Prefeitura de Cascavel - PR

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASCAVEL

ESTADO DO PARANÁ

EDITAL DE CONCURSO N.º 052/2007

Notícia:   Em Cascavel - PR oferta de 566 vagas

O Prefeito Municipal de Cascavel, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no inciso ii do artigo 37 da constituição federal,

FAZ SABER

Que serão abertas inscrições para Concurso Público Municipal, objetivando prover vagas dos seguintes cargos públicos:

CARGOS DE NÍVEL BÁSICO

CARGO

Requisitos

Total de Vagas

Carga Hor. Semanal

Venc.(3)

G(1)

R.D.(2)

Aux. de Manutenção de Instalações

6ª Série do Ens. Fundamental

43

03

40 horas

R$ 399,01

Aux. de Manutenção de Veículos

6ª Série do Ens. Fundamental

10

01

40 horas

R$ 380,00

Chapeador e Pintor de Automóveis

Ens. Fundamental Completo

06

01

40 horas

R$ 399,01

Coveiro

6ª Série do Ens. Fundamental

10

01

40 horas

R$ 380,00

Eletricista

Ens. Fundamental Completo

03

01

40 horas

R$ 706,88

Eletricista de Veículos

Ens. Fundamental Completo

12

01

40 horas

R$ 706,88

Mecânico de Automóveis e Similares

Ens. Fundamental Completo

08

01

40 horas

R$ 584,20

Mecânico de Máquinas Agrícolas e Rodoviárias

Ens. Fundamental Completo

14

01

40 horas

R$ 940,87

Mecânico de Veículos à Diesel

Ens. Fundamental Completo

15

01

40 horas

R$ 777,56

Motorista I

Ens. Fundamental Completo;

Possuir habilitação para dirigir veículos na categoria "C" ou superior.

27

03

40 horas

R$ 482,81

Operador de Moto Niveladora

6ª Série do Ens. Fundamental;

Possuir habilitação pelo Detran, para dirigir veículos e máquinas, categoria "C" ou superior

22

02

40 horas

R$ 777,56

Operador de Pá Carregadeira

6ª Série do Ens. Fundamental;

Possuir habilitação pelo Detran, para dirigir veículos e máquinas, categoria "C" ou superior.

09

02

40 horas

R$ 777,56

Operador de Retroescavadeira

6ª Série do Ens. Fundamental;

Possuir habilitação pelo Detran, para dirigir veículos e máquinas, categoria "C" ou superior.

11

01

40 horas

R$ 777,56

Operador de Trator de Esteira

6ª Série do Ens. Fundamental;

Possuir habilitação pelo Detran, para dirigir veículos e máquinas, categoria "C" ou superior.

07

01

40 horas

R$ 777,56

Operador de Trator de Pneu

6ª Série do Ens. Fundamental;

Possuir habilitação pelo Detran, para dirigir veículos e máquinas, categoria "C" ou superior.

16

02

40 horas

R$ 531,08

Pedreiro

6ª Série do Ens. Fundamental

18

02

40 horas

R$ 438,91

Telefonista

Ens. Fundamental Completo

26

01

30 horas

R$ 399,01

CARGOS DE NÍVEL MÉDIO

CARGO

Requisitos

Total de Vagas

Carga Hor. Semanal

Venc.(3)

G(1)

R.D.(2)

Agente Funerário

Ensino Médio Completo;

Possuir conhecimentos básicos de operação de computador;

Possuir habilitação pelo Detran para dirigir veículos na categoria "C" ou superior.

06

01

40 horas

R$ 564,74

Atendente de Farmácia

Ensino Médio Completo mais curso técnico na área, legalmente reconhecido;

Possuir conhecimentos básicos de operação de computador.

51

04

30 horas

R$ 683,32

Instrutor de Informática

Ensino Médio Completo;

Possuir conhecimentos teóricos e práticos em hardware e software.

38

01

40 horas

R$ 564,74

Monitor de Biblioteca

Ensino Médio Completo com formação em magistério;

Possuir conhecimentos básicos de operação de computador.

38

04

40 horas

R$ 564,74

Técnico em Edificações

Ensino Médio Completo;

Possuir curso técnico em edificações legalmente reconhecido.

Possuir registro no Conselho de classe específico.

19

02

40 horas

R$ 683,32

Técnico em Informática

Ensino Médio Completo;

Possuir conhecimentos específicos de informática, hardware e software.

05

01

40 horas

R$ 564,74

Técnico em Laboratório de Análises Clínicas

Ensino Médio Completo.

15

01

30 horas

R$ 826,82

Técnico em Segurança do Trabalho

Ensino Médio Completo;

Possuir curso técnico em Segurança do Trabalho legalmente reconhecido.

06

01

40 horas

R$ 1.000,46

Técnico em Topografia

Ensino Médio Completo;

Possuir curso Técnico em Topografia ou Agrimensura, legalmente reconhecido;

Possuir registro no conselho de classe específico.

10

01

40 horas

R$ 683,32

CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

CARGO

Requisitos

Total de Vagas

Carga Hor. Semanal

Venc.(3)

G(1)

R.D.(2)

Administrador Hospitalar

Ensino Superior em Administração Hospitalar ou Ensino Superior em Administração mais especialização em Administração Hospitalar;

Possuir registro no conselho de classe específico.

20

01

40 horas

R$ 1.825,15

Advogado

Ensino Superior em Direito;

Possuir registro no conselho de classe específico.

02

-

40 horas

R$ 1.825,15

Analista Programador de Sistemas

Ensino Superior na área de Informática.

03

01

40 horas

R$ 1.825,15

Arquiteto

Ensino Superior em Arquitetura;

Possuir registro no conselho de classe específico.

08

02

40 horas

R$ 1.825,15

Biólogo

Ensino Superior em Biologia;

Possuir registro no conselho de classe específico.

02

01

40 horas

R$ 1.587,08

Cirurgião Dentista

Ensino Superior em Odontologia;

Possuir registro no conselho de classe específico.

36

06

15 horas

R$ 1.043,53

Contador

Ensino Superior em Ciências Contábeis;

Possuir registro no conselho de classe específico.

07

01

40 horas

R$ 1.825,15

Engenheiro Agrícola

Ensino Superior em Engenharia Agrícola;

Possuir registro no conselho de classe específico.

04

01

40 horas

R$ 1.825,15

Engenheiro Agrônomo

Ensino Superior em Agronomia;

Possuir registro no conselho de classe específico.

02

01

40 horas

R$ 1.825,15

Engenheiro Ambiental

Ensino Superior em Engenharia Ambiental;

Possuir registro no conselho de classe específico.

02

01

40 horas

R$ 1.825,15

Engenheiro Civil

Ensino Superior em Engenharia Civil;

Possuir registro no conselho de classe específico.

11

02

40 horas

R$ 1.825,15

Engenheiro de Segurança do Trabalho

Ensino Superior em Engenharia de Segurança do Trabalho ou ensino superior em outro curso de Engenharia ou Arquitetura mais especialização em Segurança do Trabalho;

Possuir registro no conselho de classe específico.

02

01

40 horas

R$ 1.825,15

Engenheiro Químico

Ensino Superior em Engenharia Química;

Possuir registro no conselho de classe específico.

02

01

40 horas

R$ 1.825,15

Engenheiro Sanitarista

Ensino Superior em Engenharia Sanitária;

Possuir registro no conselho de classe específico.

03

01

40 horas

R$ 1.825,15

Fisioterapeuta

Ensino Superior em Fisioterapia;

Possuir registro no conselho de classe específico.

04

01

30 horas

R$ 1.587,08

Fonoaudiólogo

Ensino Superior em Fonoaudiologia;

Possuir registro no conselho de classe específico.

08

01

30 horas

R$ 1.587,08

Médico Veterinário

Ensino Superior em Medicina Veterinária;

Possuir registro no conselho de classe específico.

05

01

40 horas

R$ 1.825,15

(1) Quadro geral de vagas, incluídas as vagas da reserva para candidatos portadores de deficiência.

(2) Reserva de vagas para candidatos portadores de deficiência.

(3) Ao vencimento do cargo poderão ser acrescidas vantagens previstas em lei.

1. DOS REQUISITOS PARA INVESTIDURA NO CARGO

1.1. O candidato deverá atender, cumulativamente, no ato da investidura no cargo, aos seguintes requisitos:

1.1.1. Ser brasileiro nato, naturalizado ou gozar das prerrogativas de legislação específica;

1.1.2. Ter idade mínima de 18 (dezoito) anos;

1.1.3. Provar estar quite com as obrigações eleitorais;

1.1.4. Provar estar quite e liberado do serviço militar, para os candidatos do sexo masculino;

1.1.5. Possuir documento oficial de identidade com fotografia;

1.1.6. Não estar condenado por sentença criminal transitada em julgado e não cumprida, atestado por declaração assinada pelo candidato;

1.1.7. Não ter sido demitido do serviço público, atestado por declaração assinada pelo candidato;

1.1.8. Não estar aposentado em decorrência de cargo, função ou emprego público, de acordo com o previsto no §10 do art. 37 da Constituição Federal;

1.1.9. Não estar em exercício de cargo, função ou emprego público, de acordo com previsto nos incisos XVI e XVII do art. 37 da Constituição Federal;

1.1.10. Possuir habilitação legal para o exercício do cargo público pretendido.

2. DAS INSCRIÇÕES

2.1. As inscrições poderão ser realizadas por meio da Internet, de acordo com o item 2.2 deste edital, no período de 0h do dia 11/07/2007 até às 24h do dia 22/07/2007 (horário de Brasília) ou pessoalmente, conforme item 2.3. deste edital, no andar térreo da Prefeitura Municipal de Cascavel, situada na Rua Paraná, 5000, Centro, no período de 11/07/2007 a 20/07/2007, de segunda a sexta-feira, das 09h às 18h30 e nos sábados dias 14 e 21 /07/2007, das 08h30 às 16h30.

2.2. INSCRIÇÕES PELA INTERNET: Para inscrever-se via Internet, o candidato deverá acessar os endereços eletrônicos www.saber.srv.br ou por meio do link www.cascavel.pr.gov.br/concurso e efetuar sua inscrição conforme os procedimentos estabelecidos a seguir:

2.2.1. Ler atentamente este Edital de Concurso e o formulário de inscrição.

2.2.2. Preencher corretamente o formulário de inscrição e transmitir os dados pela Internet.

2.2.3. Imprimir o comprovante de inscrição e o boleto bancário para pagamento da taxa de inscrição correspondente, que poderá ser efetuada em qualquer agência bancária, preferencialmente nas agências do SICREDI.

2.2.4. Para a inscrição via Internet não será exigido o envio de qualquer documentação à Prefeitura Municipal de Cascavel, salvo nos casos previstos nos itens 2.6.1. e 2.12..

2.3. INSCRIÇÕES PRESENCIAIS: O Município de Cascavel disponibilizará terminais de computador com acesso à internet e pessoal capacitado para a realização das inscrições dos candidatos, sendo que, no período das inscrições, o candidato deverá:

2.3.1. Ler atentamente este Edital de Concurso.

2.3.2. Apresentar-se no andar térreo da Prefeitura Municipal de Cascavel, situada na Rua Paraná, 5000, Centro, munido de CPF e documento oficial de identidade com foto. São considerados documentos oficiais de identidade para fins deste Edital a Carteira de Identidade, a Carteira de Identidade Profissional, a Carteira Nacional de Habilitação com foto ou a Carteira de Trabalho e Previdência Social.

2.3.3. Conferir e assinar o formulário de inscrição.

2.4. O candidato deverá efetuar o pagamento da importância referente à taxa de inscrição, no prazo máximo de 02 (dois) dias a contar da realização da inscrição, limitado à 23/07/2007.

2.4.1. Caso ocorra a expiração do prazo estabelecido para o pagamento, o candidato deverá acessar sua ficha de inscrição na Internet e emitir novo boleto bancário.

2.4.2. As inscrições realizadas nos dias 20, 21 e 22/07/2007 poderão ser pagas até o dia 23/07/2007.

2.4.3. Serão tornadas sem efeito as solicitações de inscrições cujos pagamentos forem efetuados após os prazos estabelecidos nos itens 2.4. ou 2.4.2..

2.5. As inscrições somente serão efetivadas após a confirmação, por meio de compensação bancária, do pagamento da taxa de inscrição.

2.6. A taxa de inscrição será de:

- Cargos de nível básico - R$ 25,00 (vinte e cinco reais);

- Cargos de nível médio - R$ 40,00 (quarenta reais);

- Cargos de nível superior - R$ 80,00 (oitenta reais);

2.6.1. Somente será concedida isenção da taxa de inscrição aos candidatos que comprovarem ter doado sangue ao Banco de Sangue de Cascavel ou ao Banco de Sangue do Hospital Universitário de Cascavel, nos seis meses antecedentes ao início das inscrições deste concurso público, isto é, no período de 11/01/2007 a 10/07/2007, conforme disposto na Lei Municipal n.º 3.809/2004, não havendo nenhuma outra possibilidade de isenção.

2.6.2. O comprovante de doação de sangue deverá ser protocolado na Prefeitura Municipal de Cascavel, endereçado à Comissão Organizadora de Concursos, até às 18h30 do dia 23/07/2007.

2.6.3. Não serão devolvidos valores referentes à taxa de inscrição, sob nenhuma hipótese.

2.7. Cada candidato terá direito a concorrer a um único cargo, sendo que, após efetivada, em hipótese alguma, poderá haver alteração da inscrição.

2.7.1. O candidato que, após efetuar e pagar sua inscrição, desejar alterar o cargo, poderá fazê-lo somente mediante preenchimento e pagamento de nova inscrição, passando a valer a inscrição referente ao último recolhimento.

2.8. Após efetivada a inscrição, somente poderão ser alterados dados pessoais do candidato, em caso de incorreção, mediante protocolo endereçado à Comissão Organizadora de Concursos.

2.9. Ao inscrever-se o candidato se responsabilizará pela veracidade e exatidão das informações prestadas, aceitando de forma irrestrita as condições contidas neste Edital, não podendo delas alegar desconhecimento.

2.10. O Município de Cascavel e o Instituto Superior de Educação, Tecnologia e Pesquisa Saber Ltda. não se responsabilizarão por solicitações de inscrições via Internet não recebidas por motivo de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, falta de energia elétrica ou outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados.

2.11. Optando pela inscrição presencial, o candidato poderá inscrever-se por meio de terceiros, mediante procuração simples, específica para esse fim, com reconhecimento de firma, devendo a mesma ficar retida à ficha de inscrição.

2.11.1. Nesta hipótese, o candidato assumirá as conseqüências de eventuais erros de seu procurador, o qual deverá apresentar identificação, datar e assinar o formulário de inscrição.

2.12. Os candidatos portadores de deficiência deverão protocolar até às 18h30 do dia 23/07/2007, na Prefeitura Municipal de Cascavel, endereçada à Comissão Organizadora de Concursos, solicitação de reserva de vagas, conforme anexo IV, acompanhada de laudo médico, original ou cópia autenticada, atestando a espécie e o grau ou nível da deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doença - CID, com a provável causa da deficiência, nos termos da Lei Municipal n.º 3.728/2003 e Decreto Federal n.º 3.298/1999.

2.12.1.Não serão aceitos laudos médicos emitidos há mais de noventa (90) dias da data de publicação deste Edital.

2.12.2.Os laudos médicos protocolados não serão devolvidos aos candidatos.

2.13.A Comissão Organizadora de Concursos publicará aviso de homologação das inscrições no Diário Oficial do Município, jornal "O Paraná", e divulgará a relação das inscrições homologadas no Mural da Prefeitura Municipal de Cascavel e nos sites www.saber.srv.br e www.cascavel.pr.gov.br/concurso, até 12/08/2007.

3. DAS VAGAS DESTINADAS A CANDIDATOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

3.1. É assegurado o direito de inscrição no Concurso de que trata este Edital às pessoas portadoras de deficiência, em igualdade de condições com os demais candidatos, para provimento de cargos cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que sejam portadores, nos termos da Lei Municipal n.º 3.728/2003 e do Decreto Federal n.º3.298/1999.

3.2. São reservadas 5% (cinco por cento) das vagas abertas por este Edital aos portadores de deficiência, de conformidade com o inciso VIII do art. 37 da Constituição Federal e com a Lei Municipal n.º 3.728/2003.

3.3. O direito de concorrer à reserva de vagas será definido pela Equipe Multiprofissional, que, após avaliação do laudo médico, protocolado conforme previsto no item 2.12., deliberará se o candidato com deficiência atende aos critérios estabelecidos na Lei Municipal n.º 3.728/2003 e no Decreto Federal n.º 3.298/1999.

3.4. Caso o candidato inscrito como portador de deficiência não se enquadre nas categorias definidas na Lei Municipal n.º 3.728/2003 e Decreto Federal n.º 3.298/1999, a homologação de sua inscrição se dará na listagem geral de candidatos e não na listagem específica para os portadores de deficiência.

3.5. O candidato não terá direito à reserva de vagas, caso não apresente o laudo médico, nos termos do item 2.12..

3.6. O candidato portador de deficiência que necessitar de adaptação e/ou condições especiais para a realização das provas escritas e de aptidão física, deverá requer à Comissão Organizadora de Concursos, por meio de formulário específico, constante no Anexo IV, até o dia 23/07/2007, com justificativa acompanhada de parecer emitido por especialista da área de sua deficiência, indicando os recursos necessários para a realização das provas, nos termos da Lei Municipal n.º 3.728/2003.

3.6.1. O candidato aprovado na primeira etapa (prova escrita) e convocado para a realização da prova prática, poderá requerer adaptação e/ou condições especiais até 03 (três) dias após a divulgação do resultado da prova escrita.

3.6.2. O atendimento às condições solicitadas ficará sujeito à análise da Equipe Multiprofissional quanto à necessidade e razoabilidade do pedido.

3.7. Os candidatos portadores de deficiência participarão da seleção em igualdade de condições com os demais candidatos no que se refere às etapas do concurso, ao conteúdo das provas, aos critérios de aprovação, ao horário e local de aplicação das provas e à pontuação mínima exigida.

3.8. Na falta de candidatos aprovados para as vagas reservadas a portadores de deficiência, estas serão preenchidas pelos demais candidatos, com estrita observância da ordem de classificação.

3.9. A não observância, pelo candidato, de qualquer das disposições do item 3 deste Edital, implicará na perda do direito de ser nomeado para as vagas reservadas a portadores de deficiência.

4. DAS ETAPAS DO CONCURSO

4.1. O concurso será constituído das seguintes etapas:

· Prova Escrita, de caráter eliminatório e classificatório, onde serão avaliados os conhecimentos gerais e específicos, devendo ser aplicada para todos os candidatos.

· Prova de Aptidão Física, de caráter eliminatório, a ser aplicada aos candidatos aprovados na primeira etapa (prova escrita), para o cargo de Coveiro.

· Prova Prática, de caráter eliminatório e classificatório, a ser aplicada aos candidatos aprovados na primeira etapa (prova escrita) para os cargos de Auxiliar de Manutenção de Veículos, Chapeador e Pintor de Automóveis, Eletricista, Eletricista de Veículos, Mecânico de Automóveis e Similares, Mecânico de Máquinas Agrícolas e Rodoviárias, Mecânico de Veículos à Diesel, Motorista I, Operador de Moto Niveladora, Operador de Pá Carregadeira, Operador de Retroescavadeira, Operador de Trator de Esteira, Operador de Trator de Pneu, Pedreiro, Técnico em Edificações, Advogado e Analista Programador de Sistemas.

· Exame médico pré-admissional, de caráter eliminatório, a ser aplicado aos candidatos aprovados nas etapas anteriores e convocados para posse no cargo.

4.2. DA PROVA ESCRITA

4.2.1. As provas escritas para os cargos de nível básico serão compostas de 30 (trinta) questões objetivas, de múltipla escolha, com 05 (cinco) alternativas, sendo apenas uma correta, com pesos iguais entre si, conforme segue:

CONTEÚDO

QDE. DE QUESTÕES

TOTAL

Língua Portuguesa

07

30

Matemática

07

Conhecimentos Específicos

16

4.2.2. As provas escritas para os cargos de Agente Funerário, Atendente de Farmácia, Monitor de Biblioteca e Técnico de Segurança do Trabalho serão compostas de 40 (quarenta) questões objetivas, de múltipla escolha, com 05 (cinco) alternativas, sendo apenas uma correta, com pesos iguais entre si, conforme segue:

CONTEÚDO

QDE. DE QUESTÕES

TOTAL

Língua Portuguesa

07

40

Matemática

07

Noções de Informática

06

Conhecimentos Específicos

20

4.2.3. As provas escritas para os cargos de Instrutor de Informática, Técnico em Edificações, Técnico em Informática, Técnico em Laboratório de Análises Clínicas e Técnico em Topografia serão compostas de 40 (quarenta) questões objetivas, de múltipla escolha, com 05 (cinco) alternativas, sendo apenas uma correta, com pesos iguais entre si, conforme segue:

CONTEÚDO

QDE. DE QUESTÕES

TOTAL

Língua Portuguesa

10

40

Matemática

10

Conhecimentos Específicos

20

4.2.4. As provas escritas para os cargos de Nível Superior serão compostas de 40 (quarenta) questões objetivas, de conhecimentos específicos dos cargos, de múltipla escolha, com 05 (cinco) alternativas, sendo apenas uma correta, com pesos iguais entre si.

4.2.5. A nota máxima será de 100 (cem) pontos, exigindo-se, para aprovação, no mínimo 60% (sessenta por cento) de acertos, isto é, 60 (sessenta) pontos.

4.2.5.1. O resultado da prova escrita será apresentado com duas casas decimais, devendo o arredondamento ser efetuado para número maior.

4.2.6. A descrição das atividades dos cargos, os conteúdos programáticos das provas escritas, os requerimentos de isenção de inscrição, reserva de vagas para os candidatos portadores de deficiência e de recurso, Anexos I, II, III, IV e V deste edital, serão disponibilizados nos sites www.saber.srv.br e www.cascavel.pr.gov.br/concurso e em edital afixado em mural do andar térreo da Prefeitura Municipal de Cascavel, podendo ser impressos pelo candidato no ato da inscrição.

4.2.7. As datas, horários e locais de realização das provas serão divulgados em edital, a ser publicado no órgão oficial de imprensa do Município, Jornal "O Paraná", disponibilizado nos sites www.saber.srv.br e www.cascavel.pr.gov.br/concurso, e afixado em mural na Prefeitura Municipal de Cascavel.

4.2.8. A prova escrita terá a duração de 3h30, contadas a partir da autorização pelo fiscal de sala para início da mesma.

4.2.9. O candidato deverá comparecer ao local da prova escrita munido do comprovante de inscrição e caneta esferográfica azul ou preta, sendo imprescindível a apresentação de documento oficial de identificação com fotografia para ingresso à sala de provas.

4.2.9.1. Para fins deste Edital, considera-se documento oficial de identificação a Carteira de Identidade, a Carteira de Identidade Profissional, a Carteira Nacional de Habilitação com foto ou a Carteira de Trabalho e Previdência Social.

4.2.9.2. Os documentos deverão estar em perfeitas condições, de forma a permitir, com clareza, a identificação do candidato.

4.2.9.3. O candidato impossibilitado de apresentar, no dia da aplicação da prova escrita, documento de identificação original, por motivo de perda, furto ou roubo, deverá apresentar documento que ateste o registro de ocorrência em órgão policial e cópia do documento de identificação.

4.2.10. O candidato não poderá ausentar-se da sala durante a prova, a não ser momentaneamente, em casos especiais e na companhia de um fiscal itinerante.

4.2.11. O candidato impossibilitado fisicamente de comparecer ao local de realização da prova escrita deverá protocolar, na Prefeitura Municipal de Cascavel, no mínimo 48 (quarenta e oito) horas antes do horário marcado para início da prova, endereçada à Comissão Organizadora de Concursos, justificativa para a constituição de banca especial, devidamente acompanhada de atestado ou laudo médico que comprove a impossibilidade de locomoção, devendo a prova ser aplicada no mesmo horário das demais.

4.2.12. O cartão de respostas será considerado como único e definitivo documento para efeito de correção da prova escrita, devendo ser assinado e preenchido corretamente pelo candidato, de acordo com as instruções contidas na capa da prova, não podendo haver substituição em virtude de erro do candidato no preenchimento.

4.2.12.1. Não serão computadas as questões não assinaladas, assim como as questões que contenham mais de uma resposta ou, ainda, as questões que contenham emenda ou rasura, ainda que legíveis, sendo de inteira responsabilidade do candidato os prejuízos advindos das marcações feitas incorretamente no cartão de respostas.

4.2.13. No decorrer da prova, se o candidato observar qualquer anormalidade gráfica de alguma questão, poderá solicitar ao fiscal de sala o registro na Ata de Prova, a qual será encaminhada para análise da Comissão Organizadora de Concursos.

4.2.13.1. Se da análise das Atas de Prova resultar em anulação de questões, os pontos correspondentes serão atribuídos a todos os candidatos, independentemente da formulação de recursos.

4.2.14. Por razões de ordem técnica, os exemplares dos Cadernos de Provas não serão entregues aos candidatos no dia da prova, porém serão disponibilizados no site www.saber.srv.br, no período de 03 (três) dias úteis após a realização da prova escrita

4.2.15. Durante a realização das provas não serão permitidas consultas de qualquer natureza, uso de telefone celular, fones de ouvido ou quaisquer outros aparelhos eletrônicos ou similares.

4.2.16. Os fiscais de sala, ao final da prova escrita, deverão lacrar e assinar os envelopes que guardarão os cartões de resposta e as atas de prova, juntamente com os dois últimos candidatos que terminarem a prova e um membro da coordenação do concurso.

4.3. DA PROVA DE APTIDÃO FÍSICA

4.3.1. Somente participarão da prova de aptidão física os candidatos inscritos para o cargo de Coveiro, classificados na primeira etapa do concurso (prova escrita), sendo que a data, horário e local de realização da prova será divulgado em edital a ser publicado no órgão oficial de imprensa do Município, Jornal "O Paraná", nos sites www.saber.srv.br e www.cascavel.pr.gov.br/concurso e em mural na Prefeitura Municipal de Cascavel.

4.3.2. A prova de aptidão física terá a seguinte composição:

- 1ª Fase: teste de resistência física - eliminatório;

- 2ª Fase: teste de agilidade - eliminatório;

- 3ª Fase: teste de força - eliminatório.

4.3.3. Os testes consistirão dos seguintes exercícios:

4.3.3.1. Teste de resistência física: Corrida de 2 (dois) quilômetros em 12 (doze) minutos para candidatos do sexo masculino e 2 (dois) quilômetros em 15 (quinze) minutos para candidatas do sexo feminino.

Material: cronômetro.

4.3.3.2. Teste de agilidade: "Shuttle Run". Pegar dois blocos, um de cada vez, a uma distância de 9,14 (nove metros e quatorze centímetros) e deixar no local do ponto de partida.

Tempo máximo: 13 (treze) segundos para candidatos do sexo masculino e 15 (quinze) segundos para candidatas do sexo feminino.

Tentativas: 01 (uma) tentativa.

Material: cronômetro e bloco de madeira (5cmx5cmx10cm).

Execução: O candidato coloca-se em afastamento antero-posterior das pernas, com o pé anterior mais próximo possível da linha de saída. Com voz de comando "vai", corre em direção aos blocos, pega um bloco, retorna à linha de partida, colocando o bloco atrás desta linha e repete esta movimentação com outro bloco. A interrupção do cronômetro se dará na passagem do bloco mais um pé pela linha.

4.3.3.3. Teste de força de membros inferiores: (Agachamento).

Tempo máximo: 30 (trinta) segundos.

Tentativas: 01 (uma) tentativa.

Material: cronômetro

Execução: Partindo da posição em pé, com os braços estendidos à frente, o candidato deverá executar exercícios de agachamento até os glúteos ficarem próximos dos calcanhares, atingindo o maior número de repetições possíveis.

Quantidade mínima de repetições: 18 (dezoito) repetições para candidatos do sexo masculino e 15 (quinze) repetições para candidatas do sexo feminino.

4.3.4. Somente participarão dos testes subseqüentes os candidatos que forem considerados aptos em cada fase.

4.3.5. Os candidatos deverão comparecer ao local designado para a prova de aptidão física munidos de documento oficial de identificação com fotografia, conforme itens 4.2.9.1., 4.2.9.2. e 4.2.9.3., sob pena de eliminação do concurso público.

4.3.6. Para participar da prova de aptidão física o candidato deverá estar em perfeitas condições físicas para a realização dos testes, atestada por meio de declaração assinada pelo candidato na data da prova.

4.3.6.1. As candidatas gestantes, além da assinatura da declaração, deverão apresentar atestado emitido por médico obstetra de que estão em condições de realizar os testes previstos neste edital.

4.3.7. Será considerado aprovado na prova de aptidão física o candidato que cumprir todos os critérios determinados para cada fase.

