Prefeitura de Maricá - RJ

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ

ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA JUVENTUDE E ESPORTE

EDITAL Nº. 01/2006

RICARDO QUEIROZ, Prefeito Municipal de Maricá, no uso de suas atribuições legais, torna público que estarão abertas as inscrições para o CONCURSO PÚBLICO destinado ao preenchimento de vagas existentes e formação de Cadastro de Reserva para o Quadro Geral de Servidores da Prefeitura Municipal, com a execução técnico-administrativa da Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência ligada a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - FUNRIO, nos termos da Constituição Federal, da Lei Complementar n°147 de 03 de Novembro de 2006, das demais legislações pertinentes, que regulamentam a realização de concursos públicos, e das normas contidas no presente Edital.

1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1.1 O Concurso Público N° 01/2006 de acordo com a Legislação Municipal que trata da matéria, bem como por este Edital, será organizado e desenvolvido pela FUNRIO.

1.2 O Concurso Público consistirá de avaliação de conhecimentos, mediante a aplicação de Provas Objetivas para os cargos de Inspetor de Alunos e de Provas Objetivas e Prova de Títulos para os cargos de Orientador Pedagógico, Orientador Educacional, Inspetor Escolar, Professor de 1ª a 4ª séries e Professor de 5ª a 8ª séries, de acordo com a especificidade do cargo, em conformidade com o estabelecido neste Edital.

1.3 As Provas Objetivas serão realizadas no Município de Maricá. As datas, horários e locais das Provas Objetivas serão estabelecidos em conformidade com o item 8.1 deste Edital.

2 DAS VAGAS PARA DEFICIENTES

2.1 Os portadores de deficiência, assim entendidos aqueles que se enquadram nas categorias discriminadas no artigo 4º do Decreto Federal nº. 3.298/99, alterado pelo Decreto Federal nº. 5.296/04, têm assegurado o direito de inscrição no presente Concurso Público, desde que a deficiência seja compatível com as atribuições do cargo para o qual concorre.

2.2 As vagas reservadas aos portadores de deficiência, dentre as oferecidas, de acordo com o Decreto 3.298/99, serão de 5% sobre o total de vagas ofertadas para cada cargo, sendo que uma vez aplicado o percentual sobre o número de vagas, os valores resultantes igual ou acima de 0,5 serão arredondados para 1 (um) .

2.2.1 A cada 10 vagas disponibilizadas para cada cargo, 01 (uma) será reservada para portador de deficiência física.

2.3 Os candidatos portadores de deficiência participarão do Concurso em igualdade de condições com os demais candidatos no que se refere ao conteúdo, avaliação, duração, local e horário de realização da prova.

2.4 Para concorrer a uma das vagas, o candidato deverá, no ato da inscrição, declarar-se portador de deficiência e apresentar laudo médico atestando a espécie e o grau ou nível de deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID), bem como a provável causa da deficiência ou Certificado de Homologação de Readaptação ou Habilitação Profissional emitido pelo INSS. Caso o candidato não apresente o laudo médico, não poderá concorrer às vagas reservadas, mesmo que tenha assinalado tal opção no Requerimento de Inscrição. Os candidatos deverão enviar, via SEDEX, o laudo médico e o Requerimento de Portador de Deficiência (ANEXO III), endereçado ao Departamento de Concursos da FUNRIO, Processo Seletivo Público da Prefeitura de Maricá, Caixa Postal nº. 24073, Tijuca, Rio de Janeiro/RJ, CEP 20522-970, até o último dia de inscrição. São de responsabilidade exclusiva dos candidatos os dados cadastrais informados.

2.5 Não ocorrendo aprovação de candidatos portadores de deficiência para preenchimento das vagas previstas no subitem 2.2, quer por reprovação no Concurso, quer na perícia médica, estas serão preenchidas pelos demais aprovados, observada a ordem geral de classificação dentro do cargo.

2.6 Os candidatos deficientes aprovados no Concurso deverão, antes de serem nomeados, submeterem-se a exame médico pela junta médica do Município para verificação da compatibilidade entre sua deficiência e o exercício das atribuições específicas do cargo pretendido, munidos de laudo médico que ateste a espécie e o grau ou nível de deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID), bem como a provável causa da deficiência.

2.6.1 Caso o laudo médico emitido pela junta médica do Município conclua pela inexistência da deficiência, o candidato permanecerá no Concurso, concorrendo em igualdade de condições com os demais; sendo o laudo médico pela incompatibilidade da deficiência com as atribuições do cargo, o candidato será automaticamente eliminado do Concurso.

2.6.2 O grau de deficiência de que for portador o candidato, ao ser nomeado no Município, não poderá ser invocado como causa de aposentadoria por invalidez.

2.6.3 A não observância do disposto no item 2.4, 2.6 ou a reprovação na perícia médica acarretará a perda do direito às vagas reservadas aos candidatos em tais condições.

2.7 Os candidatos portadores de deficiência que necessitem de condições especiais para a realização das provas, tais como acesso especial aos locais das provas, provas com letras maiores do que as convencionais, entre outras, deverão comunicar essa necessidade formalmente à FUNRIO, até o último dia de inscrição. A não manifestação dos candidatos dentro desse prazo desobriga a FUNRIO do atendimento dessas condições especiais.

3 DOS CARGOS

3.1 O Concurso destina-se ao preenchimento de vagas existentes e formação de Cadastro de Reserva de candidatos às vagas dos seguintes cargos, no período de validade do concurso:

Cargo

Disciplina/Atuação

Vagas

Carga Horária

Vencimentos

Requisitos

Inscrição

Professor (5ª a 8ª séries)

Português

10

15 horas semanais

R$ 651,00

Registro de Professor em curso de Licenciatura Plena, que habilite o candidato ao exercício permanente no magistério na disciplina a que concorre.

R$ 41,00

Matemática

12

Geografia

06

Educação Física

30

História

10

Ciências

08

Inglês

10

Educação Artística

10

Sociologia

01

Orientador Pedagógico

Colaborar e promover o processo integrador e articulador das ações pedagógicas e didáticas desenvolvidas na Unidade Escolar.

20

20 horas semanais

R$ 651,00 e 20% gratificação

Nível Superior em Pedagogia com Habilitação em Supervisão Escolar ou Nível Superior em Pedagogia com Especialização em Supervisão Escolar.

R$ 41,00

Orientador Educacional

Orientar atividades escolares, tendo em vista o desenvolvimento integral dos alunos.

50

20 horas semanais

R$ 651,00 e 20% gratificação

Nível Superior em Pedagogia com Habilitação em Orientação Educacional ou Nível Superior em Pedagogia com Especialização em Orientação Educacional

R$ 41,00

Inspetor Escolar

Acompanhar o processo educacional da instituição, zelando pela regularidade e autenticidade da vida escolar dos discentes.

10

25 horas semanais

R$ 651,00 e 30% gratificação

Nível Superior em Pedagogia com Habilitação em Supervisão Escolar ou Nível Superior em Pedagogia com Especialização em Supervisão Escolar ou Inspeção Escolar

R$ 41,00

Professor (1ª a 4ª séries)I

1ª a 4ª séries

80

25 horas semanais.

R$ 502,00

Diploma devidamente registrado do Curso Normal (nível médio) ou Superior com Habilitação para magistério das séries iniciais.

R$ 30,00

Inspetor de Alunos

Garantir o bom funcionamento da infra-estrutura necessária às atividades da Unidade Escolar.

70

40 horas semanais

R$ 359,00

Nível Fundamental Completo (até a 8ª série)

R$ 20,00

4 DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

As atribuições e as condições para o exercício de cada cargo deste Concurso constam no ANEXO I deste Edital.

5 DA DIVULGAÇÃO

A divulgação oficial referente a este Concurso Público se dará na forma de Editais, Extratos de Editais ou Avisos, através dos seguintes meios e locais:

5.1 Publicação no Diário Oficial do Município, em jornal de grande tiragem e de circulação local ou regional.

5.2 Divulgação eletrônica pelo site www.funrio.org.br da FUNRIO e pelo site www.marica.rj.gov.br da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ.

6 DAS INSCRIÇÕES

6.1 São requisitos para a inscrição:

a) Ter nacionalidade brasileira ou gozar das prerrogativas dos Decretos nº 70.391/72 e 70.436/72 e da Constituição Federal, § 1º do Art. 12;

b) Ter idade mínima de 18 anos na data da nomeação.

6.2 Período, Horário e Local.

As inscrições serão realizadas pela Internet no site www.funrio.org.br da FUNRIO e no site www.marica.rj.gov.br da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ no período da zero hora do dia 06/12/2006 às vinte e três horas e cinqüenta e nove minutos do dia 23/12/2006 e nos Postos de Atendimento credenciados (ANEXO VI), de 2ª a 6ª feira, no horário das 09 às 17 horas, no período de 06/12/2006 à 22/12/2006, onde também será disponibilizado pessoal treinado para a realização de inscrições de candidatos.

6.3 Informações Gerais Sobre as Inscrições

6.3.1 A inscrição somente será considerada válida após o pagamento do respectivo boleto bancário.

6.3.2 Não haverá isenção total ou parcial do valor da taxa de inscrição.

6.3.3 O candidato portador de deficiência, além de preencher formulário de inscrição, conforme descrito acima, deverá enviar, até o último dia de inscrição, à FUNRIO, Caixa Postal nº.24073, Tijuca, Rio de Janeiro/RJ, Cep 20522-970, o Requerimento de Portador de Deficiência (ANEXO III) e o Atestado Médico em receituário próprio e original, devidamente assinado pelo médico, contendo claramente as seguintes informações:

a) Identificação da deficiência da qual o candidato é portador, de acordo com a legislação vigente e a Classificação Internacional de Doenças;

b) Se a deficiência da qual o candidato é portador é compatível com as atribuições do cargo para o qual concorre, de acordo com a legislação pertinente;

6.3.4 Não serão válidas as inscrições realizadas fora do prazo.

6.3.5 O Boleto Bancário poderá ser pago nas Agências Bancárias, Casas Lotéricas, Estabelecimentos credenciados ao sistema financeiro (Supermercados e Farmácias), Caixas Eletrônicos e Banco on-line (Internet).

6.3.6 Qualquer outra forma de pagamento que não a prevista neste edital invalida a inscrição.

6.3.7 O candidato, ao efetivar sua inscrição, assume inteira responsabilidade pelas informações constantes no seu formulário de inscrição, sob as penas da lei, bem como assume que está ciente e de acordo com as exigências e condições previstas neste Edital, do qual o candidato não poderá alegar desconhecimento.

6.3.8 A declaração falsa ou inexata dos dados constantes do Formulário de Inscrição determinará o cancelamento da inscrição e anulação de todos os atos decorrentes dela, em qualquer época, assumindo o candidato as possíveis conseqüências legais.

6.3.9 Os candidatos aos cargos de Orientador Pedagógico, Orientador Educacional, Inspetor Escolar, de Professor de 1ª a 4ª séries e Professor de 5ª a 8ª séries que desejarem participar da Prova de Títulos, deverão enviar cópia do Certificado, Declaração ou Diploma do título em questão, juntamente com o formulário para envio de títulos (ANEXO V) devidamente preenchido. Essa documentação deverá ser enviada até o último dia de inscrição, à FUNRIO, Caixa Postal nº.24073, Tijuca, Rio de Janeiro/RJ, Cep 20522-970.

6.4 Das inscrições nos Postos de Inscrição

6.4.1 As inscrições serão realizadas nos Postos de Atendimento credenciados (ANEXO VI), de 2ª a 6ª feira, no horário das 09 às 17 horas, no período de 06/12/2006 à 22/12/2006, onde será disponibilizado pessoal treinado para a realização de inscrições de candidatos.

6.4.2 No ato de inscrição, o candidato deverá indicar sua opção de cargo, observado o item 3 deste edital.

6.4.3 Para efetuar a inscrição nos Postos de Inscrição, o candidato deverá:

a) retirar o formulário no Posto de Inscrição;

b) preencher e efetuar o pagamento;

c) retornar ao Posto de Inscrição para entrega do Formulário de Cadastro e recebimento do Comprovante de Inscrição juntamente com o Manual do Candidato;

6.4.4 No caso de o pagamento da taxa de inscrição ser efetuado com cheque bancário que, porventura, venha a ser devolvido, por qualquer motivo, a FUNRIO reserva-se o direito de tomar as medidas legais cabíveis.

6.4.5 Não serão aceitas inscrições condicionais e/ou extemporâneas, por via postal ou por fax admitindo-se, contudo, inscrições por meio de procuração (não é necessário o reconhecimento de firma). O original da procuração e a cópia do documento oficial de identidade do candidato ficarão retidos. Os candidatos inscritos por procuração assumem total responsabilidade pelas informações prestadas por seu procurador, arcando com as conseqüências de eventuais erros de seu (sua) representante no preenchimento do respectivo Requerimento de Inscrição. Deverá ser apresentada uma procuração para cada candidato.

