Prefeitura de Rio Grande - RS

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO GRANDE

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

EDITAL Nº 004/2007

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS NO MUNICÍPIO

Por determinação do Senhor Prefeito Municipal, ficam abertas as inscrições ao Concurso Público para provimento dos cargos de MÉDICO GENERALISTA, OPERADOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS, FISCAL AMBIENTAL E AGENTE DE FISCALIZAÇÃO DE TRÂNSITO E TRANSPORTES integrantes do quadro de pessoal efetivo da Prefeitura Municipal do Rio Grande, regidos pelo Estatuto dos Funcionários Públicos Municipais, Lei nº 5.819/2003.

1 - Das normas que regem o Processamento do Concurso:

O presente Concurso é regido, em todas as suas fases, pela Constituição Federal, Lei Orgânica Municipal de 02/04/90, Regulamento dos Concursos Públicos (Decreto n.º 8.893/2005) , Estatuto dos Funcionários Públicos Municipais (Lei nº 5.819/2003), bem como legislações complementares a estas, disposições deste Edital e seus anexos.

2- Da Divulgação:

A divulgação oficial das etapas deste Concurso será feita através de publicação em um dos jornais de circulação diária no Município, podendo-se noticiá-las em outros órgãos da imprensa escrita e falada, ou em qualquer veículo de informação, deixando-as à vista pública no prédio da Secretaria Municipal da Administração, situado à Rua General Osório nº 536.

3- Das Inscrições:

As inscrições serão realizadas apenas via Internet, através do preenchimento do formulário de inscrição disponível no endereço eletrônico www.riogrande.rs.gov.br, sendo de responsabilidade exclusiva do candidato a obtenção desse documento.

3.1- Período: 21/09/07 à 07/10/07

3.2- Valor da taxa: Ensino Médio e Superior: R$ 50,00 (cinqüenta reais); Ensino Fundamental: R$ 30,00 (trinta reais)

3.3- A Divisão de Seleção e Treinamento da Prefeitura Municipal do Rio Grande não se responsabilizará por solicitação de inscrição não recebida por motivos de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamento das linhas, ou outros fatores do sistema operacional que impossibilitem a transferência de dados.

3.4- Ao preencher o formulário eletrônico, o candidato deverá indicar o número do documento de identidade que tenha fé pública (Cédula de Identidade Civil ou Militar, Carteira de Trabalho, Carteira Profissional emitida por Ordem ou Conselho de Classe legalmente reconhecido, ou Carteira Nacional de Habilitação, com fotografia e assinatura, na forma da Lei Federal nº 9.503/97)

3.5- Após o preenchimento do formulário eletrônico, o candidato deverá imprimir o documento para o pagamento da taxa de inscrição. Esse será o seu registro provisório de inscrição.

3.6- O pagamento da taxa de inscrição deverá ser efetuado nas agências da Caixa Econômica Federal ou nas agências lotéricas credenciadas pela CEF, com o boleto bancário impresso (não será aceito pagamento por meio de depósito ou transferência entre contas).

3.7- Em nenhuma hipótese, será processado qualquer registro de pagamento com data posterior ao dia 07 de outubro de 2007. As solicitações de inscrições realizadas com pagamento após esta data não serão acatadas.

3.8- O candidato, antes do recolhimento da taxa, deverá certificar-se de que possui todas as condições e pré-requisitos para sua inscrição, pois a taxa, uma vez paga, não será restituída em qualquer hipótese, salvo se for cancelada a realização do Concurso Público pretendido. Não haverá, em hipótese alguma, isenção de pagamento da taxa de inscrição.

3.9- O processo de inscrição somente se completará com o correto preenchimento de todos os campos obrigatórios estabelecidos na ficha de inscrição e com o recolhimento do valor correto da referida taxa.

3.10- O candidato terá sua inscrição homologada somente após o recebimento, pela Prefeitura Municipal do Rio Grande, através das agências bancárias, da confirmação do pagamento de sua taxa de inscrição, no valor estipulado neste Edital. Como todo o procedimento é realizado por via eletrônica, o candidato NÃO deverá remeter à Divisão de Seleção e Treinamento cópia da sua documentação, sendo de sua exclusiva responsabilidade a informação dos dados no ato da inscrição, sob as penas da lei.

3.11- O pagamento da taxa de inscrição realizado com cheque sem provisão de fundos acarretará o cancelamento automático da mesma.

3.12- As informações prestadas na ficha de inscrição, bem como o preenchimento dos requisitos exigidos serão de total responsabilidade do candidato.

3.13- Falhas, omissões ou inverdades contidas nas informações prestadas pelo candidato, no momento da inscrição, tornarão nula a mesma em qualquer fase do Concurso.

3.14- O candidato portador de deficiência deverá declará-la no formulário de inscrição, no campo específico para esse fim. O que assim não proceder não terá o direito às vagas reservadas aos que se enquadram nesta condição e não receberá atendimento especial, não cabendo a interposição de recurso em favor da situação.

3.15- O candidato portador de deficiência deverá entregar atestado médico, em receituário próprio, comprovando a espécie e o grau ou nível de deficiência de que é portador, indicando, obrigatoriamente, a sua classificação nos termos do Código Internacional de Doenças (CID), nos dias 08 e 09 de outubro de 2007, das 9h às 11h e das 14h às 17h, na "Sala de Concursos" -Divisão de Seleção e Treinamento - prédio da Secretaria Municipal da Administração, sito à Rua General Osório nº 536, CEP 96200-400, Rio Grande , RS, ou encaminhá-lo pelo Correio, através de SEDEX, para o endereço e prazo acima mencionados. Somente serão aceitos os atestados postados por SEDEX dentro do referido prazo.

3.16- Somente serão aceitos atestados médicos recentes, emitidos até noventa (90) dias antes da data de publicação deste Edital.

3.17- Caso o candidato portador de necessidades especiais não apresente o laudo médico até o prazo determinado, não será considerado nesta condição para concorrer às vagas reservadas, não tendo direito à vaga especial, seja qual for o motivo alegado, mesmo que tenha assinalado tal opção na ficha de inscrição, passando a constar apenas na listagem geral de todos os candidatos.

3.18- O candidato com deficiência será submetido à avaliação da equipe multiprofissional, para a verificação da compatibilidade de sua deficiência com o exercício das atribuições do cargo pretendido, no dia 11 de outubro de 2007, às 9 horas, na Sala de Concursos - prédio da Secretaria Municipal da Administração.

3.19- O resultado da avaliação dos candidatos portadores de necessidades especiais será divulgado no dia 15 de outubro, às 16 horas, na Sala de Concursos - Prédio da SMA.

