UFTM - Universidade Federal do Triângulo Mineiro - MG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UFTM - UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

PRORH - PRO-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS

EDITAL Nº 08 DE 31 DE JANEIRO DE 2012

Notícia:   UFTM - MG abre 17 vagas para Médicos em diversas áreas de até R$ 2.989,33

O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO - UFTM, no uso de suas atribuições e tendo em vista, as Leis n. 8.112/90 e 11.091/05, alterada pela Lei n. 11.233/05, a Constituição Federal, os Decretos n. 6.944, publicado no DOU de 22/08/2009 e n. 7.232, publicado no DOU de 20/07/2010 e demais legislações complementares e o Processo n. 23085. 000467/12-12, toma pública a abertura das inscrições para o Concurso Público destinado ao provimento de cargos da Carreira Técnico-Administrativa em Educação, nas condições previstas neste Edital, nos anexos e demais expedientes.

1. DAS INFORMAÇÕES PRELIMINARES

1.1. O Concurso será regido por este Edital, executado pela UFTM e realizado em Uberaba-MG.

1.2. O concurso destina-se ao provimento de cargos vagos, bem como dos que vierem a vagar ou forem criados durante o prazo de validade previsto neste Edital.

1.3. A descrição sumária das atribuições dos cargos consta do Anexo I deste Edital.

1.4. O conteúdo programático e as referências constam do Anexo II deste Edital.

1.5. É de exclusiva responsabilidade do candidato, o preenchimento, encaminhamento e pagamento da inscrição, bem como o acompanhamento de demais informações, pela internet, durante todo o processo do concurso.

1.6. Considera-se como sítio oficial da UFTM na internet, nos termos do presente Edital, o endereço eletrônico: www.uftm.edu.br.

2. DO CARGO

2.1. A especificação dos cargos, os pré-requisitos, o número de vagas, o nível de classificação, carga horária semanal e o vencimento básico são discriminados a seguir:

CARGO

PRÉ-REQUISITOS PARA POSSE

NÚMERO DE VAGA(S).

NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO INICIAL

CARGA HORÁRIA SEMANAL

VENCIMENTO BÁSICO

Médico/Área: Anatomia Patológica

-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência completa em Patologia Credenciada pelo MEC e/ou

-Título de especialista em Patologia pela Sociedade Brasileira de Patologia/AMB.

01

E-I01

20

R$ 2.989,33

Médico/Área: Anestesiologia

-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência em Anestesiologia reconhecida pelo MEC e/ou Titulo de Especialista em Anestesiologia em Centro de Ensino e Treinamento pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia.

01

E-I01

20

R$ 2.989,33

Médico/Área: Cardiologia Adulto

-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência médica em cardiologia reconhecida pelo MEC e/ou título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cardiologia.

01

E-I01

20

R$ 2.989,33

Médico/Área: Cardiologia Pediátrica-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência médica em Cardiologia ou Pediatria reconhecida pelo MEC e -Especialização em Cardiologia Pediátrica.

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Cirurgia do Aparelho Digestivo-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência Médica reconhecida pelo MEC na área de Cirurgia do Aparelho Digestivo e/ou título de Especialista em Cirurgia Digestiva.

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Cirurgia Pediátrica-Curso Superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência Médica em Cirurgia Pediátrica reconhecida pelo MEC e/ou título de especialista em Cirurgia Pediátrica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Pediátrica

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Cirurgia Geral-Curso Superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência Médica reconhecida pelo MEC em Cirurgia Geral e/ou titulo de especialista em Cirurgia Geral.

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Clinico Geral-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente e -Residência Médica em Clínica Médica reconhecida pelo MEC.

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: CTI Adulto-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente e

-Residência Médica em Clinica Médica e/ou Residência em Cirurgia Geral e/ou título de especialista em Medicina Intensiva.

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Ginecologia e Obstetrícia-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente e

-Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia reconhecida pelo MEC e/ou titulo de especialista.

02E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Mastologia- Curso superior em Medicina;

- Registro no Conselho competente e

-Residência Médica em Mastologia e/ou Ginecologia e Obstetrícia reconhecida pelo MEC e/ou titulo de especialista em Mastologia e/ou Ginecologia e Obstetrícia.

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Nefrologia- Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

- Residência médica em Nefrologia reconhecida pelo MEC e/ou titulo de especialista em Nefrologia pela Sociedade Brasileira de Nefrologia

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Radioterapia-Curso superior em Medicina; -Registro no Conselho competente;

-Residência Médica em Radioterapia e/ou título de especialista em Radioterapia.

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Radiologia (Ressonância Magnética)-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência médica e/ou Titulo de Especialista em Radiologia e Diagnóstico por Imagem reconhecida pelo MEC/CBR e

-Especialização em Ressonância Magnética.

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Reumatologia-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência médica em Reumatologia reconhecida pelo MEC e/ou Título de especialista em Reumatologia pela Sociedade Brasileira de Reumatologia.

01E-I0120R$ 2.989,33
Médico/Área: Urologia Pediátrica-Curso superior em Medicina;

-Registro no Conselho competente;

-Residência Médica em Urologia e/ou Titulo de Especialista em Urologia emitido pela Sociedade Brasileira de Urologia e

-Especialização em Uropediatria.

01E-I0120R$ 2.989,33

* em razão do quantitativo de vagas existentes não há percentual para reserva de vaga para portadores de deficiência, o que ficará condicionado ao surgimento de novas vagas.

2.2. O ingresso nos cargos do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação far-se-á no padrão inicial do primeiro nível de capacitação do respectivo nível de classificação, conforme dispõe o artigo 9° da Lei 11.091, de 12/01/2005.

2.3. O vencimento básico poderá ser acrescido do auxílio alimentação no valor de R$ 304,00 (trezentos e quatro reais) e do incentivo à qualificação, caso o servidor possua escolaridade superior à exigida para o ingresso, nos percentuais que se seguem:

Nível de escolaridade formal superior ao previsto para o exercício do cargo (curso reconhecido pelo MEC

Percentuais de incentivo aplicado sobre o vencimento básico

Área de conhecimento com relação direta

Área de conhecimento com relação indireta

Especialização, superior ou igual a 360h

27%

20%

Mestrado ou título de educação formal de maior grau

52%

35%

Doutorado

75%

50%

2.4. A lotação inicial dos candidatos nomeados, no quantitativo de vagas constantes deste edital, bem como os provimentos posteriores, ocorridos durante a validade do concurso, dar-se-á nas unidades organizacionais da UFTM, conforme interesse e necessidade da Instituição.

2.5. O cumprimento da jornada de trabalho poderá ocorrer em turno diurno, noturno, turnos de revezamento, regime de plantão, feriados, finais de semana, de acordo com as necessidades da Instituição.

3. CALENDÁRIO DO CONCURSO

Datas/períodos

Eventos

13/03 a 08/04

Período de inscrição

13/03 a 28/03

Período de inscrição - com isenção de taxa

02/04

Divulgação do resultado dos pedidos de isenção de taxa de inscrição

09/04

Data limite para pagamento da taxa de inscrição

02/04

Data limite para entrega de formulário e laudo médico - portador de deficiência e solicitação de atendimento especial

23/04

Divulgação do local da realização da prova objetiva

29/04

Aplicação da prova objetiva

29/04 após 15h

Publicação do gabarito da prova objetiva

30/04

Prazo para recurso referente gabarito e/ou questão da prova objetiva

07/05

Divulgação resultado da prova objetiva

08/05

Prazo para recurso referente resultado prova objetiva

14/05

Convocação para prova prática

01/06

Divulgação do resultado final

04/06

Prazo para recurso de resultado final

3.1. As informações de realização das provas estarão disponíveis no sítio oficial da UFTM (www.uftm.edu.br, menu "CONCURSOS", opção "CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO-ADMINISTRATIVO", "EDITAL 08/12").

4. DAS INSCRIÇÕES

4.1. Será admitida a inscrição somente via internet, no endereço eletrônico: (www.uftm.edu.br, menu "CONCURSOS", opção "CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO ADMINISTRATIVO", "EDITAL 08/12", "NOVA INSCRIÇÃO"), no período de 8 horas do dia 13 de março de 2012 (terça-feira) às 22 horas do dia 08 de abril de 2012 (domingo), observado o horário oficial de Brasília.

4.2. A UFTM não se responsabiliza por solicitação de inscrição não recebida por motivos de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamentos das linhas de comunicação, bem como outros fatores técnicos que impossibilitem a transferência de dados.

4.3. O preenchimento correto da ficha de inscrição é de inteira responsabilidade do candidato.

4.4. A taxa de inscrição será de R$ 80,00 (oitenta reais).

4.5. Procedimentos para inscrição:

a) O candidato deverá efetuar o pagamento da taxa de inscrição por meio da Guia de Recolhimento da União - GRU, que estará disponível no endereço eletrônico (www.uftm.edu.br, menu "CONCURSOS", opção "CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO ADMINISTRATIVO", "EDITAL 08/12", "NOVA INSCRIÇÃO'), gerando e imprimindo-a imediatamente após a conclusão do preenchimento da ficha de inscrição on-line.

b) A Guia de Recolhimento da União - GRU poderá ser paga nas agências, ou em caixa eletrônico, do Banco do Brasil até 09 de abril de 2012.

b.1) A taxa, uma vez paga, não será restituída em hipótese alguma.

c) O comprovante de inscrição do candidato estará disponível para impressão no endereço eletrônico (www.uftm.edu.br, menu "CONCURSOS", opção "CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO-ADMINISTRATIVO"), somente após a conciliação bancária efetuada pela UFTM, sendo de responsabilidade exclusiva do candidato a obtenção desse documento.

4.6. Serão anuladas as inscrições dos candidatos que:

- efetuarem pagamento com valor inferior ao estipulado, resultante de erro do candidato;

- efetuarem pagamento após a data e horário limite estipulado neste Edital.

4.7. Somente o preenchimento da ficha de inscrição não significa estar regularmente inscrito no concurso. A inscrição somente será efetivada mediante comprovação de pagamento da taxa de inscrição.

4.8. Caso o candidato, antes da confirmação pela UFTM, faça qualquer alteração de dados cadastrais ou preencha mais de uma ficha de inscrição, será considerada como válida a última ficha de inscrição efetuada que corresponda ao valor da taxa paga, desconsiderando as demais.

4.9. O candidato que necessitar de condição especial no dia do concurso, inclusive o portador de deficiência, deverá encaminhar 02 de abril de 2012, à Pró-Reitoria de RH da UFTM, o formulário de solicitação preenchido, disponível no sítio oficial da UFTM, indicando as condições necessárias para a realização da prova e anexando atestado médico comprobatório de sua condição.

4.9.1 A solicitação de condição especial, deverá ser protocolada na recepção da PRÓ-REITORIA DE RH (Av. Frei Paulino, 30, 3° andar, Bairro Abadia, Uberaba-MG CEP 38025-180) no horário de expediente ou encaminhada via SEDEX (postada impreterivelmente até 02 de abril de 2012). Após este período a solicitação será indeferida.

4.10. A candidata que tiver necessidade de amamentar durante a realização das provas deverá levar acompanhante, que ficará em sala reservada com a criança, para essa finalidade.

4.10.1. O tempo estipulado para realização das provas não terá acréscimo por motivo de amamentação.

4.11. A solicitação de condições especiais, conforme subitem 4.9., será atendida, considerando os critérios de razoabilidade e viabilidade, sem prejuízo ou beneficio aos demais candidatos do concurso.

4.12. Não será aceita inscrição por meio de fax, correio eletrônico, por correspondência, condicional ou extemporânea.

4.13. O candidato é responsável pelas informações prestadas no formulário de inscrição

4.14. A inscrição implicará no conhecimento e aceitação das normas estabelecidas neste Edital, bem como de toda legislação citada, ou ato administrativo a ele relacionado.

4.15. As informações prestadas no ato da inscrição, não eximem o candidato da satisfação dos requisitos legais para a posse.

5. DA ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO:

5.1. Poderá requerer a isenção da taxa de inscrição o candidato que:

5.1.1. Estiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), de que trata o Decreto n. 6.135, de 26 de junho de 2007; e

5.1.2. For membro de família de baixa renda, nos termos do Decreto n. 6.135, de 2007.

5.2. O candidato interessado que preencher os requisitos para isenção da taxa de inscrição deverá entregar, pessoalmente ou por terceiro, em envelope identificado com seu nome e CPF, na Pro­Reitoria de RH/UFTM (Av. Frei Paulino, 30 - Bairro Abadia - Uberaba/MG), no período de 13 a 28 de março de 2012, segunda a sexta-feira, no horário de 8h às 11h e 13h às 16h (horário oficial de Brasília/DF), o requerimento de isenção, devidamente preenchido, conferido e assinado, que estará disponibilizado no endereço eletrônico (www.uftm.edu.br, menu "CONCURSOS", opção "CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO ADMINISTRATIVO", "EDITAL 08/12"), contendo:

- nome completo, endereço, telefone;

- número do CPF e da Carteira de Identidade, data de nascimento;

- nome do pai ou da mãe;

- cargo para o qual concorre, número de inscrição no concurso;

- indicação do Número de Identificação Social (NIS), atribuído pelo CadÚnico; e

- declaração de que atende à condição estabelecida no subitem 5.1.2. deste Edital.

5.3. A UFTM poderá consultar o órgão gestor do CadÚnico para verificar a veracidade das informações prestadas pelo candidato.

5.4. A declaração falsa sujeitará o candidato às sanções previstas em lei, podendo responder, a qualquer momento, por crime contra a fé pública, o que acarretará sua eliminação do concurso, aplicando-se, ainda o disposto no parágrafo único do art. 10 do Decreto n. 83.936, de 6 de setembro de 1979.

5.5. Não será concedida isenção de pagamento de taxa de inscrição ao candidato que:

5.5.1. Omitir informações e/ou apresentá-las falsas;

5.5.2. Fraudar e/ou falsificar documentação;

5.5.3. Não observar a forma, o prazo e os horários estabelecidos nos subitens 5.1 e 5.2 deste Edital.

5.6. Não será aceita solicitação de isenção de pagamento de valor de inscrição via postal, via fax ou via correio eletrônico.

