UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa - RS

UNIPAMPA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

EDITAL 006/12

CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE

Notícia:   Unipampa abre vagas para Professor em seis diferentes campi

1. DA LEGISLAÇÃO

A REITORA DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, nos termos do decreto nº 7485, de 18 de maio de 2011, em conformidade com a Lei nº 8112/90 e Resolução nº 01/2010 - Conselho Universitário (CONSUNI), divulga a abertura de novo concurso, destinado a selecionar candidatos para os cargos de Professor Adjunto e Professor Assistente da Carreira do Magistério Superior da Fundação Universidade Federal do Pampa, em conformidade com as disposições contidas neste edital.

2. DO QUADRO DE VAGAS As informações referentes às vagas estão detalhadas a seguir:

Campus

Área

Requisitos

Vaga

Classe/Regime de Trabalho

Processo Nº

Bagé

Química Analítica

Doutorado em Química ou áreas afins

01

Professor Adjunto 40h Dedicação exclusiva

23100.000033/2012-79

Dom Pedrito

Educação

Graduação em Letras ou Pedagogia e Mestrado e Doutorado em Educação

01

Professor Adjunto 40h Dedicação exclusiva

23100.000034/2012-13

Itaqui

Melhoramento Genético, Genética, Biotecnologia, Sementes, Propagação de Plantas

Graduação em Agronomia ou Engenharia Florestal e Doutorado nas áreas do concurso

01

Professor Adjunto 40h Dedicação exclusiva

23100.000032/2012-24

JaguarãoEnsino de HistóriaGraduação em História e Doutorado em História ou Educação, com produção intelectual na área01Professor Adjunto 40h Dedicação exclusiva23100.000031/2012-80
São BorjaDireitoGraduação em Direito e Mestrado e Doutorado em Ciências Sociais ou Humanas01Professor Adjunto 40h Dedicação exclusiva23100.000035/2012-68

3. DA JORNADA DE TRABALHO

3.1 O professor submetido ao regime de dedicação exclusiva (DE) fica obrigado a prestar 40 horas semanais de trabalho, em dois turnos diários completos, e estará impedido de exercer outra atividade remunerada pública ou privada;

3.2 A jornada de trabalho poderá ser distribuída no período diurno e noturno, conforme a necessidade da Fundação Universidade Federal do Pampa.

4. DA REMUNERAÇÃO E DAS ATRIBUIÇÕES DOS DOCENTES

4.1 Remuneração inicial e suas parcelas:

Cargo/classe/padrão

Remuneração Básica (R$)

Retribuição por Titulação (R$)

Gratificação Específica do Magistério Superior - GEMAS (R$)

Total (R$)

Professor Assistente I

2.001,86

1.592,90

1.056,86

4.651,59

Professor Adjunto I

2.318,71

3.916,88

1.098,08

7.333,67

O servidor ainda dispõe de um auxílio-alimentação no valor de R$304,00.

4.2 São consideradas atribuições próprias do pessoal docente do ensino superior:

a) as pertinentes à pesquisa, ensino e extensão que, indissociáveis, visem à aprendizagem, à produção do conhecimento, à ampliação e transmissão do saber e da cultura, e

b) as inerentes ao exercício de direção, assessoramento, chefia, coordenação e assistência na própria instituição, além de outras previstas na legislação vigente e determinadas pela administração superior.

5. DA INSCRIÇÃO

5.1 O período de inscrições será de 05/01/2012 a 02/02/2012.

5.2 O candidato deverá se inscrever através do endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos mediante preenchimento de formulário específico. A confirmação da inscrição será realizada após o pagamento da taxa do item 5.4 letra e. Em caso de dúvida sobre o recebimento da documentação da inscrição, o candidato poderá contatar a Universidade pelo correio eletrônico concursosdocentes@unipampa.edu.br.

5.3 Após a inscrição, os candidatos devem encaminhar os documentos relacionados no item 5.4 à Comissão de Concursos da UNIPAMPA (Rua General Osório, 900 - Centro, CEP 96400-100 - Bagé-RS) por correspondência postada com AR - Aviso de Recebimento ou correio internacional registrado, com data de postagem até 03/02/2012. O candidato deve informar obrigatoriamente na parte externa do envelope a área de conhecimento na qual pretende realizar o concurso e o número do edital.