3.20- No caso da equipe multiprofissional concluir pela inexistência da deficiência declarada no formulário de inscrição, atestada pelo laudo médico constante do subitem 3.15 deste Edital, ficará sem efeito a opção por concorrer a vagas destinadas a deficientes. Se a avaliação concluir pela incompatibilidade da deficiência com o exercício das atribuições do cargo que aspira, o candidato será eliminado do Concurso por não estar apto para o seu exercício.

3.21- O candidato portador de deficiência que necessitar de atendimento especial para realização da Prova Escrita deverá indicá-lo na ficha de inscrição e formalizar sua solicitação, por escrito, à Divisão de Seleção e Treinamento, encaminhando-a através do Protocolo Geral da SMA, na Rua General Osório nº 536, Rio Grande, RS, no período de 15 a 17 de outubro de 2007, das 12h 30 min às 17 h, ou enviando-a por SEDEX, no endereço e prazo mencionados, para que sejam tomadas as providências necessárias, a partir de critérios de viabilidade e de razoabilidade.

3.22- Não ocorrendo aprovação de candidatos portadores de deficiência em número suficiente para o preenchimento das vagas reservadas, dessas serão preenchidas pelos demais candidatos aprovados, com estrita observância de classificação geral e final do Concurso.

3.23- Ao candidato portador de necessidades especiais serão reservadas dez por cento (10%) das vagas oferecidas por cargo neste concurso.

4- Características dos Cargos: MÉDICO GENERALISTA

4.1 - Atribuições Gerais:

· realizar cirurgias de pequeno porte em postos de saúde da rede de saúde pública, sob gerenciamento da SMS, em regime de plantões, incluindo os períodos diurno, noturno, fins de semana e feriados;

· participar e/ou coordenar programas de prevenção e promoção da saúde propostos pela SMS;

· participar em eventos especiais ligados à saúde quando escalado pela Supervisão da Secretaria, incluindo atendimento em unidade móvel médico-odontológica;

· participar de ações comunitárias de saúde e outros programas especiais mantidos pela Secretaria;

· executar outras tarefas correlatas ao cargo.

4.1.1 - Condições de Trabalho:

a) Regime de Trabalho: conforme regulamento

b) Regime de Trabalho Especial: O exercício da função poderá exigir a prestação de serviço à noite, aos sábados, aos domingos e aos feriados, bem como a prestação de serviços no interior de Município.

4.1.2 - Requisitos para Provimento:

Escolaridade: Curso Superior de Medicina

4.1.3 - Vencimento: R$ 789,46

4.1.4 - Vagas: 03

OPERADOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS

4.2- Atribuições Gerais:

· regular e manter as máquinas e os implementos agrícolas;

· arar e gradear o solo;

· realizar o plantio de culturas;

· encanteirar e sulcar o solo;

· colher milho e sorgo para formação de silagem;

· transportar insumos;

· utilizar rotativas agrícolas e outras atividades relacionadas aos tratos culturais;

· realizar outras tarefas correlatas ao cargo.

OBS.: O candidato deverá operar sabendo acoplar os implementos agrícolas, como: arado, grade, roçadeira, enciladeira e pulverizador. No final de três (03) anos (período do estágio probatório), deverá operar todas as máquinas e implementos agrícolas que a Prefeitura Municipal dispõe, a seguir enumeradas:

1) 1 Trator Ford 5.630;

2) 1 Trator Ford 5.610;

3) 1 Trator Ford 4.610;

4) 1 Trator Ford TL 80;

5) 1Trator TL75;

6) 1 Trator Ford 4.660;

7) 1 Grade de Arrasto 32 Discos;

8) 2 Grades Hidráulicas 26 Discos;

9) 1 Aradoura de 8 Discos;

10) 2 Arados de 3 Discos Hidráulicos;

11) 1 Arado de 5 Discos Hidráulicos;

12) 1 Roçadeira;

13) 1 Carreta Agrícola de quatro rodas;

14) 2 Carretas Agrícolas de duas rodas;

15) 2 Máquinas de Silagem;

16) 1 Máquina Colheitadeira de Milho;

17) 1 Pulverizador;

18) 1 Plantadeira e Adubadeira.

4.2.1 - Condições de Trabalho:

De acordo com a Secretaria em que for lotado.

4.2.2 - Requisitos para provimento:

a) Escolaridade: 4ª série do Ensino Fundamental;

b) Habilitação Funcional: Carteira Nacional de Habilitação - Categoria C.

4.2.3 - Vencimento: R$ 357,08

4.2.4-Vagas: 06

FISCAL AMBIENTAL

4.3 - Atribuições Gerais:

· fornecer informações e emitir pareceres técnicos pertinentes aos processos de licenciamento;

· promover a fiscalização de atividades licenciadas ou em processo de licenciamento e desenvolver tarefas de controle e de monitoramento ambiental;

· promover a apuração de denúncias e exercer a fiscalização sistemática do meio ambiente no município;

· trazer ao conhecimento da pessoa ou órgão responsável qualquer agressão ao meio ambiente, independente de denúncia;

· emitir laudos de vistoria, autos de constatação, notificação, embargos, ordens de suspensão de atividades, autos de infração e multas, em cumprimento da legislação ambiental municipal e demais legislação pertinentes;

· promover a apreensão de equipamentos, materiais e produtos extraídos, produzidos, transportados, armazenados, instalados ou comercializados em desacordo com a legislação ambiental;

· executar perícias dentro de suas atribuições profissionais, realizar inspeções conjuntas com equipes técnicas de outras instituições ligadas à preservação e ao uso sustentável dos recursos naturais;

· exercer o poder de polícia ambiental e, em especial, aplicar as sanções administrativas previstas na legislação ambiental municipal, aplicando subsidiariamente a Lei Federal nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998.

4.3.1 - Condições de Trabalho:

a) Horário: Conforme o regulamento.

b) Outras: o exercício do cargo poderá exigir a eventual prestação de serviços à noite, aos domingos e feriados, bem como a prestação de serviços em todo o âmbito territorial do Município.

4.3.2 - Requisitos para Provimento:

a) Instrução: Nível Superior

b) Habilitação Funcional: Geólogo, Oceanógrafo, Ecólogo, Biólogo, Geógrafo, Engenheiro Agrônomo, Engenheiro Químico, Engenheiro Sanitarista, Engenheiro Ambiental, Engenheiro Florestal.

