sc.org.br>. Acesso em 17/08/2007.

DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

GUYTON, Arthur C.; HALL, John E. Fisiologia humana e mecanismos das doenças. 6 ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S/A, 1998.

Humaniza SUS: Política Nacional de Humanização. Documento Base para Gestores e Trabalhadores do SUS [PDF, 1,31 MB]. Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Brasília:Ministério da Saúde, 2004.

RITCHMANN, R.. Guia prático do controle de infecção hospitalar. São Paulo: Soriak Comércio e Produções, 2002.

TÉCNICO EM MEDICINA E SEGURANÇA DO TRABALHO

Auditorias em Segurança. Conceito sobre processos de gestão de qualidade, segurança e meio ambiente. Conceitos de gerenciamento de risco. Conhecimentos gerais sobre avaliações ambientais e os equipamentos a serem utilizados. Treinamento e formação da brigada de incêndio. Estatísticas de acidentes, cálculo de taxas de freqüência e gravidade. Legislação Previdenciária referente a Acidente do Trabalho. Legislação que rege a segurança do trabalho (Portaria nº 3.214, de 8 de junho de 1978-Normas Regulamentadoras) e (Lei nº 5.889, de 5 de junho de 1973 - Normas Regulamentadoras Rurais - NRR - aprovadas pela Portaria nº 3.067, de 12 de abril de 1988). Normas técnicas específicas. Qualidade de vida no trabalho. Saúde do Trabalhador conforme política do SUS - Sistema Único de Saúde. Técnicas de análise de acidentes.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL, Leis, etc. Lei no 8.080 de 19 de setembro de 1990: dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 20 set. 1990. Seção I, p. 18055-60.

MANUAIS DE LEGISLAÇÃO ATLAS (Brasil) (Ed.). Segurança e Medicina do Trabalho. 60. ed. São Paulo: Atlas, 2007. 764 p. Disponível em http://www.mte.gov.br/seg_sau/leg_normas_regulamentadoras.asp

BRASIL, Legislação Previdenciária. Disponível em: http://www.mpas.gov.br/pg_secundarias/paginas_perfis/perfil_Empregador_10_04-A5.asp

- NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS COM NÚCLEO COMUM

Português para os empregos de Assistente Administrativo.

1. O texto: compreensão e interpretação. 2. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos nos textos. 3. Morfologia: processos de formação de palavras; classes gramaticais; flexões (feminino e plural) dos substantivos e adjetivos; emprego de verbos. 4. Sintaxe: termos essenciais da oração; construção dos períodos compostos (emprego e sentido das orações coordenadas e subordinadas); concordância nominal e verbal; regência nominal e verbal. 5. Ortografia. 6. Pontuação. 7. Denotação e conotação.

SUGESTOES BIBLIOGRÁFICAS

FARACO, Carlos Alberto; MOURA, Francisco. Gramática Escolar. São Paulo: Ática, 2003.

TUFANO, Douglas. Estudos de língua portuguesa. Gramática. 3.ed. São Paulo: Moderna, 1995.

MARIANO, Elizabeth Griffi. Gramática. São Paulo: Moderna, 1996

FERREIRA, Mauro. Aprender e praticar gramática. Ed. Renovada. São Paulo: FTD, 2003

Cultura Local para os empregos de Assistente Administrativo

1. Aspectos históricos, sociais, políticos e econômicos do município de Imbituba SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

LAURENTINO, Adriane Garcia, et alli. De Imbé à Imbituba, Edição da Secretaria Municipal de Educação de Imbituba, 1996

MARTINS, Almir. Romanceiro Açoriano, Imbituba: Lex Graf, 1995.

MARTINS, Manoel de Oliveira. Imbituba, Edição do Autor, s/data (à disposição na Biblioteca Pública de Imbituba).

Página na Internet da Câmara Municipal de Imbituba : www.cmi.sc.gov.br.

Página na Internet da Prefeitura Municipal de Imbituba : www.imbituba.sc.gov.br

Informática Básica para os empregos de Assistente Administrativo.