5.4 A documentação necessária para instruir o processo consta de:

a) documento de identidade (cópia que possa ser conferida com o original antes do início das provas do concurso);

b) se estrangeiro, declaração de que está ciente de que no momento da posse deverá possuir visto permanente, de acordo com o parágrafo 3º, da Lei n. 9.515, de 21/11/1997;

c) declaração assinada de que tem pleno conhecimento e aceita as condições e normas estabelecidas na Resolução nº 01/CONSUNI de 30/03/2010 e no respectivo Edital do Concurso. (disponível em www.unipampa.edu.br/portal/concursos);

d) Currículo Lattes impresso - a partir da Plataforma Lattes, modelo CNPq (a documentação comprobatória do Currículo Lattes deverá ser entregue no ato de instalação do concurso, no primeiro dia de prova);

e) comprovante de recolhimento da taxa de inscrição, no valor de R$100,00 (cem reais) para Professor Assistente e no valor de R$ 130,00 (cento e trinta) para Professor Adjunto conforme guia de recolhimento disponível em www.unipampa.edu.br/portal/concursos. Esta taxa, uma vez recolhida, não será restituída em hipótese alguma.

f) para os candidatos que solicitaram isenção da taxa de inscrição, requerimento devidamente assinado contendo a indicação do NIS - Número de Identificação Social e a declaração que atende à condição estabelecida no Decreto nº 6.135, de 26/06/2007.

5.5 Ao se inscrever, o candidato fica ciente da responsabilidade de apresentar, no ato de posse, a documentação correspondente à área de conhecimento e aos requisitos definidos no item 2 deste Edital.

5.6 Da solicitação de isenção da taxa de inscrição.

5.6.1 Os candidatos que pretendem solicitar isenção da taxa de inscrição deverão fazê-lo até o dia 19/01/2012.

5.6.2 Terá direito à isenção, segundo Decreto nº 6.593, de 02/10/2008, publicado no DOU de 03/10/2008, o candidato que:

a) estiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal- CadÚnico, de que trata o Decreto nº 6.135, de 26/06/2007 e;

b) for membro de família de baixa renda de que trata o Decreto nº 6.135, de 26/06/2007.

5.6.3 A isenção deverá ser solicitada mediante requerimento, disponível no endereço www.unipampa.edu.br/portal/concursos, a ser enviado pelo candidato à Comissão de Concursos, pelo correio eletrônico concursosdocentes@unipampa.edu.br, contendo:

a) indicação do Número de Identificação Social - NIS, atribuído pelo CadÚnico;

b) declaração de que atende à condição estabelecida no item 5.6.2, letra b acima.

5.6.4 A UNIPAMPA consultará o órgão gestor do CadÚnico para verificar a veracidade das informações prestadas pelo candidato, a declaração falsa sujeitará o candidato às sanções previstas em lei, aplicando-se, ainda, o disposto no parágrafo único do art. 10 do Decreto nº 83.936, de 06/09/1979;

5.6.5 O resultado da solicitação será divulgado juntamente com a homologação da inscrição, no endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos, bem como em quadro de avisos dos campi da UNIPAMPA.

5.6.6 O candidato que não tiver seu pedido de isenção deferido e que não efetuar o pagamento da taxa de inscrição até 03 (três) dias após a publicação da homologação no sitio www.unipampa.edu.br/portal/concursos, estará automaticamente excluído do concurso público.

6. DA HOMOLOGAÇÃO DA INSCRIÇÃO

6.1 A relação dos candidatos que tiverem sua inscrição homologada será publicada em www.unipampa.edu.br/portal/concursos, bem como em quadro de avisos dos campi da UNIPAMPA, no prazo máximo de dez dias corridos após o encerramento das inscrições;

6.2 Os candidatos cujas inscrições foram homologadas deverão acompanhar pelo endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos, a comunicação das datas, horários e local de realização do(s) concurso(s).

7. DA PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE INSCRIÇÕES

O prazo das inscrições para os concursos com enquadramento na Classe de Professor Adjunto (titulação mínima Doutorado) será reaberto caso não haja inscrições homologadas. Na reabertura de inscrições a exigência será o Título de Mestre, com enquadramento na Classe de Professor Assistente. O prazo para inscrições nos concursos reabertos será de 15 (quinze) dias, a contar da publicação da homologação das inscrições iniciais, sendo a notícia publicada somente em www.unipampa.edu.br/portal/concursos.

