UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná - PR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - UTFPR

COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSO PÚBLICO

CÂMPUS APUCARANA

EDITAL Nº 071/2012 - CPCP - AP - ABERTURA

Notícia:   UTFPR abre cinco vagas para Professor Assistente e quatro para Adjunto

www.utfpr.edu.br - e-mail: cogerh-ap@utfpr.edu.br

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA O PROVIMENTO DE CARGOS DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR, NA CATEGORIA FUNCIONAL DE PROFESSOR DO MAGISTÉRIO SUPERIOR - CLASSE ASSISTENTE.

De ordem do Magnífico Reitor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, consoante o disposto no Decreto nº 7.485, de 18 de maio de 2011, publicado no DOU de 19 de maio de 2011, torno público que, no período de 20/10/2012 a 11/11/2012, estarão abertas as inscrições para o Concurso Público de Provas e Títulos, destinado ao provimento de 5 (cinco) cargos da Carreira do Magistério Superior, categoria funcional de Professor do Magistério Superior, "Classe Assistente", para atender o Câmpus Apucarana da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), nas Áreas/Subáreas especificadas no Anexo I, nos termos do presente Edital.

1. DOS REQUISITOS PARA A INVESTIDURA NO CARGO

1.1. A investidura do candidato no cargo está condicionada ao atendimento dos seguintes requisitos:

a) ser brasileiro nato ou naturalizado ou, ainda, no caso de nacionalidade estrangeira, apresentar comprovante de permanência definitiva no Brasil;

b) estar em gozo dos direitos políticos;

c) estar quite com as obrigações militares e eleitorais;

d) ser portador de diplomas de graduação reconhecido pelo MEC e de pós-graduação de curso credenciado pela CAPES exigidos para o cargo a que irá concorrer, conforme Anexo I, com validade nacional;

e) possuir aptidão física e mental para o exercício das funções do cargo;

f) possuir idade mínima de 18 (dezoito) anos;

g) não ter sofrido, no exercício de função pública, penalidade incompatível com a investidura em cargo público federal, prevista no artigo 137, parágrafo único, da Lei nº 8.112/90;

h) não receber proventos de aposentadoria ou exercer cargo/emprego público que caracterizem acumulação ilícita de cargos, na forma do artigo 37, inciso XVI, da Constituição Federal.

1.2. Os títulos de pós-graduação obtidos no exterior deverão, obrigatoriamente, estar revalidados no Brasil.

1.3. Os documentos comprobatórios dos requisitos fixados nos subitens precedentes deverão ser apresentados após a aprovação do candidato, por ocasião da convocação para assumir o cargo.

1.4. Anular-se-ão, sumariamente, a inscrição e todos os atos dela decorrentes, se o candidato não comprovar que, no ato da investidura no cargo, satisfazia os requisitos constantes dos subitens 1.1 e 1.2.

2. DA INSCRIÇÃO

2.1. A inscrição deverá ser efetuada pela Internet, no endereço eletrônico www.utfpr.edu.br/apucarana, das 08 (oito) horas do dia 20/10/2012 às 20 (vinte) horas do dia 11/11/2012.

2.2. Após o preenchimento do formulário de inscrição, o candidato deverá imprimir a GRU (Guia de Recolhimento da União), que deverá ser paga exclusivamente no Banco do Brasil, impreterivelmente até o dia 12/11/2012.

2.3. Antes de efetuar o recolhimento da taxa de inscrição, o candidato deverá certificar-se de que preenche todos os requisitos exigidos para a participação no Concurso Público, pois a taxa, uma vez paga, só será restituída em caso de revogação ou anulação plena do Concurso.

2.3.1. Caso o candidato não tenha acesso à Internet, poderá efetuar a inscrição no período de 18/10/2012 a 09/11/2012, nos dias úteis, no horário das 14 (quatorze) horas às 17 (dezessete) horas, na Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - Câmpus Apucarana, sita na Rua Marcílio Dias, 635, Jardim Paraíso, APUCARANA - PR.

2.4. Caso ocorram problemas técnicos no servidor da Internet que atende a UTFPR, no último dia das inscrições, o prazo será prorrogado até as 15 (quinze) horas do dia 12/11/2012.

2.5. A UTFPR não se responsabiliza por solicitações de inscrições não recebidas por motivo de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamento de linhas de comunicação, bem como outros fatores que impossibilitem a transferência de dados.

2.6. A partir do dia 20/11/2012, o candidato deverá consultar, via Internet, se foi confirmado o pagamento de sua inscrição, bem como o ensalamento (local das provas). A UTFPR - Câmpus Apucarana disponibilizará, no mesmo período e no endereço citado no subitem 2.3.1, atendimento para os candidatos que tenham dificuldade de acesso à Internet.

2.7. É vedada a inscrição condicional ou por correspondência.

2.8. A inscrição implica em compromisso tácito, por parte do candidato, de aceitar as condições estabelecidas para a realização do Concurso, dentre elas as constantes do presente Edital.

2.9. Candidatos que necessitarem de condições especiais para realização da prova, deverão informá-las na ficha de inscrição, para que a Comissão Organizadora possa verificar sua pertinência. Caso não o façam no momento da inscrição, perderão o direito de exigir tais condições no dia da prova.

2.9.1. A candidata que tiver necessidade de amamentar durante a realização da prova deverá solicitar atendimento especial no formulário de inscrição, e levar um acompanhante, o qual ficará em sala reservada e será responsável pela guarda da criança.

2.10. Não haverá isenção total ou parcial do valor da taxa de inscrição, exceto para o candidato que, na forma do Decreto nº 6.593, de 02/10/2008, estiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CadÚnico - e for membro de família de baixa renda.

2.10.1. O candidato interessado em solicitar a isenção de pagamento de taxa deverá fazê-lo no período improrrogável de 20/10 a 26/10/2012, procedendo da seguinte forma:

a) preencher todos os campos obrigatórios no formulário de inscrição;

b) marcar a opção Sim no campo referente à isenção da taxa de inscrição do formulário de inscrição;

c) inserir o Número de Identificação Social (NIS) no campo indicado no formulário;

d) conferir os dados e imprimir a GRU (Guia de Recolhimento da União) gerada no momento da inscrição, guardando-a como comprovante de inscrição, nela observando o respectivo código de acesso e o número do protocolo de inscrição para uso futuro.