6.5 Das inscrições via Internet

6.5.1 A PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ e a FUNRIO não se responsabilizam pelas inscrições realizadas através da Internet que não forem recebidas por motivos de ordem técnica alheias ao seu âmbito de atuação, tais como falhas de telecomunicações, falhas nos computadores ou provedores de acesso e quaisquer outros fatores exógenos que impossibilitem a correta transferência dos dados dos candidatos para a Organizadora do Concurso.

6.5.2 Para inscrição via Internet, o candidato deverá estar ciente de todas as informações sobre este processo seletivo público. Estas informações estarão disponíveis no endereço eletrônico da FUNRIO ( www.funrio.org.br ) e no endereço eletrônico da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ ( www.marica.rj.gov.br ) ou no Manual do Candidato disponível nessa página para download;

6.5.3 As inscrições poderão ser efetuadas no período entre 00:00 horas do dia 06/12/2006 e 23h59min do dia 23/12/2006, observado o horário oficial de Brasília/DF, por meio do formulário específico disponível na página citada.

6.5.4 Ao efetuar a inscrição, o candidato deverá imprimir o boleto bancário e efetuar o pagamento em qualquer agência da rede bancária, casas lotéricas entre outros estabelecimentos credenciados para tal fim, até a data do vencimento. A inscrição só será efetivada, mediante a confirmação do pagamento pelo banco junto a FUNRIO.

6.5.5 Os boletos bancários emitidos no último dia do período de inscrições poderão ser pagos até o segundo dia útil subseqüente ao término das inscrições.

6.5.6 O candidato inscrito via Internet não deverá enviar cópia de documento de identidade, sendo de sua responsabilidade exclusiva os dados cadastrais informados no ato de inscrição, sob as penas da Lei.

6.5.7 Os candidatos que prestarem qualquer declaração falsa ou inexata ao se inscrever, ou caso não possam satisfazer a todas as condições enumeradas neste edital, terão sua inscrição desconsiderada e serão anulados todos os atos dela decorrentes, mesmo que classificados (as) nas provas, exames e avaliações.

6.5.8 Não serão aceitas inscrições condicionais e/ou extemporâneas, por via postal ou por fax.

6.6 Das disposições finais sobre a inscrição

6.6.1 Será permitido número livre de inscrições, mas a PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ e a FUNRIO, não se responsabilizarão por eventuais coincidências de datas e horários de provas e quaisquer outras atividades, que, se caso ocorrerem, deverá o candidato optar por apenas 1 (um) cargo.

6.6.2 O valor relativo à inscrição não será devolvido, salvo no caso de cancelamento do certame por conveniência da Administração da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ.

6.6.3 O comprovante de pagamento da inscrição deverá ser mantido em poder do candidato e apresentado juntamente com documento de identificação no local de realização das provas.

6.6.4 O Candidato terá sua inscrição homologada somente após o recebimento, pela FUNRIO, da confirmação do pagamento bancário de sua taxa de inscrição.

6.6.5 Depois de efetivada a inscrição, não serão aceitos pedidos para alteração de cargo.

6.6.6 Não serão efetivadas as inscrições feitas através de depósitos, docs, transferências ou similares.

6.6.7 Serão canceladas as inscrições pagas com cheques sem provisão de fundos, ou que apresente qualquer outro tipo de problema.

7 DA HOMOLOGAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DAS INSCRIÇÕES

7.1 As inscrições efetuadas de acordo com o disposto no item 6 do presente Edital serão homologadas pela FUNRIO, significando tal ato que o candidato está habilitado para participar das demais fases do Concurso.

7.2 O candidato que identificar qualquer não conformidade no Edital de Homologação com sua inscrição terá dois dias após a publicação do Edital de Homologação para entrar em contato com a FUNRIO pelo endereço eletrônico concurso.marica@funrio.org.br ou pelo telefone 08007227878.

7.3 O CARTÃO DE INFORMAÇÃO será enviado pelos CORREIOS para o endereço indicado pelo candidato no Requerimento de Inscrição. Todos os candidatos inscritos poderão também imprimir o cartão de informação, no endereço eletrônico da FUNRIO ( www.funrio.org.br ) e no endereço eletrônico da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ ( www.marica.rj.gov.br ). No Cartão de Informação estará, além dos principais dados do candidato, seu número de inscrição, cargo indicado pelo (a) candidato (a), data, horário e local de realização das provas.

7.4 Ao receber ou imprimir o Cartão de Informação, obriga-se o candidato a conferir: a) seu nome; b) número de seu documento de identidade, sigla do órgão expedidor e Estado emitente; c) data de nascimento; d) local de realização da prova; e) CPF.

7.5 O candidato, quando for o caso, deverá também conferir a informação onde consta o mesmo estar concorrendo às vagas reservadas aos portadores de deficiência quando esta demande condição especial para a realização da prova.

7.6 Caso haja inexatidão na informação contida no CARTÃO DE INFORMAÇÃO, o candidato deverá entrar em contato com a FUNRIO pelo e-mail concurso.marica@funrio.org.br ou através do telefone 08007227878 até 05 dias antes do dia da realização da prova, ou requerer ao fiscal de sala, no dia da prova, formulário de alteração de dados cadastrais e fazer as alterações necessárias.

7.7 Caso o CARTÃO DE INFORMAÇÃO não seja recebido até 05 dias antes da realização da prova, o candidato deverá entrar em contato pelo telefone 08007227878, das 10:00h às 1 7:00h, horário de Brasília. Os CARTÕES DE INFORMAÇÃO estarão disponíveis no endereço eletrônico www.funrio.org.br e no endereço eletrônico da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ ( www.marica.rj.gov.br ), sendo o documento impresso por meio do acesso à página da internet válido como CARTÃO DE INFORMAÇÃO.

7.8 O candidato terá acesso ao edital de homologação das inscrições, com a respectiva relação de inscritos, diretamente pelo site www.funrio.org.br e pelo site www.marica.rj.gov.br.

7.9 O candidato não poderá alegar desconhecimento dos locais das provas como justificativa de sua ausência. O não comparecimento às provas, qualquer que seja o motivo, será considerado como desistência do candidato e resultará em sua eliminação do processo seletivo público.

8 DAS PROVAS

O Concurso Público consistirá de exames de conhecimentos, mediante aplicação de Provas Objetivas para o cargo de Inspetor de Alunos e de Provas Objetivas e Prova de Títulos para os cargos de Orientador Pedagógico, Orientador Educacional, Inspetor Escolar, Professor de 1ª a 4ª séries e Professor de 5ª a 8ª séries.

Todas as provas têm caráter classificatório e eliminatório, exceto a Prova de Títulos que tem caráter somente classificatório.

8.1 DA PROVA OBJETIVA - ELIMINATÓRIA E CLASSIFICATÓRIA

Todos os cargos do Concurso terão Provas Objetivas de acordo com os critérios abaixo.

8.1.1 Do Tipo das Provas Objetivas

A Prova Objetiva valerá 100 (cem) pontos para todos os candidatos. A Prova Objetiva para os cargos de Professor de 1ª a 4ª séries, Professor de 5ª a 8ª séries, Orientador Pedagógico, Orientador Educacional e Inspetor Escolar estará dividida em duas sessões: Prova de Conhecimentos Básicos e Prova de Conhecimentos Específicos. Para o cargo de Inspetor de Alunos, a Prova Objetiva constará de somente uma sessão de Conhecimentos Básicos.

Cada questão da Prova Objetiva será constituída de 05 (cinco) alternativas, sendo somente uma a correta. Para obter pontuação no item, o candidato deve marcar um, e somente um, dos 05 (cinco) campos da folha de respostas.

Serão elaborados até 10 cadernos diferentes para cada cargo. Cada candidato realizará a prova em um dos cadernos.

8.1.2 Da Aprovação nas Provas Objetivas

Será considerado aprovado o candidato que obtiver, no mínimo, 50% (cinqüenta por cento) do total de pontos de cada Prova (Prova de Conhecimentos Básicos e Prova de Conhecimentos Específicos) respectiva para seu cargo.

8.1.3. Da Data, Horário e Local de Realização das Provas Objetivas.

As provas serão realizadas no dia 21 de Janeiro de 2007.

· Dia 21 de janeiro de 2007: Cargo de Professor de 5ª a 8ª séries, Orientador Pedagógico, Orientador Educacional e Inspetor Escolar, no horário de 8:00h às 12:00h;

· Dia 21 de janeiro de 2007: Cargo de Professor de 1ª a 4ª séries e Inspetor de Alunos no horário de 14:00h às 18:00h.

Os locais e horários de realização das provas serão divulgados na Internet, no endereço eletrônico da FUNRIO ( www.funrio.org.br ) e no endereço eletrônico da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ ( www.marica.rj.gov.br ) e serão também enviados aos endereços discriminados pelos candidatos no ato de inscrição. É de responsabilidade exclusiva do candidato a identificação correta de seu local de realização das provas e o comparecimento 1 (uma) hora antes do início das Provas.

8.1.4 Das Disciplinas e Conteúdos das Provas Objetivas

Os Conteúdos Programáticos para realização das Provas Objetivas para todos os cargos constam do ANEXO II deste edital. A Prova Objetiva abrangerá as seguintes disciplinas para os cargos constantes nos quadros abaixo:

Quadro 1 - Disciplinas para os cargos Professor de 1ª a 4ª séries, Professor de 5ªa 8ª séries, Orientador Pedagógico, Orientador Educacional e Inspetor Escolar:

Prova

Nº. de Questões

Valor das questões

Total de Pontos

Prova de Conhecimentos Básicos

Língua Portuguesa10220

Conhecimentos Pedagógicos

10

2

20

Prova de Conhecimentos Específicos

Questões de conhecimentos específicos do cargo

20

3

60

Total

40

-

100

Quadro 2 - Disciplinas para os cargos de Inspetor de Alunos.

Prova

Nº. de Questões

Valor das questões

Total de Pontos

Prova de Conhecimentos Básicos
Língua Portuguesa202,550

Matemática

20

2,5

50

Total

40

-

100

8.1.5 Das Condições para a Realização da Prova Objetiva

8.1.5.1 As provas serão realizadas no dia 21 de Janeiro de 2007, em dois turnos.

· Dia 21 de janeiro de 2007: Cargos de Professor de 5ª a 8ª séries, Orientador Pedagógico, Orientador Educacional e Inspetor Escolar, no horário de 8:00h às 12:00h;

· Dia 21 de janeiro de 2007: Cargos de Professor de 1ª a 4ª séries e Inspetor de Alunos no horário de 14:00h às 18:00h.

8.1.5.2 O candidato deverá comparecer ao local designado para a realização das provas com antecedência mínima de uma hora do horário fixado para o seu início, munido de caneta esferográfica de tinta azul ou preta, com o comprovante de pagamento da taxa de inscrição e com documento de identidade original, sendo o tempo máximo de duração da prova de 04 (quatro) horas.

8.1.5.3 Serão considerados documentos de identidade: carteiras expedidas pelos Comandos Militares, pelas Secretarias de Segurança Pública, pelos Institutos de Identificação e pelos Corpos de Bombeiros Militares; carteiras expedidas pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional (ordens, conselhos, etc.); passaporte; certificado de reservista; carteiras funcionais do Ministério Público; carteiras funcionais expedidas por órgão público que, por lei federal, valham como identidade; carteira de trabalho; carteira nacional de habilitação (somente o modelo novo, com foto).

8.1.5.4. Não serão aceitos como documentos de identidade: certidões de nascimento, títulos eleitorais, carteiras de motorista (modelo antigo, sem foto), carteiras de estudante, carteiras funcionais sem valor de identidade, nem documentos ilegíveis, não-identificáveis ou danificados.

8.1.5.5 Não serão aceitas cópias de documentos de identidade, ainda que autenticados, nem protocolos de entrega de documentos.

8.1.5.6 Para efetivar sua inscrição, é imprescindível que o candidato possua número de CPF, Cadastro de Pessoa Física, regularizado.

8.1.5.7 Terá sua inscrição cancelada e será automaticamente eliminado do processo seletivo, o candidato que utilizar CPF de terceiro.

8.1.5.8 Não será admitido o ingresso de candidatos no local de realização das provas após o horário fixado para o seu início.

8.1.5.9 Não será permitida, durante a realização das provas, a comunicação entre os candidatos, nem a utilização de anotações, impressos ou qualquer outro material de consulta, inclusive consulta a livros, a legislação simples e comentada ou anotada, a súmulas, a livros doutrinários e a manuais.

8.1.5.10 Não será permitido, durante a realização das provas, o uso de celulares, pagers, calculadoras, bem como quaisquer equipamentos que permitam o armazenamento ou a comunicação de dados e informações. Caso o candidato leve consigo esses tipos de aparelhos no dia de realização do certame, os mesmos serão lacrados e devolvidos aos candidatos, que somente poderão abri-los ao final da Prova.