4.3.8. Não haverá possibilidade de constituição de banca especial para a realização da prova de aptidão física.

4.4. DA PROVA PRÁTICA

4.4.1. Participarão das provas práticas os candidatos inscritos para os cargos de Auxiliar de Manutenção de Veículos, Chapeador e Pintor de Automóveis, Eletricista, Eletricista de Veículos, Mecânico de Automóveis e Similares, Mecânico de Máquinas Agrícolas e Rodoviárias, Mecânico de Veículos à Diesel, Motorista I, Operador de Moto Niveladora, Operador de Pá Carregadeira, Operador de Retroescavadeira, Operador de Trator de Esteira, Operador de Trator de Pneu, Pedreiro, Técnico em Edificações, Advogado e Analista Programador de Sistemas, classificados na primeira etapa do concurso (prova escrita), sendo que as datas, horários e locais de realização das provas serão divulgados em edital a ser publicado no órgão oficial de imprensa do Município, Jornal "O Paraná", nos sites www.saber.srv.br e www.cascavel.pr.gov.br/concurso e em mural na Prefeitura Municipal de Cascavel.

4.4.2. As provas práticas terão a seguinte composição:

4.4.2.1. Cargos de Auxiliar de Manutenção de Veículos, Chapeador e Pintor de Automóveis, Eletricista, Eletricista de Veículos, Mecânico de Automóveis e Similares, Mecânico de Máquinas Agrícolas e Rodoviárias, Mecânico de Veículos a Diesel e Pedreiro - a prova prática consistirá no desenvolvimento de atividades práticas, na presença de examinadores, abrangendo os conhecimentos necessários aos profissionais no exercício do cargo.

4.4.2.2. Cargo de Motorista I - A prova prática consistirá de teste de direção veicular, na presença de examinadores, em percurso a ser determinado no momento da prova, com duração máxima de trinta (30) minutos, onde serão avaliados os seguintes itens: verificação das condições do veículo, partida e parada, uso do câmbio e dos freios, localização do veículo na pista, observação de normas e das placas de sinalização, velocidade desenvolvida, obediência às situações do trajeto e colocação em vaga (baliza).

4.4.2.3. Para os cargos de Operador de Moto Niveladora, Operador de Pá Carregadeira, Operador de Retroescavadeira, Operador de Trator de Esteira, Operador de Trator de Pneu - A prova prática consistirá na operação de máquina específica, na presença de examinadores, em tarefa a ser determinada no momento da prova, com duração máxima de 30 (trinta) minutos, onde serão avaliados os seguintes itens:

- Verificação das condições da máquina;

- Partida e parada;

- Uso dos instrumentos de manuseio, e

- Obediência às situações do trajeto

4.4.2.4. Cargo de Técnico em Edificações - A prova prática consistirá na operação do sistema de CAD.

4.4.2.5. Cargo de Advogado - A prova prática será composta de 03 (três) questões dissertativas e redação de peça processual.

4.4.2.6. Cargo de Analista Programador de Sistemas - A prova prática consistirá no desenvolvimento de atividades práticas de análise, desenvolvimento e manutenção de sistemas, abrangendo os conhecimentos necessários ao profissional para o exercício do cargo.

4.4.3. Os horários, datas e locais, bem como os critérios de avaliação das provas práticas serão divulgados em edital específico, por ocasião da convocação dos candidatos para realização desta etapa.

4.4.4. O candidato portador de deficiência que necessitar de adaptação e/ou condições especiais para a realização das provas práticas, deverá requer à Comissão Organizadora de Concursos, por meio de formulário específico, constante no Anexo IV, até 03 (três) dias após a divulgação do resultado da prova escrita, com justificativa acompanhada de parecer emitido por especialista da área de sua deficiência, indicando os recursos necessários para a realização das provas, nos termos da Lei Municipal n.º 3.728/2003.

4.4.5. Será considerado desclassificado o candidato que não obtiver no mínimo 60 (sessenta) pontos nesta etapa.

4.5. DO EXAME MÉDICO PRÉ-ADMISSIONAL

4.5.1. O exame médico pré-admissional, de caráter eliminatório, tem a finalidade de verificar as condições físicas e mentais necessárias ao desempenho das funções do cargo público postulado e será realizado pela Divisão de Medicina e Segurança do Trabalho da Prefeitura Municipal de Cascavel, consistindo em exame médico clínico e, se necessário, exames complementares.

4.5.1.1. Quando exigidos exames complementares, para melhor comprovar o estado de saúde do candidato, fica este obrigado a cumprir os prazos que forem estabelecidos pelo Médico do Trabalho do Município para a entrega dos respectivos resultados, sob pena de ser eliminado do concurso público.

4.5.2. O candidato será submetido ao exame médico pré-admissional após sua convocação para a posse e comprovação dos requisitos exigidos para o cargo, sendo considerado inapto nessa etapa o candidato que tiver condição de saúde incompatível com o cargo público, devidamente atestada pelo Médico do Trabalho.

4.5.3. Será eliminado do concurso público o candidato que não comparecer no dia, horário e local determinados para realização do exame médico pré-admissional ou que for considerado inapto nessa etapa.

4.5.3.1. Não haverá segunda chamada para realização do exame médico pré-admissional, seja qual for o motivo alegado para justificar o atraso ou ausência do candidato.

5. DA CLASSIFICAÇÃO

5.1. Serão considerados aprovados no concurso os candidatos que obtiverem no mínimo 60% (sessenta por cento) de aproveitamento na prova escrita e 60 (sessenta) pontos na prova prática ou forem considerados aptos na prova de aptidão física, quando couber, e forem considerados aptos no exame médico pré-admissional.

5.1.1. Para cálculo da média final para os cargos de Nível Básico será considerado peso 1 para a prova escrita e peso 2 para a prova prática.

5.1.2. Para cálculo da média final para os cargos de Nível Médio e Superior será considerado peso 1 para a prova escrita e peso 1 para a prova prática.

5.1.3. O resultado final será apresentado com duas casas decimais, devendo o arredondamento ser efetuado para número maior.

5.2. Havendo igualdade de notas, os critérios de desempate serão os seguintes, por ordem de prioridade:

a) Maior número de acertos nas questões de conhecimentos específicos;

b) O candidato de maior idade;

c) Por sorteio.

5.2.1. O resultado final do concurso será homologado por meio de edital publicado no Diário Oficial do Município, jornal "O Paraná", disponibilizado nos sites www.saber.srv.br e www.cascavel.pr.gov.br/concurso e em mural na Prefeitura Municipal de Cascavel.

5.2.2. Os candidatos aprovados serão classificados por meio de listas nominais, em ordem decrescente, de acordo com a nota obtida na prova escrita ou a média final para os cargos com prova prática.

5.2.3. Os candidatos que concorrerão à reserva de vagas, nos termos do item 3 deste Edital, terão sua classificação divulgada na listagem geral de candidatos e em lista especial para este fim.

6. DOS PRAZOS PARA RECURSOS

6.1. O candidato poderá interpor recurso nos seguintes casos e prazos:

6.1.1. Com relação à homologação das inscrições, no prazo de 03 (três) dias úteis, a contar da publicação do edital de homologação das inscrições.

6.1.2. Com relação à prova escrita (questões objetivas), no prazo de 03 (três) dias úteis, a contar da realização da prova, desde que fundamentado e acompanhado da bibliografia pesquisada.

6.1.3. Com relação às provas de aptidão física e prática, no prazo de 03 (três) dias úteis, a contar de sua realização, desde que fundamentado.

6.1.4. Com relação ao resultado da prova escrita, no prazo de 03 (três) dias úteis, a contar da publicação do edital de resultado da prova.

6.1.5. Com relação às incorreções ou irregularidades constatadas na execução do concurso, no prazo de 03 (três) dias úteis, a contar da ocorrência ou divulgação das mesmas.

6.1.6. Com relação ao resultado do exame médico pré-admissional, no prazo de 03 (três) dias úteis, a contar da ciência do resultado, devendo o recurso ser fundamentado com laudo de Médico do Trabalho.

6.2. Os recursos deverão ser protocolados na Prefeitura Municipal de Cascavel e dirigidos à Comissão Organizadora de Concursos, devendo ser utilizado o formulário de recurso, anexo V deste edital, disponibilizado nos sites www.saber.srv.br e www.cascavel.pr.gov.br/concurso.

6.2.1. Não serão considerados os recursos formulados fora do prazo ou sem a devida fundamentação ou, ainda, manuscritos.

6.3. As decisões proferidas pela Comissão Organizadora de Concursos têm caráter irrecorrível na esfera administrativa, razão pela qual não caberão recursos adicionais.

7. DO APROVEITAMENTO

7.1. A convocação respeitará a ordem da homologação da classificação final e processar-se-á de acordo com a necessidade da Administração Municipal, não havendo obrigatoriedade da convocação de candidatos para preenchimento de todas as vagas abertas por este edital de concurso, nem de todos os candidatos aprovados.

7.2. O Município de Cascavel não se responsabilizará por eventuais prejuízos ao candidato decorrentes de:

a) telefone e endereço não atualizados;

b) endereço de difícil acesso;

c) correspondência recebida por terceiros;

d) correspondência devolvida pela ECT ( Empresa de Correios e Telégrafos).

7.3. O candidato aprovado e convocado para a posse deverá comprovar que preenche os requisitos exigidos para o cargo, previstos no item 1 deste edital, sob pena de perder os direitos advindos de sua aprovação, devendo apresentar os seguintes documentos:

a) Carteira de Identidade (R.G) original e fotocópia;

b) carteira de vacinação, com as vacinas atualizadas;

c) certificado de reservista, original e fotocópia, para candidatos do sexo masculino;

d) Título Eleitoral, original e fotocópia;

e) comprovante de estar quite com as obrigações eleitorais;

f) Cadastro de Pessoa Física (CPF), original e fotocópia;

g) Carteira de Trabalho e Previdência Social;

h) Carteira de Identidade Profissional, quando couber;

i) cópia autenticada do comprovante da escolaridade exigida para o cargo público;

j) registro no conselho de classe habilitando o exercício da profissão no Estado do Paraná, quando couber;

k) certidão de nascimento ou casamento, original e fotocópia;

l) certidão de nascimento dos filhos menores de 21 (vinte e um) anos, original e fotocópia, quando houver;

m) comprovante de residência atualizado (máximo 3 (três) meses da data de convocação);

n) cartão de inscrição no PIS/PASEP, original e fotocópia;

o) 1 foto 3 x 4 recente;

p) outros documentos que se fizerem necessários à época da posse.

7.4. Quando convocado o candidato terá 15 (quinze) dias para tomar posse no cargo, devendo, no entanto, comparecer para apresentação da documentação prevista no item 7.3 deste Edital e realização do exame médico pré-admissional, nos dias e horários estabelecidos no Edital de Convocação.

7.4.1. O candidato que for convocado e recusar a admissão ou deixar de assumir o exercício do cargo público no prazo estipulado neste item, perderá todos os direitos advindos de sua aprovação no concurso.

7.4.2. No caso do candidato convocado não aceitar assumir a vaga, deverá assinar o termo de desistência, sendo excluído do concurso.

7.5. É facultado ao candidato aprovado solicitar o deslocamento para o final da ordem de classificação, uma única vez, após a convocação e dentro do prazo estipulado no item 7.4 deste Edital.

7.5.1. O candidato declarará, em formulário próprio, estar ciente de que pode ocorrer a expiração do prazo de validade do concurso sem o seu aproveitamento.

7.5.2. Para solicitar deslocamento para o final da ordem de classificação, o candidato deverá comprovar que preenche todos os requisitos exigidos para o exercício do cargo e assinar o termo de alteração de classificação.

8. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

8.1. Os candidatos convocados, nomeados e empossados serão regidos pelo Regime Estatutário nos termos da Lei Municipal n.º 2.215/1991, ficando sujeitos a estágio probatório, com duração de 03 (três) anos.

8.2. A identificação correta dos locais de aplicação das provas e o comparecimento nos dias e horários determinados serão de inteira responsabilidade do candidato.

8.3. Em nenhuma hipótese haverá segunda chamada para realização das provas, seja qual for o motivo alegado pelo candidato, importando a ausência na sua eliminação do concurso.

8.4. O candidato deverá assinar lista de presença em todas as etapas do concurso, sob pena de ser considerado ausente.

8.5. Não será permitida a permanência de acompanhante do candidato ou de pessoas estranhas ao concurso nas dependências do local de aplicação das provas, salvo na hipótese prevista no item 8.6.

8.6. A candidata que tiver necessidade de amamentar durante a realização das provas deverá levar um acompanhante, o qual ficará em local reservado e será responsável pela guarda da criança.

8.6.1. Não haverá compensação do tempo de amamentação no tempo de duração da prova.

8.7. Terá sua prova anulada e será automaticamente eliminado do Concurso o candidato que durante a realização das provas:

a) for surpreendido, em ato flagrante, comunicando-se com outro candidato ou utilizando-se de consultas a equipamentos ou aparelhos eletrônicos não permitidos, quando da realização da prova escrita;

b) comparecer ao local das provas embriagado ou praticar quaisquer atos que venham a perturbar a ordem normal dos trabalhos;

c) utilizar-se de quaisquer recursos ilícitos ou fraudulentos;

d) for descortês para com quaisquer dos examinadores, coordenadores, fiscais ou autoridades presentes;

e) for responsável por falsa identificação pessoal.

8.8. Após o término das provas o candidato deverá deixar imediatamente o recinto, sendo terminantemente proibido fazer contato com candidatos que ainda não tenham terminado a prova, sob pena de ser excluído do concurso.

8.9. Os examinadores designados terão autonomia na elaboração e julgamento das provas.

8.10. Ao número de vagas abertas por este edital serão acrescidas aquelas que vierem a ser criadas ou vagarem durante o prazo de validade do concurso.

8.11. O concurso terá validade de 1 (um) ano, a contar da data da publicação da homologação da classificação final, podendo ser prorrogado uma vez, por igual período, a critério da Administração Municipal.

8.12. O candidato que fizer em qualquer documentação, declaração falsa ou inexata, deixar de apresentar os documentos exigidos pelo regulamento do concurso ou, ainda, deixar de atender aos requisitos exigidos por este edital, ainda que verificado posteriormente, será excluído do concurso, com a conseqüente anulação do ato de investidura no cargo público pela autoridade competente, sem prejuízo das medidas de ordem administrativa, cível ou criminal.

8.13. Os cartões resposta deste concurso serão arquivados e mantidos pelo período de 06 (seis) meses após a realização da prova, findo o qual serão incinerados.

8.14. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora de Concursos, de conformidade com o que dispõe o Regulamento Geral dos Concursos Públicos Municipais e/ou legislação específica. Cascavel, 10 de julho de 2007.

LISIAS DE ARAÚJO TOMÉ
Prefeito Municipal

NILSON DE CARVALHO
Presidente da Comissão Organizadora de Concursos

ANEXO I DO EDITAL Nº 052/2007

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

AUXILIAR DE MANUTENÇÃO DE INSTALAÇÕES
Executar tarefas inerentes aos serviços de manutenção dos prédios municipais; Executar conservação de edificações desempenhando serviços de pintura, eletricidade e hidráulica; Verificar o trabalho a ser realizado e estudá-lo, consultando plantas, esquemas, especificações e outras informações, para estabelecer o roteiro das tarefas e a escolha do material necessário; Preparar o objeto do seu trabalho, removendo obstáculos, retirando componentes variados, fazendo limpeza e tomando outras providências necessárias; Preparar o material a ser utilizado, com base na experiência ou nas instruções adequadas; Efetuar a colocação de componentes adequados ou aplicar substâncias apropriadas segundo rotinas estabelecidas e especificações para cada caso; Testar ou verificar o trabalho executado para se certificar se os resultados obtidos atendem as exigências; Zelar pela guarda e conservação dos materiais, ferramentas e equipamentos utilizados; Obedecer às normas e procedimentos de segurança do trabalho, utilizando equipamentos de proteção; Interpretar desenhos, esquemas, especificações técnicas e outros, para definir o roteiro das tarefas e a escolha do material necessário; Encaminhar equipamentos danificados para empresa especializada quando necessário; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

AUXILIAR DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS
Elaborar planos de manutenção; realizar manutenções de motores, sistemas e partes de veículos automotores; Substituir peças, reparar e testar desempenho de componentes e sistemas de veículos; Examinar o veículo inspecionando-o para determinar os defeitos e anormalidades do funcionamento; Desmontar partes do motor de veículos a serem consertados; Proceder a limpeza de peças, preparando-as para o ajuste ou recuperação; Auxiliar na substituição, regulagem ou reparo total ou parcial do sistema mecânico do veículo, utilizando ferramentas apropriadas; Providenciar o recondicionamento do equipamento elétrico, o alinhamento da direção e regulagem dos faróis do veículo; Montar e desmontar assentos de veículos; Fazer o desmonte, limpeza e a montagem do motor, órgãos de transmissão, diferencial e outras partes; Zelar pela conservação, limpeza e manutenção dos aparelhos, ferramentas e ambiente de trabalho; Montar e desmontar pneus de veículos; Reparar pneus e câmaras de ar de veículos, consertando e recapando interna e/ou externamente as partes avariadas ou desgastadas, com auxílio de equipamentos ou ferramentas apropriadas; Encher e calibrar pneus, utilizando bombas de ar e barômetro para conferir-lhes a pressão requerida pelo tipo de veículo; Afinar o motor, regulando a ignição, a carburação e o mecanismo das válvulas; Obedecer às normas e procedimentos de segurança do trabalho, utilizando equipamentos de proteção; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

CHAPEADOR PINTOR DE VEÍCULOS
Realizar a desmontagem de peças de lataria de veículos leves e pesados, utilizando materiais e ferramentas próprias; Confeccionar ou reparar peças de veículos, como chassis, carrocerias, portas, laterais, pára-choques e outros, cortando, parafusando, serrando ou soldando; Serrar, cortar, raspar e alisar portas, carrocerias, painéis, bancos e outro, além de montar, colar, parafusar ou soldar os mesmos, quando necessário; Efetuar reparos em geral, recuperando ou substituindo peças danificadas ou com defeito; Manipular massa plástica e equipamentos de soldagem, bem como lixadeiras rotativas elétricas; Preparar as tintas para pintura, utilizando diluentes e produtos específicos, deixando-os em condições de utilização; Pintar os componentes dos veículos, como peças, placas, carrocerias, utilizando pistolas, compressores e instrumentos de pintura; Envernizar pinturas metálicas dos veículos e peças externas; Fazer emborrachamento dos assoalhos, pára-lamas, na parte debaixo do veículo utilizando pistola de ar; Realizar o polimento das partes pintadas, através de produto próprio, visando dar o acabamento necessário; Lixar e preparar componentes de veículos; Montar os componentes finais após terminar os trabalhos; Zelar pela guarda e conservação do equipamento e acessórios no seu uso;

Utilizar soldas para complementar a forma das peças; aplicar material anticorrosivo, utilizando pincéis, trinchas, para proteger a chapa; Substituir canaletas e pestanas dos vidros, pisos, pára-choques, etc retirando as peças danificadas; Reparar partes deformadas de carrocerias, pára-lamas e porta-malas, desamassando-os ou tratando-os de outras formas com martelos, esticadores, alavancas e macacos; Obedecer às normas e procedimentos de segurança do trabalho, utilizando equipamentos de proteção; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

COVEIRO
Auxiliar nos serviços funerários, construir, preparar, limpar, abrir e fechar sepulturas; Realizar sepultamento, exumar e cremar cadáveres, fazer traslado de corpos e despojos; Conservar máquinas e ferramentas de trabalho; Proceder a abertura, fechamento e reforma de covas para sepultamento, inclusive sábados e domingos; Proceder limpeza e auxiliar em todos os setores dos cemitérios municipais; Realizar à abertura e fechamento de covas; Proceder à exumação de corpos; Auxiliar nos serviços de construção e demolição de alvenaria, carpintaria, pintura; Executar serviços referente a carga e descarga de veículos; Executar pequenos reparos que não exijam qualificação profissional; Efetuar a conservação de jardins, canteiros, vasos, floreiras e outros; Realizar o plantio, replantio, desbrota, poda e enxerto de diferentes plantas; Obedecer às normas e procedimentos de segurança do trabalho, utilizando equipamentos de proteção; Capinar, varrer e manter limpo os cemitérios existentes na zona rural do município; Preparar a sepultura, cavando a terra e escovando as paredes da abertura, nos cemitérios da zona rural; Auxiliar na colocação do caixão, manipulação as cordas de sustentação, nos cemitérios da zona rural; Fechar a sepultura, recobrindo-a de terra, cal ou fixando-lhe uma laje, para assegurar a inviolabilidade do túmulo; Pintar áreas gerais do cemitério; Remarcar as identificações das sepulturas; Reformar calçadas; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ELETRICISTA
Instalar sistemas e componentes eletroeletrônicos e realizar medições e testes; Realizar a inspeção da rede elétrica de instalações físicas da Prefeitura Municipal, utilizando instrumentos próprios para detectar causas de funcionamento inadequado; Fazer reparos e consertos de chaves de luz, fios, disjuntores e outros componentes elétricos; Realizar a manutenção das instalações elétricas, substituindo ou reparando peças defeituosas; Promover testes de instalações elétricas, através de instrumentos e ferramentas próprias, para o perfeito funcionamento; Fazer a montagem e recuperação de controladores eletromecânicos para utilização em vias públicas; Trocar lâmpadas em porta-focos, fazendo a manutenção periódica dos componentes eletromecânicos, quando necessário; Fazer a inspeção nos controladores eletromecânicos, detectando falhas e providenciando reparos; Realizar trabalho de alta precisão utilizando máquinas e equipamentos adequados; Realizar a inspeção, implantação e manutenção do sistema de iluminação viária, calibragem de relés, reatores de 80 a 400 watts, montagem e desmontagem de controladores eletromecânicos; Efetuar a montagem, desmontagem, calibragem e testes de equipamentos energizados; Realizar a substituição de fiação, energizada ou não; Realizar a manutenção dos equipamentos de segurança e ferramental, lavando, lixando, objetivando sua preservação, proteção e prevenção quanto aos riscos de periculosidade; Calcular e executar o rebobinamento de motores de corrente alternada e de corrente contínua; Obedecer às normas e procedimentos de segurança do trabalho, utilizando equipamentos de proteção; Estudar o trabalho de eletricidade a ser realizado, consultando plantas, especificações e outros, para definir o roteiro das tarefas e a escolha do material necessário; Colocar e fixar quadros de distribuição, caixas de fusíveis e disjuntores, tomadas, interruptores, entre outros; Instalar redes elétricas, telefônicas e outros; Substituir ou reparar fios ou unidades danificadas, utilizando ferramentas manuais e materiais isolantes; Inspecionar e reparar sistemas elétricos tais como: aparelhos, aparelhos transmissores e receptores de sinais, eletrodomésticos e outros; Zelar pela conservação e guarda das ferramentas e equipamentos utilizados; Executar serviços de construção de obras e manutenção preventiva e corretiva nas redes e linhas de distribuição com alta tensões desenergizadas e a baixa tensão eventualmente energizada, reapertando conexões, emendando, tencionando e encabeçando cabos condutores, instalando espaçadores entre as fases, montando e regulando chaves seccionadoras, instalando postes, efetuando balanceamento de carga, aterrando cercas de arame e equipamentos, instalando ou substituindo transformadores, poste, cruzetas, pára-raios, religadores automáticos, reguladores de tensão, isoladores, mangotes e outros equipamentos de distribuição, observando normas técnicas e de segurança: carregar, transportar e descarregar equipamentos e materiais para os serviços de manutenção e inspeção de linhas e redes de distribuição; Realizar manobras programadas ou de emergência no sistema de distribuição, operando chaves e equipamentos especiais, abrindo jampers, efetuando testes para verificar ausência de tensão, mediante orientação do encarregado da equipe, objetivando a liberação de trechos para a manutenção e execução de obras; Executar levantamentos em instalações de edificações e redes primárias e secundárias, observando características dos equipamentos, postes, tipos de estruturas, cabos, bitola, iluminação pública, numeração de transformadores e faseamento, visando análise e execução do balanceamento de circuitos de redes de distribuição em baixa tensão; Proceder a manutenção de iluminação pública, instalando ou substituindo luminárias, lâmpadas, reatores, relés de comando, ignitores, capacitores, porta-lâmpadas e outros, preenchendo formulários específicos para controle dos serviços executados e material aplicado, visando cumprir o cronograma preestabelecido e restabelecimento da iluminação; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ELETRICISTA DE VEÍCULOS
Instalar sistemas e componentes eletroeletrônicos em veículos; Realizar manutenções preventiva, preditiva e corretiva, inspecionando visualmente máquinas e equipamentos, diagnosticando defeitos eletroeletrônicos, desmontando, reparando, lubrificando, substituindo e montando componentes, ajustando componentes e peças e simulando o funcionamento de componentes e equipamentos; Elaborar documentação técnica, cumprir normas de segurança, meio ambiente e saúde e realizar com qualidade as instalações eletroeletrônicas; Realizar a inspeção das instalações elétricas dos veículos, leves e pesados, utilizando instrumentos e ferramentas próprias, para detectar causas de funcionamento inadequado; Fazer reparos, consertos e substituição de lâmpadas, relés, distribuição elétrica e outros componentes; Promover testes da instalação elétrica dos veículos, através de instrumentos e ferramentas próprias, para o perfeito funcionamento; Fazer regulagens de faróis e outros instrumentos elétricos; Fazer a distribuição elétrica quanto à instalação de motores de arranque, alternadores e motores elétricos; Montar e desmontar painéis com a finalidade de efetuar ligações elétricas; Constatar ou detectar possíveis desligamentos quanto ao não funcionamento de lanternas de sinalização, faróis, limpadores de pára-brisa e ignição eletrônica; Trocar e instalar fusíveis, injetor de gasolina, bóia dos tanques e outros; Confeccionar chicote de fios elétricos para acionar o funcionamento elétrico da instalação geral do veículo; Construir e projetar a instalação elétrica de veículos leves e pesados; Fazer adaptação de peças elétricas quanto à instalação de baterias utilizando-se de voltímetros e amperímetros; Fazer a limpeza do local de trabalho; Obedecer às normas e procedimentos de segurança do trabalho, utilizando equipamentos de proteção; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

MECÂNICO DE AUTOMÓVEIS E SIMILARES
Elaborar planos de manutenção; Examinar o veículo inspecionando-o para determinar os defeitos e anormalidades do funcionamento; Executar a substituição, reparação ou regulagem total ou parcial do sistema mecânico do veículo; Fazer o desmonte, limpeza e a montagem do motor, órgãos de transmissão, diferencial e outras partes; Providenciar o recondicionamento do equipamento elétrico, o alinhamento da direção e regulagem dos faróis do veículo; Afinar o motor, regulando a ignição, a carburação e o mecanismo das válvulas; Zelar pela conservação, limpeza e manutenção de aparelhos ferramentas e ambiente de trabalho; Realizar manutenções de motores, sistemas e partes de veículos automotores; Reparar e testar desempenho de componentes e sistemas de veículos; Realizar tarefas pertinentes à montagem, desmontagem e manutenção de veículos; Examinar o veículo inspecionando-o para determinar os defeitos e anormalidades do funcionamento; Realizar a desmontagem de peças de veículos, utilizando materiais, instrumentos e equipamentos próprios, visando identificar os defeitos e anormalidades de funcionamento; Executar a substituição, reparação ou regulagem total ou parcial do sistema mecânico do veículo; Fazer o desmonte, limpeza e a montagem, órgãos de transmissão e outras partes; Testar o serviço executado, colocando o veículo em funcionamento e dirigindo, se for o caso, para provar o seu resultado; Zelar por materiais, ferramentas e equipamentos, providenciando limpeza, conserto, manutenção, substituição e devolução; Obedecer às normas e procedimentos de segurança do trabalho, utilizando equipamentos de proteção; Providenciar o recondicionamento do equipamento elétrico, o alinhamento da direção e regulagem dos faróis do veículo; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

MECÂNICO DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS E RODOVIÁRIAS
Efetuar as inspeções de rotina para diagnosticar o estado de conservação e funcionamento dos equipamentos mecânicos; Executar serviços de manutenção mecânica preventiva e corretiva em todos os equipamentos e respectivos acessórios, assegurando o seu adequado funcionamento.