2.10.2. Serão desconsiderados os pedidos de isenção, na forma do item anterior, quando:

a) o campo NIS tenha sido deixado vazio no formulário de inscrição;

b) o NIS indicado seja inválido ou inexistente;

c) o NIS não seja correspondente ao nome e CPF do candidato que solicita a inscrição;

d) preencher corretamente o número do NIS, porém, deixar de assinalar a opção Sim no campo referente a isenção da taxa de inscrição;

e) a inscrição tiver sido feita fora do prazo estabelecido no item 2.10.1.

2.10.3. A simples entrega da documentação não garante ao interessado a isenção do pagamento da taxa de inscrição.

2.10.4. Após o encerramento do prazo estabelecido no item 2.10.1, a Comissão Permanente de Concurso Público analisará as solicitações de isenção que se enquadrem nos termos dos subitens anteriores, submetendo os dados ao Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) que, com base nas informações cadastradas pelo candidato no CadÚnico, indicará se o candidato preenche ou não os requisitos para a concessão da isenção da taxa de inscrição.

2.10.5. Os pedidos de isenção deferidos e indeferidos pelo MDS serão divulgados no dia 06/11/2012, até às 18h, no endereço eletrônico do concurso (www.utfpr.edu.br/apucarana), onde constará o número da inscrição dos candidatos requerentes, classificados em uma lista de pedidos deferidos e outra de indeferidos.

2.10.6. Não haverá recurso contra o indeferimento da solicitação de isenção da taxa de inscrição.

2.10.7. O candidato cuja solicitação tiver sido indeferida poderá efetivar sua inscrição no concurso, até o dia 11/11/2012, efetuando o pagamento da taxa conforme o previsto no item 2.2.

2.10.8. O candidato que tiver seu pedido de isenção indeferido e que não efetuar o pagamento da taxa de inscrição na forma e no prazo estabelecidos no item anterior estará automaticamente excluído do concurso.

2.12. A Comissão Permanente de Concurso Público não receberá pedidos de correção, alteração ou inserção de dados após a efetivação do pedido de inscrição. Caso necessite, o candidato deverá inutilizar a GRU e o código de acesso e fazer uma nova inscrição, observado o disposto no subitem 2.1.

3. DAS VAGAS RESERVADAS ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

3.1. As pessoas com deficiência, amparadas pelo Art. 37, inciso VIII, da Constituição Federal, e pelo art. 5º, § 2º, da Lei nº 8.112, de 11.12.90, poderão, nos termos do presente edital, concorrer a 01 (uma) vaga, correspondente a 5% do total de vagas (arredondamento para o primeiro número inteiro subsequente) aprovadas para o magistério, de acordo com o disposto no Decreto nº 3.298, de 20.12.99.

3.2. O candidato que desejar concorrer à vaga definida no subitem anterior deverá, no ato da inscrição, declarar-se pessoa com deficiência e, posteriormente, se convocado após a aprovação, deverá submeter-se à perícia médica oficial promovida por equipe multiprofissional de responsabilidade da UTFPR, na forma da lei, que procederá às exigências previstas na legislação vigente.

3.2.1. A perícia se destina a verificar a existência da deficiência conforme declarado pelo candidato no momento da sua inscrição e a compatibilidade da deficiência com o exercício das atribuições do cargo, conforme legislação específica, sendo independente dos exames médicos relacionados no item 12.

3.3. O candidato deverá comparecer à perícia munido de laudo médico atestando a espécie, o grau ou nível de deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID), conforme especificado no Decreto nº 3.298, de 20.12.99 e suas alterações, bem como a causa provável da deficiência.

3.4. A não observância do disposto nos subitens anteriores acarretará a perda do direito ao pleito da vaga reservada ao candidato em tal condição.

3.5. As pessoas com deficiência participarão do concurso em igualdade de condições com os demais candidatos.

3.6. O candidato que, no ato da inscrição, declarar-se como pessoa com deficiência, se classificado no Concurso Público, figurará em lista específica e também na listagem de classificação geral.

3.7. Caso a perícia conclua negativamente quanto a tal compatibilidade, o candidato não será considerado apto à nomeação, na condição de deficiente.

3.8. A vaga definida no subitem 3.1 que não for provida por falta de candidatos, por reprovação no concurso ou na perícia médica, será preenchida pelos demais candidatos, observada a ordem geral de classificação.

3.9. No caso de haver aprovados na vaga preferencial em maior quantidade que o número de vagas, a preferência de nomeação será para aquele que obtiver a maior média, independentemente da Área/Subárea do concurso na qual houve a classificação.

3.10. O candidato aprovado dentro das vagas preferenciais terá precedência sobre os candidatos aprovados na ampla concorrência.

4. DAS PROVAS

4.1. O Concurso constará das seguintes provas:

a) Escrita;

b) de Desempenho Didático;

c) de Títulos.

4.2. As Provas Escrita e de Desempenho Didático terão caráter eliminatório, sendo que a de Títulos terá caráter classificatório.

4.3. Em todas as atividades programadas para o Concurso, os candidatos deverão apresentar-se com antecedência mínima de 30 (trinta) minutos, munidos de documento oficial de identidade, comprovante de inscrição, caneta esferográfica tinta azul, tonalidade escura ou preta, ponta média, e outros materiais previstos pela Banca Examinadora e constantes do programa da Área/Subárea, se for o caso.

4.3.1. A ausência do candidato a qualquer etapa do concurso implicará a sua exclusão do certame.

4.4. Não será permitida a entrada do candidato no local das provas, após o horário estabelecido.

4.5. Durante as provas, não será permitido consulta a livros, revistas, folhetos e anotações, bem como o uso de calculadora, computadores ou outros instrumentos, exceto se previstos pela Banca Examinadora, no respectivo programa.

4.6. Não haverá, sob qualquer justificativa, segunda chamada para as provas.

5. DA PROVA ESCRITA

5.1. A Prova Escrita será dissertativa, sobre tema a ser sorteado dentre os tópicos que compõem o programa de cada Área/subárea, constante no Anexo II deste Edital.