8.1.5.11 Não será permitido ao candidato fumar na sala de provas.

8.1.5.12 Não haverá segunda chamada para as provas. O não comparecimento implicará na imediata eliminação do candidato.

8.1.5.13 O candidato somente poderá retirar-se do local de realização das provas, após a primeira hora do início das mesmas.

8.1.5.14 Não haverá, por qualquer motivo, prorrogação do tempo previsto para a aplicação das provas em virtude do afastamento do candidato da sala onde está sendo aplicada a Prova Objetiva.

8.1.5.15 A candidata que tiver necessidade de amamentar durante a realização das provas deverá levar um acompanhante, que ficará em sala reservada para essa finalidade que será responsável pela guarda da criança. A candidata que não levar acompanhante não poderá realizar as provas.

8.1.5.16 Nos dias de realização das provas, não serão fornecidas, por qualquer membro da equipe de aplicação das provas ou pelas autoridades presentes, informações referentes ao conteúdo e aos critérios de avaliação das provas.

8.1.5.17 Terá sua prova anulada e será automaticamente eliminado do concurso o candidato que, durante a realização de qualquer uma das provas:

a) Usar ou tentar usar meios fraudulentos ou ilegais para a sua realização;

b) For surpreendido dando ou recebendo auxílio para a execução de quaisquer das provas;

c) Utilizar-se de máquinas de calcular ou equipamentos similares, livros, dicionário, notas ou impressos que não forem expressamente permitidos, telefone celular, gravador, receptor ou pager, ou que se comunicar com outro candidato;

d) Faltar com a devida urbanidade para com qualquer membro da equipe de aplicação das provas, as autoridades presentes ou candidatos;

e) Fizer anotação de informações relativas às suas respostas em qualquer meio que não os permitidos;

f) Afastar-se da sala, a qualquer tempo, sem o acompanhamento de fiscal;

g) Ausentar-se da sala, a qualquer tempo, portando a folha de respostas ou caderno de questões, celulares ou quaisquer equipamentos eletrônicos;

h) Descumprir as instruções contidas no caderno de provas e na folha de respostas;

i) Perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos.

8.1.5.18 Será atribuída pontuação zero à questão de Prova Objetiva que contiver mais de uma, ou nenhuma, resposta assinalada, ou que contiver emenda ou rasura.

8.1.5.19 O candidato deverá transcrever as respostas da Prova Objetiva para a Folha de Respostas, que será o único documento válido para a correção. O preenchimento da Folha de Respostas é de inteira responsabilidade do candidato, que deverá proceder de conformidade com as instruções específicas contidas na capa do Caderno de Questões. Não haverá substituição da Folha de Respostas por erro do candidato.

8.1.5.20 Não será permitido que as marcações na Folha de Respostas sejam feitas por outras pessoas, salvo em caso de candidato que tenha solicitado condição especial para esse fim. Nesse caso, se necessário, o candidato será acompanhado por um agente da FUNRIO devidamente treinado.

8.1.5.21 Ao terminar a Prova Objetiva, o candidato entregará ao Fiscal de Sala, obrigatoriamente, o Caderno de Questões e a Folha de Respostas devidamente assinada.

8.1.5.22 O candidato somente poderá retirar-se do local de realização das provas levando consigo o Caderno de Questões, no decurso dos últimos 30 (trinta) minutos, anteriores ao horário previsto para o seu término.

8.1.5.23 Os 03(três) últimos candidatos só poderão sair de sala juntos.

8.2 DA PROVA DE TÍTULOS

8.2.1 Além dos pontos que serão atribuídos ao desempenho nas Provas Objetivas, os candidatos poderão ter o acréscimo de mais pontos se comprovarem possuir os seguintes títulos:

8.2.1.1 Para Professor de 1ª a 4ª séries:

Diploma de Curso Normal Superior - 2 (dois) pontos (somente para candidatos com formação em ensino normal médio, correspondente ao antigo segundo grau normal); Curso Superior em Pedagogia - 2 (dois) pontos;

Curso Superior em Licenciatura Plena em área do conhecimento - 02 (dois) pontos;

Pós-Graduação Latu-sensu 360 horas na área de Magistério - 03 (três) pontos;

Mestrado na área de Magistério - 05 (cinco) pontos;

Doutorado na área de Magistério - 10 (dez) pontos.

Atenção: Vale salientar que os candidatos ao cargo de Professor de 1ª a 4ª séries devem cumprir o pré-requisito para exercerem a função, isto é, devem possuir formação mínima em curso normal médio (antigo segundo grau normal) ou Curso Normal Superior. Desta forma, só serão computados pontos para a Prova de Títulos candidatos com Normal Superior que comprovem formação prévia em Curso normal de nível médio (antigo segundo grau normal).

8.2.1.2 Para Professor de 5ª a 8ª séries:

Pós-Graduação Latu-sensu 360 horas na área de Magistério - 3 (três) pontos Mestrado na área de Magistério - 05 (cinco) pontos;

Doutorado na área de Magistério - 10 (dez) pontos.

8.2.1.3 Para o cargo de Orientador Pedagógico, Orientador Educacional e Inspetor Escolar: Pós-Graduação Latu-sensu 360 horas na área específica - 3 (três) pontos Mestrado na área específica - 05 (cinco) pontos;

Doutorado na área específica - 10 (dez) pontos.

Atenção: Vale salientar que os candidatos ao cargo de Orientador Pedagógico, Orientador Educacional e Inspetor Escolar devem cumprir o pré-requisito para exercer a função, isto é, Curso Superior em Pedagogia com habilitação nas referidas áreas ou Curso Superior em Pedagogia com Especialização pertinente ao cargo. Desta forma, só serão computados pontos para a Prova de Títulos candidatos que comprovem formação Superior em Pedagogia com habilitação específica.

8.2.2 Essa pontuação da Prova de Títulos não é cumulativa. O candidato que possuir diferentes títulos deverá, logicamente, optar pelo título de maior pontuação. Somente serão reconhecidos como títulos Diplomas ou Certificados expedidos por instituições reconhecidas pelo MEC.

8.2.3 O candidato que possuir tais títulos deverá enviar até o último dia das inscrições a cópia do Diploma ou Certificado, à FUNRIO, Caixa Postal nº.24073, Tijuca, Rio de Janeiro/RJ, CEP 20522-970 juntamente com o formulário para envio de títulos, devidamente preenchido, de acordo com o descrito no ANEXO V.

8.2.4 Não serão aceitos títulos que não sejam enviados de acordo com as especificações descritas no item 8.2.1 e no ANEXO V.

9 DOS RESULTADOS E RECURSOS

9.1 Dos Resultados

9.1.1 O Gabarito Oficial Preliminar das Provas Objetivas será divulgado pelos meios apontados no item 5, em até 01 (um) dia útil após a realização das Provas Objetivas.

9.1.2 O Resultado Final do Concurso será divulgado em Edital próprio conforme disposto no item 5.

9.2 Dos Recursos

9.2.1 O candidato que desejarem interpor recursos contra os Gabaritos Oficiais Preliminares das Provas Objetivas disporá de 02 (dois) dias úteis, a contar do dia subseqüente ao da divulgação dos gabaritos, para envio dos recursos à FUNRIO, Caixa Postal nº. 24073, Tijuca, Rio de Janeiro/RJ, CEP 20522-970.

9.2.2 Para recorrer contra os Gabaritos Oficiais Preliminares das Provas Objetivas, o candidato deverá utilizar o Formulário de Recursos, presente neste Edital (ANEXO IV), que será, também, disponibilizado no dia da prova, juntamente aos Fiscais de Sala e na Internet, no endereço eletrônico da FUNRIO www.funrio.org.br e no endereço eletrônico da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ www.marica.rj.gov.br.

9.2.3 Serão preliminarmente indeferidos os recursos extemporâneos, inconsistentes, que não atendam às exigências do modelo de recursos e/ou fora de qualquer uma das especificações estabelecidas neste Edital ou em outros Editais que vierem a ser publicados.

9.2.4 Após o julgamento e deferimento dos recursos sobre gabaritos, os pontos correspondentes às questões que porventura forem anuladas serão atribuídos a todos os candidatos, indistintamente.

9.2.5 Eventuais alterações de gabarito, após análise de recursos, serão divulgadas conforme item 5.

9.2.6 A listagem dos candidatos que enviaram títulos e suas respectivas pontuações será divulgada junto ao Edital de Homologação das Inscrições. Este Edital também estará disponível no site da FUNRIO ( www.funrio.org.br ) e no site da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ ( www.marica.rj.gov.br ). O candidato que desejar interpor recursos contra a pontuação da Prova de Títulos disporá de 02 (dois) dias úteis, a contar do dia subseqüente ao da divulgação do Edital, para envio do formulário de recurso (ANEXO IV) à FUNRIO, Caixa Postal nº. 24073, Tijuca, Rio de Janeiro/RJ, CEP 20522-970.

10 DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E DE CLASSIFICAÇÃO

10.1 Todos os candidatos terão suas provas corrigidas por meio de processamento eletrônico.

10.2 O cálculo da nota nas Provas Objetivas, comum às provas de todos os candidatos, será igual à soma algébrica das notas obtidas em todos os itens que a compõe.

10.3 Será REPROVADO nas Provas Objetivas e ELIMINADO do Concurso Público o candidato que obtiver percentual inferior a 50% (cinqüenta por cento) do total de pontos de cada Prova (Prova de Conhecimentos Básicos e/ou Prova de Conhecimentos Específicos).

10.4. O candidato eliminado não terá classificação alguma no Concurso Público.

10.5 A classificação observará a ordem numérica decrescente da pontuação individualmente alcançada no somatório dos pontos obtidos nas Provas Objetivas atribuindo-se o primeiro lugar ao candidato que obtiver a maior soma de pontos, e assim sucessivamente.

11 DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE

11.1 Em caso de igualdade na pontuação final do Concurso, o desempate se dará adotando-se os critérios abaixo, pela ordem e na seqüência apresentada, obtendo a melhor classificação o candidato que tiver obtido a maior pontuação na Prova:

a) De Conhecimentos Específicos, quando for o caso;

b) De Conhecimentos Pedagógicos, quando for o caso;

c) De Língua Portuguesa;

d) De Matemática, quando for o caso;

11.2 Persistindo o empate entre os candidatos, depois de aplicados todos os critérios acima, terá preferência o candidato de mais idade.

12 DO PROVIMENTO DOS CARGOS

12.1 O provimento dos cargos obedecerá rigorosamente à ordem de classificação dos candidatos aprovados.

12.2 O candidato aprovado obriga-se a manter atualizado seu endereço junto à Secretaria de Administração da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ.

12.3 Os aprovados que vierem a ingressar no Quadro de Provimento Efetivo do Município reger-se-ão pelas disposições do Estatuto dos Servidores Públicos do Município de MARICÁ/RJ, pelo Plano de Cargos e Salários do Magistério e pelo Plano de Cargos e Remuneração que tratam as Leis 203 1/02 e 2032/02.

12.4 Os aprovados que vierem a ingressar no Quadro de Provimento Efetivo do Município estarão sujeitos à jornada de trabalho correspondente ao que este preceitua, inclusive com alterações que vierem a se efetivar, bem como poderão ser convocados para trabalhar em regime de plantão para o bom desempenho do serviço.

12.5 Fica comunicado ao candidato classificado que sua nomeação e posse só lhe serão atribuídas se atender às exigências que seguem:

a. Ter sido aprovados no presente concurso;

b. Ter 18 anos completos até a data da posse;

c. Estar em dia com as obrigações eleitorais;

d. Estar em dia com as obrigações militares, para os candidatos de sexo masculino;

e. Possuir escolaridade mínima exigida em cada cargo, na data da posse;

f. Não estar incompatibilizado com a investidura no cargo, inclusive em razão de demissão por atos de improbidade, comprovados por meio de sindicância e / ou Inquérito Administrativo, na forma da Lei;

g. Possuir habilitação para o exercício da função;

h. Ser considerado apto nos exames médicos admissionais;

i. Se for portador (a) de deficiência, apresentar o atestado médico da deficiência da qual é portador;

j. Apresentar documento pessoal de identidade e Cadastro de Pessoa Física da Receita Federal - CPF, regularizado;

k. Apresentar certidão negativa de antecedentes criminais;

l. Apresentar junto ao ISSM a documentação necessária ao seu cadastramento no Instituto de Seguridade.

12.6 Os candidatos aprovados que vierem a ingressar no Quadro Efetivo de Funcionários do Município deverão permanecer na unidade a eles designada pelo período mínimo de 01 (um) ano letivo.

13 DA HOMOLOGAÇÃO E DA VALIDADE DO CONCURSO

13.1 O Resultado Final será divulgado por cargos, ou seja, cada cargo, decorrido o prazo para interposição de recursos, terá o resultado homologado pela PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, e será publicado, através de Edital ou Aviso, conforme estabelecido no item 5 deste Edital, contendo os nomes dos candidatos classificados, obedecendo à estrita ordem de classificação.