5.7. Cada pedido de isenção será analisado e julgado pelo Serviço de Seleção da UFTM.

5.8. Não será permitida, após a entrega do requerimento de isenção e dos documentos comprobatórios, a complementação da documentação, bem como revisão.

5.9. A resposta do pedido de isenção será divulgada no dia 2 de abril de 2012, no endereço eletrônico (www.uftm.edu.br, menu "CONCURSOS", opção "CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO ADMINISTRATIVO ", "EDITAL 08/12").

5.10. Não haverá recurso contra o indeferimento do pedido de isenção da taxa de inscrição.

5.11. Os candidatos que tiverem seus pedidos de isenção indeferidos poderão, ainda, efetivar sua inscrição no concurso, via internet, dentro do prazo estabelecido neste Edital, efetuando o pagamento da taxa de inscrição até o dia 09 de abril de 2012, conforme procedimentos descritos no item 4.

5.12. O interessado que tiver seu pedido de isenção indeferido e não efetuar o pagamento da taxa de inscrição na forma e prazo estabelecidos, não estará regularmente inscrito no concurso público de que trata este Edital.

6. DAS VAGAS DESTINADAS AOS CANDIDATOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

6.1. Às pessoas portadoras de deficiência que pretendam fazer uso das prerrogativas que lhes são facultadas no inciso VIII do artigo 37 da Constituição Federal e na Lei n. 7.853/89 é assegurado o direito de inscrição para os cargos em Concurso Público, cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são portadoras.

6.2. Em cumprimento ao disposto no §2° do artigo 5° da Lei n. 8.112, de 11 de dezembro de 1990, bem como na forma do Decreto n. 3.298, de 20 de dezembro de 1999, ser-lhes-á reservado o percentual de 5% (cinco por cento) das vagas existentes, que vierem a surgir ou forem criadas no prazo de validade do concurso.

6.2.1. Conforme indicação no subitem 2.1, o percentual de vagas para portador de deficiência poderá incidir sobre o quantitativo de vagas que vierem a surgir ou forem criadas no prazo de validade do concurso.

6.2.2. As vagas relacionadas às nomeações tomadas sem efeito e as vagas resultantes da renúncia à nomeação não serão computadas para efeito do item anterior, posto que não surgiram novas vagas. 6.2.3. O candidato que se declarar portador de deficiência concorrerá em igualdade de condições com os demais candidatos.

6.3. Para concorrer a uma dessas vagas, o candidato deverá:

a) no ato da inscrição, declarar-se portador de deficiência;

b) encaminhar o formulário preenchido, e o laudo médico original, emitido nos últimos dois meses, atestando a espécie e o grau ou nível da deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID-10), bem como a provável causa da deficiência.

6.3.1. O formulário e o laudo médico, a que se referem a alínea "b" do subitem 6.3, deverá ser entregue até 02 de abril de 2012, das 8h às 16h, pessoalmente, por terceiro ou via SEDEX (postado impreterivelmente até o dia 09 de abril de 2012), na PRORH da UFTM (Av. Frei Paulino , 30, 3° andar, Bairro Abadia, Uberaba-MG - CEP 38025-180).

6.4. O candidato portador de deficiência poderá requerer, na forma do subitem 4.9., atendimento especial para os dias de realização das provas, indicando as condições de que necessita, conforme previsto no artigo 40, parágrafos 1.° e 2.°, do Decreto n.° 3.298/99, alterado pelo Decreto n.° 5.296/2004.

6.5. O laudo médico terá validade somente para este concurso público e não será devolvido, assim como não serão fornecidas cópias desse laudo.

6.6. A inobservância do disposto no subitem 6.3 acarretará a perda do direito ao pleito das vagas reservadas aos candidatos em tal condição e o não atendimento às condições especiais necessárias.

6.7. Os candidatos que, no ato da inscrição, declararem-se portadores de deficiência, se aprovados no concurso, mesmo que não classificados dentro do limite estabelecido no item 10.1 deste edital, terão seus nomes publicados em lista à parte e, figurarão também na lista de classificação geral.

6.7.1. Os candidatos aprovados que se declararam portadores de deficiência deverão submeter-se à avaliação realizada por equipe multiprofissional composta por membros do Núcleo de Atenção à Saúde do Servidor - NASS/UFTM que decidirá sobre a sua qualificação como portador de deficiência ou não, bem como sobre o grau de deficiência e a sua compatibilidade ou não com o cargo concorrido, nos termos do artigo 43 do Decreto n.° 3.298/99, alterado pelo Decreto n.° 5.296/2004.

6.7.2. A equipe multiprofissional, responsável pela perícia, emitirá parecer conclusivo, observando as informações prestadas pelo candidato no ato da inscrição, a natureza das atribuições para o cargo e a Classificação Internacional de Doenças apresentadas.

6.7.3. As deficiências dos candidatos, admitida a correção por equipamentos, adaptações, meios ou recursos especiais, devem permitir o desempenho adequado das atribuições especificadas para o cargo.

6.7.4. A decisão final da equipe multiprofissional será soberana e definitiva.

6.8. A reprovação na avaliação multiprofissional, ou o não comparecimento à avaliação, acarretará a perda do direito às vagas reservadas aos candidatos portadores de deficiência.

6.9. O candidato portador de deficiência reprovado na avaliação multiprofissional, por não ter sido considerado deficiente, será excluído da lista de deficientes e somente figurará na lista de classificação geral se sua classificação na 1ª etapa do concurso constar dentro da proporção estabelecida no item 10.1 deste edital.

6.10. O candidato portador de deficiência reprovado na avaliação multiprofissional, em virtude de incompatibilidade da deficiência com as atribuições do cargo será eliminado do concurso.

6.11. As vagas definidas no subitem 6.1 que não forem providas por falta de candidatos portadores de deficiência, ou por reprovação no concurso ou em perícia médica, serão preenchidas pelos demais candidatos, observada a ordem geral de classificação.

7. DAS PROVAS

7.1. O concurso público constará de PROVA OBJETIVA; PROVA PRÁTICA e TÍTULOS para todos os cargos.

7.1.1. As provas, objetiva e prática, terão caráter eliminatório e classificatório. A prova de títulos terá caráter classificatório.

7.1.2. A prova objetiva será composta de questões de Conhecimentos Gerais e Conhecimentos Específicos, todas de múltipla escolha com cinco alternativas por questão, em quantitativo previsto no quadro de provas constante do item 7.2 deste edital.

7.1.3. A prova prática constará dos seguintes procedimentos:

CARGO

Procedimentos

Médico/Área: Anatomia Patológica

Avaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições especificas do cargo, em que o candidato deverá demonstrar a aptidão e habilidade no diagnóstico macroscópico e microscópico das doenças. A avaliação de tais qualidades será realizada através da análise de peças anatômicas e lâminas com cortes histológicos de casos de biópsias, necropsias ou citologias, comuns a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso.

Médico/Área: Anestesiologia

Avaliar-se-á conhecimentos e habilidades na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso, onde, após a leitura do caso o candidato deverá fazer considerações sobre o diagnóstico, tratamento e evolução do paciente.

Médico/Área: Cardiologia Adulto

Avaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo, em que o candidato deverá demonstrar aptidão e habilidade no manejo do paciente cardiopata. A avaliação de tais qualidades será feita através da discussão de dois casos clínicos, comum a todos os candidatos, elaborado a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso.

Médico/Área: Cardiologia Pediátrica

Avaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo, em que o candidato deverá demonstrar aptidão e habilidade no manejo do paciente cardiopata. A avaliação de tais qualidades será feita através da discussão de dois casos clínicos, comum a todos os candidatos, elaborado a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso.

Médico/Área: Cirurgia do Aparelho Digestivo

Avaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.

Médico/Área: Cirurgia Pediátrica

Avaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.

Médico/Área: Cirurgia Geral

Avaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.

Médico/Área: Clinico GeralAvaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.
Médico/Área: CTI AdultoAvaliar-se-á conhecimentos e habilidades na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.
Médico/Área: Ginecologia e ObstetríciaAvaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.
Médico/Área: MastologiaAvaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.
Médico/Área: NefrologiaAvaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de um caso de Nefrologia Clinica de paciente de enfermaria, podendo estar ou não em diálise, abordando hipóteses diagnósticas e conduta terapêutica.
Médico/Área: RadioterapiaAvaliar-se-á conhecimentos práticos de Radioterapia e Radioproteção e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.
Médico/Área: Ressonância
Magnética
Avaliar-se-á conhecimentos práticos de Radiologia Geral, Tomografia Computadorizada, Ultrassom, Mamografia e Ressonância Magnética, e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.
Médico/Área: ReumatologiaAvaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. A avaliação será realizada através da discussão de casos clínicos na área especifica, comum a todos os candidatos, elaborados a partir dos tópicos e bibliografia propostos para o concurso e/ou procedimentos ligados à especialidade.
Médico/Área: Urologia PediátricaAvaliar-se-á conhecimentos e habilidades técnicas na realização de procedimentos relativos às atribuições específicas do cargo. Constará de discussão de 2 (dois) casos clínicos, comum a todos os candidatos, abrangendo assuntos referentes a Uropediatria, conforme programa de prova descrito no Anexo II, em que será avaliado o desempenho do candidato quanto à demonstração de conhecimento sobre condutas e procedimentos clínicos e cirúrgicos diante da situação apresentada.

7.1.5.1. Serão convocados para a prova prática os candidatos habilitados e classificados até o limite de indicado no item 10.1, deste Edital.

7.1.6. Havendo empate na última colocação a que se refere o limite de convocação para prova prática, todos os candidatos nessas condições serão convocados.

7.1.7. Dentre os candidatos que concorrerem às vagas reservadas a deficientes, habilitados na prova objetiva, serão convocados para prova prática.

7.2. Será considerado habilitado o candidato que obtiver no mínimo 60% (sessenta por cento) de acerto na prova objetiva (Conhecimentos Gerais e Conhecimentos Específicos) e da prova prática, conforme disposto no quadro a seguir, observado, ainda, o limite de aprovados previsto no item 10 deste edital.

QUADRO DE PROVAS

 

PROVAS

N° QUESTÕES

PESO

PONTUAÇÃO MÁXIMA

PERCENTUAL MÍNIMO PARA HABILITAÇÃO

OBJETIVA

Conhecimentos Gerais

Língua Portuguesa

10

1

20

60%

Legislação

10

1

Conhecimentos Específicos

Conforme anexo II do edital

20

4

80

PRÁTICA

100 pontos

1

100

60%

TÍTULOS

100 pontos

1

100

Classificatório

7.3. Os critérios de valoração serão estabelecidos por meio do peso atribuído a cada prova.

7.4. A nota final do candidato será calculada aplicando-se a média ponderada sobre as respectivas notas obtidas, conforme fórmulas a seguir:

7.4.1. [(Nota LP * peso) + (Nota L * peso) + (Nota CE * peso) + (Nota Prática* peso)I+ (Nota títulos*peso)/ pesos

LP = Língua Portuguesa

L = Legislação

CE = Conhecimento Específico

7.4.2 Orientações para prova de títulos:

a) Os candidatos convocados para a terceira fase deverão encaminhar seus documentos comprobatórios de títulos na data divulgada no sítio da UFTM.

b) O formulário de pontuação (Anexo III) deverá conter a pontuação previamente calculada pelo candidato e sua respectiva assinatura, preenchido em duas vias, sendo uma retida para avaliação da Comissão Examinadora e outra onde será atestado o recebimento dos títulos, constituindo-se como comprovante do candidato.

c) O candidato deverá numerar cada documento apresentado, de acordo com a numeração dos itens indicados no requerimento de pontuação, constante do Anexo III.

d) Deverão ser apresentados somente os títulos e documentos comprobatórios, correspondentes aos critérios estabelecidos no Anexo III.

e) Receberá nota 0(zero) o candidato que não entregar os títulos na forma, no prazo e no local estipulados neste Edital e/ou comunicado durante o certame.

f) A cópia dos títulos, referente ao GRUPO I do requerimento de pontuação, deverá estar acompanhada do original para autenticação no ato do recebimento.

g) O Requerimento e a relação de títulos e demais comprovantes serão recebidos por servidor da UFTM, que atestará, formalmente, o recebimento no formulário de requerimento, não implicando este recebimento preliminar em atestado de correção, aferição de notas e perfeição dos documentos apresentados.

h) É de responsabilidade exclusiva do candidato a autenticidade de toda documentação apresentada para avaliação de títulos.

i) Os diplomas e/ou certificados de graduação e pós-graduação deverão vir acompanhados de documentação ou registro comprobatório de carga horária, conteúdos e área de concentração e, quando em língua estrangeira, deverão ser traduzidos para o português por Tradutor Público juramentado e convalidados para o Território Nacional, de acordo com reconhecimento da CAPES.

j) Na contagem do tempo só será considerada, para fins de pontuação, a soma de tempo correspondente a ano completo; desprezadas as frações.

k) Não serão avaliados os títulos apresentados fora do prazo, nem os que contiverem rasuras.

1) Cada título será considerado uma única vez, nos termos do ANEXO III.

m) Os títulos serão conferidos, validados e valorados pela Comissão Examinadora, segundo os critérios estabelecidos no Anexo III, observando apenas a pontuação requerida pelo candidato.

n) A avaliação de títulos compreende na distribuição de pontos com limitação por item, conforme disposto no ANEXO III.

o) O resultado final do Concurso Público será publicado no sítio da UFTM, sendo de responsabilidade do candidato acompanhar a divulgação.

8. DA REALIZAÇÃO DAS PROVAS

8.1. A prova objetiva do Concurso Público será realizada na cidade de Uberaba-MG, no dia 29 de Abril de 2012 (domingo), com início previsto para as 8 horas, em local a ser divulgado, conforme disposto no item 3.