Executar a manutenção de motores elétricos, moto-bombas, etc., efetuando a troca de selo mecânico e buchas; Executar a lubrificação, regulagens e calibragens de todos os equipamentos mecânicos e pneumáticos, conforme especificações de cada máquina, utilizando os instrumentos apropriados; Acompanhar os testes de produção, verificando o adequado funcionamento das máquinas; Verificar a necessidades de reparos nas ferramentas utilizadas no processo produtivo; Anotar os reparos feitos, peças trocadas, para efeito de controle; Verificar o estado de rolamentos, trocando-os se necessário, de acordo com padrões estabelecidos; Manter dados e referencias dos equipamentos e peças de reposição; Desmontar e montar motores, corrigindo os defeitos encontrados; Traçar, furar, abrir roscas, cortar peças, manual ou mecanicamente, para confecção de peças e máquinas, conforme solicitado; Confeccionar rasgos de chavetas em polias, embreagens, engrenagens, etc., utilizando plaina, furadeira ou frezadora;Executar pequenos serviços de solda, corte com maçarico, quando necessário;Executar a troca de óleo, limpeza e manutenção dos compressores; Zelar por materiais, ferramentas e equipamentos, providenciando limpeza, conserto, manutenção, substituição e devolução; Obedecer às normas e procedimentos de segurança do trabalho, utilizando equipamentos de proteção; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

MECÂNICO DE VEÍCULOS A DIESEL
Realizar manutenção em bombas, redutores, compressores, turbocompressores, motores a diesel, bombas injetoras e turbinas industriais; Reparar peças; ajustar, lubrificar, testar e instalar equipamentos; Substituir peças, reparar e testar o desempenho de componentes e sistemas de veículos; Realizar manutenções preventivas e corretivas em veículos a diesel; Requisitar ao setor de almoxarifado peças e/ou componentes necessários; Manter a área de trabalho limpa e organizada; Realizar tarefas pertinentes à montagem, desmontagem e manutenção de veículos; Examinar o veículo inspecionando-o para determinar os defeitos e anormalidades do funcionamento; Realizar a desmontagem de peças de veículos, utilizando materiais, instrumentos e equipamentos próprios, visando identificar os defeitos e anormalidades de funcionamento; Executar a substituição, reparação ou regulagem total ou parcial do sistema mecânico do veículo; Fazer o desmonte, limpeza e a montagem, órgãos de transmissão e outras partes; Testar o serviço executado, colocando o veículo em funcionamento e dirigindo, se for o caso, para provar o seu resultado; Zelar por materiais, ferramentas e equipamentos, providenciando limpeza, conserto, manutenção, substituição e devolução; Obedecer às normas e procedimentos de segurança do trabalho, utilizando equipamentos de proteção; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

MOTORISTA I
Dirigir motocicletas, automóveis, camionetas e caminhões com capacidade de carga de até 3.500 kg, e demais veículos de passageiros; Efetuar a prestação de contas das despesas efetuadas com o veículo; Prestar ajuda no carregamento e descarregamento de materiais, encaminhando-os ao local destinado; Preencher relatórios de utilização do veículo com dados relativos a quilometragem, horário de saída e chegada e demais ocorrências durante a realização do trabalho; Informar-se sobre o itinerário e conduzir veículo em viagens dentro e fora do território nacional; Registrar os serviços executados pela máquina/equipamento; Controlar o consumo de combustível e lubrificante, efetuando reabastecimento e lubrificação do veículo, bem como prazos ou quilometragem para revisões; Zelar pela conservação e segurança do veículo, providenciando limpeza, ajustes e pequenos reparos, bem como solicitar manutenção quando necessário; Manter-se atualizado com as normas e legislação de trânsito; Transportar pessoas, materiais e documentos; Verificar, diariamente, as condições de funcionamento do veículo, antes de sua utilização; Comunicar a chefia imediata a necessidade de reparos no veículo; Zelar pela segurança de passageiros e de terceiros; Orientar e auxiliar na carga e descarga de materiais; Registrar dados, pré-estabelecidos, sobre a utilização diária do veículo; Zelar pela limpeza e conservação do veículo sob sua responsabilidade; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

OPERADOR DE MOTONIVELADORA
Conduzir e operar motoniveladora, destinadas ao serviço de construção e conservação de estradas e ruas, fazer terraplanagens, aterros, compressões de solo, bem como quaisquer outros serviços que forem possíveis realizar com motoniveladora; Zelar pela conservação do veículo que lhe for entregue, mantendo-os em boas condições de funcionamento; Comunicar ao seu superior imediato, qualquer anomalia verificada no funcionamento do veículo; Conduzir a máquina até a garagem da Prefeitura, após término de cada obra; Fazer reparos de emergência Inspecionar e trocar filtros, velas; Providenciar no abastecimento de combustível, lubrificantes, água, eventualmente operar outros veículos e executar tarefas mecânicas auxiliando o responsável pela oficina; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

OPERADOR DE PÁ CARREGADEIRA
Executar atividades relativas a operação pá carregadeira na execução dos seguintes serviços de terraplenagem: nivelamento de ruas, remoção de barrancos, firmando a base para asfaltamento, bem como quaisquer outros serviços que forem possíveis realizar com pá carregadeira; Zelar pela conservação do veículo que lhe for entregue, mantendo-os em boas condições de funcionamento; Comunicar ao seu superior imediato, qualquer anomalia verificada no funcionamento do veículo; Conduzir a máquina até a garagem da Prefeitura, após término de cada obra; Fazer reparos de emergência Inspecionar e trocar filtros, velas; Providenciar no abastecimento de combustível, lubrificantes, água, eventualmente operar outros veículos e executar tarefas mecânicas auxiliando o responsável pela oficina; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

OPERADOR DE RETRO ESCAVADEIRA
Conduzir e operar a retro escavadeira, manipulando comandos, abrindo e fechando valas para instalação de esgotos e encanamentos, bem como quaisquer outros serviços que forem possíveis realizar com retro escavadeira; Proceder escavações, transporte de terra, compactação, aterro e trabalhos semelhantes; Zelar pela conservação do veículo que lhe for entregue, mantendo-os em boas condições de funcionamento; Comunicar ao seu superior imediato, qualquer anomalia verificada no funcionamento do veículo; Conduzir a máquina até a garagem da Prefeitura, após término de cada obra; Fazer reparos de emergência Inspecionar e trocar filtros, velas . Providenciar no abastecimento de combustível, lubrificantes, água, eventualmente operar outros veículos e executar tarefas mecânicas auxiliando o responsável pela oficina; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

OPERADOR DE TRATOR DE ESTEIRA
Executar atividades relativas á operação do trator de esteira, na execução dos serviços de terraplanagem, nivelamento de ruas e remoção de barrancos, firmando a base para asfaltamento; Zelar pela conservação do veículo que lhe for entregue, mantendo-os em boas condições de funcionamento; Comunicar ao seu superior imediato, qualquer anomalia verificada no funcionamento do veículo; Conduzir a máquina até a garagem da Prefeitura, após término de cada obra; Fazer reparos de emergência Inspecionar e trocar filtros, velas. Providenciar no abastecimento de combustível, lubrificantes, água, eventualmente operar outros veículos e executar tarefas mecânicas auxiliando o responsável pela oficina; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

OPERADOR DE TRATOR DE PNEU
Operar o trator de acordo com as orientações técnicas, roçando, arando e gradeando o solo para o plantio de lavouras, bem como atividades urbanas correlatas; Zelar pela conservação do veículo que lhe for entregue, mantendo-os em boas condições de funcionamento; Comunicar ao seu superior imediato, qualquer anomalia verificada no funcionamento do veículo; Conduzir a máquina até a garagem da Prefeitura, após término de cada obra; Fazer reparos de emergência Inspecionar e trocar filtros, velas. Providenciar no abastecimento de combustível, lubrificantes, água, eventualmente operar outros veículos e executar tarefas mecânicas auxiliando o responsável pela oficina; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

PEDREIRO
Verificar as características da obra examinando plantas e especificações técnicas para orientar-se na escolha do material apropriado e na melhor forma de execução do trabalho; Fazer fundações de obras, observando e acertando o prumo, esquadro e níveis; Assentar azulejos, lajotas e tacos, fazer reboco e calfinagem; Construir calçadas, meios-fios, canteiros de alvenaria, caixas de escoamento e drenagens; Construir bases de concreto ou de outro material de acordo com as especificações para possibilitar a instalação de tubos para bueiros, postes, máquinas e para outros fins; Preparar massas, utilizando cimento, cal e areia; Construir paredes e componentes de construção civil, utilizando tijolos, massas, ferramentas e instrumentos próprios; Afiar e travar ferragens de trabalho, utilizando instrumentos adequados; Fazer reformas de pisos, portas e azulejos danificados; Auxiliar eventualmente na carga e descarga de materiais; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

TELEFONISTA
Operar mesas e aparelhos telefônicos; Operar a mesa telefônica, observando os sinais emitidos, movimentando chaves, teclas e outros dispositivos, para estabelecer ligações internas e externas, completando a ligação com o ramal solicitado; Realizar controle das ligações telefônicas efetuadas, anotando em formulários apropriados; Conhecer o organograma da Instituição, agilizando o atendimento, bem como, estar em condições de interpretar o assunto solicitado, direcionando a ligação para o setor competente; Prestar informações e localizar pessoas através de chamada, consulta de listas telefônicas e de funcionários e rol de números úteis para o órgão; Zelar pelo equipamento, comunicando defeitos e solicitando seu conserto; Realizar controle das ligações telefônicas efetuadas, anotando dados em formulários apropriados; Executar tarefas de apoio administrativo referente a sua área de trabalho; Desempenhar outras atividades correlatas;

 

AGENTE FUNERÁRIO
Preparar cadáveres em urnas e as ornamentá-las; Executar a conservação de cadáveres por meio de técnicas de tanatopraxia ou embalsamamento, substituindo fluidos naturais por líquidos conservantes Identificar a circunstância e local do óbito; Solicitar documentação do falecido e do contratante; Contatar órgão competente para a liberação do corpo; Solicitar declaração de óbito à família ou ao órgão competente; Colher informações sobre as necessidades da família; Verificar destino do corpo (sepultar, cremar e velar); Anotar peso e altura do falecido; Conferir declaração de óbito; Complementar a declaração de óbito; Emitir declaração de assento de nascimento e óbito e óbito para cartório; Emitir nota e ordem de serviços; Emitir guia de sepultamento para o cemitério; Expedir ata de embalsamamento, formolização ou tanatopraxia; Obter documentação para traslado ou cremação; Registrar histórico do falecido (SVO); Oferecer opções de serviços funerários; Providenciar roupa para o falecido; Providenciar o local do velório e sepultamento; Encaminhar o corpo para órgão competente; Encaminhar o corpo para a preparação; Encaminhar o corpo para o velório; Trasladar o corpo (fora do município); Avaliar o estado do corpo; Higienizar o corpo; Aplicar material conservante (por formolização, embalsamamento ou tanatopraxia); Executar restauração facial; Tamponar o corpo; Efetuar necromaquiagem; Vestir o corpo; Ornamentar a urna; Ornamentar o local do velório; Fornecer serviços de copa; Conservar a organização do local do velório; Checar as alterações do corpo; Conduzir cortejo ao jazigo; Fechar a urna; Orientar a família quanto aos procedimentos legais; Informar-se sobre a religião da família;

Comunicar à família o momento da liberação do corpo; Alertar a família sobre a eventual necessidade de antecipação do sepultamento; Fornecer medidas da urna para o cemitério; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ATENDENTE DE FARMÁCIA
Armazenar, distribuir, conferir, classificar, medicamentos e substâncias correlatas; Participar da elaboração, coordenação e implementação de políticas de medicamentos; Orientar sobre uso de produtos; Instruir sobre medicamentos e correlatos; Administrar estoques; Fazer controle de estoque; Registrar entradas e saídas de medicamentos; Auxiliar no carregamento e descarregamento de medicamentos, materiais médico hospitalares e correlatos; Realizar compras quando houver urgência, mediante orientação da chefia; Executar serviços de digitação em geral e elaboração de relatórios; Zelar pela limpeza das prateleiras, balcões e outras áreas de trabalho; Colher informações sobre as características e benefícios do produto; Fracionar medicamentos e substâncias correlatas, para fornecimento por dose individual, às diversas unidades do posto Zelar pela limpeza das prateleiras, balcões e outras áreas de trabalho; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

INSTRUTOR DE INFORMATICA
Avaliar processo ensino-aprendizagem; elaborar material pedagógico; Sistematizar estudos, informações e experiências sobre a área ensinada; Desenvolver atividades que mobilizam capacidades comunicativas; Avaliar processo ensino-aprendizagem; Elaborar material pedagógico; Sistematizar estudos, informações e experiências sobre a área ensinada; Fazer registros de documentação escolar, de oficinas e de laboratórios; Desenvolver atividades que mobilizam capacidades comunicativas; Empregar recursos didáticos de acordo com as situações de ensino-aprendizagem; Desenvolver projetos de trabalho e seminários com os alunos; Desenvolver estratégias que promovam interdisciplinaridade; Desenvolver atividades de ensino em situações práticas de trabalho; Estimular os alunos na busca de conhecimento;Propor novos cursos e produtos de acordo com as necessidades da instituição e do mercado; Planejar cursos dentro de sua área de atuação prevendo habilidades e técnicas a serem dominadas;Adaptar o programa dos cursos e atividades aos interesses da clientela, visando manter o interesse das crianças; Ministrar aulas teóricas e práticas, segundo o planejamento de atividades profissionalizantes, orientando quanto à utilização de máquinas, ferramentas e equipamentos diversos, providenciando o material necessário, supervisionando o trabalho de cada aluno e avaliando o seu aproveitamento; Manter os equipamentos em condições de uso, efetuando pequenos reparos e solicitando assistência técnica quando necessário; Observar e avaliar o desempenho e o rendimento escolar dos alunos por meio de testes ou observação direta; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

MONITOR DE BIBLIOTECA
Participar da gestão administrativa, elaboração e realização de projetos de extensão cultural; Colaborar no controle e na conservação de equipamentos. Participar de treinamentos e programas de atualização; Atender os usuários da biblioteca, orientando-os no manuseio dos catálogos e localização do material bibliográfico; Repor nas estantes os livros e publicações utilizados pelos usuários, colocando-os de acordo com o sistema de classificação da biblioteca, para mantê-los ordenados e possibilitar novas consultas; Efetuar a inscrição e renovação de cadastro dos leitores e o empréstimo e devolução de livros e publicações aos usuários da biblioteca; Conscientizar e fiscalizar o usuário no sentido de preservar e zelar pelo acervo da biblioteca; Manter organizado os fichários, catálogos e material bibliográfico; Executar tarefa relacionada a cobrança de livros emprestados; Ordenar fichas bibliográficas e inseri-las no catálogo geral, seguindo orientação; Auxiliar no inventário do acervo; Auxiliar na compilação de dados estatísticos de consulta, empréstimo e dos serviços executados; Auxiliar no preparo de exposições, murais e atividades correlatas; Executar serviços de digitação nos vários setores de biblioteca; Auxiliar no serviço de comutação bibliográfica; Auxiliar na avaliação dos serviços e da coleção; Colaborar no atendimento de referência; Executar levantamento de usuários em débito com a biblioteca; Manter a ordem e o silêncio no recinto da biblioteca; Orientar o usuário sobre as diversas linguagens para recuperação da informação; Elaborar mural, folhetos, alertas bibliográficos e cartazes; Participar da elaboração de manuais de procedimentos; Orientar o usuário na preservação do acervo; Controlar empréstimo, devolução, renovação e reserva de material; Auxiliar o usuário em pesquisa bibliográfica; Monitorar visitas à biblioteca; Localizar material no acervo; Tombar documentos para incorporação ao acervo

Colaborar na elaboração do regimento interno da biblioteca; Fazer contatos com profissionais para atividades de incentivo à leitura; Auxiliar na realização de feiras de livros; Realizar campanhas de doação; Controlar as condições de higiene e limpeza do ambiente; Auxiliar no controle do uso e manutenção dos equipamentos; Avaliar o uso e adequação do ambiente; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

TÉCNICO EM INFORMÁTICA
Participar do projeto, construção, implantação e da documentação no que tange ao desenvolvimento de sistemas; Prestar assistência e suporte em questões de informática; Executar ou promover as atividades de manutenção preventiva e corretiva, necessárias à conservação dos equipamentos, instrumentos e outros materiais utilizados na área de atuação, acompanhando-as, quando a cargo de terceiros; Selecionar, implantar, proceder manutenção e prestar suporte no uso de software básico; Planejar, implantar, administrar e manter redes de computadores; Prestar orientação a outros profissionais em assuntos de sua especialidade; Manter o superior imediato informado sobre o andamento dos trabalhos e resultados obtidos, para possibilitar a avaliação das políticas aplicadas, bem como orientar e controlar o desenvolvimento da área de atuação; Manter intercâmbio com outros órgãos e profissionais especializados, internos ou externos à Universidade, a fim de obter subsídios para implantação ou melhoria dos serviços prestados; Estudar as especificações de programas, visando sua instalação; Elaborar programas de computação; Depurar novos produtos, bem como sua documentação; Preparar, operar, manipular, acompanhar e verificar os resultados dos processamentos de rotinas ou de programas de aplicações; Executar serviços programados, procurando utilizar os equipamentos da maneira mais eficiente possível; Manter e dar suporte em sistemas, produtos e hardware, bem como em treinamento; Prestar atendimento técnico, bem como dar suporte ao usuário; Executar atividades pertinentes a redes e teleprocessamento; Zelar pela guarda, conservação, manutenção e limpeza dos equipamentos e materiais peculiares ao trabalho; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES
Elaborar esboços e desenhos técnicos estruturais, elétricos, hidráulicos e arquitetônicos orientando-se por plantas, desenhos, croquis e especificações técnicas, utilizando instrumentos de desenho; Preparar estimativa detalhada quanto à quantidade e outros itens sobre materiais e mão-de-obra, promovendo pesquisas e efetuando cálculos, para posterior elaboração de orçamento preliminar; Realizar inspeções em materiais a serem utilizados em obras, estabelecendo os testes a serem executados, em conformidade com a espécie e o emprego de cada material, para controlar a qualidade e observância das especificações; Auxiliar na preparação de planos e programas de trabalho e na fiscalização de obras; Garantir o cumprimento das condições estabelecidas preliminarmente para a execução das obras, visando a adoção de medidas corretivas; Examinar projetos de unificação e subdivisão de terrenos, para fins de doação e desapropriação; Executar croqui demonstrativo para informar processos; Realizar pesquisa em mapotecas/arquivos e levantamentos topográficos a fim de buscar subsídios técnicos para a execução de projetos e croquis; Realizar levantamentos topográficos e planialtimétricos; Desenvolver e legalizar projetos de edificações sob supervisão de um engenheiro civil; Planejar a execução, orçar e providenciar suprimentos e supervisionar a execução de obras e serviços. Treinar mão-de-obra e realizar o controle tecnológico de materiais e do solo; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

TÉCNICO EM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS
Manipular soluções químicas, reagentes, meios de cultura e outros, selecionando aparelhagens, instrumentos e materiais, calculando concentrações e dosagens para realização dos trabalhos; Controlar e supervisionar a utilização de materiais, instrumentos e equipamentos do laboratório; Controlar o estoque de materiais do laboratório; Zelar pela manutenção, limpeza, assepsia e conservação de equipamentos e utensílios do laboratório, quando necessário; Supervisionar as prestações de serviços executadas pelos auxiliares organizando e distribuindo tarefas; Aplicar conhecimentos no seu campo de especialização proporcionando assistência direta aos usuários; Analisar e interpretar informações obtidas de medições, determinações, identificações, definindo procedimentos técnicos a serem adotados, sob supervisão; Proceder a realização de exames laboratoriais sob supervisão; Realizar experiências e testes em laboratório, executando o controle de qualidade e caracterização do material; Separar soros, plasmas, glóbulos, plaquetas e outros; Interpretar resultados dos exames, ensaios e testes, sob orientação, encaminhando-os para a elaboração de laudos, quando necessário; Elaborar e/ou auxiliar na elaboração de relatórios técnicos e estatísticos; Preparar os equipamentos e aparelhos do laboratório para adequada utilização; Coletar e/ou preparar material, matéria prima e amostras procedendo o registro, identificação, testes, análise e outros para subsidiar aulas, pesquisas, diagnósticos, etc; Auxiliar na realização de exames anatomopatológicos, preparando amostras, lâminas microscópicas, meios de cultura, soluções, testes químicos e reativos; Administrar medicamentos e similares em animais, quando necessário. Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
Participar do estabelecimento de normas e dispositivos de segurança, sugerindo eventuais modificações nos equipamentos e instalações a fim de eliminar e ou minimizar riscos e causas de acidentes; Instruir os funcionários sobre normas de segurança, combate a incêndio e demais medidas de precaução de acidentes, ministrando palestras e treinamentos na área de segurança do trabalho; Investigar e analisar acidentes de trabalho envolvendo a frota pública da Prefeitura, identificando as causas e propondo as soluções; Realizar medições de luminosidade, ruído, temperatura, exposições a produtos químicos, utilizando aparelhos apropriados, anotando em formulários próprios para emitir pareceres referente a concessão de adicionais de periculosidade, insalubridade entre outras; Informar aos servidores e chefias em geral, as condições que possam causar danos à sua integridade e as medidas que atenuem ou eliminem esses riscos; Analisar riscos, acidentes e falhas, investigando causas e propondo medidas corretivas e preventivas; Inspecionar locais de trabalho delimitando as áreas de periculosidade; Elaborar planilha e cálculo coeficiente de freqüência e gravidade dos acidentes de trabalho; Inspecionar os sistemas de combate a incêndios e demais equipamentos de proteção; Elaborar relatórios de inspeções qualitativas e quantitativas, conforme o caso; Registrar em documento próprio a ocorrência do acidente de trabalho; Manter contato junto aos serviços médico e social da Instituição para o atendimento necessário aos acidentados; Investigar acidentes ocorridos, examinar as condições, identificar suas causas e propor as providências cabíveis; Elaborar relatórios técnicos, periciais e de estatísticas de acidentes; Orientar os funcionários da Instituição no que se refere à observância das normas de segurança; Promover e ministrar treinamentos sobre segurança e qualidade de vida no trabalho; Promover campanhas e coordenar a publicação de material educativo sobre segurança e medicina do trabalho; Participar de programa de treinamento, quando convocado; Participar de reuniões de trabalho relativas a sua área de atuação; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

TÉCNICO EM TOPOGRAFIA
Interpretar fotos terrestres, fotos aéreas, mapas, cartas e plantas, relevos para implantação de linhas de exploração; Identificar acidentes geométricos, pontos de apoio para georeferenciamento e amarração; Coletar dados geométricos; Calcular declinação magnética, convergência meridiana, norte verdadeiro, áreas de terrenos, volumes para movimento de solo, distâncias, azimutes e coordenadas; Calcular concordâncias vertical e horizontal,curvas de nível por interpolação; Coletar dados para atualização de plantas cadastrais; Elaborar planta topográfica, conforme normas da ABNT; Elaborar representações gráficas; Definir escalas e cálculos cartográficos; Restituir fotografias aéreas; Editar documentos cartográficos; Reambular fotografia aérea; Revisar documentos cartográficos; Criar arte final de documentos cartográficos; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ADMINISTRADOR HOSPITALAR
Reunir os conhecimentos e as técnicas necessárias para o planejamento, a organização e a gerência das instituições hospitalares; Supervisionar o dia-a-dia das Unidades de Saúde hospital no desempenho das questões burocráticas e administrativas; Manter contato com médicos e enfermeiros; Controlar o quadro de servidores, além de cuidar da manutenção dos equipamentos e do estoque dos materiais; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ADVOGADO
Analisar e elaborar contratos, convênios, petições, contestações, replicas, memoriais e demais documentos de natureza jurídica; Examinar e revisar processos, de acordo com a área de atuação; Examinar os anteprojetos de leis, projetos, regulamentos e instruções, emitindo pareceres e elaborando minutas, quando necessário; Pesquisar a jurisprudência e doutrina, para formação do arquivo jurídico, orientando quanto a organização do mesmo; Defender o Município em juízo, ou fora dele, em qualquer matéria que lhe diga respeito; Emitir pareceres sobre assuntos de interesse do Município; Supervisionar equipes auxiliares necessárias à execução das atividades próprias do cargo; Postular em juízo; Prestar assessoria jurídica extrajudicialmente; Realizar estudos específicos sobre temas e problemas jurídicos de interesse do Governo Municipal; Formalizar parecer técnico-jurídico; Analisar, fatos, relatórios e documentos; Realizar auditorias jurídicas; Definir natureza jurídica da questão; Redigir ou formatar documentos jurídicos; Auxiliar nos trabalhos das comissões instituídas; Analisar a legislação e orientar a sua aplicação no âmbito da Instituição; Preparar relatórios, planilhas, informações para expedientes e processos sobre matéria própria do Órgão e proferir despachos interlocutórios e preparatórios de decisão superior; Participar, conforme a política interna da Instituição, de projetos, cursos, eventos, convênios e programas de ensino, pesquisa e extensão; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ANALISTA PROGRAMADOR DE SISTEMAS
Elaborar levantamento de dados junto ao usuário, identificando suas necessidades de sistema, visando dimensionar e definir as características, análise de viabilidade técnica e custo/benefício; Elaborar anteprojeto de sistema, definindo sua abrangência, recursos necessários e alternativas técnicas de funcionamento e operação, visando verificar a viabilidade de sua implantação e submetê-lo a aprovação do usuário; Elaborar o projeto dos sistemas, definindo os arquivos d entrada e saída, programadas e demais características; Acompanhar a implantação dos sistemas executando testes simulados, até que os mesmos estejam confiáveis; Prestar todas as informações necessárias a elaboração ou atualização da documentação dos sistemas sob sua responsabilidade, zelando pela sua exatidão; Atualizar e prestar serviços de manutenção nos sistemas já implantados, identificando falhas e problemas ocorridos, definindo e propondo alternadas técnicas de funcionamento, visando otimizar o processamento de dados; Configurar e manter a rede de teleprocessamento da instalação; Orientar programadores e operadores no sentido de otimizar os recursos de hardware e software; Desenvolver sistemas e aplicações, determinando interface gráfica, critérios ergonômicos de navegação, montagem da estrutura de banco de dados e codificação de programas; Projetar, implantar e realizar manutenção de sistemas e aplicações; Selecionar recursos de trabalho, tais como metodologias de desenvolvimento de sistemas, linguagem de programação e ferramentas de desenvolvimento; Planejar etapas e ações de trabalho; Elaborar programas de computador, executáveis em equipamentos de processamento de dados disponíveis na unidade, baseando-se nos dados fornecidos pela equipe de análise, dimensionamento da solução, codificação, teste e execução, documentação de todas as etapas do trabalho; Conhecer a operação dos equipamentos de processamentos de dados em que os programas devem ser executados, se necessário, operá-los.

Conhecer o processo de construção dos sistemas aplicativos, implantação e uso, etapas, objetivos, atividades, responsabilidades, e outros; Treinar pessoal na sua área de especialização.

