UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa - RS

UNIPAMPA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

EDITAL Nº 99/2012

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR TEMPORÁRIO

Notícia:   11 vagas para Professores Temporários de diversas áreas na Unipampa - RS

A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, considerando o disposto na Lei nº 8.745, de 09/12/1993, na Portaria Interministerial nº 18, de 27/01/2012, publicada no DOU de 30/01/2012, e na Portaria Normativa nº 03, de 02/02/2012, publicada no DOU de 03/02/2012, divulga a abertura de inscrições para Seleção Simplificada de Professor Temporário:

CAMPUS: Bagé
ÁREA DE CONHECIMENTO: Computação e Informática
REQUISITOS: Graduação ou especialização ou mestrado ou doutorado em ciência da computação ou engenharia de computação ou sistemas de informação ou áreas afins.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 20h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus Bagé - Travessa 45, nº 1650, Bairro Malafaia-Bagé/RS

CAMPUS: Itaqui
ÁREA DE CONHECIMENTO: Agronomia
REQUISITOS: Graduação em agronomia ou especialização ou mestrado ou doutorado em agronomia ou áreas afins e produção científica na área do concurso.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 40h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus Itaqui - Rua Luiz Joaquim de Sá Britto, s/n - Itaqui - RS

CAMPUS: Itaqui
ÁREA DE CONHECIMENTO: Alimentação e Nutrição
REQUISITOS: Graduação em nutrição ou especialização ou mestrado ou doutorado em nutrição ou áreas afins.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 20h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus Itaqui - Rua Luiz Joaquim de Sá Britto, s/n - Itaqui - RS

CAMPUS: Itaqui
ÁREA DE CONHECIMENTO: Estatística
REQUISITOS: Graduação em estatística ou matemática ou áreas afins ou especialização em estatística ou matemática ou áreas afins ou mestrado ou doutorado em áreas afins.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 20h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus Itaqui - Rua Luiz Joaquim de Sá Britto, s/n - Itaqui - RS

CAMPUS: Itaqui
ÁREA DE CONHECIMENTO: Matemática
REQUISITOS: Graduação em matemática ou especialização ou mestrado ou doutorado em matemática ou áreas afins.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 40h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus Itaqui - Rua Luiz Joaquim de Sá Britto, s/n - Itaqui - RS

CAMPUS: Itaqui
ÁREA DE CONHECIMENTO: Nutrição Clínica
REQUISITOS: Graduação em nutrição ou especialização ou mestrado ou doutorado em nutrição clínica ou áreas afins.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 40h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus Itaqui - Rua Luiz Joaquim de Sá Britto, s/n - Itaqui - RS

CAMPUS: Itaqui
ÁREA DE CONHECIMENTO: Química Inorgânica
REQUISITOS: Graduação em química ou especialização ou mestrado ou doutorado em química inorgânica ou áreas afins.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 20h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus Itaqui - Rua Luiz Joaquim de Sá Britto, s/n - Itaqui - RS

CAMPUS: Itaqui
ÁREA DE CONHECIMENTO: Produção e tecnologia de sementes
REQUISITOS: Graduação ou especialização ou mestrado ou doutorado em agronomia ou áreas afins e produção científica na área do concurso.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 20h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus Itaqui - Rua Luiz Joaquim de Sá Britto, s/n - Itaqui - RS

CAMPUS: São Gabriel
ÁREA DE CONHECIMENTO: Biologia Celular e Molecular
REQUISITOS: Graduação em ciências biológicas ou áreas afins.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 40h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus São Gabriel - Rua prof. Aloisio Barros Macedo s/n, Bairro Piraí, BR 290, Km 423,São Gabriel - RS

CAMPUS: São Gabriel
ÁREA DE CONHECIMENTO: Engenharia Rural
REQUISITOS: Graduação em engenharia florestal ou agronomia ou engenharia agrícola.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 20h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus São Gabriel - Rua prof. Aloisio Barros Macedo s/n, Bairro Piraí, BR 290, Km 423,São Gabriel - RS

CAMPUS: São Gabriel
ÁREA DE CONHECIMENTO: Fisiologia Vegetal
REQUISITOS: Mestrado na área do concurso.
VAGAS: 01
CLASSE/REGIME DE TRABALHO: 40h
TIPOS DE PROVA: Entrevista, Didática e Títulos
PERÍODO PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DA PROVA: 07/05 a 25/05/2012
LOCAL DE PROVA: Campus São Gabriel - Rua prof. Aloisio Barros Macedo s/n,
Bairro Piraí, BR 290, Km 423,São Gabriel - RS

1. A jornada de trabalho poderá ser distribuída nos períodos diurno e noturno, conforme a necessidade da Fundação Universidade Federal do Pampa.

2. O candidato deverá se inscrever no período de 16 de abril a 02 de maio de 2012 através do endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos mediante preenchimento de formulário eletrônico específico.

2.1. O candidato receberá e-mail de confirmação da inscrição no endereço eletrônico informado no formulário no prazo de até 24 horas após finalizada a inscrição. Em caso de dúvida sobre o recebimento da inscrição, o candidato poderá contatar a Universidade através do telefone (53) 3240 -5403.