4.3.3 - Vencimento: R$ 789,46

4.3.4 - Vagas: 02

AGENTE DE FISCALIZAÇÃO DE TRÂNSITO E TRANSPORTES

4.4 - Atribuições Gerais:

· executar a fiscalização de trânsito nos termos da legislação federal pertinente, orientando pedestres, condutores de veículos e notificando os infratores;

· sugerir medidas de segurança relativas à circulação de veículos e pedestres, bem como as concernentes à sinalização de trânsito nas vias urbanas municipais;

· orientar ciclistas e condutores de animais;

· auxiliar no planejamento, na regulamentação e nos aspectos operacionais do trânsito, dando ênfase à segurança;

· fiscalizar o cumprimento da sinalização de trânsito;

· auxiliar na coleta de dados estatísticos e em estudos sobre a circulação de veículos e pedestres;

· lavrar ocorrências de trânsito e, quando for o caso, providenciar a remoção dos veículos infratores;

· fiscalizar o cumprimento das normas gerais de trânsito e também daquelas relacionadas aos estacionamentos e paradas de ônibus, táxi, ambulâncias e veículos especiais;

· participar de projetos de orientação, educação e segurança de trânsito;

· vistoriar veículos em questões de segurança, higiene, manutenção, carga, etc.;

· exercer outras atividades de fiscalização, especialmente as relacionadas com o art. 24 do Código de Trânsito Brasileiro e suas alterações, instituído pela Lei Federal nº 9.503, de 23 de setembro de 1997;

· operar o trânsito quando da realização de eventos especiais, tais como "shows", jogos de futebol, feiras, atividades comunitárias e outros;

· providenciar e manter o isolamento de locais de acidentes em vias públicas;

· providenciar desvio de trânsito quando a via pública estiver intransponível ou causando riscos à circulação, tais como inundação, incêndio, obras, buracos;

· utilizar corretamente o uniforme previsto para a função, bem como zelar pela apresentação pessoal;

· portar documentos e equipamentos, utilizando-os corretamente;

· dirigir veículos e motos;

· orientar, inspecionar e exercer a fiscalização em calçamentos e logradouros públicos, sinaleiras, transportes coletivos, terminais, itinerários, tarifas, tabelas e horários, bem como quanto ao estado de conservação, segurança e higiene dos ônibus, táxis-lotação e veículos de transporte escolar;

· fiscalizar a operação de embarque e desembarque dos usuários de ônibus urbanos e interurbanos;

· verificar o número de ônibus em serviço, exercendo o controle das estações ordenadoras e terminais do centro e dos bairros;

· controlar a lotação de passageiros;

· verificar a documentação de motoristas, cobradores e largadores em serviço;

· exercer o controle em pontos de embarque de táxis;

· emitir autos de infração;

· prestar informações sobre transporte público;

· participar de eventos especiais de trânsito e outros;

· receber reclamações ou sugestões sobre o sistema de transporte viário;

· auxiliar no planejamento e execução de trabalhos técnicos na área de trânsito e transporte urbano;

· registrar quaisquer irregularidades verificadas nas áreas suscetíveis de fiscalização pelo Município, incluindo as relativas ao trânsito;

· executar outras tarefas correlatas;

4.4.1 - Condições de Trabalho:

a) Conforme regulamento.

b) Outras: o exercício do cargo poderá exigir a eventual prestação de serviços à noite, aos domingos e feriados, bem como a prestação de serviços em todo o âmbito territorial do Município.

4.4.2 - Requisitos para Provimento:

a) Escolaridade: Ensino Médio

b) Habilitação Funcional: Carteira Nacional de Habilitação - Categoria: AB

4.4.3 - Vencimento: R$ 395,94

4.4.4 - Vagas: 02

5 - Das Condições do Provimento:

São requisitos básicos para o ingresso no serviço municipal:

a) Ser brasileiro preenchendo os requisitos em Lei, ou estrangeiro na forma da Lei;

b) Ter, no mínimo, 18 anos de idade completos na data da nomeação;

c) Estar quite com as obrigações militares e eleitorais;

d) Gozar de boa saúde física e mental;

e) Atender às condições descritas para o cargo;

f) Não ter antecedentes criminais;

g) Ter sido aprovado no Concurso Público, na forma estabelecida neste Edital;

h) Possuir, na data da nomeação, a escolaridade específica exigida para cada Concurso de que trata este Edital;

i) Preencher as condições e entregar os documentos comprobatórios no curso dos procedimentos para a nomeação, sob pena de anulação de todos os atos decorrentes da inscrição.

6 - Da Homologação das Inscrições:

6.1- A lista dos candidatos, por cargo em concurso, que tiveram suas incrições homologadas, estará no site da Prefeitura Municipal do Rio Grande e da FUNCEFET, a partir do dia 17 de outubro de 2007, às 16 horas. Da não homologação, cabe recurso, que poderá ser formulado conforme o previsto no item 6.2 deste Edital.

6.2- Os recursos interpostos contra decisão que não homologar a inscrição no Concurso e contra decisão que acolher parecer emitido pela Comissão Permanente de Avaliação dos Portadores de Necessidades Especiais, conforme subitem 3.20 deste Edital, deverão ser formulados no prazo de dois (02) dias úteis, a contar da data de Homologação das Inscrições (18 e 19 de outubro), mediante requerimento dirigido ao Senhor Prefeito Municipal, encaminhado através do Protocolo Geral - prédio da SMA, das 12h 30min às 17h.

6.3- A resposta aos recursos interpostos mencionados no subitem 6.2 deste Edital será divulgada a partir do dia 22 de outubro de 2007, no horário e local acima citados.

7- Das Provas:

Os candidatos inscritos nos Concursos Públicos para os cargos de:

. MÉDICO GENERALISTA: serão submetidos a uma Prova Escrita com questões objetivas de múltipla escolha.

· OPERADOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS: serão submetidos a uma Prova Escrita com questões objetivas de múltipla escolha e uma Prova Prática.

· FISCAL AMBIENTAL: serão submetidos a uma Prova Escrita com questões objetivas de múltipla escolha.

· AGENTE DE FISCALIZAÇÃO DE TRÂNSITO E TRANSPORTES: serão submetidos a uma Prova Escrita com questões objetivas de múltipla escolha.

8 - Da Prova Escrita:

8.1 - A Prova Escrita será realizada em uma única etapa, sendo composta de: - Língua Portuguesa: 15 questões,

- Conhecimentos Específicos: 25 questões.

8.1.1 - A Prova Escrita para os cargos de Médico Generalista, Fiscal Ambiental, Agente de Fiscalização de Trânsito e Transportes será composta de quarenta (40) questões, valendo dois e meio (2,5) pontos cada uma.

8.1.2 - A prova escrita para o cargo de Operador de Máquinas Agrícolas será composta por quarenta (40) questões, com valor de um (01) ponto cada uma.

9 - Da Avaliação da Prova Escrita:

9.1 - Para todos os cargos, a Prova Escrita terá caráter eliminatório e classificatório.

9.2 - A Prova Escrita, para o cargo de Operador de Máquinas Agrícolas, será valorizada na escala de zero (0) a quarenta (40) pontos, sendo aprovado o canditato que alcançar, no mínimo, vinte e um (21) acertos.