5.1.1. A Prova Escrita avaliará o candidato quanto à:

a) capacidade analítica e crítica do tema, com pontuação até 30 pontos;

b) complexidade e acuidade dos conteúdos desenvolvidos, com pontuação até 25 pontos;

c) articulação e contextualização dos conteúdos desenvolvidos, com pontuação até 20 pontos;

d) clareza no desenvolvimento das ideias e conceitos, com pontuação até 15 pontos;

e) forma (uso correto da Língua Portuguesa), com pontuação até 10 pontos.

5.1.2. Nos casos de fuga ao tema ou ausência de texto, o candidato receberá nota zero na prova escrita.

5.2. A prova escrita será realizada no dia 25/11/2012, às 9 (nove) horas, com sorteio do ponto às 8 (oito) horas no local constante do ensalamento a ser divulgado conforme o item 2.6.

5.3. Após o sorteio do ponto, o candidato terá uma hora livre para consulta bibliográfica; transcorrido esse prazo, terá início a prova, com duração máxima de 3 (três) horas.

5.4. O candidato deverá se identificar apenas na Ficha de Identificação, constante na Folha de Rosto da Prova Escrita. Havendo quaisquer outras marcas no caderno de Provas isto implicará na sua eliminação do Concurso Público.

5.5. Serão considerados aprovados na Prova Escrita, os candidatos que obtiverem nota mínima igual a 50 (cinquenta) pontos e serão classificados, em ordem alfabética, de acordo com o número previsto no Anexo I.

6. DA PROVA DE DESEMPENHO DIDÁTICO

6.1. Para a Prova de Desempenho Didático estarão convocados os candidatos na quantidade prevista no Anexo I, desde que tenham obtido a nota mínima exigida para a aprovação na Prova Escrita, prevista no subitem 5.5, em ordem alfabética.

6.1.1 - Caso ocorram empates na Prova Escrita, serão convocados todos os candidatos que obtiverem a mesma nota do último candidato classificado entre os aprovados, dentro do limite de vagas previstas no Anexo I - PDD.

6.2. A Prova de Desempenho Didático consistirá em uma aula perante a Banca Examinadora de, até no máximo, 30 (trinta) minutos, com a finalidade de verificar os conhecimentos e a capacidade didática do docente. O tema será sorteado dentre os pontos constantes do programa para Área/Subárea, previsto no Anexo II.

6.2.1. A prova será realizada em sessão pública e gravada em meio eletrônico de voz para fins de registro e avaliação, sendo o seu teor de propriedade exclusiva da Comissão Permanente de Concurso Público.

6.2.1.1 Fica vedada a entrada e saída de expectadores durante a apresentação dos candidatos, sendo defeso ao público arguir quaisquer deles.

6.2.2. O candidato poderá ser arguido ao final de sua aula por qualquer membro da banca examinadora, observando-se o tempo máximo de 15 (quinze) minutos para as arguições e respectivas respostas.

6.3. A prova de Desempenho Didático será realizada na Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - Câmpus Apucarana, sita na Rua Marcílio Dias, nº 635, Jardim Paraíso, APUCARANA - PR, no dia, horário e local indicados no resultado da prova escrita, a ser publicado no endereço eletrônico www.utfpr.edu.br/apucarana.

6.4. O sorteio do ponto para a Prova de Desempenho Didático (PDD) acontecerá com 24 horas de antecedência, sendo o número do ponto único para todos os candidatos, respeitando-se a Área/subárea escolhida. O ponto sorteado para a Prova Escrita será eliminado desse sorteio.

5.4.1. A presença do candidato no sorteio do ponto é facultativa.

6.5. Os recursos didáticos de que o candidato pretenda fazer uso durante a prova, com exceção de quadro, giz ou caneta e projetor multimídia, deverão ser por ele mesmo providenciados e instalados, sob sua inteira responsabilidade.

6.6. Os candidatos, ao se apresentarem para a Prova de Desempenho Didático, no dia, local e horário estabelecidos no item 6.3., deverão entregar à Banca Examinadora 1 (uma) via do "Curriculum Vitae", modelo Lattes, contendo cópias do diploma de graduação e pós-graduação; 1 (uma) cópia do Memorial Descritivo em que conste a comprovação a que alude o subitem 8.3; e um Plano de Aula, em 3 (três) vias idênticas, contendo:

a) identificação do tema;

b) identificação dos pré-requisitos;

c) objetivos;

d) desenvolvimento do tema;

e) metodologia de avaliação;

f) bibliografia.

6.7. O Memorial Descritivo, além da documentação comprobatória a que alude o subitem 8.3, em ordem de apresentação, e ter todas as páginas numeradas, deverá apresentar de modo analítico e crítico os aspectos significativos de sua formação e trajetória profissional.

6.8. O candidato poderá ser arguido pela Banca Examinadora sobre o seu memorial descritivo, em seguida à Prova de Desempenho Didático.

7. DA PROVA DE TÍTULOS

7.1. Para efeito da Prova de Títulos, somente serão considerados:

a) grau de Doutor ou Título de Livre Docente;

b) Publicação de livros, trabalhos ou artigos em anais de congressos e em revistas técnicas de circulação nacional e/ou internacional, na área a que o candidato irá concorrer;

c) Patentes, orientação de dissertação de mestrado e de tese de doutorado, anexando cópia da capa, do resumo e da página que contém a assinatura da banca examinadora;

d) comprovante de tempo de exercício de magistério no ensino médio/técnico ou superior;

e) comprovante de tempo de experiência profissional, exceto magistério, na área do Concurso.

8. DA AVALIAÇÃO

8.1. Para cada Área/Subárea, será constituída uma Banca Examinadora, encarregada da elaboração, aplicação e avaliação das provas, composta de um mínimo de 3 (três) membros designados pelo Reitor da UTFPR.