13.2 A validade do Concurso Público será de 02 (dois) anos, a contar da data da publicação da Homologação do Resultado Final, podendo ser prorrogado por igual período, a critério da PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ.

14 DA CONVOCAÇÃO DOS CANDIDATOS CLASSIFICADOS

Observada rigorosamente a ordem de classificação e de acordo com o número de vagas dos cargos, os candidatos APROVADOS, terão sua convocação publicada pela PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ, através de Aviso ou Edital conforme item 5.

15 DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

15.1 A PREFEITURA MUNICIPAL DE MARICÁ e a FUNRIO não assumem qualquer responsabilidade quanto ao transporte, alojamento ou alimentação dos candidatos, quando da realização das etapas deste Concurso.

15.2 A inscrição do candidato implicará na aceitação das normas do Concurso Público, contidas neste Edital, incluindo seus Anexos, e no manual do Candidato, que constituem partes integrantes das normas que regem o presente Concurso Público.

15.3 Não haverá segunda chamada para qualquer fase, etapa, avaliação, procedimento ou pré-nomeação deste Concurso Público e nenhum candidato poderá prestar provas, exames ou avaliações fora dos locais e horários pré-determinados no respectivo Cartão de Informação ou nos Avisos/Convocações.

15.4 Os candidatos que fizerem inexatas ou falsas declarações ao se inscreverem, ou que não possam comprovar todas as condições arroladas neste Edital, terão canceladas suas inscrições, e serão anulados todos os atos delas decorrentes, mesmo que tenham sido aprovados nas provas e exames, ou mesmo tenham sido nomeados.

15.5 A habilitação no Processo Seletivo não assegura ao candidato a nomeação imediata, mas apenas a expectativa de ser admitido segundo as vagas existentes, na ordem de classificação, ficando a concretização deste ato condicionada às disposições pertinentes, sobretudo à necessidade e às possibilidades da Administração.

15.6 Demais informações sobre o presente Concurso, as listas contendo os resultados das provas, serão divulgadas conforme o disposto no item 5, cabendo ao candidato a responsabilidade de manter-se informado.

15.7 Os casos omissos a este Edital, pertinentes à realização do CONCURSO PÚBLICO Nº. 01/2006, serão esclarecidos e resolvidos pela COMISSÃO DO CONCURSO, em conjunto com a FUNRIO.

15.8 Legislação com entrada em vigor após a data de publicação deste Edital, bem como alterações em dispositivos legais e normativos a ele posteriores não serão objeto de avaliação nas provas do Concurso.

15.9 Quaisquer alterações nas regras fixadas neste Edital só poderão ser feitas por meio de outro Edital.

Fica eleito o Foro da comarca de MARICÁ/RJ como competente para dirimir qualquer questão relacionada ao CONCURSO PÚBLICO de que trata este Edital.

Maricá, 30 de novembro de 2006.
REGISTRE-SE E PUBLIQUE-SE.
Ricardo Queiroz

ANEXO I: ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS NÍVEL FUNDAMENTAL

INSPETOR DE ALUNOS: zelar pelo cumprimento dos horários de aula e atividades escolares; manter um bom relacionamento disciplinar entre os alunos; dar conhecimento à Direção dos casos de grave infração disciplinar; prestar assistência aos alunos que enfermarem ou sofrerem, no recinto da escola, qualquer acidente; atender aos professores nas solicitações de material didático; auxiliar na realização de solenidades e festas escolares.

NÍVEL MÉDIO E NÍVEL SUPERIOR

PROFESSOR DE 1ª A 4ª SÉRIES: participar da elaboração do Projeto Político-Pedagógico da Escola; elaborar e cumprir plano de trabalho, seguindo o Projeto Político-Pedagógico da Escola; zelar pela aprendizagem dos alunos; procedendo continuamente a avaliação do aproveitamento escolar, replanejando quando necessário, registrando os avanços e as dificuldades; estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento; ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional; colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade; participar das atividades de capacitação em sua área de atuação, oferecidas pela Secretaria Municipal de Educação ou por outros órgãos educacionais; manter atualizada toda a documentação de sua competência (diários, fichas de avaliação, etc.); cumprir a carga horária exigida por lei, inclusive os horários destinados a planejamento e atividades pedagógicas; integrar os Conselhos de Classe; participar das reuniões administrativas e pedagógicas da Unidade Escolar e do Conselho Docente.

PROFESSOR DE 5ª A 8ª SÉRIES: participar da elaboração do Projeto Político-Pedagógico da Escola; elaborar e cumprir plano de trabalho, seguindo o Projeto Político-Pedagógico da Escola; zelar pela aprendizagem dos alunos; procedendo continuamente a avaliação do aproveitamento escolar, replanejando quando necessário, registrando os avanços e as dificuldades; estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento; ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional; colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade; participar das atividades de capacitação em sua área de atuação, oferecidas pela Secretaria Municipal de Educação ou por outros órgãos educacionais; manter atualizada toda a documentação de sua competência (diários, fichas de avaliação, etc.); cumprir a carga horária exigida por lei, inclusive os horários destinados a planejamento e atividades pedagógicas; integrar os Conselhos de Classe; participar das reuniões administrativas e pedagógicas da Unidade Escolar e do Conselho Docente.

ORIENTADOR PEDAGÓGICO: colaborar com a direção e promover o processo integrador e articulador das ações pedagógicas e didáticas desenvolvidas na Unidade Escolar, de acordo com as diretrizes da política educacional da Secretaria Municipal de educação e respeitada a legislação em vigor; dinamizar o processo de elaboração e desenvolvimento do Projeto Político-Pedagógico da Unidade de Ensino junto à comunidade escolar; assessorar o Diretor em todas as ações pedagógicas; promover a atualização contínua do corpo docente, tanto por ações próprias da Unidade Escolar quanto por ações integradas com a Secretaria Municipal de Educação; estar atento às relações entre corpo docente, discente e administrativo, assim como as relações entre a escola e a comunidade e, se preciso for, apresentar sugestões para melhorá-las; planejar o estudo, a execução e controle de normas didáticas de maneira que haja um bom rendimento escolar, estabelecer linhas de comunicação, de forma que a comunidade escolar tome conhecimento do andamento de todas as atividades da escola; acompanhar o desenvolvimento da proposta curricular dos diferentes níveis da Educação Básica; viabilizar a participação da escola nos projetos promovidos pela Secretaria Municipal de Educação, respeitando os já existentes de acordo com o Projeto Político-Pedagógico da Unidade Escolar; orientar os professores quanto ao preenchimento dos diários e acompanhar a sistemática no decorrer de todo ano letivo, bem como conferi-los ao término de cada bimestre; dinamizar as Reuniões Pedagógicas e de Conselho de Classe, juntamente com os integrantes das equipes técnico-pedagógica e administrativa, agilizando propostas sugeridas após realização das mesmas que objetivem a melhoria do processo educacional; organizar e manter atualizados o registro e o controle dos trabalhos desenvolvidos em sua área de atuação.

ORIENTADOR EDUCACIONAL: subsidiar a equipe escolar com informações relativas ás características da comunidade em que a escola está inserida, colaborando para a organização e adequação do currículo; participar do planejamento e da execução do Projeto Político-Pedagógico da Unidade Escolar; participar dos projetos propostos pela Secretaria Municipal de Educação e da Unidade Escolar; promover atendimentos individuais e coletivos, assim como Sessão de Classe e Estudo de Casos; desenvolver processo de orientação para o trabalho; viabilizar o processo de integração escola-família-comunidade, a fim de criar um espaço educativo comum; conscientizar a comunidade escolar da importância do trabalho da Orientação Educacional; desenvolver projetos relativos à programas de saúde, sexualidade, higiene e segurança; identificar com os professores e com a Orientação Pedagógica causas determinantes do baixo rendimento escolar e indisciplina dos alunos; elaborar estratégias para um melhor relacionamento entre professor/aluno e comunidade escolar; planejar em conjunto com a Orientação Pedagógica reuniões e encontros de professores com o objetivo de promover a coordenação horizontal do currículo e encaminhar problemas comuns; fornecer subsídios aos professores e funcionários para o melhor trabalho à alunos com dificuldades de relacionamento e disciplina; dinamizar periodicamente reuniões de pais, informando-os sobre a freqüência e rendimento dos alunos; encaminhar juntamente com a Orientação Pedagógica as Reuniões Pedagógicas e de Conselho de Classe; orientar atividades escolares, tendo em vista o desenvolvimento integral dos alunos: organizações estudantis, atividades de arte e recreação, atividades extracurriculares, etc.; acompanhar o desenvolvimento do Projeto Político-Pedagógico da Unidade Escolar.

INSPETOR ESCOLAR: acompanhar o processo educacional da instituição, zelando pela regularidade e autenticidade da vida escolar dos discentes; integrar comissões de autorização de funcionamento de cursos e/ou instituições de ensino, de sindicância, de verificação de possíveis irregularidades, de intervenção e de recolhimento de arquivo; manter fluxo horizontal e vertical de informações possibilitando a avaliação e a realimentação do sistema municipal de ensino pelos órgãos da SME; divulgar matéria de interesse relativa ao campo educacional; planejar a dinâmica de sua atuação, em consonância com as diretrizes estabelecidas pelo órgão central da SME; exercer controle sob a forma de orientação às equipes técnico-administrativa-pedagógicas da Unidade Escolar, visando evitar desvios que venham a comprometer a regularidade dos estudos realizados e a eficácia do processo educacional; acompanhar e avaliar: o cumprimento da legislação de ensino; o pleno exercício das funções de direção, docência, técnico-administrativo nas Unidades Escolares em articulação com os órgãos do sistema de ensino; os índices de aprovação, evasão e repetência; a execução dos currículos, dos programas de ensino e do cumprimento do regimento escolar; a execução de projetos na Unidade Escolar; o número de vagas e alunos matriculados (capacidade por escola e sala de aula); atualizar os profissionais das Unidades Escolares a respeito da legislação de ensino vigente.

ANEXO II: CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E BIBLIOGRAFIAS

CARGO: INSPETOR DE ALUNOS

LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Compreensão de texto; 2. Sentido e emprego dos vocábulos nos textos; emprego de tempos e modos dos verbos; 3. Classes gramaticais; processos de formação de palavras, formação de feminino e plural dos nomes, conjugação verbal; 4. Termos da oração e construção do sentido; 5. Construção dos períodos compostos: emprego e sentido das orações coordenadas e subordinadas; 6. Concordância nominal e verbal; 7. Regência nominal e verbal; 8. Linguagem figurada: metáfora, metonímia, ironia, hipérbole, gradação; 9. Ortografia; 10. Pontuação.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. FARACO, C.A.; MOURA, F. Gramática. São Paulo: Ática, 1996.

NICOLA, J.; INFANTE, U. Gramática contemporânea da língua portuguesa. São Paulo: Scipione, 1997. TUFANO, D. Estudos de língua portuguesa. Gramática. São Paulo: Moderna, 1990.

MATEMÁTICA: 1. Números naturais: Comparação, ordenação, seriação e organização em agrupamentos. 2. Números Inteiros: Comparação, ordenação, seriação e organização em agrupamentos, operações, situações problemas. 3. Sistema de numeração decimal, operações fundamentais (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação e radiciação). Análise, interpretação e resolução de situações, problemas a partir dos diversos significados das operações. Aplicação das propriedades operatórias nas técnicas de cálculo mental e estimativas. 4. Proporcionalidade: noção de razão entre números, proporção entre duas razões e grandezas, teorema fundamental da proporção. 5. Divisibilidade: Noções de divisores, múltiplos, número primo, mmc, mdc e aplicações na resolução de problemas do cotidiano. 6. Números racionais: Operações, representações e exploração dos diferentes significados dos racionais em situações problemas. 7. Sistema monetário brasileiro. 8. Equações: Expressões algébricas, valor numérico de uma expressão algébrica, equações de 1º e 2º graus, resolução de situações problemas com equações e sistemas de equações de 1º e 2º graus. 9. Geometria: Figuras planas, sólidos geométricos e suas propriedades. Composição e decomposição de figuras planas e espaciais, planificações. 10. Medidas: Cálculos com unidades de medida de comprimento, massa, superfície e capacidade. Perímetros, áreas e volumes. 11. Tratamento da Informação: Leitura e interpretação de dados em tabelas e gráficos. Média, moda e mediana. 12. Semelhança: semelhança de triângulos, relações métricas no triângulo retângulo, Teorema de Pitágoras.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

DANTE, L.R. Tudo é Matemática. 5ª a 8ª séries. Ática, 2002. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

TINOCO. L.A.A. Razões e proporções/coordenação: Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

TINOCO. L.A.A. Tinoco. Construindo o Conceito de Função/Coordenação. Projeto Fundão - UFRJ. 1996.

IMENES & LELLIS. Matemática para todos (ensino fundamental). Ed. Scipione, 2002.

