Aulas de Português - Substantivo

2.1 Substantivo:

É a palavra variável que denomina qualidades, sentimentos, sensações, ações, estados e seres em geral.

Quanto a sua formação, o substantivo pode ser primitivo (jornal) ou derivado (jornalista), simples (alface) ou composto (guarda-chuva).

Já quanto a sua classificação, ele pode ser comum (cidade) ou próprio (Curitiba), concreto (mesa) ou abstrato (felicidade).

Os substantivos concretos designam seres de existência real ou que a imaginação apresenta como tal: alma, fada, santo. Já os substantivos abstratos designam qualidade, sentimento, ação e estado dos seres: beleza, cegueira, dor, fuga.

Os substantivos próprios são sempre concretos e devem ser grafados com iniciais maiúsculas.

Certos substantivos próprios podem tornar-se comuns, pelo processo de derivação imprópria (um judas = traidor / um panamá = chapéu).

Os substantivos abstratos têm existência independente e podem ser reais ou não, materiais ou não. Quando esses substantivos abstratos são de qualidade tornam-se concretos no plural (riqueza X riquezas).

Muitos substantivos podem ser variavelmente abstratos ou concretos, conforme o sentido em que se empregam (a redação das leis requer clareza / na redação do aluno, assinalei vários erros).

Já no tocante ao gênero (masculino X feminino) os substantivos podem ser:

  • biformes: quando apresentam uma forma para o masculino e outra para o feminino. (rato, rata ou conde X condessa).
  • uniformes: quando apresentam uma única forma para ambos os gêneros. Nesse caso, eles estão divididos em:
  • epicenos: usados para animais de ambos os sexos (macho e fêmea) - albatroz, badejo, besouro, codorniz;
  • comum de dois gêneros: aqueles que designam pessoas, fazendo a distinção dos sexos por palavras determinantes - aborígine, camarada, herege, manequim, mártir, médium, silvícola;
  • sobrecomuns - apresentam um só gênero gramatical para designar pessoas de ambos os sexos - algoz, apóstolo, cônjuge, guia, testemunha, verdugo;

Alguns substantivos, quando mudam de gênero, mudam de sentido. (o cisma X a cisma / o corneta X a corneta / o crisma X a crisma / o cura X a cura / o guia X a guia / o lente X a lente / o língua X a língua / o moral X a moral / o maria-fumaça X a maria-fumaça / o voga X a voga).

Os nomes terminados em -ão fazem feminino em -ã, -oa ou -ona (alemã, leoa, valentona).

Os nomes terminados em -e mudam-no para -a, entretanto a maioria é invariável (monge X monja, infante X infanta, mas o/a dirigente, o/a estudante).

Quanto ao número (singular X plural), os substantivos simples formam o plural em função do final da palavra.

  • vogal ou ditongo (exceto -ÃO): acréscimo de -S (porta X portas, troféu X troféus);
  • ditongo -ÃO: -ÕES / -ÃES / -ÃOS, variando em cada palavra (pagãos, cidadãos, cortesãos, escrivães, sacristães, capitães, capelães, tabeliães, deães, faisães, guardiães).

Os substantivos paroxítonos terminados em -ão fazem plural em -ãos (bênçãos, órfãos, gólfãos). Alguns gramáticos registram artesão (artífice) - artesãos e artesão (adorno arquitetônico) - artesões.

  • -EM, -IM, -OM, -UM: acréscimo de -NS (jardim X jardins);
  • -R ou -Z: -ES (mar X mares, raiz X raízes);
  • -S: substantivos oxítonos acréscimo de -ES (país X países). Os não-oxítonos terminados em -S são invariáveis, marcando o número pelo artigo (os atlas, os lápis, os ônibus), cais, cós e xis são invariáveis;
  • -N: -S ou -ES, sendo a última menos comum (hífen X hifens ou hífenes), cânon > cânones;
  • -X: invariável, usando o artigo para o plural (tórax X os tórax);
  • -AL, EL, OL, UL: troca-se -L por -IS (animal X animais, barril X barris). Exceto mal por males, cônsul por cônsules, real (moeda) por réis, mel por méis ou meles;
  • IL: se oxítono, trocar -L por -S. Se não oxítonos, trocar -IL por -EIS. (til X tis, míssil X mísseis). Observação: réptil / reptil por répteis / reptis, projétil / projetil por projéteis / projetis;
  • sufixo diminutivo -ZINHO(A) / -ZITO(A): colocar a palavra primitiva no plural, retirar o -S e acrescentar o sufixo diminutivo (caezitos, coroneizinhos, mulherezinhas). Observação: palavras com esses sufixos não recebem acento gráfico.
  • metafonia: -o tônico fechado no singular muda para o timbre aberto no plural, também variando em função da palavra. (ovo X ovos, mas bolo X bolos). Observação: avôs (avô paterno + avô materno), avós (avó + avó ou avô + avó).

Os substantivos podem apresentar diferentes graus, porém grau não é uma flexão nominal. São três graus: normal, aumentativo e diminutivo e podem ser formados através de dois processos:

  • analítico: associando os adjetivos (grande ou pequeno, ou similar) ao substantivo;
  • sintético: anexando-se ao substantivo sufixos indicadores de grau (meninão X menininho).