8.2. As provas serão avaliadas na escala de 0 (zero) a 100 (cem) pontos.

8.3. Na avaliação dos títulos, serão atribuídos os seguintes valores:

a) Grau de Doutor ou Livre Docente - 50 (cinquenta) pontos.

b) Publicação de livros, trabalhos ou artigos em anais de congressos e em revistas técnicas de circulação nacional e/ou internacional, na área a que concorre, e patentes, até o limite 15 (quinze) pontos:

1. livro: 6 pontos por livro;

2. editor ou organizador de livro publicado: 4 pontos por livro;

3. tradução de livro: 4 pontos por livro;

4. capítulo de livro: 2 pontos por capítulo;

5. tradução de capítulo de livro: 2 pontos por capítulo;

6. trabalhos em periódicos: 2 pontos por trabalho;

7. publicação em sítio eletrônico especializado com ISSN: 2 pontos por publicação;

8. trabalhos completos em congressos internacionais: 1 ponto por trabalho;

9. trabalhos completos em congressos nacionais: 0,6 ponto por trabalho;

10. trabalhos resumidos em congressos internacionais: 0,4 ponto por trabalho;

11. trabalhos resumidos em congressos nacionais: 0,2 ponto por trabalho;

c) Patentes devidamente registradas, orientação, co-orientação de dissertações e teses, até o limite de 5 (cinco) pontos:

1. patente: 2,5 pontos cada;

2. orientação: 1 ponto por orientando de mestrado;

3. co-orientação: 0,5 ponto por orientando de mestrado;

4. orientação: 2 pontos por orientando de doutorado;

5. co-orientação: 1 ponto por orientando de doutorado.

d) Comprovante de tempo de exercício de magistério: 3 pontos por ano, até o limite de 15 (quinze) pontos.

e) Comprovante de tempo de experiência profissional, exceto magistério, na área a que concorre: 3 pontos por ano, até o limite de 15 (quinze) pontos.

8.4. Para fins de pontuação de que trata o subitem 8.3, alínea "b", itens 7 a 11 somente serão considerados os trabalhos produzidos nos últimos 05 (cinco) anos, a contar de 2007.

9. DA APROVAÇÃO

9.1. Serão considerados aprovados os candidatos cuja média aritmética entre as notas das Provas Escrita e de Desempenho Didático seja igual ou superior a 60 (sessenta) e que a nota em cada uma dessas provas não seja inferior a 50 (cinquenta) pontos.

10. DA CLASSIFICAÇÃO FINAL

10.1. Para obtenção da classificação final dos candidatos aprovados, utilizar-se-á a média ponderada, atribuindo-se peso 3 (três) à Prova Escrita, peso 4 (quatro) à Prova de Desempenho Didático, e peso 3 (três) à Prova de Títulos.

10.2 Em caso de empate entre dois ou mais candidatos terão preferência àquele com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, conforme dispõe o parágrafo único do art. 27 da Lei nº 10.741/2003. Persistindo o empate ou em caso de não haver candidato na situação prevista no dispositivo legal em comento, terá preferência para efeito de desempate o candidato que, na seguinte ordem:

) obtiver maior número de pontos na Prova de Desempenho Didático;

) obtiver maior número de pontos na Prova Escrita;

) obtiver maior número de pontos na Prova de Títulos;

) for o mais idoso.

11. DA DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS

11.1. O resultado de cada etapa e o resultado final do Concurso serão divulgados pela Comissão Permanente de Concurso Público, em Edital afixado na Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos, Câmpus Apucarana da UTFPR, e disponibilizado no site www.utfpr.edu.br/apucarana.

11.2. A Banca Examinadora deverá dar vista de prova escrita, das pontuações obtidas na prova didática e na apreciação de títulos, mediante solicitação do candidato, por escrito, após a divulgação de cada etapa do concurso. O prazo para solicitação de vista da prova escrita será concomitante ao prazo destinado à interposição de recurso conforme estabelecido no subitem 11.3.

11.3. Será admitido recurso, devidamente fundamentado, indicando com precisão os pontos a serem examinados, mediante requerimento dirigido à Comissão Permanente de Concurso Público desta Instituição e protocolado na Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos da UTFPR - Câmpus Apucarana, sito na Rua Marcílio Dias, nº 635, Jardim Paraíso, APUCARANA - PR, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, a partir da publicação do resultado.

11.4. Não será aceito recurso via postal, via fac-símile ou correio eletrônico.

11.5. Os recursos serão apreciados pela Comissão Permanente de Concurso Público e decididos pelo Reitor no prazo de 7 (sete) dias úteis. O resultado estará à disposição dos interessados na Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos da UTFPR - Câmpus Apucarana.

11.6. O resultado do Concurso Público, uma vez homologado pelo Reitor, será publicado no Diário Oficial da União, através de Edital, constituindo-se o único documento capaz de comprovar a habilitação do candidato.

12. DO PROVIMENTO DOS CARGOS E DO APROVEITAMENTO DOS CANDIDATOS HABILITADOS

12.1. O provimento do cargo dar-se-á no nível inicial da Classe Assistente, da carreira do Magistério Superior, no regime de trabalho de 40 horas ou Dedicação Exclusiva, conforme Anexo I, com a remuneração correspondente e definida em Lei, no Regime Jurídico de que trata a Lei nº 8.112/90 ou em outro que venha a substituí-lo.

12.1.1. São atribuições gerais do cargo, a docência e a participação nas atividades de graduação, pesquisa, extensão, assistência e administração da UTFPR. (Art. 3º Decreto 94.664/87)

12.2. Os candidatos habilitados serão nomeados rigorosamente de acordo com a classificação obtida, consideradas as vagas existentes ou que venham a existir na carreira do Magistério Superior, de que trata a Lei nº 7.596/87 e suas ulteriores modificações, na área do Concurso e/ou em outras correlatas, do Quadro de Pessoal da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Apucarana, devendo ministrar aulas em todos os níveis de ensino da UTFPR.

12.2.1. Além da Área/Subárea para a qual foi nomeado, o candidato deverá, eventualmente, assumir aulas de Área/Subárea correlata, desde que possua qualificação para isso.

12.3. A classificação do candidato não assegurará o direito ao seu ingresso automático no cargo para o qual se habilitou, mas apenas a expectativa de nele ser investido. A UTFPR reserva-se o direito de chamar os habilitados na medida das necessidades da Administração.