8.1.1. Não serão fornecidas, por telefone, informações sobre data, horário e local de prova.

8.1.2. A duração da prova objetiva será de 4 horas.

8.1.3. O portão de acesso ao local de prova será fechado, impreterivelmente, às 8 horas.

8.2. É de responsabilidade exclusiva do candidato a identificação correta de seu local de prova e o comparecimento no horário determinado.

8.3. O candidato deverá comparecer ao local designado para a realização da prova, com antecedência mínima de 30 (trinta) minutos do horário determinado para o fechamento do portão de acesso, munido de caneta esferográfica azul ou preta e documento oficial de identificação, preferencialmente o informado na ficha de inscrição.

8.3.1. São considerados válidos os seguintes documentos com foto: carteiras expedidas pelos Comandos Militares, pelas Secretarias de Segurança Pública, pelos Institutos de Identificação, pelos Corpos de Bombeiros Militares, pelos órgãos fiscalizadores de Exercício Profissional (órgãos, conselhos, etc.); passaporte; certificado de reservista; carteiras funcionais do Ministério Público, carteira de trabalho e carteira nacional de habilitação (somente o modelo com foto).

8.3.2. Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia de realização da prova, documento de identidade original, por motivo de perda, furto ou roubo, deverá ser apresentado documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial, expedido há, no máximo, 30 dias, ocasião em que será submetido à identificação especial, compreendendo coleta de assinatura e impressão digital em formulário próprio.

8.3.3. A identificação especial poderá ser exigida, também, do candidato cujo documento de identificação apresente dúvidas relativas à sua fisionomia, ou à assinatura do portador, bem como documentos ilegíveis, não-identificáveis ou danificados.

8.4. Não será admitido o ingresso de candidato no local de realização das provas, após as 8 horas (horário determinado para fechamento do portão de acesso).

8.5. Os candidatos que concluírem a prova somente poderão ausentar-se da sala de realização da prova após transcorridas 2 (duas) horas de seu início, entregando a folha de resposta ao fiscal responsável pela sala, podendo levar consigo o caderno de questões.

8.6. O candidato que se ausentar do prédio de realização de prova, por qualquer motivo, não poderá retornar ao mesmo durante a realização do concurso sendo a prova e a folha de respostas recolhidas pelo fiscal de sala.

8.7. Iniciada a prova, o fiscal de sala colherá as impressões digitais de todos os candidatos presentes, bem como será realizada filmagem por cinegrafista devidamente credenciado.

8.8. Será automaticamente eliminado do concurso, o candidato que durante a realização das provas:

a) manifestar-se de maneira incorreta ou descortês para com qualquer dos examinadores, equipe de aplicação de provas, membro da comissão de concurso, demais auxiliares e autoridades presentes ou candidato;

b) for surpreendido dando e/ou recebendo auxílio para a execução da prova, bem como utilizar-se de livros, máquinas de calcular e/ou equipamento similar, dicionário, anotações, impressos ou qualquer outro material de consulta que não forem expressamente permitidos pelos expedientes reguladores do concurso, bem como aparelhos eletrônicos, tais como bip, Pager, telefone celular, walkman, receptor, gravador, etc.

c) afastar-se da sala ou local de prova sem o acompanhamento de fiscal ou ausentar-se portando a folha de respostas.

d) não estiver no local de realização da prova até o início previsto.

e) não permitir a coleta de impressão digital ou filmagem.

f) não entregar a folha de respostas ao examinador responsável, dentro do tempo estabelecido de prova.

8.9. O candidato deverá transcrever as respostas da prova para a folha de respostas definitiva, utilizando caneta esferográfica azul ou preta. A folha de respostas deverá ser entregue ao fiscal da sala obrigatoriamente no término da prova, pois será o único documento válido para correção. Não haverá substituição da folha de respostas por erro do candidato.

8.10. Será atribuída nota zero à questão da prova que contiver mais de uma ou nenhuma resposta assinalada, emenda ou rasura.

8.11. Não haverá funcionamento de guarda-volumes no local de realização das provas e a UFTM não se responsabilizará por perda ou extravio de objetos e documentos durante o Concurso.

8.12. Após a realização das provas, caso seja constatado por meio eletrônico, estatístico, visual ou grafológico, que o candidato utilizou processo ilícito para facilitar sua aprovação, sua(s) prova(s) será(ao) anulada(s) e ele será automaticamente eliminado do concurso, sem prejuízo das demais providências legais cabíveis.

8.13. Haverá convocação para prova prática, por meio de aviso divulgado no sítio oficial da UFTM, conforme disposto no calendário (item 3) deste edital.

8.13.1. A prova prática será gravada para efeito de registro e avaliação.

9. DO RESULTADO DA PROVA E DOS RECURSOS

9.1. O resultado das provas será divulgado no sítio: (www.uftm.edu.br, menu "CONCURSOS", opção "CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO ADMINISTRATIVO", "EDITAL 08/12"), conforme calendário deste edital (item 3).

9.2. Será admitido recurso:

a) do conteúdo das questões e/ou do gabarito

b) do resultado final

9.2.1 Não caberá recurso da prova prática.

9.2.2. O prazo para interposição de recurso é de 01 (um) dia útil contado a partir da divulgação do gabarito ou da publicação do resultado no endereço eletrônico da UFTM

9.2.3. O recurso, devidamente fundamentado, individual ou coletivo, deverá ser protocolado na recepção da PRÓ-REITORIA DE RH, no horário de 9h às 16h, nos termos do modelo disponível no sítio da UFTM.

9.2.4. No recurso final será admitida somente fundamentação sobre a contagem de pontos e classificação, não cabendo, portanto, questionamentos sobre questões e/ou gabarito.

9.3. No caso de anulação de questões, a nota correspondente será atribuída a todos os candidatos concorrentes ao cargo.

9.4. Do resultado dos recursos poderá haver, eventualmente, a alteração da classificação inicial ou até a desclassificação.

9.5. Não será aceito recurso interposto fora do prazo estabelecido neste Edital, nem por via fax ou internet.

9.6. A Pró-Reitoria de RH dará decisão terminativa sobre os recursos, constituindo-se em única e última instância da UFTM.

10. DA CLASSIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DO RESULTADO

10.1. A relação de candidatos aprovados no certame será limitada na proporção estabelecida abaixo, considerando-se a classificação na primeira etapa do concurso (prova objetiva):

CARGO

NÚMERO MÁXIMO DE CANDIDATOS APROVADOS

Médico/Área: Anatomia Patológica

5

Médico/Área: Anestesiologia

5

Médico/Área: Cardiologia Adulto

5

Médico/Área: Cardiologia Pediátrica

5

Médico/Área: Cirurgia do Aparelho Digestivo

5

Médico/Área: Cirurgia Pediátrica

5

Médico/Área: Cirurgia Geral

5

Médico/Área: Clinico Geral

5

Médico/Área: CTI Adulto

5

Médico/Área: Ginecologia e Obstetrícia

9

Médico/Área: Mastologia

5

Médico/Área: Nefrologia

5

Médico/Área: Radioterapia

5

Médico/Área: Radiologia (Ressonância Magnética)

5

Médico/Área: Reumatologia

5

Médico/Área: Urologia Pediátrica

5

10.2. Os candidatos não classificados no número máximo de aprovados indicado no item anterior, ainda que tenham atingido nota mínima exigida, estarão automaticamente eliminados do concurso. 10.3. Os candidatos empatados na última classificação de aprovados serão considerados aprovados no concurso.

10.4. A classificação dos candidatos obedecerá à ordem decrescente da nota final.

10.4.1. Em caso de igualdade na nota final, para fins de classificação, o desempate se fará da seguinte forma, considerando a Lei n. 10.741, de 01/10/2003:

1°) maior idade dentre os de idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos;

2°) maior pontuação nas questões de Conhecimentos Específicos;

3°) maior pontuação nas questões de Conhecimentos Gerais;

4°) maior idade dentre os de idade inferior a 60 (sessenta) anos.

10.5. Para efeito de classificação a que se refere o subitem 10.4.1, quanto ao critério de idade, será considerada a situação informada pelos candidatos no ato da inscrição e verificada no ato da nomeação.

10.6. O resultado final será homologado mediante publicação na Seção 3 do Diário Oficial da União, de acordo com a ordem de classificação, observadas as demais normas pertinentes constantes deste Edital.

11. DO PROVIMENTO, POSSE E EXERCÍCIO

11.1. O provimento far-se-á segundo o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União, Lei n° 8.112/90 e suas alterações.

11.2. A investidura ocorrerá com a posse, no prazo improrrogável de 30 (trinta) dias, contados da publicação da nomeação, podendo ocorrer mediante procuração específica.

11.2.1. Será tornado sem efeito o ato de nomeação se a posse não ocorrer no prazo previsto neste item.

11.2.2 São requisitos básicos para investidura em cargo público: a nacionalidade brasileira; o gozo dos direitos políticos; a quitação com as obrigações militares e eleitorais; o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo; a idade mínima de dezoito anos; aptidão física e mental.

11.3. A posse fica condicionada à aprovação em inspeção médica, a ser realizada pelo Serviço Médico Oficial e ao atendimento das condições legais e constitucionais.

11.4. Serão exigidos no ato da posse:

- prova de ser brasileiro nato ou naturalizado;

- comprovante do CPF;

- cópias e originais: Carteira de Identidade e Título de Eleitor e Carteira de Reservista, quando for o caso;

- cópia e originais dos títulos e documentos exigidos como pré-requisitos para o cargo;

- cópia e originais dos títulos superiores ao exigido como pré-requisito, para efeito de recebimento do incentivo à qualificação;

- Atestado de Inspeção Médica Oficial - considerando APTO, física e mentalmente em todos os exames pré-admissionais (o candidato no ato da inspeção médica deverá apresentar seu cartão de vacina e uma cópia da identidade, apresentar os exames clínicos e laboratoriais solicitados, os quais correrão à suas expensas. Caso o candidato seja considerado, na inspeção oficial, INAPTO para as atividades relacionadas ao cargo, por ocasião dos exames pré-admissionais, não poderá ser empossado. Essa avaliação terá caráter eliminatório);

- declaração de bens e valores que constituem seu patrimônio ou fotocópia da Declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física - IRPF (com a devida assinatura);

- declaração de quitação com as obrigações eleitorais e de gozo dos direitos políticos (emitida pelo TRE);

- declaração de inexistência de vínculo em cargo público, exceto nas hipóteses previstas no art. 37, incisos XVI e XVII, da Constituição Federal (obtenção da declaração no sitio oficial da UFTM: www.uftm.edu.br, menu "CONCURSOS", opção "CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO ADMINISTRATIVO");

- certidão de nascimento ou casamento;

- comprovante de cadastramento no PIS ou PASEP;

- Carteira Nacional de Habilitação e Passaporte, caso os possua;

- certidão de nascimento dos filhos menores de 21 anos e, se estudante, até 24 anos, mais comprovante de matrícula ou de mensalidade escolar;

- 01 foto 3x4 recente e colorida;

- cópia das páginas da Carteira de Trabalho onde constam o número, a série, a identificação e a data do primeiro contrato de trabalho;

- comprovante de escolaridade e habilitação exigida para o cargo, conforme descrito no subitem 2.1;

- comprovante de experiência profissional e/ou Registro em Conselho Profissional, quando exigido;

- outros documentos que se fizerem necessários.

11.5. É de até 15 (quinze) dias o prazo máximo para o servidor entrar em exercício, contados da data da posse.

11.5.1. O servidor será exonerado do cargo se não entrar em exercício no prazo previsto no item anterior.

11.6. Ao entrar em exercício, o servidor cumprirá estágio probatório por 36 (trinta e seis) meses de efetivo exercício.

11.6.1. Durante o período de Estágio Probatório o desempenho do servidor será objeto de avaliação em relação à aptidão e à capacidade para o exercício do cargo, observados os seguintes fatores: assiduidade, disciplina, capacidade de iniciativa, produtividade e responsabilidade.

11.7. A acumulação de cargos somente será permitida dentro do estabelecido na Constituição Federal, na Lei n. 8.112/90 e no Parecer AGU GQ n. 145/98, não podendo o somatório da carga horária dos cargos acumulados ultrapassar 60 horas semanais, respeitada a compatibilidade de horários.

11.8. Nas situações constantes dos subitens 11.2.1 e 11.5.1, a UFTM convocará o próximo candidato classificado.

12. DO PRAZO DE VALIDADE DO CONCURSO

12.1. O concurso terá validade de 01 ano, contado a partir da data de publicação da homologação do resultado final no Diário Oficial da União, podendo, a critério da Administração, ser prorrogado por igual período.

13. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

13.1. A participação no concurso implica, desde logo, o conhecimento e tácita aceitação das condições estabelecidas no inteiro teor deste Edital, das instruções específicas, e demais expedientes reguladores do concurso, não cabendo ao candidato alegar desconhecimento dos citados expedientes.

13.2. Será eliminado do concurso o candidato que fizer, em qualquer documento, em qualquer tempo, declaração falsa ou inexata.

13.3. A aprovação e a classificação final geram, para o candidato, apenas a expectativa de direito à nomeação. Durante o período de validade do concurso, a Universidade Federal do Triângulo Mineiro reserva-se o direito de proceder às nomeações, de acordo com a disponibilidade orçamentária e legislação vigente.

13.4. Não havendo candidatos inscritos ou aprovados no cargo do presente concurso, a Universidade Federal do Triângulo Mineiro poderá aproveitar concursos públicos realizados por outras Instituições Federais de Ensino, bem como os candidatos classificados neste concurso poderão ser convocados por outras Instituições Federais de Ensino

13.5. O candidato classificado e nomeado para o cargo, não poderá, em hipótese alguma, solicitar opção para constar do final da relação dos classificados.

13.6. O provimento das vagas dar-se-á obedecendo à rigorosa ordem de classificação dos candidatos.

13.7. A UFTM divulgará, quando necessário, normas complementares e avisos oficiais referentes ao Concurso Público no sítio (www.uflm.edu.br, menu "CONCURSOS", opção "CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO ADMINISTRATIVO").

13.8. É responsabilidade do candidato manter seu endereço e telefone atualizados para viabilizar os contatos necessários, sob risco de, caso seja nomeado, perder o prazo para tomar posse, em razão de não comparecimento e/ou não conhecimento do ato.