Windows: Conceito de pastas, diretórios, arquivos e atalhos, área de trabalho, área de transferência, manipulação de arquivos e pastas, uso dos menus, programas e aplicativos, painel de controles, exclusão e recuperação de arquivos ou pastas. Word: Estrutura básica dos documentos, criação, exclusão e recuperação de documentos, edição e formatação de textos, cabeçalhos, parágrafos, fontes, configuração de páginas, colunas, marcadores simbólicos e numéricos, tabelas, impressão, ortografia e gramática, controle de quebras, numeração de páginas, legendas, índices, inserção de objetos, campos predefinidos, caixas de texto, mala direta. Excel: Estrutura básica das planilhas, formatação de dados, estilos pré-definidos, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão, inserção de objetos, campos predefinidos, validação, classificação, sub-totais, obtenção de dados externos. Internet: Conceitos de URL, links, sites, impressão de páginas, downloads, segurança na internet, anti-vírus, vírus.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, Marcus Garcia de. Fundamentos de informática. 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Brasport Livros e Multimídia Ltda, 2002. 240 p.

BIANCHI, Luiz; BIZZOTTO, Carlos Eduardo N.. Curso prático de informática básica: rápido e eficiente. Blumenau: Acadêmica, 2000. 292 p.

CAPRON, H. L.; JOHNSON, J. A.. Introdução à informática. 8. ed. São Paulo: Prentice-Hall, 2004. 350 p.

CINTO, Antonio Fernando; GÓES, Wilson Moraes. Excel avançado. São Paulo: Novatec, 2006. 254 p.

DINWIDDIE, Robert. Como fazer planilhas. São Paulo: Publifolha, 2001. 72 p.

FARIAS, Wlad. Internetando sem medo: o manual prático da boa navegação. São Paulo: Market Books, 2000. 197 p.

INFORMATIONWEEK BRASIL. São Paulo: IT Mídia S.A., -. Quinzenal.

INFO EXAME. São Paulo: Abril, -. Mensal.

MANZANO, André Luiz; MANZANO, Maria Isabel N.G.. Estudo dirigido de informatica básica. 4.ed. São Paulo: Érica, 2002 178 p.

MANZANO, José Augusto N. G.. Estudo dirigido de: Microsoft Office Excel 2003 avançado . São Paulo: Érica, 2004. 246 p.

MCFEDRIES, Paul. Fórmulas e funções com microsoft excel. São Paulo: Moderna, 2005. 606 p.

MINASI, Mark,. Dominando o Microsoft Windows 2000 Server. São Paulo: Makron Books, c2001. 1275p.

NORTON, Peter. Introdução à informática. São Paulo: Makron Books, 2004. 619 p.

PAULA FILHO, Wilson de Pádua.. Engenharia de software: fundamentos, métodos e padrões. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC.

SANTOS JÚNIOR, Mozart Jesus Fialho dos. Dicionário de informática. 2. ed. Goiânia: Terra, 2002. 190 p.

SAWAYA, Márcia Regina. Dicionário de informática & internet: inglês/português. 3. ed. São Paulo: Nobel, c1999. 543 p

SCHAFF, Adam; MACHADO, Carlos Eduardo Jordão; OBOJES, Luiz Arturo. A sociedade da informática: as conseqüências sociais da segunda revolução industrial. 4. ed., 1. reimpr, 1995. São Paulo: Brasiliense, 1995. 157 SILVA, Mário Gomes da. Informática-Excel XP, Access XP, PowerPoint XP. São Paulo: Érica, 2000. 300p. SILVA, Mário Gomes da. Informática: terminologia básica - windows 98 - word 2000. 6. ed. São Paulo: Érica, 2002. 320 p.

SILVA, Mário Gomes da. Informática: terminologia básica - windows XP - word XP - Excel XP. 7. ed. São Paulo: Érica, 2006. 294 p.