8. DA DATA PROVÁVEL DE REALIZAÇÃO DO CONCURSO

O período provável de realização do concurso será de 27/02 a 02/03/2012.

9. DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO EXAMINADORA

A constituição da Comissão examinadora ocorrerá de acordo com o estipulado no capítulo VIII da Resolução nº 01/CONSUNI de 30/03/2010.

10. DAS PROVAS

10.1 Disposições Gerais

10.1.1 As provas Escrita, Didática, de Defesa do Memorial de Trajetória Acadêmica e de Títulos ocorrerão de acordo com o estipulado na Resolução n° 01/CONSUNI de 30/03/2010, disponível no endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos.

10.1.2 Os programas dos concursos, apresentando os conteúdos objeto de avaliação e a bibliografia para a Prova Escrita encontram-se no endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos;

10.1.3 A Prova Didática, quando da sua apresentação à Comissão Examinadora, e a Prova de Defesa oral do Memorial de Trajetória Acadêmica serão gravadas para efeito de registro e avaliação.

10.1.4 O candidato deverá comparecer ao local de provas designado no endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos, munido de documento de identidade (original) em perfeitas condições, de forma a permitir, com clareza, sua identificação;

10.1.5 Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia de realização das provas, documento de identidade original, por motivo de extravio, deverá apresentar boletim de ocorrência expedido em órgão policial há, no máximo, trinta dias, sendo então submetido à identificação especial, com coleta de assinatura e impressão digital;

10.1.6 O candidato não poderá alegar desconhecimento acerca da data, local e horário de realização do concurso, como justificativa de sua ausência;

10.2 Demais disposições a respeito das provas encontram-se no Capítulo VI da Resolução n° 01/CONSUNI de 30/03/2010.

11. DA HABILITAÇÃO E DA CLASSIFICAÇÃO FINAL NO CONCURSO

A Habilitação e a Classificação Final no Concurso ocorrerá de acordo com o estipulado no Capítulo VII da Resolução n° 01/CONSUNI de 30/03/2010.

12. DOS RECURSOS

Os recursos ocorrerão de acordo com o estipulado no Capítulo IX da Resolução n° 01/CONSUNI de 30/03/2010.

13. DA DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS

A UNIPAMPA divulgará através de Edital publicado no Diário Oficial da União e no endereço eletrônico www.unipampa.edu.br/portal/concursos, a relação dos candidatos classificados nos concursos objeto deste Edital, conforme Artigo 16 do Decreto 6944 de 21/08/09.

14. DO PRAZO DE VALIDADE

O prazo de validade dos concursos objeto deste Edital é de 01 (um) ano, prorrogável por mais 01 (um) ano, no interesse da Instituição, a contar da data de publicação da homologação dos resultados pela instituição.

15. DISPOSIÇÕES GERAIS

15.1 Na hipótese de renúncia ou desistência expressa, por escrito, de candidato aprovado e convocado para a nomeação, ou, caso o mesmo não venha a tomar posse dentro do prazo legal; e, ainda, quando houver vacância da vaga preenchida em razão deste concurso, a UNIPAMPA poderá convocar os candidatos subseqüentes, em estrita obediência à ordem de classificação.

15.2 A classificação e homologação no concurso não asseguram ao candidato o direito de nomeação no cargo, mas a expectativa de direito à investidura no cargo para o qual concorreu, seguindo a rigorosa ordem de classificação e observado o prazo de validade do concurso e a legislação vigente.

15.3 Os candidatos nomeados que tiverem titulação superior à exigida para a classe à qual concorreram, poderão requerer, após a posse, progressão imediata para a classe correspondente a sua titulação, desde que esta não tenha sido utilizada para a investidura no cargo.

15.4 Havendo candidatos remanescentes aprovados neste concurso público ainda válido, a UNIPAMPA poderá nomeá-los para atuar em qualquer campus da instituição, caso haja necessidade.

15.5 Ao final do concurso, não havendo candidatos aprovados, a UNIPAMPA poderá aproveitar candidatos aprovados em concursos públicos de outras IFES na mesma área ou áreas afins, desde que exista compatibilidade de perfil e desde que o concurso em pauta esteja dentro do prazo de validade e de acordo com a legislação vigente.

15.6 A UNIPAMPA poderá ceder a outras IFES candidatos aprovados neste concurso público realizado, quando estas solicitarem, mediante concordância do candidato, e que o concurso esteja dentro do prazo de validade, de acordo com a legislação vigente.