13.8.1. A UFTM não se responsabiliza por eventuais prejuízos ao candidato decorrentes de:

a) endereço não atualizado;

b) endereço de difícil acesso;

c) correspondência devolvida pela Empresa de Correios e Telégrafos - ECT por razões diversas de fornecimento e/ou endereço errado do candidato;

d) correspondência recebida por terceiros.

13.9. Não será fornecido documento comprobatório de classificação no concurso, valendo, para esse fim, a publicação da homologação na Imprensa Oficial.

13.10. Os casos omissos serão resolvidos pelo Reitor da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Prof. Virmondes Rodrigues Junior
Reitor da UFTM

Publique-se

ANEXO I

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES RELATIVAS AO CARGO CARGO: MÉDICO/ÁREA

Descrição sumária do cargo: Realizar consultas e atendimentos médicos; tratar pacientes; implementar ações para promoção da saúde; coordenar programas e serviços em saúde, efetuar perícias, auditorias e sindicâncias médicas; elaborar documentos e difundir conhecimentos da área médica. Assessorar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.

Descrição de atividades típicas do cargo:

- Aplicar os conhecimentos de medicina na prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças do corpo humano.

- Efetuar exames médicos, fazer diagnóstico, prescrever e ministrar tratamento para diversas doenças, perturbações e lesões do organismo humano e aplicar os métodos da medicina preventiva.

- Praticar intervenções cirúrgicas para correção e tratamento de lesões, doenças e perturbações do corpo humano.

- Aplicar as leis e regulamentos de saúde pública, para salvaguardar e promover a saúde da coletividade.

- Realizar perícias médicas.

- Realizar pesquisas sobre natureza, causas e desenvolvimento de enfermidades.

- Estudar o organismo humano, e os microorganismos e fazer aplicação de suas descobertas.

- Utilizar recursos de informática.

- Executar outras tarefas de mesma natureza e nível de complexidade associadas ao ambiente organizacional.

ANEXO II

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS

I - CONHECIMENTOS GERAIS PARA TODOS OS CARGOS:

LÍNGUA PORTUGUESA

1 Leitura e compreensão de textos. 1.1 Níveis de leitura de um texto. 1.2 Fatores de textualidade: coesão e coerência. 1.3 Processos argumentativos: citação, opinião, analogias, exemplificação, contrates, temporalidade, dentre outros. 1.4 Denotação e Conotação. 1.5 Sinonímia, antonímia, homonímia e paronímia. 1.6 Emprego e função das classes de palavras. 1.7 Estruturação e emprego do período simples e do composto. 1.8 Emprego da regência verbal e nominal. 1.9 Emprego da concordância verbal e nominal. 1.10 Colocação pronominal. 1.11 Emprego e função dos sinais de pontuação.

REFERÊNCIAS:

CEGALLA, D. P. Novíssima gramática de língua portuguesa. 46. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

DISCINI, N. Comunicação nos textos: leitura, produção, exercícios. São Paulo: Contexto, 2005.

FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio da língua portuguesa. Curitiba: Positivo, 2009.

HOUAISS, A. Novo Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

KOCH, I. A coesão textual. São Paulo: [s.n.], 1999.

KOCH, I.; ELIAS, V.M. (Org.). Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.

KOCH, I. G. V.; TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. São Paulo: Cortez, 1999.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, 2011.

PERINI, M. A. Gramática descritiva do português. 4. ed. 10. reimp. São Paulo: Ática, 2006.

SAVIOLI, F. P.; J. L. FIORIN. Para entender o texto: leitura e redação. 17. ed. São Paulo: Ática, 2007.

_____. Lições de texto: leitura e redação. 5. ed. São Paulo: Ática, 2006.

LEGISLAÇÃO

1 Sistema Único de Saúde (SUS): princípios, diretrizes, organização e legislação básica. 2 Política nacional de humanização - Humaniza-SUS: princípios norteadores, estratégias, diretrizes gerais, parâmetros para acompanhamento da implantação, visita aberta e direito a acompanhante. 3 Relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo território nacional e fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. 4 Determinantes sociais da saúde no Brasil: causalidade, produção social da saúde e da doença, transição demográfica e epidemiológica, condições de vida e perfil de morbimortalidade. 5 Acolhimento, avaliação e classificação de risco: serviços de urgência, postura e pratica para um SUS humanizado, ambiência na urgência e protocolos.

REFERÊNCIAS:

BRASIL. Decreto nº 7.508 DE 28/06/2011 (Federal). Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Ministério da Saúde. Disponível em: http://www.saude.mt.gov.br/upload/documento/4/decreto-n-7508-de-28062011-regulamenta-a-lei-n-8080-[4-250711-SES-MT].pdf. Acesso em: 09 fev. 2012.

BRASIL. Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Ministério da Saúde. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/lei8080.pdf. Acesso em: 09 fev. 2012.

BRASIL. Lei no 8.124, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Ministério da Saúde. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/p8142_participacao_social_idoso.pdf. Acesso em: 09 fev. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção hospitala. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 268 p. Série B. Textos Básicos de Saúde. Cadernos HumanizaSUS; v. 3. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizasus_atencao_hospitalar.pdf. Acesso em: 09 fev. 2012

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo técnico da política nacional de humanização. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 4. ed. 72 p. Série B. Textos Básicos de Saúde. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_gestores_trabalhadores_sus_4ed.pdf>. Acesso em: 09 fev. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de humanização da atenção e gestão do SUS. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 56 p. Série B. Textos Básicos de Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento_classificaao_risco_servico_urgencia.pdf. Acesso em: 09 fev. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo técnico da política nacional de humanização. HumanizaSUS. Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 20 p. Série B. Textos Básicos de Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_2004.pdf. Acesso em: 09 fev. 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 6. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 816 p. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Disponivel em: < http://www.bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Guia_Vig_Epid_novo2.pdf>.

BRASIL. Portaria nº 104, de 25 de janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. Biblioteca Virtual em Saúde. Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt0104_25_01_2011.html.

MEDRONHO, R. A. et al (Org.). Epidemiologia. São Paulo: Atheneu, 2009. 2. ed. 685 p.

RIPSA, Rede interagencial de informação para a saúde. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008. 349 p. Disponível em:<http://www.ripsa.org.br/php/level.php?lang=pt&component=68&item=20>.

II - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS:

Médico/Área: Anatomia Patológica

1 Anatomia Patológica. 2 Citopatologia.

REFERÊNCIAS:

AFIP, Armed Forces Institute of Pathology. Atlas of tumor and non-tumor pathology. Series 4.

ALI, S. Z; CIBAS, E. S. The Bethesda system for reporting thyroid cytopathology: definitions, criteria and explanatory notes. New York: Springer. 2010.

DEMAY, R. M. The art & science of cytopathology. Hong Kong: American Society of Clinical Pathologists, v. 2, 1208 p. il, 1996.

FLETCHER, C. D. M. Diagnostic histopathology of tumors. 2. ed. Hong Kong: Churchill Livingstone, v. 2, 1851 p. il, 2000.

OMS. World health organization classification of tumours. Pathology & Genetics. IARC, Lyon.

ROSAI, J. Rosai and Ackerman's surgical pathology. Expert Consult: Online and Print. 10. ed. v. 2. St. Louis: Mosby, 2011.

SOLOMON, D.; NAYAR, R. The Bethesda system for reporting cervical cytology: definitions, criteria and explanatory notes. 2. ed. China: Springer, 2004.