3. Os candidatos serão informados via e-mail da data da realização das provas e deverão entregar à Banca Examinadora, no momento da instalação, a documentação necessária para instruir o processo, como segue:

a) Documento de Identidade, Quitação com o Serviço Militar (para brasileiros de até 45 anos de idade), Título de Eleitor e Prova de quitação com as obrigações eleitorais (cópias autenticadas ou documentos originais acompanhados de cópias simples que possam ser conferidas com o original e autenticadas no ato).

- Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia de realização das provas, documento de identidade original, por motivo de extravio, deverá apresentar boletim de ocorrência expedido em órgão policial há, no máximo, trinta dias, sendo então submetido à identificação especial, com coleta de assinatura e impressão digital.

b) Declaração de que aceita as condições e normas estabelecidas no respectivo Edital e que delas tem pleno conhecimento (disponível em www.unipampa.edu.br/portal/concursos);

c) Comprovante de recolhimento da taxa de inscrição, no valor de R$ 50,00 (cinquenta reais), conforme guia de recolhimento disponível em www.unipampa.edu.br/portal/concursos.

d) Para os candidatos que solicitaram isenção da taxa de inscrição, requerimento devidamente assinado contendo a indicação do NIS - Número de Identificação Social e a declaração que atende à condição estabelecida no Decreto nº 6.135, de 26/06/2007.

e) Currículo Lattes impresso a partir da Plataforma Lattes (modelo CNPq), com, no mínimo, documentação comprobatória dos títulos de graduação e pós-graduação especificados no referido Currículo (cópias autenticadas ou documentos originais acompanhados de cópias simples que possam ser conferidas com o original e autenticadas no ato).

3.1. A cópia da documentação descrita anteriormente será retida no Campus pelo prazo de 60 dias após a homologação do resultado final do concurso, ficando a critério do candidato a retirada da mesma depois de decorrido este prazo.

3.1.1. As cópias da documentação, caso não sejam retiradas pelos candidatos, serão descartadas após decorrido 1 ano da homologação do resultado final do concurso.

3.2. Da solicitação de isenção da taxa de inscrição.

3.2.1. Os candidatos que pretendem solicitar isenção da taxa de inscrição deverão fazê-lo até o dia 22/04/2012.

3.2.2. Terá direito à isenção, segundo Decreto nº 6.593, de 02/10/2008, publicado no DOU de 03/10/2008, o candidato que:

a) estiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal- CadÚnico, de que trata o Decreto nº 6.135, de 26/06/2007 e;

b) for membro de família de baixa renda de que trata o Decreto nº 6.135, de 26/06/2007.

3.2.3. A isenção deverá ser solicitada mediante requerimento, disponível no endereço www.unipampa.edu.br/portal/concursos, a ser enviado pelo candidato à Divisão de Concursos, pelo correio eletrônico concursosdocentes@unipampa.edu.br, contendo:

a) indicação do Número de Identificação Social - NIS, atribuído pelo CadÚnico;

b) declaração de que atende à condição estabelecida no subitem 3.2.2.

3.2.4. A UNIPAMPA consultará o órgão gestor do CadÚnico para verificar a veracidade das informações prestadas pelo candidato, a declaração falsa sujeitará o candidato às sanções previstas em lei, aplicando-se, ainda, o disposto no parágrafo único do art. 10 do Decreto nº 83.936, de 06/09/1979.

3.2.5. O resultado da solicitação será divulgado no dia 26/04/2012, no endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos, bem como em quadro de avisos dos campi da UNIPAMPA.

3.2.6. O candidato que não tiver seu pedido de isenção deferido deverá imprimir o boleto até 02/05/2012 e efetuar o pagamento da taxa de inscrição até o dia seguinte, caso contrário, estará automaticamente excluído do concurso público.

4. É proibida a contratação de servidores da Administração Direta ou Indireta da União, Estados ou Municípios, bem como de suas subsidiárias ou controladas, salvo nos casos previstos no inciso XVI, letras "a", "b" e "c", do art. 37 da Constituição Federal.

5. O candidato que já manteve contrato com base na Lei n° 8.745/93 não poderá ser novamente contratado com fundamento nesta Lei, antes de decorridos 24 (vinte e quatro) meses do encerramento do seu contrato anterior, conforme o inciso III do Art. 9° da citada Lei.

6. O não comparecimento a qualquer das provas implicará em desistência da Seleção por parte do Candidato.

7. O programa do concurso será publicado somente no endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos.

8. O candidato não poderá alegar desconhecimento acerca da data, local e horário de realização das provas, como justificativa de sua ausência.