LAURA. M. (Coordenação) Tratamento da Informação - Explorando dados Estatísticos e Noções de Probabilidade a Partir das Séries Iniciais. Projeto Fundão - UFRJ. 1996.

LAURA. M. (Coordenação) Tratamento da Informação - Atividades para o Ensino Básico / Coordenação: Maria Laura. Projeto Fundão - UFRJ.

GUELLI, O. MATEMÁTICA- Uma aventura do pensamento.5ª à 8ª série ( Ensino Fundamental) Editora Ática- 2002.

ANDRINI, A., VASCONCELLOS, M.J. Novo PRATICANDO MATEMÁTICA. 5ª à 8ª séries (Ensino Fundamental). Editora do Brasil, 2002.

CARGOS: ORIENTADOR PEDAGÓGICO, ORIENTADOR EDUCACIONAL, INSPETOR ESCOLAR, PROFESSOR
DE 1ª A 4ª SÉRIES E PROFESSOR DE 5ª A 8ª SÉRIES

CONHECIMENTOS BÁSICOS

LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não-literário; narrativo, descritivo e argumentativo); interpretação e organização interna; 2. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos; emprego de tempos e modos dos verbos em português; 3. Morfologia: reconhecimento, emprego e sentido das classes gramaticais; processos de formação de palavras; mecanismos de flexão dos nomes e verbos; 4. Sintaxe: frase, oração e período; termos da oração; processos de coordenação e subordinação; concordância nominal e verbal; transitividade e regência de nomes e verbos; padrões gerais de colocação pronominal no português; mecanismos de coesão textual; 5. Estilística: figuras de linguagem; 6. Ortografia; 7. Pontuação.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

CEREJA, W.R.; MAGALHÃES, T.C. Gramática reflexiva: texto, semântica e interação. São Paulo: Atual, 1999.

CUNHA, C. & CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

GARCIA, O.M. Comunicação e prosa moderna. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

RIBEIRO, M.P. Gramática aplicada da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Metáfora Ed., 2000.

KOCH, I.G.V. A coesão textual. São Paulo, Contexto, 2001.

--------- . A coerência textual. São Paulo, Contexto, 2001.

SAVIOLI, F.P. & FIORIN, J.L. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1997.

CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS: 1. Filosofia da educação; 2. História da educação brasileira; 3. Fins da educação; 4. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional; 5. lei 9394/96; 6. ENEM/Exame Nacional de Ensino Médio; 7. Projeto político-pedagógico; 8. Avaliação educacional; 9. Currículos e programas no Brasil; 10. Planejamento escolar; 11. Organização social das classes na Escola; 12. Educação Inclusiva; 13. O processo de conhecimento e aprendizagem do aluno; 14. A teoria e prática docente; 15. Relação professor-aluno.

SUGESTÃO BIBLIOGRÁFICA:

ARANHA, M.L. A filosofia da educação, Rio de Janeiro: ed. Moderna, 1989.

Brandão, Z. (org.). A crise dos paradigmas e educação. São Paulo: ed. Cortez, 1994.

CANDAU, V. M. (org). Didática e Currículo. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GANDIM, D. A prática do planejamento participativo. Petrópolis: Vozes, 1994.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, lei 9394/96.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo, Cortez, 1991.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos para que? São Paulo: Cortez, 1999.

LUCKESI, C. C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1990.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. 17 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

MOREIRA, A. F. Currículos e Programas no Brasil. São Paulo: Papirus,1990.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à Educação do Futuro. São Paulo. Ed. Corte, 2000.

PERRENOUD, P. Avaliação da excelência à regulação da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PERRENOUD, P. e THURLER, M. As competências para ensinar no século XXI - a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002.

GONÇALVES, R. D. (Org). Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

VASCONCELOS, C. Trabalho pedagógico: do projeto político- pedagógico ao cotidiano na sala de aula. São Paulo: Libertad, 2002.

ZABALLA, A. A. prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

ORIENTADOR PEDAGÓGICO: I. A Orientação Pedagógica e a Educação - Conceito de Educação e o novo paradigma; Finalidades da educação; Aspectos histórico-filosóficos e sociopolíticos: tendências pedagógicas no Brasil e sua fundamentação; A relação escola-sociedade; A educação continuada O Orientador Pedagógico frente à realidade educacional brasileira. II. A Orientação Pedagógica e a Legislação - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei nº9394/96 e os instrumentos complementares; Parâmetros Curriculares nacionais; Estatuto da Criança e do Adolescente; O Orientador Pedagógico e a análise e aplicação da legislação vigente na dinâmica escolar. III. A Orientação Pedagógica e o processo ensino-aprendizagem - A escola como espaço de formação da cidadania plena e da socialização do conhecimento; Construção do Projeto Político Pedagógico; O currículo; Planejamento das atividades escolares; O aluno como construtor do conhecimento; Relações intra e extra-escolares; Avaliação como processo formativo; O Orientador Pedagógico como mediador do trabalho coletivo e cotidiano da Escola.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

BRASIL, Lei nº. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ano CXXX, n. 248, p.27833-27841, 23dez. 1996.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais Secretaria de Educação Fundamental - Brasília: MEC/SEF, 1998.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir, São Paulo: Cortez Brasília: DF: MEC: UNESCO, 1999.

ESTATUTO da criança e do adolescente: Lei nº. 80069, de 13 de julho de 1990. 12ed. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva 2002.

FERREIRA, N. S. C. (Org.). Supervisão educacional para uma escola de qualidade: da formação à ação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GANDIM, D. Temas para um projeto político pedagógico. 6ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

GEMERASCA, M. P.; GANDIM, D. Planejamento participativo na escola: o que é e como se faz. 3ed. São Paulo. Loyola, 2004.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. 19ed. Porto Alegre: Educação & Realidade, 1993.

ORIENTADOR EDUCACIONAL: 1. Políticas públicas em educação; 2. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei 9394/96; 3. ENEM/Exame Nacional de Ensino Médio; 4. Educação inclusiva; 5. O Estatuto da criança e do adolescente/ECA; 6. Fundamentos filosóficos da orientação educacional; 7. Currículo e orientação educacional; 8. Cotidiano na escola: violência e disciplina na escola; 9. Funções e papel do orientador educacional; 10. Projeto político-pedagógico na unidade escolar; 11. Interdisciplinariade; 12. Prática educativa e prática pedagógica, 13. Avaliação da aprendizagem e fracasso escolar; 14. Conselho de classe; 15. Processo de ensino e tendências pedagógicas no Brasil; 16. Relação professor-aluno-comunidade; 17. Novas abordagens sobre competência e habilidades no ensino; 18. Ação integrada: orientação, supervisão e administração; 19. Atendimento e orientação para o trabalho do aluno.

SUGESTÃO BIBLIOGRÁFICA:

ALVES, N. e GARCIA, R. O fazer e o pensar dos supervisores e orientadores educacionais. São Paulo: Loyola, 2002.

ALVES, R. Conversas com quem gosta de ensinar. São Paulo: Cortez, 1985.

BECK, C. Fundamentos filosóficos da orientação educacional. São Paulo: EPU, 1977.

D'ANTOLA, A. (org.). Disciplina na escola: autoridade versus autoritarismo. São Paulo: EPU, 1989.

Estatuto da criança e do adolescente.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Loyola, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Professor - sim, tia -não. São Paulo: Olho d'água, 1993.

GADOTTI, M. Escola cidadã. São Paulo: Cortez, 1992.

GANDIN, D. A prática do planejamento participativo. Petrópolis: Vozes, 1994.

GARCIA, R. (org.). Orientação educacional, o trabalho na escola. São Paulo: Loyola, 1994.

GRINSPUN, M. (org.). Supervisão e orientação educacional - perspectivas de integração na escola. São Paulo: Cortez, 2005.

GRINSPUN, M. A orientação educacional: conflito de paradigmas e alternativas para a escola. São Paulo: Cortez, 2002.

GRINSPUN, M. A prática dos orientadores educacionais. São Paulo: Cortez, 2001.

GRINSPUN, M. Espaço filosófico da orientação educacional. Rio de Janeiro: rio Fundo, 1992.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, lei 9394/96.

LIBÂNEO, J.C. Adeus professor, adeus professora? São Paulo: cortez, 1998.

LIBÂNEO, J.C. Didática. São Paulo: Cortez, 1991.

LÜCK, H. Ação integrada - administração, supervisão e orientação educacional. Petrópolis: Vozes, 1981.

LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2005.

LUCKESI, C.C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1990.

MIZUKAMI, M. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: E.P.U., 1986.

MOREIRA, A. F. (org.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1994.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à Educação do Futuro. São Paulo. Ed. Corte, 2000.

PERRENOUD, P. THURLER, M. As competências para ensinar no século XXI. Porto Alegre: Artmed, 2002.

ROGERS, C. E ROSENBERG, R. A pessoa como centro. São Paulo: EPU, 1977.

VASCONCELLOS, C. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político-pedagógico ao cotidiano na sala de aula. São Paulo: Libertad, 2002.

ZALUAR, A. (org.). Violência e Educação. São Paulo: Cortez, 1992.

INSPETOR ESCOLAR: 1. Fins da educação; 2. Políticas públicas em educação; 3. Legislação Brasileira: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9394/96; 4. Financiamento da educação: Funbed, Fundef. 5. ENADE/ Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes, SAEB/Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica, ENEM/Exame Nacional de Ensino Médio. 6. Educação inclusiva; 7. Educação de jovens e adultos; 8. PCNs/Parâmetros Curriculares Nacionais; 9. O Estatuto da criança e do adolescente/ECA; 10. Funções e papel do inspetor escolar; 11. Formação do inspetor escolar; 12. Cotidiano escolar: violência; 13. Projeto político-pedagógico; 14. Planejamento do ensino; 15. Interdisciplinaridade; 16. Ação integrada: orientação, supervisão e administração; 17. Gestão escolar; 18. Abordagens do processo de ensino; 19. Pressupostos da ação do supervisor; 20. Dinâmica do currículo; 21. Avaliação educacional e fracasso; 23. Habilidades e competências: melhoria do desempenho escolar.

SUGESTÃO BIBLIOGRÁFICA:

ALVES, N. (org.). Formação de professores: pensar e fazer. São Paulo: Cortez, 1992.

ALVES, N. e GARCIA, R. O fazer e o pensar dos supervisores e orientadores educacionais. São Paulo: Loyola, 2002.

D'ANTOLA, A. (org.). Disciplina na escola: autoridade versus autoritarismo. São Paulo: EPU, 1989.

Estatuto da criança e do adolescente

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Loyola, 1991.

FRAGA, V.F. Gestão pela formação humana - uma abordagem fenomenológica. Rio de Janeiro: Impetus, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREITAS, N.G. (org.). Escola competente. Rio de Janeiro: WAK, 2003.

GADOTTI, M. Autonomia da escola: princípios e propostas. São Paulo: Cortez, 2000.

GADOTTI, M. Escola cidadã. São Paulo: Cortez, 1992.

GANDIN, D. A prática do planejamento participativo. Petrópolis: Vozes, 1994.

GRINSPUN, M. (org.). Supervisão e orientação educacional - perspectivas de integração na escola. São Paulo: Cortez, 2005.

HADJI, C. Pensar e agir em educação. Porto Alegre: Artmed, 2001.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei 9394/96.

LIBÂNEO, J.C. Didática. São Paulo: Cortez, 1991.

LIBÂNEO, J.C. Pedagogia e pedagogos para quê? São Paulo: Cortez, 1999.

LÜCK, H. Ação integrada - administração, supervisão e orientação educacional. Petrórpolis: Vozes, 1981.

LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2005.

LUCKESI, C.C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1990.

MIZUKAMI, M. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: E.P.U., 1986.

MOREIRA, A. F. (org.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1994.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à Educação do Futuro. São Paulo. Ed. Cortez, 2000.

PERRENOUD, P. THURLER, M. As competências para ensinar no século XXI. Porto Alegre: Artmed, 2002.

SAVIANNI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. São Paulo: Cortez, 1991.

SILVA, T. T. Sujeito da educação. Petrópolis: Vozes, 1994.

TACHIZAWA, T. E ANDRADE, R.. Gestão de instituições de ensino. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

VASCONCELLOS, C. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político-pedagógico ao cotidiano na sala de aula. São Paulo: libertad, 2002.

ZABALA, A. A prática educativa - como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ZALUAR, A. (org.). Violência e Educação. São Paulo: Cortez, 1992.