15.7 É de responsabilidade do candidato homologado, manter o endereço atualizado. Em caso de alteração, informá-la à UNIPAMPA, pelo correio eletrônico gestaodepessoal@unipampa.edu.br.

15.8 Não será fornecido ao candidato qualquer documento comprobatório de classificação e/ou notas, valendo para tal fim a homologação do resultado final do concurso publicada no Diário Oficial da União.

15.9 Os casos omissos serão resolvidos pela Divisão de Concursos, correio eletrônico concursosdocentes@unipampa.edu.br.

Bagé, 04 de janeiro de 2012.

Ulrika Arns
Reitora

Programa e Bibliografia Edital 006/12

Campus

Área

Pontos

Bibliografia

Bagé

Química Analítica

1.Equilíbrio Químico

2.Métodos clássicos de Análise (Volumetria e Gravimetria).

3.Preparação de amostras para análise.

4.Potenciometria e aplicações analíticas.

5.Condutometria.

6.Polarografia/voltametria.

7.Espectrofotometria de absorção molecular e aplicações analíticas.

8.Espectroscopia de Absorção Atômica e espectroscopia de emissão atômica.

9.Cromatografia líquida (clássica e de alta eficiência, CLAE) e aplicações analíticas.

10.Cromatografia gasosa e aplicações analíticas.

Baccan, N.; Andrade, J.C.; Godinho, O.E.S.; Barone, J.S.. "Química Analítica Quantitativa Elementar". 3a ed. São Paulo: Editora Edgar Blücher; Campinas: Editora da UNICAMP, 2001.

Harris, D.C. "Análise Química Quantitativa". Quinta Edição, LTC Editora, Rio de Janeiro, 2001.

Basset, J.; Denney, R.C.; Jeffery, G.H.; Mendham, J.. "VOGEL - Análise Inorgânica Quantitativa". Traduzido. Rio de Janeiro. 5ª Edição. LTC Editora S.A. Rio de Janeiro, 2007.

Skoog, D.A.; West, D.M.; Holler, F.J. "Fundaments of Analytical Chemistry". 6th ed. Saunders College Publishing, 1992.

Baccan, N.; Aleixo, L.M.; Stein, E.; Godinho, O. E. S. "Introdução à Semimicroanálise Qualitativa". 3ª Edição. Editora da UNICAMP, Campinas, 1990.

Skoog, D.A.; Holler, F. J.; Nieman, T. A. "Princípios de Análise Instrumental". 5a. ed. Porto Alegre: Bookman, 2002.

Braga, G.L.; Collins, C.H. "Introdução aos Métodos Cromatográficos". Campinas: Editora da UNICAMP, 1988.

Mendham, J; Denney, R. C; Barnes, J. D; & Thomas, M. J. K. "Vogel Análise Química Quantitativa", 6a ed., LTC editora, Rio de Janeiro - RJ, 2002.

Vogel, Arthur I.; Química Analítica Qualitativa, 5a Ed., Editora Mestre Jou, São Paulo, 1981.

Skoog, D. A.; West, D. M.; Holler, F. J.; Crouch, S. R.; Fundamentos da Química Analítica, Cengage Learning, São Paulo, 2008.

Dom PedritoEducação (Licenciatura)1. A escola como espaço sócio-cultural;

2. Escola frente às políticas inclusivas na Sociedade;

3. Organização administrativa e pedagógica da escola básica;

4. Concepções de educação e de currículo e suas relações com o ensino;

5. Avaliação no contexto educacional brasileiro e na escola;

6. Tendências atuais de formação de professores e o lugar da pesquisa, das práticas de ensino e dos estágios curriculares;

7. A importância do Projeto Político-Pedagógico na escola e suas formas de elaboração, implementação e avaliação;

8. Tecnologias da comunicação e da informação aplicadas à educação;

9. Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio: Ciências da natureza e suas tecnologias.

10. Diretrizes curriculares para os cursos de formação de professores para a educação básica e a área de ciências da natureza e suas tecnologias.

11. Recursos didáticos no ensino de ciências da natureza e os objetos de conhecimento em física, química e biologia.

12. Noções sobre cultura, ciência e formas de produção de objetos de conhecimento em ciências da natureza e suas tecnologias.

BRASIL, Ministério da Educação (MEC). Resolução CEB/CNE Nº. 03/98, de 26 de junho de 1998. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (DCNEM).

BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio (PCNEM). Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2002. 144p.

AZEVEDO & SCHNETZLER. O binômio Cuidar-Educar na Educação Infantil e a formação inicial de seus profissionais. Disponível em: www.anped.org.br/reunioes/28/textos/gt07/gt071011int.doc. Acesso em: 10/06/2009.

_______ . Necessidades formativas de profissionais de Educação Infantil. Disponível em www.ced.ufsc.br/~nee0a6/telorose.PDF.

Acesso em: 10/06/2009.BRASIL. Diretrizes Nacionais para Educação especial na Educação Básica. SEESP/MEC, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf.

BRASIL. RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 5 DE JULHO DE 2000.Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, MEC/CNE, 2000.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 19 de dezembro de 1996. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf

CUNHA, Maria Isabel da. Formatos avaliativos e concepção da docência. Campinas: Autores Associados. 2005.

HERNANDEZ, F. VENTURA, M. A Organização do currículo por projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 1998.

OLIVEIRA, Zilda Ramos Educação Infantil: fundamentos e métodos Cortez, São Paulo, 2005.

SILVA, Maria Vieira; MARQUES, Mara Rúbia Alves (Org.). LDB: balanços e perspectivas para a educação brasileira. Campinas, SP: Alínea, 2008.

STREHL, A & R. ; ROCHA, I. Estrutura e Funcionamento do Ensino Fundamental e Médio: subsídios para alunos e professores, de acordo com a lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 - LDB. 2. ed. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 1998.

VEIGA, I. P. A.; FONSECA, M. (Orgs.). As dimensões do projeto político-pedagógico. 5 ed. Campinas: Papirus, 2007.

MORIN, E. Ciência com Consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

MORIN, E.. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

CANDAU, Vera Maria. Didática, Currículo e Saberes Escolares. 2.ed. Rio de Janeiro:DP&A, 2002

CUNHA, Maria Isabel da. Formatos avaliativos e concepção da docência. Campinas: Autores Associados. 2005.

NÓVOA, A (org). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997.

PIMENTA, S. G. (org.) Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

_____ & LIMA, Maria S.L. Estágio e Docência. 2ª ed.São Paulo:Cortez,

2004.

_____ e GHEDIN, Evandro (Orgs.) Professor Reflexivo no Brasil: Gênese e crítica de um conceito. 3.ed.São Paulo: Cortez, 2005.

SACRISTÁN, Gimeno J. Currículo - uma reflexão sobre a prática. 3a ed. Porto Alegre: Artmed, 1998

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

MOREIRA, Antonio F. (org). Territórios Contestados - Currículo e os Novos Mapas Políticos e Culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Formação de professores: dimensão interdisciplinar. Disponível em www.facec.edu.br/seer/index.php/formacaodeprofessores/ article/viewFile/24/66. acessado em 16/12/2011

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. Disponível em: www.letras.ufmg.br/espanhol/pdf/ pedagogiadaautonomia‑ paulofreire.pdf Acesso em 16/12/2011

Outras referências consideradas relevantes pelo candidato

ItaquiMelhoramento Genético, Genética,

Biotecnologia, Sementes, Propagação de Plantas

1.Sistemas reprodutivos de plantas cultivadas e suas Implicações no melhoramento vegetal

2.Bases genéticas do melhoramento vegetal 3.Melhoramento de plantas autógamas e alógamas

4.Melhoramento de plantas de reprodução assexuada

5.Principais métodos de melhoramento genético de plantas

6.Biotecnologia e melhoramento genético de plantas

7.Bases físicas e químicas da herança

8.Mecanismos de distribuição dos genes

9.Herança quantitativa

10.Genética de populações

11.Propagação de plantas por cultura de tecidos, por sementes, por mergulhia, estaquia, enxertia,

12.Padrões de expressão morfogenética: Calogenese, organogênese e cultura de meristemas e embriogênese somática

13.Aplicações da cultura in vitro: haplóides e duplo‑ haplóides; resgate de embriões e fertilização in vitro; produção de propágulos livres de patógenos e conservação de recursos genéticos vegetais.

14.Base genética de marcadores moleculares e sua aplicação na conservação e melhoramento genético de plantas

15.Engenharia genética em plantas: vetores,

construções quiméricas, sistemas de transformação genética, genes engenheirados e principais genes introduzidos em plantas.