9.3 - A Prova Escrita para os cargos de Médico Generalista, Fiscal Ambiental e Agente de Fiscalização de Trânsito e Transportes será valorizada na escala de zero (0) a cem (100) pontos, sendo aprovado o candidato que alcançar vinte e um (21) acertos.

10 - Da Realização da Prova Escrita:

10.1- Local: FURG (Campus Carreiros)

10.2- Data: 11 de novembro de 2007

Secretaria Municipal da Administração

10.3 - Horário: das 08h às 12h

10.4 - A distribuição dos candidatos por cargo e por sala de aula será divulgada no dia 31 de outubro de 2007, a partir das 16h, na Sala de Concursos e no site da Prefeitura Municipal do Rio Grande.

10.5 - O candidato deverá comparecer ao local determinado para a realização da prova com antecedência mínima de 30 (trinta) minutos, munido da Carteira de Identidade, do Boleto Bancário pago e de duas canetas de cor azul ou preta.

10.6 - Não será aceita cópia da Carteira de Identidade, ainda que autenticada, nem protocolo deste documento.

10.7- Será vedado o acesso ao local da realização da prova ao candidato que se apresentar após o horário estabelecido para o início da mesma.

10.8 - Não haverá segunda chamada para a realização da prova, seja qual for o motivo alegado.

10.9 - As provas serão somente nos horários e locais estabelecidos neste Edital, exceto ao candidato que apresentar, na data da realização da prova, enfermidade que o impessa de locomover-se - mediante atestado médico-o qual deverá ser entregue com, no mínimo, vinte e quatro (24) horas de antecedência, à Divisão de Seleção e Treinamento, a fim de que a Comissão Permanente possa enviar um (01) Fiscal devidamente credenciado para a aplicação da prova no local indicado.

10.10 - O prazo de duração da Prova Escrita será de 04 (quatro) horas, somente podendo o candidato entregar o Cartão de Respostas após 01 (uma) hora do início da mesma. Se assim não proceder, será excluído do Concurso mediante preenchimento do termo de Infração.

10.11 - O candidato só poderá levar consigo o Caderno de Questões depois de transcorridas 02 (duas) horas do início da prova.

10.12 - A candidata que tiver necessidade de amamentar, durante a realização da prova, deverá levar acompanhante, que ficará em sala reservada e será responsável pela guarda da criança.

10.13 - A Prova Escrita será constituída por questões objetivas, contendo quatro (04) alternativas para resposta, das quais apenas uma (01) será correta, sendo de inteira responsabilidade do candidato o correto preenchimento do Cartão de Respostas e sua integridade.

10.14 - As questões da Prova Escrita serão embasadas em programa e bibliografia indicados no Anexo I deste edital.

10.15 - É direito da Comissão Examinadora organizar as questões da Prova Escrita de forma a perquirir qualquer conteúdo, enfatizando qualitativa e quantitativamente os aspectos que acredite relevantes e devam ser questionados junto ao candidato, sendo observados os programas e as referências bibliográficas indicadas.

10.16- Excepcionalmente, a Comissão Examinadora poderá considerar qualquer questão da Prova Escrita quanto ao seu mérito, ao uso de termos ou conceitos e à sua formação, desde que possa gerar dúvidas na interpretação por parte do candidato.

10.17- Se a Comissão Examinadora computar ponto em qualquer questão da Prova Escrita, o benefício será estendido a todos os candidatos.

10.18- A Prova Escrita será composta por um Caderno de Questões e o Cartão de Respostas.

10.19 - O Caderno de Questões é o espaço no qual o candidato pode usar todo o seu recurso para chegar à resposta adequada, permitindo-se rabisco e rasura em qualquer folha.

10.20 - A correção da Prova Escrita será realizada por meio eletrônico.

10.21 - No Caderno de Questões, constará uma capa com todas as instruções relativas à prova.

10.22 - A assinatura do candidato será registrada em ata, durante a realização da prova.

10.23 - O Cartão de Respostas é o documento único e final que será considerado válido pela Comissão Examinadora para contagem dos pontos alcançados pelo candidato.

10.24 - Em hipótese alguma, a Comissão Examinadora irá considerar, para pontuação, o Caderno de Questões.

10.25 - Durante a realização da prova não será permitido ao candidato, sob pena de anulação da mesma, mediante preenchimento de Termo de Infração:

a) comunicar-se com os demais candidatos ou pessoas estranhas ao Concurso;

b) consultar livros ou apontamentos, bem como utilizar instrumentos próprios, salvo os expressamente permitidos;

c) emitir opiniões ou promover discussões;

d) utilizar máquina calculadora, "pager", fones de ouvido, telefone celular e qualquer outro aparelho eletrônico ou similar;

e) ausentar-se do recinto, a não ser momentaneamente, em casos especiais, e na companhia do fiscal;

f) colocar, no Cartão de Respostas, sinal ou expressão que possibilite sua identificação;

g) portar-se inconvenientemente, perturbando, de qualquer forma, o bom andamento das atividades;

h) tratar com descortesia qualquer dos examinadores, executores e seus auxiliares, bem como autoridades presentes;

i) estar acompanhado de pessoas estranhas ao Concurso nas dependências do local onde for aplicada a prova.

10.26 - Não será permitida a permanência de candidato que encerrou a prova, de acompanhante de candidato ou de pessoas estranhas ao Concurso nas dependências do local onde for aplicada a prova.

10.27 - Será atribuída nota ZERO ao candidato que não comparecer à prova ou que se recuse em realizar a mesma.

10.28 - Na Divisão de Seleção e Treinamento, os candidatos poderão examinar seus respectivos Cartões de Respostas, verificando os pontos que lhes foram conferidos, os erros ou omissões havidos e quaisquer outros pormenores relativos à Prova Escrita, sendo-lhes facultado pedir verificação da uniformidade no critério de correção, após o encerramento do processo classificatório.

11 - Da Divulgação dos Resultados Parciais:

11.1 - Os gabaritos das Provas Escritas serão divulgados em órgão locais de imprensa escrita e falada.

11.2 - A pontuação da Prova Escrita será divulgada no dia 20 de novembro de 2007, na Sala de Concursos e no site www.riogrande.rs.gov.br e www.funcefet.org.br, a partir das 16 horas.

11.3 - Os resultados parciais das provas serão divulgados por cargos , no dia 19 de dezembro de 2007, a partir das 16h, na Sala de Concursos - prédio SMA, site www.riogrande.rs.gov.br, e www.funcefet.org.br.

12- Da Realização da Prova Prática para OPERADOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS:

12.1 - Datas: 08 e 09 de dezembro de 2007.