PROFESSOR DE 1ª A 4ª SÉRIES: I. O professor e a Educação - Conceito de Educação; A Educação Brasileira através dos tempos e seu papel na sociedade atual; O homem como sujeito da educação: fundamentos históricos, filosóficos e psicológicos; A educação permanente; O professor como agente de mudança. II. O professor e a legislação - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei nº9394/96 e os instrumentos complementares; Parâmetros Curriculares nacionais; Estatuto da Criança e do Adolescente; O professor frente à legislação vigente. III. O professor e o processo ensino-aprendizagem - Aprendizagem significativa: currículo, conteúdos, metodologia e avaliação; Construtivismo; O aluno como centro do processo ensino-aprendizagem; A contribuição teórica das diferentes áreas do conhecimento: teorias do desenvolvimento humano, teorias da aprendizagem e das relações interpessoais; Letramento e alfabetização: novos conceitos; A escola como espaço de formação do sujeito crítico, criativo e autônomo; O professor como mediador no processo de transmissão e reconstrução do saber sistematizado.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

ARANHA, M. L. A. História da Educação. 2.ed. ver e atual. São Paulo: Moderna, 1996.

BRASIL, Lei nº. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ano CXXX, n. 248, p.27833-27841, 23dez. 1996.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais Secretaria de Educação Fundamental - Brasília: MEC/SEF, 1998.

CARRAHER, T. N. (Org.) Aprender pensando: contribuições da Psicologia cognitiva para a Educação. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1988.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir, São Paulo: Cortez Brasília: DF: MEC: UNESCO, 1999.

ESTATUTO da criança e do adolescente: Lei nº. 80069, de 13 de julho de 1990. 12. ed. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva 2002.

FERREIRO, E. Reflexões sobre a alfabetização. 14ed. São Paulo: Cortez, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FURLANI, L. M. T. Autoridade do professor: meta, mito ou nada disso? 3. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. 19. ed. Porto Alegre: Educação & Realidade, 1993.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 23. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1994.

MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: E.P.U., 1986.

MORETTO, V. P. Construtivismo: a produção do conhecimento em aula. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

PIAGET, J., INHELDER, B. A psicologia da criança. 7. ed. São Paulo: Difel, 1982.

PILETTI, Claudino. Didática Geral. São Paulo: Ática, 1986.

REGO, T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

RIOS, T. A. Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

VASCONCELLOS, C. S. Avaliação: concepção dialética-libertadora do processo de avaliação escolar. 5. ed. São Paulo: Libertad, 1995.

PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA (5ª A 8ª SÉRIES): 1. Conceitos Gerais: Língua e Fala; Língua, Variantes Regionais, Dialetos; Norma Culta e Expressão Lingüística; Linguagem, Discurso, Texto, Literatura. 2. Leitura e Interpretação de Textos: Compreensão, Interpretação, Relações entre textos, Intertextualidade, Produção textual. 3. Tipologia Textual: Descrição, Narração, Dissertação; Tipos de Discurso. 4. Fonética e Fonologia: Som e Fonema; Classificação dos Fonemas; Sílaba; Encontros Vocálicos e Consonantais; Acento Tônico; Classificação das Sílabas segundo sua tonicidade. 5. Morfologia: Fonema e Letra; Elementos Estruturais, Processos de formação de palavras. 6. Ortografia: Emprego das Letras; Palavras com Formas Variantes; Acentuação Gráfica; Plural dos Substantivos Compostos; Uso do Hífen; Ortografia e Prosódia. 7. Pontuação: Funções e Emprego dos Sinais de Pontuação. 8. Flexões Gramaticais: Gênero, Número, Grau; Modo, Tempo, Voz, Pessoa. 9. Classes de palavras: 9.1. Substantivos: Conceito, Classificações, Flexões. 9.2. Artigos: Conceito, Classificações, Flexões. 9.3. Numerais: Conceito, Classificações, Flexões. 9.4. Adjetivos: Conceito, Classificações, Flexões. 9.5. Pronomes: Conceito, Classificações, Flexões; Colocação Pronominal. 9.6. Verbos: Conceito, Classificações, Flexões; Formas Nominais; Conjugação; Formas Rizotônicas e Arrizotônicas; Tempos Compostos; Tempos Primitivos e Derivados; Locuções Verbais. 9.7. Advérbios: Conceito, Classificações, Flexão de grau, Locuções Adverbiais. 9.8. Preposições: Conceito, Classificações, Locuções Prepositivas. 9.9. Conjunções: Conceito, Classificações, Locuções Conjuntivas. 9.10. Interjeições: Conceito, Locuções Interjectivas. 9.11. Palavras Denotativas. 10. Regência: Nominal e Verbal. 11. Concordância: Nominal e Verbal. 12. Sintaxe: Oração, Período, Frase; Termos da Oração; Coordenação, Subordinação; Classificação das Orações e dos Períodos; Orações Reduzidas. 13. Semântica: Conotação e Denotação; Campos Semânticos, Sinonímia, Antonímia, Homonímia, Paronímia, Polissemia. 13. Estilística: Figuras de Linguagem. 14. Estrutura e Organização Textual: Coerência, Coesão, Elementos de Coesão Textual (conjunções e pronomes relativos); Seleção Vocabular e Clareza, Repetição, Substituição e Variação de palavras; Vícios de Linguagem.

SUGESTÃO BIBLIOGRÁFICA:

AQUINO, R. Interpretação de Textos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

Português para Concursos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

AZEREDO, J.C. Iniciação à Sintaxe do Português. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995.

BECHARA, E. Gramática Escolar da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Ed. Lucerna, 2001.

Lições de Português pela Análise Sintática. Rio de Janeiro: Ed. Lucerna, 2006 (18ª edição). Moderna Gramática Portuguesa. Rio de Janeiro: Ed. Lucerna, 1999.

CUNHA, C., CINTRA, L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio de Janeiro, Ed. Nova Fronteira: 1985 (2ª edição).

FARACO & MOURA. Língua e Literatura. Rio de Janeiro: 1986.

INFANTE, U. Curso de Gramática Aplicada aos Textos. São Paulo: Scipione, (4ª edição).

KOCH, I.V. A Coesão Textual. São Paulo: Ed. Contexto, 1990.

KOCH, I.V., TRAVAGLIA, L.C. Texto e Coerência. São Paulo: Ed. Cortez, 1995.

KURY, A.G. Ortografia, Pontuação, Crase. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1999 (3ª edição).

Lições de Análise Sintática. São Paulo: Lisa - Livros Irradiantes, 1973.

REIS, O. Breviário de Conjugação de Verbos. Rio de Janeiro, Livraria Francisco Alves Editora: 1991.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA (5ª A 8ª SÉRIES): O Ensino de Matemática e os PCNS: Tendências Atuais. Lógica: Noções sobre Conjuntos; Operações; Propriedades e Aplicações na Resolução de Problemas. Conjuntos Numéricos: Sistemas de Numeração; Números Naturais; Inteiros; Racionais; Reais e Complexos: Representação; Operações; Aplicações e Resolução de Problemas. Razão e Proporção: Conceito e Propriedades; Números e Grandezas Proporcionais; Regra de Três Simples e Composta; Porcentagem. Funções: Conceito e Representação; Gráficos de Função; Função Afim, Quadrática, Modular, Exponencial e Logarítmica; Resolução de Equações e Inequações. Seqüências Numéricas: Progressões: Aritmética e Geométrica. Análise Combinatória: Princípio Fundamental de Contagem; Permutações e Combinações; Binômio de Newton. Probabilidade e Estatística: Noções de Probabilidade; Construção e Interpretação de Tabelas e Gráficos; Medidas Estatísticas: Medidas de Locação ou Tendência Central: Média Aritmética, Mediana e Moda; Medidas de Dispersão ou Variabilidade: Variância e Desvio Padrão. Matrizes e Determinantes: Propriedades e Operações. Sistemas Lineares: Resolução e Aplicações. Geometria Plana: Conceitos Primitivos; Ângulos: Medidas, Classificação e Operações; Triângulos e Polígonos; Circunferência e Círculo; Polígonos Inscritos e Circunscritos; Unidade de Medidas no Sistema Internacional; Perímetro e Área de Figuras Planas; Relações Métricas nos Triângulos Retângulo e Quaisquer, Congruência e Semelhança de Figuras Planas. Geometria Espacial: Diedros; Áreas e Volumes de Sólidos Geométricos: Prismas, Pirâmide, Cilindro, Cone, Esfera. TRIGONOMETRIA: Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo e Ciclo Trigonométrico, Funções Trigonométricas, Identidades Trigonométricas, Equações e Inequações. GEOMETRIA ANALÍTICA: Ponto, Equação da Reta, Posições Relativas; Distância entre Pontos e entre Ponto a Reta; Equações da: Circunferência, Elipse, Hipérbole e Parábola. NOÇÕES DE CÁLCULO: Limite: Noção Intuitiva, Cálculo de Limites. Derivada: Definição, Interpretação Geométrica, A Derivada de uma Função, A Reta Tangente.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

BRASIL. MEC-SEF - Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. MEC-SEMTEC - Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC, 2002.

D'AMBROSIO, U. Educação Matemática: Da Teoria à prática. Campinas, SP: Papirus, 1996.

DANTE, L.R. Tudo é Matemática: Ensino Fundamental, 5a a 8a Séries - São Paulo. SP: Ática, 2005.

DANTE, L.R. Matemática Contexto & Aplicações - Ensino Médio, 1a, 2a e 3a Séries -. São Paulo. SP: Ática, 2004.

FARIAS, A.A.; SOARES. J.F.; CÉSAR, C.C. Introdução à Estatística, 2a Ed. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 2003.

FLEMING, D.M., GONÇALVES, M.B. Cálculo A: Funções, Limite, Derivação Integração. São Paulo, SP: Makron Books, 2003.

IEZZI, G., DOLCE, O., DEGENSZAJN, D., PÉRIGO, R. NILSE, A. Matemática- Ciência e Aplicações. São Paulo, SP: Atual, 2004.

IMENES, L.M., LELLIS, M. Matemática para todos: Ensino Fundamental - 5a a 8a Série, 2a ed. São Paulo, SP: Editora Scipione, 2006.

LAY, D.C. Álgebra Linear e suas aplicações, 2a ed. - Rio de Janeiro. RJ: LTC, 2003.

LIMA, E.L.; CARVALHO, P.C.P.; WAGNER, E.; MORGADO, A.C. A Matemática do Ensino Médio, Coleção do Professor de Matemática, Volumes 1,2,3. Rio de Janeiro. RJ: SBM, 1996.

LIMA, E.L.; CARVALHO, P.C.P.; WAGNER, E.; MORGADO, A.C. Temas e Problemas Elementares, Coleção do Professor de Matemática. Rio de Janeiro. RJ: SBM, 2005.

LINDQUIST, M.M.; SHULTE, A. (org.). Aprendendo e Ensinando Geometria. São Paulo, SP: Atual, 1994.

LINS, R.C.; GIMENEZ, J. Perspectivas em Aritmética e Álgebra para o Século XXI. Campinas, SP: Papirus, 1997. MACHADO, N.J. Matemática e Realidade, 6a Ed. São Paulo, SP: Cortez, 2005.

MORGADO, A.C.; CARVALHO, J.B.P.; CARVALHO, P.C.P.; FERNANDEZ, P. Análise Combinatória e Probabilidade, Coleção do Professor de Matemática, Rio de Janeiro. RJ: SBM, 2006.

PAIVA, M. Matemática. Volumes 1,2,3. Ensino Médio. São Paulo, SP: Moderna, 2005.

TINOCO, L. Geometria Euclidiana por meio de resolução de problemas. Rio de Janeiro, RJ: IM/UFRJ-Projeto Fundão, 1999.

PROFESSOR DE CIÊNCIAS (5ª A 8ª SÉRIES): 1. Meio Ambiente: Terra e Universo: Sistema Solar, origem da Terra, estudo do ar; da água, do solo. 2. O homem como agente transformador do ambiente e os problemas ambientais globais: poluição, efeito estufa, chuva ácida e desmatamento. 3. Vida e Ambiente: origem e evolução dos seres vivos. 4. Seres Vivos: vírus; estudo dos reinos Monera, dos Fungos, Protozoários; estudos dos vegetais, classificação, organologia, fisiologia; estudos dos animais, características gerais e classificação. 5. Corpo Humano: noções do corpo humano, anatomia, fisiologia. 6. Noções Básicas de Saúde: viroses, bacterioses, protozooses, verminoses e sua profilaxia. 7. Alimentos: classificação e importância. Doenças transmitidas pelos alimentos. 8. Doenças infecciosas e parasitárias: prevenção e vacinação. AIDS: princípios da doença e formas de prevenção. 9. Sexo e gravidez na adolescência. Conceitos básicos da hereditariedade. 10. Tecnologia e sociedade: avanços tecnológicos e suas relações com a Física e a Química. 11. Física: Fundamentos teóricos da Física: conceitos, leis, relações e princípios básicos. 12. Química: Fundamentos teóricos da Química: conceitos, leis, relações e princípios básicos, interações e transformações químicas, estrutura da matéria, substâncias, misturas e combinações, Noções de funções e reações químicas.

SUGESTÃO BIBLIOGRÁFICA:

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998; Volume: Ciências Naturais.

CANTO, E.L. Minerais, Minérios, Metais. 2ª ed. São Paulo: Moderna, 1996.

CARVALHO, A.M.P., GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações, 2ª ed., São Paulo: Cortez, 1995.