VASCONCELOS, Laércio. Hardware total: tudo sobre hardware, montagem, manutenção, expansões e arquitetura de PCs. São Paulo: Makron Books, 2002. 1505 p.

VELLOSO, Fernando de Castro. Informática : conceitos básicos . Rio de Janeiro: Campus, 2003.

VENANCIO, Claudio Ferreira. Desenvolvimento de algoritmos: uma nova abordagem. São Paulo: Érica, 1998. 131 p.

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

1. Administração Pública Municipal: Conceitos básicos sobre Prefeitura e Câmara: poderes, funções principais, membros, características gerais.2. Estrutura organizacional do Poder Executivo Municipal: organização interna e relação entre os setores, características e atribuições dos órgãos municipais.3. Administração e ambiente de trabalho: organização do local de trabalho, clientes internos e externos, organograma, follow up, organização de reuniões e eventos. Protocolo e arquivo de documentos. Relacionamento interpessoal. Trabalho em equipe. Gerenciamento do tempo. Atendimento ao público. Tecnologias de comunicação. Comunicação por telefone. Ética no exercício profissional. Qualidades pessoais e técnicas relativas à função. Rotinas de escritório. 4. Comunicação oficial: atributos básicos. Definição e finalidade dos seguintes atos de comunicação: ofício, memorando, mensagem, edital, ata, carta, declaração, despacho, ordem de serviço, parecer, portaria, resolução, relatório, requerimento.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

AZEVEDO, Ivanize; DA COSTA, Sylvia I. Secretária: um guia prático. 4ª. ed. São Paulo: SENAC, 2004. 188 p.

BARROS NETO, João Pinheiro de. Teorias da administração: curso compacto: manual prático para estudante & gerentes profissionais. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002. 150 p.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1988. Título III - Capítulo IV: Dos Municípios. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm Acesso em: 17 ago. 2007.

BRASIL. Presidência da República. Manual de redação da Presidência da República. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/index.htm Acesso em: 18 ago. 2007.

CÂMARA DE VEREADORES DE IMBITUBA. Sitio oficial da Câmara de Vereadores de Imbituba. Disponível em www.cmi.sc.gov.br Acesso em 20 ago. 2007

MEDEIROS, João Bosco. Correspondência: técnicas de comunicação criativa. 17ª. ed. São Paulo: Atlas, 2004. 384 p.

MEDEIROS, João Bosco; HERNANDES, Sonia. Manual da secretária: técnicas de trabalho. 8ª. ed. São Paulo: Atlas, 2003. 345 p.

PREFEITURA MUNICIPAL DE IMBITUBA. Sitio oficial do município de Imbituba. Disponível em www.imbituba.sc.gov.br Acesso em 20 ago. 2007

RODRIGUEZ, Manuela M. Manual de modelos de cartas comerciais. 8ª. ed. - São Paulo: Atlas, 2003. 194 p.

IMBITUBA. Lei Complementar nº 3.086, de 18 de abril de 2007 (Regime Disciplinar dos Servidores)

- NÍVEL FUNDAMENTAL - SÉRIES INICIAIS (4ª. Série).

Português para os empregos de Auxiliar de Serviços, Balseiro, Carpinteiro, Eletricista, Encanador, Motorista, Operador de Máquinas, Pedreiro, Pintor, Servente/Merendeira e Zelador.

1. Compreensão e interpretação de textos. 2. ortografia. 3. classes de palavras.(substantivo, adjetivo, pronome, verbo,) 4. concordância verbal 5. linguagem formal e informal. 6. discurso direto e indireto.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

SOARES, Magda. Coleção: Uma proposta para o letramento: ensino fundamental livro 3 e 4. São Paulo: Moderna.

BERNADETE, Maria Helena. Coleção: Novo tempo: fundamental 3ª e 4ª séries. São Paulo: Scipione.

MIRANDA, Cláudia. LOPES, Angélica Carvalho. RODRIGUES, Vera Lúcia. Coleção: Vivência e Construção livro 4. São Paulo. Ed. Ática

FARACO, Carlos Alberto; MOURA, Francisco. Gramática Escolar. São Paulo: Ática, 2003.