9. Será excluído do Concurso Público o candidato que:

a) Apresentar-se após o horário estabelecido ou não comparecer às provas, por qualquer que seja o motivo alegado;

b) Não apresentar documento que bem o identifique;

c) For surpreendido, durante a realização das provas, em comunicação com outro candidato;

d) Fizer uso de qualquer tipo de equipamento eletrônico de comunicação ou similares, bem como de protetores auriculares, ou portar arma, mesmo que possua a respectiva autorização para porte;

e) Utilizar-se de meios ilícitos durante as provas ou perturbar a ordem dos trabalhos;

f) Agir com descortesia em relação a qualquer pessoa envolvida na realização das provas.

g) Deixar de apresentar a documentação descrita as alíneas a, b, c e d do item 3 deste Edital.

10. Os candidatos serão classificados de acordo com os valores decrescentes das Notas Finais do Concurso.

10.1. Individualmente, as provas não possuem caráter eliminatório, sendo atribuída nota entre 0 (zero) e 10 (dez) a cada uma delas.

10.2. A Nota Final do Concurso (NF) será calculada pela média aritmética das notas de cada prova, aproximando-se em duas casas decimais.

10.3. Será considerado aprovado o candidato que obtiver Nota Final (NF) igual ou superior a 7,0 (sete).

10.4. Em caso de empate na Nota Final do Concurso, terá prevalência, por ordem, o candidato que:

a) Obtiver maior nota na prova de títulos;

b) Obtiver maior nota na prova didática;

c) Tiver a idade mais elevada.

11. Os candidatos selecionados serão contratados por tempo determinado, por um período inicial de até 06 (seis) meses, podendo ser prorrogado de acordo com a legislação vigente.

12. O prazo de validade do concurso será de 1 (um) ano contado a partir da data da publicação da homologação no Diário Oficial da União.

13. Para a prestação de serviço relacionada a este edital, a remuneração será de:

a) Contrato de 20 horas:

Titulação

Vencimento Básico

Gemas

RT

Auxílio Alimentação

Total Bruto

Graduação

R$ 557,51

R$ 978,95

-

R$ 304,00

R$ 1.840,46

Especialização

R$ 557,51

R$ 978,95

R$ 109,50

R$ 304,00

R$ 1.949,96

Mestrado

R$ 645,76

R$ 983,39

R$ 363,89

R$ 304,00

R$ 2.297,04

Doutorado

R$ 747,97

R$ 987,83

R$ 782,50

R$ 304,00

R$ 2.822,30

b) Contrato de 40 horas:

Titulação

Vencimento Básico

Gemas

RT

Auxílio Alimentação

Total Bruto

Graduação

R$ 1.115,02

R$ 1.015,31

-

R$ 304,00

R$ 2.434,33

Especialização

R$ 1.115,02

R$ 1.015,31

R$ 135,45

R$ 304,00

R$ 2.569,78

Mestrado

R$ 1.291,52

R$ 1.018,63

R$ 706,37

R$ 304,00

R$ 3.320,52

Doutorado

R$ 1.495,94

R$ 1.021,95

R$ 1.782,11

R$ 304,00

R$ 4.604,00

14. O prazo das inscrições para o processo seletivo deste edital será reaberto caso não haja inscrições homologadas. Na reabertura de inscrições a exigência do Título poderá ser rebaixada, nos casos de exigência de Mestrado e Doutorado. O prazo para inscrições no concurso reaberto será de 7 (sete) dias, a contar da publicação da homologação das inscrições iniciais, sendo a notícia publicada somente em www.unipampa.edu.br/portal/concursos.

Bagé, 13 de abril de 2012.

Ulrika Arns
Reitora

Programa e Bibliografia - Edital 099/2012

CAMPUS

ÁREA

PROGRAMA

BIBLIOGRAFIA

Bagé

Ciência da Computação

1. Problemas, algoritmos e programas.

2. Conceituação de algoritmo.

3. Paradigma imperativo.

4. Constantes e variáveis.

5. Comandos de atribuição.

6. Comandos de entrada e saída.

7. Operações de controle de fluxo: testes condicionais, estruturas de repetição.

8. Vetores e matrizes.

9. Encapsulamento de código: funções e procedimentos.

10. Passagem de parâmetros.

11. Linguagem de programação C.

MIZRAHI Victorini V. Treinamento em Linguagem C. 2ª Ed. São Paulo: Pearson, 2008.

MANZANO, José A. Nº G.; OLIVEIRA Jayr F. D. Algoritmos: lógica para o desenvolvimento de programação de computadores. São Paulo: Érica, 2005.

FORBELLONE, André L. V.; EBERSPÄCHER, Henri F. Lógica de Programação: A construção de algoritmos e estruturas de dados. 3ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

KERNIGHAN, Brian; RITCHIE, Dennis. A Linguagem de Programação C. E. Editora Campus, 1993.

Itaqui

Agronomia

1. Avaliação da Disponibilidade de Nutrientes

2. Amostragem de Solo e de Plantas para Análise

3. Acidez do Solo e seus Efeitos nas Plantas

4. Biogeoquímica dos Macronutrientes e suas Funções nas Plantas- Fósforo

5. Biogeoquímica dos Macronutrientes e suas Funções nas Plantas - Potássio

6. Biogeoquímica dos Macronutrientes e suas Funções nas Plantas - Nitrogênio

7. Biogeoquímica dos Micronutrientes e suas Funções nas Plantas - Boro,

Cobre, Manganês, Zinco, Ferro, Molibdênio.