12.2 - Local: Horto Municipal do Povo Novo

12.3 - Horário: 8 horas

12.4 - Tempo de duração: até 45 minutos

12.5 - A realização da Prova Prática dependerá das condições climáticas e da trababilidade do solo. Caso não exista condições na data acima determinada, será divulgado um novo calendário para a realização da mesma.

12.6 - Aos primeiros vinte (20) candidatos classificados na Prova Escrita será aplicada a Prova Prática.

12.7 - A Prova Prática, a ser executada pelos candidatos, será composta por tarefas relacionadas com as atribuições do cargo pretendido.

12.8 - Os candidatos que apresentarem a mesma nota na última colocação entre os vinte (20) chamados serão desempatados a partir dos seguintes critérios:

- maior nota na Prova de Conhecimentos Específicos;

- sorteio público.

12.9 - Em caso de gabaritar a Prova Escrita um número de candidatos que exceda os vinte (20) previstos para realizar a Prova Prática, a seleção será feita através de sorteio público.

12.10 - Caso ocorra sorteio público, esse será realizado no dia 03 de dezembro de 2007, às 14h e 30min, na SMA, sito à Rua General Osório nº 536.

13 - Da Realização e Avaliação da Prova Prática para OPERADOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS:

13.1 - O candidato deverá comparecer ao local determinado para realização da prova com antecedência mínima de 30 (trinta) minutos munido do documento de identidade e da Carteira Nacional de Habilitação (categoria "C").

13.2 - Os candidatos deverão ficar à disposição da Comissão Examinadora durante o período de realização de sua prova, não lhes sendo permitido ausentarem-se do local determinado sem terem realizado as tarefas inerentes à sua avaliação. A listagem que determina o dia e horário de realização da prova, de cada candidato, será devidamente publicada nos sites da Prefeitura e da FUNCEFET, e no Saguão da SMA, sito a Rua General Osório nº 536, no dia 05 de dezembro de 2007.

13.3 - Será vedado o acesso ao local da realização da prova ao candidato que se apresentar após o horário estabelecido para o início da mesma.

13.4 - Não haverá segunda chamada para realização da prova.

13.5 - É direito da Comissão Examinadora organizar as tarefas da Prova Prática de forma a avaliar os aspectos que acredite relevantes para o exercício do cargo, sendo observados os critérios constantes no subitem deste Edital.

13.6 - A assinatura do candidato será registrada em ata, durante a realização da prova.

13.7 - Durante a realização da Prova Prática, não será permitido ao candidato, sob a pena de anulação da mesma, mediante preenchimento de Termo de Infração:

a) emitir opiniões ou promover discussões;

b) portar-se inconvenientemente, perturbando o bom andamento das atividades;

c) ser descortês com os examinadores, executores e seus auxiliares, bem como autoridades presentes;

d) estar acompanhado de pessoas estranhas ao Concurso no local onde for aplicada a prova.

13.8 - Será conferida nota ZERO ao candidato que não comparecer à prova ou aquele que se recuse em realizar a mesma.

13.9 - O tempo de execução das tarefas será de até 45 (quarenta e cinco) minutos.

13.10 - A Prova Prática avaliará o domínio na execução das tarefas, levando-se em conta:

- segurança na execução;

- habilitação e destreza;

- demonstração de conhecimentos específicos;

- tempo de execução;

- uso adequado de equipamentos.

13.11 - A Prova Prática terá caráter eliminatório e classificatório.

13.12 - A Prova Prática será valorizada na escala de zero (0) a sessenta (60) pontos.

13.13 - O candidato será considerado aprovado na Prova Prática se obtiver, no mínimo, 31 pontos.

13.14 - Os candidatos deverão apresentar-se vestidos e calçados adequadamente para a realização das tarefas.

13.15 - Os candidatos deverão estar aptos a operar qualquer equipamento, independente da marca, do modelo e do ano.

14- Das Comissões Organizadora e Examinadora:

As Comissões Organizadora e Examinadora serão compostas por profissionais da Fundação de Apoio ao Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas, e da Prefeitura Municipal do Rio Grande.

15 - Da Revisão da Prova Escrita:

15. 1 - O pedido de revisão da Prova Escrita deverá ser dirigido à Divisão de Seleção e Treinamento, nos dias 22 e 23 de novembro de 2007, das 12h e 30 min às 17 h, mediante requerimento encaminhado através do Protocolo Geral, contendo:

a) nome completo e número de inscrição do candidato;

b) indicação do Concurso em realização;

c) objeto do pedido e exposição detalhada das razões que o motivaram.

15.2 - A identificação do candidato (nome e assinatura) só poderá constar na folha do requerimento, ficando, portanto, expressamente vedada qualquer identificação do mesmo nas folhas que integram as razões que fundamentam o recurso.

15.3 - Não serão considerados os pedidos de revisão formulados fora do prazo, de forma inadequada ou que não contenham os elementos indicados anteriormente.

15.4 - O resultado da avaliação de recursos interpostos será divulgado no dia 03 de dezembro de 2007, para todos os cargos, a partir das 14h na Sala de Concursos - SMA, situada a Rua General Osório nº 536.

15.5 - Não caberá recurso decorrente do preenchimento incorreto do Cartão de Respostas.

16 - Da Classificação Final:

16.1 - A classificação final será feita na ordem decrescente, a partir da pontuação máxima obtida, individualmente, por todos os concorrentes inscritos em cada Concurso.

16.2 - Serão divulgados dois (02) relatórios de classificação final por cargos. O primeiro conterá o resultado dos candidatos portadores de necessidades especiais . O segundo conterá o resultado dos demais candidatos.

16.3 - O desempate entre candidatos que obtiverem a mesma média final obedecerá, na ordem, por Cargos, aos seguintes critérios:

a) MÉDICO GENERALISTA

. maior número de pontos obtidos nas questões de Conhecimentos Específicos, . sorteio público.

b) OPERADOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS

. maior nota na Prova Prática,

. maior número de pontos obtidos nas questões de Conhecimentos Específicos, . sorteio público.

c) FISCAL AMBIENTAL

· maior número de pontos obtidos nas questões de Conhecimentos Específicos,

· sorteio público.

d) AGENTE DE FISCALIZAÇÃO DE TRÂNSITO E TRANSPORTES

· maior número de pontos obtidos nas questões de Conhecimentos Específicos,

· sorteio público.

16.4 - Para os candidatos ao cargo de OPERADOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS, que realizarão a Prova Escrita e forem aprovados na Prova Prática, a NOTA DE CLASSIFICAÇÃO FINAL será o resultado da soma dos pontos obtidos nas mesmas, sendo considerados aprovados os que obtiverem, no mínimo, 52 (cinqüenta e dois) pontos na média final.

16.5 - O resultado da Prova Prática será divulgado no dia 12 de dezembro de 2007, às 16 horas, na Sala de Concursos - prédio da SMA.