16.Formação, maturação, dormência e germinação de sementes

17.Tecnologia e analise de sementes 18.Registro e proteção de cultivares

ARAGÃO, F.J.L. Organismos transgênicos: explicando e discutindo a tecnologia. São Paulo: Manole, 2003. 115p.

BORÉM, A. Melhoramento de espécies cultivadas. 2 ed. Viçosa: UFV, 2005. 969 p.

BORÉM, A.; MIRANDA, G.V. Melhoramento de plantas. 5 ed. Viçosa: UFV, 2009. 529 p.

BRASILEIRO, A.C.M; C.V.T.C. Manual de transformação genética de plantas. Brasília: SPI, 1998. 309p.

BURNS, G. W. Genética. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991. 381 p.

CARNEIRO, V. T.C. Clonagem de plantas por sementes: estratégias de estudo da apomixia. Brasília, DF: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2004. 126p.

CARVALHO, N.M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4 ed. Jabotical: Funep, 2000. 588p.

CASTRO, A.M.G. et et. Germinação - do básico ao aplicado. Porto

Alegre. Artmed. 2004. 323 p.

FERREIRA, A.G.; BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado.

Porto Alegre: Artmed, 2004. 323p.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 2.ed. Viçosa: UFV, 2003. 412p.

GRIFFITHS, A. J. F. Introdução à Genética. 9.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 712 p.

RAMALHO, M. P. Genética na agropecuária. 4. ed. Lavras: UFLA, 2008. 461 p.

WENDLING, I., GATTO, A. Planejamento e instalação de viveiros. Aprenda Fácil, 2001, 16p.

WENDLING, I. et al. Técnicas de Produção de Mudas de Plantas Ornamentais. v.3. Editora: Aprenda Fácil. 2005, 223p.

JaguarãoEnsino de História1.O Ensino de História no Ensino Básico: a formação docente e o estágio supervisionado em História.

2.Livros didáticos de História: pesquisa e ensino-aprendizagem no Ensino Básico.

3.Linguagens, mídias e novas tecnologias no Ensino Básico de História.

4.O Conhecimento Histórico, a Memória e o Ensino de História.

5.Teoria da História, Metodologia de pesquisa e o uso de fontes históricas no Ensino de História.

6.O Ensino de História em espaços não escolares.

7.O Ensino de História e os Parâmetros Curriculares Nacionais: propostas e desafios.

8.Os processos avaliativos educacionais e a avaliação no processo de ensino-aprendizagem em História;

9.Abordagens interdisciplinares no Ensino de história: diálogos sobre Cultura, Identidade e Etnicidade.

10.Políticas Públicas Educacionais e Ensino de

História: perspectivas de abordagem e o cotidiano escolar atual.

11.Questões contemporâneas, o cotidiano escolar atual e o Ensino de História: propostas e desafios.

12.História do Ensino de História no Brasil: permanências e transformações;

13.A introdução das leis 10.639/2003 e 11.645/2008 e suas implicações para o Ensino de História no Brasil.

14.Estágio de História no Ensino Fundamental

15.Estágio de História no Ensino Médio

ABREU, Martha; SOIHET, Rachel [Org.]. Ensino de História: conceitos, temáticas e metodologias. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

ABREU, Martha, SOIHET, Raquel e GONTIJO, Rebeca (org.). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

BALDISSERA, José Alberto. O Livro Didático de História: uma visão crítica. Porto Alegre: Evangraf, 1994.

BARROSO, Vera Lúcia Maciel et all (org.). Ensino de história: desafios contemporâneos. Porto Alegre: EST, 2010.

BITTENCOURT, Circe M.F. O Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

BITTENCOURT, Circe. O saber Histórico na Sala de Aula. São Paulo: Contexto, 1997.

BRASIL. Ministério de Educação. Conselho Nacional de Educação.

Parecer CEB n. 15/98. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.

_______ . Secretaria de Educação Básica. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Orientações Curriculares para Ensino Médio. V. 3. Brasília, 2006.

_______ . Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Fundamental. História e Geografia. Brasília, 1997.

_______ . Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília, 1999.

_______ . Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares. Brasília, 2002.

CABRINI, Conceição. Ensino de História: revisão urgente. São Paulo, Brasiliense, 1986.

CAIMI, Flávia Eloísa. Conversas e controvérsias, o ensino de história no Brasil (1980-1998). Passo Fundo: UPF, 2001.