Certos substantivos, apesar da forma, não expressam a noção aumentativa ou diminutiva. (cartão, cartilha).

  • alguns sufixos aumentativo: -ázio, -orra, -ola, -az, -ão, -eirão, -alhão, -arão, -arrão, -zarrão;
  • alguns sufixos diminutivo: -ito, -ulo-, -culo, -ote, -ola, -im, -elho, -inho, -zinho (o sufixo -zinho é obrigatório quando o substantivo terminar em vogal tônica ou ditongo: cafezinho, paizinho);

O aumentativo pode exprimir desprezo (sabichão, ministraço, poetastro) ou intimidade (amigão); enquanto o diminutivo pode indicar carinho (filhinho) ou ter valor pejorativo (livreco, casebre).

Algumas curiosidades sobre os substantivos:

Palavras masculinas:

  • ágape (refeição dos primitivos cristãos);
  • anátema (excomungação);
  • axioma (premissa verdadeira);
  • caudal (cachoeira);
  • carcinoma (tumor maligno);
  • champanha, clã, clarinete, contralto, coma, diabete/diabetes (FeM classificam como gênero vacilante);
  • diadema, estratagema, fibroma (tumor benigno);
  • herpes, hosana (hino);
  • jângal (floresta da Índia);
  • lhama, praça (soldado raso);
  • praça (soldado raso);
  • proclama, sabiá, soprano (FeM classificam como gênero vacilante);
  • suéter, tapa (FeM classificam como gênero vacilante);
  • teiró (parte de arma de fogo ou arado);
  • telefonema, trema, vau (trecho raso do rio).

Palavras femininas:

  • abusão (engano);
  • alcíone (ave doa antigos);
  • aluvião, araquã (ave);
  • áspide (reptil peçonhento);
  • baitaca (ave);
  • cataplasma, cal, clâmide (manto grego);
  • cólera (doença);
  • derme, dinamite, entorce, fácies (aspecto);
  • filoxera (inseto e doença);
  • gênese, guriatã (ave);
  • hélice (FeM classificam como gênero vacilante);
  • jaçanã (ave);
  • juriti (tipo de aves);
  • libido, mascote, omoplata, rês, suçuarana (felino);
  • sucuri, tíbia, trama, ubá (canoa);
  • usucapião (FeM classificam como gênero vacilante);
  • xerox (cópia).

Gênero vacilante:

  • acauã (falcão);
  • inambu (ave);
  • laringe, personagem (Ceg. fala que é usada indistintamente nos dois gêneros, mas que há preferência de autores pelo masculino);
  • víspora.

Alguns femininos:

  • abade - abadessa;
  • abegão (feitor) - abegoa;
  • alcaide (antigo governador) - alcaidessa, alcaidina;
  • aldeão - aldeã;
  • anfitrião - anfitrioa, anfitriã;
  • beirão (natural da Beira) - beiroa;
  • besuntão (porcalhão) - besuntona;
  • bonachão - bonachona;
  • bretão - bretoa, bretã;
  • cantador - cantadeira;
  • cantor - cantora, cantadora, cantarina, cantatriz;
  • castelão (dono do castelo) - castelã;
  • catalão - catalã;
  • cavaleiro - cavaleira, amazona;
  • charlatão - charlatã;
  • coimbrão - coimbrã;
  • cônsul - consulesa;
  • comarcão - comarcã;
  • cônego - canonisa;
  • czar - czarina;
  • deus - deusa, déia;
  • diácono (clérigo) - diaconisa;
  • doge (antigo magistrado) - dogesa;
  • druida - druidesa;
  • elefante - elefanta e aliá (Ceilão);
  • embaixador - embaixadora e embaixatriz;
  • ermitão - ermitoa, ermitã;
  • faisão - faisoa (Cegalla), faisã;
  • hortelão (trata da horta) - horteloa;
  • javali - javalina;
  • ladrão - ladra, ladroa, ladrona;
  • felá (camponês) - felaína;
  • flâmine (antigo sacerdote) - flamínica;
  • frade - freira;
  • frei - sóror;
  • gigante - giganta;
  • grou - grua;
  • lebrão - lebre;
  • maestro - maestrina;
  • maganão (malicioso) - magana;
  • melro - mélroa;
  • mocetão - mocetona;
  • oficial - oficiala;
  • padre - madre;
  • papa - papisa;
  • pardal - pardoca, pardaloca, pardaleja;
  • parvo - párvoa;
  • peão - peã, peona;
  • perdigão - perdiz;
  • prior - prioresa, priora;
  • mu ou mulo - mula;
  • rajá - rani;
  • rapaz - rapariga;
  • rascão (desleixado) - rascoa;
  • sandeu - sandia;
  • sintrão - sintrã;
  • sultão - sultana;
  • tabaréu - tabaroa;
  • varão - matrona, mulher;
  • veado - veada;
  • vilão - viloa, vilã.