12.4. O provimento do cargo fica condicionado à apresentação de todos os documentos originais comprobatórios dos requisitos relacionados nos subitens 1.1 e 1.2, bem como a obtenção de parecer favorável em exame de aptidão médica

12.5. A aptidão médica para o cargo será avaliada com base nos seguintes exames laboratoriais e pareceres médicos, a serem apresentados ao clínico geral indicado pela UTFPR em data especificada:

a) hemograma completo;

b) glicemia;

c) urina tipo 1 (EAS);

d) creatinina;

e) colesterol total e triglicérides (lipidograma);

f) AST (TGO);

g) ALT (TGP);

h) citologia oncótica - papanicolau (mulheres);

i) PSA (homens acima de 50 anos);

j) mamografia (mulheres acima de 50 anos);

k) raios-X de tórax PA e perfil;

l) pesquisa de sangue oculto nas fezes - método imunocromatográfico (homens e mulheres, acima de 50 anos);

m) eletrocardiograma, com parecer do especialista;

n) avaliação oftalmológica, com parecer do especialista;

o) avaliação psiquiátrica, com parecer do especialista;

p) avaliação psicológica, com parecer emitido por profissional indicado pela UTFPR.

12.6. Os pareceres indicados nas alíneas "m", "n" e "o" do subitem anterior poderão ser emitidos por médicos da preferência do candidato habilitado, em formulários específicos obtidos no link www.utfpr.edu.br/servidores/formsRH/exames.

12.7. A avaliação psicológica, indicada na alínea "p" do subitem 12.5, em conjunto com os demais exames de aptidão, possui caráter eliminatório e consistirá na realização de entrevista individual, visando identificar se o candidato possui perfil adequado ao exercício das atividades inerentes ao cargo.

12.7.1. Nos casos em que o psicólogo julgar necessária avaliação mais aprofundada, poderão ser aplicados testes psicológicos individualizados, cuja avaliação será "apto" ou "inapto" para a ocupação do cargo.

12.8. No período de três anos, após o início do exercício, não serão aceitos pedidos de remoção ou redistribuição e nem de alteração do regime de trabalho, salvo por estrito interesse da Administração.

12.9. A inexatidão das afirmativas ou irregularidades de documentos, ainda que verificadas posteriormente, eliminarão o candidato do Concurso, anulando-se todos os atos decorrentes da inscrição.

12.10. Após o provimento das vagas, objeto deste Edital, as listas de candidatos remanescentes aprovados neste certame poderão ser utilizadas para eventuais nomeações, para posse e exercício, nos diversos Câmpus da UTFPR ou por outras Instituições Federais de Ensino.

12.11. Candidatos remanescentes, aprovados em certames realizados por outros Câmpus da UTFPR, poderão ser nomeados em vagas a serem providas em outro município onde exista Câmpus da UTFPR.

12.12. A UTFPR poderá fazer o aproveitamento de candidatos aprovados em certames realizados por outras Instituições Federais de Ensino

13. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

13.1. O Concurso terá validade de 1 (um) ano, a contar da data de publicação da homologação do resultado final no Diário Oficial da União, podendo ser prorrogado uma vez, por igual período, mediante ato próprio da autoridade competente.

13.2. A convocação dos candidatos habilitados para se manifestarem, em prazo determinado, sobre a aceitação ou não do cargo, será feita através de correspondência registrada, não se responsabilizando a UTFPR pela mudança de endereço sem comunicação prévia, por escrito, por parte do candidato.

13.3. O candidato convocado terá 3 (três) dias úteis para manifestar-se sobre a aceitação ou não do cargo e mais 3 (três) dias úteis para apresentar à Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos a documentação exigida para a sua nomeação.

13.4. O não pronunciamento do candidato habilitado no prazo estabelecido para esse fim facultará à Administração a convocação dos candidatos seguintes, sendo seu nome excluído do Concurso.

13.5. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Permanente de Concurso Público.

Curitiba, 15 de outubro de 2012.

ADELAIDE STRAPASSON
Presidente da Comissão Permanente de Concurso Público

De acordo:

CARLOS EDUARDO CANTARELLI
Reitor

ANEXO I

Área / Subárea

VG

CH

PDD

T

Requisitos

Educação Física/Esportes

01

40

06

M/T

Graduação em Educação Física, com Mestrado na área ou em áreas afins.

Engenharia Têxtil/Processos Têxteis

01

DE

06

M/T

Graduação em Engenharia Têxtil, com Mestrado na área ou em áreas afins.

Física/Física de Cristais Líquidos

01

DE

06

T/N

Graduação em Física, com Mestrado em Física de Cristais Líquidos ou em Física com dissertação defendida na área de Cristais Líquidos.

Letras/Língua Portuguesa e Língua Estrangeira Moderna

01

DE

06

M/T

Graduação em Letras com habilitação em Língua Portuguesa/Língua Espanhola, com Mestrado na área ou em áreas afins.

Matemática/Análise

01

DE

06

T/N

Graduação em Matemática ou em Matemática Aplicada, com Mestrado em Matemática ou em Matemática Aplicada ou em Engenharia.

Legenda:
VG - nº de vagas
CH - carga horária
PDD - nº de candidatos convocados para a Prova de Desempenho Didático
T - turno (M: Manhã; T: Tarde; N: Noite) - conforme a necessidade da Instituição

Remuneração

Titulação

20 horas

Dedicação Exclusiva (*)

Vencimento Básico

Retribuição por Titulação

Total

Vencimento Básico

Retribuição por Titulação

Total

Mestrado

R$ 1.694,32

R$ 378,45

R$ 2.072,77

R$ 3.181,04

R$ 1.656,62

R$ 4.837,66

Doutorado

R$ 1.805,23

R$ 813,80

R$ 2.619,03

R$ 3.553,46

R$ 4.073,56

R$ 7.627,02

* O regime de trabalho de dedicação exclusiva impede o exercício de outra atividade remunerada, pública ou privada.