16.6 - O sorteio público, se necessário, ocorrerá no dia 19 de dezembro de 2007, às 14 horas, na SMA, situada à Rua General Osório nº 536.

16.7 - A publicação do Edital de Homologação dos Resultados Finais dos Concursos será no dia 28 de dezembro de 2007, a partir das 16 horas, na Sala de Concursos e no site da Prefeitura Municipal do Rio Grande e FUNCEFET.

17 - Da Nomeação e Posse:

17.1 - A nomeação obedecerá à ordem de classificação dos candidatos, por Concurso, e será efetivada de acordo com as necessidades, a existência de cargos vagos e o interesse da Administração Municipal.

17.2 - A Secretaria Municipal de Administração convocará os candidatos para comparecerem à Divisão de Pessoal Ativo, a fim de manifestarem interesse pela nomeação e encaminharem os exames médicos complementares de ingresso, através de:

a) correspondência com aviso de recebimento, por meio da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT, concedendo ao candidato o prazo de quinze (15) dias, a contar da data de publicação do Edital de Nomeação, para o encaminhamento da documentação e dos exames médicos solicitados, a fim de ser efetivado o ato de posse;

b) edital a ser publicado na imprensa escrita e afixado em painel existente para este fim, no saguão do prédio da Secretaria Municipal de Administração, determinando o prazo para o comparecimento.

17.3 - Se, no prazo mencionado no item 17.2, não ocorrer interesse na nomeação, formalizado através do comparecimento à Divisão de Pessoal Ativo para assinatura do Termo de Responsabilidade, o candidato será considerado desistente.

17.4 - O candidato deverá comunicar à Divisão de Pessoal Ativo a mudança de endereço residencial, sendo de sua inteira responsabilidade fornecê-lo de maneira completa. A Prefeitura Municipal do Rio Grande não se responsabilizará por eventuais prejuízos ao candidato decorrentes de:

a) endereço desatualizado;

b) endereço de difícil acesso;

c) correspondência devolvida pela ECT por razão de fornecimento de endereço errado do candidato;

d) correspondência recebida por terceiros.

e) atraso na entrega das correspondências por parte da ECT.

17.5- Para nomeação, o candidato classificado deverá submeter-se a exames médicos, podendo, conforme circunstância, ser exigido exame psicológico.

17.6 - Para nomeação e posse deverão ser entregues:

a) Carteira de Identidade Civil ou Militar;

b) Diploma do Curso Superior com habilitação legal para o exercício da profissão para o cargo de Médico Generalista, e Diploma do Curso Superior para o cargo de Fiscal Ambiental;

c) Certificado de escolaridade (a partir da 4ª série do Ensino Fundamental) e Carteira Nacional de Habilitação - categoria "C", para o cargo de Operador de Máquinas Agrícolas;

d) Certificado de escolaridade (Ensino Médio) e Carteira Nacional de Habilitação - categoria "AB" para o cargo de Agente de Fiscalização de Trânsito e Transportes;

e) Título de Eleitor ou Certidão fornecida pelo Tribunal Regional Eleitoral, provando estar quite com as obrigações eleitorais;

f) Certificado de Reservista ou isenção do Serviço Militar, se for o caso;

g) CPF;

h) PIS ou PASEP, se cadastrado;

i) Certidão de Nascimento, Casamento ou Divórcio;

j) Certidão de Nascimento de filhos menores de 21 anos ou Termo de Adoção ou Guarda, conforme o caso;

k) 01 (uma) foto 3x4cm recente;

l) Carteira de Habilitação do Conselho Regional com comprovante de pagamento da taxa atualizado;

m) Folha Corrida Policial (documento original);

n) Folha Corrida Judicial (documento original);

o) Declaração de Bens;

p) Declaração de Trabalho. Exames Médicos:

a) Hemograma;

b) Creatinina;

c) Glicemia;

d) EQU;

e) RX de tórax PA;

f) ECG (acima de 40 anos);

g) Otorrinolaringológico;

h) Oftalmológico.

17.7 - A documentação mencionada no item 17.6 deverá ser apresentada sob forma de fotocópia autenticada ou xerox com original para identificação no local, com exceção aos subitens "m" e "n".

17.8- A candidata grávida fica isenta de submeter-se ao exame de Raio X.

17.9- O candidato aprovado, que não apresentar a documentação exigida completa, bem como os exames médicos completos, não será nomeado, anulando-se todos os atos ou efeitos decorrentes da inscrição no Concurso.

18- Da Validade dos Concursos:

Os Concursos terão validade por dois (02) anos, a contar da data de publicação da homologação dos resultados finais, podendo ser prorrogável uma vez, por igual período, se houver candidatos em reserva técnica.

19 - Das Disposições Gerais e Finais:

19.1 - A inexatidão das informações e irregularidade de documentação, ainda que verificadas posteriormente, eliminarão o candidato do Concurso, anulando-se todos os atos decorrentes da inscrição.

19.2 - Os programas e bibliografias das provas, constantes nos anexos, são partes integrantes deste Edital.

19.3 - A inscrição e nomeação do candidato importará no conhecimento das instruções e das normas expressas neste Edital e na aceitação tácita das exigências nele contidas, tais como se acham estabelecidas, sob as penas da lei.

19.4 - É de inteira responsabilidade do candidato acompanhar a publicação de todos os atos, editais e comunicados referentes a este Concurso Público.

19.5 - O Prefeito, no prazo de cinco (05) dias úteis, contados a partir do recebimento dos resultados finais, os quais serão encaminhados com circunstanciado relatório pela Divisão de Secretaria Municipal da Administração Seleção e Treinamento, homologará a classificação dos candidatos aprovados no Concurso.

19.6 - Após a homologação do Concurso pelo Prefeito Municipal do Rio Grande, os resultados finais serão publicados no site da Prefeitura Municipal e da FUNCEFET.

19.7 - Os procedimentos desse Concurso obedecem às normas do Decreto nº 8.893/2005.

19.8 - Os casos omissos neste Edital serão submetidos a exame da Comissão Permanente de Concursos Públicos, sendo sua opinião ratificada pela Procuradoria Jurídica do Município, mediante parecer por escrito e despacho homologatório do Prefeito Municipal.