Médico/Área: Anestesiologia

1 Fisiologia e Anatomia do Sistema Nervoso. 1.1 Anatomia do Cérebro e da Medula Espinhal. 1.2 Nervos Cranianos e Espinhais. 1.3 Membrana Celular. 1.3.1 Estrutura e função. 1.3.2 Bioeletrogênese. 1.3.3 Condução Nervosa. 1.3.4 Transmissão Nervosa. 1.4 Arco Reflexo. 1.5 Tato e Propriocepção. 1.6 Consciência e Ciclo Sono-Vigília. 1.6.1 O EEG. 1.7 Fisiologia do Tono Muscular e do Movimento. 1.8 Fisiologia da Emoção. 2 Fisiologia, Anatomia e Farmacologia do Sistema Nervoso Autônomo. 2.1 Organização e Função. 2.2 Neurotransmissores. 2.3 Efeitos da estimulação simpática e parassimpática. 2.4 A Reação Geral de Adaptação. 2.5 Adrenérgicos. 2.5.1 Receptores Adrenérgicos. 2.5.2 Aminas Simpaticomiméticas. 2.5.3 Bloqueadores Adrenérgicos. 2.6 Colinérgicos. 2.6.1 Receptores Colinérgicos. 2.6.2 Colinomiméticos. 2.6.3 Bloqueadores Colinérgicos. 2.6.4 Anticolinesterásicos. 3 Farmacologia Geral. 3.1 Princípios Gerais de Farmacocinética. 3.1.1 Absorção. 3.1.2 Distribuição. 3.1.2.1 Volume de Distribuição. 3.1.2.2 Distribuição por Compartimentos. 3.1.2.3 Princípio do Platô. 3.1.3 Eliminação. 3.1.3.1 Meia-Vida. 3.1.3.1.1 Meia-Vida Contexto Dependente. 3.2 Receptor Farmacológico. 3.2.1 Interação Droga - Receptor. 3.2.2 Antagonismo Competitivo e Não Competitivo. 3.3 DE50 e DL50. 3.4 Intervalo e Índice Terapêutico. 3.5 Interações Medicamentosas. 4 Anatomia e Fisiologia Cardiocirculatória. 4.1 Bioeletrogênese Cardíaca. 4.1.1 Mecanismos das Arritmias. 4.2 Ciclo Cardíaco. 4.3 Regulação do Débito Cardíaco. 4.3.1 Pré e Pós Carga. 4.4 Microcirculação. 4.5 Circulação Pulmonar. 4.6 Pressão Arterial. 4.6.1 Fatores Determinantes. 4.6.2 Regulação Reflexa e Hormonal. 5 Farmacologia Cardiocirculatória. 5.1 Cardiotônicos. 5.2 Antiarrítmicos. 5.3 Vasodilatadores. 5.4 Anti-hipertensivos. 5.5 Anticoagulantes. 5.7 Emprego e Interações com a Anestesia. 6 Anatomia, Fisiologia e Farmacologia Renal. 6.1 Filtração e Secreção Tubular. 6.2 Depuração. 6.3 Regulação da Circulação Renal. 6.4 Renina e Angiotensina. 6.5 Diuréticos. 7 Anatomia, Fisiologia e Farmacologia Respiratória. 7.1 Vias Aéreas. 7.2 Mecânica Respiratória. 7.3 Ventilação Pulmonar. 7.3.1 Ventilação Alveolar. 7.3.2 Espaço Morto. 7.3.3 Volumes e Capacidades Pulmonares. 7.4 Complacência e Resistência. 7.5 Perfusão Pulmonar. 7.5.1 Va/Q e Qs/Qt. 7.6 Difusão Pulmonar. 7.6.1 Transporte de Gases. 7.7 Regulação da Respiração. 7.8 Broncodilatadores. 8 Bloqueio Neuro- Muscular. 8.1 Fisiologia da Transmissão Neuro- Muscular. 8.1.1 Síntese, Liberação, Metabolismo e Renovação da Acetilcolina. 8.2 Receptor Nicotínico. 8.3 Placa Motora. 8.3.1 Potencial de Placa. 8.3.2 Ativação Muscular. 8.4 Farmacologia dos Bloqueadores Neuromusculares. 8.4.1 Classificação. 8.4.2 Mecanismo de Ação. 8.4.3 Efeitos Sistêmicos e Complicações. 8.4.4 Técnicas de Utilização. 8.4.5 Características do Bloqueio. 8.4.5.1 Monitorização. 8.4.5.2 Reversão. 9 Anestesia Local. 9.1 Farmacologia dos Anestésicos Locais. 9.1.1 Farmacocinética. 9.1.2 Mecanismos do Bloqueio. 9.1.3 Efeitos Locais e Sistêmicos. 9.2 Complicações. 9.2.1 Prevenção e Tratamento da Intoxicação Sistêmica. 9.3 Anestesia lnfiltrativa. 10 Física e Anestesia. 10.1 Leis dos Gases. 10.1.1 Difusão. 10.1.2 Densidade e peso específico. 10.1.3 Fluxo laminar e turbilhonar. 10.3 Gases comprimidos. 10.3.1 Armazenamento. 10.4 Usinas concentradoras. 10.5 Ponto de ebulição. 10.6 Vaporização. 10.6.1 Calor latente de vaporização. 10.6.2 Pressão de vapor. 10.7 Vaporizadores. 10.7.1 Classificação e características. 10.8 Fluxômetros. 10.9 Eletricidade. 10.9.1 Isolamento e aterramento. 10.10 Riscos de Incêndio e explosão. 10.11 Normas Técnicas Brasileiras. 10.12 O Aparelho de Anestesia. 11 Metodologia Científica. 11.1 Planejamento da Pesquisa. 11.2 Protocolos de Pesquisa. 11.3 Pesquisa no Homem. 11.3.1 Normas Legais (Código de Helsinki, Legislação Federal). 11.3.2 Consentimento Informado. 11.4 Fontes de Financiamento. 11.5 Tipos de Publicação. 11.6 Elaboração de Currículo. 11.7 Estatística aplicada a Medicina. 11.7.1 Média, moda, desvio padrão e erro padrão da média. 11.7.2 Significação Estatística. 11.7.3 Testes Paramétricos e Não Paramétricos. 11.7.4 Representações Gráficas. 12 Anestesia Inalatória. 12.1 Histórico. 12.2 Características químicas e classificação dos anestésicos inalatórios. 12.3 Farmacocinética da anestesia inalatória. 12.3.1 Fatores que afetam o equilíbrio entre Fi/Fé. 12.3.2 Efeito Concentração e do 2º Gás. 12.4 Farmacodinâmica da anestesia inalatória. 12.4.1 Concentração alveolar mínima (CAM). 12.5 Mecanismos de ação. 12.6 Fases e estágios da anestesia. 12.7 Efeitos sistêmicos. 12.8 Complicações. 12.9 Técnicas de administração. 12.10 Indicações e contraindicações. 12.11 Anestesia com baixo fluxo e com fluxo basal de gases. 13 Anestesia Venosa. 13.1 Histórico. 13.2 Classificação dos fármacos venosos. 13.2.1 Opióides. 13.2.2 Não opióides. 13.2.2.1 Benzodiazepínicos. 13.2.2.2 Etomidato. 13.2.2.3 Propofol. 13.2.2.4 Cetamina. 13.2.2.5 Barbitúricos. 13.3 Mecanismos de ação. 13.4 Farmacocinética e farmacodinâmica dos fármacos venosos. 13.5 Indicações e contraindicações. 13.6 Complicações. 13.7 Técnicas de administração. 13.8 Anestesia venosa total. 13.9 Anestesia alvo-controlada. 14 Monitorização. 14.1 O prontuário de anestesia. 14.2 O ECG e suas derivações. 14.3 A oximetria de pulso. 14.4 Capnografia. 14.4.1 ETCO2 e PaCO2. 14.5 Transmissão neuromuscular. 14.6 Hemodinâmica e da Perfusão tecidual. 14.7 Temperatura. 14.8 Profundidade anestésica. 15 Equilíbrio Hidro-eletrolítico e Ácido-Base. 15.1 Metabolismo da água, do sódio e do potássio. 15.2 Diagnóstico e tratamento dos distúrbios do equilíbrio do sódio e potássio. 15.3 Sistemas tampões. 15.4 Classificação e diagnóstico dos distúrbios do equilíbrio ácido-base. 15.5 Mecanismos dos distúrbios do equilíbrio ácido-base. 15.6 Correção dos distúrbios. 15.6 Gasometria arterial e venosa. 15.6.1 Interpretação. 16 Reposição Volêmica e de Hemoderivados. 16.1 Hipovolemia. 16.1.1 Diagnóstico e tratamento. 16.2 Hipervolemia. 16.4.1 Diagnóstico e tratamento. 16.5 Hidratação venosa. 16.5.1 Soluções cristalóides. 16.5.1.1 Indicações, modos de utilização e complicações. 16.5.2 Soluções coloidais. 16.5.2.1 Tipos, características, indicações e complicações. 16.6 Grupos sanguíneos. 16.7 Características das formas de sangue estocado. 16.8 Técnicas. 16.9 Indicações. 16.10 Complicações. 16.11 Reposição de frações. 16.11.1 Plasma. 16.11.2 Concentrado. 16.11.3 Crioprecipitado. 16.11.4 Plaquetas. 16.12 Mecanismos da hemostasia. 17 Parada e Reanimação Cardiorrespiratória e Cerebral. 17.1 Diagnóstico da Parada Cardiorrespiratória. 17.2 Causas e mecanismos. 17.3 Suporte básico à Vida. 17.4 Suporte Avançado à Vida. 17.4 Técnicas de reanimação cardíaca, respiratória e cerebral. 17.5 Cardioversão e desfibrilação. 17.6 Medidas farmacológicas.18 Risco Profissional. 18.1 Ruídos. 18.2 Radiações. 18.3 Eletrocussão. 18.4 Infecções. 18.5 Poluição anestésica. 18.6 Estresse. 18.3.7 Dependência e abuso de drogas. 19 Dor. 19.1 Fisiopatologia e Tratamento. 19.2 Reação Inflamatória. 19.3 Modulação Periférica e Central. 19.4 Inibição e Sensibilização. 19.5 Mediadores. 19.6 Classificação das Síndromes Dolorosas. 19.6.1 Quanto à duração. 19.6.2 Quanto ao mecanismo. 19.6.3 Quanto à origem. 19.7 Dor Pós-Operatória. 19.7.1 Mecanismos e Tratamento. 19.8 Síndromes Dolorosas Crônicas. 19.8.1 Modalidades Terapêuticas. 19.8.1.1 Medicamentos. 19.8.1.2 Bloqueios Anestésicos. 19.8.1.3 Bloqueios Neurolíticos. 19.9 A Clínica da Dor. 20 Ética Médica, Responsabilidade Profissional, Bioética. 20.1 Ética Médica. 20.1.1 Código de Ética Médica. 20.2 Responsabilidade Profissional. 20.2.1 Responsabilidade Ética, Civil e Penal. 20.2.1.1 Resoluções do CFM. 20.2.1.2 Caracterização do Erro Médico. 20.2.1.3 Erro Culposo, 20.3 Recertificação. 20.4 Bioética e Anestesia. 20.5.1 Relação Médico-Paciente. 20.5 O papel das Entidades Médicas. 20.6 Termo de consentimento. 21 Organização da SBA. 21.1 Organização da SBA. 21.1.1 Estrutura e Finalidades. 21.1.1.1 Diretoria, Conselhos, Departamentos, Comissões. 21.1.1.2 Assembléia Geral e Assembléia de Representantes. 21.1.2 Direitos e Deveres dos Sócios. 21.1.2.1 Código Profissional e Econômico da SBA. 21.1.2.2 Código de Processo Administrativo da SBA. 22 Medicina Perioperatória I. 22.1 A Pré-anestesia. 22.1.1 Avaliação pré-anestésica. 22.1.2 Patologias preexistentes. 22.1.3 Drogas e medicações em uso. 22.1.3.1 Implicações anestésicas. 22.1.4 Exame físico. 22.1.5 Exames complementares. 22.1.5.1 Indicações, valores normais. 22.1.6 Classificação do Estado Físico (ASA). 22.1.7 Fatores e Índices de Risco. 22.1.8 Medicação Pré-anestésica. 22.1.9 Consultório de Anestesia. 23 Medicina Perioperatória II. 23.1 A recuperação anestésica. 23.2 Unidade de recuperação pós-anestésica. 23.2.1 Requisitos. 23.2.1 Cuidados pós-anestésicos. 23.2.2 Monitorização. 23.3 Complicações pós-anestésicas. 23.3.1 Incidência, mecanismos, prevenção e tratamento. 23.4 Critérios de alta. 24 Bloqueios do Neuroeixo. 24.1 Características anatômicas da raqui. 24.2 Bloqueio Peridural e Subaracnóideo. 24.2.1 Características anatômicas. 24.2.2 Farmacologia. 24.2.2.1 Anestésicos. 24.2.2.2 Soluções. 24.2.2.3 Adjuvantes. 24.2.2.3.1 Adrenalina, Opiáceos e Agonistas alfa2. 24.4 Mecanismos e cinética do bloqueio. 24.5 Técnicas de bloqueio. 24.6 Características do bloqueio. 24.7 Complicações. 24.8 Reversão. 24.9 Cuidados e monitorização. 24.10 Indicações e contraindicações. 25 Anestesia na Criança. 25.1 Características anátomo-fisiológicas do recém-nato e da criança. 25.2 Anestesia no recém-nato e na criança. 25.2.1 Características especiais. 25.3 Pré-anestesia. 25.4 Indução inalatória e venosa. 25.5 Ventilação pulmonar. 25.6 Circuitos respiratórios infantis. 25.6.1 Características. 26 Anestesia no Idoso. 26.1 Características anátomo-fisiológicas do idoso. 26.2 Anestesia no idoso. 26.2.1 Características especiais. 26.3 Pré-anestesia. 26.3.1 Doenças pré-existentes. 27 Anestesia para Cirurgia Cardíaca e Vascular. 27.1 Correção de defeitos congênitos. 27.2 Valvulopatias. 27.3 Revascularização miocárdica. 27.4 Transplante cardíaco. 27.5 Circulação extracorpórea. 27.6 Hipotermia profunda e parada circulatória total. 27.7 Cirurgia da carótida. 27.8 Aneurisma da aorta. 27.9 Procedimentos endovasculares. 28 Anestesia para Cirurgias Torácicas. 28.1 Cirurgia da traquéia. 28.2 Cirurgia do mediastino. 28.3 Cirurgia pulmonar. 28.3.1 Toracoscópias. 28.3.2 Toracotomias. 28.4 Trasplante pulmonar. 28.5 Ventilação monoplumonar. 28.5.1 Fisiologia. 28.5.2 Indicações. 28.5.3 Técnicas. 28.5.4 Complicações. 29 Anestesia para Neurocirurgia. 29.1 Circulação cerebral. 29.2 Controle da Pressão Intracraniana (PIC). 29.3 Hipotensão Induzida. 29.4 Cirurgia de tumor cerebral (supra e infratentorial). 29.5 Cirurgia vascular cerebral. 29.6 Cirurgia estereotáxica (biópsia cerebral, Epilepsia e Parkinson). 29.7 Cirurgia de hérnia de disco. 29.8 Cirurgia de tumores raquimedulares. 29.9 Procedimentos por rádio-freqüência. 29.10 Hematoma extradural e subaracnóideo. 29.11 Monitorização. 30 Bloqueios Periféricos. 30.1 Bloqueio do plexo braquial. 30.1.1 Anatomia, técnica, indicações e contraindicações. 30.2 Bloqueio de Bier. 30.2.1 Técnica, indicações e contraindicações. 30.3 Bloqueio do Plexo Lombo-Sacral. 30.3.1 Anatomia, técnica, indicações e contra-indicações. 30.4 Outros Bloqueios de nervos periféricos. 30.4.1 Técnica, indicações e contraindicações. 30.5 Bloqueio simpático. 30.5.1 Técnica, indicações e contraindicações. 30.6 Neuroestimulação. 30.7 Ultrassonografia. 30.8 Complicações. 31 Anestesia para Otorrinolaringologia. 31.1 Características anatomofisiológicas. 31.2 Técnicas, indicações, contraindicações e complicações. 31.3 Urgências. 32 Anestesia para Oftalmologia. 32.1 Características anatomofisiológicas. 32.2 Técnicas, indicações, contraindicações e complicações. 32.3 Urgências. 33 Anestesia para Cirurgias Bucomaxilofaciais e Odontologia. 33.1 Características anatomofisiológicas. 33.2 Técnicas, indicações, contra-indicações e complicações. 33.3 Urgências. 34 Anestesia para Cirurgia Abdominal. 34.1 Características anatomofisiológicas. 34.2 Técnicas, indicações, contra-ndicações, complicações. 34.3 Cirurgia da Obesidade. 34.3.1 Fisiopatologia da obesidade. 34.3.2 Técnicas, indicações, contraindicações, complicações. 34.4 Cirurgia por Videolaparoscopia. 34.4.1 Alterações devidas ao pneumoperitônio. 34.4.2 Técnicas, indicações, contraindicações, complicações. 34.5 Transplante de fígado. 34.6 Transplante de pâncreas. 35 Anestesia Obstétrica. 35.1 Alterações fisiológicas induzidas pela gravidez. 35.2 Analgesia do parto. 35.2.1 Técnicas, indicações, contraindicações, complicações. 35.3 Parto Cesáreo. 35.3.1 Técnicas, cuidados, complicações. 35.4 Urgências Obstétricas. 35.4.1 Técnicas, cuidados, complicações. 35.5 Cirurgias intraútero. 35.5.1 Técnicas, cuidados, complicações. 36 Anestesia em Ortopedia. 36.1 Características e cuidados. 36.2 Técnicas, indicações, contraindicações e complicações. 36.3 Urgências. 37 Anestesia para Cirurgia Plástica. 37.1 Características e cuidados. 37.2 Técnicas, indicações, contraindicações e complicações. 37.3 Queimados. 38 Anestesia em Urologia. 38.1 Características anatomofisiológicas. 38.2 Cirurgia renal. 38.2.1 Técnicas, indicações, contraindicações e complicações. 38.3 Cirurgia da próstata. 38.3.1 Técnicas, indicações, contraindicações e complicações. 38.4 Tratamento da litíase urinária. 38.4.1 Técnicas, indicações, contraindicações e complicações. 38.5 Cirurgias da bexiga. 38.6 Cirurgias dos órgãos genitais. 38.7 Urgências. 38.8 Transplante renal. 39 Anestesia Ambulatorial e para Procedimentos Diagnósticos. 39.1 Cuidados, técnicas, indicações, contraindicações. e complicações. 39.2 Critérios de seleção e alta. 40 Comorbidades. 40.1 Anestesia no cardiopata. 40.2 Anestesia no pneumopata. 40.3 Anestesia no hepatopata. 40.4 Anestesia nas endocrionpatias. 40.5 Anestesia no nefropata. 40.6 Paciente dependente de drogas. 40.7 Paciente portador de alterações hematológicas. 41 Trauma e Urgências. 41.1 Abordagem inicial do politraumatizado. 41.2 Anestesia no politraumatizado. 41.3 Paciente de estômago cheio. 42 Via Aérea. 42.1 Avaliação das vias aéreas. 42.2 Anestesia das vias aéreas. 42.3 Técnicas de abordagem das vias aéreas. 42.3. 1 Indicações, contraindicações e complicações. 42.4 Via aérea difícil. 42.4.1 Algoritmo da via aérea difícil. 43 Choque. 43.1 Classificação. 43.2 Fisiopatologia. 43.3 Tratamento. 43.4 Síndrome da Resposta Inflamatória Sistêmica. 43.5 Síndrome da Falência Múltipla Orgânica. 43.5.1 Mecanismos. 43.5.2 Tratamento. 44 Assistência Respiratória. 44.1 Ventilação artificial. 44.2 Técnicas, modalidades. 44.3 Ventilação com e sem reinalação. 44.4 Reabsorvedores de CO2. 44.5 Ventilação por Pressão Positiva Intermitente (VPPI). 44.5.1 Modalidades e Variantes. 44.5.2 Repercussões cardiocirculatórias, respiratórias, metabólicas e renais. 44.5.3 Indicações. 44.5.4 Complicações. 44.6 Respiradores. 44.6.1 Classificação e Mecanismos. 44.7 Insuficiência Respiratória Aguda. 44.7.1 Causas, classificação e características clínicas. 45 Hipertermia Maligna e Reações Alérgicas. 45.1 Fisiopatologia. 45.2 Diagnóstico. 45.3 Tratamento. 45.4 Prevenção.