TUFANO, Douglas. Estudos de língua portuguesa. Gramática. 3.ed. São Paulo: Moderna, 1995.

Matemática para os empregos de Auxiliar de Serviços, Balseiro, Carpinteiro, Eletricista, Encanador, Motorista, Operador de Máquinas, Pedreiro, Pintor, Servente/Merendeira e Zelador.

1 .Números e operações: interpretação e resolução de situações-problema, envolvendo as operações de adição, subtração, multiplicação e divisão de números naturais e decimais. Interpretação e cálculos com idéia de porcentagem e fração. 2.Espaço e Forma: sólidos e formas geométricas. 3.Tratamento de informações: Leitura e interpretação de gráficos e tabelas. 4.Grandezas e Medidas: reconhecimento e utilização das unidades de tempo, medidas de comprimento, superfície (área e perímetro), massa, volume e capacidade. Relação entre as medidas.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ROCHA, Enrique. Raciocício Lógico- Você consegue aprender. Série Provas e Concursos. 2.ed.São Paulo: Impetus-Campus, 2006

AMARAL, João Thomas do. Minimanual Compacto de Matemática: Teoria e Prática: Ed. Rideel-Celebris, edição 1999.

DANTE, Luiz Roberto. Série: Vivência e Construção Matemática.4ª série. 4ª ed.. Editora Ática.

SARQUIS, Eduardo. Matemática com Sarquis, livro 4. Belo Horizonte: Formato Editorial, 1997.

IMENES, Luiz Márcio, LELLIS, Marcelo, JAKUBOVIC, José. Coleção Novo Tempo. 4ª série. Editora Scipione.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA AS PROVAS OBJETIVAS

AUXILIAR DE SERVIÇOS

1. Conhecimentos gerais em ferramentaria. 2. Equipamento de proteção individual. 3.Materiais de construção. 4. Limpeza de ambientes e equipamentos.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

Catálogos de ferramentas.

CHAVES, Roberto. Manual do construtor. 18ª ed., Ediouro, 1996.

Texto "Princípios básicos de segurança do trabalho" Disponível no site www.ibam-concursos.org.br

BALSEIRO

Leis e regras básicas de navegação. Segurança no transporte fluvial. Primeiros socorros.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

Norma da Autoridade Marítima no. 3.

www.mar.mil.br

Texto "Princípios básicos de segurança do trabalho" Disponível no site www.ibam-concursos.org.br

CARPINTEIRO

1.Materiais de Construção Segmento Madeiras e Laminados: a) Tipos de madeira e compensados e suas aplicações. b) Tipos de acabamentos. c) Tipos de emendas e fixações. d) Carpintaria de esquadrias. e) Manutenção e reparos de esquadrias. f) Construção e reparos de mobiliário. g) Afiar ferramentas. 2.Ferramentas: a) Ferramentas manuais. b) Ferramentas elétricas. 3.Manutenção Predial. 4.Equipamentos de Segurança: a) Equipamentos de proteção individual (EPI).

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

Catálogos de ferramentas

Catálogos dos fabricantes de materiais

CHAVES, Roberto. Manual do construtor. 18ª ed., Ediouro, 1996

BORGES, A. C. Prática das pequenas construções. V.1. São Paulo: Edgar Blucher, 1987

YAZIGI, Walid. A técnica de edificar. 3ª ed. São Paulo: Pini: SindusCon-SP, 2000.

ELETRICISTA

1 .Materiais Elétricos: a)Tubulações - eletrodutos metálicos e de PVC, eletrocalhas. b) Condutores em geral, fios e cabos. c) Quadros (disjuntores, balanceamento de circuitos). d) Isolamento, aterramento. e) Substituição de lâmpadas, reatores e fotocélulas. 2.Ferramentas: a) Ferramentas manuais. b) Ferramentas elétricas. c) Aparelho de medição de corrente. d) Aparelho de medição de voltagem. 3.Manutenção Predial Elétrica. 4. Equipamentos de Segurança: a) Equipamentos de proteção individual (EPI).