Rio Grande, 14 de setembro de 2007

Neusa Maria Zanella Atallah
Chefe da Divisão de Seleção e Treinamento

Alessandro Goldbeck Machado
Diretor da URH

Paulo Rogério Mattos Gomes
Secretário Municipal de Administração

ANEXO I- PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS

LÍNGUA PORTUGUESA -ENSINO MÉDIO E SUPERIOR

Interpretação de texto

Textualidade e estilo

2.1. Coesão e Coerência

2.2. Denotação e Conotação

2.3. Figuras de Linguagem

2.4. Sinonímia e Antonímia

2.5. Homonímia e Paronímia

2.6. Níveis de Linguagem

2.7. Tipos de Discurso Fonética e fonologia

3.1. Ortografia

3.2. Acentuação Gráfica

3.3. Crase

3.4. Emprego dos porquês

3.5. Emprego do hífen Morfologia

4.1. Emprego das classes gramaticais

4.2. Processo de formação de palavras

Sintaxe

5.1. Pontuação

5.2. Regência verbal e nominal

5.3. Concordância verbal e nominal

5.4. Colocação pronominal

BIBLIOGRAFIA

CEREJA, W.; MAGALHÃES, T. Texto e interação: uma proposta de produção textual a partir de gêneros e projetos. São Paulo: Atual, 2000.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. 3a. ed.

PREFEITURA MUNICIPAL DO RIO GRANDE Secretaria Municipal da Administração Paraná: Positivo, 2006.

FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação. 5ª ed. São Paulo. Ática, 1997.

MARTINS, Dileta Silveira. Português Instrumental. Porto Alegre: Atlas, 2007.

MESQUITA, R..M. Gramática da Língua Portuguesa.São Paulo:Saraiva,1999.

SARMENTO, L. L.; TUFANO, Douglas. Português. São Paulo: Moderna, 2004.

SEGALLA, Domingos Pascoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia. Editora Nacional, 2005.

ENSINO FUNDAMENTAL

· Interpretação de texto

· Letra, fonema, sílaba

· Sinônimos e Antônimos

· Classes Gramaticais:

4.1. Artigo definido e indefinido

4.2. Verbo (Presente, Pretérito e Futuro)

4.3. Adjetivo

4.4. Pronome pessoal do caso reto

4.5. Substantivo

· Ortografia

· Substantivo (masculino e feminino / singular e plural)

· Adjetivo (masculino e feminino / singular e plural)

· Pontuação: ponto final, interrogação e exclamação

· Separação de sílabas

· Classificação de palavras quanto ao número de sílabas (monossílabos dissílabos, trissílabos, polissílabos)

· Frase, oração, período

· Tipos de frases: declarativa, interrogativa e exclamativa.

BIBLIOGRAFIA

CARVALHO, C.S.C.T. de; BARALDI, M. Da G.B. Construindo a escrita:leitura e interpretação de textos. 14 ed.São Paulo: àtica, 2001.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário de Língua Portuguesa. 3a ed. Paraná: Positivo, 2006

MELO, M.da C.S.; BARAUSKAS, C.M.T. Eu chego lá: No mundo da leitura e da escrita. 7 .Ed: São Paulo:Àtica, 2001.

MIRANDA, C. RODRIGUES M.L.D. Linguagem Viva. 5 . Ed. São Paulo: Àtica,1999.

CONCURSO PARA FISCAL AMBIENTAL

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

5. Constituição Federal - Organização do Estado: Meio Ambiente.

6. Constituição do Estado do Rio Grande do Sul.

7. Meio Ambiente: Sistema Nacional de Meio Ambiente - SISNAMA.

8. Sistema Estadual de Proteção Ambiental - SISEPRA.

9. Dos instrumentos da política nacional e estadual do meio ambiente.

10. Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC.

11. Licenciamento ambiental. Resíduos Sólidos

12. Flora e vegetação.

13. Código Estadual do Meio Ambiente.

14. Crimes Ambientais.

15. Infrações Administrativas.

BIBLIOGRAFIA

Legislação Federal:

Constituição Federal: 23; 24; 30; 31; 225.

Leis Federais:

Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965 - Código Florestal;

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981 - Política Nacional do Meio Ambiente;

Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 - Crimes e Infrações Administrativas contra o Meio Ambiente;

Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000 - Sistema Nacional de Unidades de Conservação.

Medidas Provisórias:

MP nº 2166-67, de 24 de agosto de 2001 - altera o Código Florestal;

MP nº 2163-41, de 23 de agosto de 2001 - altera a lei dos crimes e infrações administrativas contra o meio ambiente.

MP nº 62, de 22 de agosto de 2002, altera a lei dos crimes e infrações administrativas contra o meio ambiente.

Decretos Federais:

Decreto nº 99.274, de 06 de junho de 1990 - regulamenta Lei 6938/81;

Decreto nº 3.179, de 21 de setembro de 1999 - regulamenta a lei dos crimes e infrações administrativas ambientais.

Decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002 - regulamenta a Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000 - Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Resoluções do CONAMA:

Resolução CONAMA nº 237, de 19 de dezembro de 1997 - licenciamento ambiental;

Resolução CONAMA Nº 357, de 17 de março de 2005 - Classificação das águas.

Legislação Estadual:

Constituição do Estado do Rio Grande do Sul: arts. 250 a 259.

Leis Estaduais:

Lei nº 9.519, de 21 de janeiro de 1992 - Código Florestal Estadual.

Lei nº 10.330, de 27 de dezembro de 1994 - sistema estadual de proteção ambiental - sisepra.

Lei nº 9.921, de 27 de julho de 1992 - dispõe sobre gestão de resíduos sólidos.

Lei nº 11.520, de 03 de agosto de 2000 - Código Estadual do Meio Ambiente.

Lei n° 11.362 de 29 de julho de 1999-Introduz as modificações na Lei n°10. 330 de 27 de dezembro de 1994

Decretos Estaduais:

Decreto nº 38.356, de 01 de abril de 1988 - regulamenta a Lei nº 9.921, de 27/07/93, que dispõe sobre gestão de resíduos sólidos;

Resoluções do CONSEMA:

Resolução CONSEMA nº 04, de 28 de abril de 2000, Dispõe sobre os critérios para o exercício da competência do Licenciamento Ambiental Municipal, e dá outras providências;

Resolução CONSEMA nº 102, de 24 de maio de 2005 - licenciamento ambiental de impacto local;

Resolução CONSEMA nº 110, de 21 de outubro de 2005 - Amplia o rol de atividades da Resolução CONSEMA nº 102/2005;

Resolução CONSEMA, nº 128, de 7 de dezembro de 2006 - Padrões de emissão de efluentes líquidos no RS.

Normas Técnicas:

NBR 10004/2004 - Resíduos Sólidos - Classificação (sem os anexos).

BENJAMIN, ª H. (coordenador) Direito Ambiental das áreas protegidas - O Regime Jurídico das Unidades de Conservação. 1ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

FIORILLO, C. A. P. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Editora Saraiva, 2000.

FREITAS, V. P. de e FREITAS, G. P. de. Crimes Contra a Natureza. São Paulo: Revista dos Tribunais, 6ª edição, 2000.

MACHADO, P. A. L. Direito Ambiental Brasileiro. 10ª ed. São Paulo, Malheiros Editores Ltda, 2002.