8. Solos Alagados

9. Princípios de Adubação Foliar e Hidroponia.

10. Cultura do Trigo, Aveia, Centeio, Cevada e Triticale.

11. Cultura do Girassol.

12. Cultura da Batata

13. Cultura do Feijão

14. Cultura da Soja

15. Cultura do milho

16. Cultura do arroz

17. Cultura da cana e da mandioca

BISSANI, CARLOS A.; GIANELLO, CLESIO; CAMARGO, FLÁVIO A.O.; TEDESCO, MARINO J. Fertilidade dos solos e manejo da adubação de culturas. Porto Alegre. Ed. Metrópole. 2008. 344p.

EMBRAPA. Manual de métodos de análises de solo. Centro Nacional de Pesquisas de Solos. Rio de Janeiro. 1997. 212p.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Recomendações técnicas para o cultivo do milho. Brasilia : EMBRAPA, 1993. 204 p.

GOMES, A. JÚNIOR, A.M.M. Arroz Irrigado. Embrapa. Livraria Virtual,2004, 899p.

MALAVOLTA, EURIPEDES. Manual de nutrição mineral de plantas. Ed Agronômica Ceres. 2006. 638p.

PRADO, RENATO DE MELLO. Nutrição de plantas. São Paulo: UNESP, 2008. 407p.

PRIMAVESI, ANA. Manejo ecológico do solo. São Paulo: Nobel, 2002. 549p.

Rio Grande do Sul. Programa Multiinstitucional de Difusão de Tecnologia em Milho. Recomendações técnicas para a cultura do milho no Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre : FEPAGRO/Emater, 1997. 140 p.

SANTOS, A.B.; STONE, L.F. VIEIRA, N.R.A. A Cultura do Arroz no Brasil. Embrapa Arroz e Feijão. 2ª Edição. 2006. 1000p.

SANTOS, O.S. A cultura da soja v1. Globo. 1995.

SARTORATO, A.; PAIVA, C.A. Principais doenças do feijoeiro comum e seu controle. Embrapa Arroz e Feijão. 1994. 300p.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO, NÚCLEO REGIONAL SUL. Comissão de química e fertilidade do solo - RS/SC. Manual de adubação e de calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Comissão de Química e Fertilidade do solo. Porto Alegre, 2004. 394p.

TROEH, FREDERICK R.; THOMPSON, LOUIS M. Solos e fertilidade do solo. São Paulo: Andrei, 2007. 718p.

VIEIRA, Lúcio Salgado. Manual da Ciência do solo. 2ªed. São Paulo: Ceres, 1988. 464p.

ItaquiAlimentação e Nutrição1. Unidades de Alimentação e Nutrição: aspectos físicos e de funcionamento.

2. Planejamento de refeições.

3. Administração de Recursos Humanos em Unidades de Alimentação e Nutrição.

4. Ergonomia e Segurança no trabalho em Unidades de Alimentação e Nutrição.

5. Custos, controle de estoque e orçamento em Unidades de Alimentação e Nutrição.

6. Sistemas de controle de qualidade em Unidades de Alimentação e Nutrição.

7. Princípios e métodos tecnológicos empregados na produção, fabricação, transformação, beneficiamento, processamento, conservação e armazenamento de alimentos.

8. Composição química e valor nutricional dos diversos grupos de alimentos e o uso das tabelas como ferramentas para análise de sua composição.

9. Efeitos do processamento sobre o valor nutricional e biodisponibilidade de nutrientes dos alimentos.

10. Higiene dos alimentos nas etapas do fluxo operacional: recebimento, armazenamento, preparo, refrigeração, congelamento e descongelamento.

ABREU, E. S.; SPINELLI, M. G. N.; PINTO, A. M. S. Gestão de Unidades de Alimentação e Nutrição: um modo de fazer. São Paulo, Ed. Metha, 2ª ed., 2007, 322p.

ABERC - Associação Brasileira das Empresas de Refeições Coletivas. Manual de Práticas de Elaboração e Serviço de Refeições para Coletividade. São Paulo: ABERC, 8ª ed., 2003.

BRASIL. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº. 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. www.anvisa.gov.br

BRASIL. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº. 307, de 14 de novembro de 2002. Altera a Resolução - RDC nº. 50 de 21 de fevereiro de 2002 que dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. www.anvisa.gov.br

BRASIL. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução nº. 171, de 4 de setembro de 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o funcionamento de Bancos de Leite Humano. www.anvisa.gov.br

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Programa de Alimentação do Trabalhador. Brasília, 2005, 41p.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº. 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. www.anvisa.gov.br

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº. 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. www.anvisa.gov.br

BRASIL. PORTARIA SVS/MS nº. 326, de 30 de julho de 1997. Aprova o Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores Industrializadores de Alimentos. www.anvisa.gov.br

BRASIL. PORTARIA SVS/MS nº. 1428, de 26 de novembro de 1993. Regulamenta a Inspeção Sanitária de Alimentos, as Diretrizes para o estabelecimento de Boas Práticas e de Prestação de Serviços na Área de Alimentos. www.anvisa.gov.br

DOMENE, S. M. A. Técnica dietética: Teoria e aplicações. Ed. Guanabara Koogan, 2011.