TAXA DE INSCRIÇÃO - R$ 78,00

ANEXO II

NÍVEL DE ENSINO: Superior

ÁREA/SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA/ESPORTES

CÂMPUS: APUCARANA

PROGRAMA

1. Qualidade de Vida: benefícios do estilo de vida ativo;

2. Futsal: História, Regras, Fundamentos e Sistemas Táticos;

3. Voleibol: História, Regras, Fundamentos e Sistemas Táticos;

4. Handebol: História, Regras, Fundamentos e Sistemas Táticos;

5. Basquete: História, Regras, Fundamentos e Sistemas Táticos;

6. Fisiologia do Exercício Físico: sistemas energéticos;

7. Avaliação da Aptidão Física relacionada à saúde;

8. Atividade Física, Nutrição e a prevalência da obesidade;

9. A Periodização do Treinamento Desportivo;

10. A educação física como fator de inclusão do aluno com necessidades educativas especiais.

Observação: O ponto sorteado para a Prova Escrita será retirado no sorteio do ponto para a Prova de Desempenho Didático.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

A relação a seguir contempla os livros considerados elementares, o que não impede que outros sejam utilizados.

APOLO, A. S. M. Futsal: metodologia e didática na aprendizagem. São Paulo: Phorte, 2004.

American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 2010.

CAMPOS, L. A. S. Voleibol "Da" Escola. Jundiaí: Fontoura, 2006.

COUTINHO, Nº F. Basquetebol na Escola. 3. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2007.

DANTAS, E. H. M. Atividade física em ciências da saúde. Rio de Janeiro: Shape, 2005.

EHERT, A., et aL. Manual de Handebol: Treinamento de base para crianças e adolescentes. São Paulo: Phorte, 2008.

FERNANDES FILHO, J. A Prática da Avaliação Física. Rio de Janeiro: Shape, 2003.

FERREIRA, A. E. X.; DANTE, R. Jr. Basquetebol: Técnicas e Táticas - uma abordagem didático-pedagógica. São Paulo: EPU, 2003.

FERREIRA, V. Educação Física: interdisciplinaridade, aprendizagem e inclusão. Rio de Janeiro: Sprint, 2006.

FLECK, M. P. de A. A avaliação de qualidade de vida: guia para profissionais de saúde. Porto Alegre: Artmed, 2008.

FORTEZA, D. L. R. A.; FARTO, E. R. Treinamento Desportivo: do ortodoxo ao contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Phorte, 2007.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3. ed. São Paulo: Phorte, 2005.

GORGATTI, M. G.; COSTA, Roberto Fernandes. Atividade Física Adaptada. Barueri: Manole, 2008.

GORLA. J. I. Teste e Avaliação em Esporte Adaptado: São Paulo: Phorte, 2009.

GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P. Controle do peso corporal: composição corporal, atividade física e nutrição. 2. ed. Rio de Janeiro: Shape, 2003.

GUISELINI, M. Aptidão física saúde bem - estar: fundamentos teóricos e exercícios práticos. 2.ed. rev. e ampl. São Paulo: Phorte, 2006.

HEYWARD, V. H.; STOLARCZYK, L. M. Avaliação da composição corporal Aplicada. São Paulo: Manole, 2003.

HOFFMAN, S. J.; HARRIS, J. C. Cinesiologia: o estudo da atividade física. Porto Alegre: Artmed, 2002.

LUCENA, R. F. Futsal e a iniciação. 6. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2002.

NAHAS, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 4. ed. Londrina: Midiograf, 2006.

MALINA, R. M.; BOUCHARD, Claude; BAR-OR, Oded. Crescimento Maturação e Atividade Física. São Paulo: Phorte, 2009.

McARDLE W. D., KATCH F. I., KATCH V. L. Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho humano, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

SHONDELL, D.; REYNAUD, C. A bíblia do treinador de voleibol. Porto Alegre: Artmed, 2005.

TENROLLER, Carlos Alberto. Handebol: Teoria e Prática. 3. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2008.

VITOLO, M. R. Nutrição: da gestação à adolescência. Rio de Janeiro: Reichmann & Autores Editores, 2003.

NÍVEL DE ENSINO: Superior

ÁREA/SUBÁREA: ENGENHARIA TÊXTIL/PROCESSOS TÊXTEIS

CÂMPUS: APUCARANA

PROGRAMA

1. Tecnologia das Fibras Têxteis (naturais e sintéticas);

2. Tecnologia da Estamparia;

3. Tecnologia da Confecção e Controle de Qualidade na Confecção;

4. Acabamentos Têxteis (químicos e físicos);

5. Tecnologia da Fiação.

Observação: O ponto sorteado para a Prova Escrita será retirado no sorteio do ponto para a Prova de Desempenho Didático.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

A relação a seguir contempla os livros considerados elementares, o que não impede que outros sejam utilizados.

AGUIAR NETO, Pedro Pita. Fibras têxteis. Rio de Janeiro: SENAI, 1996. 1v e 2v.

ARAUJO, Mário de; MELO e CASTRO, Ernesto Manuel. Manual de Engenharia Têxtil. Lisboa, Portugal. Fundação Calouste Gulbenkian, 1984. Volume I e II

ARAÚJO, M.; CASTRO, E. M. M. Manual de engenharia têxtil. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1986. 1 v. e 2 v.

ARAÚJO. M. l. Tecnologia do Vestuário. Fundação Calouste. Goulbekian, 1996.

BARRETO, A. A. M. Qualidade e produtividade na indústria da confecção. Londrina: Midiograf, 1997.

CHUTER, A. J. Introduction to Clothing Production Management. BSP Prof. Book, 1998.

GARCIA, J. S. Fiação: cálculos fundamentais. SENAI/CETIQT, 1995.

MALUF, Eraldo; KOLBE, Wolfgang. Dados Técnicos para a Indústria Têxtil. 2.ed. - São Paulo: IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo: ABIT - Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção, 2003.

NEVES, J. Manual de Estamparia Têxtil. Escola de Engenharia da Universidade do Minho: F.S.E. Portugal, 2000.

OLIVETE, Ana Luiza; PEREIRA, Paula Virginia de B. L.; ARRUDA, Kátia Oliveira. Fundamentos da Costura - Princípios Básicos. LK Editora, 2010.

SABOYA, Wagner de. Iniciação à serigrafia. 4. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: SENAI/CETIQT, 1993.