SILVA, J. A. da. Direito Ambiental Constitucional. São Paulo: Malheiros Editores, 1994.

Sites em que a legislação ambiental pode ser encontrada:

www.planalto.gov.br

www.senado.gov.br

www.mma.gov.br

www.al.rs.gov.br

www.fepam.rs.gov.br

www.mp.rs.gov.br

www.riogrande.rs.gov.br

CONCURSO PARA MÉDICO GENERALISTA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROGRAMA DE CLÍNICA MÉDICA:

1. INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

2. CORONÁRIOPATIA ISQUÊMICA

3. ARRITMIA

4. HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

5. OBESIDADE

6. DIABETE MELLITUS

7. DISLIPIDEMIAS

8. REFLUXO GASTROESOFÁGICO

9. DOENÇA ULCEROSA GASTRODUODENAL

10. DIARRÉIA - CONSTIPAÇÃO

11. TUMORES GASTROINTESTINAIS

12. DISPEPSIA

13. HEPATITE VIRAL AGUDA

14. INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA

15. INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA CRÔNICA

16. INFECÇÃO RESPIRATÓRIA ALTA

17. INFECÇÃO RESPIRATÓRIA BAIXA

18. TUBERCULOSE

19. ASMA BRÔNQUICA

20. ZOODERMATOSES

21. INFECÇÕES CUTÂNEAS: MICOSES, IMPETIGO, FURÚNCULO, ESCABIOSE

22. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA

23. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

24. INFECÇÃO URINÁRIA ALTA

25. INFECÇÃO URINÁRIA BAIXA 5. CÓLICA RENAL

6. PROGRAMA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

1. DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA

2. ANTICONCEPÇÃO

3. SANGRAMENTO UTERINO ANORMAL

4. VULVOVAGINITES

5. PRÉ-NATAL

6. ABORTAMENTO

7. GRAVIDEZ ECTÓPICA

8. MIOMATOSE UTERINA

9. MENOPAUSA E TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL

10. NEOPLASIA DE MAMAS

11. NEOPLASIA DE COLO UTERINO

12. COMPLICAÇÕES CLÍNICAS E CIRÚRGICAS DURNTE A GESTAÇÃO

13. DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO

14. DIABETE GESTACIONAL

15. DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

PROGRAMA DE PEDIATRIA

1. CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

2. IMUNIZAÇÕES

3. INFECÇÃO RESPIRATÓRIA AGUDA DA CRIANÇA

4. DOENÇAS EXANTEMÁTICAS

5. OTITE

6. IVAS

7. DIARRÉIA

8. CONSTIPAÇÃO

9. DOR ABDOMINAL NA CRIANÇA

10. CONVULSÕES NA CRIANÇA

11. PARASITOSES NA CRIANÇA

12. DESNUTRIÇÃO NA CRIANÇA

13. DESIDRATAÇÃO

14. ANEMIA NA CRIANÇA

15. ASMA BRÔNQUICA

16. INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

17. MENINGITES

18. TUBERCULOSE

19. SÍNDROME NEFRÓTICO

20. GLOMÉRULONEFRITE

21. CARDIOPATIAS CONGÊNITAS

BIBLIOGRAFIA

CECIL TRATADO DE MEDICINA INTERNA: JAMES B. WYNGAARDEN, LLOYD

H. SMITH, CLAUDE BENNETT,EDITORA GUANABARA KOOGAN, RIO DE JANEIRO

HARRISON'S TRATADO DE MEDICINA INTERNA JAMES B. WYNGAARDEN, LLOID H. SMITH, J. CLAUDE BENNETT, EDITORA GUANABARA KOOGAN RIO DE JANEIRO

MEDICINA AMBULATORIAL: CONDUTAS CLÍNICAS EM ATENÇÃO PRIMÁRIA: BRUCE B. DUNCAN, MARIA INÊS SCHMIDT, ELZA RE. J. GIUGLIANI, EDITORA ARTES MÉDICAS SUL

PEDIATRIA BÁSICA TORA (VOLUME I E II) EDUARDDO MARCONDES, EDITORA SARVIER, SÃO PAULO

PRÁTICA PEDIÁTRICA DE URGÊNCIA, FIORI E GALVÃO

ALIMENTAÇÃO DA CRIANÇA , PERNETTA, CESAR. EDITORA ATHENEU

PEDIATRIA AMBULATORIAL, LEÃO E.; CORRÊA, E VIANNA, EDITORA ATHENEU

PEDIATRIA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, MURAHOVSCHI, JAIME

TRATADO DE GINECOLOGIA DA FEBRASGO (VOL. I E II), EDITORA REVINTER LTDA, RIO DE JANEIRO

TRATADO DE OBSTETRÍCIA DA FEBRASGO (VOL. I E II), EDITORA REVINTER LTDA, RIO DE JANEIRO

OBSTETRÍCIA, JORGE REZENDE, EDITORA GUANABARA KOOGAN, RIO DE JANEIRO

TRATADO DE GINECOLOGIA, HANS HALB, EDITORA ROCA

OBSERVAÇÃO; RECOMENDA-SE QUE SEJAM UTILIZADOS PELOS CANDIDATOS AS EDIÇÕES ATUAIS DA BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA PARA O CONCURSO EM TELA.

CONCURSO PARA OPERADOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS:

1) Regras de Segurança na operação;

2) Lastreamento do Trator;

3) Comandos e controle;

4) Uso correto de direção, embreagens e freios;

5) Orientações gerais de operação;

6) Operação do sistema hidráulico;

7) Controle remoto;

8) Tomada de potência;

9) Barra de tração;

10) Manutenção periódica, plano de manutenção, lubrificação;

11) Manutenção dos sistemas do trator;

12) Código de Trânsito;

13) Operação e manutenção da Colhedora de forragem.

BIBLIOGRAFIA

- Lei 9503 de 23/09/1997 - Código de Trânsito Brasileiro (atualizado).

- Apostila Preparação, Operação e Manutenção de Máquinas Agrícolas -SEST/SENAT.

- Manual de operação, manutenção e de peças dos tratores TL 75 e TL85

- Manual de operação, manutenção e catálogo de peças da colhedora de Forragem JM 4100 SH.

· Lei nº 9.503/97 - Código de Trânsito Brasileiro (CTB atualizado) e seus anexos

· Resolução 160/04 CONTRAN e anexo;

· Resolução 14/98 CONTRAN;

· Resolução 15/98 CONTRAN;

· Resolução 110/00 CONTRAN;

· Resolução 136/02;

· Decreto-Lei 96.044/88 - Regulamentação do Transporte de Produtos Perigosos;

· Lei Municipal nº 5.602/2002;

· Decreto nº 7.788/2001.PROGRAMA

89075

Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231