FIGUEIREDO, R.M. SSOP: Padrões e Procedimentos Operacionais de Sanitizaçäo; PRP: Programa de

Redução de Patógenos: manual de procedimentos e desenvolvimento. Coleção Higiene dos Alimentos. São

Paulo. Ed. Núcleo de Assistência a Cultura e a Arte, 2002.

LIDA, I. Ergonomia - Projeto e Produção. São Paulo, Ed. Edgard Bluchar, 9ª Reimpressão, 2003.

LOPES, Ellen Almeida. Guia para Elaboração dos Procedimentos Operacionais Padronizados exigidos pela

RDC n° 275 da ANVISA. São Paulo: Livraria Varela, 2004, 240p.

MANUAL DE LEGISLAÇÃO. Segurança e Medicina do Trabalho. São Paulo, Ed. Atlas, 62ª ed., 2008, 802p.

MEZZOMO, I. B. F. Os Serviços de Alimentação - Planejamento e Administração. São Paulo, Ed. Manole, 5 ª ed., 2006, 432p.

NEVES, M.F.; CASTRO, L.T. Marketing e Estratégia e Agronegócios e Alimentos. São Paulo. Ed. Atlas. 2007, 365p.

ORNELLAS, L. H. Técnica dietética, Ed. Atheneu, 2001.- OULTATE, T.P Alimentos, a química de seus componentes. Ed. Artmed, 2004.

PHILIPPI, S. T. Nutrição e técnica dietética, 2ª ed., Ed. Manole, 2006.

RIO GRANDE DO SUL. Portaria nº 78/2009. Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação e dá outras providências. 2009.

SALINAS, R D. Alimentos e nutrição: Introdução à Bromatologia. Ed. Artmed, 2002.

SENAI. Guia Passo a Passo: Implantação das Boas Práticas e Sistemas APPCC. Serie Qualidade Alimentar. Projeto APPCC Mesa. Sebrae, 204p.

SILVA JUNIOR, E.A. Manual de Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos. São Paulo, Ed. Varela, 6ª ed., 2007, 623p.

TEICHMANN, I.T.M. Cardápios: técnicas e criatividade. Caxias do Sul, Ed. Universidade de Caxias do Sul, 6ª ed., 2007, 152p.

TEIXEIRA, S.M.F.; OLIVEIRA, Z.M.C; REGO, J.C.; BISCONTINI, T.M.B. Administração Aplicada às

Unidades de Alimentação e Nutrição. São Paulo, Ed. Atheneu, 2008, 232p.

ItaquiEstatística1. Estatística Descritiva.

2. Probabilidade.

3. Distribuições Discretas de Probabilidade.

4. Distribuições Contínuas de Probabilidade.

5. Estimação por Intervalos de Confiança.

6. Testes de Hipótese.

7. Correlação e Regressão.

BUSSAB, W. de O.; MORETIN, P.A. Estatística Básica. 5ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2004. 526p.

COSTA NETTO, P. L.O. Estatística. 2ª Ed. São Paulo: Edgard Blücher LTDA, 2002. 266p.

DRAPER, N.R., SMITH, H. Applied regression analysis. 2ed. New York: John Wiley, 1981, 709p.

FARIAS, A.A.; SOARES, J.F.; CÉSAR, C.C. Introdução à Estatística. 2ª Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003.

FONSECA, J.S. da.; MARTINS, G.A. Curso de Estatística. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, 1996.

MEYER, P.L. Probabilidade: aplicações à estatística. 2ªEd. Rio de Janeiro: LTC, 1983. 426p.

MORETTIN, L.G. Estatística básica: Inferência. São Paulo: Pearson Makron Books, 2000. V.2

SPEIGEL, M.R. ET al. Probabilidade e Estatística. 2ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

TRIOLA, M. F. Introdução à Estatística. 7ª Ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999. 410p.

ItaquiMatemática1. Conjuntos e suas operações.

2. Números Complexos.

3. Polinômios.

4. Funções Elementares.

5. Funções de uma variável: Limite e Continuidade.

6. A Derivada e suas aplicações.

7. Integração.

8. Funções de várias variáveis: Continuidade e Diferenciabilidade.

9. Derivadas Parciais.

10. Integrais Múltiplas.

11. Álgebra de Matrizes.

12. Sistemas de Equações Lineares.

ANTON, H.; BIVENS, I.; DAVIS, S. Cálculo. 8 ed. Porto Alegre: Bookman, 2007. 2 volumes.

GUIDORIZZI, H.L. Um Curso de Cálculo. 5 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2001. 4 volumes.

IEZZI, G. Fundamentos de matemática elementar 1: Conjuntos, funções. 8. ed. São Paulo: Atual, 2009. 374 p.