NÍVEL DE ENSINO: Superior

ÁREA/SUBÁREA: FÍSICA/FÍSICA DE CRISTAIS LÍQUIDOS

CÂMPUS: APUCARANA

PROGRAMA

1. Leis de Newton;

2. Calorimetria e Leis da Termodinâmica;

3. Eletrostática e eletromagnetismo;

4. Caracterização termo e eletro-óptica por meio de transmitância óptica de luz polarizada;

5. Física de Cristais líquidos e Parâmetro de ordem;

6. Produção e caracterização e aplicações de ferro fluido;

7. Teoria elástica do contínuo;

8. Mesofases líquido cristalinas;

9. Dispositivos e aplicações industriais e tecnológicas de cristal líquido.

10. Espectroscopia de impedância elétrica e dielétrica e caracterização elétrica de meios polares.

Observação: O ponto sorteado para a Prova Escrita será retirado no sorteio do ponto para a Prova de Desempenho Didático.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

A relação a seguir contempla os livros considerados elementares, o que não impede que outros sejam utilizados.

BAHADUR, B., Liquid Crystals- Applications and Uses, World Scientific (1996).

BARBERO, G. ; EVANGELISTA, L. R.. An Elementary Course on the Continuum Theory for Nematic Liquid Crystals .Ed. Singapura: World Scientific Publishing Co., (2001).

BARSOUKOV E. and MACDONALD, J. R., Impedance Spectroscopy Theory, Experiment, and Applications, second edition, New Jersey: John Wiley & Sons, Inc.,(2005).

BÖTTCHER, C. F. J. and BORDEWIJK, P., Theory of Electrical.Polarization, Amsterdam: Elsevier, Volume 1, (1978).

CHANDRASEKHAR, S., Liquid Crystals, Cambridge: Cambridge Univ. Press, (1993).

COFFEY, W. T., KALMYKOV, Y. P. and WALDRON, J. T., The Langevin Equation with Application in Physics, Chemistry and Electric Engineering, Singapore: World Scientific Publishing Co. Pte. Ltd, (1996).

COLLINGS, P. J. and HIRD, M., Introduction to Liquid Crystals Chemistry and Physics, London: Taylor & Francis Ltd., (1997).

COSTA, M. R., Tese de doutorado, Estudo de células de cristais líquidos termotrópicos calamíticos nemáticos e suas aplicações como sensores eletro-ópticos de tensões elétricas, Escola de Engenharia de São Carlos/ Instituto de Física de São Carlos/ Instituto de Química de São Carlos - Universidade de São Paulo (USP)- (2000).

DE GENNES, G.P. and PROST, J., The Physics of Liquid Crystals, Oxford: Clarendon Press, (1993).

EISBERG, Robert M. Física, Fundamentos e Aplicações. Todos os volumes. São Paulo: Editora McGraw-Hill do Brasil Ltda, (1982).

FRÖHLICH, H., Theory of Dielectrics - Dielectric Constant and Dielectric Loss, Oxford: Oxford University press, second edition, (1958).

GRIFFITHS, D.J., Introductoin to Electrodynamics, New Jersey: Ed. Prentice Hall, (1999).

HALLIDAY, D., RESNICK, R. e WALKER, J ; Fundamentos de Física. Volumes 1, 2 e 3. 8ª edição. Rio de Janeiro: LTC, (2008).

HIPPEL, A.V. Dielectrics and Waves, Boston-London: Artech House, (1954).

KHOO, I.C. et all, Liquid Crystals- Physical Properties and Non Linear Optical Phenomena, New York: Wiley & Sons, (1995).

NUSSENZVEIG, H. Moysés. Curso de Física Básica. Todos os volumes. São Paulo: Editora Edgard Blücher Ltda, (1983).

PRIESTLEY, E.B., Introduction to Liquid Crystals, New York: Plenum Press, (1979).

REITZ, J. R e MILFORD, F. J., Fundamentos da Teoria Eletromagnética, Rio de Janeiro: Ed. CAMPUS, (1982).

TIPLER, PAUL; MOSCA, GENE. Física para Cientistas e Engenheiros. Todos os volumes. 6ª Edição. LTC, (2009).

VERTOGEN, G. and De JEU, W.H., Thermotropic Liquid Crystals, Berlin: Springer, (1988).

NÍVEL DE ENSINO: Superior

ÁREA/SUBÁREA: LETRAS/LÍNGUA PORTUGUESA E LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA

CÂMPUS: APUCARANA

PROGRAMA PARA PROVA ESCRITA

1. Expressão Oral;

2. Interpretação Textual;

3. Produção de Texto Acadêmico;

4. O Romantismo na Literatura Brasileira;

5. Classes Gramaticais;

6. Gêneros Textuais.

PROGRAMA PARA PROVA DESEMPENHO DIDÁTICO

1. La variedad linguística del Español en América y España;

2. Estudio contrastivo de la fonología del Español y del Português;

3. Los tiempos verbales en Español: concepto y usos;

4. Los heterosemánticos, heterogenéricos y heterotónicos en Español y Português;

5. La enseñanza de la gramática de la Lengua Española bajo la competencia comunicativa;

6. Estrategias para adquisición/desarrollo de destrezas orales en la clase de Español como lengua extranjera;

7. Los géneros textuales en la enseñanza de Español como lengua extranjera;

8. La literatura en las clases de Español;

9. Las culturas hispanas en las clases de Español;

10. Uso de diferentes tecnologías en el proceso enseñanza-aprendizaje de Español como lengua extranjera.

Observações:

a) A prova escrita deverá ser realizada em Língua Portuguesa;

b) A prova de desempenho didático deverá ser realizada em Língua Espanhola;

c) Não será permitido o uso de dicionário.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

A relação a seguir contempla os livros considerados elementares, o que não impede que outros sejam utilizados.

Sugestão de referências para estudo/preparação para a Prova Escrita em Língua Portuguesa

BLINKSTEIN, Izidoro. Como falar em público: técnicas e habilidades de comunicação para apresentações. São Paulo: Ática.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Trad. Anna Rachel Machado. São Paulo: Educ.

CANDIDO, Antônio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos 1750 a 1880. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul.

CEGALA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. São Paulo: Nacional. CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. São Paulo: Lexicon.

FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática.

GARCIA, Othon Moacyr. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever, aprendendo a pensar. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

KLEIMAN, Ângela. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes.

POLITO, Reinaldo. Como falar corretamente e sem inibições. São Paulo: Saraiva.

SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. São Paulo: Mercado das Letras.

THEREZO, Graciema Pires. Redação e leitura para universitários. Campinas: Alínea.

Sugestão de referências para estudo/preparação para a Prova de Desempenho Didático em Língua Espanhola

ARAGÓN, M C; GILI, Ó C y BARQUERO,B L. Pasaporte Ele. Niveles A1/A2/B1/B2. Colecciónes com 4 libros. Edelsa: Madrid,2008.

BUSTO, Natalia Barrallo. BEDOYA, María Gómez. La explotación de una imagen en la clase de E/LE. redELE, nº 16, julio 2009. Disponível em: <http://www.educacion.gob.es/dctm/redele/Material­RedEle/Revista/2009_16/2009_redELE_16_01Barrallo.pdf?documentId=0901e72b80dd7388>

CELADA, María Teresa; GONZÁLEZ, Neide Maia Los Estudios de Lengua Española en Brasil. Anuario de Estudios Hispánicos, 10., 2000. Suplemento "El hispanismo en Brasil". Brasília: Consejería de Educación y Ciencia de la Embajada de España en Brasil, 2001 (p. 35 a 58). Disponível em <http://www.mec.es/sgci/br/es/publicaciones/anuario/abeh2000s.pdf>

CELADA, María Teresa; GONZÁLEZ, Neide Maia (Coord.). Apendice: Gestos que trazan distinciones entre la Lengua Española y el Portugués Brasileño. Dossier completo. In: Lengua Española, Especialización en la Enseñanza del Español para Extranjeros, PAD, Campus virtual USAL, 2008. Signos Ele, dezembro 2008. Disponível em: <http://www.salvador.edu.ar/sitio/signosele/articuloanterior.asp?id=5>

ERES FERNÁNDEZ, I. M. Gretel. Las Variantes del Español en la Nueva Década: ¿Todavía un Problema para el Profesor?, Actas del IX Seminario de Dificultades Específicas de la Enseñanza de Español a Lusohablantes: Registros de la lengua y lenguajes específicos. São Paulo: Embajada de España en Brasil/Consejería de Educación y Ciencia, 2001. Disponível em: <http://www.profdomingos.com.br/actas_2001.pdf>

ESPAÑA. Ministerio de Educación. Consejería de Educación en Brasil. Anuarios Brasileños de Estudios Hispánicos. 1994 a 2009. Disponível em: <http://dialnet.unirioja.es/servlet/revista?codigo=1693>

FREGOLENTE, Rosângela Aparecida. Dicionários Bilíngües Espanhol/Português - Português/ Espanhol: Uma confrontação para o ensino de Línguas. Letras & Letras, Uberlândia, v. 20, nº 1, p. 197-210, jan./jun. 2004. Disponível em: <http://www.profdomingos.com.br/dicionarios_port_espan.pdf>

KULIKOWSKI, María Zulma Moriondo; GONZÁLEZ, Neide T. Maia. Español para Brasileños. Sobre por dónde determinar la justa medida de una cercanía. Anuario Brasileño de Estudios Hispánicos, 9, 1999, pp.11-19. Disponível em: < http://www.educacion.gob.es/dms-static/8915bdd5-87ee-470c­b5f2-be5c39dbfdd9/consejerias-exteriores/brasil/publicaciones-y-materiales--didacticos/publicaciones/abeh/abeh99.pdf>

MATTE BON, Francisco. Gramática comunicativa del Español: de la lengua a la Idea. Madrid: Edelsa, 1995. 2 t.

MORENO, Concha, FERNÁNDEZ, Gretel Eres. Gramática contrastiva del Español para Brasileños. Madrid, SGEL, 2007.

SADER, Emir et al. (Coord.). Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. São Paulo: Boitempo, 2006.

SEÑAS. Diccionario para la enseñanza de la Lengua Española para brasileños. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

NÍVEL DE ENSINO: Superior

ÁREA/SUBÁREA: MATEMÁTICA/ANÁLISE

CÂMPUS: APUCARANA

PROGRAMA

1. Derivação de funções reais de n-variáveis reais;

2. Integração de funções reais de n-variáveis reais;

3. Equações diferenciais ordinárias e aplicações;

4. Equações diferenciais parciais e aplicações;

5. Funções vetoriais no espaço n-dimensional;

6. Teorema de Green, Gauss e Stokes;

7. Séries de Fourier e Transformada de Fourier;

8. Derivação de funções de uma variável complexa;

9. Integração de funções de uma variável complexa.

Observação: O ponto sorteado para a Prova Escrita será retirado no sorteio do ponto para a Prova de Desempenho Didático.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

A relação a seguir contempla os livros considerados elementares, o que não impede que outros sejam utilizados.

ÁVILA, Geraldo. Funções de uma variável complexa. Rio de Janeiro, RJ: Livros Técnicos e Científicos, 1974.

BOYCE, William E.; DIPRIMA, Richard C. Equações diferenciais elementares e problemas de valores de contorno. 6 edição, Rio de Janeiro, RJ: LTC, 1999.FIGUEIREDO, Djairo Guedes. Análise de Fourier e equações diferenciais parciais. 4ª edição, Rio de Janeiro, RJ: IMPA, 2003.

GONCALVES, Mirian Buss; FLEMMING, Diva Marilia. Cálculo B: funções de varias variáveis, integrais multíplas, integrais curvilíneas e de superfíce. 2ª edição revista e ampliada, São Paulo, SP: Pearson Prentice Hall, 2007.

LEITHOLD, Louis. O Cálculo com Geometria Analítica. Vol. 2, 3ª edição, São Paulo, SP: Harbra, 1994.

STEWART, James. Cálculo. Vol. 2, 6ª edição, São Paulo, SP: Cengage Learning, 2009.ZILL, Dennis G. Equações diferenciais com aplicações em modelagem. 1ª edição São Paulo, SP: Thomson: 2003.

156958

Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231