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

CREDER, Hélio. Manual do instalador eletricista. 1ª ed., LTC 1995

CHAVES, Roberto. Manual do construtor. 18ª ed., Ediouro, 1996

BORGES, A. C. Prática das pequenas construções. V.1. São Paulo: Edgar Blucher, 1987 MARTIGNONI, Alfonso. Instalações elétricas prediais. 14ª ed., Editora Globo, 1982

Normas da ABNT

ENCANADOR

1 .Materiais Hidráulicos: a)Tubulações - válvulas de descarga , registros, peças de utilização b) Sistema de alimentação de água c) Sistema de esgoto d) Fossa Séptica. e) Calha e condutores 2.Ferramentas: a) Ferramentas manuais. b) Ferramentas elétricas. 3.Manutenção Predial: a) Pequenos reparos em sistema de água b) pequenos reparos em sistema de esgoto . Equipamentos de Segurança: a) Equipamentos de proteção individual (EPI)

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

Catálogos de ferramentas

Catálogos dos fabricantes de materiais

CHAVES, Roberto. Manual do construtor. 18ª ed., Ediouro, 1996

BORGES, A. C. Prática das pequenas construções. V.1. São Paulo: Edgar Blucher, 1987

MOTORISTA DE VEÍCULOS

1.Legislação brasileira de trânsito. 2.Conhecimentos sobre funcionamento, manutenção preventiva, diagnóstico e correção de pequenos defeitos em motores de combustão interna, ciclo Otto (gasolina e álcool), ciclo Diesel e dos sistemas de transmissão, suspensão, freios (hidráulicos e pneumáticos), direção e elétrico de veículos pesados. 3.Conhecimentos sobre conceitos, métodos e técnicas de condução segura e direção defensiva de veículos pesados visando a prevenção de acidentes de trânsito. 4.Conhecimentos sobre condução econômica de veículos pesados.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

PAZ, M. Arias. Manual do Automóvel. Última edição

CHOLLET, H. Motor e seus Acessórios. São Paulo, Hemus, s.d. Última edição.

CHOLLET, H. Veículos e seus Acessórios. São Paulo, Hemus,s.d.. Última edição

ALMEIDA, F. Amaury. Manutenção de Automóveis. Última edição

SENAI.RJ. GEP.DIEAD. Direção Defensiva. Unidade de Estudo.

Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503, de 23-9-1977).

Ford Caminhões - Manual Dirigindo com Economia - Série treinamento a Frotistas

OPERADOR DE MÁQUINAS

1. Conhecimentos sobre operação de máquinas pesadas dotadas de rodas ou esteiras ( pás- mecânicas, motoniveladoras, tratores pesados, reboques, implementos e máquinas afins): precauções e regras de segurança; leitura dos instrumentos do painel, manutenção e verificações de rotina, lubrificação e cuidados operacionais ; ajustes e regulagens, bitolas e alinhamento de rodas; acoplamento, desacoplamento, limpeza e conservação de implementos. 2.Conhecimentos sobre legislação de trânsito e direção defensiva.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

SENAI -RS. Direção defensiava 9 Defensive driving) Trad. SENAI. RJ. 3.ed. rev. e ampl. Porto Alegre, 1999. 61 p. il.

Código de Trânsito Brasileiro ( Lei nº 9.503, de 23-9-1977). Resolução nº 168 - CONTRAN ( 14-12-2004).

Komatsu - Manuais de Operação e Manutanção - Trator de Esteira.

Komatsu - Manuais de Operação e manutanção - Motoniveladoras.

New Holland - Manual do Operador - Trator de Rodas.

Case - Manual do Operador - Pá Carregadeira e Retroescavadeira.

Valtra Valmet - Manual do Operador - Trator de Rodas.