Organizar e controlar os materiais necessários para a execução das tarefas de programação, ordens de serviço, documentação dos programas, suprimentos, bibliografias, e outros; Levantar dados e informações de interesse dos usuários e transcrevê-los para o computador, através de digitação, zelando pela correção e atualização constante dos dados; Elaborar algoritmos detalhados estabelecendo os passos necessários à codificação do programa em linguagem própria; Utilizar ferramentas de desenvolvimento e gerenciamento das atividades de programação nos padrões da instalação; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ARQUITETO
Elaborar projetos de edificações, urbanização e paisagismo, aplicando princípios arquitetônicos, funcionais e estéticos para integrar os elementos respectivos dentro de um espaço físico; Efetuar análises, estudos e vistorias "in loco" relativas a projetos arquitetônicos de engenharia sob a ótica da legislação vigente; Elaborar o projeto final segundo sua imaginação e capacidade inventiva e obedecendo a normas, regulamentos de construção vigentes e estilo arquitetônico local; Orientar os trabalhos de construção ou reforma de edificações e outras obras; Preparar previsões detalhadas das necessidades da construção determinando e calculando materiais, mão-de-obra e os respectivos custos, tempo de duração e outros elementos para estabelecer os recursos necessários à realização do projeto; Consultar especialistas das diversas áreas, discutindo o arranjo geral das estruturas e a distribuição dos diversos equipamentos com vistas ao equilíbrio técnico-funcional do conjunto, para determinar a viabilidade técnica e financeira do projeto; Preparar plantas, layouts, maquetes, para orientar a execução dos trabalhos; Prestar assistência técnica a obras em construção; Planejar, orientar e fiscalizar os trabalhos de reforma e reparos de edifícios e outras obras arquitetônicas, vistorias, perícias e emitir laudos técnicos; Coordenar e coletar dados referentes aos aspectos econômicos, sociais, físicos e outros fatores que influem no desenvolvimento do Município, para a realização dos estudos de urbanização que determinam a natureza, amplitude de ritmo de crescimento e desenvolvimento urbano; Projetar a paisagem, harmonizando o novo traçado com as características do terreno e dos edifícios existentes e levando em conta as obras previstas, para assegurar o equilíbrio ecológico do meio ambiente; Desenvolver e coordenar a implantação de projetos, visando a produção de dados gráficos digitais para o geoprocessamento, a partir de levantamentos cadastrais e ambientais; Participar de programas de educação ambiental; Analisar os projetos que envolvam o parcelamento do uso do solo; Controlar, coordenar e participar de programas e projetos de preservação, defesa e desenvolvimento do meio ambiente; Avaliar a documentação quanto aos dados técnicos dos imóveis, verificando a sua validade e a adequação as exigências estabelecidas em Legislação; Coordenar, organizar e executar diretrizes básicas, visando a expansão e ocupação racional do espaço físico-urbano do Município; Analisar projetos arquitetônicos de loteamento de áreas urbanas e outros, verificando os padrões técnicos e a sua adequação a legislação urbanística vigente, para informar e dar pareceres em processos; Atender o público em geral e profissionais da construção civil, realizando consultas em Leis, decretos, normas, memorandos, informações técnicas, tabelas cartas topográficas e dados cadastrais, visando atender as solicitações e demandas; Verificar projetos de urbanização em terrenos e áreas, apreciando as solicitações de loteamentos, consultando Leis; Realizar vistorias "in loco" em áreas e imóveis, visando conferir as suas características físicas, topográficas e arquitetônicos; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

BIÓLOGO
Orientar as atividades de planejamento, pesquisa e programação de estudos, pesquisas e projetos em fenômenos relacionados direta ou indiretamente com características dos seres vivos, minerais e fósseis, analisando origem, evolução, função, estrutura, meio e demais aspectos para o conhecimento científico e prático de organismos; Orientar nas atividades de planejamento, pesquisa e programação, bem como participar no desenvolvimento de pesquisa básica e aplicada em recursos naturais (flora, fauna, solo, minerais, água e ar), para fornecer subsídios ao controle ambiental; Supervisionar as atividades de planejamento, pesquisa e programação, bem como participar no desenvolvimento de projetos, programas e pesquisas em fauna, flora, zoonoses e vetores biológicos, visando a conservação, preservação e controle ambiental; Orientar as atividades de planejamento, pesquisa e programação, bem como participar no desenvolvimento de pesquisas sobre plantas nativas e exóticas, ornamentais, medicinais, tóxicas, ruderais, melíferas e/ou sociais; Orientar as atividades de planejamento, pesquisa e programação, bem como participar no desenvolvimento de levantamento, cadastramento e fiscalização de fontes poluidoras e áreas verdes; Orientar as atividades de planejamento, pesquisa e programação, bem como participar no desenvolvimento de planos para manejo de parques, reservas municipais e bacias hidrográficas; Efetuar estudos de impactos ambientais decorrentes do uso, ocupação e aproveitamento dos recurso ambientais; Executar trabalhos de pesquisas e planejamento relativos a gestão ambiental urbana no âmbito da disposição de resíduos, controle de poluição e monitoramento de áreas verde; Supervisionar as atividades de planejamento, pesquisa e programação, bem como participar no desenvolvimento de programas de pesquisa em Biologia Geral voltados ao conhecimento, produção e adequação de animais em cativeiro (peixes, anfíbios, répteis, aves, mamíferos, entre outros); Emitir e fornecer pareceres e laudos técnicos acerca de análises dentro de sua área de competência; Elaborar, executar e coordenar programas de educação ambiental nos diversos setores da Prefeitura, escolas e comunidade em geral; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

- NA ÁREA DE SAÚDE - Investigar e interpretar as causas e efeitos maléficos das enfermidades e distúrbios parasitológicos generalizados no organismo dos seres vivos, visando o controle sanitário; Coordenar, orientar e realizar atividades em laboratório relacionadas a análise clínicas, fazendo exames para possibilitar o diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças; Desempenhar atividades em laboratório de bromatologia, realizando análises microbiológicas e físico-químicas em alimentos; Coordenar, orientar e participar de equipe multidisciplinar no desenvolvimento de programas que visem o combate às fontes de infecção e vetores de doenças;

Emitir e fornecer pareceres e laudos técnicos acerca de análises efetuadas dentro de sua área de competência; Elaborar, executar e coordenar programas de educação em saúde nos diversos setores da Prefeitura, escolas e comunidade em geral; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas;

 

CIRURGIÃO DENTISTA
Atender e orientar pacientes e executar tratamento odontológico, realizando, entre outras atividades, ajuste oclusal, aplicação de anestesia, extração de dentes, tratamento de doenças gengivais e canais, cirurgias bucomaxilofaciais, implantes, tratamentos estéticos e de reabilitação oral, confecção de prótese oral e extra-oral; Diagnosticar, avaliar pacientes e planejar tratamento; Administrar local e condições de trabalho, adotando medidas de precaução universal de biossegurança. Podem desenvolver pesquisas na prática odontológica e integrar comissões de normatização do exercício da profissão; Realizar exames estomatológicos para identificação de problemas no processo saúde-doença, dentro dos princípios da odontologia integral, visando a promoção, proteção, recuperação ou reabilitação do indivíduo no seu contexto social; Participar de equipe multidisciplinar, conduzindo e desenvolvendo programas de saúde e participando de ações comunitárias, visando orientar sobre higiene e profilaxia oral, prevenção de cárie dental e doenças periodontais; Propor normas, padrões e técnicas aplicáveis à odontologia integral, a partir da realização e colaboração em pesquisas científicas operacionais; Desenvolver atividades relativas à vigilância sanitária e epidemiológica em odontologia; Emitir laudos e pareceres, atestados e licenças sobre assuntos de sua competência; Prescrever e administrar medicamentos conforme diagnósticos efetuados; Encaminhar e orientar pacientes que apresentam problemas mais complexos, sem resolutibilidade na rede, a outros níveis de especialização; Realizar controle de material odontológico, racionalizando a sua utilização, solicitando reposição para continuidade dos serviços; Realizar e/ou encaminhar e interpretar radiografias odontológicas; Utilizar medidas que visem o controle de infecção ao profissional e pacientes; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

CONTADOR
Elaboração contrato social/estatuto e notificando encerramento junto aos órgãos competentes; Administrar os tributos do município; Registrar atos e fatos contábeis; Controlar o ativo permanente; Gerenciar custos; Preparam obrigações acessórias, tais como: declarações acessórias ao fisco, órgãos competentes e contribuintes e administrar o registro dos livros nos órgãos apropriados; Elaborar demonstrações contábeis; Prestam consultoria e informações gerenciais; Corrigir a escrituração dos livros contábeis, atentando para a transcrição correta dos dados contidos nos documentos originais, utilizando sistemas manuais e mecanizados, a fim de cumprir as exigências legais; Planejar e conduzir planos e programas de análise, sobre o funcionamento correto dos controles financeiros e contábeis, transações, normas, rotinas e procedimentos, no sentido de salvaguardar os interesses, bens e recursos da Prefeitura Municipal;

Supervisionar e efetuar a conciliação de contas, detectando erros, para assegurar a correção das operações contábeis; Examinar o fluxo de caixa durante o exercício considerando, verificando documentos para certificar-se, quanto a correção dos lançamentos; Emitir pareceres técnicos na sua área de atuação; Coordenar e participar da elaboração de programas contábeis, calculando e especificando receitas e custos durante o período considerado; Coordenar e elaborar balancetes, balanços e outras demonstrações contábeis, aplicando as técnicas apropriadas, apresentado resultados parciais e totais, da situação patrimonial do órgão; Participar da elaboração do orçamento-programa, fornecendo os dados contábeis para servirem de base a montagem do mesmo; Poder exercer outras atividades afins, como por exemplo, serviços de auditoria; Planejar os sistemas de registros e operações contábeis atendendo as necessidades administrativas e as exigências legais; Proceder e ou orientar a classificação e avaliação das receitas e despesas; Acompanhar a formalização de contratos no aspecto contábil; Analisar, acompanhar e fiscalizar a implantação e a execução de sistemas financeiros e contábeis; Realizar serviços de auditoria, emitir pareceres e informações sobre sua área de atuação, quando necessário; Desenvolver e gerenciar controles auxiliares, quando necessário; Elaborar e assinar relatórios, balancetes, balanços e demonstrativos econômicos, patrimoniais e financeiros; Participar de programa de treinamento, quando convocado; Participar, conforme a política interna da Instituição, de projetos, cursos, eventos, convênios e programas de ensino, pesquisa e extensão em sua fase de Planejamento, de coordenação, de desenvolvimento, de orientação e de ministração; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ENGENHEIRO AGRÍCOLA
Elaborar projetos de irrigação, drenagem, equipamentos, máquinas agrícolas e outros; Elaborar projetos de paisagismo e arquitetura agrícola; Assessorar na execução de projetos de construções rurais, silos, represas, entre outros; Prestar assistência e consultoria técnicas; Realizar estudos e pesquisas sobre propriedades físicas dos materiais biológicos, controle de secagem, armazenamento e manuseio de produções agrícolas; Desenvolver e implantar métodos e fluxos de trabalhos voltados à otimização das atividades operacionais; Participar de programa de treinamento, quando convocado. Trabalhar segundo normas técnicas de segurança, qualidade, produtividade, higiene e preservação ambiental; Elaborar relatórios e laudos técnicos em sua área de especialidade; Participar, conforme a política interna da Instituição, de projetos, cursos, eventos, comissões, convênios e programas de ensino, pesquisa e extensão; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Supervisionar atividades de sistema de produção (agricultura, aqüicultura, silvicultura, pecuária); Supervisionar processo em manejo de recursos naturais (bióticos e abióticos); Testar desempenho de equipamentos, máquinas, materiais; Planejar o aproveitamento de recursos hídricos e o manejo de bombas e asperssores; Elaborar projetos de equipamentos e máquinas agrícolas; Realizar estudos e pesquisas sobre meio ambiente, climatologia, aproveitamento de energia solar;

Realizar estudos e pesquisas sobre propriedades físicas dos materiais biológicos; Assessorar na elaboração de projetos de construções rurais, silos, represas, etc.; Elaborar projetos de empresas agrícolas, paisagismo e arquitetura agrícola; Realizar estudos e pesquisas sobre controle de secagem armazenamento e manuseio de produções agrícolas; Executar levantamentos topográficos e de áreas para implantação de parques e jardins; Desenvolver estudos, análises, diagnósticos e inventários de cobertura vegetal; Desenvolver atividades relacionadas a conservação, fertilidade, análise física, mecânica, biológica e química do solo. Participar da elaboração e implantação de projetos de paisagismo em parques, praças, jardins e arborização pública; Planejar, programar e coordenar a produção, seleção, melhoria e multiplicação de matrizes, sementes e mudas de espécies vegetais para arborização pública, paisagismo e abastecimento bem como a produção de olerícolas e frutíferas; Analisar projetos e requerimentos relativos ao uso e ocupação de áreas cobertas por vegetação legalmente protegida; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ENGENHEIRO AGRÔNOMO
Elaborar métodos e técnicas de cultivo de acordo com tipos de solo e clima, efetuando estudos, experiências e analisando os resultados obtidos; Estudar os efeitos da rotatividade, drenagem, irrigação, adubagem e condições climáticas, sobre culturas agrícolas, realizando experiências e analisando seus resultados na fase da semeadura, cultivo e colheita; Elaborar novos métodos de combate às ervas daninhas, enfermidades da lavoura e pragas de insetos, e ou aprimora os já existentes; Elaborar relatório, parecer e laudo técnico em sua área de especialidade; Elaborar e implantar projetos de horticultura, floricultura, olericultura rural, mecanização agrícola, administração rural e criação de pequenos animais; Acompanhar os resultados de pesquisas realizadas com produtos para o desenvolvimento da flora produzida; Prestar assistência técnica no campo do abastecimento, através de técnicas de extensão rural, com vistas ao desenvolvimento de produção e comercialização de produtos agrícolas; Programar a aquisição de insumos necessários como sementes, defensivos e produtos que melhorem a fertilidade do solo, aos projetos desenvolvidos pela unidade; Controlar programas e projetos de preservação, defesa e desenvolvimento da flora e do espaço ecológico; Auxiliar e desenvolver o planejamento das atividades da unidade estabelecendo as metas a serem cumpridas e o dimensionamento dos recursos necessários; Pesquisar assuntos relacionados com a área de agricultura, visando a obtenção de recursos tecnológicos, para uso do solo, adubação, compostagem e olericultura; Estudar os efeitos da rotatividade, drenagem, irrigação, adubagem e condições climáticas, sobre culturas agrícolas, realizando experiências e analisando seus resultados na fase da semeadura, cultivo e colheita, para determinar as técnicas de tratamento de solo e a exploração agrícola mais adequada a cada tipo de solo e clima; Elaborar novos métodos de combate ás ervas daninhas, enfermidades da lavoura e pragas de insetos, e/ou aprimorar os já existentes, baseando-se em experiências e pesquisas, para preservar a vida das plantas e assegurar o maior rendimento do cultivo; Elaborar métodos e técnicas de cultivo de acordo com tipos de solo e clima, efetuado estudos, experiências e analisando resultados obtidos para melhorar a germinação de sementes, o crescimento de plantas, a adaptabilidade dos cultivos, o rendimento das colheitas e outras características dos cultivos agrícolas; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ENGENHEIRO AMBIENTAL
Promover educação ambiental; Controle da qualidade ambiental (redes de monitoramento e vigilância); Gestão e tratamento de resíduos sólidos, líquidos e gasosos; Pesquisa operacional e estudo de poluição da água, ar e solo; Análises de riscos e impactos ambientais, além do estudo de indicadores ambientais; Estudo de energias renováveis e alternativas e planejamento energético; Estudo de tecnologias limpas e valorização de resíduos; Análise de auditorias ambientais; Gestão e planejamento do uso de áreas urbanas; Gestão de recursos hídricos e ordenamento de territórios; Diagnóstico do meio físico e biológico, procurando prover meios para sua conservação, pela educação, planejamento, prevenção e proteção dos recursos naturais renováveis e não-renováveis; Desenvolvimento de atividades associadas a gestão e manejo de resíduos e efluentes; o planejamento do espaço; Gerenciamento dos recursos hídricos; Desenvolvimento de alternativas de uso dos recursos naturais, estabelecendo padrões educativos e técnicos para estimular a convivência sociedade-natureza; Compreensão dos aspectos educacionais, tecnológicos, culturais, éticos e sociais da gestão ambiental, estabelecendo os fundamentos da sustentabilidade; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ENGENHEIRO CIVIL
Planejar, organizar, executar e controlar projetos na área da construção civil, realizar investigações e levantamentos técnicos, definir metodologia de execução, desenvolver estudos ambientais, revisar e aprovar projetos, especificar equipamentos, materiais e serviços; Orçar a obra, compor custos unitários de mão de obra, equipamentos, materiais e serviços, apropriar custos específicos e gerais da obra; Executar obra de construção civil, controlar cronograma físico e financeiro da obra, fiscalizar obras, supervisionar segurança e aspectos ambientais da obra; Prestar consultoria técnica, periciar projetos e obras (laudos e avaliações), avaliar dados técnicos e operacionais, programar inspeção preventiva e corretiva e avaliar relatórios de inspeção; Controlar a qualidade da obra, aceitar ou rejeitar materiais e serviços, identificar métodos e locais para instalação de instrumentos de controle de qualidade; Elaborar normas e documentação técnica, procedimentos e especificações técnicas, normas de avaliação de desempenho técnico e operacional, normas de ensaio de campo e de laboratório; Analisar projetos de engenharia, de loteamento de áreas urbanas e outros, verificando os padrões técnicos e a sua adequação a Legislação Urbanística vigente, para informar e dar pareceres em processos e outros correlatos; Atender o público em geral, realizando consultas em Leis, decretos, normas, memorandos, informações técnicas, tabelas, cartas topográficas, dados cadastrais, plantas e outros, visando a atender a solicitações e demandas; Avaliar a documentação dos imóveis verificando a validade e a adequação as exigências estabelecidas em Legislação; Realizar vistorias "in loco" em áreas e imóveis visando conferir as características e topográficas; Elaborar laudos, pareceres técnicos, instruções normativas e relatórios inerentes às atividades de engenharia civil; Organizar e promover as atividades relacionadas com projetos, construção, reconstrução, adaptação, reparo, ampliação, conservação, melhoria, manutenção e implantação do sistema viário; Pesquisar e propor métodos de construção e material a ser utilizado, visando a obtenção de soluções funcionais e econômicas para o município; Organizar e supervisionar as atividades inerentes a pesquisas de mercado e composição de custos de obras e/ou serviços; Acompanhar as licitações e contratos de obras e/ou serviços afetos a Prefeitura; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Assessorar os diversos órgãos da Instituição em assuntos de segurança do trabalho; Propor normas e regulamentos de segurança do trabalho; Estudar as condições de segurança dos locais de trabalho e das instalações e equipamentos; Examinar projetos de obras e equipamentos, opinando do ponto de vista da segurança do trabalho; Indicar e verificar a qualidade dos equipamentos de segurança; Estudar e implantar sistema de proteção contra incêndios e elaborar planos de controle de catástrofe; Delimitar as áreas de periculosidade, insalubridade e outras, de acordo com a legislação vigente, emitir parecer, laudos técnicos e indicar mediação de controle sobre grau de exposição a agentes agressivos de riscos físicos, químicos e biológicos; Analisar acidentes, investigando as causas e propondo medidas corretivas e preventivas; Opinar e participar da especificação para aquisição de substâncias e equipamentos cuja manipulação, armazenamento, transporte ou funcionamento possam apresentar riscos, acompanhando o controle do recebimento e da expedição; Emitir e divulgar documentos técnicos como relatórios, mapas de risco e contratos; Desenvolver, testar e supervisionar sistemas, processos e métodos industriais, gerenciar atividades de segurança do trabalho e do meio ambiente, planejar empreendimentos e atividades industriais e coordenar equipes, treinamentos e atividades de trabalho; Assessorar os diversos órgãos da Instituição, em assuntos de segurança do trabalho; Propor normas e regulamentos de segurança do trabalho; Examinar projetos de obras e equipamentos, opinando do ponto de vista da segurança do trabalho; Indicar especificamente os equipamentos de segurança, inclusive os equipamentos de proteção individual, verificando sua qualidade; Estudar e implantar sistema de proteção contra incêndios e elaborar planos de controle de catástrofe; Delimitar as áreas de periculosidade, de acordo como a legislação vigente; Analisar acidentes, investigando as causas e propondo medidas preventivas; Manter cadastro e analisar estatísticas dos acidentes, a fim de orientar a prevenção e calcular o custo; Realizar a divulgação de assuntos de segurança do trabalho; Elaborar e executar programas de treinamento geral no que concerne à segurança do trabalho; Organizar e executar programas de treinamento específico de segurança do trabalho; Executar campanhas educativas sobre prevenção de acidentes, organizando palestras e divulgações nos meios de comunicação, distribuindo publicações e outros materiais informativos, para conscientizar os trabalhadores e o público em geral; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ENGENHEIRO QUIMICO
Formular o desenvolvimento de produtos alimentícios, através de análises e técnicas apropriadas, visando o balanceamento energético e avaliação sensorial para fins de equilíbrio da formulação; Proceder a análise físico-química e microbiológica dos alimentos, utilizando-se de métodos e técnicas específicas; Desenvolver novos processos na tecnologia de alimentos, visando o aperfeiçoamento, desenvolvimento, melhoria da qualidade e redução de custos de operação; Pesquisar formas alternativas de reaproveitamento de subprodutos na linha de produção de alimentos; Especificar, dentro dos padrões técnicos, os critérios de contaminação ambiental; Orientar o desenvolvimento de projetos relacionados com o meio ambiente; Responder técnica e juridicamente por projetos que envolvam processos químicos e bioquímicos em execução pela Prefeitura, voltados ao meio ambiente; Avaliar laudos emitidos contra ou pela Prefeitura, emitindo pareceres concernentes à Engenharia Química; Desenvolver o controle de qualidade dos recursos hídricos para monitoramento ambiental; Proceder a análise físico-química e microbiológica da água utilizando-se de métodos e técnicas específicas; Elaborar laudos técnicos para empresas observando a emissão de poluentes com a finalidade de concessão de licença ambiental; Participar de programas de educação ambiental; Realizar pesquisas relativas à transformação química e física das substâncias, efetuando análise e ensaios de laboratório, para desenvolver novos processos, para tratamento químico de produtos e para estabelecer as dimensões e a disposição dos equipamentos e instalações relativas a construção ou remodelação de fábricas de transformação, usinas, micro-usinas, destilarias; Estudar as operações de transformação físico-químicas, analisando detalhadamente as diversas etapas dos processos de aquecimento, resfriamento, trituração, mistura, separação, destilação e filtragem, observando as reações químicas, como hidrólise, oxidação, eletrólise, absorção e outras; Preparar previsões detalhadas das necessidades de fabricação, montagem, funcionamento, manutenção e reparo das instalações e equipamentos de tratamento químico, determinando e calculando materiais e custo dos mesmos e mão-de-obra para estabelecer os recursos indispensáveis à execução do projeto; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

ENGENHEIRO SANITARISTA
Elaborar Planos Diretores de Abastecimento de Água, de Esgotos Sanitários e de Bacias Hidrográficas; Ele também desenvolve planos de redes de água e de esgotos, irrigação e drenagem, além de projetar canais; Acompanhar a operação de Estações de Tratamento de Águas e de Estações de Tratamento de Esgotos que tratam águas poluídas ou contaminadas; Controle sanitário do ambiente; Captação e distribuição de água; Controle de poluição, drenagem, higiene e conforto de ambiente; Desenvolvimento de ações de diagnóstico e caracterização do meio ambiente, Monitoramento e controle da qualidade ambiental, de recuperação do meio ambiente e de ações visando preservar a qualidade ambiental, através de metodologias como o gerenciamento e o planejamento ambiental; Gestão de coleta e tratamento de efluentes líquidos e atmosféricos; Coleta e tratamento de resíduos sólidos, urbanos e industriais; Operação de sistemas de tratamento de águas de efluentes; Avaliação de impactos ambientais; Planejamento de recursos hídricos; Manejo de bacias hidrográficas; Drenagem urbana e rural; Educação ambiental e controle da qualidade ambiental; Trabalhar com o projeto, a construção, ampliação e manutenção dos sistemas de água e esgoto; Administrar e gerenciar as estações de tratamento, verificando qualidade da água, coleta de lixo, condições do esgoto; Avalia os impactos que grandes obras terão sobre os mananciais; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

FISIOTERAPEUTA
Atender clientes e analisar os aspectos sensório-motores, percepto-cognitivos e sócio-culturais dos pacientes; Traçar plano e preparar ambiente terapêutico, indicar conduta terapêutica, prescrever e adaptar atividades; Avaliar funções percepto-cognitivas, neuro-psicomotor, neuro-músculo-esqueléticas, sensibilidade, condições dolorosas, motricidade geral (postura, marcha, equilíbrio), habilidades motoras, alterações posturais, manuais, órteses, próteses e adaptações, cardio-pulmonares e urológicas dos pacientes; Estimular o desenvolvimento neuro-psicomotor (dnpm) normal e cognição do pacientes; Reeducar posturas, prescrever órteses, próteses e adaptações e acompanhar a evolução terapêutica; Proceder à reabilitação das funções percepto-cognitivas, sensório-motoras, neuromúsculo-esqueléticas e locomotoras; Aplicar procedimentos de habilitação pós-cirúrgico, de oncologia, de UTI, de dermatofuncional, de cárdio-pulmonar, de urologia, de reeducação pré e pós-parto, de fisioterapia respiratória e motora; Ensinar técnicas de autonomia e independência em atividades de vida diária (AVD), de autonomia e independência em atividades de vida prática (AVP) de autonomia e independência em atividades de vida de trabalho (AVT), de autonomia e independência em atividades de vida de lazer (AVL); Participar de equipes interdisciplinares e multiprofissionais, realizando atividades em conjunto, tais como: visitas médicas; discussão de casos; reuniões administrativas; visitas domiciliares etc; Participar, conforme a política interna da Instituição, de projetos, cursos, eventos, comissões, convênios e programas de ensino, pesquisa e extensão; Elaborar relatórios, laudos técnicos e registrar dados em sua área de especialidade; Avaliar e reavaliar o estado de saúde de pacientes, realizando testes para identificar o NÍVEIS de capacidade funcional dos órgãos afetados; Planejar e executar tratamentos de afecções, utilizando-se de meios físicos especiais para reduzir ao mínimo as conseqüências das doenças; Atender amputados, preparando o coto e fazendo treinamento com prótese, para possibilitar a movimentação ativa e independente dos pacientes; Ensinar exercícios corretivos, orientando e treinando o paciente em exercícios ginásticos especiais, para promover correções de desvios posturais e estimular a expansão respiratória e a circulação sangüínea; Ensinar exercícios físicos de preparação e condicionamento pré e pós-parto, fazendo demonstrações e orientando a parturiente, para facilitar o trabalho de parto e a recuperação no puerpério; Fazer relaxamento, exercícios e jogos com pacientes portadores de problemas psíquicos, treinando-os sistematicamente, para promover a descarga da agressividade e estimular a sociabilidade; Supervisionar e avaliar atividades do pessoal auxiliar e de fisioterapia, orientando-os na execução das tarefas; Controlar o registro de dados, observando as anotações das aplicações e tratamentos realizados, para elaborar boletins estatísticos; Coordenar e acompanhar programas para o desenvolvimento do educando na escola regular ou em outra modalidade de atendimento em Educação Especial; Auxiliar no tratamento de indivíduos portadores de defeitos físicos; Organizar grupos esportivos e recreativos; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desenvolver outras atividades correlatas.

 

FONOAUDIOLOGO
Programar, desenvolver e supervisionar o treinamento de voz, fala, linguagem, expressão e compreensão do pensamento verbalizado e outros, orientando e fazendo demonstrações de respiração funcional, empostação de voz, treinamento fonético, auditivo, de dicção e organização do pensamento em palavras; Aplicar os procedimentos fonoaudiológicos e desenvolver programas de prevenção, promoção de saúde e qualidade de vida; Avaliar as deficiências do paciente, realizando exames fonéticos, da linguagem, audiométrica, gravação e outras técnicas próprias, para estabelecer o plano de treinamento ou terapêutico; Encaminhar o cliente ao especialista, orientando este e fornecendo-lhe indicações, para solicitar parecer quanto ao melhoramento ou possibilidade de reabilitação; Emitir parecer quanto ao aperfeiçoamento ou a praticabilidade da reabilitação fonoaudióloga, elaborando relatórios para complementar o diagnóstico; Programar, desenvolver e supervisionar o treinamento de voz, fala, linguagem, expressão e compreensão de pensamento verbalizado e outros, orientando e fazendo demonstrações de respiração funcional, empostação de voz, treinamento fonético, auditivo, de dicção e organização do pensamento em palavras, para reeducar e/ou reabilitar o cliente; Opinar quanto as possibilidades fonatórias e auditivas do indivíduo, fazendo exames e empregando técnicas de avaliação especificas, para possibilitar a seleção profissional ou escolar; Participar de equipes multiprofissionais para identificação de distúrbios de linguagem em suas formas de expressão e audição, emitindo parecer de sua especialidade, para estabelecer o diagnóstico e tratamento; Realizar assessoramento psicoeducacional junto aos profissionais que atuam diretamente com o educando portador de necessidades especiais; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

 

MÉDICO VETERINARIO
Supervisionar e coordenar a execução de programas que envolvem a orientação e controle de práticas concernentes à defesa sanitária animal e à aplicação de medidas de saúde pública no tocante às doenças de animais transmissíveis ao homem; Praticar a clínica veterinária em todas as suas modalidades; Coordenar e prestar assistência técnica, sanitária e alimentar a animais; Supervisionar e fazer inspeção, sob o ponto de vista sanitário, tecnológico e de segurança no zoológico municipal; Realizar outros trabalhos ligados à Biologia Geral, à Zoologia, à Zootecnia, bem como à Bromatologia animal; Coordenar e promover a peritagem em animais identificando deficiências, vícios, doenças, acidentes, exames técnicos para intercâmbio nacional e internacional, bem como necropsia; Participar da padronização de normas, métodos e técnicas de inquérito epidemiológico de zoonoses de interesse para saúde humana, doenças de origem bacteriana ou virótica e às intoxicações produzidas por animais peçonhentos; Promover medidas de controle contra a brucelose, peste, febre amarela silvestre e cólera; Promover a vigilância zoosanitária para impedir a introdução de doenças exóticas nos zoológicos, compreendendo o controle e fiscalização do recebimento de animais, medicamentos e demais produtos e materiais de uso médico-veterinário, além da quarentena dos animais importados; Supervisionar e estabelecer normas e padrões do ponto de vista sanitário, relacionados com a fiscalização e controle dos animais em cativeiro, controle e avaliação de eficiência de produtos de uso médico-veterinário, trabalhos de escritório e de campo, relativos as campanhas de erradicação, controle e prevenção das doenças dos animais; Supervisionar e coordenar estudos e trabalhos sobre economia e estatística ligados à medicina veterinária, em conjunto com profissionais da área; Emitir laudos e pareceres sobre assuntos de sua especialidade, fornecendo dados estatísticos; Programar, coordenar e executar atividades relativas à higiene, vigilância e registro de alimentos, bebidas e embalagens, participando de equipe multidisciplinar desenvolvendo projetos de pesquisa, estabelecendo normas e procedimentos quanto a industrialização e comercialização, para assegurar a qualidade e condições sanitárias de consumo, visando prevenir surtos de doenças transmitidas por alimentos, em defesa da saúde pública; Desenvolver programas e deles participar, visando a investigação epidemiológica de surtos de doenças transmitidas por alimentos, detectando e controlando focos epidêmicos e orientando entidades que manipulam produtos alimentícios, visando a redução da morbimortalidade causada por essas doenças; Coordenar, desenvolver, promover e executar a educação sanitária na comunidade, treinando e supervisionando pessoal técnico e auxiliar da área de inspeção, proferindo palestras e orientando a população em geral e grupos específicos quanto ao controle e profilaxia de zoonoses para prevenir doenças; Organizar e coordenar as atividades desenvolvidas em biotérios; Proceder análise laboratorial de espécimes e de amostras de alimentos, bebidas e embalagens, apoiando os programas de zoonoses, de higiene e controle de alimentos; Efetuar estudos quanto as condições de "habitat" e sobrevivência da fauna e flora, em conjunto com a equipe técnica, visando a implantação de parques, bosques e outros; Subsidiar criadouros com amostras e cobaias na área de experiências científicas, objetivando solucionar a depredação natural e coibir extinções de espécimes animais no município; Executar tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática; Desempenhar outras atividades correlatas.