CALLAI, Helena C.; ZARTH, Paulo Afonso (Org.). Os conceitos de espaço e tempo na pesquisa em educação. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 1999.

CANDAU, U.M.F. A Didática em questão (Org.) Rio de Janeiro, Vozes, 1983.

CARDOSO, Ciro Flamarion & VAINFAS, Ronaldo (org.) Domínios da História: Ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

CERRI, Luis Fernando. Saberes históricos diante da avaliação do ensino: notas sobre os conteúdos de história nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM. Revista Brasileira de História, v. 24, n. 48, p. 213-231, julho-dezembro 2004, São Paulo (Excertos).

CHAUÍ, Marilena. Política Cultural, Cultura Política e Patrimônio Histórico. In: CUNHA, Maria Clementina Pereira (Org.). O direito à memória: patrimônio cultural e cidadania. São Paulo: DPH - Departamento do Patrimônio Histórico da Secretaria Municipal da

Cultura, 1992.

DIEHL, Astor A.(org.) O livro didático e o currículo de história em transição. Passo Fundo: EDIUPF, 1999.

CORSETTI, Berenice, et alli. (org.) Ensino de História: formação de professores e cotidiano escolar. Porto Alegre: Edições EST, 2002.

FENELON, Déa R. "A formação do profissional de história e a realidade do ensino". In. Cadernos cedes (8). São Paulo: Cortez, 1988.

FONSECA, Selva FRANCO, Maria Laura P.B. O livro didático de história no Brasil: a versão fabricada. São Paulo: Global, 1982.

FALLEIROS, Ialê. Parâmetros curriculares nacionais para a Educação Básica e a construção de uma nova cidadania. IN: NEVES, Lúcia Maria

W. A nova Pedagogia da Hegemonia: estratégias do Capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

FONSECA, Selva Guimarães. Didática e Prática de Ensino de História. experiências, reflexões e aprendizados. Campinas: Papirus Editora, 2003.

Caminhos da História Ensinada. Campinas: Papirus Editora, 2000.

FONSECA, Thais Nivia de Lima e. História & Ensino de História. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FORQUIN, J.C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

GRUPIONI, L. D. B. e SILVA, A. Lopes da. A temática indígena na sala de aula: Novos subsídios para professores de 1 e 2 graus. Brasília:

MEC/MARI/UNESCO, 1995.

HORTA, Maria de Lourdes P. Fundamentos da educação patrimonial. In: Revista Ciências & Letras. Porto Alegre: FPAECL, n. 27, jan/jun. 2000, pp.25-35.

HORTA, M. L. P.; GRUNBERG, E.; MONTEIRO, A. Q. Guia Básico de Educação Patrimonial. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Museu Imperial, 1999.

ITAQUI, José. Educação Patrimonial e desenvolvimento sustentável.

In: Revista Ciências & Letras. Porto Alegre: FPAECL, n. 27, jan/jun. 2000, pp.229-245.

KARNAL, Leandro. (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2004.

NAPOLITANO, M. Como usar a TV na sala de aula. São Paulo:

Contexto, 1999. NAPOLITANO, M. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2003.

NIDELCOFF. Maria Teresa. Ciências Sociais na escola, para alunos de 12 a 18 anos. São Paulo: Brasiliense, 2004.

NUNES, Silma do Carmo. Concepções de mundo no ensino de História. Campinas: Papirus, 1996.

OLIVEIRA, Margarida D. de & STAMATTO, M. Inês S. O Livro didático de história: políticas educacionais, pesquisa e ensino. Natal, EDUFRN, 2007.

POSSAMAI, Zita Rosane. O Patrimônio em construção e o conhecimento histórico. In: Revista Ciências & Letras. Porto Alegre:

FPAECL, n. 27, jan/jun. 2000, pp.13-24. PROENÇA, Maria Cândida. Didática da História. Lisboa, 1992.

RAMOS, Marise Nogueira. O ensino médio ao longo do século XX: um projeto inacabado. IN: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena (orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil, vol. III: século XX. Petrópolis: Vozes, 2005.

REVISTA BRASILEIRA DE HISTÓRIA. Memória, História e Historiografia

- Dossiê ensino de história. São Paulo, ANPUH/Marco Zero, vol.12, n. 25/226, setembro 92/agosto 93.

ROCHA, Ubiratan. História, currículo e cotidiano escolar. São Paulo: Cortez, 2002.