Volvo - Manual de Instruções do Operador - Pá carregadeira.

PEDREIRO

1 .Materiais de construção. 2.Ferramentas básicas e ferramentas elétricas. 3.Equipamento de proteção individual.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

CHAVES, Roberto. Manual do Construtor. 18ª edição. Ed. Ediouro, 1996.

BORGES, A. C. Prática das pequenas construções, vol, 1, Ed. Edgar Blucher, 1987.

Catálogos e manuais de fabricantes de materiais de construção e equipamentos de segurança. YAZIGI, Walid. A técnica de edificar. 3ª ed. São Paulo: Pini: SindusCon-SP, 2000.

PINTOR

1 .Materiais: tipos de tinta e aplicações; tipos de solventes e aplicações e tipos de massas e aplicações. 2.Ferramental: ferramental básico e aplicações e compressores, pistolas, bicos. 3.Equipamento de proteção: E.P.I - Equipamento de Proteção Individual e aplicações e equipamentos de proteção coletiva e uso correto

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

Catálogos de fabricantes de Equipamentos de Segurança.

Catálogos de fabricantes de ferramentas para pintura.

Manual de pintura da Coral.

Manual de pintura da Sherwin Willans - Metalatex.

Manual de pintura da Suvinil.

Normas ABNT.

YAZIGI, Walid. A técnica de edificar. 3ª ed. São Paulo: Pini: SindusCon-SP, 2000.

SERVENTE/MERENDEIRA

1. Higiene pessoal a) higienização das mãos ( como lavar e secar as mãos, unha), b) produtos utilizados ( quais produtos para limpeza das mãos), c) limpeza do corpo ( banhos, cabelos, etc...). 2. Uniformes: a) uniforme adequado, como usar e guardar. 3. Higienização e preparo dos alimentos a) limpeza dos alimentos b) armazenamento ( recepção e armazenamento das mercadorias c) pré-preparo e preparo ( verduras, legumes, frutas, carnes, aves, pescados, temperos, cereais e outros), temperatura d) distribuição ( uniforme, postura pessoal, utensílios e higienização depois da distribuição) e) controle do lixo e limpeza dos utensílios. 4. Higienização do ambiente e equipamentos: a) paredes, pisos, armários, prateleiras, mesas. b) fogão, louças, talheres, liquidificador, refrigerador, freezer,balcão térmico, forno. 5. Alimentos a) importancia dos alimentos para saúde, b) contaminação ( microorganismos, doenças e intoxicações), c) rotulagem de produtos d) nutrientes, medidas caseiras. 6. Programa Nacional de Alimentação Escolar a) alimentação saudável.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ABERC- Manual de Práticas de Elaboração e serviço de Refeições para Coletividades, São Paulo, 2000. www.aberc-br.org.br

ANVISA -Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Higienização das Mãos em Serviços de Saúde.

ANVISA -Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Cartilha sobre Boas Práticas para Serviços de Alimentação, Resolução-RDC nº 216/2004.

Ministério da Educação- FNDE - Portaria Interministerial nº - 1.010, de 8 de maio de 2006.

PHILIPPI, S.T. NUTRIÇÃO E TÉCNICA DIETÉTICA, 1ºed.Barueri: Manole, 2003.

SENAC -Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Cartilha 2: as boas práticas I ,2001.

SENAC -Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Cartilha 3: as boas práticas I I, 2001.

http://www.fnde.gov.br/home/alimentacao_escolar/portaria_1010_08052006.pdf

ZELADOR

1 .Materiais de construção. 2. Conhecimentos gerais em ferramentaria. 3.Equipamento de proteção individual. 4. Manutenção Predial: a) Pequenos reparos em sistema de água b) pequenos reparos em sistema de esgoto. 5. Reparos de mobiliário.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

CHAVES, Roberto. Manual do Construtor. 18ª edição. Ed. Ediouro, 1996.

Texto "Princípios básicos de segurança do trabalho" Disponível no site www.ibam-concursos.org.br

88290

Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231