ANEXO II DO EDITAL Nº 052/2007

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

1 LÍNGUA PORTUGUESA

1.1 - Ensino Fundamental Incompleto:

Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo (gênero - masculino e feminino; Número - singular e plural) e Interpretação de Texto.

Referências Bibliográficas: Livros didáticos do Ensino Fundamental e Apostila para Concursos.

1.2 - Ensino Fundamental e Médio:

Ortografia (escrita correta das palavras). Significado das palavras - Sinônimos, Antônimos, Parônimos, Homônimos. Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo (gênero - masculino e feminino; Número - singular e plural) e Interpretação de Texto. - Emprego dos pronomes. Regência nominal e verbal. Concordância nominal e verbal.

Referências Bibliográficas: Livros didáticos do Ensino Fundamental e Apostila para Concursos.

2 MATEMÁTICA

2.1 - Ensino Fundamental Incompleto:

Operações com números inteiros, fracionários e decimais. Conjuntos. Sistema legal de unidades de medidas brasileira. Perímetro e área das principais figuras geométricas planas. Regra de três simples. Porcentagem e juros simples.

Referências Bibliográficas: Livros didáticos do Ensino Fundamental e Apostilas para Concurso.

2.2 - Ensino Fundamental e Médio:

Operações com números inteiros, fracionários e decimais. Conjuntos. Sistema legal de unidades de medidas brasileira. Perímetro, área e volume das principais figuras geométricas. Regra de três simples e composta. Porcentagem e juros simples. Equação de 1º e 2º graus. Sistema de equações. Relações métricas e trigonométricas no triângulo retângulo.

Referências Bibliográficas: Livros didáticos do Ensino Fundamental e Apostilas para Concurso.

3. NOÇÕES DE INFORMÁTICA

3.1 - Para os cargos de: Agente Funerário, Atendente de Farmácia, Monitor de Biblioteca e Técnico de Segurança do Trabalho.

Sistema Operacional Windows 98, ME, 2000/XP e GNU/LINUX, Conhecimento sobre o pacote Microsoft Office 97 / 2000, XP, 2003 e 2007 (Word, Excel, PowerPoint), Internet; Anti-vírus.

Referências Bibliográficas: . Integração Microsoft Office 2003 Professional KARIM GIZELLE GONZALEZ. Quick 4 em 1 Windows Xp, Word Xp, Excel Xp, Power Point Xp, Editora KCM, Rommel Kunze. Guia de Consulta rápida Word Xp, Excel Xp, Power Point Xp, , Editora Viena, Karina de Oliveira e Elion Vargas. Windows XP: Home & Professional para Usuários e Administradores JULIO BATTISTI Microsoft Windows 2000 Professional: Passo a Passo MAKRON BOOKS (ED.) Dominando o Linux, DANESH, Arman. Clique Linux: Instalação e Utilização: Ubuntu: o Linux Mais Amigável! ROBSON OLIVEIRA FERNANDO MELIS NETO ROBERIO GONCALVES. Clique Linux: Instalação e Utilização: Kurumin - IMPORTADO ROBSON OLIVEIRA FERNANDO MELIS NETO ROBERIO GONCALVES.

4. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS DO CARGO

4.1. Auxiliar de Manutenção de Instalações:

Noções básicas de eletricidade, hidráulica, carpintaria e marcenaria e reparos em alvenaria. Noções de conservação do sistema de prevenção de combate a incêndio. Noções gerais de primeiros socorros. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: CHAVES, Roberto. Manual do Construtor REGO, Nadia Vilela de Almeida. Tecnologia das Construções. Editora LTC. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.2. Auxiliar de Manutenção de Veículos:

Conhecimentos e utilização adequada das ferramentas; Conhecimentos da norma de segurança; Explosão; Óleos e lubrificantes; Pneus; Motor; Transmissão; Suspensão; Ignição; Peças de reposição; Sistemas de medidas utilizadas para as peças, roscas e parafusos; Conhecimentos básicos da função. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: SENAI Departamento Nacional. Mecânico de automóveis, Equipamentos, instrumentos e ferramentas. SENAI Departamento Regional do Paraná. Mecânico de automóveis. Curitiba, 1984. Curso Prático e Profissional para Mecânicos de Automóvel: o Veículo H.M. CHOLLET. Curso Prático Profissional para Mecânicos de Automóveis: o Motor H.M. CHOLLET. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.3. Chapeador e Pintor de Automóveis:

Executar, reformar e retocar serviços de chapeação em veículos em geral, Conhecimentos das ferramentas; Tipos de tintas e bases; Solventes; Normas de segurança; Desintoxicação; Prática da função; Cores Canalizadas; Cores de Segurança; Uso e cuidados necessários para conservação de instrumentos de pintura; Procedimentos corretos para economizar tinta e derivados; Procedimentos para definições de cores. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Livros e panfletos que tratam do assunto. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.4. Coveiro:

Ferramentas utilizadas; Tipos de sepulturas; Validade da aquisição dos terrenos; A exumação; O enterro; Edificações; Funções; Preparo de concretos e argamassas; Revestimento: chapisco, emboço e reboco; Uso de EPIs.; Prevenção de Acidentes; Assuntos relacionados à sua área de atuação. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Livros e apostilas que tratam do assunto. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.5. Eletricista:

Conceitos básicos em eletricidade Principais materiais usados em instalações elétricas Tipos de instalações elétricas Práticas em instalações elétricas residenciais, prediais e industriais.Ferramentas e instrumentos de trabalho. Conhecimento prático em baixa e alta tensão. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Primeiros Socorros (acidentes com eletricidade). Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: CREDER, Hélio. Instalações elétricas. RJ: Editora LTC, 14ª edição, 2002. GUSSOW, M. Eletricidade básica. Schaw McGraw-Hill, 1985. NISKIER, Júlio e MACINTYRE, A.J. Instalações Elétricas. 2ª ed. Ed. Guanabara Dois. Manual Prático do Eletricista ADRIANO MOTTA. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.6. Eletricista de Veículos:

1. Sistema elétrico de veículos automotores; 2. Identificação de peças, ferramentas e suas serventias; 3. Técnicas de Injeção Eletrônica; 4. Instalações e consertos de circuitos elétricos e eletrônicos de veículos; 5. Montagem, reparo e instalação de sistema de ignição eletrônica e alarme de veículos; 6. Instalação e reparo de ligações automáticas e manuais; 7. Elaboração de orçamentos de serviços elétricos em veículos; 8.Uso e cuidados de ferramentas, aparelhos e equipamentos; 9. Utilização sistêmica da simbologia de projetos elétricos em veículos; 10. Procedimentos técnicos de instalações elétricas em veículos; 11. Uso correto dos instrumentos de proteção nas conexões da fiação elétrica de veículo; 12. Conhecimentos sobre capacidade e utilização de motores elétricos, alternadores e chave de comando. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. 13. Uso de EPIs. 14. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Manual Completo do Eletricista de Automóveis ARTHUR W. JUDGE. Eletricidade Geral: Fundamentos M.G. SAY. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.7. Mecânico de Automóveis e Similares:

Conhecimentos básicos - Assunto: Princípios de funcionamento do motor (ciclo OTTO). Apresentação dos sistemas de alimentação, arrefecimento, ignição, lubrificantes, elétrico, suspensão, freios, direção e transmissão. Principais componentes e suas funções. Manutenção preventiva. Remoção e instalação da correia dentada. Regulagem de válvulas. Regulagem de marcha lenta, ponto de ignição. Substituição de pastilhas de freio. Desmontagem/montagem e regulagem das lonas de freio. Regulagem do pedal de embreagem e substituição da correia do alternador. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: SENAI Departamento Nacional. Mecânico de automóveis, Equipamentos, instrumentos e ferramentas. SENAI Departamento Regional do Paraná. Mecânico de automóveis. Curitiba, 1984. Curso Prático e Profissional para Mecânicos de Automóvel: o Veículo H.M. CHOLLET. Curso Prático Profissional para Mecânicos de Automóveis: o Motor H.M. CHOLLET. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.8. Mecânico de Máquinas Agrícolas e Rodoviárias:

Conhecimentos e utilização adequada das ferramentas; Conhecimentos da norma de segurança; Explosão; Óleos e lubrificantes; Motor; Transmissão; Suspensão; Ignição; Peças de reposição; Sistemas de medidas e utilizadas para as peças, roscas e parafusos; Mecanismos Hidráulicos; Implementos; Correias e Correntes; Ferramentas de trabalho das máquinas; Conhecimentos básicos da função. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: SENAI Departamento Nacional. Mecânico de automóveis, Equipamentos, instrumentos e ferramentas. SENAI Departamento Regional do Paraná. Mecânico de automóveis. Curitiba, 1984. Curso Prático e Profissional para Mecânicos de Automóvel: o Veículo H.M. CHOLLET. Curso Prático Profissional para Mecânicos de Automóveis: o Motor H.M. CHOLLET. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.9. Mecânico de Veículos a Diesel:

Conhecimentos e utilização adequada das ferramentas; Conhecimentos da norma de segurança; Explosão; Óleos e lubrificantes; Motor; Transmissão; Suspensão; Ignição; Peças de reposição; Sistemas de medidas e utilizadas para as peças, roscas e parafusos; Mecanismos Hidráulicos; Implementos; Correias e Correntes; Ferramentas de trabalho das máquinas; Conhecimentos básicos da função. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Injeção Eletrônica de Motores Diesel EDSON DA SILVA; . Curso Prático e Profissional para Mecânicos de Automóvel: o Veículo H.M. CHOLLET. Curso Prático Profissional para Mecânicos de Automóveis: o Motor H.M. CHOLLET. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.10. Motorista I:

Noções básicas e procedimentos de segurança. Equipamentos de proteção. Conservação e manutenção de veículos. Novo código de trânsito brasileiro. Direção defensiva e preventiva. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Primeiros Socorros. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Manual de Habilitação - DETRAN - Ministério da Cultura. Código de trânsito Brasileiro FORTES, J.I. Enfermagem em Emergências. E.P.U. São Paulo.1986. MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES - Manual de Primeiros Socorros. Promoção do DNER Diretoria de Transito, Rio de Janeiro, 1978. SOBRINHO, José Almeida e Outros, Novo Código de Trânsito Brasileiro. Editora Jurídica Mizuno, 1ªed. Campinas-SP Código de Trânsito Brasileiro AURIVERDE (ED.) Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.11. Operador de Moto Niveradora:

Noções básicas e procedimentos de segurança, equipamentos de proteção Conservação e manutenção de máquinas. Novo código de trânsito brasileiro. Direção defensiva e preventiva. Assuntos relacionados à sua área de atuação. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Manual de Habilitação - DETRAN - Ministério da Cultura. Código de trânsito Brasileiro FORTES, J.I. Enfermagem em Emergências. E.P.U. São Paulo.1986. MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Manual de Primeiros Socorros. Promoção do DNER Diretoria de Transito, Rio de Janeiro, 1978.SOBRINHO, José Almeida e Outros, Novo Código de Trânsito Brasileiro. Editora Jurídica Mizuno, 1ªed. Campinas-SP. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.12. Operador de Pá Carregadeira:

Noções básicas e procedimentos de segurança, equipamentos de proteção Conservação e manutenção de máquinas. Novo código de trânsito brasileiro Direção defensiva e preventiva. Assuntos relacionados à sua área de atuação. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Manual de Habilitação - DETRAN - Ministério da Cultura. Código de trânsito Brasileiro FORTES, J.I. Enfermagem em Emergências. E.P.U. São Paulo.1986. MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Manual de Primeiros Socorros. Promoção do DNER Diretoria de Transito, Rio de Janeiro, 1978.SOBRINHO, José Almeida e Outros, Novo Código de Trânsito Brasileiro. Editora Jurídica Mizuno, 1ªed. Campinas-SP. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.13. Operador de Retroescavadeira:

Noções básicas e procedimentos de segurança, equipamentos de proteção Conservação e manutenção de máquinas. Novo código de trânsito brasileiro Direção defensiva e preventiva. Assuntos relacionados à sua área de atuação. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Manual de Habilitação - DETRAN - Ministério da Cultura. Código de trânsito Brasileiro FORTES, J.I. Enfermagem em Emergências. E.P.U. São Paulo.1986. MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Manual de Primeiros Socorros. Promoção do DNER Diretoria de Transito, Rio de Janeiro, 1978.SOBRINHO, José Almeida e Outros, Novo Código de Trânsito Brasileiro. Editora Jurídica Mizuno, 1ªed. Campinas-SP. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.14. Operador de Trator de Esteira:

Noções básicas e procedimentos de segurança, equipamentos de proteção Conservação e manutenção de máquinas. Novo código de trânsito brasileiro Direção defensiva e preventiva. Assuntos relacionados à sua área de atuação. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Manual de Habilitação - DETRAN - Ministério da Cultura. Código de trânsito Brasileiro FORTES, J.I. Enfermagem em Emergências. E.P.U. São Paulo.1986. MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Manual de Primeiros Socorros. Promoção do DNER Diretoria de Transito, Rio de Janeiro, 1978.SOBRINHO, José Almeida e Outros, Novo Código de Trânsito Brasileiro. Editora Jurídica Mizuno, 1ªed. Campinas-SP. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.15. Operador de Trator de Pneu:

Noções básicas e procedimentos de segurança, equipamentos de proteção Conservação e manutenção de máquinas. Novo código de trânsito brasileiro Direção defensiva e preventiva. Assuntos relacionados à sua área de atuação. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Manual de Habilitação - DETRAN - Ministério da Cultura. Código de trânsito Brasileiro FORTES, J.I. Enfermagem em Emergências. E.P.U. São Paulo.1986. MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Manual de Primeiros Socorros. Promoção do DNER Diretoria de Transito, Rio de Janeiro, 1978.SOBRINHO, José Almeida e Outros, Novo Código de Trânsito Brasileiro. Editora Jurídica Mizuno, 1ªed. Campinas-SP. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.16. Pedreiro:

Ler e interpretar projetos de construção e arquitetura. Preparo de concretos e argamassas. Construir alicerces como: baldrame, sapata isolada, radier, blocos. Levantar paredes de alvenaria: amarração e encontro. Vão de portas e janelas. Uso de nível e prumo. Cintas de amarração. Pilares, vigas e lajes. Escoramentos. Telhado. Assentar esquadrias. Revestimento: chapisco, emboço e reboco. Assentamento de: aparelhos sanitários, manilhas e tubos. Montar e desmontar andaimes. Assuntos relacionados à sua área de atuação. Uso de EPIs. Prevenção de Acidentes. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: CHAVES, Roberto. Manual do Construtor REGO, Nadia Vilela de Almeida. Tecnologia das Construções. Editora LTC. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.17. Telefonista:

1- Conhecimento de equipamentos comuns da mesa operadora; componentes: tipos, modelos, usos e cuidados; características técnicas de funcionamento de aparelhos telefônicos; defeitos na aparelhagem: prevenção e providências. 2- Operação de equipamentos telefônicos: recepção e transmissão de mensagens telefônicas; atendimento simultâneo; consulta e conferência; transferência automática das chamadas; conhecimento de teclado. 3- Resolução de situações e problemas no atendimento telefônico. 4- Fluxo de informações; noções de estrutura organizacional e hierarquia. 5- Sigilo das comunicações; noções de postura e ética profissional; a imagem do(a) telefonista. 6- Elaboração de recados e avisos. 7- Relações interpessoais. 8- Qualidade no atendimento: conduta, bom senso, cordialidade, eficiência; qualidade da voz; dicção; comunicabilidade; formas de tratamento; 9- Organização do local de serviço e do trabalho. 10- História do telefone: DDD - DDI - DDR. 11- Tarifação das chamadas locais e interurbanas. 12 - Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: Relações Humanas - Agostinho Minicucci - Editora Atlas Apostilas do SENAC: Curso de telefonista. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.18. Agente Funerário:

Preparação de corpos - Higienização, Conservação de Corpos (tanatopraxia ou formalização); Ornamentação de Urna; Atendimento ao Público; serviços administrativos pertinentes ao funeral e remoção de corpos por via terrestre, utilizando-se de veículos automotores; Novo código de trânsito brasileiro. Direção defensiva e preventiva. Procedimento legal para a iniciação dos procedimentos - se foi declarado o óbito pelo médico, cortejo, atestado de óbito, velório; Noções básicas de sepultamento e autoridade competente para expedir atestados de óbitos. Direitos e deveres do funcionário público municipal; Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho.

Referencias Bibliográficas: Atendimento ao Público nas Organizações EDMUNDO BRANDAO DANTAS. Código de Trânsito Brasileiro AURIVERDE (ED.), Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.19. Atendente de Farmácia:

Importância das relações humanas e da comunicação: seus conceitos, elementos, formas e barreiras. Princípio de qualidade no atendimento. Formas farmacêuticas. Vias de administração, nome genérico ou comercial, concentração dos medicamentos. Princípios de Farmacologia. Interação medicamentosa. Farmacologia. Cálculos em Farmacologia. Classes terapêuticas. Medidas preventivas e auxiliares na conservação dos medicamentos. Desinfecção, Esterilização, Assepsia e Anti-sepsia das mãos, materiais e instalações. Noções de medicamentos. Noções farmacológicas e farmácia hospitalar. Legislação Trabalhista, Farmacêutica, Sanitária e Ética. Lei do Exercício Profissional e o Código de Ética da Categoria. Técnicas de Aplicações de Injeções. Noções de higiene no ambiente farmacêutico e em hospitais. Sistema de distribuição de medicamentos. Medicamentos de controle especial Portaria 344/98 SVS/MS de 12.05.1998. Dispensação de Produtos Farmacêuticos e correlatos. Armazenamento e Conservação de medicamentos e produtos. Noções de Organização e Funcionamento de Farmácias (Portarias). Noções de administração de farmácia hospitalar. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Biossegurança e Segurança no trabalho Sistema Único de Saúde (SUS): seus princípios e diretrizes, Leis (8.080/90 e 8.142/90); Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho.

Referencias Bibliográficas: BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE. Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar. Guia Básico para a Farmácia Hospitalar, Brasília, 1994. Conselho Federal de Farmácia. Manual Básico de Farmácia Hospitalar. Brasília, Conselho Federal de Farmácia, 1997. DESTRUTI, A. B. et all. Cálculos e conceitos em farmacologia. 6a ed. São Paulo, Senac, 2003. Dicionário de Especialidades Farmacêuticas - DEF 2004/05 - 33a ed. Rio de Janeiro, Publicações Científicas, 2004. REIS, N.B. et all. Manual de boas práticas de distribuição, estocagem e transporte de medicamentos. 2a. ed., Goiânia, 2000. Norma Operacional de Assistência à Saúde - Noas-Sus 01/2002. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Processamento de artigos e superfícies em estabelecimentos de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 1994. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de controle de infecção hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde, 1985. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução Conama 05, Brasília, 1993. ABNT: NBR 12.807, 12.808, 12.809, 12.810, 10.004, 7.500 e 9.190. Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) - Paraná. - MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria no. 344 de 12 de maio de 1998. Substâncias e Medicamentos Sujeitos a Controle Especial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 19 de maio de 1998. - REIS, N.B. et all. Manual de boas práticas de distribuição, estocagem e transporte de medicamentos. 2a. ed., Goiânia, 2000

- SITE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA: www.anvisa.gov.br

4.20. Instrutor de Informática:

Sistema Operacional Windows 98, ME, 2000/XP e GNU/LINUX, Conhecimento sobre o pacote Microsoft Office 97 / 2000, XP, 2003 e 2007 (Word, Excel, Access e PowerPoint). Openoffice, Broffice. Hardware - Componentes de microcomputadores. Dispositivos de armazenamento de dados. Gerenciamento de Memória. Memória principal e Cache. Tipos de Memórias. Dispositivos de entrada e saída. Placa Mãe Interfaces paralela, serial, USB, IDE e SCSI. Configuração de microcomputadores. Microprocessadores. Barramentos. Onboard. Plug-and-play. Operação de computadores. Impressoras DeskJet / Laser, Scanners, CD-ROM, DVD, Zip Drives, Multimídia e Modems. Proteção: Princípios básicos, alimentação AC / DC, aterramento, proteção de equipamentos e de sistemas de informática. Software - Básico, aplicativos e utilitários. Conhecimentos de instalação e operação dos sistemas operacionais (windows e linux). Apoio na instalação e na atualização de softwares antivírus. Redes de computadores e Internet. Conceitos. Terminologia. Objetivos. Redes: LAN, MAN e WAN. Modelo OSI / ISO. Meios de transmissão: cabo coaxial, par trançado, fibra óptica e link de rádio. Cabeamento estruturado. Topologias. Métodos de acesso. Tecnologias Ethernet, Fast Ethernet, FDDI, Gigabit Ethernet, ATM e Wireless. Equipamentos para interconexão de redes. Fundamentos da arquitetura TCP/IP. Redes Públicas. RENPAC. Internet e Intranet. Equipamentos: hubs, switches e roteadores. Noções sobre instalação e operação de redes de computadores. Browser: Internet Explorer, Netscape e Firefox. Direitos de Propriedades de Software - Lei de Software. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho.

Referencias Bibliográficas:. Estudo Dirigido Word 2000. DAVIS, Peter T. Aprenda em 21 dias Microsoft Windows 2000 server. Ed. Campus, 2000. BELLINCANTO. Windows 2000 server instalação, configuração e implementação. Ed. Érica, 2001. MEIRELLES, F.S. Informática - Novas Aplicações para Microcomputadores. Ed. Makron Books, 1994. Apostila do SENAE. NTE. Integração Microsoft Office 2003 Professional KARIM GIZELLE GONZALEZ. Quick 4 em 1 Windows Xp, Word Xp, Excel Xp, Power Point Xp, Editora KCM, Rommel Kunze. Guia de Consulta rápida Word Xp, Excel Xp, Power Point Xp, Editora Viena, Karina de Oliveira e Elion Vargas. Windows XP: Home & Professional para Usuários e Administradores JULIO BATTISTI Microsoft Windows 2000 Professional: Passo a Passo MAKRON BOOKS (ED.) Dominando o Linux, DANESH, Arman. Clique Linux: Instalação e Utilização: Ubuntu: o Linux Mais Amigável! ROBSON OLIVEIRA FERNANDO MELIS NETO ROBERIO GONCALVES. Clique Linux: Instalação e Utilização: Kurumin - IMPORTADO ROBSON OLIVEIRA FERNANDO MELIS NETO ROBERIO GONCALVES. Redes de Computadores e a Internet, Uma Nova Abordagem. James F. Kurose, Keith W. Ross. Redes de Computadores. TANENBAUM, A. S. Redes de Computadores, Curso Completo. TORRES, Gabriel. Hardware Curso Completo, 2ª Edição Especial, TORRES Gabriel.

4.21. Monitor de Biblioteca:

Conceituação - Biblioteconomia e rotinas; Principais atividades das bibliotecas - seleção e aquisição; registro - preparo do livro para empréstimo - arranjo das estantes, atendimento ao público; Tipos de documentos; Automação de Bibliotecas; Processamento técnico dos livros; Alfabetização; Importância das estatísticas; Preservação do acervo; Terminologia; Conhecimentos em Word, Excel, Windows, Internet e e-mail. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Concepções de Linguagem. Gêneros Discursivos. Variação Lingüística. Leitura e Produção. Produção Textual. Linguagem Falada e Aquisição da Leitura. Escola Pública Contemporânea. Legislação Educacional. Concepção de homem, materialismo histórico-dialético. Alfabetização. Paradigma e Metodologia. Linguagem e Leitura.

Referencias Bibliográficas: Rappaport, Clara Regina, Psicologia do Desenvolvimento, Volume1, Editora EPU, 1996. Fritzen, Silvino José, Relações Humanas e interpessoais nas Convivências grupais e comunitárias, Editora Vozes, 1987. OFFICE 2000 PRÁTICO E FÁCIL, Gini Courter e Annette Marquis.

BAKHTIN, Mikail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1979 (Concepções de Linguagem).

_____.Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997. (Gêneros Discursivos)

GAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização & lingüística. São Paulo: Scipione, 1998.

GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula: leitura e produção. Cascavel: Assoeste,1984.

_____.Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991. (Produção Textual).

SIMONS, D.Hebert; MURFHY, Sandra. Estratégias da linguagem falada e aquisição da leitura. In: GUMPERZ, J. A construção social da alfabetização. São Paulo: Artes Médicas, 2004.

KOCH, Ingdore Villaça. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.

ALVES, Gilberto Luiz. A produção da escola pública contemporânea. Editora UFMS e Autores Associados, Campinas, SP, 2001.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília.

BRASIL. Parecer CNE/CEB 24/2004 que visa o estabelecimento de normas nacionais para a ampliação do Ensino Fundamental para nove anos de duração. Brasília. Aprovada em 08 de junho de 2005.

DUARTE, Newton. A anatomia do homem é a chave da anatomia do macaco: a dialética em Vigotski e em Marx e a questão do saber objetivo na educação escolar. Educação e sociedade, SP, 2000.

KLEIN, Ligia Regina. Alfabetização: Quem tem medo de ensinar? 4ª. Ed. São Paulo: Cortez; Campo Grande: Editora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2002.

NETTO, José Paulo. O materialismo histórico como instrumento de análise das políticas sociais. In: NOGUEIRA, Francis Mary Guimarães; RIZZOTTO, Maria Lucia Frizon. Estado e Políticas Sociais. Cascavel-Edunioeste, 2003.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. Ed. Autores Associados. Campinas-SP, 36ª ed. 1983, 2003.

SAVIANI, Dermeval. Escola do senso comum a consciência filosófica.

Campinas, SP. Autores Associados, 1996.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-critica: Primeiras aproximações, 5ª. Ed. São Paulo, autores associados, 1995, 2003.

VASQUEZ, Adolfo Sánchez. A filosofia da práxis unidade da teoria e da prática. In: VILHENA, Vasco de Magalhães (org.). PRÁXIS: A categoria materialista de prática social. Livros Horizonte, Lisboa, 1980.

VIGOTSKI, L.S; LURIA, A. R; LEONTIEV, A.N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução de Maria Penha Villalobos. SP Ed. Ícone, 2006.

BAMBERGER, R. Como incentivar o hábito da leitura. S.P.: Cultrix/MEC, 1997. Trad. de Octávio M. Cajado.

MARCUSCHI, L.A "Leitura como processo inferencial" num universo cognitivo, in BARBOSA, M.B.L.& CAVALCANTI. M.C. (1984) Anais I Encontro Interdisciplinar de Leitura, Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

ORLANDI, E. Discurso e Leitura. S.P.: Cortez Editora, 1987b.

4.22. Técnico em Edificações:

Desenhos em CAD (Autocad ou Intellicad). Topografia. Movimento de Terras. Locação de obras. Sondagens. Estradas: Projeto geométrico, drenagem, obras especiais, pontes. Princípios básicos de construção. Detalhamento, desenvolvimento e interpretação de projetos de arquitetura, estrutura, instalações elétricas, hidráulicas e de esgoto. Manutenção de via permanente. Normas de Desenho Técnico, de Arquitetura, de Instalações e de Estrutura. Escalas. Cotagem. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho.

Referencias Bibliográficas: Amaral, Atila. Manual de Engenharia Ferroviária. Azeredo, Hélio A. Edifício até a sua Cobertura. Ed. Edgard Blücher Ltda. Brina, Helvécio I. Estrada de Ferro. Vol. 1. Caputo, Homero Pinto. Mecânica do Solo e suas Aplicações. Cardão, Celso. Topografia. Carvalho, Pacheco. Caderneta de Campo. Ed. Científica. Espartel, Lelis. Curso de Topografia. Ed. Globo. Filho, Jerônimo Monteiro. Construção das Estradas - Infraestrutura. Ed. Científica. Filho, Jerônimo Monteiro. Projeto de Estradas - Ferrovias e Rodovias. Ed. Científica. . Ferreira, Patrícia. Desenho de Arquitetura. Editora Ao Livro Técnico. . Oberg, L.. Desenho Arquitetônico. Editora Ao Livro Técnico.. Pacheco, Carvalho M. e Lélis, Espartel. Curso de Estradas. Vol. I e II. . Webb, Walter Coring. Construção de Estrada de Ferro. . Manual do Engenheiro. Ed. Globo. Normas da ABNT. UNSER`s GUIDE, Comamand Reference. Autodesk (Help do programa).