IEZZI, G. Fundamentos de matemática elementar 6: Complexos, polinômios, equações. 7. ed. São Paulo: Atual, 2009. 250 p.

LEITHOLD, L. O Cálculo com Geometria Analítica. 3 ed. São Paulo: Harbra, 1994. 2 volumes.

STRANG, G. Álgebra Linear. 4 ed. Thomson Learning, 2006.

ItaquiNutrição Clínica1. Avaliação nutricional nos ciclos da gestante e da lactante.

2. Avaliação nutricional da criança (recém-nascido até 10 anos).

3. Avaliação nutricional do adolescente.

4. Avaliação nutricional do adulto.

5. Avaliação nutricional do idoso.

6. Dietoterapia das doenças crônicas (obesidade, diabetes mellitus, doenças cardiovasculares).

7. Código de ética do Nutricionista.

8. Resolução do Conselho Federal de Nutricional que dispõe sobre as áreas de atuação do nutricionista (N°380/2005).

9. Normas de elaboração de projeto de pesquisa.

ASSOCIACAO BRASILEIRA PARA ESTUDOS DA OBESIDADE. Consenso Latino Americano em Obesidade. Disponível em: www.abeso.org.br/pdf/consenso.pdf.

CUPPARI, L. Nutrição Clinica no Adulto. Rio de Janeiro: Ed. Manole, 2ª ed. 2005.

KRAUSE, M.; MAHAN, L.K. Alimentos, nutrição e dietoterapia. São Paulo: Ed. Rocca, 11ª ed, 2005, 1242p.

OPAS. Doenças crônico-degenerativas e obesidade: estratégia mundial de alimentação saudável, atividade física e saúde. Organização Panamericana da Saúde/OMS. Brasília, 2003.

SHILS, M. et al. Tratado de Nutrição Moderna na Saúde e na Doença. Rio de Janeiro: Ed. Manole, 9a. 2004.

SILVA, S. M. C. S. Tratado de alimentação, nutrição e dietoterapia. Editora Roca, 2007.

SOBOTKA, L. et al. Bases da Nutrição Clinica. Rio de Janeiro: Ed. Rubio, 3ª ed. 2008.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Ácidos graxos n -3, n - 6 e prevenção de doenças cardiovasculares. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v.77, suplem.3, set. 2001.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Consenso da Sociedade Brasileira de Diabetes. Disponível em: www.diabetes.org.br/consensoindex.html.

VITOLO, M.R. Nutrição: da gestação ao envelhecimento. Rio de Janeiro: Rubio, 2008.

WAITZBERG, D.L. Nutrição oral, enteral e parenteral na pratica clinica. São Paulo: Atheneu, 2009.

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. Resolução CFN N° 334/2004. Código de ética do Nutricionista.

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. Resolução 380/2005. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições, estabelece parâmetros numéricos de referência, por área de atuação, e dá outras providências.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6023: Informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

NBR 14724: Informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. 2. ed. Rio de Janeiro, 2005.

NBR 10520: Informação e documentação. Citações em documentos. Apresentação. Rio de Janeiro, 2005.

FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas técnicas para o trabalho científico: elaboração e formatação: com explicitação das normas da ABNT. 14. Porto Alegre, RS: Brasil, 2006.

SPECTOR, Nelson. Manual para a redação de teses, projetos de pesquisa e artigos científicos. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 2002.

ItaquiQuímica Inorgânica1. Estrutura atômica e tabela periódica

2. Forças intermoleculares

3. Funções inorgânicas: propriedades e reatividade

4. Eletroquímica

5. Cinética química

6. Equilíbrio químico

7. Gases e suas propriedades

8. Termoquímica

9. Ligações químicas e estrutura molecular

10. Fundamentos de termodinâmica química

11. Equilíbrio ácido base em solução aquosa

12. Reações químicas e estequiometria

13. Soluções e propriedades coligativas

14. Fundamentos de Química Orgânica

15. Acidez e basicidade de compostos orgânicos

ATKINS, P.W.; JONES, L., Princípios da Química, trad. Inês Caracelli et al., Porto Alegre: Editora Bookman, 2001.

ATKINS, P. W. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente, 3ª ed., 2006.

KOTZ, John C.; TREICHEL JR, Paul M. Química Geral e Reações Químicas. V.1. São Paulo, Thomson Pioneira, 2005.

KOTZ, John C.; TREICHEL JR, Paul M. Química Geral e Reações Químicas. V.2. São Paulo, Thomson Pioneira, 2005.

RUSSEL, John. Química Geral. V.1. 2ª ed. São Paulo, MAKRON, 1994

RUSSEL, John. Química Geral. V.2. 2ª ed. São Paulo, MAKRON, 1994.

SHRIVER, D. F.; ATKINS, P. W. Química Inorgânica. Porto Alegre, Bookman, 2003.

ItaquiProdução e tecnologia de sementes1. Considerações gerais e importância das sementes.