REFERÊNCIAS:

Miller, R. D. et al. Miller's anesthesia. v. 2. 7. ed. Philadelphia: Elsevier, 2010. 3312 p.

SAESP. Tratado de anestesiologia. v. 2. 7. ed. São Paulo: Atheneu, 2011. 2976 p.

Médico/Área: Cardiologia Adulto

1 Doença arterial coronariana (angina de peito estável, angina de Prinzmetal, síndrome coronariana aguda com supradesnivelamento do segmento ST, síndrome coronariana aguda sem supradesnivelamento do segmento ST). 2 Valvopatias (insuficiência e estenose mitral, insuficiência e estenose aórtica, estenose pulmonar, insuficiência e estenose tricúspide; prolápso da valva mitral). 3 Hipertensão arterial sistêmica. 4 Miocardiopatias. 5 Doença de Chagas. 6 Insuficiência cardíaca congestiva crônica. 7 Insuficiência cardíaca aguda. 8 Miocardite. 9 Cardiopatias congênitas (comunicação interatrial, comunicação interventricular; persistência de canal arterial, tetralogia de Fallot, tansposição das grandes artérias. 10 Taquiarritmias supraventriculares e ventriculares. 11 Bradiarritmias. 12 Parada cardíaca. 13 Pericardiopatias.

REFERÊNCIAS:

AMERICAN HEART ASSOCIATION. Guidelines CPR - ECC 2010. Destaques das diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE. Disponível em: www.heart.org/cpr.

AMERICAN HEART ASSOCIATION. Suporte avançado de vida em cardiologia. Livro do profissional de saúde. Produção editorial: Prous Science, São Paulo, 2008. Edição em Português.

ANDRADE, J. P. et al. I diretriz latino-americana para o diagnóstico e tratamento da cardiopatia chagásica. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol 2011; 97(2 supl.3): 1-47.

BOCCHI, E. A. et al. (Col). III diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônica. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol 2009; 93(1 supl.1):1-71.

BONOW, R. O. et al. Braunwald's heart disease: a textbook of cardiovascular medicine. 8. ed. Elsevier, 2008.

CROTI, U. A. et al. Cardiologia e cirurgia cardiovascular pediátrica. Roca, 2008. 854 p.

HAMM, C. W. et al. Guidelines for the management of acute coronary syndromes in patients presenting without persistent ST-segment elevation. The Task Force for the management of acute coronary syndromes (ACS) in patients presenting without persistent ST-segment elevation of the European Society of Cardiology (ESC). European Heart Journal. Advanced Access Published, September 21, 2011. Disponível em: http://eurheartj.oxfordjournals.org/.

MONTERA, M. W. et al. II Diretriz Brasileira de Insuficiência Cardíaca Aguda. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2009; 93(3 supl.3):1-65.

PIEGAS, L. S. et al. Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol.2009;93(6 supl.2):e179-e264.

RIBEIRO, E. E.; MARTINEZ, E. E. Hemodinâmica e cardiologia intervencionista: abordagem clínica. 1. ed. Manole, 2008. 384 p.

SOCIEDADE Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI diretrizes brasileiras de hipertensão. Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1):1-51.

TARASOUTCHI, F. et al. Diretriz brasileira de valvopatias. SBC 2011. I diretriz interamericana de valvopatias. SIAC 2011. Arq Bras Cardiol 2011; 97(5 supl. 3): 1-67.

ZIMERMAN, L. I. et al. (Col.). Diretrizes brasileiras de fibrilação atrial. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol 2009;92(6 supl.1):1-39.

Médico/Área: Cardiologia Pediátrica

1 Insuficiência cardíaca. 2 Cardiopatias congênitas acianogênicas. 3 Cardiopatias congênitas cianogênicas. 4 Febre reumática. 5 Valvopatias na criança. 6 Miocardiopatias e miocardites. 7 Pericardiopatias. 8 Endocardite infecciosa. 9 Arritmias cardíacas. 10 Hipertensão arterial sistêmica.

REFERÊNCIAS:

ALLEN, H. D. et al. Heart disease in infants, children and adolescents. 6. ed. Lippincott Wiliams and Wilkins, 2001.

BOCCHI, E. A. et al. (Col). III diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônica. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq. Bras. Cardiol. 2009; 93 (1 supl. 1): 1-71.

BONOW, R. O. et al. Braunwald's heart disease: a textbook of cardiovascular medicine. 8. ed. Elsevier, 2008.

CROTI, U. A. et al. Cardiologia e cirurgia cardiovascular pediátrica. Roca, 2008. 854 p.

OLIVEIRA, R. G. BlackBook pediatria. 4. ed. Blackbook, 2011.

RAMIRES, J. A. F. Cardiologia em pediatria. 1. ed. Roca, 2000.

SANTANA, M. V. T. Cardiopatias congênitas no recém-nascido. Atheneu, 2000.

SOCIEDADE Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI diretrizes brasileiras de hipertensão. Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1):1-51.

TARASOUTCHI, F. et al. Diretriz brasileira de valvopatias. SBC 2011. I diretriz interamericana de valvopatias. SIAC 2011. Arq Bras Cardiol 2011; 97(5 supl. 3): 1-67.

Médico/Área: Cirurgia do Aparelho Digestivo

1 Doenças cirúrgicas do esôfago. 2 Cirurgia da obesidade e cirurgia metabólica. 3 Pancreatites. 4 Cirurgia laparoscópica das vias biliares. 5 Fístulas digestivas. 6 Doença intestinal inflamatória. 7 Neoplasia colo-retal. 8 Doença diverticular dos cólons. 9 Trauma abdominal e pélvico. 10 Suporte nutricional em cirurgia.

REFERÊNCIAS: AMERICAN College of Surgeons. Suporte avançado de vida no trauma para médicos - ATLS. 8. ed. 2008. FELDMAN, M.; FRIEDMAN, L. S.; BRANDT, L. J. Gastrointestinal and liver disease. 9. ed. Saunders Elsevier, 2010. GAMA-RODRIGUES, J. J.; DEL GRANDE, J. C.; MARTINEZ, J. C. Tratado de clínica cirúrgica do sistema digestório. 1. ed. Atheneu, 2004. GORDON, P. H.; NIVATVONGS, S. Principles and practice of surgery for the colon, rectum and anus. 2. ed. Quality Medical Publishing Inc,1999. LANKISCH, P. G.; PEARSON, R. K., SARR, M. G. Pancreatites aguda e crônica. 1. ed. Harcourt, 1999.

Médico/Área: Cirurgia Pediátrica

1 Peculiaridades da criança cirúrgica. 2 Hérnia inguinal. 3 Afecções congênitas cirúrgicas do pênis. 4 Distopias testiculares. 5 Escroto agudo. 6 Afecções cirúrgicas da região cervical. 7 Afecções cirúrgicas da região umbilical. 8 Atresia de Esôfago. 9 Afecções cirúrgicas do tórax. 10 Síndromes obstrutivas altas. 11 Síndrome obstrutivas baixas. 12 Tumores sólidos da infância. 13 ATLS® na criança. 14 Apendicite aguda. 15 Acessos vasculares. 16 Colestase neonatal. 17 Enterocolite necrotizante. 18 Anomalias anorretais.

REFERÊNCIAS:

ASHCRAFT, K. Ashcraft pediatric surgery. W. B. Saunders, 2010.

MAKSOUD, J. G. Cirurgia pediátrica. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 1998.

O'NEIL. J. A.et al. Pediatric surgery. 15. ed. Mosby, 1998. 2 v.

PEREIRA, R. M.; SILVA, A. C.; PINHEIRO, P. F. M. Cirurgia pediátrica: condutas clínicas e cirúrgicas. Rio de Janeiro: Medsi, 2005.

STRINGER; OLDHAM; MOURIQUAND. Pediatrics surgry and urology long term outcomes. 2. ed. Cambridge University Press, 2006.

ZACHARIOU, Z. Pediatric surgery digest. Springer, 2009.

Médico/Área: Cirurgia Geral

1 Hérnias abdominais. 2 Atendimento inicial do traumatizado. 3 Cirurgia laparoscópica de urgência. 4 Hemorragia digestiva. 5 Abdome agudo. 6 Trauma abdominal. 7 Fístulas digestivas. 8 Suporte nutricional em cirurgia. 9 Resposta metabólica ao trauma. 10 Trauma torácico.

REFERÊNCIAS: AMERICAN College of Surgeons. Suporte avançado de vida no trauma para médicos - ATLS. 8. ed. 2008.FELDMAN, M.; FRIEDMAN, L. S.; BRANDT, L. J. Gastrointestinal and liver disease. 9. ed. Saunders Elsevier, 2010. GAMA-RODRIGUES, J. J.; DEL GRANDE, J. C.; MARTINEZ, J. C. Tratado de clínica cirúrgica do sistema digestório. 1. ed. Atheneu, 2004. LIRA, O. B.; FRANKLIN, R. Hérnias. 1. ed. Rubio, 2003.

Médico/Área: Clinico Geral

1 Hipertensão arterial sistêmica. 2 Dislipidemia. 3 Insuficiência cardíaca congestiva. 4 Síndromes coronarianas agudas. 5 Insuficiência renal aguda. 6 Insuficiência renal crônica. 7 Acidente vascular cerebral. 8 Tromboembolismo pulmonar. 9 Doença pulmonar obstrutiva crônica. 10 Pneumonias bacterianas. 11 Anemias. 12 Lúpus eritematoso sistêmico. 13 Desnutrição. 14 Distúrbios hidroeletrolíticos. 15 Hemorragia digestiva. 16 Hepatopatia crônica. 17 Micoses superficiais. 18 Tuberculose. 19 Diabetes mellitus. 20 Hipotireoidismo. 21 Hipertireoidismo. 22 Exame físico dos diversos aparelhos. 23 Semiologia Médica.

REFERÊNCIAS:

CECIL. Tratado de clínica médica. 22. ed. 2005.

Diretrizes brasileiras de hipertensão arterial.

Diretrizes brasileiras sobre dislipidemia e prevenção de aterosclerose.

Diretrizes brasileiras sobre angina instável e infarto agudo do miocárdio sem supra desnível de st.

Diretrizes brasileiras sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio.

HARRISON. Tratado de clínica médica. 17. ed. 2009.

LOPES, A. C. Tratado de clínica mdica. 2. ed. Roca, 2009.

PORTO, C. C. Semiologia médica. 5. ed. Guanabara Koogan, 2005. 1356 p.

Médico/Área: CTI Adulto

1 Distúrbios cardiovasculares. 2 Distúrbios respiratórios. 3 Distúrbios renais e metabólicos. 4 Distúrbios gastrintestinais. 5 Distúrbios hepáticos. 6 Distúrbios neurológicos. 7 Distúrbios hematológicos e hemoterapia. 8 Nutrição no paciente grave. 9 Infecções e antimicrobianos. 10 Trauma. 11 Queimaduras.

REFERÊNCIAS:

KNOBEL, Elias. Condutas no paciente grave. v. 1 e 2. Atheneu.

LIBBY, P. et al. Braunwald tratado de doenças cardiovasculares. Elsevier

Médico/Área: Ginecologia e obstetricia

OBSTETRÍCIA

1 Placenta, cordão umbilical, sistema amniótico. 2 O feto. 3 Trocas materno-ovulares. 4 O trajeto. 5 Gravidez, conceito, duração. 6 Endocrinologia do ciclo gestativo. 7 Repercussões da gravidez sobre o organismo. 8 Modificações sistêmicas. 9 Modificações do aparelho genital. 10 Propedêutica da gravidez. 11 Diagnóstico clínico. 12 Diagnóstico laboratorial. 13 Anamnese e exame físico. 14 Estática fetal. 15 Citologia e citopatologia no ciclo grávido-puerperal. 16 Dopagens hormonais. 17 Amniocentese. 18 Métodos endoscópios. 19 Procedimentos eletrônicos. 20 Medicina preventiva, assistência pré-natal. 21 A preparação psicossomática para o parto. 22 O parto, conceitos, generalidades, introdução ao seu estudo. 23 A contratilidade uterina. 24 Mecanismo do parto. 25 O parto, estudo clínico e assistência. 26 Analgesia e anestesia. 27 O puerpério. 28 As doenças intercorrentes no ciclo grávido-puerperal. 29 A patologia da gravidez. 30 Hiperêmese gravídica. 31 Toxemias tardias da prenhez, doença hipertensiva, eclampsia. 32 Abortamento. 33 Prenhez ectópica. 34 Neoplasias trofoblásticas, gestacionais. 35 Placenta prévia. 36 Descolamento prematuro da placenta. 37 Distúrbios da hemocoagulação. 38 Choque, morte súbita no ciclo gestatório, embolia amniótica, parada cardíaca. 39 Patologia do sistema amniótico. 40 Parto prematuro. 41 Gemelidade. 42 Doença hemolítica pré-natal. 43 Gestação de alto-risco. 44 Gravidez prolongada. 45 Anomalias congências, etiologia e prevenção. 46 Distocias, acidentes e complicações da parturição, discinesias. 47 Sofrimento fetal agudo. 48 Distocias do trajeto e desproporção cefalopélvica. 49 Apresentação anômala. 50 Distócias do cordão, macrossomia do feto, anencefalia. 51 Tocotraumatismos maternos. 52 Secundamento patológico. 53 Patologia da placenta, das membranas e do cordão umbilical. 54 O puerpério patológico. 55 Ginecopatias de causa obstétrica. 56 Tocurgia, introdução ao seu estado, generalidades, as indicações da cirurgia no ciclo gestativo. 57 Operação cesariana. 58 Histerectomia, histerectomia-cesárea. 59 Fórcepe. 60 Versão, extração podal. 61 Operações ampliadores do trajeto, esterilização cirúrgica, vácuo-extrator, punção craniana na hidrocefalia, técnica para a interrupção da gravidez. 62 Mortalidade materna e perinatal. 63 Patologia do feto e do recém-nascido. 64 Aspétcos médico-legais da obstetrícia.