RODRIGUES, Isabel C. A temática Indígena nos Livros Didáticos de

História do Brasil: Ensino Fundamental - 5ª a 8ª séries. Dissertação de Mestrado. Maringá, MFE, 2001.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; CAINELLI, Marlene. Ensinar História. São Paulo: Scipione, 2004.

SEFFNER, Fernando. Leitura e escrita na História. In: NEVES, Iara Conceição B. (org.) Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1999.

SEFFNER, Fernando; STEPHANOU, Maria. De novo a mesma história? O que ensinar e aprender nas aulas de História? Perguntas que não querem calar... IN: Prefeitura Municipal de Gravataí. Secretaria

Municipal de Educação. Teoria & Fazeres: caminhos da educação popular: as áreas do conhecimento de 5ª a 8ª série. Gravataí: SMED, 2004. pp. 65 - 74.

SEFFNER, Fernando & BALDISSERA, José Alberto. Qual História? Qual Ensino? Qual Cidadania? Porto Alegre: ANPUH, Ed.Unisinos, 1997.

SILVA, Marcos; FONSECA, Selva Guimarães. Ensinar História no século XXI: em busca do tempo entendido. Campinas/SP: Papirus, 2007.

São BorjaDireito1.A Organização do Estado Brasileiro: Federalismo ou Unitário

2.Os Direitos e as Garantias Fundamentais

3.Os direitos sociais

4.Os direitos políticos 5.A soberania

6.Os Direitos Humanos e o Serviço Social

7.O Estado Brasileiro e a Seguridade Social

8.Os direitos do Consumidor

9.Os direitos do idoso

10.Os direitos da criança e do adolescente

11.Dimensões da Cidadania no Brasil: Sociais, Políticos e Econômicos

AVELAR, Lúcia & CINTRA, Antônio Octávio (orgs.) Sistema Político Brasileiro: Uma introdução. Rio de Janeiro. Konrad - Adenauer - Stiftung; São Paulo: Ed. Unesp, 2007.

AZAMBUJA, Darcy. Introdução a Ciência Política, 2ª, Ed. São Paulo, Globo 2008.

BONAVIDES, Paulo, Curso de direito constitucional. 19. ed. São Paulo : Malheiros, 2006;

BOBBIO, Norberto, A era dos direitos. Rio de Janeiro : Elsevier, 2004;

BRASIL. Senado Federal Estatuto do idoso e normas correlatas : dispositivos constitucionais pertinentes Lei n. 10.741 de 1 de outubro de 2003, normas correlatas, índice temático. Brasilia : Senado Federal, 2009;

______. Código de proteção e defesa do consumidor e legislação correlata: dispositivos constitucionais pertinentes, Lei n. 8078, de 11 de setembro de 1990, vetos presidenciais, legislação correlata, índice temático. Brasília : Senado Federal, 2009;

CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil. O longo caminho. 10º. Edição. Rio de janeiro: Civilização Brasileira. 2008.

DALLARI, Dalmo de Abreu, Direitos humanos e cidadania. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2008;

DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de papel: a infância a adolescência e os direitos humanos no Brasil. 21. ed. São Paulo, (SP): Atica, 2006;

FILOMENO, José Geraldo Brito, Manual de direitos do consumidor. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2005;

MARTINS, Sergio Pinto Direito da seguridade social : custeio da seguridade social, benefícios, acidente do trabalho, assistência social, saúde. 24. ed. São Paulo: Atlas, 2007;

MARTINS, Sérgio Pinto. Direito da Seguridade Social. 27ed. São Paulo: Atlas, 2009;

NUNES, Rizzatto, Manual de introdução ao estudo do direito. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2006;

PINHO, Ruy Rebello Instituições de direito público e privado: introdução ao estudo do direito e noções de ética profissional. 24. ed. São Paulo, (SP): Atlas, 2009;

PIOVESAN, Flavia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. 11. ed. São Paulo: Saraiva, 2010;

RITT, Caroline Fockink O estatuto do idoso: aspectos sociais, criminológicos e penais. Porto Alegre, (RS): Livraria do Advogado, 2008;

SIMÕES, Carlos. Curso de Direito do Serviço Social. Cortez Editora: São Paulo, 2009.

TAVARES, Jose de Farias. Comentários ao estatuto da criança e do adolescente. 7. ed. Rio de Janeiro, (RJ): Forense, 2010;