2. Formação da semente.

3. Maturação de sementes.

4. Germinação.

5. Dormência.

6. Deterioração.

7. Vigor.

8. Teste do tetrazólio.

9. Legislação de sementes e mudas.

10.Produção.

11.Colheita.

12.Beneficiamento e secagem.

13.Armazenamento e comercialização

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Glossário ilustrado de morfologia. Brasília: Mapa/ACS, 2009. 406p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de Análise Sanitária de Sementes. Brasília: Mapa/ACS, 2009. 200p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS, 2009. 395p.

Bryant, John A. Fisiologia da semente. São Paulo : EPU, 1989 86 p.

Esau, Katherine, Anatomia das plantas com sementes. São Paulo : Edgard Blucher, 2005. 293 p.

FERREIRA, G.F.; BORGHETTI, F. Coord. Germinação - Do básico ao aplicado. Porto Alegre. Artmed. 2004. 323 p..

GOMES, A.; JÚNIOR, A.M.M. Arroz irrigado. Embrapa. Livraria Virtual. 899p. 2006.

SANTOS, A.B.; STONE, L.F. VIEIRA, N.R.A. A Cultura do Arroz no Brasil, Embrapa Arroz e Feijão. 2ª Edição. 1000p. 2006.

São GabrielBiologia Celular e Molecular1. Biomembranas, organelas celulares

2. Ciclo celular e mitose

3.Citoesqueleto

4.Meiose

5. O DNA e a estrutura molecular dos cromossomos

6. Replicação do DNA e cromossomos

7. Transcrição e Processamento de RNA

8. Tradução e Código Genético

9. Regulação da expressão gênica em Procariontes e Eucariontes

10. Aplicações da tecnologia do DNA recombinante

ALBERTS, B., JOHNSON, A., LEWIS, J., RAFF, M., ROBERTS, K., WALTER, P.. Biologia Molecular da Célula. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 4 ed. 1463p. 2004.

GRIFFITHS, AJF., WESSLER, SR., LEWONTIN, RC., GELBART, WM., SUZUKI, DT., MILER, JH. Introdução à Genética. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 8 ed. 743p. 2006.

LEWIN, B. Genes VII Porto Alegre, RS: Artes Médicas. 955p.2001.

PIERCE, BA. Genética: um Enfoque Conceitual. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 758p. 2004.

SNUSTAD, DP. SIMMONS, MJ. Fundamentos de Genética. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2 ed. 756p. 2001.

ROBERTIS de, E.M.F. & HIB J. Bases da biologia celular e molecular. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

LODISH, H. Biologia Molecular da Célula - 5.ed. Artmed. 1054 p. 2005.

São GabrielEngenharia florestal ou agronomia1. Desenho técnico aplicado: desenho topográfico, arquitetônico e normativas.

2.Desenho assistido por computador (CAD/SOLID WORK): funções para desenho, para edição, lay-out e impressão.

3. Escalas.

4. Cotagem.

5. Geomática.

6. Ciclo hidrológico.

7. Noções de climatologia.

8. Precipitação.

9. Evaporação e evapotranspiração.

10. Infiltração.

11. Hidrometria.

12. Controle de enchentes.

ABNT, NBR 10067/95-Princípios gerais de representação em desenho técnico.

ABNT, NBR 12298/95-Representação de área de corte por meio de hachuras em desenho técnico. ANBT, NBR 10068/87- Folha de desenho - Leiaute e dimensões.

ANBT, NBR 10126/87-Cotagem em Desenho Técnico.

ANBT, NBR 10582/88-Apresentação da folha para desenho técnico.

ANBT, NBR 10647/89- Desenho técnico.

ANBT, NBR 13142/99- Desenho técnico - dobramento de cópia.

ANBT, NBR 8196/99- Desenho técnico - Emprego de escalas.

ANBT, NBR 8403/84- Aplicação de linhas em desenho - Tipos de linhas - Larguras das linhas.

ASSAD, E. D., SANO, E. E. (Org.) Sistemas de informações geográficas - aplicações na agricultura. Embrapa, 2.ed. Brasília, 1998. 434 p.

BARTH ,F. T. et. al. Modelos para gerenciamento de recursos hídricos, São Paulo: Nobel: ABRH, 1987. (Coleção ABRH de Recursos Hídricos; v. 1).

BELTRAME, L.F.S.; LANNA, A.E.L.; LOUZADA, J.S. Chuvas Intensas. IPH/UFRGS, 1991. 69p.

BURROUGH, P. A., McDONNELL, R.A. Principles of Geographical Information Systems. Oxford: University Press. New York, 1998. 333 p.

CÂMARA, G. Anatomia de Sistemas de Informação Geográfica. Campinas: Instituto de Computação: UNICAMP. 1996.

FRENCH, T. E. & VIERCK, C. J. Desenho Técnico e Tecnologia Gráfica.

GARCEZ, L.N. Hidrologia, 2. ed., São Paulo: Edgard Blücher. 1998.