GINECOLOGIA

1 Anatomia. 2 Fisiologia da menstruação e gravidez. 3 Citologia e histologia cíclica do aparelho genital. 4 Desenvolvimento da puberdade e menstruação. 5 Anamnese, exame e operações ginecológicas. 6 Embriologia. 7 Genética e citogenética. 8 Anomalias congênitas e distúrbios de desenvolvimento sexual. 9 Doenças da vulva. 10 Doenças da vagina. 11 Carcinoma do cérvice. 12 Relaxamentos, incontinência, fistulas e distopias. 13 Hiperplasia do endométrio e pólipos endometriais. 14 Carcinoma do endométrio. 15 Mioma de útero. 16 Adenomiose do útero. 17 Sarcoma de útero. 18 Doenças inflamatória pélvica. 19 Tuberculose genital. 20 Tumores epiteliais do ovário. 21 Tumores da célula germinativa do ovário. 22 Tumores do estroma gonádico e especiais do ovário. 23 Endometriose. 24 Gravidez ectópica. 25 Doença trofoblástica gestacional. 26 Leucorréia. 27 Infertilidade, aborto recidivante e espontâneo. 28 Amenorréia. 29 Hemorragia uterina anormal. 30 Tratamento da menopausa, climatério. 31 Dismenorréia, tensão pré-menstrual e doenças associadas, planejamento familiar. 32 Educação sexual.

REFERÊNCIAS:

HALBE, H. W. Tratado de ginecologia. 3. ed. v. 1, 2, 3 e atualizações. São Paulo: Roca, 2000.

NEME, B. Neme obstetricia básica. 3. ed. Sarvier Almed.

RESENDE, J. Obstetrícia fundamental. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. Obra completa e atualizações.

Médico/Área: Ginecologia e Obstetrícia - mastologia

1 Placenta, cordão umbilical, sistema amniótico. 2 O feto. 3 Trocas materno-ovulares. 4 O trajeto. 5 Gravidez, conceito, duração. 6 Endocrinologia do ciclo gestativo. 7 Repercussões da gravidez sobre o organismo. 8 Modificações sistêmicas. 9 Modificações do aparelho genital. 10 Propedêutica da gravidez. 11 Diagnóstico clínico. 12 Diagnóstico laboratorial. 13 Anammese e exame físico. 14 Estática fetal. 15 Citologia e citopatologia no ciclo grávido-puerperal. 16 Dopagens hormonais. 17 Amniocentese. 18 Métodos endoscópios. 19 Procedimentos eletrônicos. 20 Medicina preventiva, assistência pré-natal. 21 A preparação psicossomática para o parto. 22 O Parto, conceitos, generalidades, introdução ao seu estudo. 23 A contratilidade uterina. 24 Mecanismo do parto. 25 O parto, estudo clínico e assistência. 26 Analgesia e anestesia. 27 O puerpério. 28 As doenças intercorrentes no ciclo grávido-puerperal. 29 A patologia da gravidez. 30 Hiperêmese gravídica. 31 Toxemias tardias da prenhez, doença hipertensiva, eclampsia. 32 Abortamento. 33 Prenhez ectópica. 34 Neoplasias trofoblásticas, gestacionais. 35 Placenta prévia. 36 Descolamento prematuro da placenta. 37 Distúrbios da hemocoagulação. 38 Choque, morte súbita no ciclo gestatório, embolia amniótica, parada cardíaca. 39 Patologia do sistema amniótico. 40 Parto prematuro. 41 Gemelidade. 42 Doença hemolítica perinatal. 43 Gestação de alto-risco. 44 Gravidez prolongada. 45 Anomalias congências, etiologia e prevenção. 46 Distocias, acidentes e complicações da parturição, discinesias. 47 Sofrimento fetal agudo. 48 Distocias do trajeto e desproporção cefalopélvica. 49 Apresentação anômala. 50 Distócias do cordão, macrossomia do feto, anencefalia. 51 Tocotraumatismos maternos. 52 Secundamento patológico. 53 Patologia da placenta, das membranas e do cordão umbilical. 54 O puerpério patológico. 55 Ginecopatias de causa obstétrica. 56 Tocurgia, introdução ao seu estado, generalidades, as indicações da cirurgia no ciclo gestativo. 57 Operação cesariana. 58 Histerectomia, histerectomia-cesárea. 59 Fórcepe. 60 Versão, extração podal. 61 Operações ampliadores do trajeto, esterilização cirúrgica, vácuo-extrator, punção craniana na hidrocefalia, técnica para a interrupção da gravidez. 62 Mortalidade materna e perinatal. 63 Patologia do feto e do recém-nascido. 64 Aspéctos médico-legais da obstetrícia.

GINECOLOGIA

1 Anatomia. 2 Fisiologia da menstruação e gravidez. 3 Citologia e histologia cíclica do aparelho genital. 4 Desenvolvimento da puberdade e menstruação. 5 Anamnese, exame e operações ginecológicas. 6 Embriologia. 7 Genética e citogenética. 8 Anomalias congênitas e distúrbios de desenvolvimento sexual. 9 Doenças da vulva. 10 Doenças da vagina. 11 Carcinoma do cérvice. 12 Relaxamentos, incontinência, fistulas e distopias. 13 Hiperplasia do endométrio e pólipos endometriais. 14 Carcinoma do endométrio. 15 Mioma de útero. 16 Adenomiose do útero. 17 Sarcoma de útero. 18 Doenças inflamatória pélvica. 19 Tuberculose genital. 20 Tumores epiteliais do ovário. 21 Tumores da célula germinativa do ovário. 22 Tumores do estroma gonádico e especiais do ovário. 23 Outros cânceres ginecológicos. 24 Endometriose. 25 Gravidez ectópica. 26 Doença trofoblástica gestacional. 27 Leucorréia. 28 Infertilidade, aborto recidivante e espontâneo. 29 Amenorréia. 30 Hemorragia uterina anormal. 31 Tratamento da menopausa, climatério. 32 Dismenorréia, tensão pré-menstrual e doenças associadas, planejamento familiar. 33 Educação sexual.

MAMA

1 Embriogênese, anatomia e histologia. 2 Doenças benignas da mama. 3 Câncer de mama: histopatologia. 4 Estadiamento do câncer de mama. 5 História natural do câncer de mama. 6 Fatores prognósticos e preditivos de resposta. 7 Cirurgia. 8 Quimioterapia. 9 Radioterapia. 10 Hormonioterapia. 11 Climatério. 12 Planejamento familiar e gestação após câncer de mama. 13 Câncer de mama e gravidez. 14 Seguimento após tratamento.

REFERÊNCIAS:

BALEEIRO, J. M. Colposcopia e patologia cervical. ª ed. São Paulo: BYK, 1997.

CARTIER, R.; CARTIER, I. Colposcopia prática. 3. ed. São Paulo: Roca, 1994.

FRANCO, J. M. Mastologia: formação do especialista. São Paulo: Atheneu, 1997. 305 p.

HALBE, H. W. Tratado de ginecologia. 3. ed. v. 1, 2, 3 e atualizações. São Paulo: Roca, 2000.

JAY R., H. et al. Doenças da mama. 2. ed. Rio de Janeiro: Medsi.

MONOTORO, A. F. Mastologia. São Paulo: Sarvier, 1984.190 p.

NEME, B. Neme obstetricia básica. 3. ed. Sarvier Almed.

PALO, G. Colposcopia e patologia de trato genital inferior. 2 ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1996. 491 p.

PEREYRA, E. A. G. de et al. Atlas de coposcopia. São Paulo: BYK, 1995. 44 p.

PINOTTI, J. A. Diagnóstico em mastologia. São Paulo: Manole, 1980. 363 p.

PINOTTI, J. A. et al. Oncologia ginecológica: aspectos atuais do diagnóstico e do tratamento. São Paulo: Manole.

RESENDE, J. Obstetrícia fundamental. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. Obra completa e atualizações.

SIMÕES, P. M.; ROTSTEIN, S. Ambultório de mastologia. Rio de Janeiro: Atheneu, 1982. 83 p.

SOUZA, A. Z. de; SALVATORE, C. A. Mastologia prática. São Paulo: Manole, 1979. 361 p.

Médico/Área: Nefrologia

1 nefrologia clínica. 1.1 Glomerulopatias: síndrome nefrótica; glomerulonefrite difusa aguda; glomerulonefrite rapidamente progressiva; glomerulonefrite crônica. 1.2 Infecção do trato urinário. 1.3 Nefrite tubulointersticial. 1.4 Hipertensão arterial. 1.5 Insuficiência renal aguda. 1.6 Insuficiência renal crônica. 1.7 Distúrbios do metabolismo hidroeletrolítico e ácido-básico. 1.8 Nefrolitíase. 1.9 Osteodistrofia renal. 1.10 Rim e gravidez. 2 Diálise: indicações, complicações e intercorrências em hemodiálise e diálise peritoneal. 3 Transplante renal: aspectos clínicos, complicações e intercorrências do transplante renal.

REFERÊNCIAS:

AJZEN, H.; SCHOR, N. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar da UNIFESP-EPM: guia de nefrologia. 3. ed. São Paulo: Manole, 2010.

BRENNER, B. M. Brenner and rector´s the kidney. 8. ed. W. B. Saunders Company, 2007. 2 v.

DAUGIRDAS, J. T. et al. Manual de diálise. 4. ed. Guanabara, 2008.

RIELLA, M. C. Princípios de nefrologia e distúrbios hidroeletrolíticos. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.

Médico/Área: radioterapia

1.Urgências e emergências em radioterapia; 2. Radioterapia em patologias malignas; 3.Radioterapia em patologias benignas; 4.Aplicações de teleterapia convencional, conformacional 3D, IMRT, IGRT 5. Braquiterapia de baixa e alta taxa de dose; 6.Estadiamento de patologias oncológicas; 7.Princípios oncológicos; 8.Complicações agudas e tardias da radioterapia; 9.Radiocirurgia e radioterapia estereotáxica; 10.Normas de segurança (ANVISA, CNEN); 11.Manejo clínico dos pacientes em radioterapia - Clínica Médica; 12. Radiobiologia;

FÍSICA EM RADIOTERAPIA:

1.Noções de física atômica e nuclear; 2. Interação da radiação ionizante com a matéria; 3.Medida de radiação ionizante e exposição; 4. Medida de dose absorvida e kerma; 5. Teoria cavitária de Bragg-Gray e Spencer-Attix. Equilíbrio eletrônico; 6. Instrumentação: tipos de câmara de ionização, filmes, TLD, dosímetros químicos, calorímetros e eletrômetros; 7.Geradores clínicos de radiação: equipamentos de ortovoltagem (produção de raios-X), unidades de cobalto, aceleradores lineares de partículas e aparelhos de braquiterapia; 8.Conceitos básicos: FAC; BSF; PDP; TAR; SAR; TPR, TMR; 9. Terapia com campos estacionários e móveis; campo direto; campos paralelos e opostos; múltiplos campos; rotatório e arcoterapia; 10.Correções de falta tecido e heterogeneides; campos irregulares; 11. Técnicas especiais: irradiação de meio corpo e corpo inteiro; 12.Radioterapia conformacional e estereotáxica; 13. Feixes de elétrons: campos simples, irradiação de toda a pele e arcoterapia; 14.ICRU 38, 50 e 62; 15.Método de cálculo de dose para elétrons; 16.Fontes de radiação selada; 17.Implantes: cálculo e reconstrução tridimensional; 18. Inserções ginecológicas: Sistema de Manchester, Fletcher e Paris; 19.Sistema remoto "after-loading": HDR e LDR; 20. Distribuição de isodose; 21. Sistema de limitação de dose: justificativa, otimização, limitação de dose individual; 22. Barreiras e blindagens: critérios e cálculos; 23. Levantamento radiométrico: identificação de áreas e cálculos; 24. Monitoração externa: tipos de monitoração, controle de dose dos usuários, medidas de segurança; 25.Monitoração interna: modelos metabólicos, limites derivados e sistema de monitoração; 26.Normas CNEN; ICRP; ICRP; ICRP; ANVISA; 27. Considerações radiobiológicas em braquiterapia.