CAVINATTO, V.M. Saneamento básico: fonte de saúde e bem estar. 7ª ed. São Paulo: Moderna, 1992.

FERRARO, N.G. Eletricidade: História e aplicações. 5ª ed. São Paulo: Moderna, 1991;

AMABIS, J. M. e MARTHO, G. R. "Fundamentos da Biologia Moderna". vol. único. São Paulo: Moderna, 1994.

BARROS, C.; PAULINO, W.R. "Física e química". São Paulo: Ática, 1997.

BONJORNO, J.R. Física. FTD.

FELTRE, R. "Química", Vol. 1, 2 e 3. Ed. Moderna

GEWANDSZNAJDER, F. Matéria e Energia: Ciências. São Paulo: Ática, 2000.

ALBERTS, B.; BRAY, D.; LEWIS, J.; RAFF, M.; ROBERTS, K.;

WATSON, J.D. Biologia Molecular da Célula. Porto Alegre: Artmed, 1997. 1294p.

BARNES, R.S.K.; CALOW, P.; OLIVE, P.J.W. Os Invertebrados: uma nova síntese. São Paulo: Atheneu, 1995. 526p.

FUTUYMA, D.J. Biologia Evolutiva. Ribeirão Preto: SBG, 1997.631p.

ODUM, E.P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988. 434p.

HARPER & HOW do Brasil, 1982. 490p.

RAVEN, P.; EVERT, R.F.; EICHHORN, S.E. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara, 1996. 728p.

STORER, T. Zoologia Geral. São Paulo: Nacional, 1995. 816p.

TORTORA, G.J. Corpo Humano: Fundamentos de Anatomia e Fisiologia. Rio de Janeiro: Artmed. 574p.

PROFESSOR DE GEOGRAFIA (5ª A 8ª SÉRIES): Evolução do Pensamento Geográfico; O ensino de Geografia no Ensino Fundamental; Conceitos Chaves da Geografia: Espaço, Região, Território, Paisagem, Lugar e Redes Geográficas; A representação do espaço geográfico; As escalas geográficas de análise; A relação Sociedade x Natureza em Geografia; A superfície terrestre: estrutura e formas de relevo; As unidades do relevo brasileiro; Os domínios naturais e as paisagens climato-botânicas no Brasil; A exploração dos recursos naturais no Brasil e seus impactos ambientais; A construção geográfica do território brasileiro; Reorganização produtiva do território brasileiro; Processos de industrialização e de urbanização no Brasil; As relações campo x cidade; A população brasileira; Migrações; Agricultura brasileira: estrutura fundiária, relações de trabalho e de produção; A reorganização do espaço brasileiro; A divisão regional no Brasil; A divisão internacional do trabalho; Metropolização e Desmetropolização; A circulação do Capital, Informação, Mercadorias e da População; Globalização / fragmentação do espaço e suas conseqüências. O neoliberalismo e a reorganização do espaço latino-americano; Dilemas e contradições da hegemonia norte-americana; Desagregação soviética e a posição periférica russa; Leste Europeu e a transição para o capitalismo; O espaço europeu; Cuba: perspectivas e desafios na construção do socialismo; Mercosul: dilemas e perspectivas; Contradições do crescimento econômico chinês; Japão e os Tigres Asiáticos. África: periferia do capitalismo e diversidades regionais.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

BECKER, B.K. & EGLER, C.A.G. Brasil: uma nova potência regional na economia-mundo. Rio de Janeiro, Bertrand, 1993.

CASTRO, I.E. et al. (orgs). Geografia: conceitos e temas. São Paulo, Bertrand, 1995.

. Explorações geográficas. São Paulo, Bertrand, 1997.

. Brasil: questões atuais da reorganização do território. São Paulo, Bertrand, 2ª ed., 2002.

CORRÊIA, R.L. A rede urbana. São Paulo. Ática, 1989.

CORREA, R.L. Trajetórias geográficas. RJ: Bertrand Brasil, 1997.

GOMES, P.C.C. Geografia e modernidade. São Paulo, Bertrand, 4ª ed., 2003.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização. São Paulo, Bertrand, 2004.

. Territórios Alternativos. SP: Contexto, 2002.

PENNAFORTE, C. Fragmentação e resistência: o Brasil e o mundo no século XXI. Rio de Janeiro, E-Papers, 2003. . América Latina e o Neoliberalismo: Argentina, Chile e México. Rio de Janeiro, E-Papers, 2001.

ROSS, J. (Org) Geografia do Brasil. SP: Edusp, 1998.

RUA, J.; WASZKIAVICUS, F.A, TANNURI, M.R.P., PÓVOA NETO, H. Para Ensinar Geografia, Rio de Janeiro, ACCESS, 1993.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo. São Paulo, Hucitec, 1994.

& SILVEIRA. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro, Record, 2ª ed., 2001. . A natureza do espaço. São Paulo, Hucitec, 3ª ed., 1999.

. Espaço & método. São Paulo, Nobel, 1988.

Editoras: www.atica.com.brwww.record.com.br (Editora Bertrand) www.e-papers.com.brwww.nobel.com.br

PROFESSOR DE HISTÓRIA (5ª A 8ª SÉRIES): 1. História: Ensino da História. História (teoria e métodos). 2. História das Sociedades (culturas e mentalidades, poder, economia, etnia, sexualidade e desenvolvimento tecnológico). 3. História Antiga (As primeiras civilizações. O escravismo. Organização econômica, social e política do povo egípcio. Grécia: economia, organização social e pensamento. Roma: da república ao declínio do Império. Os povos bárbaros). 4. História Medieval (Sociedade medieval: economia, sociedade e organização política. O Império Carolíngio, As Cruzadas, A crise do feudalismo). 5. História Moderna (Expansão marítima. América Pré-Colombiana. A Colonização Européia. O Renascimento. As Monarquias Nacionais e o Absolutismo. A Revolução Inglesa. A Revolução Francesa). 6. História Contemporânea (Revolução Industrial. Revoluções Liberais. A Primeira Guerra Mundial. Revolução Russa. A crise de 1929. O fascismo na Itália. O nazismo na Alemanha. A Segunda Guerra Mundial. O mundo pós-guerra: a Guerra Fria. A formação do Terceiro Mundo. O Neo-Imperialismo e a América Latina; O Neo-Imperialismo e a luta de libertação dos povos africanos. Neoliberalismo). 7. História do Brasil: Colônia (Colonização Portuguesa: aspectos sociais, políticos e econômico. Escravidão e trabalho no Brasil. O cotidiano na Colônia). Império (Primeiro Reinado. Período Regencial. Segundo Reinado. As revoltas liberais. O cotidiano no Império. Aspectos econômicos e políticos do Império). República (Primeira República: aspectos, econômicos, políticos e sociais. As oligarquias. A crise do café. O trabalho, o Estado e a legislação social na chamada "Era Vargas". O trabalho e o sindicalismo nos anos 50 e 60. O movimento de 1964 e o Estado de Segurança Nacional. Da distensão à abertura política: anistia, a campanha pelas Diretas, o fim do regime militar. 8. História da África (Da pré-história aos dias atuais).

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

ABREU, M. & SOIHET, R. (org.). Ensino de História: conceitos, temáticas e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

BARRACLOUGH, G. Europa uma Revisão Histórica. Rio de Janeiro: Zahar, 1964.

BITTENCOURT, C. (Org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1998.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1987.

CARDOSO, C.F.S. (org.). Escravidão e Abolição no Brasil: novas perspectivas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

CARVALHO, J.M. Os bestializados. São Paulo: Cia das Letras, 1987.

CHASTEEN, J.C. América Latina: uma história de sangue e fogo. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

CASTORIADIS, C. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

DEL PRIORE, M. Ancestrais: uma introdução à história da África Atlântica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

DERRIDA, J. Espectros de Marx. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

DONGHI, T. História da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1975.

DUBY, G. A História Continua. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

FLORENTINO, M. Em costas negras. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

FREYRE, G. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. São Paulo: Ed. Global, 2004.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forence Universitária, 1987.

.Micro física do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2003.

FREIRE, A., MOTTA, M.S., ROCHA, D. História em curso - o Brasil e suas relações com o mundo ocidental. São Paulo: Editora do Brasil; Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2004 - (Coleção Aprender).

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1980.

GALEANO, E. As veias abertas da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.

GOMES, A.C. (org.). A República no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

GRAMSCI, A. Concepção dialética de história. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1989.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HOBSBAWUN, E. A era dos extremos: o breve século XX - 1914/1991. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

HOLANDA, S.B. Raízes do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

HUIZINGA, J. O Declínio da Idade Média. São Paulo: Edusp. 1978.

IANNI, O. A sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

LE GOFF, J. A Civilização do Ocidente Medieval. Lisboa: Editorial Estampa. 1983.

LOPES, N. Bantos, Malês e Identidade Negra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988

MAGNOLI, D. O mundo contemporâneo. São Paulo: Editora Moderna, 1996.

MAXWELL, K. A devassa da devassa. São Paulo: Paz e Terra, 1985.

MUNANGA, K. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Ática, 1986.

OLIVER, R. A Experiência Africana: da pré-história aos dias atuais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de estado Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: 3º e 4º Ciclos do Ensino Fundamental para História. Brasília, 1997.

PENTEADO, H. Metodologia do ensino de História e Geografia. São Paulo: Cortez, 1994.

SKIDMORE, T. Brasil: de Castelo a Tancredo. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

.Preto no branco. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

.Brasil: de Getúlio a Castelo (1930 - 1964). São Paulo: Paz e Terra, 1996

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA (5ª A 8ª SÉRIES): 1. Pensamento pedagógico da educação física brasileira - fundamentos teórico-metodológicos das diferentes concepções ou abordagens que influenciam o discurso e a prática pedagógica do professor de educação física na educação básica. 2. Finalidade e objetivos da educação física na educação básica. 3. Conhecimentos de ensino-aprendizagem da educação física na educação básica - fundamentos técnicos e normativos da cultura do movimento humano (ginástica, esporte, jogo e dança); fundamentos socioculturais, psicossociais e biofísicos da cultura do movimento humano; parâmetros de seleção de conteúdos em função dos estágios de desenvolvimento e de aprendizagem dos educandos. 4. Métodos e metodologias de ensino da educação física na educação básica - estilos de ensino de Mosston, métodos criativos e modelos de planejamento e organização das aulas propriamente ditas. 5. Avaliação do ensino-aprendizagem da educação física na educação básica - concepções, técnicas e instrumentos de medida e avaliação das dimensões conceitual, procedimental e atitudinal dos conhecimentos.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

ASSIS, S. Reinventando o esporte: possibilidades da prática pedagógica. Campinas: Autores Associados, 2001.

AYOUB, E. Ginástica geral e educação física escolar. Campinas: Unicamp, 2003.

BARRETO, D. Dança... ensino, sentido e possibilidades na escola. Campinas: Autores Associados, 2004.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC, 1998.

DAOLIO, J. Educação física e o conceito de cultura. Campinas: Autores Associados, 2004.

DARIDO, S. C. RANGEL, Irene Conceição Andrade. Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

DIETRICH, K. et al. Os grandes jogos - metodologia e prática. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1984.

FARINATTI, P.T.V., FERREIRA, M.S. Saúde, promoção da saúde e educação física - conceitos, princípios e aplicações. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2006.

FERRAZ, O.L. O desenvolvimento da noção de regras do jogo de futebol. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 27-39, 1997. ( )

GALAHUE, D.L., OZMUN, J. Compreendendo o desenvolvimento motor. São Paulo: Phorte, 2003.

GOZZI, M.C.T.; RUETE, H.M. Identificando estilos de ensino em aulas de educação física em segmentos não escolares. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 117-134, 2006. ( )

HILDEBRANDT, R., LAGING, R. Concepções abertas no ensino da educação física. RJ: Ao Livro Técnico, 1986.

HOFFMAN, S.J.; HARRIS, J.C. Cinesiologia - o estudo da atividade física. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MAGILL, R.A. Aprendizagem motora: conceitos e aplicações. São Paulo: Edgard Bluches, 2000.

NAHAS, M.V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf, 2003.

RESENDE, H.G.; NASCIMENTO, V.C. Indicadores didático-pedagógicos para o ensino da educação física: acordos e desacordos dos autores especialistas. In: LEBRE, Eunice; BENTO, Jorge. (Org.). Professor de educação física - ofícios da profissão. Porto: Ed. EFCD-UP, 2004, p. 213-224.