GÓES, Kátia. AutoCAD Map - Explorando as ferramentas de mapeamento. Ed. Ciência Moderna. Rio de Janeiro, 2000. 193 p. (Livro e CD-ROM).

IBGE. Noções básicas de cartografia - Manuais Técnicos em Geociências. Rio de Janeiro: IBGE, 1999. 130p.

JENSEN, J. R. SENSORIAMENTO REMOTO DO AMBIENTE, 200ª Ed Parêntese.

LOCH, C. A interpretação de imagens aéreas: noções básicas e algumas aplicações nos campos profissionais. 5. ed. rev. atual. Florianópolis: UFSC, 2008. 103 p.:Il.

MOREIRA, M. A. Fundamentos do sensoriamento remoto e metodologias de aplicação. 4. ed. rev. e ampl. Viçosa: UFV, 2011. 422p.

NOGUEIRA, R. E. Cartografia: representação, comunicação e visualização de dados espaciais. 5. ed. rev. atual. Florianópolis: UFSC, 2008. 103 p.:Il.

NOVO, E. M. L. de M. Sensoriamento Remoto: Princípios e Aplicações. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1998. 308p.

PFAFSTETER, O. 1957. Chuvas intensas do Brasil. DNOS.

PINTO, N.L. de S. et al. Hidrologia Básica. São Paulo: Edgard Blücher; Rio de Janeiro: Fundação Nacional de Material Escolar. 1976. 279 p.

RAMOS, F. et. al. Engenharia Hidrológica. Rio de Janeiro: ABRH, Editora UFRJ, 1989. (Coleção ABRH de Recursos Hídricos; v. 2).

ROCHA, Cézar H.B. Geoprocessamento - tecnologia transdisciplinar. 3ª Ed. do Autor, rev. E atual. Juiz de Fora, 2007. 220 p. Il.

SANCHES, J. E. Fundamentos de Hidrologia. IPH/UFRGS, 1987.

SILVA, A.; RIBEIRO, C. T.; DIAS. J; SOUZA, L. Desenho Técnico Moderno. Ed. Lidel, 2005.

SILVA, Ardemirio de B. Sistemas de informações geo-referenciadas - conceitos e fundamentos. Ed. Unicamp. Campinas, 1999. 236 p.

TUCCI, Carlos E. (organizador). Hidrologia: Ciência e Aplicação 2 ed., Porto Alegre \ Ed. Universidade, /UFRGS: ABRH, 2000. (Coleção ABRH de Recursos Hídricos; v. 4).

VILLELA, S. M.; MATTOS, A. Hidrologia Aplicada. São Paulo: Ed. McGraw-Hill do Brasil.

São GabrielFisiologia vegetal1. Estrutura e propriedades de ácidos nucléicos, carboidratos, proteínas e lipídios.

2. Transporte celular.

3. Relações hídricas.

4. Nutrição mineral.

5.Fotossíntese.

6.Translocação pelo floema.

7.Respiração celular.

8.Fisiologia da germinação.

9. Crescimento e desenvolvimento.

10. Fitormônios

APPEZZATO-DA-GLÓRIA, B.; CARMELLO-GUERREIRO, S.M. Anatomia vegetal. 2. ed. Viçosa: UFV, 2006.

BERG, J.M.; TYMOCZKO, J.L.; STRYER, L. Bioquímica. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

BUCHANAN, B.; GRUISSEM, W.; JONES, R.L. Biochemistry & molecular biology of plants. American Society of Plant Biologist, 2000.

Rockwille, 1367 p.CASTRO, KLUGE; SESTARI. Manual de fisiologia vegetal: fisiologia de cultivos. São Paulo: Agronômica Ceres, 2008.

CASTRO, KLUGE; SESTARI. Manual de fisiologia vegetal: teoria e prática. São Paulo: Agronômica Ceres, 2005.

CASTRO, KLUGE; SESTARI. Manual de fisiologia vegetal: fisiologia de cultivos. São Paulo: Agronômica Ceres, 2008.

CHAMPE, P.CP; HARVEY, R.A.; FERRIER, D.R. Bioquímica ilustrada. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

EPSTEIN, E.; BLOOM, A.J. Nutrição mineral de plantas: princípios e perspectivas. 2. ed. Londrina: Planta, 2006.

FLOSS, E. L. Fisiologia das plantas cultivadas. 4. ed. Passo Fundo: UPF, 2008.

KERBAUY, G.B. Fisiologia vegetal. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

LARCHER, W. Ecofisiologia. 3. ed. Springer- Verlag, Berlin, 1995.

MALAVOLTA, E. Elementos de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Agronômica Ceres Ltda, 1980.

MARSCHNER, H. Mineral nutrition of higher plants. 2. ed. Germany: Academic Press, 2008.

NULTSCH, W. Botânica geral. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PRADO, R.M. de. Nutrição mineral. São Paulo: Unesp, 2008.

RAVEN, P.H.; EVERT, R.F.; EICHHORN, S.E. Biologia vegetal. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

RAVEN P.H.; EVERT, R.F.; EICHHORN, S.E. Biologia vegetal. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009