4.23. Técnico em Informática:

Sistemas e Computação. Hardware - Componentes de microcomputadores. Dispositivos de armazenamento de dados. Gerenciamento de Memória. Memória principal e Cache. Tipos de Memórias. Dispositivos de entrada e saída. Placa Mãe Interfaces paralela, serial, USB, IDE, SCSI e SATA. Configuração de microcomputadores. Microprocessadores. Barramentos. Onboard. Plug-and-play. Montagem /Desmontagem. Operação de computadores. Sistemas de Numeração. Processamento "batch", "on line", "off-line" e "real time". Multiprogramação e Multiprocessamento. Multitarefa. Discos Rígidos e flexíveis. Instalação e configuração de equipamentos de microinformática - Impressoras DeskJet / Laser, Scanners, CD-ROM, DVD, Zip Drives, Multimídia e Modems. Proteção: Princípios básicos, alimentação AC / DC, aterramento, proteção de equipamentos e de sistemas de informática. Software - Básico, aplicativos e utilitários. Conhecimentos de instalação e operação dos sistemas Windows 9x / Me, Windows NT4 (Workstation e Server), Windows 2000 (Professional e Server), Windows 2003 Server, GNU/Linux e Windows XP (Home e Professional). Manipulação de arquivos e pastas. Compartilhamento de arquivos, pastas e periféricos. Conhecimento sobre o pacote Microsoft Office 97 / 2000, XP, 2003 e 2007 (Word, Excel, Access e PowerPoint). Openoffice, Broffice. Execução de procedimentos operacionais de rotina, utilizando software ou aplicativos instalados nas áreas de atuação. Comunicação de Dados. Conceitos. Representação da informação. Sinal analógico e digital. Transmissão serial e paralela, assíncrona e síncrona, half-duplex e full-duplex. Protocolos de comunicação. Sistemas de transmissão de dados. Modulação / Demodulação. Linhas ponto-a-ponto e multiponto. Redes de computadores e Internet. Conceitos. Terminologia. Objetivos. Redes: LAN, MAN e WAN. Modelo OSI / ISO. Meios de transmissão: cabo coaxial, par trançado, fibra óptica e link de rádio. Cabeamento estruturado. Topologias. Métodos de acesso. Tecnologias Ethernet, Fast Ethernet, FDDI, Gigabit Ethernet, ATM e Wireless. Equipamentos para interconexão de redes. Fundamentos da arquitetura TCP/IP. Redes Públicas. RENPAC. Internet e Intranet. Equipamentos: hubs, switches e roteadores. Noções sobre instalação e operação de redes de computadores. Uso de software de acesso e navegação na Internet (browsers): Internet Explorer, Firefox e Netscape. Modalidades e técnicas de acesso: FTP, Telnet, Download, Navegação e Pesquisa. WEB: HTML, JavaScript, Appet Java, ASP e XML. Correio Eletrônico: Outlook Express e Netscape. Segurança e apoio ao usuário. Backup, prevenção e eliminação de vírus, firewall. Prestação de serviço e suporte aos usuários. Execução de rotinas e orientação de usuários quanto aos procedimentos de segurança dos dados. Apoio na instalação e na atualização de softwares antivírus. Direitos de Propriedades de Software - Lei de Software. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho.

Referencias Bibliográficas: CRAWFORD, S. Windows 98 Prático e Fácil. São Paulo: Editora Makron Books, 1999.LITE. Administração e Manutenção do Ambiente Microsoft Windows Server 2003 DAN HOLME ORIN THOMAS. Microsoft Office 97 - Passo a Passo. São Paulo: Editora Makron Books, 1998. Quick 4 em 1 Windows Xp, Word Xp, Excel Xp, Power Point Xp, Editora KCM, Rommel Kunze. Guia de Consulta rápida Word Xp, Excel Xp, Power Point Xp, Editora Viena, Karina de Oliveira e Elion Vargas. MURHAMMER, M. W. et al. Microsoft Office Word 2003: Passo a Passo DEIVIDY PINHEIRO TCP/IP Tutorial e Técnico. São Paulo: Editora Makron Books, 2000.RUSSEL, C., CRAWFORD, S. Windows NT Server 4.0 - Guia Autorizado. São Paulo: Editora Makron Books, 1999.SILVEIRA, J.L. Comunicação de dados e sistemas de teleprocessamento. São Paulo: Editora Makron Books, 1991.SOARES, L. F. Das Redes LAN, WAN, às Redes ATM Teleprocessamento. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1995.TANENBAUM, A. S. Organização Estruturada de Computadores. Prentice Hall, 1992. Redes de Computadores. Rio de Janeiro: Editora Campus, 3ª edição 1997. Hardware: Montagem, Configuração & Manutenção de Micros SILVIO FERREIRA. Manutenção de Impressoras WAGNER CANTALICE. Redes de Computadores: Fundamentos ALEXANDRE FERNANDES DE MORAES. Redes de Computadores: das LANs, MANs e WANs às Redes ATM LUIZ FERNANDO GOMES SOARES. Comunicação Entre Computadores e Tecnologias de Rede MICHAEL A. GALLO WILLIAM M. HANCOCK. Windows XP ELAINE BELLINOMINI CASTILLO ROGERIO MASSARO SURIANI. Windows 2000 Server: Implementação e Administração FRANCISCO BADDINI. Redes de Computadores e a Internet, Uma Nova Abordagem. James F. Kurose, Keith W. Ross. Redes de Computadores. TANENBAUM, A. S. Redes de Computadores, Curso Completo. TORRES, Gabriel. Hardware Curso Completo, 2ª Edição Especial, TORRES Gabriel. Dominando o Linux, DANESH, Arman.

4.24. Técnico em Laboratório de Análises Clinicas:

Manuseio e conservação dos aparelhos e equipamentos de laboratório; Limpeza, desinfecção e esterilização do instrumental; Identificação, conservação e manuseio de materiais biológicos; Descarte de materiais utilizados na coleta e tratamento de amostras contaminadas. Aplicação dos conhecimentos de preparo de soluções; Introdução à hematologia; Técnicas de coleta; Exame de urina Exame de líquido céfalo-raquidiano; Ética no laboratório de Patologia Clínica; Controle de qualidade no laboratório de patologia Clínica; Identificar, manusear e preparar os materiais para as análises laboratoriais; Saber orientar e esclarecer o paciente; Conscientização dos cuidados necessários (pessoal e material) no laboratório de Patologia Clínica; Coleta do material para realização do exame; Noções elementares do funcionamento do laboratório. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Princípios de Bioquímica Clínica e principais exames bioquímicos. Imunologia Clínica - Métodos de realização de exames.

Referencias Bibliográficas: MARTINS, D.S. E OUTRA. Português instrumental. Ed. Saga Constituição Federal, atualizada, alterações introduzidas pelas Emendas Constitucionais. Lei 8.112/90, de 11 de dezembro de 1990, atualizada. MOURA, Roberto de Almeida. Técnicas de Laboratório, Livraria Atheneu, São Paulo, 1987. TODD, Sandord Davidsohn. Diagnósticos Clínicos e Conduta Terapêutica por Exames Laboratoriais Vol I e II, Editora Manole, 1982.

4.25. Técnico em Segurança do Trabalho:

Higiene e Segurança do Trabalho: conceitos, definições e classificação dos riscos ambientais. Política de saúde e segurança do trabalho. Implementação de ações preventivas e corretivas. Análise preliminar de risco. Riscos químicos, físicos e Biológicos. Parâmetros e índices utilizados nas avaliações dos riscos. Instrumentos e técnicas aplicadas na medição dos riscos ambientais. Sistemas de Prevenção e Combate a Incêndios. Procedimentos e normas de sistemas de segurança. Metodologia para investigação de acidentes. Determinação de causas de acidentes. Ações educativas de segurança e saúde. Equipamentos fixos e móveis de combate a incêndios: tipos, inspeção, manutenção e recarga. Sistemas e equipamentos de alarme e detecção e proteção contra incêndio. Instruções gerais em emergências e Brigadas de incêndio. Acidente do Trabalho: Conceitos, causas e conseqüências do acidente do trabalho. Estatísticas de acidentes do trabalho. Doenças profissionais e doenças do trabalho. Medidas de controle: EPIs e EPCs. Normas Regulamentadoras com ênfase nas NRs: NR-4, NR-5, NR-6, NR-7, NR-8, NR-9, NR-10, NR-12, NR-15, NR-16, NR-17, NR-18, NR-20 NR-23, NR-24, NR-25, NR-26, NR-27, NR-28, NR-29, NR-30, NR-31, NR-32 e NR-33. Atividades Educativas de Segurança no Trabalho: CIPA. Biossegurança: esterilização, laboratórios de contenção, gestão de resíduos e biotérios e preparação para uso de equipamentos de proteção. Ergonomia: Levantamento e transporte de cargas. Aplicações da antropometria: o assento de trabalho, mobiliário de trabalho, arranjo físico e postos de trabalho informatizados. Ambiente: iluminação e cores, efeitos fisiológicos da iluminação. Fatores Humanos no trabalho. Organização do trabalho. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais: conceitos, classificação, identificação e avaliação dos agentes de risco ambientais. Medidas preventivas e de controle dos agentes de risco. Garantias do empregador e deveres do trabalhador. Sistemas de gestão - BS 8800. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho.

Referencias Bibliográficas: ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - Inspeção, Manutenção e Cuidados com Mangueiras de Incêndio - Normas Brasileiras 12779. ABNT - Rio de Janeiro, 1992. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - Inspeção, Manutenção e Recarga de Extintores - Normas Brasileiras 12962. ABNT - Rio de Janeiro, 1993. BURGESS, William A. Possíveis Riscos à Saúde do Trabalhador dos diversos processos industriais. 2.ed. MG: Ergo, 1997. CAMILLO JÚNIOR, Abel Batista. Manual de prevenção e combate a incêndios. 1.ed. São Paulo: SENAC, 1999. CICCO, Francesco de. BS 8800 Manual Sobre Sistemas de Gestão e Saúde no Trabalho. Risk Tecnologia, 1996. FUNDACENTRO. Programa de Proteção Respiratória. SP, 1994. IIDA, Itiro. Ergonomia Projeto e Produção. SP: Edgard Blücher Ltda, 1997. Segurança e Medicina do Trabalho. Manuais de Legislações Atlas (Lei n. 6.514, de 22 de dezembro de 1977 e Normas regulamentadoras (NR) aprovadas pela Portaria 3.214, de 8 de junho de 1978), 53. ed., Editora Atlas, 2003.OLIVEIRA, José de. Acidente do Trabalho Teoria Prática e Jurisprudência. 3.ed. SP: Saraiva, 1997.SALIBA, Tuffi Messias. Higiene do Trabalho e PPRA. 1.ed. SP: Ltr, 1997. TEIXEIRA, Pedro e Silvio Valle (org.). Biossegurança: uma abordagem multidisciplinar. 1. ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1996. Normas Regulamentadoras (NR) aprovadas pela Portaria 3214, de 8 de junho de 1978 e suas alterações.

4.26. Técnico em Topografia:

Lei Complementar Municipal n.º 08 de 01 de agosto de 1997, Conhecimentos básicos de trigonometria: seno, coseno e tangente; Determinação de ângulos em graus e grados, Resolução ou cálculo de triângulos quaisquer, Desenho técnico: uso de escalímetro, jogo de esquadros, transferidor, compasso; Métodos para projeto de "grades" horizontais e verticais em estradas de rodagem de 1ª , 2ª e 3ª classes e ferrovias; Cálculo de curvas circulares, parabólicas e de transição para estradas de rodagem e ferrovias; Métodos para projeto de superelevação nas curvas de rodovias e ferrovias. Planimetria: uso de trenas, escolha de tipos, verificação dos erros lineares, Uso de teodolitos, verificação e aferição dos instrumentos, Uso de Estação Total - marcas, modelos existentes no Brasil, Uso de Equipamento eletrônico para determinação de coordenadas Geodésicas - GPS, Conhecimento básico de Coordenadas Geográficas e "UTM" em uso no Brasil e no Mundo, Conhecimento básico dos DATUNS HORIZONTAIS utilizados no Brasil (SAD69 E SIRGAS), Cálculo de coordenadas cartesianas e polares, Determinação de Azimutes: verdadeiro, magnético e arbitrado, Cálculo de poligonais topográficas fechadas e abertas, métodos para verificação e correção das coordenadas, Métodos para cálculo de áreas, Construção de marcos planimétricos. Altimetria: Métodos para determinação de cotas e altitudes, Equipamentos utilizados em nivelamento geométrico. Verificação e aferição de níveis topográficos, Datuns altimétricos utilizados no Brasil, Construção de marcos altimétricos - RRNN e RN, Cálculo de nivelamento geométrico aberto e fechado. Processos de correção altimétrica. Uso de Equipamento GPS para transporte e determinação de altitudes em qualquer lugar do Brasil, Métodos para interpolação de curvas de nível - eqüidistância vertical, ponto cotado. Planialtimetria: Métodos para levantamentos planialtimétricos, Uso do teodolito, Estação total e GPS para levantamentos planialtimétricos, Uso de programas para processamentos dos dados de campo - SURFFER, TOPOGRAF, TDS, TOPOEVN entre outros, Uso de programas de desenho como AUTOCAD, AUTOCAD-MAP entre outros. Levantamentos topobatimétricos: Métodos e processos para levantamento de seções transversais de um curso d'água, Equipamentos utilizados para levantamentos em grandes rios ou rios com profundidade superior à 4 metros. Marcas e modelos de Ecobatímetros existentes no Brasil. Processos de levantamento de trechos de corpos d'água. Normas da Diretoria de Hidrografia e Navegação do Ministério da Marinha para levantamentos topobatimétricos no Brasil. Assuntos relacionados à sua área de atuação e ética no trabalho. Direitos e Deveres dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel.

Referencias Bibliográficas: CURSO DE TOPOGRAFIA - Lelis Spartel. Editora Globo; EXERCÌCIOS DE TOPOGRAFIA - Alberto de Campos Borgen. Editora Edgard Blucher. Topografia JACK C. MCCORMAC. Lei Municipal n.º 2.215/91 (Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Cascavel).

4.27. Administrador Hospitalar:

Organização e Administração Hospitalar. Fundamentos da Administração em Saúde. Ética Profissional. Gerenciamento de Resíduos em Serviços de Saúde. Lei Orgânica da Saúde. Controle Social. Instrumentos de Planejamento no SUS (plano Municipal de Saúde, Relatório de gestão, Programação Anual de Saúde). Compras na Administração Pública. Planejamento Estratégico da Gestão de Pessoas. Avaliação de Desempenho. Administração de conflitos, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. Estrutura física de unidades básicas de saúde. Limpeza, higiene e lavanderia hospitalar. Administração de Recursos Materiais. Sistemas de Informação em Saúde. Administração de Recursos Financeiros e Orçamentários. Prontuário do Paciente. Processo Saúde-Doença. Acreditação Hospitalar. Teoria da administração. Instituição de direito público e privado. Psicologia aplicada à administração. Legislação social e do trabalho. Administração de recursos humanos. Organização de sistemas e métodos. Administração financeira e orçamentária. Faturamento Hospitalar. Administração da saúde. Administração metodológica. Administração de sistemas de informação. Administração de recursos materiais e patrimoniais. Administração de serviços assistenciais. Comportamento organizacional. Administração de hospitais. Planejamento estratégico. Administração de serviços de apoio operacional. Estratégia de gestão em saúde. Arquivo médico. Noções de infecção hospitalar. Indicador Hospitalar.Noções de serviços Enfermagem, Farmácia, Nutrição e Higiene pessoal. Saúde Pública. Sistema Único de Saúde (SUS) Evolução histórica da organização do sistema de saúde no Brasil e a construção do Sistema Único de Saúde, Princípios, Diretrizes, Leis, Normas, Portarias. Norma Operacional Básica (NOB/96). Lei Orgânica. Constituição Federal 1988. Código de ética profissional do Administrador. Conselho Municipal de Saúde. . Marketing nos serviços de saúde. Gestão da Farmácia Hospitalar. Noções de Informática (Windows, Word, Excel, Power Point, e Internet)

Referencias Bibliográficas: CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas. O Novo Papel dos Recursos Humanos nas Organizações. BARBIERI, J. C.; MACHLINE, C. Logística Hospitalar. Teoria e Prática. TORRES, S.; LISBOA, T. C. Limpeza e Higiene, Lavanderia Hospitalar. MEZZOMO. A. A. Serviço do Prontuário do Paciente. www.saude.gov.br. JOHNSON, A.C. & SCHULZ, R. Administração Hospitalar. São Paulo: Pioneira, 1979. BORBA, R.VALDIR/LISBOA, C. TERESINHA: Teoria Geral de Administração Hospitalar. ZABOLI, PAVONE C. L. ELMA: Ética e Administração Hospitalar. MINISTÉRIO DA SAÚDE: GUIA DO CONSELHEIRO - Curso de Capacitação de Conselheiros Estaduais e Municiais de Saúde. MINISTERIO PÚBLICO. Brasília. DF. 2002. . ANDRADE S. M. SOARES, CORDONI JUNIOR. Bases de saúde Coletiva - Londrina - 2001. ABC do SUS- Doutrinas e Princípios, Secretaria Nacional de Assistência a Saúde. Brasília. DF. 1990. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gestão Municipal de Saúde. Leis, Normas e Portarias Atuais. Ministério da Saúde Rio de Janeiro. RJ 2001. . MALAGÓN LONDOÑO, GUSTAVO - MORERA, RICARDO GALÁN - LAVERDE, GABRIEL PONTÓN. Administração Hospitalar. FRANCISCHINE, G. PAULINO, GURGEL, A. FLORIANO: Administração de materiais e do patrimônio. São Paulo. Pioneira Thomson Learning. 2004. MEZOMO, J. CATARIN: Qualidade Hospitalar: Reiventando a administração do Hospital. São Paulo. CEDAS, 1992.

4.28. Advogado:

Direito Constitucional: Direitos e garantias fundamentais, direitos e deveres individuais e coletivos, direito social, habeas corpus, mandado de segurança, ação popular, habeas-data; da nacionalidade, dos direitos políticos; da União, dos Estados, dos Municípios; da administração pública, dos servidores públicos civis. Emendas à Constituição, das Leis. Do poder executivo. Do Presidente da República. Do poder Judiciário. Princípios do Estado de direito, da legalidade, da igualdade, do controle judiciário. Funções essenciais da justiça, ministério público, advocacia geral da União e defensoria pública. Do sistema tributário nacional, da política urbana. Da seguridade social e do meio ambiente. Direito Administrativo: Administração Pública Direta e Indireta: Órgãos e Entidades. Autarquias. Atos e fatos administrativos. Classificação dos Atos Administrativos. Elementos do Ato Administrativo. Vinculação e Discricionariedade do Ato Administrativo. Perfeição, Validade e Eficácia dos Atos Administrativos. Atributos do Ato Administrativo. Teoria dos Motivos Determinantes. Formas de extinção dos Atos Administrativos. Atos Administrativos Inválidos. Convalidação. Contratos Administrativos. Conceitos e Caracteres Jurídicos. As Diferentes Espécies de Contratos Administrativos. Os Convênios Administrativos. Formação dos Contratos Administrativos. Licitação: conceito, princípios, fundamentos, modalidades e procedimentos. Lei n.º 8666/93 e demais alterações. Execução dos Contratos Administrativos. Inexecução sem culpa: teoria da imprevisão, caso fortuito e força maior, fato do Príncipe, fato da Administração, extinção dos contratos administrativos. Poderes Administrativos. Poder hierárquico, disciplinar e normativo. Poder de Polícia: conceito e setores de atuação; polícia administrativa e polícia judiciária; características; liberdades públicas e o poder de polícia. Utilização e ocupação dos Bens Públicos: Permissão e Concessão de uso, Concessão de domínio pleno. Intervenção do Estado na Propriedade Privada. Servidões Administrativas. Requisição e Ocupação Temporária. A Desapropriação por Utilidade Pública: conceito e fundamentos jurídicos. Procedimento Administrativo e Judicial. A Indenização. Contratação direta em concessões de serviços de saneamento. Dispensa de declaração de utilidade pública nas ações de servidão administrativa. Lei do Pregão. Lei da Improbidade Administrativa - Lei 8.429/92 Lei de Responsabilidade Fiscal - Lei Complementar 101/2000. Lei Federal e Processos Administrativos. Lei das Parcerias Público - Privadas (PPAS). Servidores Públicos - Regime Estatutário. Aposentadoria e Pensão - Emendas Constitucionais (nº 19, 20 e 47). Direito Civil: Lei de introdução ao código civil, pessoa natural, pessoa jurídica, personalidade, domicílio, residência, bens, diferentes classes de bens, fatos jurídicos, prescrição e decadência, negócios jurídicos, posse: classificação, aquisição, efeitos e perda. Propriedade: aquisição, perda da propriedade móvel, direito real sobre coisa alheia, obrigações: modalidades e efeitos da liquidação das obrigações, cessão de créditos, contratos, obrigações por atos ilícitos, espécies de contratos, responsabilidade civil, teoria da culpa e do risco. Direito Processual Civil: Jurisdição, competência, critérios determinativos da competência, capacidade de ser parte, capacidade de estar em juízo, capacidade postulatória do litisconsorte da assistência, da intervenção de terceiros, da nomeação à autoria, da denunciação à lide, do chamamento ao processo. Processo e procedimento. Procedimento ordinário e sumaríssimo. Citação, notificação, intimações, defesa do réu, espécies de defesa, das exceções, da contestação, da reconvenção, da prova, ônus da prova, dos recursos e suas espécies, da ação rescisória. Direito do Trabalho e Processual do Trabalho: Conceito de empregado e empregador, contrato individual de trabalho por prazo determinado e indeterminado, interrupção e suspensão de contrato de trabalho, trabalho em condições insalubres, periculosas. Trabalho noturno, jornada de trabalho, convenções coletivas de trabalho, justiça do trabalho, varas do trabalho, competência das varas, tribunais regionais do trabalho, jurisdição e competência, férias, licença paternidade e maternidade, proteção do trabalho da mulher e do menor, repouso semanal remunerado, o trabalho temporário, seguro desemprego e 13º salário. Direito Penal: Efeitos civis e trabalhistas da sentença penal. Crimes contra a administração pública; Crimes contra a administração da justiça; Crimes contra a organização do trabalho. Direito Tributário: Princípios Constitucionais Gerais e Tributários. Princípios da Segurança Jurídica, Legalidade, Tipicidade, Isonomia, Capacidade Contributiva, Anterioridade, Irretroatividade, Não-confisco, Não-cumulatividade, Seletividade. As Imunidades Tributárias. Sistema Constitucional Tributário. A Partilha das competências tributárias. O exercício das competências. Sistema de participações na arrecadação. Competência tributária e capacidade tributária ativa. A Lei Tributária no tempo e no espaço. Critérios da Interpretação. Espécies Tributárias. Tributos Municipais. Hipótese da incidência e fato jurídico tributário (fato imponível). Causas de extinção do crédito: pagamento, compensação, transação, remissão, decadência, prescrição, conversão do depósito em renda, consignação em pagamento, decisão administrativa irreformável, decisão judicial passada em julgado, pagamento antecipado no lançamento por homologação. Exclusão do crédito tributário: Isenção e Anistia. Suspensão da Exigibilidade do Crédito. As Infrações e as Sanções Tributárias. Classificação. Espécies de Sanções. Princípios Aplicáveis. A Responsabilidade por Infrações. Ilícitos ou infrações tributárias e os crimes fiscais. A Denúncia Espontânea. Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000). Pessoas sujeitas à Lei. Renúncia Fiscal face à Lei de Responsabilidade Fiscal. Direito Ambiental: Direitos Coletivos e Interesses Difusos. Competências Legislativas, Executivas e Judiciais para a Proteção Ambiental e Cultural. Ação Popular. Ação Civil Pública. Ação de Desapropriação. Ação Discriminatória. Ações Privadas auxiliares de proteção ambiental. Espaços Ambientais Protegidos e Unidades de Conservação. Tombamento e Limitações Ambientais. Bens Ambientais e Culturais. Patrimônio Ambiental, Cultural, Histórico, Artístico, Arqueológico, Genético. Proteção da Biodiversidade e da Sociodiversidade. Licenciamento Ambiental. Estudos de Impacto Ambiental - EIA. Relatório de Impacto Ambiental -RIMA- Outros estudos e relatórios. Dano Público Ambiental e Cultural. Responsabilidade Civil dos particulares e do Estado. Responsabilidade objetiva. Histórico. Crimes Ambientais. Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica.

Referencias Bibliográficas: Código Civil. Código Penal. Código de Processo Civil. Consolidação das Leis do Trabalho e Legislação Complementar e Súmulas do TST.. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05/10/1988. Cretella Junior. Das Licitações Públicas. Ed. Forense. Lei 8.666/93 c/ alterações da Lei 8.883/94. Martins, Fran. Meireles, Hely L. Direito Administrativo Brasileiro. Edição atualizada pela C.F. . Mirabete, Fabbrinini Julio. Direito Penal (volumes correspondentes ao conteúdo do programa). Silva, José Afonso da. Direito Constitucional. Theodoro Júnior, Humberto. Direito Processual Civil (volumes correspondentes ao conteúdo programático indicado). Wald, Arnold. Direito Civil (volumes correspondentes ao conteúdo programático indicado).

4.29. Analista Programador de Sistemas:

Algoritmos e Estruturas de Dados: Fundamentos de lógica de programação: tipos de dados; operadores; expressões; estruturas de controle e repetição; fluxogramas e diagramas de bloco; Estruturas de dados homogêneas e heterogêneas: vetores e matrizes, registros, listas, filas, pilhas e árvores; métodos de busca e ordenação; recursividade; funções e procedimentos: variáveis locais e globais; utilização de parâmetros. Programação Orientada e Objetos: fundamentos; classes concretas e abstratas; interfaces; objetos; atributos; métodos; herança; polimorfismo; encapsulamento; construtores e destrutores. Linguagens de programação: Java; Object Pascal, C, C++. Programação Java em arquitetura J2EE. Desenvolvimento para web: Linguagem PHP, HTML, xHTML, XML, CSS, JAVASCRIPT. Redes de Computadores: Família de protocolos TCP/IP: camada de aplicação, camada de transporte, camada de rede, camada de enlace. Desenvolvimento de Sistemas Gerência de projetos. Processo de Software. Linguagem de Modelagem Unificada (UML); Padrões de Projeto de Software (Design Patterns). Garantia de Qualidade de Software. Técnicas de Teste de Software. Banco de Dados: Conceitos e arquitetura de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD); Modelagem de dados e projeto lógico de banco de dados relacional; a linguagem SQL; Controle de transações; Indexação e hashing; Processamento da consulta; Controle de concorrência. Segurança Computacional: criptografia simétrica e assimétrica; assinatura digital, certificado digital, características do DES, AES e RSA; funções hash (MD5 e SHA-1).

Referencias Bibliográficas: BERTRAND MEYER , Object-Oriented Software Construction, Second Edition. Prentice Hall Professional Technical Reference. 1997. Bjarne Stroustrup. The C++ Programming Language, 3rd. edition. Addison-Wesley, 1997. (A Linguagem de Programação C++, Bookman 2000) Gamma Erich, R Helm, R Johnson, V John. Design Patterns: Elements of Reusable Object-Oriented Software. Addison-Wesley 1995. KORTH, Henry F.; SILBERSCHATZ, Abraham, SUDARSHAN, S. Sistema de Banco de Dados. Editora Campus, 3ª Edição, 1999. LARMAN, C., Utilizando UML e Padrões: Uma introdução à análise e ao projeto orientado a objetos. Edição 2. Editora Bookman. Porto Alegre, 2004. ML: Guia do Usuário. RUMBAUGH, James. Rio de Janeiro. Editora Campus, 2000. Pressman, Roger. Engenharia de Software. 6ª. Edição. Editora McGraw-Hill Brasil. 2006. Willian Stallings. "Cryptography and Network Security: Principles and Practice". Pearson, 2002, 3 edição. HARVEY M. DEITEL, PAUL J. DEITEL, RAMON NIETO, ET AL . XML, como programar. Editora Bookman. 2003. JAVASCRIPT, McCOMB, Gordon. JavaScript Sourcebook. São Paulo: Makron Books, 1997. Kurose, J., Ross, K., Redes de Computadores e a Internet - Uma Nova Abordagem, 3ª Edição. Addison Wesleys, 2006. Martin Bond, Debbie Law, Dan Haywood, Andy Longshaw, Peter Roxburgh. Aprenda J2EE em 21 dias com EJB, JSP, Servlets, JNDI, JDBC e XML Editora: Makron Books Data de Publicação: 2003 Wirth, Niklaus. Algoritmos e estruturas de dados. Rio de Janeiro: Prentice-Hall, 1989. Kris Jamsa, Lars Klander. Programando em C/C++ "a Bíblia". Makron Books, 1999. Cay Horstmann. Big Java. Horstmann. Bookman. 1 edição. 2004. Marco Cantú. Dominando Delphi 7 "A Bíblia". Makron Books. 2003. Kernighan Ritchie. C Padrão Ansi. Campus. 1989. Brian Proffitt, Ann Zupan. XHTML, Desenvolvimento Web. Makron Books, 2001. Walace Soares. Programando em PHP, Conceitos e Aplicações. Érica. 1º. Edição, 2000. José Augusto N. G. Manzano. Java Escript - Estudo Dirigido. Érica, 2001. VELLOSO, Paulo. Estruturas de Dados. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1991.

