Aulas de Português - Dicas de Português 01 (Ortografia)

Dicas de ortografia:

Apresentamos uma lista com as palavras cujas grafias denotam dificuldade para os usuários. Atenção, pois não sabemos quando poderemos utilizar tais palavras.

CertoErrado
DescortinoDescortínio
CumeeiraCumieira
Crioulo (a)Criolo(a)
CavoucarCavocar
FrustraçãoFrustação
ManeirarManerar
PropositadamentePropositalmente
BonançaBonanza
Indigno (eu me)Indiguino (eu me)
CearCeiar
ParalelepípedoParalepípedo
SobrancelhasSombrancelhas

Abreviaturas, Siglas e Símbolos:

Quando usar as abreviaturas?

Pessoal e internamente, podem-se usá-las livremente, já que neste caso são de "consumo interno".

Em correspondência oficial e empresarial há abreviaturas consagradas que igualmente podem ser usadas livremente. Exemplos: Exmo., Ilmo. Sr., Sra., V. Exa., V. Sa. (todos os pronomes de tratamento), Ltda., S.A. ou S/A, a/c (aos cuidados), etc.

Há circunstâncias em que o uso de abreviaturas fica restrito a alguns casos. Em textos técnicos ou científicos, por exemplo, são poucos os casos. A rigidez não é absoluta, mas exige-se bom senso. São de uso consagrado e liberado, mesmo em textos técnico-científicos, além das mencionadas no parágrafo acima, abreviaturas como: nº, art., p. ou pág., cel, av., gen., a.C., entre outras.

Como formar as abreviaturas?

Forma-se abreviatura com a primeira ou as primeiras letras da palavra, encerrando-se em consoante: cap. (capítulo), m. (masculino), art. (artigo); quando se trata de encontro consonantal, a abreviação é feita usando todo o encontro: dipl. (diploma), constr. (construção).

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) fixa algumas abreviaturas com vogal final e outras na consoante inicial de encontros consonantais: ago. (agosto), téc. (técnico).

Devem ser mantidos os acentos e hífens que figuram nas palavras usadas de forma abreviada: séc. (século), dec.-lei (decreto-lei).

No caso de abreviaturas em que se deveriam usar letras elevadas, devido à dificuldade de elevá-las e também devido à consagração de uso, admite-se colocar essas letras na mesma altura e em igual tamanho das demais, usando-se o ponto no final: cel. (cel - coronel), sra. (sra), dra. (dra).

No caso de o ponto abreviativo coincidir com o ponto final, não se deve repetir o ponto: etc. Quando ao ponto indicativo de abreviatura seguir outro sinal de pontuação, usam-se os dois: sra., sra.; sra.?

Há abreviaturas que servem para mais de uma palavra: v. (verbo, veja, vapor, você), p. (pé, página, palmo), gr. (grão, grátis, grau, grosa).

Há palavras e expressões contempladas com mais de uma abreviatura: f., fl., fol. (folha); a.C., A.C. (antes de Cristo).

No plural, em regra se acrescenta s: dras., sras., caps.; em alguns casos, dobram-se as letras (maiúsculas): AA. (autores). Às vezes as letras maiúsculas dobradas representam superlativos: DD. (digníssimo).

O erro mais freqüente é o uso da abreviatura sem o ponto que a encerra.

Quando e como usar as siglas?

Todas as letras da sigla deverão ser maiúsculas quando forem usadas apenas as iniciais das palavras que compõem o nome: PUC (Pontifícia Universidade Católica). São as chamadas siglas próprias ou puras.

Quando se usarem também outras letras que não as iniciais das palavras que formam o nome, prefere-se usar apenas inicial maiúscula: Bacen (Banco Central), Copesul (Companhia Petroquímica do Sul). São as chamadas siglas impróprias ou impuras.

Quando se trata de siglas consagradas, podem ser usadas diretamente, sem escrever o nome das entidades por extenso. Caso contrário, na primeira vez que aparecerem no texto devem ser identificadas, entre parênteses ou separadas por travessão. Em trabalhos mais extensos, pode-se também apresentar lista de siglas no início ou no final.

Quando e como usar os símbolos?

Os símbolos são abreviados sem o uso de ponto: cm (centímetro), g (grama), min (minuto), kg (quilograma).

A forma do plural é sempre igual à do singular, sendo errado acrescentar s: m (metro e metros), l (litro e litros), km (quilômetro e quilômetros).

O uso dos símbolos é universal, podendo ser usados em quaisquer circunstâncias, ao contrário das abreviaturas.

Dicas de acentuação gráfica:

Na língua portuguesa, com exceção do til (~) e dos casos de crase, o acento gráfico só pode ocorrer na sílaba tônica das palavras, que são aquelas sílabas pronunciadas de maneira destacada, como ocorre nos exemplos a seguir: ca-FÉ, ca-fe-ZI-nho, e-co-NÔ-mi-co, e-co-no-MI-a, se-cre-TÁ-ria, se-cre-ta-RI-a. Portanto, a identificação da sílaba tônica da palavra deve ser feita antes do uso das regras de acentuação.

As regras só se aplicam às palavras da língua portuguesa e às devidamente aportuguesadas.

Já nos grupos GUE, GUI, QUE e QUI. Esses grupos apresentam três situações:

* U não ser pronunciado; neste caso nada se coloca sobre ele (nem trema nem acento): quente, coqueiro, guerra, distinguir.

* U é átono, mas pronunciado: delinquente, arguição, aguentar, delinquir.

* U não só é pronunciado, como é tônico; argui, averigue, obliques.

Obs.: Fora dos grupos GUE, GUI, QUE e QUI nada disso acontece, ou seja, não se aplica a regra do trema: oblíquo, ambíguo, apaziguar.

Política de Privacidade 2000-2014 PCI Concursos Telefone (11) 2122-4231