SOARES, C.L. et al. Metodologia do ensino da educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

SOUZA JR., M. (Org.). Educação física escolar - teoria e política curricular, saberes escolares e proposta pedagógica. Recife: EDU PE, 2005. ( www.upe.br/edupe/ )

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA (5ª A 8ª SÉRIES): História da Arte Universal - da pré- história aos movimentos contemporâneos. Modernismo: origens, a semana de 1922 e seus desdobramentos. Arte no Brasil: História do ensino da Arte no Brasil e perspectivas. Arte e cultura do Brasil. Elementos das artes visuais. Espaço / Forma / Cor / Tempo / Movimento. A Arte na Educação. O Ensino de Arte no Currículo Escolar: Legislação e Prática. Conteúdo e critérios de avaliação de Artes Visuais. Objetivos, conteúdo e critérios de avaliação de Artes Visuais. História do teatro brasileiro. Principais dramaturgos nacionais. As Artes Cênicas na Educação: objetivos, conteúdos e critérios de avaliação. Elementos básicos da Música. Notações da linguagem musical. Elementos básicos da harmonia. História da música universal. História da música brasileira erudita e popular. Principais compositores brasileiros: vida e obra. Movimentos musicais. Manifestações do folclore nacional. Hinos oficiais. Educação musical no Brasil. Procedimentos Pedagógicos em Música. Principais correntes pedagógicas de musicalização.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

ANDRADE, M. Pequena História da Música, São Paulo: Ed. Martins 1977.

BARBOSA, A. M. A Imagem no Ensino da Arte. São Paulo: Perspectiva, 1944.

BENNET, R. Formas e estruturas na Música. Jorge Zahar Editor, 1986.

. Uma Breve história da Música. Jorge Zahar Editor, 1986.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Arte. Brasília: MEC/ SEF, 1997. CARPEAUN, O. M. Uma nova história da Música. Ed. Editorial, Alhambra.

FERRAZ, M.H.C.T. & FUSARI, M.F.R. Metodologia do ensino da arte (coleção magistério 2º grau. Série Formação do Professor). Cortez, São Paulo, 1993.

FRADE, C. (org.) Guia do Folclore Fluminense Presença/ SEEC - RJ, 1985.

FRATANTONIO, A.S. Hinário Pedagógico. São Paulo. Ricordi Brasileira.

FUSARI, M.F.R. & FERRAZ, M.H.C.T. Arte na educação escolar. (coleção magistério 2 º grau Série Formação do Professor) Cortez, SP, 1992.

MAGALDI, S. Panorama do teatro brasileiro. São Paulo: Inacem, 1986.

MARIZ, V. A canção brasileira: erudita folclórica, popular. Civilização Brasileira/ MEC, 1977.

OSTOWER, F. Universo da Arte. Rio de Janeiro. Campus, 1983.

MARTINS, M.C.F. Didática do ensino de arte, a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo, FTD, 1988.

. Criatividade e processo de criação. Rio de Janeiro: Vozes, 1993.

PAZ, E. Um estudo sobre as correntes pedagógicas - musicais brasileiras. Cadernos Didáticos UFRJ nº 11. SCHAFFER, M. O ouvido pensante Unesp, 1991.

TINHORÃO, J. R. Pequena História da Música Popular. Vozes, 1974.

PROFESSOR DE INGLÊS (5ª A 8ª SÉRIES) - Compreensão de textos em Língua Inglesa: estratégias de leitura, estrutura e organização textual, coesão e coerência, tipologia textual e proficiência em elementos e relações estruturais da lingüística da língua inglesa; os processos básicos do ensino e aprendizagem da Língua Inglesa, seus métodos e abordagens. CONTEÚDOS ESPECÍFICOS: 1. os principais elementos e relações da estrutura lingüística da língua inglesa; 1.1 Leitura e compreensão de textos em Língua Inglesa; estratégias e habilidades de leitura; tipologia de textos; vocabulário; estrutura e organização textual; coesão e coerência; 1.2 Fonologia; 1.3 Morfologia; 1.4 Sintaxe; 1.5 Semântica; 2. Prática de desenvolvimento e ensino da Língua Inglesa; 2.1 Métodos, abordagens, técnicas, recursos e objetivos de ensino como língua estrangeira.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

ALMEIDA-FILHO, J.C. O professor de língua estrangeira em formação. Campinas/SP, Pontes Editores, 1999.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Volume: Língua Estrangeira. Brasília: MEC/ SEF, 1998.

BIBER, D. et al. Longman Grammar of Spoken and Written English.

CELANI, A. As Línguas Estrangeiras e a Ideologia Subjacente à Organização dos Currículos da Escola Pública, CLARITAS, nº 1, São Paulo, EDUC, 1995.

CELCE-MURCIA, M. & LARSEN-FREEMAN, D. The Grammar Book. 2ndEd. Boston: Heinle-Thompsom, 1999. GRIGOLETTO, M. CARMAGNANI, A.M. (org.). Inglês como língua estrangeira: identidade, práticas e textualidade, São Paulo, Humanitas, 2001.

KRASHEN, S., TERRELL, T. The Natural Approach. UK, The Alemany Press/Pergamon Press, 1983.

NUMAN, D., LAMB, C. The Self-Directed Teacher - Managing the learning Process. NY, Cambridge University Press, 1996.

QUIRK, R., LEECH, G., SVRARTVIK, J. A Grammar of Contemporary English. London, Longman, 1979.

RICHARDS, J.C., LOCHART, C. Reflective teaching in Second language classroom. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

LEECH, G., SVRARTVIK, J. A. A communicative grammar of English. 2nd ed. New York: Longman Group, 1994. MURPHY, R. English Grammar in use. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

SWAN, M., WALTER, C. How English works. Oxford: Oxford University Press, 1997.

WIDDOWSON, H.G. O ensino de Línguas para comunicação. Campinas, Pontes, 1991.

PROFESSOR DE SOCIOLOGIA (5ª A 8ª SÉRIES):1. Fundamentos teórico-metodológicos: fato social e ação social; explicação e compreensão; positivismo e interpretação do sentido; História: evolução, progresso e desenvolvimento. 2. Principais conceitos: sociedade e indivíduo; estrutura e função; diferenciação social; divisão social do trabalho; estratificação social; dominação social; conflito e mudança social; educação; linguagem; cultura: valores, idéias e ideologias; instituições; comportamento; racionalidade e irracionalidade: lei e moral; carisma: tradição e modernidade; urbanização. 3. Principais correntes de pensamento sociológico: funcionalismo; marxismo; sociologia compreensiva; teoria crítica da sociedade. 4. Sociologia no Brasil - principais temas: cultura brasileira; identidade nacional: Estado e poder; estratificação social, dependência e desenvolvimento; movimentos sociais; Estado, sociedade e educação. 5. Questões relacionadas ao processo de ensino-aprendizagem de sociologia.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:

BRASIL-MEC, Parâmetros Curriculares Nacionais, Ensino Médio (PCNEM) Ministério da Educação/Semtec, 1999. Vols: I. Bases Legais e IV. Ciências Humanas e suas Tecnologias.

GALLO, S., CORNELLI, G., DANELON, M. (Org.). Filosofia do ensino de filosofia. Coleção Filosofia na Escola, vol. VII. Petrópolis: Vozes, 2003.

GALLO, S., DANELON, M., CORNELLI, G. (Org.). Ensino de Filosofia - Teoria e Prática. Ijuí: Ed. Unijuí, 2004. KOHAN, W. (org.). Filosofia. Caminhos para o seu ensino, Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

KOHAN, W. (org.). Políticas do Ensino de Filosofia, Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

SALLES, J.C., BIRCHAL, T.S., PASCHOAL, A.E. Filosofia. Documento da ANPOF, Portal do MEC < >

BOBBIO, N. Liberalismo e democracia. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1988.

CARVALHO, J.M. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. COSTA, C. Sociologia; introdução à ciência da sociedade. São Paulo: Ed. Moderna, 2002.

CUCHE, D. A noção de cultura nas Ciências Sociais. Bauru: Edusc, 1999.

DAMATTA, R. Relativizando. Petrópolis: Vozes, 1981.

FRIDMAN, L.C. Vertigens pós-modernas. RJ: Relume-Dumará, 2000.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Ed.2000

MARTINS, C.B. O que é sociologia? São Paulo: Brasiliense, 2004.

PAIVA, A.R. O público, o privado e a cidadania possível. Rio de Janeiro: Senac, 2001.

RIBEIRO, J.U. Política. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

ANEXO III: REQUERIMENTO DE PORTADOR DE DEFICIÊNCIA

EVENTO:____________________________________________________________

CIDADE:_____________________________________________________________

ESTADO:_____________________________________

NOME DO CANDIDATO:_______________________________________________

CARGO:_____________________________________________________________

TELEFONES PARA CONTATO:_________________________________________

PREENCHIMENTO EM LETRA DE FORMA

Vem REQUERER vaga especial como PORTADOR DE DEFICIÊNCIA, segue em anexo o LAUDO MÉDICO com CID (colocar os dados abaixo com base no laudo):

Tipo de deficiência de que é portador:____________________________________________________

Código correspondente da Classificação Internacional de Doença - CID:__________________________

Nome do Médico Responsável pelo Laudo:________________________________________________

(OBS: Não serão considerados como deficiência distúrbios de acuidade visual passíveis de correção simples do tipo miopia, astigmatismo, estrabismo e congêneres).

Dados especiais para a aplicação das PROVAS: (marcar com um "X" no local caso necessite de Prova Especial ou não, em caso positivo, discriminar o tipo de pro necessário).

NÃO NECESSITA DE PROVA ESPECIAL e/ou TRATAMENTO ESPECIAL.

NECESSITA DE PROVA ESPECIAL e/ou TRATAMENTO ESPECIAL (discriminar qual o tipo de prova e/ou tratamento necessário).

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
____________________________________________________________________.

ATENÇÃO: É obrigatória a apresentação de laudo médico com CID, junto a esse requerimento.

 DATA _______/ ______ / _____________

ASSINATURA DO CANDIDATO

ANEXO IV: FORMULÁRIO DE RECURSO

ARGUMENTAÇÃO CONTRA FORMULAÇÃO DE QUESTÃO / SOLICITAÇÃO DE ALTERAÇÃO DE GABARITO/ PONTUAÇÃO DE TÍTULOS

EVENTO:__________________________________________________________

CIDADE:___________________________________________________________

ESTADO:__________________________________

LOCAL:________________________________ PRÉDIO:____________________

ANDAR:____________ SALA:_________

PREENCHIMENTO EM LETRA DE FORMA (NÃO É NECESSÁRIA A IDENTIFICAÇÃO DESTE DOCUMENTO. INSIRA SEUS DADOS, SE DESEJAR)

NOME:_____________________________________________________________

Nº DE INSCRIÇÃO:___________________________________________________

CARGO:____________________________________________________________

Nº DA QUESTÃO:____________________________________________________

CADERNO:__________________________________________________________

JUSTIFICATIVA
(SE NECESSÁRIO, UTILIZE O VERSO)

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
____________________________________________________________________.

DATA _________/ ______/ _________

ASSINATURA DO CANDIDATO (SE DESEJAR)

ANEXO V: FORMULÁRIO PARA ENVIO DE TÍTULO

ATENÇÃO: SOMENTE SERÃO ACEITOS OS TÍTULOS ENVIADOS ANEXOS A ESSE DOCUMENTO. PARA ISSO SIGA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES DO PROCEDIMENTO ABAIXO:

PROCEDIMENTO: FAVOR GRAMPEAR JUNTO A ESSE DOCUMENTO, DEVIDAMENTE PREENCHIDO, A CÓPIA DO TÍTULO E ENVIAR, VIA SEDEX, À FUNRIO PARA AVALIAÇÃO.

PRENCHIMENTO EM LETRA DE FORMA (É NECESSÁRIA A IDENTIFICAÇÃO DESTE DOCUMENTO. POR FAVOR, INSIRA SEUS DADOS)

EVENTO:__________________________________________________________

NOME COMPLETO:_________________________________________________

CPF:___________________________________

CARGO AO QUAL CONCORRE:_______________________________________

NATUREZA DO TÍTULO ENVIADO EM ANEXO (DIPLOMA, DECLARAÇÃO, CERTIFICADO):_____________________________________

TIPO DE TITULAÇÃO (GRADUAÇÃO, PÓS-GRADUAÇÃO, MESTRADO, DOUTORADO):_________________________________________

DATA ________/______ / ____________

ASSINATURA DO (A) CANDIDATO (A)

ANEXO VI: POSTOS DE INSCRIÇÃO CREDENCIADOS

Superintendência de Inoã

Rodovia Amaral Peixoto, Km 15 - Inoã

Superintendência de Ponta Negra

Rua 9, Quadra 4, Lote 11- Guarapina - Ponta Negra

Sede da Secretaria de Educação

Rua Álvares de Castro, 346 - Centro - Marica

Superintendência de Jardim Atlântico

Rua 36, Quadra 301, Lote 3 (entre as Ruas 63 e 64) Itaipuaçu - Jardim Atlântico

Escola Municipal Professor Ataliba de Macedo Domingos

Estrada de Itaipuaçu, s/nº

Centro Educacional Municipal Joana Benedicta Rangel

Av. Nossa Senhora do Amparo, 240 - Centro - Maricá

Secretaria de Cultura

Rua Álvares de Castro, 103 - Centro - Maricá

79230

Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231