4.30. Arquiteto:

Projetos: arquitetura, instalações elétricas, instalações hidráulicas, instalações sanitárias, estruturas. Análise Orçamentária: orçamento de obras, reajustamentos, quantitativos, licitações e contratos administrativos, utilização de índices de custos. Topografia. Especificação Técnica de materiais e serviços. Tecnologia da Construção. - Urbanização. Conforto Ambiental: Acústica, Insolação, iluminação e ventilação. - Noções de Cálculo Estrutural. Noções de Resistência dos Materiais. Noções de Mecânica dos Solos. AutoCAD. Plano Diretor Municipal.

Referencias Bibliográficas: Baud, G. Manual de Pequenas Construções. Hemus Ed. S. A., 1998. Cardão, Celso. Técnica da Construção. Vols. I e II. Edições Engenharia e Arquitetura, 1976. Ching, Francis D. K. e Adams, Cassandra. Técnicas de Construção Ilustradas. Bookman Companhia Editora, 2001. Creder, Hélio. Instalações Elétricas. Livros Técnicos e Científicos Ed., 1982. De Marco, Conrado Silva. Elementos de Acústica Arquitetônica. Nobel, 1982. Frota, Anésia Barros e Schiffer, Sueli Ramos. Manual de Conforto Térmico. Nobel, 1988. Lei Federal no 8.666/93 de 21/06/93 e suas atualizações. Lei Federal no 4.320/64 de 17/03/64 e suas atualizações. Macintyre, Archibald Joseph.Instalações Hidráulicas. Livros Técnicos e Científicos Ed., 1996. . Menegotto, José Luis e Araújo, Tereza Cristina Malveira de. O Desenho Digital Técnica & Arte. Interciência, 2000. Moliterno, Antonio. Caderno de Projetos de Telhados em Estruturas de Madeira. Ed. Edgard Blucher Ltda, 1981. Rangel, Alcyr Pinheiro. Projeções cotadas e Desenho Projetivo. Ao Livro Técnico, 1979. Rivero, Roberto de. Acondicionamento Térmico Natural da Arquitetura e Clima. D. C. Kuzzatto Ed. Ltda: Ed. da Universidade UFRGS, 1985. Lei Complementar n.º 28/2006.

4.31. Biólogo:

Técnicas de coleta e de preparo de material zoológico. Anatomia animal. Zoologia. Genética geral. Anatomia Vegetal. Bioquímica. Histologia animal e vegetal. Biofísica. Fisiologia vegetal. Microbiologia. Biologia celular. Embriologia. Evolução. Conservação de recursos naturais. Biogeografia. Fisiologia animal. Ecologia Geral. Ecologia de populações. Agroecologia. Ecossistemas brasileiros. Ecofisiologia vegetal. Manejo de fauna. Genética de microrganismos. Aqüicultura. Noções de Geologia. Noções de Pedologia. Noções de Biologia Geral. Taxonomia vegetal. Aspectos fitossociológicos. Noções de Hidrologia. Noções de Limnologia. Legislações: Lei n.º 4,771, de 15 de setembro de 1965 - Código Florestal; Medida Provisória n.º 2,166/001 - Alteração da Lei do Código Florestalç Lei n.º 5,197, de 03 de janeiro de 1967 - Lei de Proteção à Fauna; Decreto-Lei n.º 221, de 28 de fevereiro de 1967; Lei n.º 6,938, de 31 de agosto de 1981 - Política Nacional do Meio Ambiente; Lei n.º 9,605, de 12 de fevereiro de 1998 - Lei dos Crimes Ambientais; Decreto n.º 3,179/99 - Regulamenta a Lei n.º 9,605/98; Lei n.º 9,795, de 27 de abril de 1999 - Lei de Educação Ambiental; Lei n.º 9,985, de 18 de julho de 200 - Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza; Resolução CONAMA n.º 001/86 - EIA;RIMA; Resolução CONAMA n.º 237/97 - Licenciamento Ambiental. Fauna: Classificação taxonômica da fauna silvestre brasileira; Manejo da fauna silvestre brasileira in situ e ex situ; Convenções internacionais voltadas à proteção de espécies em que o Brasil é signatário. Convenção da Biodiversidade; Convenção Internacional sobre o Comércio das Espécies da Fauna e Flora em Perigo de Extinção (CITES). Gestão e manejo dos recursos ambientais: Zoneamento ecológico-econômico; Manejo florestal sustentável; Gestão e manejo em unidades de conservação; Proteção da biodiversidade; Instrumento de controle e licenciamento; Educação ambiental; Manejo das bacias hidrográficas. Aspectos socioeconômicos: Políticas públicas; Noções gerais de economia ambiental; Agenda 21 - desenvolvimento sustentável; Meio ambiente, sociedade e noções de Sociologia e de Antropologia; Elaboração, avaliação e seleção de projetos.

4.32. Cirurgião Dentista:

Odontolgia Social e Preventiva: Educação em saúde bucal. Epidemiologia aplicada à odontologia. Níveis de prevenção. Métodos preventivos (Flúor, Selantes). Prevenção das doenças bucais.

Anatomia: Anatomia dental e análise funcional. Anatomia e aplicação clínica. Sistema dental.

Anestesia: Farmacologia dos anestésicos locais. Anestésicos locais e controle da dor. Complicações das anestesias locais. Técnicas anestésicas em odontologia. Substância anestésica. Toxicologia.

Cirurgia: Princípios da cirurgia. Técnica exodônticas. Acidentes e complicações exodônticas. Técnicas cirúrgicas. Instrumental. Medicação pré e pós-operatório.

Dentística restauradora: Cárie dentária. Princípios de preparo cavitário. Materiais protetores do complexo dentina polpa. Restaurações de resina em dentes anteriores e posteriores. Adesivos. Amalgáma. Cimento ionômero de vidro. Tratamento Restaurador Atraumático (ART). Tratamentos preventivos. Técnicas restauradoras minimamente invasivas. Isolamento absoluto. Radiologia oral.

Endodontia: Considerações iniciais. Topografia da cavidade pulpar. Alterações patológicas no periápice. Tratamento conservador da polpa dental. Abertura coronária. Obturação do canal radicular. Apecificação. Reabsorção dentária.

Farmacologia e Terapêutica Aplicada à Odontologia: Antibióticos. Analgésicos. Atipiréticos. Antiinflamatórios. Hemostáticos. Drogas Ansiolíticas. Relaxantes musculares de ação central. Vitaminas. Tratamento de paciente grávidas, diabéticos. Problemas cardiovasculares, doenças gastrointestinais e doenças do sangue. Endocardite bacteriana.

Odontopediatria: Procedimentos preventivos e restauradores. Prevenção da cárie dentária na criança e no adolescente. Traumatismo na dentição decídua. Tratamento pulpar em dentes decíduos. Restaurações em dentes decíduos. Anatomia dos dentes decíduos. Fluorose dental. Selantes. Técnicas anestésicas em crianças. Técnicas de RX em crianças. Farmacologia para crianças.

Patologia Bucal: Distúrbios do desenvolvimento e do crescimento. Doenças de origem microbiana. Distúrbios do metabolismo. Doenças do sistema específico. Anomalias dentárias. Patologia das glândulas salivares. Tumores de tecidos moles.

Periodontia: Anatomia periodontal. Classificação das doenças periodontais. Placa e cálculo dental. Doença periodontal necrosante. Raspagem e alisamento radicular. Gengivite. Periodontite. Doenças infecciosas.

Materiais dentários: Materiais de moldagem, gessos, ligas para amálgama. Composição das resinas.

Ética odontológica: Código de ética odontológica.

Saúde Publica: Sistema Único de Saúde (SUS): seus princípios e diretrizes. Leis (8.080/90 e 8.142/90). Normas e portarias atuais. Constituição Federal de 1988 (seção II - Da Saúde). Norma Operacional Básica (NOB/SUS/96).

Referencias Bibliográficas: Paulo - SP. GREGORI, C. Cirurgia Buco-Dento Alveolar. Editora Sarvier. 1996. São Paulo - SP. SHAFE, W. HINE, M. LEVY, B. Tratado de Patologia Bucal 4º edição. Editora Guanabara. 1987. Rio de Janeiro - RJ. SILVA e SOUZA JUNIOR, M.H. et. al. Odontologia Estética e Aplicações Clinicas, 1º edição. Editora Santos. 2000. São Paulo - SP.CARVALHO, R. M. Adesivos Dentinários, Revista de Dentística Restauradora, V 1, nº 2. Abril 1998. Editora CEOB. Bauru - SP. FREITAS, J.R. Terapêutica Odontológica, 7º edição. Editora Pedro I Ltda. 1997. Rio de Janeiro - RJ. MALAMED, S. F. Manual de Anestesia local. 5º . Editora Elsevier Ltda. 2005. Rio de Janeiro - RJ. ARMONIA. P. L. e TORTAMANO. N. Como Prescrever em Odontologia. 3º edição. Editora Santos. 1992. São Paulo - SP. FIGÚN, M. E. E GARINO, R. R. Anatomia Odontológica Funcional e Aplicada, 2º edição. Editora Médica Panamericana. 1989. São Paulo - SP. LINDHE, J. Tratado de Perio-dontologia Clínica, 2º edição. Editora Guanabara. 1992. Rio de Janeiro - RJ. MANSON, J. D. Manual de Periodontia, 2º edição. Editora Santos. 1989. São Paulo - SP. DE DEUS, Q. D. Endodontia, 5º edição. Editora Médica e Científica Ltda. 1992. Rio de Janeiro - RJ. TOLEDO, O A. Odontopediatria Fundamentos para Prática Clínica. 1º edição. Editora Panamericana. 1996. São Paulo - SP. GUEDES-PINTO, A. C. Manual de Odontopediatria. 8º edição. Artes Médicas Editora. 1993. São Paulo - SP. McDONALD, R. E. Odontopediatria. 5º edição. Editora Guanabara. 1987. Rio de Janeiro - RJ. PHILIPS, R. Materiais Dentários de Skinner. 9º edição. Editora Guanabara Koogan. 1993. MOYERS, R. E. Ortodontia. 4º edição. Editora Guanabara Koogan. 1988. Conselho Federal de Odontologia - Código de Ética odontológica - 2003. SICHER & DUBRUL.Anatomia Oral. 8º edição. Editora Artes Médicas. 1991.LIMA C. Estomatologia. 2º edição. Editora Santos.BARATIERI, L. N. et. al. Dentística Procedimentos Preventivos e Restauradores. 2º edição. Editora Santos. 1992. São Paulo - SP. WHAITES. E. Princípios de Radiologia Odontológica. 3º edição. Editora Art Med. Norma Operacional De Assistência À Saúde - Noas-Sus 01/2002.Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica.

4.33. Contador:

Conhecimentos básicos - Contabilidade Geral: objetivo, finalidade; conceito, objeto e campo de atuação; patrimônio e suas variações; contas ( conceito, tipo e plano de contas); escrituração; métodos, diário, razão e livros auxiliares; registro de operações mercantis e de serviços; Provisões; depreciação, amortização e exaustão; ajustes e levantamento de demonstrativos financeiros (balanço Patrimonial, demonstração do resultado do exercício, demonstração das mutações do patrimônio liquido e demonstração das origens e aplicações de recursos); participações societárias (conceito, classificação e formas); Contabilidade Societária: Cisão, Incorporação e Fusão.partes relacionadas, Contabilidade gerencial: noções preliminares (características da contabilidade gerencial); custos para avaliação de estoques, controle e tomada de decisão; informações contábeis para tomada de decisão; análise de balanços como instrumento de avaliação de desempenho (análise vertical, análise horizontal e análise por quocientes - liquidez, atividade e rentabilidade). Auditoria: noções básicas de auditoria interna, natureza e campo de atuação da auditoria; auditoria governamental, campo de atuação, classificação, aplicação, auditoria externa ou independente, normas CVM. Contabilidade Intermediária: conceitos, funções, aplicações. Contabilidade Pública: conceito, campo de atuação; bens públicos, entidades públicas, conceito e classificação; orçamento: conceito, elaboração e regime orçamentário; créditos adicionais: conceito e classificação; receitas e despesas orçamentárias; estágios e classificação; receitas e despesas extra-orçamentárias, variações independentes da execução orçamentária; sistema de contas: conceito e classificação; demonstrativos contábeis: balanço orçamentário, financeiro e patrimonial e demonstrativo das variações patrimoniais; SIAFI (Sistema integrado de administração financeira), contabilidade orçamentária, financeira e patrimonial: despesas e receitas segundo as categorias econômicas. Classificação funcional programática: código e estrutura. Programa de trabalho de governo (demonstrativo de funções), LOA, LDO, Lei orçamentária, orçamento-programa, programas e sub-programas por projetos e atividades. Comparativo da receita orçada com a arrecadada. Comparativo da despesa autorizada com a realizada. Demonstrativo da dívida flutuante (restos a pagar). Organização dos serviços de contabilidade pública. Formulas de escrituração contábil. Controle dos bens patrimoniais. Controladoria no setor público: conceito, classificação, forma de atuação, objetivos; o controle no setor público; controle interno e controle externo: o exercício do controle na gestão pública: regulamentação legal. Legislação: Lei 4.320/64; Lei 8.6666/93; Lei complementar 101/00 (LRF); Lei 6.404/76; Lei 10.303/01. Tópicos contemporâneos de Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos Aplicado à União, Estado e Municípios.

Referencias Bibliográficas: Almeida, Marcelo C. Auditoria: um curso moderno e completo. Ed. Atlas. Angélico, João. Contabilidade Pública. Ed. Atlas. FIPECAFI. Manual de Contabilidade das Sociedades por ações; Ed Atlas, 2001. Franco, Hilário. Contabilidade geral. Ed Atlas. Iudícibus Sergio de. Contabilidade Gerencial. Ed Atlas. 1998. Lopes de Sá, A. Curso de auditoria. Ed. Atlas. Martins, Eliseu. Contabilidade de Custos. Ed Atlas. 2001. Neto, Alexandre Assaf. Estrutura e análise de balanços. Ed Atlas, 2002. Santos e Schmidt, José Luis dos e Paulo. Contabilidade societária. Ed Atlas, 2002. Silva. Lino M. da. Contabilidade Governamental: um enfoque administrativo. Ed Atlas.

4.34. Engenheiro Agrícola:

Meio Ambiente: Recursos Naturais. Planejamento, Conservação, Manejo e Gestão de Recursos Naturais e Meio Ambiente. Ecologia e Impacto Ambiental. Controle da Poluição Ambiental no Meio (Ar, Água, Solo). Recuperação e Remediação de Áreas Degradadas. Planejamento, Manejo e Gestão de Bacias Hidrográficas. Hidráulica e Hidrologia. Dimensionamento e Sistemas de Irrigação e Drenagem. Saneamento. Aproveitamento e Reuso de Efluentes. Agrometeorologia. Paisagismo, Floricultura, Parques e Jardins. Projeção e Preservação Ambiental. Construções Rurais: Construções para Fins Rurais, Edificações Rurais e suas Instalações Complementares. Projeto de Instalações Hidráulicas, Elétricas, de Comunicações e Complementares. Instalações de prevenção contra descargas atmosféricas. Projeto, Dimensionamento, Seleção, Avaliação, Automação e Controle de Equipamentos de Conforto do Ambiente Interno para Animais e Plantas. Instrumentação e Automação Referentes ao Setor. Estruturas de Madeira, Concreto Armado e Metálicas. Estradas Rurais. Barragens e Obras de Terra. Energia Elétrica Eletricidade, Energia e Energização em Sistemas Agrícolas. Diagnóstico Energético. Fontes e Conservação de Energia. Máquinas Agrícolas: Projeto, Desenvolvimento, Dimensionamento, Otimização, Automação e Convite de: Motores, Máquinas, Implementos, Equipamentos e Sistemas Agroindustriais. Mecanização. Ergonomia Transporte Agrícola e Agroindustrial. Aplicação de Insumos Agrícolas. Tecnologia Pós-colheita: Processamento de Produtos Agrícolas. Sistema de Produção Agropecuário. Projeto, Dimensionamento, Seleção, Avaliação, Automação e Controle de Equipamentos para Sistemas de Condicionamento do Meio para Preservação dos Produtos Agrícolas. Hidroponis. Conservação e Comercialização de Produtos Agrícolas. Projeto Desenvolvimento e Otimização de Embalagens para Produtos agrícolas e derivados.

Referencias Bibliográficas: Construções Rurais MILTON FISCHER PEREIRA. Máquinas Agrícolas LUIZ ANTONIO BALASTREIRE. Máquinas para Colheita e Transporte, As. GASTAO MORAES DA SILVEIRA Preparo do Solo: Implementos Corretos GASTAO MORAES DA SILVEIRA. Administração de Custos na Agropecuária GILBETO JOSE DOS SANTOS JOSE CARLOS MARION SONIA SEGATTI. Gestão Agroindustrial MARIO OTAVIO BATALHA Gestão da Qualidade e do Meio-Ambiente ANTONIO ROBLES JR. VALERIO VITOR BONELLI. Valoração Econômica do Meio Ambiente: uma Abordagem Teórica e Prática KATTY MARIA DAS COSTA MATTOS ARTHUR MATTOS. Meio Ambiente & Mineração: o Desenvolvimento Sustentável PAULO HENRIQUE FARIA NUNES. Fundamentos de Ecologia - Importado EUGENE P. ODUM. Solo, Planta e Atmosfera: Conceitos, Processos e Aplicações KLAUS REICHARDT LUIS CARLOS TIMM. Prevenção e Controle da Poluição nos Setores Energético, Industrial... ELECTO EDUARDO SILVA LORA. Monitoramento de Bacias Hidrográficas e Processamento de Dados - Vol. JOAO BATISTA DIAS DE PAIVA FAZAL H. CHAUDHRY LUISA FERNANDA RIBEIRO REIS. Formação e Conservação dos Solos IGO F. LEPSCH.

4.35. Engenheiro Agrônomo:

Agricultura - Quanto às culturas perenes e temporárias, serão abordados aspectos morfofisiológicos de crescimento, desenvolvimento e produção, que estão relacionados aos seguintes itens: Fatores edafo-climáticos (temperatura, disponibilidade de água, umidade relativa do ar, luminosidade, acidez/alcalinidade e aeração). Fertilidade dos solos e nutrição mineral de plantas (elementos essenciais e sua disponibilidade, adubação e fertilizantes, correção do solo e corretivos). Tratos culturais (principais práticas culturais e particularidades de lavouras de importância econômica). Calendário agrícola (épocas de preparo do solo, de plantio, de realização de tratos culturais, e da colheita das principais culturas nas diversas regiões do Brasil). Controle de ervas daninhas (diferentes métodos e sua eficiência). Principais pragas e doenças e métodos de controle; Pecuária - Quanto à produção animal, serão abordados os seguintes aspectos da Bovinocultura (de corte e leiteira), suinocultura e avicultura: Manejo (conhecimento das particularidades de cada espécie explorada). Sanidade (controle e prevenção das principais doenças e parasitoses). Principais raças e aptidões. Reprodução (ciclo reprodutivo e técnicas promotoras de maiores produtividades). Índices zootécnicos (taxas de natalidade, desfrute); Economia Agrícola - Teoria e instrumentos de análise econômica: teoria da produção e da estrutura de mercados, progresso técnico na agricultura, teoria da demanda, teoria da oferta, elasticidades, mudança no equilíbrio, relações entre receita e elasticidade, formação de preços, preços fixos e flexíveis, determinação dos preços agrícolas, teoria da renda da terra. Mecanismos e financiamentos da política agrícola, política macroeconômica e agricultura, instrumento de política agrícola: créditos, preços, tributação, tecnologia, armazenamento e comercialização, políticas de segurança alimentar, políticas de reforma agrária e colonização; Abordagens sobre: interpretação analógica e digital de imagens obtidas através de sensores remotos, aplicada a mapeamentos de solos; gênese do solo; processos e fatores de formação dos solos; características físicas, químicas e mineralógicas dos solos; principais atributos do solo para fins de classificação; Sistema Brasileiro de Classificação de Solos; aplicações dos estudos / levantamentos de solos. Noções e conhecimentos de extensão rural, como realizar reuniões técnicas com a comunidade rural, como apresentar e realizar propostas de palestras técnicas, quais as formas de uso de mídia podem ser usadas para se chegar ao produtor rural, como promover "dias de campo" para demonstrar técnicas. Noções e conhecimentos para elaboração de laudos técnicos; Noções e conhecimentos de uso de tecnologias alternativas para a agregação de valores na propriedade rural; Noções e conhecimentos de agricultura orgânica; Noções e conhecimentos para a elaboração de projetos técnicos na busca de recursos junto à instituições governamentais e não governamentais; Noções e conhecimentos para implantação de campos experimentais.

Referencias Bibliográficas: Fundamentos da Agricultura Ecológica JOSE A. BONILLA. Dicionário do Agrônomo LUCIA HELENA SAMPAIO DORIA GOULART. Noções de Conservação do Solo NAUTIR DAVID AMARAL Microbiologia Zootécnica ROGERIO LACAZ RUIZ. Curso de Bovinocultura VALTER RAMOS JARDIM. Desafios para o Desenvolvimento Sustentável da Suinocultura JULIA S. GUIVANT CLAUDIO R. DE MIRANDA. Suinocultura INSTITUTO CAMPINEIRO DE ENSINO AGRICOLA. Avicultura: Manual Prático GILBERTO MALAVAZZI. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos EMBRAPA Formação e Conservação dos Solos IGO F. LEPSCH

4.36. Engenheiro Ambiental:

Ciclo do carbono, nitrogênio e fósforo. Classificação de cursos d´água e características dos principais parâmetros para enquadramento de corpos d'água: Resolução CONAMA n.° 357 de 17/03/2005. Cálculo básico para dimensionamento de Estações de Tratamento de Efluentes Domésticos. Licenciamento Ambiental: etapas e legislação básica. Métodos para cálculo de diluição de efluentes. Modelos de qualidade da água: Streeter-Phelps e QUAL2E. Ciclo hidrológico. Modelos básicos para cálculo de vazões: Método Racional e Hidrograma Unitário.

1 - Ecologia. 2- Legislação. 2.1 Lei n.º 4.771, de 15 de setembro de 1965: Código Florestal. 2.2 Medida Provisória n.º 2.166/001: que altera a Lei do Código Florestal. 2.3 Lei n.º 5.197, de 3 de janeiro de 1967: Lei de Proteção à Fauna. 2.4 Decreto-Lei n.º 221, de 28 de fevereiro de 1967. 2.5 Lei n.º 7.653, de 12 de 12 fevereiro de 1988. 2.6 Lei n.º 6.938, de 31 de agosto de 1981: Política Nacional do Meio Ambiente. 2.7

Lei n.º 7.802, de 12 de julho de 1989: Lei de Agrotóxicos. 2.10 Lei n.º 9.605, de 12 de fevereiro de 1998: Lei dos Crimes Ambientais.

2.11 Decreto n.º 3179/99: que regulamenta a Lei n.º 9605/98. 2.12 Lei n.º 9.795, de 27 de abril de 1999: Lei de Educação Ambiental.

2.13 Lei n.º 9.985, de 18 de julho de 2000: que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. 2.14 Lei n.º 8.974/95: Organismos Geneticamente Modificados. 2.15 Lei n.º 10.165/00: Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental. 2.17 Medida Provisória n.º 2.186/01: Acesso ao Patrimônio Genético. 2.18 Art. 225 da Constituição Federal do Brasil de 1988. 2.19 Artigo 4.º da Lei n.º 10.410/02.

2.20 Resolução CONAMA n.º 001/86: EIA/RIMA. 2.21 Resolução CONAMA n.º 237/97: 3. Fauna. 3.1 Classificação taxonômica da fauna silvestre brasileira. 3.2 Manejo da fauna silvestre brasileira in situ e ex situ. 3.3 Convenções internacionais voltadas à proteção de espécies em que o Brasil é signatário. 3.3.1 Convenção da Biodiversidade. 3.3.2 Convenção Internacional sobre o Comércio das Espécies da Fauna e Flora em Perigo de Extinção (CITES). 3.3.3 Comissão Baleeira Internacional (CIB). 4 Gestão e manejo dos recursos ambientais.

4.1 Zoneamento ecológico-econômico. 4.2 Manejo florestal sustentável. 4.3 Gestão e manejo em unidades de conservação. 4.4 Proteção da biodiversidade. 4.5 Instrumento de controle e licenciamento. 4.6 Silvicultura, projetos de florestamento e reflorestamento. 4.7 Educação ambiental. 4.8 Manejo de bacias hidrográficas. 4.9 Prevenção e combate a incêndios florestais. 4.10 Proteção e manejo de cavernas.

5 Aspectos socioeconômicos. 5.1 Políticas públicas. 5.2 Noções gerais de economia ambiental. 5.3 Agenda 21 - desenvolvimento sustentável. 5.4 Meio ambiente, sociedade e noções de Sociologia e de Antropologia. 5.5 Elaboração, avaliação e seleção de projetos.

Referencias Bibliográficas: Introdução à Engenharia Ambiental BENEDITO BRAGA IVANILDO HESPANHOL JOAO G. LOTUFO CONEJO ET AL. Direito Ambiental Brasileiro PAULO AFFONSO LEME MACHADO. Fundamentos de Ecologia - Importado EUGENE P. ODUM. Ecologia, A EVARISTO EDUARDO DE MIRANDA.Licenciamento Ambiental CURT TRENNEPOHL TERENCE TRENNEPOHL. Proteção da Fauna Sob a Ótica Constitucional, A ERIKA BECHARA. Conservação da Fauna Brasileira MELQUIADES PINTO PAIVA

4.37. Engenheiro Civil:

Desenhos em CAD (Autocad ou Intellicad). Projeto e Execução de Obras Civis: locação de obra; sondagens; instalações provisórias; canteiro de obras; depósito e armazenamento de materiais; fundações profundas; fundações superficiais; escavações; escoramento; elementos estruturais; estruturas especiais; estruturas em concreto armado; alvenaria estrutural; concreto - controle tecnológico; argamassas; formas; armação; instalações prediais; alvenarias; paredes; esquadrias; revestimentos; coberturas; pisos; impermeabilização; equipamentos e ferramentas; segurança e higiene no trabalho; engenharia de custos. Materiais de Construção Civil: aglomerantes: gesso, cal, cimento portland; agregados; argamassa; concreto; dosagem; tecnologia do concreto; aço; madeira; materiais cerâmicos; vidros; tintas e vernizes. Mecânica dos Solos: origem e formação dos solos; índices físicos; caracterização de solos; propriedades dos solos arenosos e argilosos; pressões nos solos; prospecção geotécnica; permeabilidade dos solos; compactação dos solos; compressibilidade dos solos; adensamento nos solos; estimativa de recalques; resistência ao cisalhamento dos solos; empuxos de terra; estrutura de arrimo; estabilidade de taludes; estabilidade das fundações superficiais e estabilidade das fundações profundas. Resistência dos Materiais: tensões normais e tangenciais: deformações; teoria da elasticidade; análise de tensões; tensões principais; equilíbrio de tensões; compatibilidade de deformações; relações tensão x deformação - Lei de Hooke; Círculo de Mohr; tração e compressão; flexão simples; flexão composta; torção; cisalhamento e flambagem. Análise Estrutural: esforços seccionais - esforço normal, esforço cortante e momento fletor; relação entre esforços; apoios e vínculos; diagramas de esforços; estudo das estruturas isostáticas (vigas simples, vigas gerber, quadros). Dimensionamento do Concreto Armado: características mecânicas e reológicas do concreto; tipos de aços para concreto armado; fabricação do aço; características mecânicas do aço; concreto armado - fundamentos; estados limites; aderência; ancoragem e emendas em barras de armação; detalhamento de armação em concreto armado. Instalações Prediais: instalações elétricas; instalações hidráulicas; instalações de esgoto; instalações de telefone e instalações especiais. Estruturas de Aço. Estruturas de Madeira. Noções da Lei 8.666/93 e suas alterações no que se refere às obras e serviços de engenharia. Levantamentos topográficos, Leitura de cartas topográficas. Plano Diretor Municipal.

Referencias Bibliográficas: Bauer, Falcão. Materiais de Construção (vols. 1 e 2). Ed. LTC. Beer & Johnson. Resistência dos Materiais. Ed. Makron Books. Caputo, Homero. Mecânica dos Solos e suas Aplicações (vols. 1 a 4). Ed. LTC. Cardão, Celso. Técnicas de Construção. Ed. Engenharia e Arquitetura. Carnasciali, Carlos Celso. Estruturas Metálicas na Prática. Ed. Makron Books. Creder, Hélio. Instalações Elétricas. LTC. Creder, Hélio. Instalações Hidráulicas e Sanitárias. Ed. LTC. Espartel, Lelis. Curso de Topografia. Ed. Globo. Fabrício, Heitor. Manual do Engenheiro Civil. Hemus. Herrman, Curt. Manual de Perfuração de Rocha. Ed. Polígono. Lei 8.666/93 e suas alterações. Macintyre. Instalações Hidráulicas. Ed. Guanabara Dois. Manual do Engenheiro. Ed. Globo. Normas da ABNT. Petrucci, Eládio. Materiais de Construção. Ed. Globo. Petrucci, Eládio. Concreto de Cimento Portland. Ed. Globo. Pfeil, Walter. Estruturas de Madeira. Ed. LTC. Pfeil, Walter. Estruturas de Aço. Ed. LTC. Pinto, Carlos de S.. Curso Básico de Mecânica dos Solos. Ed. Oficina de Textos. Sampaio, Fernando M.. Orçamento e Custo da Construção. Ed. Hemus. Stabile. Custos na Construção Civil. Ed. Boletim de Custos. Sussekind, José Carlos. Curso de Concreto. Ed. Globo. Timoshenko. Resistência dos Materiais. Ed. LTC. USER`s GUIDE, Command Reference, AUTODESK (Help do programa). Lei Complementar n.º 28/2006.