Substantivos em -ÃO e seus plurais:

  • alão - alões, alãos, alães;
  • aldeão - aldeãos, aldeões;
  • capelão - capelães;
  • castelão - castelãos, castelões;
  • cidadão - cidadãos;
  • cortesão - cortesãos;
  • ermitão - ermitões, ermitãos, ermitães;
  • escrivão - escrivães;
  • folião - foliões;
  • hortelão - hortelões, hortelãos;
  • pagão - pagãos;
  • sacristão - sacristães;
  • tabelião - tabeliães;
  • tecelão - tecelões;
  • verão - verãos, verões;
  • vilão - vilões, vilãos;
  • vulcão - vulcões, vulcãos.

Alguns substantivos que sofrem metafonia no plural:

abrolho, caroço, corcovo, corvo, coro, despojo, destroço, escolho, esforço, estorvo, forno, forro, fosso, imposto, jogo, miolo, poço, porto, posto, reforço, rogo, socorro, tijolo, toco, torno, torto, troco.

Substantivos só usados no plural:

anais, antolhos, arredores, arras (bens, penhor), calendas (1º dia do mês romano), cãs (cabelos brancos), cócegas, condolências, damas (jogo), endoenças (solenidades religiosas), esponsais (contrato de casamento ou noivado), esposórios (presente de núpcias), exéquias (cerimônias fúnebres), fastos (anais), férias, fezes, manes (almas), matinas (breviário de orações matutinas), núpcias, óculos, olheiras, primícias (começos, prelúdios), pêsames, vísceras, víveres etc., além dos nomes de naipes.

Coletivos:

  • alavão - ovelhas leiteiras;
  • armento - gado grande (búfalos, elefantes);
  • assembléia (parlamentares, membros de associações);
  • atilho - espigas;
  • baixela - utensílios de mesa;
  • banca - de examinadores, advogados;
  • bandeira - garimpeiros, exploradores de minérios;
  • bando - aves, ciganos, crianças, salteadores;
  • boana - peixes miúdos;
  • cabido - cônegos (conselheiros de bispo);
  • cáfila - camelos;
  • cainçalha - cães;
  • cambada - caranguejos, malvados, chaves;
  • cancioneiro - poesias, canções;
  • caterva - desordeiros, vadios;
  • choldra, joldra - assassinos, malfeitores;
  • chusma - populares, criados;
  • conselho - vereadores, diretores, juízes militares;
  • conciliábulo - feiticeiros, conspiradores;
  • concílio - bispos;
  • canzoada - cães;
  • conclave - cardeais;
  • congregação - professores, religiosos;
  • consistório - cardeais;
  • fato - cabras;
  • feixe - capim, lenha;
  • junta - bois, médicos, credores, examinadores;
  • girândola - foguetes, fogos de artifício;
  • grei - gado miúdo, políticos;
  • hemeroteca - jornais, revistas;
  • legião - anjos, soldados, demônios;
  • malta - desordeiros;
  • matula - desordeiros, vagabundos;
  • miríade - estrelas, insetos;
  • nuvem - gafanhotos, pó;
  • panapaná - borboletas migratórias;
  • penca - bananas, chaves;
  • récua - cavalgaduras (bestas de carga);
  • renque - árvores, pessoas ou coisas enfileiradas;
  • réstia - alho, cebola;
  • ror - grande quantidade de coisas;
  • súcia - pessoas desonestas, patifes;
  • talha -lenha;
  • tertúlia - amigos, intelectuais;
  • tropilha - cavalos;
  • vara - porcos.

Substantivos compostos:

Os substantivos compostos formam o plural da seguinte maneira:

  • sem hífen formam o plural como os simples (pontapé/pontapés);
  • caso não haja caso específico, verifica-se a variabilidade das palavras que compõem o substantivo para pluralizá-los. São palavras variáveis: substantivo, adjetivo, numeral, pronomes, particípio. São palavras invariáveis: verbo, preposição, advérbio, prefixo;
  • em elementos repetidos, muito parecidos ou onomatopaicos, só o segundo vai para o plural (tico-ticos, tique-taques, corre-corres, pingue-pongues);
  • com elementos ligados por preposição, apenas o primeiro se flexiona (pés-de-moleque);
  • são invariáveis os elementos grão, grã e bel (grão-duques, grã-cruzes, bel-prazeres);
  • só variará o primeiro elemento nos compostos formados por dois substantivos, onde o segundo limita o primeiro elemento, indicando tipo, semelhança ou finalidade deste (sambas-enredo, bananas-maçã)
  • nenhum dos elementos vai para o plural se formado por verbos de sentidos opostos e frases substantivas (os leva-e-traz, os bota-fora, os pisa-mansinho, os bota-abaixo, os louva-a-Deus, os ganha-pouco, os diz-que-me-diz);
  • compostos cujo segundo elemento já está no plural não variam (os troca-tintas, os salta-pocinhas, os espirra-canivetes);
  • palavra guarda, se fizer referência a pessoa varia por ser substantivo. Caso represente o verbo guardar, não pode variar (guardas-noturnos, guarda-chuvas).
Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231