BIBLIOGRAFIA:

Cancer: Principles and Practice of Oncology (De Vitta V. T., Hellman S., Rosenberg S.A. 8th edition, Lippincott-Williams and Wilkins, 2008);

Holland-Frei Cancer Medicine, 8th edition (Edited by James FHolland, MD, ScD (hc) and Emil Frei, III, MD);

Perez and Brady's Principles and Practice of Radiation Oncology (Perez C.A., Brady L.W., Halperin E. C., Schmidt-Ullrich R. K., 5th edition, Lippincott Williams & Wilkins, 2007);

Textbook of Radiation Oncology (Leibel S.A., Phillips T.L., 1th edition, W.B. Saunders Co., 2004);

Clinical Radiation Oncology (Gunderson L, Tepper JE, 2nd edition, Churchill Livingstone - Elsevier, 2006);

Principles and Practice of Brachytherapy (Joslin C.A.F., Flynn A., Hall E.H., 1th edition, Arnold, 2001);

Radiobiology for the radiologist (Hall E.J., 6th edition, Lippicontt Williams & Wilkins, 2005);

Radiation Pathology (Fajardo LF, Berthlong M, Anderson RE, Oxford University Press, Inc., 2001);

Cecil Medicine, 23th edition Goldman and Ausiello Saunders Elsevier; Harrison's Principals of Internal Medicine, 17th edition, Fauci, Braunwald and KasperMc Graw Hil; Salvajoli, J. V., Souhami, L., Faria, S. L. (Org.), Radioterapia em Oncologia, Ed. MedSi, 1a. ed. (1999);

Roach, M., Hansen, E. K., Handbook of Evidence-Based Radiation Oncology, Ed. Springer, 2a. ed. (2010);

Radioterapia Baseada em Evidências - Recomendações da Sociedade Brasileira de Radioterapia. 1a. edição, São Paulo, SBRT 2011;

Radiation Oncology - An evidence-based approach (Lu, J.J, Brady L.W., Springer, 2008);

Normas Anvisa - RDC 20; The Physics of Radiation Therapy (Khan F.M., 3th edition, Lippincott Williams & Wilkins, 2003);

Física da Radioterapia (Scaff L.A.M. primeira edição, Sarvier, 1997);

Internacional Commission on Radiation Units and Measurements Report n. 38 (ICRU 38);

Internacional Commission on Radiation Units and Measurements Report n. 52 (ICRU 52);

Internacional Commission on Radiation Units and Measurements Report n. 60 (ICRU 60);

CBR. Manual Prático de Segurança Radiológica: Teleterapia de Megavoltagem e Braquiterapia, 1995;

CNEN NN 3.01 - Diretrizes Básicas de Radioproteção, 2006;

CNEN NE 3.02 - Serviços de Radioproteção;

CNEN NN 3.03 - Certificação de Qualificação de Supervisores de Radioproteção, 1995;

CNEN NE 3.06 - Requisitos de Radioproteção em Radioterapia, 1989;

CNEN NE 5.01 - Transporte de Material Radioativo;

CNEN NN 6.01 - Registro de Profissionais para Uso e Manuseio de Fontes de Radiação, 1995;

CNEN NN 6.02 - Licenciamento de Instalações Radioativas;

CNEN NE 6.05 - Gerência de Rejeitos Radioativos em Instalações Radioativas;

IAEA - Protocolos de Dosimetria;

IAEA - International Basic Safety Standards for Protection Against

Ionizing Radiation and for the Safety of Radiation Sources. Safety series 115, 1996;

IAES - Design and Implementation of a Radiotherapy Program: Clinical,

Medical Physics, Radiation Orotection and Safety Aspects. TecDoc-1040;

ICPR - Protection Against Ionizing Radiation from External Sources Used in Medicine - publ.33.1982;

ICPR - Protection of the Patient in Radiotherapy - publ.44,1985;

ICPR - Radiological Protection of the Worker in Medicine and Dentistry Publ 57, 1990;

ICPR - Recommendations of the ICPR - publ.60. 1991;

ICRP - Radiological Protection and Safety in Medicine - Publ. 73, 1997;

ICRU - Radiations Quantities and Units - Publ. 51, 1993;

ICRU - Prescribing, Recording and Reporting Photon Beam Therapy - Publ. 62, 1993;

McKenzie et al (eds). Radiation protections in radiotherapy. Institute of Science in Medicine, report 46, 1986;

Mould RE. Radiation protection in Hospitals. Adam Hilger, 1984;

Mould RE. Radiotherapy treatment planing. Adam Hilger, 1985;

NCRP 49 e 51; Williamson et al (eds). Brachytherapy physics, AAPM, 1995;

NCRP 151: "Structural Shielding Design and Evaluation for Megavoltage and Gamma-Ray Radiotherapy Facilities". NCRP, 2005;

McGinley, Patton H. - Shielding Techniques for Radiation Oncology Facilities. Medical Physics Publishing, 1998;

CBR. Manual Prático de Segurança Radiológica: Teleterapia de Megavoltagem e Braquiterapia, 1995.

Médico/Área: Ressonância Magnética

1 Radiologia geral. 2 Tomografia computadorizada. 3 Ultrassom. 4 Mamografia. 5 Ressonância magnética.

REFERÊNCIAS:

AGUIAR, V.; BAUB, S.; MARANHÃO, N. Mama: diagnóstico por imagem. Revinter, 2009.

FERNANDES, J. L. Coluna vertebral. 1. Ed. Elsevier. 2011.

MULLER, N. L.; SILVA, I. S. Torax. 1. ed. Elsevier, 2010.

OSBORN, B. Diagnóstico imaging. 2. ed.

SEMELK, R. C. Abdominal pélvico MRI. 2. ed.

SILVA, I. S. et al. Gastro intestinal. 1. ed. Elsevier, 2011.

Médico/Área: Reumatologia

1 Amiloidose. 2 Anatomia e fisiologia do sistema músculo-esquelético. 3 Artrite reumatóide. 4 Artrites infecciosas e reativas. 5 Artrites microcristalinas. 6 Aspectos éticos na prática médica reumatológica. 7 Displasias óssea e articular. 8 Doença de Behçet. 9 Doença de Paget. 10 Doença mista do tecido conjuntivo e síndromes de superposição. 11 Doenças osteometabólicas. 12 Síndromes dolorosas regionais. 13 Doenças sistêmicas com manifestações articulares. 14 Enfermidades da coluna vertebral. 15 Enfermidades reumáticas da criança e do adolescente. 16 Epidemiologia das doenças reumáticas. 17 Esclerose sistêmica e síndromes relacionadas. 18 Espondiloartrites. 19 Exame clínico do paciente reumático. 20 Febre reumática. 21 Síndrome da fibromialgia. 22 Imunogenética das doenças reumáticas. 23 Interpretação dos principais exames de imagem para avaliação das doenças reumáticas. 24 Interpretação dos principais exames laboratoriais para avaliação das doenças reumáticas. 25 Lúpus eritematoso sistêmico. 26 Mecanismos de ação e efeitos colaterais das drogas utilizadas em Reumatologia. 27 Mecanismos de ação e efeitos colaterais dos medicamentos biológicos utilizados em Reumatologia. 28 Mecanismos envolvidos no desenvolvimento da auto-imunidade. 29 Mecanismos etiopatogênicos da dor e inflamação. 30 Miopatias inflamatórias idiopáticas. 31 Neoplasias articulares. 32 Osteoartrite. 33 Osteonecroses. 34 Reabilitação e condicionamento físico para pacientes reumáticos. 35 Sarcoidose. 36 Síndrome de Sjogren. 37 Síndrome dos anticorpos antifosfolípides. 38 Vasculites sistêmicas.

REFERÊNCIAS:

CARVALHO, M. A. P. et al. Reumatologia diagnóstico e tratamento. 3. ed. Guanabara Koogan, 2008.

CLOVIS, A. A. S. Doenças reumáticas na criança e no adolescente. 1. ed. Manole, 2008.

FIRESTEIN, G. S. et al. Kelley´s textbook of rheumatology. 8. ed. Saunders, 2008.

FURTADO, R.; NATOUR. J. Infiltrações no aparelho locomotor. 1. ed. Artmed, 2011.

HOCHBERG, M. et al. Rheumatology. 5. ed. Mosby, 2011.

KLIPPEL, H. et al. Primer on the rheumatic diseases. 13. ed. Springer, 2008.

MOREIRA, C.; PINHEIRO, G. R. C.; MARQUES NETO, J. F. Reumatologia essencial. 1. ed. Guanabara Koogan, 2009.

NATOUR, J. et al. Coluna vertebral. 1. ed. Etcetera, 2004.

SÁ PINTO, A. L. et al. Exercícios físicos nas doenças reumáticas: efeitos terapêuticos. 1. ed. Sarvier, 2011.

Revistas da Especialidade do período de janeiro de 2010 a dezembro de 2011:

Arthritis and rheumatism.

Arthritis care and research.

Annals of rheumatic diseases.

Consensos e diretrizes sobre diagnóstico e tratamento da AMB/SBR.

Current Opinion in Rheumatology.

Journal of Rheumatology.

Revista brasileira de reumatologia.

Rheumatology.

Médico/Área: Urologia

1 Urologia pediátrica. 2 Oncologia urológica.

REFERÊNCIAS:

CAMPBELL. Walsh urology 9, ed. 2007.

Hinman's atlas of urology surgery.

The Kelalis-King-Belman textbook of clinical pediatric urology.

ANEXO III

FORMULÁRIO DE VALORIZAÇÃO DE TÍTULOS

NOME DO CANDIDATO:

Número da Inscrição:

Número do Edital:

* O candidato será pontuado em apenas um dos títulos: Doutorado ou Mestrado. Não haverá pontuação cumulativa para os dois títulos.

Cargo: Médico

Limitantes

Quantidades

Total

Grupo I - Experiência profissional na área específica do concurso

Pontuação

Pontuação Máxima

1.1

Exercício profissional na área específica do concurso

5 (por ano)

25

últimos 5 anos

 

 

Grupo II - Formação Acadêmica *

Pontuação

Pontuação Máxima

Limitantes

Quantidades

Total

2.1

Doutorado

20

20

1 título

 

 

2.2

Mestrado

15

15

1 título

 

 

Grupo III - Formação Profissional

Pontuação

Pontuação Máxima

Limitantes

Quantidades

Total

3.1

Residência Médica na área específica do concurso

15

15

1 título

 

 

3.2

Título de especialista na área específica do concurso, reconhecido pela AMB

12

12

1 título

 

 

3.3

Título de especialista em outras áreas, reconhecido pela AMB

8

8

1 título

 

 

Grupo IV - Participação em Congressos na área específica do Concurso, nos últimos 5 anos

Pontuação

Pontuação Máxima

Limitantes

Quantidades

Total

4.1

Congresso Internacional

0,5

2,5

5 congressos

 

 

4.2

Congresso Brasileiro

0,3

1,5

5 congressos

 

 

4.3

Congresso Regional

0,2

1

5 congressos

 

 

Grupo V -Participação em Congressos nos últimos 5 anos

Pontuação

Pontuação Máxima

Limitantes

Quantidades

Total

5.1

Como conferencista

1

5

5 congressos

 

 

5.2

Como moderador de mesa, apresentador de tema livre

0,5

2,5

5 congressos

 

 

Grupo VI -Publicações Científicas nos últimos 5 anos

Pontuação

Pontuação Máxima

Limitantes

Quantidades

Total

6.1

Livros, Manuais - Editor ou Autor

1,5

1,5

1 título

 

 

6.2

Artigos científicos publicados em revistas indexadas

0,6

3

5 artigos

 

 

6.3

Artigos científicos publicados em revistas não indexadas

0,3

1,5

5 artigos

 

 

6.4

Capítulo de livro

0,3

1,5

5 capítulos

 

 

TOTAL

100 pontos

 

 

 

COMPROVANTE DA ENTREGA DE TÍTULOS

Assinatura do Candidato

Autenticação

Declaro que as informações prestadas são verdadeiras, sob pena de responsabilidade administrativa, civil e penal, conforme art. 299, do Código Penal Brasileiro.

Data : ______/______/______

_______________________________
Assinatura do responsável pelo recebimento

 

Ministério da Educação

CONCURSO PÚBLICO FEDERAL
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
REQUERIMENTO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO
CONCURSO UFTM

Orientações:

1 - Em conformidade com Edital do concurso, o requerimento para isenção da taxa de inscrição no concurso deverá ser entregue, pessoalmente ou por terceiro, em envelope identificado com o nome e CPF do candidato, na PRORH/UFTM (Av. Frei Paulino, 30 - 3º piso - Bairro Abadia - Uberaba-MG).

Nome Completo do Candidato e data de nascimento:

Nome da Mãe ou Pai:

Endereço e Telefone do candidato:

CPF e RG do candidato:

Nº do Edital:

Cargo a que concorrerá:

Nº de Inscrição:

Informações complementares: (Indicação do número de Identificação Social (NIS), atribuído pelo CadÚnico; e Declaração de que atende à condição estabelecida no Edital do concurso)

NIS:____________________________________

Declaração:

________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________

______________________________________
Assinatura do requerente

Anexo IV

Orientações: 1 - O julgamento dos recursos será publicado no Quadro de avisos, coletivamente.

Nome Completo do Candidato: ________________________________________________________________
Cargo: ___________________________________________________________________________________
Justificativa e Fundamentação do recurso:

_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________

________________________________

assinatura do requerente

ANEXO VI

NOME DO CANDIDATO: _________________________________________________________________

CARGO AO QUAL CONCORRE: ___________________________________________________________

1- Se você deseja concorrer às vagas destinadas a candidatos portadores de deficiência ou solicitar atendimento especial para os dias de realização das provas, marque um dos campos abaixo.

( ) Desejo concorrer às vagas destinadas a candidatos portadores de deficiência, mas não necessito de atendimento especial.

( ) Desejo concorrer às vagas destinadas a candidatos portadores de deficiência e necessito de atendimento especial.

( ) Não desejo concorrer às vagas destinadas a candidatos portadores de deficiência, mas necessito de atendimento especial.

OBS. Para concorrer às vagas destinadas a candidatos portadores de deficiência e obter o deferimento da solicitação de atendimento especial, o candidato deverá:

a) encaminhar este formulário preenchido e laudo médico, conforme subitem 2.2, alínea b, do edital de abertura do concurso público;

b) estar ciente de que a sua qualificação como portador de deficiência e a compatibilidade da deficiência declarada com as atribuições do cargo dependerão de avaliação, na forma estabelecida no mesmo edital.

2- NECESSIDADES ESPECIAIS PARA O DIA DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS

Se você necessita de atendimento especial para o dia de realização das provas, assinale o(s) tipo(s) de necessidade(s) abaixo e envie ou entregue, pessoalmente ou por terceiro, este formulário e o laudo médico, conforme descrito em Edital de abertura do concurso público.

2.1 NECESSIDADES FÍSICAS

( ) sala para amamentação (candidata que tiver necessidade de amamentar seu bebê)

( ) sala térrea (dificuldade para locomoção)

( ) sala individual (candidatos com doenças contagiosas/outras)

( ) maca

( ) cadeiras de rodas

( ) apoio para perna

2.2 MESA E CADEIRA SEPARADAS

( ) gravidez de risco ( ) obesidade ( ) limitações físicas

2.3 AUXÍLIO PARA PREENCHIMENTO (DIFICULDADE/IMPOSSIBILIDADE DE ESCREVER)

( ) da folha de respostas da prova objetiva

2.4 NECESSIDADES VISUAIS (CEGO OU PESSOA COM BAIXA VISÃO)

( ) auxílio na leitura da prova (ledor) ( ) prova ampliada (fonte entre 16 e 20)

2.5 NECESSIDADES AUDITIVAS (PERDA TOTAL OU PARCIAL DA AUDIÇÃO)

( ) intérprete de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais)

Declaro conhecer e aceitar todas as normas estabelecidas no respectivo Edital - UFTM.

____________________________________
assinatura do candidato ou do procurador