4.38. Engenheiro de Segurança no Trabalho:

Segurança no Trabalho Evolução histórica do prevencionismo As atribuições do Engenheiro de Segurança do Trabalho. Evolução do conceito de AT. Teoria da culpa. Teoria do risco profissional. Teoria do risco social. Conceituação legal do AT. Acidentes de trabalho: teoria dos acidentes e estatísticas. Investigação de acidentes do trabalho: método árvore de causas. Legislação de segurança do trabalho. Legislação previdenciária aplicada ao acidente do trabalho. Programas de Prevenção de Acidentes de Trabalho. Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Proteção de máquinas industriais. Ferramentas de corte e soldagem. Sistemas de proteção coletiva. Segurança com caldeiras e vasos de pressão. Movimentação, transporte, manuseio e armazenamento de materiais. Riscos em obras de construção, demolição e reforma. Os riscos elétricos e seu controle. Proteções coletivas e individuais. Manutenção preventiva. Higiene do Trabalho Conceito e classificação dos riscos ocupacionais - agentes físicos, químicos e biológicos. Objetivos da higiene ocupacional. Controle dos riscos ocupacionais. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA). Programa de proteção respiratória. Mapeamento de riscos. Proteção do Meio Ambiente Preservação do meio ambiente: Legislação vigente. Organismos governamentais e não-governamentais. RIMA. Avaliação e controle dos poluentes. Saneamento ambiental: qualidade do ar e da água, processos de purificação da água, qualidade do solo, ações de emergência, tratamento de resíduos. Prevenção e Combate a Incêndios e explosões. A importância e participação do Engenheiro de Segurança do Trabalho na proteção contra incêndios. Legislações e Normas Brasileiras relativas à proteção contra incêndios. Física e Química do Fogo. Classes de risco, métodos de extinção e agentes extintores. Técnicas de prevenção e combate a incêndios. Sistemas de detecção e alarme de incêndios. Sistemas de prevenção, proteção e combate a incêndios. Sistemas e equipamentos para o combate de incêndios. Ergonomia Organização do trabalho: postos de trabalho, arranjo físico, dimensionamento e mobília. Introdução à análise ergonômica. Metodologias de análise ergonômica. Análise ergonômica de demanda e da tarefa. Os comportamentos do homem no trabalho. Análise ergonômica da atividade: modelos, métodos e técnicas. Métodos de tratamento de dados em ergonomia. Diagnóstico e recomendações ergonômicas. Ambiente de trabalho: ambiente térmico, ambiente luminoso, ambiente sonoro, vibrações e radiações. Movimentação de cargas. Programa de controle médico e saúde ocupacional Programa de controle médico e saúde ocupacional - PCMSO: diretrizes, responsabilidades, primeiros socorros. Ambientes insalubres: atividades insalubres. Doenças profissionais. Legislação e normas técnicas. Legislação previdenciária e trabalhista CLT. Lei n.º 6.514, de 22 de dezembro de 1977. Normas Regulamentadoras aprovadas pela Portaria n.º 3214, de 8 de junho de 1978 (e suas alterações). Lei n.o 8212 e 8213, de 24 de julho de 1991. Decreto n.º 3048, de 06 de maio de 1999 (e suas alterações). Convenções e recomendações da OIT. Responsabilidade profissional: civil, criminal e trabalhista. Toxicologia - agentes tóxicos Vias de absorção do organismo. Mecanismos de proteção do organismo. Limites de tolerância biológicos. Métodos de investigação. Socorros urgentes. Noções de fisiologia. Primeiros socorros por leigos. Socorro de urgência profissional. Materiais de primeiros socorros. Indústria da construção civil Caracterização do setor - grau de risco. NR-18. PCMAT. Áreas de vivência nos canteiros. Obras de demolição. Escavações. Estruturas de concreto armado. Estruturas metálicas. Operações de soldagem e corte. Superfícies provisórias de trabalho. Proteção contra quedas no canteiro. Movimentação de transporte no canteiro. Trabalhos em altura. Trabalhos em locais confinados. Trabalhos em flutuantes. Instalações elétricas provisórias. Máquinas e equipamentos na CC. EPI. Armazenamento e estocagem na obra. Medidas de proteção coletivas na obra. Ordem e limpeza nos canteiros. Tapumes e galerias. Acidente fatal. CIPA na obra.

Referencias Bibliográficas: BINDER, M. C. et al. Árvore de Causas - Método de Investigação de Acidentes de Trabalho, 3. ed. São Paulo: Editora Limiar, 2000.FIALHO F. e SANTOS N. Manual de Análise Ergonômica no Trabalho. 2. ed. Paraná: Gênesis Editora, 1997.LIMA FILHO, V R. et al. Segurança no Trabalho com máquinas, Ferramentas e Equipamentos. São Paulo: SENAC, 1998.MARTINEZ, W. N. e NOVAES Filho, W. Lei Básica da Previdência Social. 6.ed. São Paulo: LTr, 2000. RIBEIRO FILHO, Leonídio F. A. Proteção contra Incêndios e Técnicas de Segurança do Trabalho. ROUSSELET, Edison da Silva e FALCÃO, Cesar. A Segurança na Obra. SALIBA, T. M. et al. Higiene do Trabalho e o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. 3. ed. SP: LTr, 2002. TLVs e BEIs - Limites de Exposição (TLVs) para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices Biológicos de Exposição (BEIs). SP: ABHO, 2003. TORLONI, M. e VIEIRA, V. Manual de Proteção Respiratória. SP: ABHO, 2003. TORREIRA, R. Manual de Segurança Industrial. Margus Publicações, 1999. Normas Regulamentadoras (NR) aprovadas pela Portaria 3214, de 8 de junho de 1978) e suas alterações. Segurança e Medicina do Trabalho. Manuais de Legislação Atlas (Lei no 6.514, de 22 de dezembro de 1977 e Normas Regulamentadoras (NR) aprovadas pela Portaria 3214, de 8 de junho de 1978), 53. ed., Editora Atlas, 2003.

4.39. Engenheiro Químico:

Química Fundamental. 1. Química Geral e Inorgânica - Reações químicas: estequiometria, equação na forma iônica, óxido-redução. - Soluções: cálculos de concentrações, fatores cinéticos. - Equilíbrio químico: equilíbrio ácido-base, solubilidade. - Eletroquímica da pilha; eletrólise. - Estrutura da Matéria: átomo, propriedades periódicas, ligações química. - Metais: beneficiamento de minérios, métodos de obtenção. - Não metais: obtenção, propriedades e aplicações. 2. Química Orgânica. Nomenclatura, preparação, propriedades químicas e usos dos alcanos, alcenos, alcinos e hidropardonetos aromáticos, álcoois, éteres, fenóis e ácidos carboxílicos. 3. Físico-química. Termodinâmica Química: Equações de Estado, desvios da idealidade. Primeira Lei da Termodinâmica. Termoquímica. Segunda Lei da Termodinâmica. Terceira Lei da Termodinâmica: potencial químico, equilíbrio químico. Equilíbrio entre fases. Cinética química. Eletroquímica: células galvânicas e eletrolíticas. Corrosão eletroquímica. Combustão: estequiometria, cinética e mecanismos de combustão; balanços de energia e de massa na combustão; poder calorífico de combustíveis.

Fundamentos e Aplicações da Engenharia Química. 1. Reatores químicos. Cinética das relações químicas. Classificação dos reatores e princípios de cálculos dos reatores ideais. Balanços materiais e energéticos. Associações de reatores em série e paralelo. Parâmetros de rendimento dos reatores. Influência da pressão e temperatura no projeto de reatores. 2. Operações unitárias da indústria química. Transporte de fluidos compressíveis: equações fundamentais de balanço de energia e massa. Cálculos de perda de carga, distribuída e localizada. Bombas: tipos de bombas; curvas das bombas; curvas dos sistemas de bombeamento; escolha das bombas. Medidores de vazão: manômetros, venturi, rotâmetros. Caracterização de partículas sólidas: análise granulométrica, peneiramento. Filtração: equações fundamentais para obtenção de tortas incompressíveis. Determinação dos parâmetros de filtração. Filtração a pressão constante, a vazão constante e a pressão e vazão variáveis. Sedimentação e centrifugação: equações fundamentais para suspensões diluídas. Transporte de calor: mecanismos, leis básicas e coeficientes de troca de calor. Equações fundamentais. Trocadores de calor: tipos e dimensionamento. Evaporadores: simples e múltiplos efeitos. Psionometria: relações psicométricas ar-vapor d'água; equações fundamentais. Difusão mássica; Lei de Fick; coeficiente de difusão. Destilação: equilíbrio líquido-vapor, diagramas de equilíbrio, separação por flash. Destilação binária: método de Mc Cabe-Thiele para cálculo de estágios. 3. Recursos químicos. Balanços materiais e balanços energéticos com e sem reações químicas. Aplicações de balanços materiais e energéticos aos processos químicos. Fluxograma de processos. Produtos químicos fundamentais: matérias primas e utilidades para a obtenção de alguns produtos químicos orgânicos e inorgânicos: ácido nítrico, ácido sulfúrico, cloro, hidróxido de sódio, eterno, acetileno, polímeros. Águas industriais e potáveis: tratamentos para remoção de cor, turvação, dureza, íons metálicos. Materiais para a indústria química: materiais empregados, seleção, corrosão. Instrumentação e controle de processos: seleção de instrumentos de medidas; tipos de controladores; exemplos de controle em alguns equipamentos de processo. Propriedade Industrial. LEI 9279 de 14 de maio de 1996:

Artigos 1 a 93 e 212 a 226

1. QUÍMICA GERAL - Matéria e energia; Matéria; Corpos e Objetos; Os Elementos Químicos; Substâncias Químicas; Misturas; Transformações da Matéria; Matéria e Energia; Separação de misturas; Estrutura Atômica; Modelos Atômicos; Modelo Atômico de Rutherford-Born; Conceitos fundamentais relativos aos átomos; Modelo Atômico de Orbitais; Formas Geométricas dos orbitais; Estados Energéticos dos elétrons; Distribuição eletrônica; Classificação Periódica; Configurações Eletrônicas dos elementos ao longo da Classificação periódica; Propriedades Periódicas; Ligações Químicas; Ligação Iônica, Covalente, Molecular; Geometria molecular; Eletronegatividade e Polaridade das Ligações e das moléculas; Oxi-redução; Ligação Metálica; Forças e Ligações Intermoleculares; Funções Químicas; Ácidos, Bases ou Hidróxidos, Sais, Óxidos; Funções Químicas e a Classificação Periódica; Reações Químicas; Classificação das Reações Químicas; Equações; Balanceamento das Equações; Principais reações envolvendo reações químicas; Leis Ponderais das Reações; Lei de Lavoisier, Lei de Prost e Lei de Dalton; Estudo Físico dos Gases; Leis físicas dos gases; Transformação; Leis volumétricas das reações; Lei de Gay-Lussac, Lei de Avogadro; Conceitos e cálculos decorrentes das leis e das teorias atômico-molecular; Unidade de Massa Atômica; Peso Atômico, Peso Molecular; Átomo-grama, Molécula-grama; Número de Avogadro; Mol, Volume Molar; Equação de Clapeyron; Misturas Gasosas; Cálculos Químicos; Cálculo de Fórmulas; e Estequiométrico.

2. FÍSICO-QUÍMICA - Soluções; Coeficiente de Solubilidade; Dispersões; Soluções; Concentração; Equivalente-grama; Normalidade; Molaridade, Fração Molar; Título; Molalidade; Densidade; Diluição das Soluções e Volumetria; Misturas com e sem reação química; Preparação de Soluções, pH, pOH, soluções tampões e efeito do íon comum; Produto de Solubilidade e Deslocamento de Equilíbrio; Termodinâmica e Termoquímica; Calor, Temperatura; Trabalho; Relações matemáticas básicas; Energia Interna; Entalpia; Reações Exotérmicas, Reações Endotérmicas, Calores de Reação; Energia Livre de Gibbs e espontaneidade de reações; Propriedades Coligativas; e Tonoscopia, Ebulioscopia, Crioscopia, Osmocopia.

3. QUÍMICA ORGÂNICA - Cadeias de Carbono; Característica dos átomos de carbono; Tipos de cadeias orgânicas; Fórmula estrutural; Classificação dos átomos de carbono de uma cadeia; Funções Orgânicas e Nomenclatura; Hidrocarbonetos, Haletos, Álcoois, Fenóis, Éteres, Ésteres, Aldeídos, Cetonas, Ácidos Carboxílicos; Funções derivadas dos ácidos orgânicos; Aminas, Amidas; Compostos com múltiplas funções; Estrutura e Propriedades dos Compostos Orgânicos; Ligações entre os compostos, reações, propriedades físicas e químicas; Isomeria: Plana e Espacial; Reações Orgânicas; Reações de Substituição, Reações de Adição, reações de eliminação, reações de óxido-redução, polimerização.

4. QUÍMICA INORGÂNICA - Água; Água destilada, de-ionizada, desmineralizada, água dura, água pesada; Aparelhagem Usual de Laboratório; Balança analítica, Pipeta, bureta, erlenmeyer, bécker, balões volumétricos, proveta, pipeta graduada e volumétrica; Compostos Inorgânicos; Identificação, Solubilidade, Reações, Identificação, Titulação; e Precipitação e Determinação dos principais por gravimetria ou potenciometria

5. QUÍMICA NUCLEAR - Radioatividade; Radiações Naturais, Radiação Alfa, Beta e Gama, Leis da radioatividade; Noções de decaimento e cinética, fissão nuclear e fusão nuclear, energia nuclear proveniente da fissão nuclear. Referencias Bibliográficas: Fundamentos da Química - Ricardo Feltre, Primeira Edição, Editora Moderna; Química Integral - Martha Reis Marques da Fonseca, Segundo Grau Editora FTD S.A., edição: a mais recente; Química Orgânica - Robert T. Morrison e Robert N. Boyd, Quinta Edição, editora Fundação Calouste Gulbenkian Química, Físico-Química - Martha Reis M. Fonseca, Primeira Edição, Editora FTD S.A; Análise Química Quantitativa - Arthur I. Vogel, Quinta Edição, Editora Guanabara Koogan S.A.; e Análise Inorgânica Quantitativa - Arthur I. Vogel, Quarta Edição, Editora Guanabara Dois S.A.

4.40. Engenheiro Sanitarista:

Parcelamento do solo e projeto arquitetônico. Fundação, locação, concreto e cálculo estrutural.Geométrico, pavimentação, terraplenagem e topografia. Abastecimento d'água e esgotamento sanitário. Sistema de Esgotos Sanitários: Unidades constituintes de um sistema: redes coletoras, estações de tratamento de esgotos, estações elevatórias, linhas de recalque. Resíduos Sólidos: Generalidades sobre o lixo no Brasil, Danos ecológicos e epidemiológicos causados pelo lixo.

Referencias Bibliográficas: Curso de construção de edifícios Volumes 1 e 2 - Edições Engenharia 1967 - Prof. Edmundo Fontenele; Curso de topografia da UFMG 1987 - Prof. José Carlos de Paula Freitas; Manual de implantação básica do DNER; Centro Universitário FUMEC - Saneamento Ambiental e Aplicado - Pós Graduação LatoSenso - Sistema de Abastecimento d'água - Prof. Francisco Alves Guimarães - Março 2003; Manual de Projeto do CETESB; Especificação para a construção de redes de esgoto da COPASA; Manual do Engenheiro - Editora Globo;Manual do DNER - Método Engº Murilo Lopes de Souza; Lei Federal n.º 6766 - Parcelamento do Solo urbano.

4.41. Fisioterapeuta:

Desenvolvimento motor normal e patológico até o 2º Ano de vida da criança; Revisão anatômica e fisiológica do Sistema Nervoso Central, Sistema respiratório, sistema ósseo e sistema muscular; Tratamento fisioterápico nas deficiências acima comentadas; Biomecânica Básica dos sistemas acima citados. Sistema Único de Saúde (SUS): Seus princípios, Suas diretrizes, Leis n.ºs 8.080/90 e 8.142/90; Normas e Portarias atuais, Constituição Federal de 1988 (seção II Da Saúde); Norma Operacional Básica (NOB/SUS/96). Fisioterapia aplicada à geriatria; Fisioterapia Traumato Ortopédica e Desportiva (lesões mais comuns nos esportes e tratamento); Fisioterapia do Exercício.

Referencias Bibliográficas: MACHADO, A. Neuroanatomia Funcional., Editora Atheneu, 2ª ed. SP, 1993. GRAY, H., Anatomia., Editora Guanabara Koogan, 29ªed., 1977. HOPPENFELD., S., Propedêutica Ortopédica., Livraria Atheneu., RJ., 1987. TUREK., S.L., Ortopedia Princípios e sua aplicação., Editora Manole., 4ªed., 1991. COSSERMELLI, W.>, Reumatologia Básica. Editora Sarvier, SP., 1972 HALL, S. Biomecânica Básica. Editora Guanabara Koogan R.J., 1993. DIAMENTE., A; CYPEL, S., Neurologia Infantil, Editora Atheneu., 3ªed., 1996. DIMEGLIO, A., Ortopedia Pediátrica., Livraria Editora Santos. SANVITO, W.L., Síndromes Neurológicas., Editora Manole., 1997. FLEMIG, I., Desenvolvimento Normal e seus desvios no Lactante., Editora Livraria Atheneu., 1987. HOLLE, B., Desenvolvimento Motor na Criança Normal e Retardada., Editora Manole., 1979. DOWNIE., P.A., Neurologia para Fisioterapeutas, 4ªed., Editora Médica Panamericana, 1987. UMPHRED, D.A., Fisioterapia Neurológica, 2ªed., Editora Manole, 1994. BOBATH, K., Uma base Fisiológica para o Tratamento da Paralisia Cerebral., Editora Manole, 1979. SHEPHERD, R.B., Fisioterapia em Pediatria., 3ªed., Santos Livraria Editora., 1996. DAVIES, P.M., Recomeçando Outra Vez, Editora Manole, 1997. BUENO., J.M., Psicomotricidade., Teoria e Prática., Editora Lovise., 1998. KUDO, A.M., et al., Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional em Pediatria. Monografias Médicas., Série Pediatria, Voluma XXXII., Editora Sarvier. CAILLET, R., Escoliose., Editora Manole, 1979. KNOPLICH, J., Enfermidades da Coluna Vertebral., 2ªed., Editora Panamed, 1986. O'SULLIVAN, S.B., CULLEN, K., SCHMTZ, T.J., Fisioterapia Tratamento, Procedimento e Avaliação., Editora Manole., 1987. AZEREDO, C.A.C. et al., Fisioterapia Respiratória Atual, Editora Edusuam., 1998. GASKELL, D.V., WEBBER, B.A. Fisioterapia Respiratória., Colina Editora., RJ., 1984. BETHEELEM, N., Pneumologia., 3ªed., RJ., Editora Atheneu., 1984. WEST, J.B., Fisiologia Respiratória., SP., Editora Manole, 1979. WEST, J.B., Fisiopatologia Respiratória Moderna, SP., Ed.Manole., 1979. BASMAJIAN., J., Terapêutica por exercícios., SP, Editora Manole., 1980. SCHWARTZMAN, José Salomão. Síndrome de Down. SP. Mackenzie. Memnon, 1999. SANVITO, Luiz Wilson. Propedêutica Neurológica Básica. SP. Atheneu. 1996. Norma Operacional De Assistência À Saúde - Noas-Sus 01/2002

4.42. Fonoaudiólogo:

Disartria e Dislalia - Conceito Tratamento. Fonoaudiologia Escolar - Campo de atuação, Prevenção e reabilitação. Audiologia Clínica - Determinação dos limiares tonais por via aérea e via óssea. Logoaudimetria e imitanciometria. Métodos eletrofisiológicos de avaliação da audição: BERA e Emissões Otoacústicas. Aquisição e Retardo de Linguagem. Motricidade Oral-Desenvolvimento das funções estomatognáticas. Princípios aplicados ao diagnóstico e tratamento miofuncional. Disfonia - Classificação, conceito, etiologia e reabilitação vocal. Fissuras labiopalatinas e insuficiência velofaríngea - Classificação de fissuras, Incompetência e insuficiência Velofaríngea. Distúrbios da voz e problemas associados. Leitura e Escrita e Dislexia - Definições, causas e atuação fonoaudiológica. Disfluência e Gagueira. Disfluência versus gagueira. Atuação interdisciplinar Fonoaudiologia e Saúde Pública - Áreas de atuação.

Referencias Bibliográficas: FERREIRA. L.P. Temas de Fonoaudiologia. São Paulo, Loyola, 1991. ISSLER, S. Articulação e linguagem. São Paulo, Ed.Lovise, 1996. :.JAKUBOVICZ, R. Avaliação, Diagnóstico e Tratamento em Fonoaudiologia: Disfonia, Disartria e Dislalia. Rio de Janeiro, Ed.Revinter, 1997. .LOPES FILHO, O.(org) Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo, Roca,1997. MARCHESAN, I.Q. (org.). Tópicos em Fonoaudiologia. São Paulo, Lovise, 1995.Vol. II, e.III, MARCHEZAN, I.Q. Motricidade Oral. São Paulo, Pancast, 1993. SANTOS, T.M.M & RUSSO, I.P.. A Prática da Audilogia Clínica. São Paulo, Cortez, 1993. , 7TABITH JR., A. Foniatria, São Paulo, Cortez, 1989.ZORZI, J.L. Aquisição da Linguagem Infantil. São Paulo, Pancast, 1993.

LOPES FILHO, O. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo, Roca, 1997; GOLDFELD, M. Fundamentos em Fonoaudiologia - Linguagem. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1998; PINHO, S. Fundamentos em Fonoaudiologia - Tratando os Distúrbios da Voz. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1998. ZORZI, J. A Intervenção Fonoaudiológica nas Alterações da Linguagem Infantil, Rio de Janeiro, Ed. Revinter, 2002. MARCHESAN, I.Q. (org.). Tópicos em Fonoaudiologia. São Paulo, Lovise 1995 Vol II e III. SANTOS, T.M.M. & RUSSO, I.P. A Prática da Audiologia Clínica. São Paulo, Cortez, 1993. FERREIRA, L.P. Temas de Fonoaudiologia, São Paulo Loyola, 1991. JARDILINO, J.R.L. Ética subsídios para a formação de profissionais na área da saúde. São Paulo, Pancast, 1998.

4.43. Médico Veterinário:

CLÍNICA MÉDICA: Processos gerais de exploração clínica: inspeção, palpação, percussão, termometria clínica; Clínica dos aparelhos: digestivo, respiratório, circulatório, urinário, genital feminino e masculino e pele; Síndrome convulsiva; Toxicoses; Choque; Queimaduras; Traumatismos. ANÁLISES CLÍNICAS: Interpretação de: hemograma, urinálise, técnicas de exame de fezes, pesquisa de uréia, glicose, creatinina, colesterol, transminases e fosfatases; Microbiologia; 3. Função Hepática; .Função Tireóide; Função Renal; Eletrólitos e Equilíbrio ácido- básico. ANATOMIA PATOLÓGICA: Técnica de necropsia dos caninos, felinos e aves; Colheita de material; Exames "post-morten"; Aspectos gerais das lesões produzidas por agentes biológicos: vírus, bactérias, fungos, parasitos e neoplasias; Aparelho respiratório, aparelho urinário, sistema nervoso, aparelho circulatório. DOENÇAS INFECTO - CONTAGIOSAS E PARASITÁRIAS DE INTERESSE SANITÁRIO: Etiologia; Sintomatologia; Epidemiologia; Diagnóstico e profilaxia das principais enfermidades dos animais domésticos. .PRINCIPAIS ZOONOSES DE IMPORTÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA: Etiologia; Sintomatologia; Epidemiologia; Profilaxia. AGENTES DE TOXINFECÇÕES ALIMENTARES: Aspectos microbiológicos das principais intoxicações e infecções veiculadas ou transmitidas por alimentos. I-DEFINIÇÕES: Contaminação; Taxa de Incidência;.Quarentena; Período de Incubação; Desinfecção; .Infecção; Desinfestação; Infestação; Endemia; Imunidade; Fonte de Infecção; Patogenicidade; .Hospedeiro; Período de Transmissibilidade; Taxa de Mortalidade; Zoonoses. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA. Normas de inspeção industrial e sanitária de produtos de origem anima - Serviço de Inspeção Municipal, Estadual e Federal. Boas práticas de fabricação (BPF). Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC). Higiene dos Alimentos. Controle de Roedores e outros vetores de interesse da Saúde Pública.

Referencias Bibliográficas: ACHA, P. N., SZYFRESS, B. Zoonosis y enfermidades transmisibles comunes al hombre y los animales. ed. Washington:Ofic. Sanitária Panamericana, 1989 Beer, Joaquim - Doenças infecciosas em animais domésticos - Volume 1 e 2 - Livraria Noca Ltda,1988. Bistner, S. I. Ford, R. B. Manual de procedimento veterinários e tratamentos de emergências. Ed. [S. I.] : roca, 1996. BRASIL. Portaria n.º 518/04. Normas e padrões de potabilidade da água destinada ao consumo humano. Diário Oficial da União, 23 jan. 1990. Coles, EH. Patologia Clínica Veterinária 3 ed. Editora Manole. 1984. ETTINGER, S. J. Tratado de Medicina Veterinária. São Paulo: Manole, 1997. SANTOS, J. A. Patologia Geral dos Animais Domésticos: mamíferos e aves. 2. ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1986. Urguhart, S. M. et al. Parasítologia Veterinária Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1990. -Resolução n.º 356 de 06 de setembro de 1985. - Lei 6.437 de 20/08/1997 - configura infrações à Legislação Sanitária federal, estabelece as sanções respectivas e dá outras providências. Diario Oficial da União. Código de Saúde do Paraná (Lei Estadual n.º 13.331/01 e Decreto Estadual n.º 5.711/02). Regulamentos de Inspeção. Legislação MAPA - 368. Legislação ANVISA - 326, 216/04.

CONCURSO PÚBLICO - PREFEITURA MUNICIPAL DE CASCAVEL - PR

ANEXO III DO EDITAL Nº 052/2007

FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE INSCRIÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO
Candidato:  
Inscrição:   Documento:  
Cargo Pretendido:   Fone:  

À Comissão Organizadora de Concursos da Prefeitura Municipal de Cascavel

Solicito isenção da taxa de inscrição, por ter doado sangue nos últimos 06 (seis) meses que antecederam a abertura das inscrições do concurso aberto pelo Edital n.º 052/2007, conforme Lei Municipal n.º 3.809/2004.

Cascavel, _____ de ___________________ de 2007.

_____________________________
Assinatura do candidato

ANEXO IV DO EDITAL Nº 052/2007

REQUERIMENTO DE RESERVA DE VAGAS E/OU CONDIÇÕES ESPECIAIS PARA CANDIDATOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

À COMISSÃO ORGANIZADORA DE CONCURSOS

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO
Candidato:  
Inscrição:   Documento:  
Cargo Pretendido:   Fone:  

Tipo da Deficiência: ( ) Física ( ) Auditiva ( ) Visual ( ) Mental ( ) Múltipla

Solicito participar da reserva de vagas destinadas a candidatos portadores de deficiência, conforme previsto na Lei Municipal n.º 3.728/2003 e no Decreto Federal n.º 3.298/1999.

Necessita condições especiais para realização da(s) prova(s)?

( ) Não ( ) Sim

Em caso positivo, especificar:
______________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________.

Cascavel, _____ de ___________________ de 2007.

_____________________________
Assinatura do candidato

CONCURSO PÚBLICO - PREFEITURA MUNICIPAL DE CASCAVEL - PR

ANEXO V DO EDITAL Nº 052/2007

REQUERIMENTO PARA RECURSO

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO
Candidato:  
Inscrição:   Documento:  
Cargo Pretendido:   Fone:  

À Comissão Organizadora de Concursos da Prefeitura Municipal de Cascavel

O PRESENTE RECURSO REFERE-SE A
( ) Homologação de Inscrição ( ) Resultado da Prova Prática
( ) Questões da Prova Escrita ( ) Aplicação da Prova de Aptidão Física
( ) Resultado da Prova Escrita ( ) Resultado da Prova de Aptidão Física
( ) Aplicação da Prova Prática ( ) Outros (Especificar):
JUSTIFICATIVA DO CANDIDATO
 

 

 

 

 

Cascavel, _____ de ___________________ de 2007.

___________________________
Assinatura do candidato

86223

Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231